ESCASSEZ GLOBAL: Maior fabricante de vacinas alerta para falta de matérias-primas

Foto: Gareth Fuller/Pool via AP

O CEO da maior fabricante de vacinas do mundo e a cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde (OMS) disseram que há escassez global da matérias-primas para produzir imunizantes contra o coronavírus.

Adar Poonawalla, diretor-presidente do Serum Institute of India – que está licenciado para produzir centenas de milhões de vacinas contra a covid-19 da AstraZeneca e Novavax – disse a um painel do Banco Mundial na quinta-feira que uma lei dos Estados Unidos que bloqueia a exportação de certos itens importantes, como bolsas e filtros, pode causar sérios gargalos. Soumya Swaminathan, da OMS, acrescentou que faltam frascos, vidros, plásticos e tampas usadas por essas empresas.

“A vacina da Novavax, da qual somos um grande fabricante, precisa desses itens dos Estados Unidos”, disse Poonawalla. “Se estamos falando sobre aumentar capacidade no mundo todo, o compartilhamento dessas matérias-primas fundamentais vai se tornar um fator limitante crítico, ninguém conseguiu abordar isso até agora.”

O governo Biden anunciou planos de usar a Lei de Produção de Defesa para aumentar os suprimentos necessários para a fabricação de vacinas da Pfizer. Em 2020, a Pfizer reduziu as metas de produção depois que a farmacêutica americana enfrentou dificuldades para garantir todas as matérias-primas de que precisava para produzir vacinas em grande escala.

“Isso é algo que precisaria de alguma discussão com o governo Biden para explicar a eles que há suficiente para todos”, disse Poonawalla. “Estamos falando sobre ter acesso global gratuito a vacinas, mas, se não conseguirmos as matérias-primas dos EUA, isso será um sério fator limitante.”

Mesmo sob condições ideais, vacinar 7,8 bilhões de pessoas testaria a delicada coreografia das cadeias de suprimento globais de maneiras nunca vistas em tempos de paz. Isso porque a produção de uma vacina depende de uma complexa cadeia de valor global de matérias-primas e componentes.

“Há escassez de matérias-primas, de produtos necessários para a fabricação de vacinas”, disse Swaminathan. “É aqui que, mais uma vez, precisamos de um acordo global e coordenação para não proibir as exportações.”

Ela disse que os parceiros de vacinas da OMS, a Federação Internacional de Fabricantes e Associações Farmacêuticas e a Rede de Fabricantes de Vacinas dos Países em Desenvolvimento realizarão reuniões na segunda e terça-feira da próxima semana para discutir essas questões.

Apesar das advertências de Poonawalla, ele disse que o Serum distribuiu nos últimos dois meses 90 milhões de doses da vacina da AstraZeneca para 51 países depois que recebeu autorização emergencial dos reguladores indianos no início de janeiro, um ritmo recorde para a empresa.

Valor

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lira disse:

    Mistura com cloroquina, no depósito de Bolsonaro tem umas 50 toneladas que ele comprou e, exceto o alguns exemplares do gado, ninguém quiz tomar

  2. Bruno disse:

    $ó $e fala em vacina$.
    E o tratamento precoce com remédios baratos defendido por vários médicos inclusive pela maior autoridade desse país??
    Ninguém da ouvidos, e o fumo só entrando.
    Era custo governadores e prefeitos no Brasil todo sentar e discutir com os medicos?
    Tinha que ser implementado uma coisa dessas pro bem do povo.
    Mas não, fazem loby pros laboratórios mult milionários.
    Esses políticos são uma vergonha.

  3. Joao Bolsonaro disse:

    CULPA DO GENOEMICIDA BR!!!

  4. Tico de Adauto disse:

    Desgoverno! Genocidio em curso!

  5. David disse:

    Na loucura do mundo por essa vacina, eles irão perder oportunidade pra ganhar mais dinheiro, isso são uns fdp, acoloiados com a china. Taí a China, causadora e dessieminadora dessa pandemia no mundo, totalmente incólume. O mundo que se f**, é isso que eles desejam.

Médico é espancado pelo cunhado no PR: ‘Alertei sobre a pandemia’

Infectologista foi espancado após defender lockdown Foto: Reprodução

Olho roxo, costela machucada, hematoma nos lábios e corpo dolorido. Esse é o resultado das agressões sofridas pelo infectologista José Eduardo Panini, de 31 anos, na noite da última sexta-feira (26). O médico foi espancado dentro da própria casa após defender medidas de restrição à circulação de pessoas e suspensão das atividades não essenciais no Paraná, diante do aumento de casos de Covid-19 no estado.

O agressor foi o próprio cunhado de Panini, um homem descrito pelo médico como pessoa que nunca respeitou o isolamento social e sempre se recusou a usar máscara. A discussão começou quando o familiar insistia em sair para uma festa no momento mais grave da pandemia no Brasil.

“Eu e minha esposa estávamos orientando a não ir, falando dos riscos e das medidas sanitárias tomadas. E ele reagiu de forma agressiva, com socos e chutes. Até minha mulher foi agredida. Um amigo dele, que veio buscá-lo, ainda me segurou para ele me socar. Eu alertei sobre a pandemia e a resposta foi agressão”, disse Panini.

A maior preocupação do médico era com o sogro e a sogra, que têm idade avançada e fazem parte do grupo de risco. Panini ainda apresentou dados, como o aumento de 30% na demanda por UTIs na região de Toledo e, por esse motivo, argumentou que seria prudente o cunhado dar “uma segurada”.

“Eu não sei o que aconteceu na mente dele, pois ele não é normalmente agressivo. Agora eu estou todo dolorido, com a costela machucada e o olho roxo. Eu precisava de ponto na boca, mas cuidei em casa mesmo, com gaze. Nessa imagem que publiquei (nas redes sociais) eu já estou ótimo, melhorei bastante. Na sexta-feira estava muito pior”, explicou.

A conversa com o cunhado aconteceu após Panini sair de uma reunião que determinou o que seria fechado no município de Toledo, em conformidade com o decreto do governo estadual. O infectologista ficou impressionado com os dados sobre o avanço da pandemia de forma descontrolada pelo interior do Paraná.

Situado no oeste do estado, Toledo tem 142 mil habitantes. De acordo com a Prefeitura, desde o início da pandemia 15.043 pessoas foram infectadas pelo coronavírus no município e 143 mortes foram registradas em consequência da doença.

“Eu estive otimista, achava que poderíamos resolver a pandemia neste ano. Mas entramos em uma situação que vai demorar muito para sair, com as novas variantes, a dificuldade para vacinação e a alta transmissibilidade do vírus”, disse.

Apesar da realidade adversa, Panini sustenta que “não é hora de desistir, mas de ficar firme”. O infectologista pediu apoio das autoridades e da imprensa para aumentar a conscientização da população.

José Eduardo Panini é professor da Universidade Federal do Paraná Foto: Divulgação

Panini é formado pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) e infectologista com residência médica no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da USP. Também é especialista em infectologia pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) e foi professor do curso de medicina da Universidade Federal do Paraná (UFPR) no campus de Toledo.

A agressão sofrida pelo infectologista repercutiu no município. O Conselho Municipal de Saúde de Toledo condenou, em nota, o ataque ao médico e cobrou que os autores sejam identificados e punidos.

“Salientamos que o Conselho repudia qualquer ato de violência e em se tratando do atual momento da pandemia, a qual (sic) servidores atuam incansavelmente para salvar vidas aqui em Toledo, assim como no mundo todo, atos desse tipo apontam total desrespeito com o próximo e só traz prejuízos a todos os que estão na luta para que isto um dia vire apenas história”, afirmou.

Em nota, o Centro Acadêmico de Medicina de Toledo também repudiou a agressão contra o infectologista e afirmou que a comunidade acadêmica estava indignada com a situação.

“Defendemos que a pandemia seja enfrentada com seriedade e com base em dados científicos. Somos contra todo ato de violência, desrespeito, intolerância e negacionismo. Nós, acadêmicos, desejamos força e uma boa recuperação ao Dr. José Eduardo, e que essa atitude criminosa seja devidamente punida. Nossa gratidão pelo profissional exemplo que é para nós alunos”, disse a nota.

Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Sérgio disse:

    Quando liberarem de vez as armas, a situação vai piorar…

  2. Pixuleco disse:

    Calígula não tem esse problema . Ele realmente quer bem aCUNHADO! Aí papai .

  3. ZéGado disse:

    Vixe… Esse “balsanarista” não foi carinhoso com o cunhado.

  4. Luiz Antônio disse:

    Mais um desmiolado seguidor tosco capitão 👨‍✈️

Instituto Nacional de Meteorologia emite alerta de perigo de chuva intensa em 19 cidades do RN

Foto: Reprodução Inmet

O Instituto Nacional de Meteorologia emitiu, na manhã desta sexta-feira (26), um comunicado de perigo potencial por causa das chuvas sobre 19 municípios do Rio Grande do Norte, além de cidades de Pernambuco e da Paraíba. O alerta vale até às 11h de sábado (27). De acordo com o comunicado, há previsão de chuvas com intensidade de 30 a 60 milímetros por hora ou de 50 a 100 milímetros por dia, com risco de alagamentos e deslizamentos, em cidades com tais áreas de risco.

As instruções gerais para a população, ainda de acordo com o instituto, envolvem, evitar enfrentar o mau tempo, observar alteração nas encostas, evitar uso de aparelhos eletrônicos ligados à tomada e, em caso de urgência, acionar a Defesa Civil (telefone 199) e o Corpo de Bombeiros (telefone 193).

As cidades do RN sob alerta são: Arês; Baía Formosa; Brejinho; Canguaretama; Espírito Santo; Goianinha; Jundiá; Macaíba; Montanhas; Monte Alegre; Natal; Nísia Floresta; Parnamirim; Pedro Velho; Senador Georgino Avelino; São Gonçalo Do Amarante; São José De Mipibu; Tibau Do Sul; e Vila Flor.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    Assim não vou para Barra de Cunhaú.

IMPORTANTE: Veja quais são os golpes mais comuns com o Pix e saiba como se prevenir

Foto: Estadão Conteúdo

Se, por um lado, o Pix facilitou as transações entre clientes de bancos, por outro, a ferramenta também aumentou os riscos de golpes e fraudes em ambientes digitais. Para evitar prejuízos financeiros aos consumidores, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e 30 instituições divulgaram os principais golpes envolvendo o sistema e as formas de se prevenir. A ação faz parte da 1ª edição da Semana da Segurança Digital de 2021.

De acordo com a Febraban, as tentativas de golpe registradas com o Pix e relatadas por instituições financeiras foram identificadas como phishing. Nessa forma de ataque, os criminosos usam técnicas de engenharia social, que consistem em enganar a vítima para que ela forneça informações confidenciais, como senhas e números de cartões.

Ainda segundo a federação, a pandemia aumentou esse tipo de crime, uma vez que as pessoas passam a maior parte do tempo online, o que facilita a ação dos criminosos.

Confira abaixo quais são os principais golpes envolvendo o Pix e saiba como se prevenir.

Clonagem do Whatsapp

Nesse golpe, os criminosos enviam uma mensagem pelo WhatsApp e fingem ser de empresas em que a vítima tem cadastro. Eles pedem o código de segurança, que já foi enviado por SMS pelo aplicativo, e afirmam se tratar de uma atualização, manutenção ou confirmação de cadastro.

Com esse código, os bandidos replicam a conta de WhatsApp em outro celular. Feito isso, eles enviam mensagens para os contatos da pessoa, fazendo-se passar por ela, pedindo dinheiro emprestado por transferência via Pix.

Habilitar a “Verificação em duas etapas” no aplicativo pode reduzir os riscos de ter o WhatsApp clonado. Para isso, basta fazer o seguinte passo a passo no aplicativo: Configurações/Ajustes > Conta > Verificação em duas etapas.

Essa configuração permite cadastrar uma senha que será solicitada periodicamente pelo app. Mas atenção: a senha não deve ser enviada para outras pessoas nem digitada em links recebidos.

Engenharia social com WhatsApp

Outra fraude comum ocorre quando o criminoso escolhe uma vítima, pega uma foto dela em redes sociais, cria uma nova conta no WhatsApp e, de alguma forma, consegue descobrir números de celulares de contatos da pessoa.

Com o número novo, o bandido manda mensagem para amigos e familiares da vítima, alegando que teve de trocar de número devido a algum problema, como, por exemplo, um assalto. Em seguida, pede uma transferência via Pix, dizendo estar em alguma situação de emergência.

A orientação da Febraban, nesse caso, é ter cuidado com a exposição de dados em redes sociais, como, por exemplo, em sorteios e promoções que pedem o número de telefone do usuário.

Outra dica é sempre certificar-se de que a pessoa realmente mudou seu número de telefone sempre que receber alguma mensagem com essa informação.

“O cliente sempre deve suspeitar quando recebe uma mensagem de algum contato que solicita dinheiro de forma urgente. Não faça o Pix ou qualquer tipo de transferência até falar com a pessoa que está solicitando o dinheiro”, orienta a federação.

Falso funcionário e falsas centrais telefônicas

Também é comum o fraudador entrar em contato com a vítima e se passar por um falso funcionário do banco ou empresa com a qual o cliente tem um relacionamento ativo. O criminoso oferece ajuda para que o cliente cadastre a chave Pix, ou diz que o usuário precisa fazer um teste com o sistema de pagamentos instantâneos para regularizar seu cadastro, e o induz a fazer uma transferência bancária.

Sobre esse golpe, a Febraban ressalta que “os dados pessoais do cliente jamais são solicitados ativamente pelas instituições financeiras, tampouco funcionários de bancos ligam para clientes para fazer testes com o Pix”. Na dúvida, a orientação é sempre procurar o banco para obter esclarecimentos.

Bug do Pix

Os criminosos também atuam por meio de um golpe do “bug” (falha que ocorre ao executar algum sistema eletrônico) do Pix. Nas redes sociais, os bandidos afirmam que graças a um “bug” no sistema de pagamentos é possível ganhar o dobro do valor que foi transferido para chaves aleatórias. Porém, ao fazer este processo, o cliente envia dinheiro para golpistas.

O próprio Banco Central já alertou que não há qualquer “bug” no Pix. A Febraban ressalta que o cliente sempre deve desconfiar de mensagens que prometem dinheiro fácil e que chegam pelas redes sociais ou e-mail.

Cadastramento de chaves

O cadastramento das chaves Pix também deve ser feito diretamente nos canais oficiais das instituições financeiras, como o aplicativo bancário, internet banking, agências ou através de contato feito pelo cliente à central de atendimento.

“O consumidor não deve clicar em links recebidos por e-mails, pelo WhatsApp, redes sociais e por mensagens de SMS, que direcionam o usuário a um suposto cadastro da chave do Pix”, diz Adriano Volpini, diretor da Comissão Executiva de Prevenção a Fraudes da Febraban.

Ele também afirma que os cuidados que o cliente deverá ter na hora de fazer uma transação por meio do Pix deverão ser os mesmos que adota ao fazer qualquer transação financeira. “Sempre é necessário checar os dados do recebedor da transação Pix (pagamento ou transferência), seja para uma pessoa ou um estabelecimento comercial”, afirma.

CNN Brasil

TRT-RN alerta sobre golpe relacionado a pagamento de precatórios

O Tribunal Regional do Trabalho da 21ª Região (TRT-RN) recebeu denúncias sobre um novo golpe realizado por meio do envio de mensagens de Whatsapp ou telefonemas para credores de precatórios na Justiça do Trabalho do Rio Grande do Norte.

Em um caso, o golpista se fez passar por servidor do tribunal e condicionou a liberação do precatório à emissão de uma Certidão Negativa de Débitos. Para emiti-la, o golpista exigiu o pagamento de R$ 12 mil.

Em alguns casos, o golpista também envia uma foto da secretaria de uma Vara do Trabalho, para convencer a vítima de que ele está nas dependências da Justiça do Trabalho e precisa fazer o recolhimento do valor naquele momento.

O TRT-RN esclarece que não existe cobrança de qualquer taxa pela Justiça do Trabalho para o pagamento de precatórios, tampouco esta instituição fornece qualquer certidão ou cobra taxas para obtenção de documento dessa natureza.

Leia matéria completa AQUI no Justiça Potiguar.

Terremoto no sul do pacífico produz tsunami e acende alerta para ilhas da região

Foto: G1 Mundo

Um terremoto de magnitude 7,7 atingiu a região sudeste das Ilhas da Lealdade, um arquipélago no sul do Pacífico, perto da Nova Caledônia, nesta quarta-feira (10), segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos.

O Escritório de Meteorologia da Austrália (BOM, na sigla em inglês) informou que o tremor formou um tsunami na região e levantou um alerta para os moradores da Ilha Lorde Howe, uma reserva ecológica com cerca de 380 residentes.

O epicentro do terremoto foi a 401 quilômetros da cidade de Tadine, na Nova Caledônia, a uma profundidade de 2 quilômetros, de acordo com o Centro Europeu Mediterrâneo Sismológico (EMSC, na sigla em inglês).

Há também alertas de tsunami para várias outras ilhas da região: Nova Zelândia, Fiji, Vanuatu, Tuvalu e outras.

Essa região faz parte do Círculo de Fogo do Pacífico, uma área com intensa atividade vulcânica e sísmica.

Mapa identifica a região do Círculo de Fogo do Pacífico — Foto: Ciência/G1

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ZéGado disse:

    Vc é um lixo da pior espécie.

  2. Calígula disse:

    Poderia ser em Cuba.

EUA emitem alerta contra terror doméstico por “motivação ideológica”

Foto: JIM URQUHART / REUTERS

O Departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos emitiu um boletim para alertar sobre um ambiente de alta ameaça” no país. O documento foi publicado nesta quarta-feira (27) e informa sobre a possibilidade de “alguns extremistas violentos com motivação ideológica” continuarem a se mobilizar para incitar ou cometer atos de violência.

De acordo com o comunicado, esses grupos extremistas têm “objeções ao exercício da autoridade governamental e à transição presidencial, bem como outras queixas percebidas alimentadas por narrativas falsas”. O alerta é válido até o dia 30 de abril.

O órgão de defesa lembra que desde 2020 os Estados Unidos são palco de ações extremistas violentas por parte de “indivíduos com pontos de vista opostos”. Entre as motivações dessas ações, o comunicado pontua a “raiva sobre as restrições do COVID-19, os resultados das eleições de 2020 e o uso da força pela polícia”.

“O Departamento de Segurança Interna teme que esses mesmos impulsionadores da violência permaneçam até o início de 2021 e alguns extremistas domésticos possam ser encorajados pela violação do Capitólio dos Estados Unidos em Washington, em 6 de janeiro de 2021, para atingir autoridades eleitas e instalações governamentais”, diz o texto.

O comunicado aconselha a população a ficar preparada para o risco de eventos violentos. O boletim orienta a população a evitar grandes multidões, incluindo protestos, prestar atenção nos arredores, ter cuidados com a segurança pessoal, levar consigo anotações com os contatos de emergência, bem como informações médicas e outras necessidades.

A orientação é para que os norte-americanos denunciem condutas suspeitas e ameaças de violência, incluindo atividades online.

O boletim é um aviso de status inferior utilizado para alertar o público sobre riscos gerais. Está abaixo do alerta elevado e do alerta iminente, este último divulgado quando há ameaça real de ataque terrorista aos Estados Unidos.

Época

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    Tomem um leitinho condensado crianças e depois masquem um chicletinho pra relaxar!

  2. Pinicodemirro disse:

    MOURÃO 2021

  3. Rodrigo S. disse:

    Eis a cara da extrema direita!!!

  4. jackson disse:

    Vão começar a caçar os conservadores.

  5. Chicó disse:

    Aqui no Brasil tem um grupo parecido. Eles não aceitam a vitória de Bolsonaro !!!

Polícia faz alerta que golpistas clonam contas no Whatsapp com falsa pesquisa sobre Covid-19 no RN

Foto: Reprodução

Criminosos se passaram por pesquisadores do Ministério da Saúde para aplicar um golpe e roubar contas de Whatsapp de potiguares. O crime não para por aí. Ao ter acesso ao aplicativo, os golpistas se passam pela vítima e pedem dinheiro a conhecidos, que podem se tornar novas vítimas.

Esse é mais um entre golpes cibernéticos que vêm sendo investigados pela Polícia Civil do Rio Grande do Norte, que alerta para cuidados na hora de atender a uma pesquisa ou realizar compras pela internet, por exemplo. Leia reportagem completa do G1-RN AQUI.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Macho todo disse:

    Eu não dou dinheiro nem ao vivo, que dirá por telefone. Mando logo o galado se fuder. Povo besta do caralho

  2. Julia disse:

    Eita povinho burro!

  3. Gustavo mafra disse:

    Isso faz tempo. Não tem nada haver com covid. A pessoa se passa por amigo e pede dinheiro.

“A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. Não é tomar no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alerta Pazuello

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, defendeu, nesta quarta-feira (13), a importância de os brasileiros continuarem seguindo as recomendações das autoridades de saúde como forma de tentar conter o aumento do número de casos do novo coronavírus (covid-19).

“Todo mundo deve estar focado em salvar vidas. Cada um no seu papel. Se o papel da pessoa é se prevenir para não ficar doente, tomar seus cuidados, manter o afastamento social, este é o papel dela”, disse o ministro, em Manaus, onde apresentou um balanço das ações dos governos federal e estadual para tentar controlar a disseminação do coronavírus no estado.

“Temos que nos cuidar. Temos que seguir as orientações dos gestores. Não adianta lutar contra isto”, disse Pazuello após afirmar que todos têm que colaborar para que o país consiga superar a doença. “O papel das equipes de mídia é informar, manter a população a par do que está acontecendo para que ela fique calma e confie em quem está trabalhando. O dos empresários é manter suas estruturas funcionando para preservar os empregos das pessoas, mas com a devida prevenção e cuidados médicos”.

O ministro reafirmou que a população brasileira começará a ser vacinada ainda este mês. E que as vacinas cuja segurança e eficácia forem comprovadas serão distribuídas para todo o país ao mesmo tempo, de acordo com a proporção populacional dos grupos considerados prioritários. Pazuello também ressaltou que a população deverá manter os cuidados que já vêm sendo recomendados, como o uso de máscara, o distanciamento social e a atenção à higiene das mãos e de objetos, mesmo após o início da vacinação.

“Vamos vacinar em janeiro. A vacina induz à produção de anticorpos, mas isto não acontece no dia seguinte. A literatura [médica] fala em 30 a 60 dias. Não é tomar a vacina no dia 20 e, no dia 22 estar na rua fazendo festa”, alertou Pazuello.

Tratamento precoce

O ministro disse que devido à gravidade da situação atual em Manaus, a prioridade deve ser o tratamento precoce nas unidades básicas de saúde. Desde dezembro, o número de casos da covid-19 na capital manauara não para de aumentar.

“Não temos 30 ou 60 dias para esperar a imunização total [de parte da população a partir da aplicação da vacina]. A vacina faz parte de uma estratégia, cujo principal [ação] é o tratamento na unidade básica de saúde, o diagnóstico clínico feito pelo médico”, disse o ministro, acrescentando que não há “como resolver esta situação se não transformarmos o atendimento precoce em prioridade da prefeitura de Manaus”.

Dentre as ações em curso, como a abertura de novos leitos hospitalares para atendimento de pacientes com a covid-19 e o transporte de cilindros de oxigênio para suprir o aumento da demanda, o ministro mencionou uma parceria com o Hospital Sírio Libanês de “auxílio na gestão hospitalar”. De acordo com o ministro, a proposta é que especialistas verifiquem os casos de pacientes internados já em condições de deixar os hospitais, abrindo vaga para outras pessoas.

“Na correria, às vezes os médicos estão mais ocupados com salvar alguém do que em ver quem pode ir para lá ou para cá. Então, um apoio externo, neste momento, ajudará nesta responsabilidade. Com isso, pretendemos ter mais 150 leitos [disponíveis] ainda esta semana, por desospitalização para tratamento residencial”, explicou Pazuello.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Manoel disse:

    O ministro capacho tem que alertar eh o presidente MINTOmaníaco sobre isso! Com ou sem vacinação o presidente retardado induz aglomeração, o ministro não sabia disso?

  2. Minion de Peixeira disse:

    Engraçado os vigaristas que acusavam os outros de serem anti-ciência, hoje cobrando que a Anvisa queime etapa de estudo. Enfim, a hipocrisia.

    • Aluísio Valença disse:

      Cloroquina pode tomar sem comprovação, né!?
      A ciência só é boa pra você quando é politicamente oportuna.

    • Neco disse:

      Cloriquina tem toneladas de comprovação empírica. Para uso precoce e consorciado.
      Isso também é ciência. Só não deu para ficar fazendo teste duplo-cego, randomzado,
      com estratificação e revisão de pares. Remédios usados por índios, por exemplo. Muitos não foram validades cientificamene, e nem por isso deixam de funcionar.

    • Luciano disse:

      A cloroquina nunca foi obrigada, tomava se o médico passasse e se a pessoa quisesse tomar, já a vacina vc quer q tome mesmo sem aprovação da Anvisa, uma vacina feita em 10 meses enquanto remédios de quase 100 anos queriam proibir

  3. José Lúcio disse:

    Esse ministro vai já pegar o beco, falando que o povo tem que fazer a parte dele, mantendo o distanciamento social, deixe o patrão saber disso!

  4. Minion de Peixeira disse:

    Tem zé mané que acha que Bolsonaro não tem o faro político suficiente para querer iniciar a vacinação o quanto antes, independentemente da tentativa de protagonismo de Dória.
    Goste ou não de Bolsonaro, fato é que ele não tá botando pressão na Anvisa. Só tá esperando o sinal verde da Agência. O Presidente sabe que existe uma forte cobrança popular para que se inicie logo a imunização. Quem não gosta dele vai continuar dizendo que ele só tá pensando em política. Quem gosta vai dizer que ele tá sendo responsável. Mas o que devemos medir é a atitude concreta. E a atitude concreta é que a imunização vai começar em breve, com a Anvisa chancelando a vacina X, de acordo com critérios da realidade

    • ZéGado disse:

      Falou o assessor direto da casa branca tupiniquim.
      🐄🐄🐄🐂

    • Minion de Peixeira disse:

      Ou os que não gostam defendem a delirante e lunática tese de que Bolsonaro quer matar todo o mundo. Tem alucinado/demente pra tudo. Já conhecemos a sua arJumentação.

    • Minion de Peixeira disse:

      Vou chorar na cama comendo fandangos… Fui revelado! Bidê não vai me renovar…

    • Minion de Peixeira disse:

      E o Bozo vai me exonerar… Vou fazer mimimi no tuíter.

  5. Jose de Arimatea Lopes Fernandes disse:

    Porque não começar a vacinar?

    • Minion de Peixeira disse:

      Depende da Anvisa. O que pode ser adequado para uma população, pode ser inadequado para outra. Papo pra especialistas. Não pra palpiteiros e políticos picaretas.

    • Insti Gado disse:

      Adequado pra todos é a vacina, que o BOZO insistiu em negar até o último momento. Junto com seus generais especialistas deixou de fazer sua obrigação na hora certa. Agora, com atraso, vai trazer uma vacina da India e freou a liberação das outras na Anvisa, comandado por outro general capacho, para iniciar a vacinação antes do Dória. 2 milhões de doses não dá nem pro começo. O gado continua pastando e mugindo.

    • Neco disse:

      Que vigarice… Bolsonaro não retardou nenhuma vacina.

    • Neco disse:

      Se dois milhões não dão nem pro começo (se começa até com uma), quantas deveriam ser entao, Sr. Especialista? É cada um. putz…

  6. Calígula disse:

    Tá se saindo como um gigante o General Panzuello.

    • Insti Gado disse:

      Um incompetente gigantesco. Essa vacina indiana já foi aprovada pela Anvisa?

  7. ZéGado disse:

    Segundo Dr. Pazuello, a vacinação vai começar no dia “D” e na hora “H”.
    Graças ao nosso Min. Da Saúde, uma excelente notícia.
    Grande dia 👍🏻

  8. Pixuleco disse:

    É uma capacidade ! Éum cientista ! É um estrategista ! Estou deveras preocupado com o que as escolas militares estão formando . Será possível isso ? No dia D e na hora H , aparecem essas mercadorias .

OMS alerta que mundo não terá imunidade de rebanho em 2021 mesmo com vacinas

México, Chile e Costa Rica estão entre os países que já estão aplicando a vacina contra covid-19 — Foto: Getty Images via BBC

Apesar de vários países já estarem aplicando vacinas contra o coronavírus, o mundo não alcançará a imunidade de rebanho em 2021, segundo alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Não vamos atingir nenhum nível de imunidade coletiva em 2021” porque o processo de aplicação de vacinas “leva tempo”, disse a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, em uma entrevista coletiva virtual em Genebra.

“Leva tempo para dimensionar a produção de doses — não só em milhões, mas aqui estamos falando de bilhões”, disse ela, que pediu que as pessoas tivessem “um pouco de paciência”.

Swaminathan destacou que no final “as vacinas vão chegar” e que “vão para todos os países”. Mas ela lembrou que nesse ínterim “há medidas que funcionam”.

Ela pediu que as pessoas continuem tomando precauções como o distanciamento físico, a lavagem das mãos e o uso de máscaras em massa para combater a pandemia, cuidados que serão necessários “pelo menos durante o resto deste ano”.

Estima-se que pelo menos 60% da população mundial precise ser imunizada para que o conceito de imunidade de rebanho (coletiva ou de grupo) comece a surtir efeito. Mas essa cifra ainda é imprecisa e pode ser ainda maior. Alguns especialistas falam num patamar de 80%.

E o mundo ainda está longe disso. Até 11 de janeiro, pouco mais de 28 milhões de pessoas foram vacinadas, o que representa apenas cerca de 0,4% da população mundial (7 bilhões).

Nesta pandemia, a imunidade de grupo ocorrerá quando uma parcela grande o suficiente da população desenvolver uma defesa imunológica contra o coronavírus. Nesse cenário, a doença não consegue se espalhar porque a maioria das pessoas é imune e ela passa a ter grande dificuldade para encontrar alguém suscetível.

Avanço da vacinação

Mais de um ano se passou desde que a China relatou os primeiros casos de um novo tipo de pneumonia à OMS, que semanas depois seria batizada de Covid-19.

Desde então, foram registrados 90,9 milhões de casos da doença no mundo e 1,9 milhão de pessoas morreram em todas as regiões do planeta. No Brasil, são 8 milhões de casos e mais de 203 mil mortes.

Enquanto o Brasil discute seu plano de vacinação, pelo menos 40 países já começaram a vacinar sua população contra Covid-19.

Israel, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, China, Rússia, Itália, Canadá são alguns dos países que já começaram a imunizar suas populações.

Na América Latina, México, Chile, Costa Rica e Argentina já aplicam a vacina.

Algumas metas são ambiciosas. Israel quer se tornar o primeiro país a acabar com a Covid-19 por meio de vacinação. Já o governo britânico — que aprovou três vacinas contra Covid-19 — anunciou no fim de semana que sua meta é vacinar toda a população adulta até meados de setembro.

Das mais de 28 milhões de pessoas vacinadas, a maior parte está na China (9 milhões) e nos Estados Unidos (8,99 milhões), seguidos por Reino Unido (2,68 milhões) e Israel (1,85 milhão).

Em proporção ao tamanho da população, Israel está no topo da lista, com mais de 21% de seus habitantes vacinados. Em seguida, aparecem os Emirados Árabes Unidos (11,8%) e Bahrein (5,44%). Os demais, incluindo Reino Unido e EUA, ainda não chegaram a 5% da população imunizada.

A corrida mundial entre países para vacinar suas populações, que marca o começo de 2021, já tem revelado problemas logísticos. Entre as preocupações, estão a falta de frascos de vidro para as vacinas, a busca por mais pessoas para vacinar a população, além do suprimento de seringas.

Na última conferência de 2020, a OMS disse que, apesar da vacinação, a erradicação do Covid-19 “é um obstáculo muito alto”.

“A existência de vacina, mesmo com alta eficácia, não é garantia de eliminação ou erradicação de uma doença infecciosa”, disse Mark Ryan, chefe do programa de emergências da OMS, no final de dezembro.

G1, com BBC

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tico de Adauto disse:

    Aqui no Brasil só no dia D e na hora H.
    O desgoverno genocida quer assim no Brasil.

  2. Raimundo disse:

    Alguém ainda acredita na OMS?

  3. Logan disse:

    Pois vá se acostumando com o rebanho, PTralhas nunca mais!

  4. ZéGado disse:

    Para se livrar do rebanho 🐂🐄, eu faria qualquer coisa, até deixar de tomar a vacina.

Prefeitura de Parnamirim alerta a população sobre forma correta de pagamento do IPTU de 2021

FOTO: ASCOM – GCTI

A Prefeitura de Parnamirim alerta a população quanto à forma correta de pagamento do Imposto Predial Territorial Urbano de 2021. O contribuinte não deve, de forma alguma, efetuar o pagamento do tributo mediante transferência bancária ou depósito (DOC, TED ou PIX). A Secretaria Municipal de Tributação solicita que quem tiver efetuado o procedimento dessa forma, procure atendimento no Setor de Arrecadação da Semut, imediatamente, em decorrência da proximidade da data de vencimento – próximo dia 11/01/2021.

O tributo é composto pelo IPTU e Taxa de Coleta e Recolhimento de Lixo. Para aproveitar o desconto de 20% sobre o valor do IPTU de 2021, o cidadão deverá efetuar o pagamento na rede bancária do boleto constante no carnê de IPTU; acessar o Portal do Contribuinte com os dados do imóvel para fazer a impressão do boleto; ou ainda se dirigir à sede da SEMUT, na Rua Cícero Fernandes Pimenta, 312, Santos Reis, até a próxima segunda-feira (11). Nesse último caso é preciso agendar um horário, para evitar aglomerações devido à pandemia.

Para mais esclarecimentos, os contribuintes podem ligar para os telefones (84) 3644-8440 ou 3644-8313. A Secretaria de Tributação também realiza atendimentos através do aplicativo WhatsApp (84) 99922-4023 e do e-mail tributacao@parnamirim.rn.gov.br.

Covid-19 causa distúrbios neurológicos até com sintomas leves, alerta neurocientista

Neurocientista Daniel Martins-de-Souza. Foto: Agência Unicamp

A retomada do avanço da Covid-19 registrada a partir de novembro ameaça levar ao crescimento do número de pessoas acometidas por distúrbios neurológicos, de depressão a problemas de memória. O alerta é do neurocientista Daniel Martins-de-Souza, do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Ele é um dos coordenadores do grupo de cientistas de várias instituições brasileiras que descobriu alterações na estrutura do córtex cerebral, mesmo em pessoas com sintomas leves de Covid-19. O mesmo grupo comprovou que o coronavírus infecta células cerebrais e afeta suas funções.

Além da Unicamp, o estudo brasileiro contou com a Universidade de São Paulo (USP) em colaboração com o Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino (Idor) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

O córtex é a região mais nobre e complexa do cérebro. Está ligado a funções fundamentais, como consciência, memória, linguagem, cognição e atenção. Alterações no córtex acontecem em doenças neurodegenerativas graves, como os males de Alzheimer e Parkinson. E, por isso mesmo, os cientistas pretendem acompanhar as pessoas examinadas no estudo de Covid-19 por dois anos, para detectar se houve sequelas.

— A Covid-19 pode afetar o sistema nervoso central. Sabemos que 30% das pessoas com Covid-19 apresentam sintomas neurológicos, isso é muito grave. Pacientes com sintomas leves apresentam alterações na estrutura cortical, e isso está associado à depressão, ansiedade e até mesmo a déficits cognitivos. Com mais gente adoecendo, mais pessoas sofrerão esses problemas — destaca Martins-de-Souza.

O trabalho brasileiro também mostrou que o Sars-CoV-2 é capaz de infectar e se replicar nos astrócitos, células de suporte e as mais numerosas do sistema nervoso central. Isso foi observado por meio de autópsias de vítimas da Covid-19.

Ao afetar os astrócitos, o coronavírus pode prejudicar o funcionamento dos neurônios, que precisam dos astrócitos para se nutrir. Experiências em culturas de células realizadas por Martins-de-Souza mostram que os neurônios se tornam menos viáveis se os astrócitos são infectados.

É como uma reação em cadeia. O vírus ataca os astrócitos e, infectados, eles morrem ou deixam de cumprir seu papel de suporte aos neurônios. Estes então passam a não levar mais direito os sinais nervosos. O resultado pode ser uma gama de problemas, tão variados quanto dificuldade de raciocínio, perda de memória e depressão.

As alterações no córtex de pessoas com Covid-19 branda foram identificadas por meio de exames de ressonância magnética. Essa parte do estudo brasileiro foi liderada pela cientista Clarissa Yasuda, do Instituto Brasileiro de Neurociência e Neurotecnologia/Brainn/Unicamp. Yasuda analisou imagens do cérebro de 81 pessoas que tiveram Covid-19 com sintomas leves.

Os exames foram realizados, em média, dois meses após o surgimento dos primeiros sintomas da Covid-19. E um terço dos participantes ainda apresentava nesse período problemas neurológicos ou neuropsiquiátricos, como ansiedade, fadiga, dor de cabeça, depressão, perda de paladar, de sono e do desejo sexual.

Foram identificadas diferentes alterações na estrutura cortical, como aumento ou perda de espessura. O próximo passo do trabalho será descobrir se essas alterações são temporárias ou permanentes.

— Esperamos que nosso trabalho sirva como alerta. Nossos dados mostram o quão perigoso é se expor ao coronavírus ou “querer pegar logo isso para ficar livre”. Mas, se nessa de pegar logo, a pessoa sofre uma complicação neurológica? Nossa pesquisa mostra que é melhor fugir dessa ideia. Não dá para predizer quando a “gripezinha” vai se transformar num distúrbio neurológico. Não tem como saber — frisa Martins-de-Souza.

‘Muito trabalho à frente’

Os dados produzidos pelo estudo oferecem informações importantes para tratar a Covid-19, mas a ciência ainda está longe de compreender totalmente a doença.

No fim de 2020, dois novos estudos internacionais publicados na Nature Neuroscience trouxeram evidências do ataque direto do Sars-CoV-2 ao cérebro. O primeiro, realizado pela Universidade de Washington, demonstrou em animais que proteínas do vírus atravessam a defesa do cérebro, a barreira hematoencefálica (a proteção natural contra substâncias tóxicas e infecções).

Outra pesquisa, esta da Universidade Charité (Alemanha), reuniu por meio de autópsias em vítimas fatais da Covid-19 mais evidências de que o coronavírus usa o nariz para chegar ao cérebro.

— Todos esses estudos são importantes e reforçam nossas descobertas. A ciência ainda não desvendou os mecanismos de ataque do coronavírus ao sistema nervoso central — frisa Martins-de-Souza.

Ele explica que demonstrar a queda da barreira em animais é um primeiro passo para indicar que o mesmo poderia acontecer com seres humanos. Mas há outras hipóteses não excludentes, como a da invasão do vírus através do nariz, via nervo. E alguns pesquisadores já levantaram a hipótese de o coronavírus chegar ao cérebro pelo nervo vago (o maior nervo craniano, que vai do cérebro ao estômago).

— Avançamos muito, mas essa é uma doença complexa. Temos muito trabalho à frente — diz o neurocientista.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    O covid me causou distúrbio de Ereção prolongada kkkk

    • fora disse:

      No cérebro…a ereção? Kkkkkkkkkk…mas um…oh deuses…seguidor de bosta da nisso

  2. Calígula disse:

    E o sumiço dos 5 milhões de reais que foram utilizados parcompra dos respiradores?
    É distúrbio de moral
    Ou malandragem?

  3. Calígula disse:

    Lula e seus seguidores nem precisou pegar covid, são hereditários Kkkķ
    Até a mania de Roubar tbm.

  4. Tico de Adauto disse:

    Deve ser por isso q o PR, q teve covid, tá cada dia mais debiloide.

Saúde em Natal monitora casos de Covid por telefone e alerta para golpes

Foto: Divulgação SMS

Desde as primeiras notificações da pandemia do novo coronavírus, a Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS/Natal) realiza um monitoramento dos casos via telefone, com ligações diárias aos pacientes que testam positivo e ficam em isolamento domiciliar. O intuito é de monitorar os sintomas. O serviço de rastreamento é de responsabilidade das Unidades Básicas de Saúde dos municípios, sendo uma recomendação do Ministério da Saúde. Atualmente, o Departamento de Atenção Básica (DAB) da SMS Natal desenvolve esse trabalho de acompanhamento aos pacientes notificados pela Covid-19.

O monitoramento é feito com algumas informações contidas na ficha de notificação preenchida nas unidades; e alerta para indivíduos que podem passar pelo setor com envio de códigos ou solicitação de dados financeiros durante as ligações. A plataforma utilizada é o Sistema de Atenção e Vigilância em Saúde, que dispõe de alguns dados que podem ser solicitados ou confirmados no momento das ligações: nome completo, CPF, e endereço, por exemplo.

Em nenhum momento, informações sigilosas como dados bancários, cartão de crédito ou envio de códigos de confirmação são solicitados pelos profissionais. O sistema foi desenvolvido pelo Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/HUOL/UFRN) para a melhoria de checagem de dados dos pacientes.

Segundo Tamires Mendes, do DAB, “esse acompanhamento acontece através de telefone, que pode ser um fixo ou móvel, com orientações para os cuidados em casa e medidas para evitar a transmissão da doença. No mesmo contato, acontece a avaliação da evolução dos sinais e sintomas e identificação precoce dos sinais de gravidade para encaminhamento em tempo oportuno à rede de saúde. Nossos profissionais sempre se identificam no início das ligações também”, comenta.

A SMS alerta aos pacientes sobre as informações pedidas no momento do acompanhamento para que não caiam em possíveis golpes. Dados complementares como ocupação e local de trabalho (e se pertence ao sistema prisional), sinais e sintomas apresentados, dados sobre as pessoas com as quais tiveram contatos próximos para observar o desenvolvimento de sinais e sintomas (nome, CPF, telefone e parentesco) também podem ser solicitados no ato do contato.

COVID – FACILIDADE DE CONTAMINAÇÃO IMPRESSIONA: Especialista faz alerta para risco de praias cheias

Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

O verão começa oficialmente nsta segunda-feira, e a estação que é a cara do Rio encontrará um cenário completamente diferente dos anteriores. Apesar da previsão de uma estação típica, com dias longos e quentes, como prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os próximos três meses marcam o verão da pandemia, com o fim da estação quase no mesmo dia em que se completa um ano da primeira morte por Covid-19 no estado. No último domingo da primavera, com termômetros na casa dos 38 graus, a cidade já teve um prenúncio de como deve ser o verão: além do calor, praias cheias, nenhum distanciamento nas areias, banhistas sem máscara e ausência de fiscalização.

O epidemiologista Roberto Medronho, professor da UFRJ que lidera estudos sobre a Covid-19, destaca que é a primeira vez em que o Rio irá encarar a Covid-19 no verão, época em que, com o calor, cariocas não costumam ficar em casa. Em nota técnica, ele e outros cientistas sugeriram nova proibição à permanência nas praias:

— Num período de festas de fim de ano, onde se fala tanto em fraternidade e solidariedade, a melhor forma de mostrarmos esses valores é ficando em casa. Tenho visto com muita preocupação famílias promovendo festas, pacotes de réveillon sendo vendidos em clubes.

Medronho compara o momento atual ao enfrentado na Europa durante a mesma estação, quando surgiu a segunda onda por lá. O epidemiologista diz ver muitas semelhanças entre os cenários:

— Estamos iniciando o verão, e, infelizmente, o que prevíamos está acontecendo: as pessoas estão se juntando em praias, bares, restaurantes e festas. Foi exatamente assim que a segunda onda chegou à Europa.

Por fim, o epidemiologista alerta para o risco de alto contágio numa situação como a de uma praia lotada.

— Se houver uma pessoa ali na faixa de areia com coronavírus, ela certamente contaminará todas as outras que estiverem ao seu redor, num perímetro de dois metros. Se a pessoa estiver falando alto ou cantando, como acontece também nas baladas, esse perímetro aumenta muito ainda. Infelizmente, essa virose não tem característica sazonal, a transmissibilidade é elevadíssima, independente da estação.

Multidão na areia

No dia em que o estado chegou a 24.473 vidas perdidas e 406.820 casos confirmados de coronavírus, e a média móvel, com alta de 34%, indicou aumento no contágio pelo sexto dia seguido, em contraste com o drama da pandemia, as areias da Zona Sul, ficaram cheias. Equipes do GLOBO percorreram toda a orla e não encontraram fiscais da prefeitura ou policiais militares tentando coibir aglomerações ou conscientizando banhistas da importância da normas sanitárias de prevenção à Covid-19.

No Arpoador, onde a faixa de areia é estreita, o distanciamento entre os banhistas neste domingo ficou quase impossível, com barracas quase coladas umas nas outras. Apenas alguns poucos banhistas conseguiam escapar da aglomeração, tomando sol na pedra. Apesar disso, duas viaturas do Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidão (Recom), da Polícia Militar, estavam estacionadas no calçadão, mas os agentes não atuavam nas areias.

Em Copacabana, Ipanema e Leblon, o cenário era parecido, assim como no Leme. Foi lá que a aposentada Dorinha Silva, de 60 anos, escolheu para dar um passeio, após três meses sem ir à praia. Receosa, a moradora de Copacabana preferiu manter a distância da aglomeração: escolheu um espaço vazio na mureta, e não tirou a máscara.

— As pessoas não temem a doença. Eu prefiro ficar distante. Não tem mais fiscalização nenhuma, mas, se tivesse, faria diferença — diz.

No calçadão, o movimento era mais tímido que em outros fins de semana, mas, ainda assim, com um número considerável de frequentadores pedalando ou caminhando — muitos sem máscara.

No início do mês, a prefeitura do Rio voltou a proibir o estacionamento na orla nos fins de semana e feriados. A medida, no entanto, não evitou que a orla de Copacabana e Leme tivesse um número considerável de carros parados.

Na capital, onde a situação é mais delicada em relação à pressão por internações, a ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 mostra com clareza a proporção do avanço da doença: na rede SUS, que inclui leitos municipais, estaduais e federais, 92% das vagas de UTI estavam lotadas neste domingo. Havia 273 pessoas infectadas aguardando transferência, sendo 175 delas, para terapia intensiva.

Segundo o Inmet, o verão deve ter temperaturas máximas dentro da média climatológica, entre 33 e 34 graus, mas valores superiores podem ocorrer eventualmente.

— O verão começará com tempo bom e temperatura elevada, com grande probabilidade de chuvas fortes e queda na temperatura no segundo dia do verão, devido uma frente fria que passará pelo litoral da Região Sudeste — prevê a meteorologista Marlene Leal, do Inmet.

Com as altas temperaturas, um dos desafios será se manter de máscara.

— O uso da máscara no verão vai se tornar mais incômodo, mas é extremamente necessário — alerta o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alberto Chebabo, .

Chebabo também recomenda aumentar a frequência com que as máscaras são trocadas, já que a eficiência da barreira é prejudicada pela umidade. E a dermatologista Nandara Paiva lembra que, com o aumento da temperatura, o equipamento de proteção pode ainda causar acne e brotoejas. Os problemas, podem ser amenizados por produtos adequados.

A prefeitura informou que realizou fiscalização no fim de semana, aplicou 690 multas de trânsito e rebocou 539 veículos. A PM não se manifestou.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gustavo disse:

    Bota um político em um trio elétrico em cada praia que zera o risco de contaminação. O vírus tem pavor de evento político e some do local.

  2. Alex Lima disse:

    Geral "brincando" de roleta russa!

  3. Luciano disse:

    Sugiro fazermos comícios nas praias em todo o Brasil durante o verão, dessa forma não teremos perigo de contaminação, o ministério público vai brigar para liberar, Dr. Drauzio Varela vai fazer comercial dizendo que não tem perigo pedindo pras pessoas serem voluntárias nas praias, a esquerda vai ficar calada e o o povão vai se aglomerar e fazer a festa.

  4. riva disse:

    Há a facilidade de contaminação e a impossibilidade de ser atendido conforme os hipócritas "protocolos" de cuidados e demais blá blá, daqueles que são os "especialistas" no assunto. Tenho familiares com todas as características da infecção e quando chegaram no atendimento, por exemplo, no ginásio Nélio Dias, um "especialista" orientou que fossem para casa, pois no início de janeiro de 2021, irão se submeter à exames para saber qual a enfermidade. Resumo, a canalhice e o desprezo pela vida humana infeccionou a mente e os corações dos "especialistas".

  5. Paulo Eudes disse:

    Engraçado na campanha não tinha risco algum, agora que passou a falação da campanha não Pode nada.

    • Greg disse:

      Na campanha sempre teve risco, vc saiu atrás do trio elétrico?…eu não fui.

  6. Torcem Pra o Vírus disse:

    A fonte sendo qualquer coisa da Globo não dá, cara! Zero credibilidade.

    • Joao disse:

      Então para de assistir a globo e muda para papinha lá só tem notícias tranquilas. O problema e sua cegueira amigo.

    • Manoel disse:

      Fonte segura é o zap-zap do gabinete do ódio e da imbecilidade.

    • Insti Gado disse:

      Só confio nos blogs do Bozo. Em Olavo do Car(v)alho e no gabinete do ódio.

“Positividade tóxica pode ser pior que depressão”, alertam especialistas

FOTO: MARIA PONOMARIOVA/GETTY IMAGESMARIA PONOMARIOVA/GETTY IMAGES

Pode parecer contraditório, mas a positividade pode ser tóxica.

“Qualquer tentativa de escapar do negativo — evitá-lo, sufocá-lo ou silenciá-lo — falha. Evitar o sofrimento é uma forma de sofrimento”, escreveu o escritor americano Mark Manson em seu livro A Arte Sutil de Ligar o Foda-se.

É precisamente nisso que consiste a positividade tóxica ou positivismo extremo: impor a nós mesmos — ou aos outros — uma atitude falsamente positiva, generalizar um estado feliz e otimista seja qual for a situação, silenciar nossas emoções “negativas” ou as dos outros.

Já aconteceu de você contar algo negativo sobre sua vida para alguém e, em vez de ouvir e acolher, a pessoa dizer: “Mas pelo menos…” ou então “É só você pensar positivo”?

O psicólogo da saúde Antonio Rodellar, especialista em transtornos de ansiedade e hipnose clínica, prefere falar em “emoções desreguladas” do que “negativas”.

“A paleta de cores emocionais engloba emoções desreguladas, como tristeza, frustração, raiva, ansiedade ou inveja. Não podemos ignorar que, como seres humanos, temos aquela gama de emoções que têm uma utilidade e que nos dão informações sobre o que acontece no nosso meio e no nosso corpo”, explica Rodellar à BBC News Mundo.

Para a terapeuta e psicóloga britânica Sally Baker, “o problema com a positividade tóxica é que ela é uma negação de todos os aspectos emocionais que sentimos diante de qualquer situação que nos represente um desafio.”

“É desonesto em relação a quem somos permitir-nos apenas expressões positivas”, diz Baker. “Negar constantemente tudo o que é ‘negativo’ que sentimos em situações difíceis é exaustivo e não nos permite construir resiliência [a capacidade de nos adaptarmos a situações adversas].”

“Isso nos isola de nós mesmos, de nossas verdadeiras emoções. Nós nos escondemos atrás da positividade para manter outras pessoas longe de uma imagem que nos mostra imperfeitos.”

Psicologia positiva vs. positividade tóxica

Para entender a positividade tóxica, devemos primeiro diferenciá-la da psicologia positiva, um conceito que parece semelhante, mas é diferente.

“A psicologia positiva foi popularizada pelo psicólogo Martin Seligman, que trabalhou muito com os problemas da depressão e deu uma perspectiva diferente para lidar com diferentes problemas, situações ou patologias”, explica Rodellar.

Na década de 1990, Seligman, então presidente da Associação Psicológica Americana (APA), disse em uma conferência que a psicologia precisava dar um novo passo para estudar do ponto de vista científico tudo o que torna o ser humano feliz.

Em seu famoso livro The Optimistic Child (A Criança Otimista, sem edição no Brasil), o psicólogo americano explicou que o pessimista não nasce, mas é criado. “Aprendemos a ser pessimistas pelas circunstâncias da vida.”

No entanto, ele também disse que podemos lutar contra esse pessimismo e transformar nossos pensamentos negativos em mais positivos.

Mas isso não quer dizer que, se você se sente triste, tem que se concentrar em ser feliz. Na verdade, fazer isso provavelmente cairá na armadilha da positividade tóxica porque, para trabalhar as emoções negativas, você não pode ignorá-las. Primeiro você deve reconhecê-las e aceitá-las.

O segredo é não levar o positivismo ao extremo.

“O conceito de psicologia positiva ficou um pouco distorcido com o tempo”, diz Rodellar. “Focar nos aspectos positivos das diferentes situações que ocorrem na vida pode ser terapêutico e construtivo. O problema é que levado ao extremo pode gerar uma baixa capacidade de enfrentar situações negativas.”

“A psicologia positiva aplicada corretamente é uma prática muito útil, mas usada indiscriminadamente gera uma visão muito parcial da realidade e um sentimento de desamparo. Negar situações dolorosas e prejudiciais na vida é como ver a realidade com um só olho”, acrescenta Rodellar.

Como a positividade tóxica nos afeta?

Bloquear ou ignorar emoções “negativas” pode ter consequências para a saúde.

“Todas as emoções que reprimimos são somatizadas, expressas através do corpo, muitas vezes na forma de doença. Quando negamos uma emoção, ela encontrará uma forma alternativa de se expressar”, diz Rodellar.

“Suprimir as emoções afeta sua saúde. Se você esconder suas dificuldades mentais por trás de uma fachada de positividade, elas se refletirão de maneiras alternativas em seu corpo, de problemas de pele à síndrome do intestino irritável”, explica Sally Baker.

“Quando ignoramos nossas emoções negativas, nosso corpo aumenta o volume para chamar nossa atenção para esse problema. Suprimir as emoções nos esgota mental e fisicamente. Não é saudável e não é sustentável a longo prazo”, diz a terapeuta.

Uma segunda consequência, diz Rodellar, é que “quando nos concentramos apenas nas emoções positivas, obtemos uma versão mais ingênua ou infantil das situações que podem nos acontecer na vida, de modo que nos tornamos mais vulneráveis ​​aos momentos difíceis”.

Teresa Gutiérrez, psicopedagoga e especialista em neuropsicologia, considera que “o positivismo tóxico tem consequências psicológicas e psiquiátricas mais graves do que a depressão”.

“Pode levar a uma vida irreal que prejudica nossa saúde mental. Tanto positivismo não é positivo para ninguém. Se não houver frustração e fracasso, não aprendemos a desenvolver em nossas vidas”, disse ele à BBC Mundo.

‘É ok não estar bem’

O positivismo tóxico está na moda? Baker pensa que sim e atribui isso às redes sociais, “que nos obrigam a comparar nossas vidas com as vidas perfeitas que vemos online”.

“Há uma tendência constante nas redes sociais de nos mostrarmos perfeitos e felizes. Mas isso é desgastante e não é real.”

“Se houvesse mais honestidade sobre as vulnerabilidades, nos sentiríamos mais livres para experimentar todos os tipos de emoções. Somos humanos e devemos nos permitir sentir todo o espectro de emoções. É ok não estar bem. Não podemos ser positivos o tempo todo.”

Gutiérrez acredita que houve um aumento do positivismo tóxico “nos últimos anos”, mas principalmente durante a pandemia.

“Vivemos um momento atípico e estranho em que muita gente está sofrendo muito. Ansiedade, incerteza, frustração, medo… são sentimentos comuns. Porém, há um excesso de positivismo tóxico que é perigoso”, afirma a psicoterapeuta.

Rodellar diz que vê “uma certa tendência ao bem-estar rápido, de querer se sentir bem imediatamente, como um direito natural”.

“É muito bom pensar que tudo vai dar certo, mas isso não significa que todo o processo para que aconteça tenha que ser agradável. É mais realista dizer ‘isso também vai acontecer, mas vai passar’ quando estamos em um momento de bloqueio”, diz a psicóloga.

“Todas as emoções são como ondas: ganham intensidade e depois descem e tornam-se espuma, até desaparecer aos poucos. O problema é quando não as queremos sentir porque nos tornamos mais dóceis perante uma ‘onda’ que se aproxima”.

Validar em vez de ignorar

Os psicólogos concordam que o ideal — em termos gerais — é aceitar todas as emoções, em vez de suprimir aquelas que nos fazem mal.

Não se trata de não ser positivo, mas de validar como nos sentimos a cada momento mesmo quando não estamos bem.

“Seja mais honesto, mais autêntico, não tenha medo de expressar que está triste, deprimido ou ansioso. Reconheça que está mal e saiba que isso vai acontecer. Experimente essas emoções e aprenda com elas a ser mais resiliente”, explica Baker, que esclarece que essas dicas excluem pessoas com depressão clínica (um distúrbio grave que, na verdade, costuma piorar se não for tratado).

Stephanie Preston, professora de psicologia da Universidade de Michigan, nos EUA, acredita que a melhor maneira de validar as emoções é “apenas ouvi-las”.

“Quando alguém compartilha sentimentos negativos com você, em vez de correr para fazer essa pessoa se sentir melhor ou pensar mais positivamente (“Tudo vai ficar bem”), tente levar um segundo para refletir sobre seu desconforto ou medo e faça o possível para ouvir”, aconselha a especialista.

“Estar em uma situação emocionalmente difícil já faz as pessoas se sentirem sozinhas e isoladas. Quando outros tentam silenciar essas emoções, especialmente amigos e familiares, dói muito. Ouvir alguém que está sofrendo pode fazer uma grande diferença na vida da pessoa.”

Preston diz que diversos estudos mostram como o altruísmo beneficia e influencia positivamente a nossa própria saúde.

E se você é quem está mal, “o mais importante é fazer um exercício de consciência”, propõe Rodellar.

“Esteja atento à situação e à emoção que está vivenciando. Não negue que algo ruim está acontecendo, não olhe para o outro lado, mas não fique preso a essa emoção negativa.”

“As emoções são informações que temos que ler e entender para depois aplicar uma perspectiva construtiva e ver quais lições podemos aprender e como podemos gerar mudanças no futuro.”

Como aplicar isso na prática? Em vez de dizer “não pense nisso, seja positivo”, diga “me diz o que você está sentindo, eu te escuto”. Em vez de falar “poderia ser pior”, diga “sinto muito que está passando por isso”. Em de vez “não se preocupe, seja feliz”, diga “estou aqui para você”.

“Temos que assumir a responsabilidade por nossa própria felicidade a partir da psicologia construtiva”, diz Rodellar.

“Tudo bem olhar para o copo meio cheio, mas aceitando que pode haver situações em que o copo está meio vazio e, a partir daí, assumir a responsabilidade de como construímos nossas vidas”.

Para Baker, o que devemos lembrar é que “todas as nossas emoções são autênticas e reais, e todas elas são válidas”.

*Esta reportagem não é um artigo médico. Se tiver sintomas de depressão, perguntas ou precisar de orientação, consulte seu médico ou um psicólogo.

BBC

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Nadia disse:

    O surpreendente efeito da positividade tóxica na saúde mental
    Lucía Blasco
    Da BBC News Mundo
    Necessário reproduzir o título e a autora da matéria!

Prefeitura de Parnamirim alerta sobre notícia falsa de vale-gás natalino

Foto: ASCOM

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, Habitação e Regularização Fundiária (Semas), comunica a população que é notícia falsa, a informação circulada nas redes sociais sobre um possível cadastro para o recebimento do “Vale-Gás Natalino”.

De acordo com a fake news compartilhada, quem abrir o site e realizar o cadastro receberá duas parcelas no valor de R$ 90,00. A Prefeitura alerta ao parnamirinense para não realizar cadastro algum no site informado, pois os dados pessoais pedidos na inscrição podem resultar em golpe.

Os cadastros para os programas sociais são realizados pela Semas diretamente na Central de Atendimento Social (CAS), Rua Pedro Bezerra Filho, 55, em Santos Reis, vizinho à Escola PH3 Horário, de Segunda a sexta, das 8h às 15h Telefone: 3643-2387 ou 3645-6007.

A Prefeitura de Parnamirim, através da Secretaria Municipal de Assistência Social, Habitação e Regularização Fundiária (Semas), comunica a população que é notícia falsa, a informação circulada nas redes sociais sobre um possível cadastro para o recebimento do “Vale-Gás Natalino”.

De acordo com a fake news compartilhada, quem abrir o site e realizar o cadastro receberá duas parcelas no valor de R$ 90,00. A Prefeitura alerta ao parnamirinense para não realizar cadastro algum no site informado, pois os dados pessoais pedidos na inscrição podem resultar em golpe.

Os cadastros para os programas sociais são realizados pela Semas diretamente na Central de Atendimento Social (CAS), Rua Pedro Bezerra Filho, 55, em Santos Reis, vizinho à Escola PH3 Horário, de Segunda a sexta, das 8h às 15h Telefone: 3643-2387 ou 3645-6007.