Vacina para prevenir HIV pode estar disponível em 4 anos, mostra estudo

Foto: Pixabay

Uma vacina para prevenir o HIV, que serviria para que o próprio sistema imunológico produza anticorpos que atuem contra o vírus, pode estar disponível em quatro anos, segundo afirmou o infectologista e epidemiologista Jorge Sánchez à Agência Efe nesta terça-feira (23).

Durante a 10ª Conferência Mundial Científica sobre HIV (IAS 2019), realizada na Cidade do México, o vice-presidente do Centro de Pesquisas Tecnológicas, Biomédicas e Ambientais de Lima, no Peru, afirmou que a vacina pode ser eficaz para várias cepas do vírus.

A ideia é que, com esta nova ferramenta, seja possível frear pelo menos em 65% a propagação do HIV.

“A vacina tem insertos de várias partes que se assemelham a partes do vírus, portanto a possibilidade de ser efetiva para diferentes cepas ou tipos de HIV é alta”, explicou Sánchez, que faz parte dos pesquisadores do estudo.

Essa vacina levou 12 anos para ser desenvolvida e foi testada em macacos. Já foram realizados estudos nas fases I, IB e IIA, etapas feitas antes de avaliar a eficácia em seres humanos.

O estudo, chamado “Mosaico”, contará com pesquisadores do Instituto Nacional de Doenças Alérgicas e Infecciosas, os Institutos Nacionais de Saúde, a rede de Testes de Vacinas contra o HIV e o Comando de Pesquisa e Desenvolvimento Médico do Exército dos Estados Unidos.

Essa pesquisa, que começará em setembro, será realizada com 3.800 pessoas de Brasil, Argentina, Itália, México, Peru, Polônia, México, Espanha e Estados Unidos, em 55 clínicas ao redor do mundo. Os participantes serão homens que têm relações sexuais com homens e pessoas transgênero.

“Estamos motivados a desenvolver uma vacina efetiva contra o HIV em nível mundial para reduzir a trajetória das 1,5 milhão de novas infecções estimadas por HIV ao ano que estão ocorrendo”, afirmou Larry Corey M.D., pesquisador principal da organização HIV Vaccine Trials Network, virologista e membro da Faculdade do Centro de Pesquisa Oncológica Fred Hutchinson, em Seattle.

O especialista explicou que metade dos pacientes receberá um placebo e a outra metade a vacina dividida em quatro doses que contêm o adenovírus sorotipo 26, que fornecem antígenos contra o HIV. Esses antígenos servirão para ativar a resposta imunológica do indivíduo em relação ao vírus.

“Não é o vírus como tal, são pedaços de vírus modificados que identificarão o HIV e o combaterão para que não chegue a lugar algum do corpo”, acrescentou Sánchez.

De acordo com Sánchez, a vacina já foi testada em alguns centros em fases prévias “e teve resultados sem maiores efeitos indesejáveis”. O especialista afirmou que a vacina será uma ferramenta a mais para prevenir o HIV, e não substituirá outros métodos.

“Existem várias ferramentas para prevenir o HIV. Temos a camisinha há décadas, mas na implementação não é usada de maneira suficiente, e esta vacina seria uma ferramenta adicional”, comentou.

O estudo e o desenvolvimento da vacina são patrocinados pela farmacêutica Janssen. Embora a expectativa seja de resultados claros sobre a sua eficácia em quatro anos, ainda não há uma previsão de quando a vacina chegará ao público em geral.

R7, com EFE

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lucio disse:

    Ainda vai demorar 4 anos? Pode ser ignorância minha, mas acredito que se não fosse a industria farmacêutica por trás, a gente já tinha a cura da AIDS, Gripe, Câncer. Quando você gripa, você toma uma "reada" de remédio para melhorar, a AIDS, você toma também, o Câncer você tem medicações caríssimas para combater. Somos tão inteligente para ir a lua, por que não descobrimos as cura dessas doenças?

São Gonçalo vacina 97,69% do público alvo contra a gripe e ultrapassa a meta

A Secretaria Municipal de Saúde de São Gonçalo do Amarante/RN vacinou 24.010 pessoas do público prioritário da Campanha Nacional de Vacinação contra Gripe, o que equivale a 97,69% da cobertura vacinal. A campanha teve início dia 10 de abril e foi encerrada nesta sexta-feira, dia 31 de maio. A escolha do público-alvo segue recomendação do Ministério da Saúde.

A partir desta segunda-feira (3), a vacina será distribuída para toda população nas cidades que não conseguiram bater a meta. “Não é o caso de São Gonçalo. Batemos e ultrapassamos nossa meta. Ficamos sem vacinas e, de acordo com a Coordenação Estadual de Imunização, o Estado e municípios não receberão mais doses do Ministério da Saúde”, ressalta o secretário municipal Jalmir Simões.

Os riscos reais da vacina

vacina_0_2Efeito raríssimo – De 0,4 a 1,9 por milhão de vacinados): Contágio vacinal com disseminação do bacilo pela pele, ossos e sistema nervoso.

Caso não tome – Contração das formas graves da tuberculose, sequelas permanentes, comprometimento da capacidade respiratória, morte.

Hepatite B

Efeito raríssimo (1/600.000): Reação alérgica grave (anafilaxia).

Caso não tome – Embora haja portadores saudáveis de hepatite B, no desenvolvimento da forma crônica da doença, ela pode evoluir para cirrose, câncer hepático e morte.

DTP + Hib + HB (pentavalente)

Apesar de não conter micro-organismos vivos, é uma das vacinas mais reatogênicas do nosso calendário – só que de reações simples.

Efeitos raríssimos e incomuns – Convulsão em 1/5.000 casos e reação alérgica grave em 1/110.000.

Caso não tome – Contração de difteria, tétano e coqueluche. A difteria causa mudez e insuficiência cardíaca, o tétano traz convulsões violentas e embolia, e a coqueluche, hemorragia cerebral e desnutrição.

Sabin (VOP)

Efeitos raríssimos – O único – mas perigoso – efeito da Sabin é o contágio vacinal e desenvolvimento da pólio. Mas é raríssimo: só em 1/2,7 milhões de vacinados.

Caso não tome – Paralisia e morte.

SCRV (tetra viral)

Efeitos raríssimos – Meningite (entre 1/4.000 e 1/1.800.000 dos vacinados) e encefalite (1/2.500.000).

Caso não tome – Sarampo, caxumba, rubéola e varicela. As infecções virais podem ser brandas, mas também, em alguns casos, deixam sequelas e levam à morte.

Febre Amarela

Efeitos raríssimos – Contágio vacinal, convulsões (1/22 milhões) e hemorragias internas (1/450.000).

Caso não tome – Febre amarela, inclusive a versão grave, que causa hemorragias e morte.

Super Interessante

EXCELENTES AVANÇOS: Vacina anti-HIV da USP passa em teste inicial com macacos

O projeto piloto do teste em macacos de uma vacina contra o HIV desenvolvida pela USP obteve resultados preliminares surpreendentemente positivos, afirmam os cientistas que o conduziram.

“Testamos a resposta imune dos animais e os resultados foram excelentes”, conta Edecio Cunha Neto, pesquisador que liderou os trabalhos de desenvolvimento da vacina. “Os sinais foram bem mais intensos do que os que encontramos em camundongos” diz Susan Ribeiro, cientista associada ao projeto.

Segundo a Folha, a surpresa dos pesquisadores, que ministraram três doses separadas por 15 dias em quatro macacos-resos do Instituto Butantan, se deu pelo fato de que normalmente a reação a essa modalidade de vacinação é menor em primatas do que em roedores.

Trata-se de uma vacina DNA. Os cientistas “escrevem” nessa molécula trechos de genes que codificam pedaços de proteínas do vírus causador da aids.

Com informações da Folha

Vacina contra câncer apresenta resultados positivos em 90% dos pacientes

cancerA revista “Nature” dedicou parte de sua publicação desta quarta-feira aos avanços da imunoterapia no tratamento de câncer. Este método que vem ganhando força no meio científico se baseia no estímulo do próprio sistema imunológico para combater os tumores. Na revista, uma das pesquisas destacadas revisita uma técnica ainda do século XIX para o desenvolvimento de uma vacina imunológica.

Por volta de 1890, o médico William Coley buscou em bactérias a forma enfrentar este mal. Ele infectou um de seus pacientes com o Streptococcus pyogenes, a bactéria que causa a doença escarlatina, e em questão de semanas, o doente teve uma recuperação significativa. Coley então começou a usar micro-organismos mortos para tornar o tratamento mais seguro e acrescentou mais um tipo de bactéria ao composto. O trabalho bem sucedido do médico – que pelos relatos conseguiu tratar centenas de pessoas, mas cuja história tinha caído no esquecimento – foi resgatada por pesquisadores da empresa canadense MBVax Bioscience.

A nova versão de vacina desenvolvida pela MBVax contém a mesma S. pyogenes e outra bactéria chamada Serratia marcescens, que contém um pigmento estimulante do sistema imunológico conhecido como prodigiosina. Desta forma, as cepas de bactérias mortas pelo calor ativam esse sistema para que ele lute contra o tumor.

Entre 2007 e 2012, a empresa vacinou cerca de 70 pessoas em estágio avançado de câncer, incluindo pacientes com melanoma (pele), linfoma (sistema linfático) e tumores malignos de mama, próstata e ovário. Os tumores encolheram em 70% dos pacientes, e 20% entraram em remissão.

Tecnologias de ponta contra o câncer

Diversos grupos de pesquisa ao redor do mundo vêm desenvolvendo vacinas a partir de bactérias combinadas. E enquanto alguns pesquisadores buscam métodos de séculos passados, outros lançam mão das mais novas tecnologias disponíveis.

Uma pesquisa das universidades de Stanford, Califórnia e Massachusetts consegue gravar imagens da resposta do sistema imunológico ao câncer de pulmão num camundongo. Com isso, eles conseguem ver tanto como o tumor cresce ou encolhe quanto os detalhes de como e por que isto acontece. Antes disso, os pesquisadores não conseguiam ver o que de fato ocorria no corpo, então eles eram incapazes de identificar por que algumas terapias não funcionavam.

– Nós víamos várias imunoterapias falharem porque éramos cegos – afirmou à “Nature” Christopher Contag, imunologista da Universidade de Stanford, em Palo Alto.

Nos últimos dez anos, cientistas também têm observado células imunológicas e cancerosas utilizando sofisticadas tecnologias de microscopia. Eles aprenderam que as experiências em culturas de laboratório nem sempre conseguem imitar o que ocorreria no corpo.

Um trabalho do Instituto Pasteur, em Paris, conseguiu observar as interações das células tumorais e imunológicas em animais vivos a partir de imagens de um microscópio multifotônico. O alcance deste equipamento é oito vezes maior do que os microscópios usuais.

Duas outras pesquisas (das universidades de Manchester, nos EUA, e Sidnei, na Austrália) usam microscópios com lasers infravermelhos. Com imagens de super resolução, eles detectam as moléculas no momento de contato das células imunológicas e dos tumores.

– Queremos ver onde cada proteína está na superfície destas células, uma informação essencial para a compreensão do que ocorre a nível celular e que determina o prognóstico de um paciente com câncer – explica Daniel Davis, de Manchester.

O Globo

Vacina brasileira contra dengue começa a ser testada no País em outubro

 imagesO Instituto Butantã, em parceria com a USP (Universidade de São Paulo), inicia em outubro os testes em seres humanos de uma vacina contra a dengue. A vacina está sendo desenvolvida para combater, em uma única dose, os quatro tipos da doença já identificados no mundo. Segundo Alexander Precioso, diretor de Ensaios Clínicos do Butantã, nenhum outro país tem uma vacina como essa.

A vacina começou a ser desenvolvida em 2006, juntamente com os institutos nacionais de Saúde dos Estados Unidos. Os vírus foram identificados no país norte-americano e, posteriormente, transferidos para o Butantã, em 2010. A técnica utiliza o chamado vírus atenuado.

— Isso ignifica que o próprio vírus da dengue é modificado para que seja capaz de fazer com que as pessoas produzam anticorpos, mas sem desenvolver a doença.

Os cientistas já testaram a vacina em mais de 600 norte-americanos.

— Os estudos lá mostraram que é uma vacina segura e que foi capaz de fazer com que as pessoas produzissem anticorpos contras os quatro vírus.

O pesquisador explicou ainda que, nesses voluntários, não foram observados efeitos colaterais importantes, apenas dor e vermelhidão no local da aplicação, sensação comum para vacinas.

Porém, como os Estados Unidos não são uma região endêmica para a dengue, nenhum voluntário que recebeu a imunização havia contraído a doença antes. No Brasil, os testes vão envolver também pessoas que já tiveram dengue.

O cientista disse que, com base em estudos publicados no Sudoeste Asiático e nos Estados Unidos, pacientes com histórico de dengue  poderão receber a imunização sem risco à saúde.

— No início do desenvolvimento da vacina lá [nos Estados Unidos], algumas pessoas receberam vacina monovalente, só de um tipo, e depois outra dose de um vírus diferente, para ver se quem já tinha o passado de dengue correria risco.

Em uma primeira etapa dos testes brasileiros, que começam nesta semana, serão recrutados 50 voluntários da capital paulista, todos adultos saudáveis e que nunca tiveram dengue, com idade entre 18 e 59 anos, de ambos os sexos. Eles vão ser imunizados em duas doses, com intervalo de seis meses entre elas.

A próxima etapa vai incluir pessoas com histórico de dengue e a vacina será aplicada em dose única. Serão 250 voluntários da capital paulista e da cidade de Ribeirão Preto, no interior do estado.

— Nós trabalhamos com a hipótese de que ela [vacina] será trabalhada em uma dose, mas nos primeiros 50 voluntários serão duas doses. Os resultados de lá [Estados Unidos] demonstraram que a vacina já atua apenas com uma dose. Como ela vai ser, pela primeira vez, utilizada em uma região endêmica de dengue, vamos avaliar os dois esquemas [uma ou duas doses] e os dois tipos de população [já tiveram ou nunca tiveram dengue].

A terceira e última fase vai recrutar pessoas de diversas partes do País, de várias idades.

— Ela vai gerar o resultado de que nós precisamos para solicitar o registro na Anvisa e, a partir daí, a vacina estará disponível.

A previsão dos pesquisadores é de que a vacina chegue à população em cinco anos.

Agência Brasil

RN se prepara para disponibilizar vacina Tetra Viral no SUS

A partir do mês de setembro, o Ministério da Saúde passa a oferecer em toda a rede pública de saúde a vacina Tetra Viral, com o componente Varicela, para crianças com 15 meses de idade e que já tenham recebido a primeira dose da vacina Tríplice Viral aos 12 meses. A vacina Tetra Viral protege ainda contra sarampo, caxumba e rubéola. A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), através do Programa Estadual de Imunização, já se reuniu com municípios da Grande Natal e das Regionais de Saúde, para discutir como se dará a introdução da vacina no Calendário de Vacinação e a operação logística no Estado.

Segundo Stella Leal, subcoordenadora de Vigilância Epidemiológica da Sesap, a introdução da vacina objetiva oferecer à população de crianças, na faixa etária de 15 meses (1 ano e 3 meses), mais um imunobiológico com vista a ampliar a proteção contra doenças e, consequentemente, melhorar as coberturas vacinais. A introdução se dará de forma gradativa na rotina das salas de vacina do Estado.

A varicela, popularmente conhecida como catapora, é uma doença infecciosa altamente contagiosa causada pelo vírus Varicela-Zóster, mas geralmente de evolução benigna. É caracterizada pelo surgimento de lesões cutâneas podendo ser acompanhada de febre moderada e outros sintomas leves. É uma das enfermidades mais comuns na infância. A transmissão do vírus da varicela ocorre por contato direto através da saliva ou secreções respiratórias da pessoa infectada ou por contato com o líquido do interior das vesículas. A doença pode ocorrer durante todo o ano, com picos de incidência nos meses de agosto a novembro.

No Rio Grande do Norte, segundo Adriana Cristina Aires, técnica do Setor de Agudas e Imunopreviníveis da Sesap, no período de 2010 a 31 de junho de 2013, foram notificados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) 10.014 mil casos, dos quais nove foram a óbito.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina Tetra Viral tem 97% de eficácia e raramente causa reações adversas. Além da proteção contra as doenças sarampo, rubéola, caxumba e varicela, a vacina diminui os riscos de complicações como os casos de varicela grave, que podem levar a internações hospitalares e óbito.

Avanço: Vacina contra Aids funciona em macacos

2013-597275913-2013-593730887-VIRUS_20130304.jpg_20130316Uma vacina contra o HIV desenvolvida pela Universidade de Ciência e Saúde de Oregon, nos Estados Unidos, tem tido bons resultados e foram publicados na revista “Nature”. Ela está sendo testada numa forma do vírus que ocorre em primatas, o vírus da imunodeficiência símia (SIV, na sigla em inglês).

– Até agora, apenas casos clínicos raros foram curados da Aids – afirmou o diretor da Universidade de Oregon, Louis Picker. – Esta pesquisa sugere que certas respostas do sistema imune provocadas pela vacina podem remover completamente o HIV do corpo.

Os pesquisadores modificaram geneticamente o citomegalovírus, o CMV, um vírus que está presente em grande parte da população, e o tornaram capaz de buscar e destruir as células infectadas pelo HIV. No estudo, cerca de 50% dos macacos infectados que receberam o patógeno acabaram eliminando todos os traços do vírus, ou seja, foram curados “funcionalmente”.

– Através deste método, ensinamos o corpo do macaco a preparar suas defesas para combater a doença – explicou Picker. – Nossa vacina mobilizou a resposta das células T que foram capazes de suprimir os invasores de HIV em 50% dos casos tratados. Além disso, nestes casos com resposta positiva, nossos testes sugerem que o vírus foi banido. Estamos esperançosos de que parear o CMV modificado com o HIV poderá nos levar a resultados similares em humanos.

O Globo

Brasil vai testar vacina contra dengue em humanos

19112011FP_5662A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a fazer testes da vacina contra a dengue em seres humanos. O teste terá a duração de cinco anos e será feito em 300 voluntários. Segundo o Ministério da Saúde, a autorização dada pela Anvisa é para a fase dois do estudo e visa a analisar efetivamente a eficácia e segurança da vacina tetravalente e que pretende prevenir a população contra os quatro tipos da doença (1, 2, 3 e 4).

Os testes em pessoas serão feitos no Instituto Central (Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-USP); no Instituto da Criança (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP) e no Hospital das Clínicas (Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP). O ministério está investindo R$ 200 milhões na pesquisa da vacina contra a dengue e projetos de outros produtos biológicos.

A pesquisa da nova vacina foi iniciada em 2006 pelo Instituto Butantan. Se for aprovada em todas as etapas da pesquisa clínica, poderá ser vendida e distribuída à população. A perspectiva do governo, em caso de sucesso em todas as etapas, é atender a demanda global e também exportar a vacina contra a dengue.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, avalia que a autorização para os testes é um grande passo para o enfrentamento da doença e faz parte dos esforços do governo para proteger a população contra a dengue.

O Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos Bio-Manguinhos, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), também está pesquisando uma vacina contra a dengue com apoio do Ministério da Saúde. Os estudos começaram em 2009, em parceria com o laboratório privado GSK.

Agência Brasil

Vacina brasileira contra a Aids será testada em macacos

 Uma vacina brasileira contra o vírus HIV, causador da Aids, começará a ser testada em macacos no segundo semestre deste ano. Com duração prevista de 24 meses, os experimentos têm o objetivo de encontrar o método de imunização mais eficaz para ser usado em humanos. Concluída essa fase, e se houver financiamento suficiente, poderão ter início os primeiros ensaios clínicos.

Denominado HIVBr18, o imunizante foi desenvolvido e patenteado pelos pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) Edecio Cunha Neto, Jorge Kalil e Simone Fonseca.

A pesquisa foi baseada no sistema imunológico de um grupo especial de portadores do vírus que mantêm o HIV sob controle por mais tempo e demoram para adoecer. No sangue dessas pessoas, a quantidade de linfócitos T (tipo de células de defesa) do tipo CD4 – o principal alvo do HIV – permanece mais elevada que o normal.

“Já se sabia que as células TCD4 são responsáveis por acionar os linfócitos T do tipo CD8, produtores de toxinas que matam as células infectadas. As TCD4 acionam também os linfócitos B, produtores de anticorpos. Mas estudos posteriores mostraram que um tipo específico de linfócito TCD4 poderia também ter ação citotóxica sobre as células infectadas. Os portadores de HIV que tinham as TCD4 citotóxicas conseguiam manter a quantidade de vírus sob controle na fase crônica da doença”, contou Cunha Neto à Agência Fapesp.

Os pesquisadores, então, isolaram pequenos pedaços de proteínas das áreas mais preservadas do vírus HIV – aquelas que se mantêm estáveis em quase todas as cepas. Com auxílio de um programa de computador, selecionaram os peptídeos que tinham mais chance de ser reconhecidos pelos linfócitos TCD4 da maioria dos pacientes. Os 18 peptídeos escolhidos foram recriados em laboratório.

Testes in vitro feitos com amostras de sangue de 32 portadores de HIV com condições genéticas e imunológicas bastante variadas mostraram que, em mais de 90% dos casos, pelo menos um dos peptídeos foi reconhecido pelas células TCD4. Em 40% dos casos, mais de cinco peptídeos foram identificados. Os resultados foram divulgados em 2006 na revista Aids.

Em outro experimento divulgado em 2010 na PLoSOne, em parceria com Daniela Rosa, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), e Susan Ribeiro, da FMUSP, os peptídeos foram administrados a camundongos geneticamente modificados. Nesse caso, 16 dos 18 peptídeos foram reconhecidos e ativaram tanto os linfócitos TCD4 como os TCD8.

O grupo, então, desenvolveu uma nova versão da vacina com elementos conservados de todos os subtipos do HIV do grupo principal, chamado grupo M, que mostrou-se capaz de induzir respostas imunes contra fragmentos de todos os subtipos testados até o momento. “Os resultados sugerem que uma única vacina poderia, em tese, ser usada em diversas regiões do mundo, onde diferentes subtipos do HIV são prevalentes”, afirmou Cunha Neto.

No teste mais recente, feito com camundongos e ainda não publicado, os pesquisadores avaliaram a capacidade dessa nova vacina de reduzir a carga viral no organismo. “O HIV normalmente não infecta camundongos, então nós pegamos um vírus chamado vaccinia – que é aparentado do causador da varíola – e colocamos dentro dele antígenos do HIV”, contou Cunha Neto.

Nos animais imunizados com a vacina, a quantidade do vírus modificado encontrada foi 50 vezes menor que a do grupo controle. Agora estão sendo realizados experimentos para descobrir se, de fato, a destruição viral aconteceu por causa da ativação das células TCD4 citotóxicas.

Os cientistas estimam que, no estágio atual de desenvolvimento, a vacina não eliminaria totalmente o vírus do organismo, mas poderia manter a carga viral reduzida ao ponto de a pessoa infectada não desenvolver a imunodeficiência e não transmitir o vírus.

Segundo Cunha Neto, a HIVBr18 também poderia ser usada para fortalecer o efeito de outras vacinas contra a Aids, como a desenvolvida pelo grupo do imunologista Michel Nussenzweig, da Rockefeller University, de Nova York, feita com uma proteína do HIV chamada gp140.

Macacos

A última etapa do teste pré-clínico será realizada na colônia de macacos Rhesus do Instituto Butantan. A vantagem de fazer testes em primatas é a semelhança com o sistema imunológico humano e o fato de eles serem suscetíveis ao SIV, vírus que deu origem ao HIV.

O ensaio clínico de fase 1 deverá abranger uma população saudável e com baixo risco de contrair o HIV, que será acompanhada de perto por vários anos. Nesse primeiro momento, além de avaliar a segurança do imunizante, o objetivo é verificar a magnitude da resposta imune que ele é capaz de desencadear e por quanto tempo os anticorpos permanecem no organismo.

Se a HIVBr18 for bem-sucedida nessa primeira etapa da fase clínica, poderá despertar interesse comercial. A esperança dos cientistas é atrair investidores privados, uma vez que o custo estimado para chegar até terceira fase dos testes clínicos é de R$ 250 milhões. Até o momento, somando o financiamento da Fapesp (Fundação de Amparo e Pesquisa do Estado de São Paulo) e do governo federal, foi investido cerca de R$ 1 milhão no projeto.

UOL Notícias

Sesap faz testes e vacina no Dia Mundial de Luta contra Hepatites Virais

O próximo domingo, 28 de julho, é o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, uma doença que ataca o fígado, um dos órgãos mais importantes do corpo humano. No Rio Grande do Norte, desde 2005, mais de 3.555 pessoas já foram acometidas pelas diferentes formas da doença. Para lembrar a data, o Ministério da Saúde promove 12 dias de Mobilização Nacional de testagem às Hepatites Virais, que acontecerá no período de 22 de julho a 02 de agosto, usando a estratégia do ‘Fique Sabendo’. O Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais do Rio Grande do Norte participará da mobilização realizando 10 mil testes rápidos de HIV, 10 mil testes rápidos de sífilis, 1 mil testes de hepatite B e 1 mil testes de hepatite C.

Além dos testes, o Estado está abastecido de 200 mil doses de vacina para hepatite B. A partir de agora, homens e mulheres com até 49 anos poderão receber a vacina gratuitamente em qualquer posto de saúde. A medida beneficia um público-alvo de 150 milhões de pessoas – 75,6% da população total do Brasil. No ano passado, a idade limite para vacinação gratuita era até 29 anos. A vacina é a medida de prevenção mais segura e eficaz contra a hepatite B e hepatite D. E deve ser tomada em três doses, obedecendo ao seguinte esquema: tomar a 1ª dose, com 30 dias depois tomar a 2ª dose e conclui com a 3ª dose, seis meses depois.

Através das Unidades Regionais de Saúde Pública – Ursaps, todos os municípios do estado receberam um questionário solicitando informações sobre as ações que serão realizadas no período de mobilização, mas apenas 18 municípios requisitaram testes rápidos para esta ação. Estão aptos a oferecer o serviço de testagem os Serviços de Assistência Especializada (SAE) nos municípios de Natal, Macaíba, Parnamirim, Caicó, Mossoró, Santa Cruz, São José de Mipibu e São Gonçalo, além deles os Centros de Testagem e Aconselhamento de Natal e Mossoró, e os hospitais de referência Giselda Trigueiro (Natal) e Rafael Fernandes (Mossoró).

De acordo com Sônia Cristina Lins da Silva, Coordenadora do Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais, o principal objetivo é incentivar os municípios a realizar atividades de prevenção e fazer a testagem para o diagnóstico das hepatites B e C, do HIV e da sífilis. Ela explica que a campanha deste ano vai continuar com o tema trabalhado em 2012: “Hepatites. Você tem certeza que não tem? “Essa é uma forma de chamar a atenção da população sobre a doença silenciosa que ataca o fígado”, esclarece. Além de ampliar a cobertura vacinal para Hepatite B em homens e mulheres com até 49 anos, a campanha fortalece o diálogo entre gestores e Organizações da Sociedade Civil, bem como aumenta a cobertura vacinal para Hepatite B em populações vulneráveis.

2,3 MILHÕES TÊM A DOENÇA NO PAÍS

Estimativas apontam que 2,3 milhões de brasileiros são portadores das hepatites, sendo (800 mil) do tipo B e (1,5 milhão) do tipo C. No Rio Grande do Norte, segundo dados do setor de epidemiologia do Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais (PE/DST/Aids e Hepatites), foram notificados 3555 casos confirmados de Hepatites Virais de 2005 a 2012, sendo 80% em Hepatite A, 12% em Hepatite B e 14% em Hepatite C.

Há vários tipos de hepatites, sendo os tipos A, B e C os mais comuns. Muitos fatores podem causar a doença que pode ser viral (quando for causada por um vírus), autoimune (quando o sistema imunológico reconhece seus próprios tecidos como estranhos, atacando-os para destruí-los) ou ainda ser causada por reação ao álcool, drogas ou medicamentos, já que é no fígado que essas substâncias são metabolizadas.

 PROGRAMAÇÃO

Antes mesmo da Mobilização do Dia “D”, a Sesap já está desenvolvendo atividades em vários municípios do estado. Juntamente com a União de Escoteiros do Brasil, o Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais fará uma Oficina de Planejamento das ações nesta quinta-feira (25) e sexta (26), no Hotel Praiamar, em Natal. No dia 26, haverá atividades informativas com alunos do IFRN, em João Câmara. E no dia “D”, domingo 28, a Sesap, juntamente com Secretaria de Estado da Educação, RN Vida, GVC, APHERN e Grupo de Escoteiros, realizam ação de mobilização no Projeto Viva Costeira, das 16 às 18h, com apresentação da Banda Fanfarra da Escola estadual Josefa Sampaio e do Grupo de Teatro Circuito Arte Interativa.

No dia 30, das 8:30h às 17h, haverá Rodas de Conversas e Ações Educativas com representantes da população indígena da Comunidade do Amarelão dos Mendonças em João Câmara. E no dia 02/08, às 9 e às 15h, apresentação nas Escolas Estadual Francisco Ivo e Josefa Sampaio, do Grupo de Teatro Circuito Arte Interativa.

Argentina e Cuba desenvolvem vacina para combater câncer de pulmão

Cientistas e pesquisadores argentinos e cubanos desenvolveram uma vacina que ajuda a combater o câncer de pulmão. O medicamento, resultado de 18 anos de pesquisa, começa a ser comercializado na Argentina em julho. Laboratórios de 25 países, entre eles o Brasil, México e Uruguai estão interessados em obter a licença de fabricação.

“A vacina reativa o sistema imunológico do paciente, para que ele possa criar anticorpos contra as células cancerígenas”, explicou, em entrevista a Agência Brasil, o médico Daniel Alonso, um dos pesquisadores argentinos. “Não substitui tratamentos existentes, como quimioterapia ou radioterapia. Mas contribui para aumentar a sobrevida do paciente”, disse.

Segundo Alonso, a maioria dos pacientes só descobre que tem a doença quando o câncer no pulmão está em estado avançado. Como os tumores são provocados por células do próprio organismo, que sofreram mutação, o sistema imunológico não detecta um corpo estranho e, portanto, não reage. Os médicos usam quimioterapia e radioterapia para matar as células cancerígenas, mas os dois tratamentos também destroem outros tecidos.

O câncer de pulmão é um dos mais agressivos e mata 1,38 milhão de pessoas por ano no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). A vacina foi desenvolvida por um consórcio de empresas privadas e do setor público, da Argentina e de Cuba.

Da Agência Brasil

Campanha contra gripe Influenza termina em Natal nesta sexta-feira

O Núcleo de Agravos Imunopreveníveis – NAI, da Secretaria Municipal de Saúde de Natal, informa à população que a Campanha Nacional de Vacinação contra o Vírus da Influenza 2013 termina na próxima sexta-feira (31). Até amanhã de hoje (27), 73,66% da população alvo havia sido vacinada.

A meta estabelecida pelo Ministério da Saúde é vacinar pelo menos 80% da população alvo, que em Natal corresponde a 104.559 pessoas. Par atingir a meta, ainda é preciso imunizar outras 3.654 pessoas até sexta-feira.

Os grupos prioritários da campanha são compostos pelos idosos com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a dois anos, indígenas, gestantes, pessoas privadas de liberdade, profissionais de saúde que fazem atendimento de Influenza, além de mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério) e os doentes crônicos, com apresentação da prescrição médica, que autoriza a imunização.

“A vacina é gratuita, e o meio mais eficaz de se proteger contra as doenças respiratórias”, destaca a chefe do Núcleo de Agravos Imunopreveníveis, Solange Cruz. Ela orienta que a população deve buscar uma das unidades de saúde dos cinco Distritos Sanitários, no horário das 8h às 16h para se imunizar até a próxima sexta-feira (31). “O grupo de crianças tem o prazo até 30 dias após a aplicação da 1ª dose”, destaca

Dentistas foram impedidos de tomar vacina contra gripe

Entre os profissionais que têm o direito de receber a vacina contra a gripe, estão os dentistas. Mas em Natal, alguns deles afirmam que foram proibido de receber a proteção extra contra a doença.

Uma dentista afirmou ao Blog do BG que foi ao Posto de Saúde de Nova Descoberta se vacinar e, quando estava na fila, encontrou com outros colegas de profissão que haviam sido expulsos do posto de Lagoa Seca. “Eles contaram que aos gritos uma auxiliar de enfermagem disse que a ordem da secretaria era para não vacinar dentistas”, contou.

No posto de Nova Descoberta a resposta foi praticamente a mesma. Lá informaram que só estavam vacinando os dentistas que trabalhavam nos postos de saúde.  Inconformada, a dentista foi falar com um dos responsáveis e ele confirmou a proibição. Além disso, após a insistência da dentista, ligou para outra pessoa da secretaria que reafirmou a recusa: Os dentistas estão fora da vacinação para gripe em Natal.

A vacina é fundamental para a categoria porque eles estão sempre expostos há muita gente, ficando assim susceptíveis á contrair vírus e bactérias.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. armando disse:

    Os dentistas que estao expostos aos virus por conta da profissao nao puderam tomar a vacina, mas os coitadinhos dos bandidos que estao no sistema prisional tomaram, que pais e este.

  2. Celine disse:

    Hoje qdo tomei conhecimento dessa resolução de não vacinar dentistas em Natal, liguei para o ministério da saúde, onde fui informada que esse tipo de exclusão é errada, os dentistas devem sim ser vacinados, independente de trabalharem em postos de saúde ou apenas no consultório particular.

  3. Clara disse:

    Copiado do manual tecnico da campanha contra influenza do Ministerio da Saúde: "Trabalhador de saúde, eleito para vacinação é aquele que exerce atividades de promoção e assistência a saúde atuando na recepção, no atendimento e na investigação de casos de infecção respiratória cuja ausência ao trabalho compromete o funcionamento desses". Portanto, qualquer profissional de saúde que não trabalhe no atendimento a casos de infecções respiratórias, somente terão acesso a vacina contra influenza disponibilizada pelo Ministerio se estiverem inseridos nos demais grupos prioritários.

Doença: Cientistas investigam vacinas contra o mal de Alzheimer

Duas equipes de pesquisadores divulgaram quase simultaneamente dois avanços promissores na busca de uma vacina contra o mal de Alzheimer, doença neurodegenerativa que vai progressivamente provocando demência em pessoas idosas.

As duas descobertas abrem caminho para futuros tratamentos e vacinas contra a doença, possivelmente nos próximos anos, talvez no máximo uma década, depois de testes em seres humanos. Os dois estudos foram feitos apenas em camundongos.

Uma equipe internacional liderada por Serge Rivest, da Universidade Laval, de Québec, Canadá, usou um composto para estimular as defesas naturais do cérebro contra a proteína tóxica que está associada ao mal de Alzheimer, conhecida como beta-amiloide.

Já a equipe do espanhol Ramón Cacabelos, do Centro de Pesquisa Biomédica EuroEspes, usou uma combinação da própria beta-amiloide com outras substâncias para produzir um protótipo de vacina, conhecida como EB-101.

A equipe internacional, mas principalmente canadense, publicou seus resultados na última edição da revista científica americana “PNAS”; a equipe espanhola publicou seus resultados no ano passado, na revista “International Journal of Alzheimer’s Disease”, mas Cacabelos concedeu somente ontem em Madri uma entrevista coletiva sobre a vacina.

A beta-amiloide provoca a formação das chamadas “placas senis” que caracterizam a doença, afetando células do cérebro e provocando os sintomas que caracterizam a demência.

“A doença de Alzheimer (DA) é a forma mais frequente de demência nos países desenvolvidos, com uma prevalência de cerca de 1% na idade de 65 e mais de 25% em pessoas com mais de 85 anos de idade. Clinicamente, é caracterizada por um processo progressivo de deterioração cognitiva, distúrbios comportamentais e declínio funcional”, lembrou a equipe de Cacabelos no seu artigo científico.

Um composto já largamente testado e usado em vacinas pela empresa farmacêutica GlaxoSmithKline foi usado nos testes com os camundongos geneticamente transformados para apresentarem doença. Vários pesquisadores da empresa participaram da equipe de Rivest. Trata-se do monofosforil lipídio A, conhecido pela sigla em inglês MPL.

O MPL diminuiu a formação de placas senis e melhorou a cognição dos camundongos, medida por testes em labirintos.

Rivest e colegas afirmam que, embora a segurança do tratamento com MPL não tenha sido confirmada em humanos, o composto foi administrado a milhares de pessoas como um adjuvante em diferentes vacinas. “O MPL oferece uma grande promessa como tratamento seguro e eficaz dessa doença”, disseram.

 

BBC

Anvisa aprova vacinação contra câncer anal

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a indicação da vacina contra o papilomavírus humano (HPV) para a prevenção do câncer anal. A aplicação é recomendada para ambos os sexos, na faixa etária de 9 a 26 anos. A vacina, disponível somente em clínicas particulares de saúde, já era usada também para prevenir o câncer de colo de útero, vaginal e verrugas genitais.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), foram registradas 274 mortes por câncer anal no Brasil em 2010, sendo 98 em homens e 176 em mulheres. Os tumores aparecem no canal e nas bordas externas do ânus. Os no canal do ânus são mais frequentes em mulheres, e nas bordas, nos homens. É uma doença considerada rara e com grande possibilidade de cura quando detectado em estágio inicial. Representa 1% a 2% de todos os tumores do cólon e de 2% a 4% de todos os tipos de câncer do intestino grosso.

 

Fonte: Globo