Para combate e prevenção de bactérias mortais, água da Lagoa de Extremoz é analisada pela Vigilância Ambiental de Natal

18124Identificar a quantidade de cianobactérias, mais conhecidas como algas azuis, presentes na água bruta da lagoa de Extremoz foi um dos objetivos da visita técnica feita por profissionais do Setor de Vigilância Ambiental da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Natal, na manhã desta sexta feira (29).

A visita é uma ação de prevenção e detecção precoce dessas bactérias que nem sempre são prejudiciais à saúde, mas existem algumas espécies, como amicrocistina, que produz toxinas danosas à saúde do homem. Essa espécie de cianobactéria foi responsável, em 1996, pela morte de mais de 70 pessoas, quando se alojou nos filtros dos aparelhos de hemodiálise de um hospital na cidade de Caruaru, em Pernambuco.

Para a amostra é colhido um litro de água em quatro pontos da lagoa. A medida é uma iniciativa do Projeto Vigiágua da SMS que visa identificar a qualidade da água para o consumo humano, em parceria com o Laboratório Central.

Segundo o chefe do Setor de Vigilância Ambiental, Marcílio Xavier existem vários tipos de cianobactérias que comprometem o ecossistema, algumas desenvolvem cheiro e gosto, mas algumas espécies são imperceptíveis.

“Aqui vamos quantificar o número de células dessas cianobactérias, caso o valor dê menor que 10.000 células por litro, a monitoria deve ser feita mensalmente. Se o valor for acima desse número, a amostragem deve ser feita semanalmente, se der mais de 20.000 células por litro, uma nova análise será realizada para identificar qual o tipo de cianobactéria presente nesse local. Caso seja identificada a presença de cianobactérias nós desenvolvemos um plano de contingência com medidas para que ninguém adoeça”, explicou Marcílio.

O Projeto Vigiágua da SMS já analisou em 2013, a qualidade da água de 174 pontos em 36 bairros da cidade, totalizando 720 análises, superando as metas anuais estabelecidas pelo Ministério da Saúde, que é de 636 análises por ano. O resultado da análise de hoje, ficará pronto em oito dias. A análise será feita também na Lagoa do Jiqui em aproximadamente 30 dias. Além do Projeto Vigiágua o setor de Vigilância Ambiental tem o Programa de Vigilância do Solo e o Programa de Vigilância dos desastres.

O Setor de Vigilância Ambiental pretende fazer, a partir de janeiro de 2014, uma inspeção sanitária em todos os mananciais que abastecem a cidade e nos poços, vez que, toda água extraída do subsolo para o consumo humano tem que ser tratada. Além disso, o setor pretende ainda, por meio, de uma normatização que está em trâmite, disciplinar a atuação dos carros – pipa em Natal.

“O Decreto Presidencial 5440 institui que o cidadão tem direito de saber a qualidade da água que está consumindo por isso estamos desenvolvendo essas ações de prevenção” concluiu Marcílio.