Violência segue fazendo vítimas: Em Natal, jovem é executado e mulher é baleada em bar, enquanto dois são assassinados em Parnamirim

Três homicídios registrados pela Polícia Militar em Parnamirim e Natal chamaram a atenção para a violência que só cresce na capital e na cidade da região metropolitana. Os crimes ocorreram entre a noite dessa terça-feira (20) e madrugada desta quarta-feira (21).

Na capital potiguar, um jovem de 19 anos, de identidade a ser confirmada, foi executado com mais de 10 tiros dentro de um bar no bairro Bom Pastor, na zona Oeste, e uma mulher acabou sendo baleada nas costas durante os disparos realizados por uma dupla, que invadiu o estabelecimento e abriu fogo contra a vítima. De acordo com informações preliminares, os autores dos disparos de pistola 380 foram identificados, mas a Polícia ainda não se pronunciou para que a busca pelos acusados não seja atrapalhada. Até o momento não se tem informação do estado de saúde da mulher baleada.

Já em Parnamirim, outros dois homicídios, um na terça, e outro nesta madrugada, assustaram os moradores dos bairros Bela Vista e Boa Esperança. Segundo a Polícia, as vitimas foram assassinadas e tinham histórico de envolvimento com drogas. O primeiro crime, por volta das 19h, resultou na morte de Carlos Francisco da Silva, de 24 anos, na rua Santo Antônio, no instante em que ele saía de uma padaria. Na ocasião, o jovem foi cercado por dois homens armados, que abriram fogo. A vítima ainda foi socorrida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas não resistiu. Por fim, no início desta manhã, por volta das 5h, Fernando do Nascimento Alves, de 39, foi assassinado em via pública por homens que passaram atirando dentro de um veículo. Nos dois casos, acusados fugiram com destino ignorado e não foram reconhecidos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carvalho disse:

    Campanha de desarmamento onde a população vai espontaneamente entregar a arma é muito fácil.
    Quem fez a entrega espontânea foram cidadãos de bem.
    Difícil é fazerem blitz constantes para apreensão de armas.
    Como sempre, não poderia ter faltado o toque de incompetência e ingenuidade das autoridades públicas.

  2. Alvaro Brito disse:

    Como se consegue armamento? no cambio negro? me parece ser muito fácil.
    Porque as autoridades não providenciam uma campanha de desarmamento e um combate ostensivo, tipo a blitz do bafômetro?

COMENTE AQUI