Ao lado do novo ministro da Saúde, Bolsonaro defende retomada gradual das atividades no Brasil

Imagem: reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (16), durante sua live semanal no Facebook, que a nova diretriz do Ministério da Saúde será pela retomada gradativa do comércio e do fim do isolamento social no país, mas que a decisão cabe aos governadores e prefeitos.

“Não vai ser de uma hora pra outra, não vai ser um cavalo de pau, mas nós entendemos que, paulatinamente, com muita responsabilidade, o Brasil tem que começar a trabalhar. Agora, a decisão vai partir muito mais dos governadores e dos prefeitos, porque essa foi a decisão do Supremo Tribunal Federal, se não me engano, por unanimidade, no dia de ontem”, disse o presidente.

Na decisão citada por ele, os ministros da Suprema Corte definiram que estados e municípios têm autonomia para tomar as medidas que acharem necessárias para combater o novo coronavírus, como isolamento social, fechamento do comércio e outras restrições.

Ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, Bolsonaro voltou a argumentar, durante a live, que uma quarentena “rígida” pode causar problemas irreversíveis na economia.

“Nós sabemos que o efeito colateral de uma quarentena muito rígida, fazendo com que as pessoas mais humildes viessem a perder seu emprego, ou seu ganha-pão, no caso da informalidade, poderia ocasionar problemas seríssimos para o Brasil, a ponto de a economia não se recuperar mais”.

Nelson Teich reforçou que o foco a pasta será no mapeamento do avanço na doença do país. “Agora a gente tem que ter um foco muito grande em colher dados sobre qual é a prevalência dessa doença, seja dos infectados, seja dos que [se] curaram e dos que morreram. Quando a gente combinar esses dados, vai ser muito mais fácil a gente enxergar o que acontece e traçar políticas e ações”, disse. Um dos objetivos do novo ministro é justamente deflagrar um programa de testagem em massa da população.

Nelson Teich, que é médico oncologista, assume o lugar do ortopedista Luiz Henrique Mandetta, que ficou 16 meses à frente da pasta.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WellingtonB disse:

    O Mito é o Minto, o rei da abobrinha e da mentira.

  2. Paulo disse:

    Mandeta foi aquele ex-Deputado Federal que votou contra a aprovação de uma verba de 25 bilhoões para o Ministério da Saúde????……….Creio ser outro Mandeta!!!

  3. Cigano Lulu disse:

    Qual foi mesmo o 'pecado' que custou a cabeça de Mandetta? Ora, ele teve a ousadia de evidenciar que o rei estava nu. Habilidoso, Mandetta soube lidar com pandemia e grosseria, e saiu do governo com uma estatura política bem maior da que tinha quando nele chegou.

    • LULADRÃO disse:

      Sabe de nada Ptralha dos infernos. Mandeta é um deputado sem vergonha como todos os outros. Bota pra lascar nesta cambada MITO!

  4. Cigano Lulu disse:

    Qual foi mesmo o 'pecado' que custou a cabeça de Mandetta? Ele caiu porque teve a ousadia de evidenciar que o rei estava nu.

  5. Laura disse:

    Esperem para ver os caminhões cheios de corpos.

  6. Fora bolsotralhas disse:

    MARGINAL ASSASSINO…..queima esse SATÃ….PANDEMÔNIO

  7. Fábio Rêgo disse:

    Ministério da SAÚDE. Mas, a propósito, o que significa a palavra saúde? Hoje eu estava me lembrando da época em que fiz Engenharia Civil, mais especificamente quando estava pagando a disciplina de saneamento ambiental. Na oportunidade vi que saúde não é simplesmente a ausência de doença, essa palavra significa estado de boa disposição física e psíquica, além de bem-estar. Pesquisando um pouco mais hoje vi que a definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas. Sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial de Saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Nos últimos dias passamos por uma série de crises entre o Presidente da República e o agora ex-Ministro Mandetta. A maioria da população sempre apoiou o Mandetta com a justificativa de que ele era o profissional técnico e que Bolsonaro não entendia de nada, mas na MINHA opinião Bolsonaro tinha uma visão holística e tinha em mente a definição completa da palavra saúde, já Mandetta tinha em mente uma visão limitada de que saúde era apenas a ausência de doença. Diante de tudo isso eu pergunto aos senhores: Será que isolar socialmente as pessoas nos trás mesmo saúde ou nos tira? Será que todos os que estão enclausurados em suas casas preocupados com o pão de cada dia e com a manutenção dos seus empregos ou de suas empresas, estão com saúde (no sentido literal da palavra: completo bem-estar físico, mental e social)? Hoje, assistindo a live das quintas feiras, conheci o novo Ministro da Saúde, o Dr. Nelson Teich. Dentre outras coisas me chamou muito a atenção o fato dele falar que "tratar pessoas não é igual a levar saúde para elas", dando a entender que ele tem uma visão holística que tanto o Brasil precisa, além de também ser técnico. Para finalizar, como Brasileiro, me cabe a obrigação de desejar boa sorte ao novo Ministro. Dr. Nelson, que o senhor encontre o meio termo racional: que simplesmente não abomine a quarentena, mas que também nos devolva a dignidade com toda a prudência possível.

    Fábio Rêgo
    Natal/RN
    16/04/2020

  8. Rodrigo disse:

    Votei em Bolsonaro e estou bem arrependido da besteira que fiz, pense num cara ignorante.

COMENTE AQUI