“A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. Não é tomar no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alerta Pazuello

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, defendeu, nesta quarta-feira (13), a importância de os brasileiros continuarem seguindo as recomendações das autoridades de saúde como forma de tentar conter o aumento do número de casos do novo coronavírus (covid-19).

“Todo mundo deve estar focado em salvar vidas. Cada um no seu papel. Se o papel da pessoa é se prevenir para não ficar doente, tomar seus cuidados, manter o afastamento social, este é o papel dela”, disse o ministro, em Manaus, onde apresentou um balanço das ações dos governos federal e estadual para tentar controlar a disseminação do coronavírus no estado.

“Temos que nos cuidar. Temos que seguir as orientações dos gestores. Não adianta lutar contra isto”, disse Pazuello após afirmar que todos têm que colaborar para que o país consiga superar a doença. “O papel das equipes de mídia é informar, manter a população a par do que está acontecendo para que ela fique calma e confie em quem está trabalhando. O dos empresários é manter suas estruturas funcionando para preservar os empregos das pessoas, mas com a devida prevenção e cuidados médicos”.

O ministro reafirmou que a população brasileira começará a ser vacinada ainda este mês. E que as vacinas cuja segurança e eficácia forem comprovadas serão distribuídas para todo o país ao mesmo tempo, de acordo com a proporção populacional dos grupos considerados prioritários. Pazuello também ressaltou que a população deverá manter os cuidados que já vêm sendo recomendados, como o uso de máscara, o distanciamento social e a atenção à higiene das mãos e de objetos, mesmo após o início da vacinação.

“Vamos vacinar em janeiro. A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. A literatura [médica] fala em 30 a 60 dias. Não é tomar a vacina no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alertou Pazuello.

Tratamento precoce

O ministro disse que devido à gravidade da situação atual em Manaus, a prioridade deve ser o tratamento precoce nas unidades básicas de saúde. Desde dezembro, o número de casos da covid-19 na capital manauara não para de aumentar.

“Não temos 30 ou 60 dias para esperar a imunização total [de parte da população a partir da aplicação da vacina]. A vacina faz parte de uma estratégia, cujo principal [ação] é o tratamento na unidade básica de saúde, o diagnóstico clínico feito pelo médico”, disse o ministro, acrescentando que não há “como resolver esta situação se não transformarmos o atendimento precoce em prioridade da prefeitura de Manaus”.

Dentre as ações em curso, como a abertura de novos leitos hospitalares para atendimento de pacientes com a covid-19 e o transporte de cilindros de oxigênio para suprir o aumento da demanda, o ministro mencionou uma parceria com o Hospital Sírio Libanês de “auxílio na gestão hospitalar”. De acordo com o ministro, a proposta é que especialistas verifiquem os casos de pacientes internados já em condições de deixar os hospitais, abrindo vaga para outras pessoas.

“Na correria, às vezes os médicos estão mais ocupados com salvar alguém do que em ver quem pode ir para lá ou para cá. Então, um apoio externo, neste momento, ajudará nesta responsabilidade. Com isso, pretendemos ter mais 150 leitos [disponíveis] ainda esta semana, por desospitalização para tratamento residencial”, explicou Pazuello.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    O ministro capacho tem que alertar eh o presidente MINTOmaníaco sobre isso! Com ou sem vacinação o presidente retardado induz aglomeração, o ministro não sabia disso?

  2. Minion de Peixeira disse:

    Engraçado os vigaristas que acusavam os outros de serem anti-ciência, hoje cobrando que a Anvisa queime etapa de estudo. Enfim, a hipocrisia.

    • Aluísio Valença disse:

      Cloroquina pode tomar sem comprovação, né!?
      A ciência só é boa pra você quando é politicamente oportuna.

    • Neco disse:

      Cloriquina tem toneladas de comprovação empírica. Para uso precoce e consorciado.
      Isso também é ciência. Só não deu para ficar fazendo teste duplo-cego, randomzado,
      com estratificação e revisão de pares. Remédios usados por índios, por exemplo. Muitos não foram validades cientificamene, e nem por isso deixam de funcionar.

    • Luciano disse:

      A cloroquina nunca foi obrigada, tomava se o médico passasse e se a pessoa quisesse tomar, já a vacina vc quer q tome mesmo sem aprovação da Anvisa, uma vacina feita em 10 meses enquanto remédios de quase 100 anos queriam proibir

  3. José Lúcio disse:

    Esse ministro vai já pegar o beco, falando que o povo tem que fazer a parte dele, mantendo o distanciamento social, deixe o patrão saber disso!

  4. Minion de Peixeira disse:

    Tem zé mané que acha que Bolsonaro não tem o faro político suficiente para querer iniciar a vacinação o quanto antes, independentemente da tentativa de protagonismo de Dória.
    Goste ou não de Bolsonaro, fato é que ele não tá botando pressão na Anvisa. Só tá esperando o sinal verde da Agência. O Presidente sabe que existe uma forte cobrança popular para que se inicie logo a imunização. Quem não gosta dele vai continuar dizendo que ele só tá pensando em política. Quem gosta vai dizer que ele tá sendo responsável. Mas o que devemos medir é a atitude concreta. E a atitude concreta é que a imunização vai começar em breve, com a Anvisa chancelando a vacina X, de acordo com critérios da realidade

    • ZéGado disse:

      Falou o assessor direto da casa branca tupiniquim.
      🐄🐄🐄🐂

    • Minion de Peixeira disse:

      Ou os que não gostam defendem a delirante e lunática tese de que Bolsonaro quer matar todo o mundo. Tem alucinado/demente pra tudo. Já conhecemos a sua arJumentação.

    • Minion de Peixeira disse:

      Vou chorar na cama comendo fandangos… Fui revelado! Bidê não vai me renovar…

    • Minion de Peixeira disse:

      E o Bozo vai me exonerar… Vou fazer mimimi no tuíter.

  5. Jose de Arimatea Lopes Fernandes disse:

    Porque não começar a vacinar?

    • Minion de Peixeira disse:

      Depende da Anvisa. O que pode ser adequado para uma população, pode ser inadequado para outra. Papo pra especialistas. Não pra palpiteiros e políticos picaretas.

    • Insti Gado disse:

      Adequado pra todos é a vacina, que o BOZO insistiu em negar até o último momento. Junto com seus generais especialistas deixou de fazer sua obrigação na hora certa. Agora, com atraso, vai trazer uma vacina da India e freou a liberação das outras na Anvisa, comandado por outro general capacho, para iniciar a vacinação antes do Dória. 2 milhões de doses não dá nem pro começo. O gado continua pastando e mugindo.

    • Neco disse:

      Que vigarice… Bolsonaro não retardou nenhuma vacina.

    • Neco disse:

      Se dois milhões não dão nem pro começo (se começa até com uma), quantas deveriam ser entao, Sr. Especialista? É cada um. putz…

  6. Calígula disse:

    Tá se saindo como um gigante o General Panzuello.

    • Insti Gado disse:

      Um incompetente gigantesco. Essa vacina indiana já foi aprovada pela Anvisa?

  7. ZéGado disse:

    Segundo Dr. Pazuello, a vacinação vai começar no dia “D” e na hora “H”.
    Graças ao nosso Min. Da Saúde, uma excelente notícia.
    Grande dia 👍🏻

  8. Pixuleco disse:

    É uma capacidade ! Éum cientista ! É um estrategista ! Estou deveras preocupado com o que as escolas militares estão formando . Será possível isso ? No dia D e na hora H , aparecem essas mercadorias .

COMENTE AQUI