Política

CPI vai pedir indiciamento de Bolsonaro por 11 crimes, diz Renan Calheiros

Foto: Divulgação / Agência Senado / Edilson Rodrigues

O relator de CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou nesta sexta-feira que pretender indicar ao menos 11 tipos penais para o indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O parlamentar fez a listagem dos possíveis crimes cometidos pelo mandatário ao longo da pandemia em uma entrevista à rádio CBN.

Segundo Renan, os 11 tipos penais são: epidemia com resultado morte; infração de medidas sanitárias; emprego irregular de verba pública; incitação ao crime; falsificação de documento particular; charlatanismo; prevaricação; genocídio de indígenas; crimes contra a humanidade; crimes de responsabilidade; e homicídio por omissão.

“[Homicídio por omissão] Significa, em outras palavras, que o presidente da República descumpriu seu dever legal de evitar a morte de milhares de brasileiros durante a pandemia”, afirmou o relator.

Renan afirmou que o relatório final da comissão terá a descrição de cada crime a partir dos fatos caracterizados pelas condutas do presidente. Além de Bolsonaro, ao menos 40 outros personagens envolvidos no enfrentamento da pandemia também serão indiciados. Entre eles está o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e braço direito do general na pasta, Elcio Franco, que também é militar.

Segundo Renan, o relatório vai pedir o indiciamento de Pazuello pelos crimes de epidemia com resultado em morte; incitação ao crime; emprego irregular de verbas públicas; prevaricação, comunicação falsa de crimes; genocídio indígenas e crimes contra humanidade. Elcio Franco, por sua vez, pode ser indiciado por crime de epidemia, improbidade, prevaricação, entre outros.

Questionado se o pedido de indiciamento de Pazuello, general da ativa do Exército, não poderia gerar atritos com a corporação, Renan negou:

“O general Pazuello não foi investigado em nenhuma circunstância como militar, como general, como representante do Exército Brasileiro, que é uma instituição respeitada. Ele foi investigado como ministro da Saúde”, disse o relator, completando: “Em todos os momentos nós fizemos a separação das coisas. Uma coisa é o Ministério da Saúde, outra coisa é o Exército Brasileiro”.

Renan também respondeu se há a possibilidade do indiciamento de algum dos filhos de Bolsonaro. Segundo o senador, a comissão estuda o pedido para indiciar os filhos por fake news envolvendo a pandemia, entre outros crimes.

“A possibilidade de indiciamento deles é concreta. Há uma tendência muito forte de que isso tudo venha acontecer”, afirmou.

Segundo o senador, os pedidos de indiciamento serão enviados para a Procuradoria-Geral da República quando o autor do crime tiver a prerrogativa de foro especial. Nos demais casos, serão encaminhados para instâncias inferiores do Ministério Público Federal. Renan afirmou que haverá um prazo de 30 dias para que as investigações sejam levadas ao Judiciário, afim de aprofundá-las.

Portal iG

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que chora sozinho no banheiro de casa e que Michelle nunca viu

Foto: Evaristo Sá / AFP

Em um encontro organizado por uma igreja evangélica em Brasília, o presidente Jair Bolsonaro disse na noite desta quinta-feira (14) que chora no banheiro de casa. Bolsonaro mora no Palácio da Alvorada, residência oficial da Presidência.

“Cada vez mais nós sabemos o que devemos fazer. Para onde devemos direcionar as nossas forças. Quantas vezes eu choro no banheiro em casa? Minha esposa [Michelle Bolsonaro] nunca viu. Ela acha que eu sou o machão dos machões. Em parte acho que ela tem razão até”, declarou Bolsonaro.

O evento foi organizado pela igreja Comunidade das Nações.

“O que me faz agir dessa maneira? Eu não sou mais um deputado. Se ele errar um voto, pode não influenciar em nada. Um voto em 513. Mas uma decisão minha mal tomada, muita gente sofre. Mexe na bolsa, no dólar, no preço do combustível”, afirmou.

O presidente tem atuado para reforçar laços com bases evangélicas, de olho nas eleições de 2022.

Auxiliares de Bolsonaro estão preocupados com as tentativas do ex-presidente Lula de abrir pontos de interlocução com os evangélicos. Isso em um cenário de insatisfação de líderes religiosos com a demora da confirmação de André Mendonça para uma vaga no Supremo Tribunal Federal.

Para ler a matéria na íntegra acesse AQUI.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Presidente diz que determinará redução da bandeira tarifária na luz

Foto: © Marcos Correa / Presidência

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na noite desta quinta-feira (14) que determinará ao Ministério de Minas e Energia (MME) que altere a bandeira tarifária de energia elétrica para rebaixá-la a um valor menor a partir do mês que vem. A declaração foi feita durante discurso na Conferência Global Millenium, um evento que reúne igrejas evangélicas.

“Estávamos na iminência de um colapso. Não podíamos transmitir pânico à sociedade. Dói a gente autorizar o ministro Bento [Albuquerque], das Minas e Energia, a decretar a bandeira vermelha. Dói no coração, sabemos da dificuldade da energia elétrica. Vou determinar que ele volte à bandeira normal a partir do mês que vem”, disse o presidente, sem entrar em detalhes sobre qual seria a redução pretendida.

O país enfrenta a maior crise hídrica em 91 anos, o que tem afetado os reservatórios das usinas hidrelétricas. Neste cenário, o custo de energia aumenta porque é preciso acionar as usinas termoelétricas, que são mais caras. Em agosto, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) anunciou a criação de uma nova bandeira tarifária na conta de luz, chamada de bandeira de escassez hídrica. A taxa extra passou a ser de R$ 14,20 para cada 100 kilowatt-hora (KWh) consumidos e entrou em vigor a partir do dia 1º setembro, permanecendo vigente até abril do ano que vem.

Criada em 2015 pela Aneel, as bandeiras tarifárias refletem os custos variáveis da geração de energia elétrica e é dividida em níveis. Elas indicam quanto está custando para o Sistema Interligado Nacional (SIN) gerar a energia usada nas casas, em estabelecimentos comerciais e nas indústrias. Quando a conta de luz é calculada pela bandeira verde, significa que a conta não sofre nenhum acréscimo.

A bandeira amarela significa que as condições de geração de energia não estão favoráveis e a conta sofre acréscimo de R$ 1,874 por 100 kWh consumido. A bandeira vermelha mostra que está mais caro gerar energia naquele período. A bandeira vermelha é dividida em dois patamares. No primeiro patamar, o valor adicional cobrado passa a ser proporcional ao consumo na razão de R$ 3,971 por 100 kWh; o patamar 2 aplica a razão de R$ 9,492 por 100 kWh. Acima da bandeira vermelha, está a bandeira escassez hídrica, atualmente em vigor.

Mais cedo, o ministro Bento Albuquerque reiterou que o país não corre risco de racionamento de energia devido à grave crise hídrica. Segundo ele, desde o ano passado o governo tem monitorado a situação e tomado as medidas necessárias para garantir o abastecimento de energia. A declaração foi feita durante a abertura da 40ª edição do Encontro Nacional de Comércio Exterior (ENAEX) 2021, promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB).

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

45% dos evangélicos e 26% dos católicos acham Bolsonaro ótimo ou bom

Foto: Sérgio Lima / Poder360

O grupo que considera o trabalho do presidente Jair Bolsonaro “ótimo” ou “bom” teve um leve recuo entre os evangélicos, mas esses eleitores seguem sendo uma de suas principais bases de sustentação.

Pesquisa PoderData realizada nesta semana (11-13.out.2021) mostra que 45% dos evangélicos consideram o chefe do Executivo “ótimo” ou “bom”. Em agosto, essa taxa era de 50%. O apoio supera em 8 pontos percentuais os que acham o trabalho do presidente “ruim” ou “péssimo”.

Esse recuo de “ótimo” e “bom” entre evangélicos coincide com a demora para Bolsonaro conseguir emplacar o nome de André Mendonça como ministro do Supremo Tribunal Federal. Evangélico e apoiado por diversas denominações, Mendonça está há mais de 90 dias esperando que o Senado marque uma data para sua sabatina.

Nos últimos dias, o pastor Silas Malafaia, presidente da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, criticou ministros do governo Bolsonaro por não darem apoio a Mendonça. As declarações de Malafaia, muito influente entre evangélicos nas redes sociais, foi exatamente durante o período em que o PoderData fazia as entrevistas para a pesquisa divulgada nesta 5ª feira (14.out.2021).

Já entre os católicos, Bolsonaro é considerado “ruim” ou “péssimo” por 57%, ante 67% em agosto. Mesmo com o refresco, a taxa é maior do que a observada na população geral (de 53%). A base de apoio (“ótimo” + “bom”) entre católicos, no entanto, teve uma oscilação positiva de 5 pontos, ficando em 26% ante 21% há 2 meses e meio.

Esta pesquisa foi realizada no período de 11 a 13 de outubro de 2021 pelo PoderData, a divisão de estudos estatísticos do Poder360. Foram 2.500 entrevistas em 469 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

O presidente vem fazendo aceno a ambas as religiões nos últimos meses. Em julho, oficializou a indicação de André Mendonça, ex-advogados-geral da União, para o STF (Supremo Tribunal Federal). A cadeira, segundo Bolsonaro, estava destinada a uma pessoa “terrivelmente evangélica”.

No Dia de Nossa Senhora Aparecida (12.out), o chefe do Executivo participou de missa no Santuário Nacional de Aparecida, em São Paulo. Fez leitura bíblica ao lado de ministros. Ao chegar, foi aplaudido e vaiado.

A missa foi conduzida pelo arcebispo de Aparecida (SP), Dom Orlando Brandes, que na celebração das 9h, afirmou que a “pátria amada não pode ser pátria armada”, em crítica à pauta armamentista defendida por Bolsonaro.

APROVAÇÃO NA POPULAÇÃO GERAL

Quando considera-se toda a população brasileira, o trabalho pessoal de Bolsonaro tem 53% de “ruim” ou “péssimo”, contra 29% de “ótimo” ou “bom”. O grupo que considera o trabalho do presidente “regular” é de 18%.

Os números mostram uma leve tendência positiva para o Palácio do Planalto nos últimos 30 dias. No fim de setembro, o presidente chegou ao seu maior nível de rejeição já registrado pelo PoderData.

Poder360

Opinião dos leitores

  1. Ninguém pode servir a Deus e o diabo ao mesmo tempo, o Cristão tem que está do lado conservador, ou é cristão ou satanista!! Quem apoia a esquerda está do lado das trevas!! Essas pesquisas são todas manipuladas!!

  2. O apoio do povo ao presidente Bolsonaro é facilmente comprovado pelas multidões que ele atrai em TODAS suas aparições públicas. Enquanto isso, seus opositores, inclusive o bandido cachaceiro de 9 dedos, continuam “com medo” do povo, escondidos em suas “bolhas”. E as tais pesquisas dizem que esse ladrão é o favorito para a Presidência. Pois é.

  3. Pesquisas, pesquisas, pesquisas quem vai querer?? Estamos em promoção todo tipo de pesquisa por apenas alguns reais de “apoio” ! Aproveite esta baratinho!!

  4. Mais uma pesquisa que não mostra a realidade. Fica evidenciado que os institutos de pesquisa estão usando metodologia errada ou estão fazendo pesquisa de forma estranha, apresentando números abaixo do colhido e, talvez, pior, divulgando números falsos.
    O que esses institutos tentam impor, é inversamente proporcional ao que se vê nas ruas, ao que encontramos nas rodas de pessoas, em cada ônibus, a cada situação social.
    A esquerda desintegrou politicamente, não tem 10% dos votos e o presidente tem um altíssima apoio do povo brasileiro. Se o governo dele não é melhor se dá a fatos como:
    De 2019 a 2020 o senador Alcolumbre e o deputado Rodrigo Maia barraram tudo que era proposto pelo governo para o povo brasileiro no senado e na câmara federal.
    Em 2020 surgiu a pandemia e a esquerda parou tudo com o mote: “Fecha e para tudo, a economia a gente vê depois”.
    Os estados receberam bilhões do governo federal para combater a pandemia e o STF decidiu que as ações direta de combate ao vírus era responsabilidade dos governadores e prefeitos.
    Depois houveram decisões impedindo que os governadores fossem investigados sobre como gastaram os recursos recebidos durante a pandemia.
    Mesmo sem produzir vacinas, o Brasil é o terceiro país no mundo que mais distribuiu doses para população.
    Existe a CPI que até agora a única coisa concreta que fez foi torrar recursos públicos, onde a mesa diretora é composta por senadores que tem processo por corrupção no STF.
    No mais só encontramos uma produção gigantesca de narrativas e fake news contra o governo, cujo maior inimigo da esquerda é a verdade!

    1. Esqueça direita/esquerda. A maioria do povo não faz parte disso. É gente que está desempregada, pagando caro pelo gás e alimentos. E vai votar em qualquer um, menos no teu maluco de estimação. Basta somar os que votaram contra em 2018, com os que votaram em branco, mais parte dos que se arrependeram do voto errado. Essa pesquisa errou foi pra menos!

  5. Evangélicos no Brasil são iguais a mulçumanos, sempre seguem seus líderes, muitos dessas lideranças são CANALHAS e estão a serviço de quem lhe entrega dinheiro e poder. Alienação com lavagem cerebral nas fraquezas mentais dos homens. Assim caminha a humanidade.

    1. Sou evangélico e faço parte dos 55% que não votam nele. O líder que sigo é Jesus Cristo. Preconceito, de sua parte, não deixa de ser alienação também…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Aprovação ao governo Bolsonaro vai a 33%; reprovação recua de 63% para 58%

Foto: Sérgio Lima / Poder360

Pesquisa PoderData realizada nesta semana (11-13.out.2021) mostra leve melhora para o governo Jair Bolsonaro na opinião pública nos últimos 15 dias. A taxa de reprovação à gestão federal hoje está em 58%, uma queda de 5 pontos em comparação à pesquisa anterior.

A aprovação ao governo marca 33%. Oscilou para cima dentro da margem de erro da pesquisa, de 2 pontos percentuais.

O resultado indica uma melhora pontual para o governo, embora o quadro siga negativo para o Planalto. A taxa de reprovação está 25 pontos percentuais acima da de aprovação. Mas já foi pior: essa diferença era de 36 pontos no início de setembro.

A pesquisa foi realizada por meio de ligações para telefones celulares e fixos. Foram 2.500 entrevistas em 469 municípios nas 27 unidades da Federação de 11 a 13 de setembro de 2021.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

A margem de erro é de 2 pontos percentuais. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

O PoderData também questiona os entrevistados a respeito de como avaliam o trabalho pessoal de Bolsonaro. Hoje, 53% classificam o presidente como “ruim” ou “péssimo”, uma queda de 5 pontos em comparação a duas semanas antes. Já o grupo que considera o trabalho do presidente “bom” ou “ótimo” foi de 25% a 29%. Variou para cima no limite da margem de erro (2 p.p. para mais ou para menos).

O grupo do “regular” é onde os eleitores costumam fazer um “pit stop” antes de mudarem de opinião. Hoje está em 18%. Vem crescendo pouco a pouco desde agosto.

Hoje, o grupo que considera o trabalho de Bolsonaro como “ruim/péssimo” fica 24 pontos percentuais acima do “ótimo/bom”. Há duas semanas, a diferença era de 33 p.p.

É a 1ª vez em 4 meses que tanto os números de aprovação do governo quanto os de avaliação do trabalho de Bolsonaro indicam alguma recuperação na imagem palaciana. O movimento é registrado enquanto o presidente mantém uma trégua de mais de 1 mês com os Poderes Judiciário e Legislativo. Rodadas anteriores indicaram que os atos de 7 de Setembro, ápice da tensão entre o presidente e outros Poderes, só provocaram alterações na margem de erro.

ESTRATIFICAÇÕES

Eis as taxas de aprovação e de reprovação do governo por sexo, faixa etária, nível de escolaridade e região.

Em relação ao trabalho do presidente, a fatia que avalia como “ruim” ou “péssimo” é maior nos jovens de 16 a 24 anos (62%). A taxa dos que respondem “ótimo” ou “bom” sobe no Norte (40%), mas continua perdendo em todos os estratos.

Poder360

Opinião dos leitores

  1. Pesquisas Fake News, o presidente continua forte nas pesquisas, a rua fala e ver quem tem olho. A esquerda corrompida continua descendo ladeira.

  2. Olha a pesquisaaaa!! Tá baratinha! Quem quiser basta solicitar como devemos fazer e com uma contribuição módica podemos divulgar na “grande” mídia! Olha aiiiii. Quem vai querer ??

  3. O apoio ao presidente Bolsonaro nos vemos nas ruas, por onde ele passa. Agora mesmo, vimos isso em Aparecida e outras cidades. E por onde andam seus opositores? Escondidos com medo do povo?

  4. Se a turma do quanto pior melhor e da corrupção deixassem ele governar a aproximação estaria nas alturas. Ele tem o sentimento do povo, porém vai de encontro a tudo de ruim que é praticado na política brasileira a séculos. A turma dos viciados nas tetas do governo vão fazer de tudo para não permitir que este sentimento do povo prospere e que o Mito faça escola, pois isto não os interessa.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro volta a defender Mendonça para a vaga no Supremo: ‘Competente, capaz e inteligente’

Foto: CAROLINA ANTUNES / PR

O presidente da República, Jair Bolsonaro, voltou a defender a indicação do ex-advogado-Geral da União André Mendonça para a vaga do ministro Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF). Em evento nesta quarta-feira (13) para entrega de títulos de propriedades rurais em Miracatu, onde Mendonça tem raízes, Bolsonaro fez elogios ao indicado ao STF e reforçou o compromisso de ter um evangélico na Corte Suprema.

“Se Eldorado [onde morou Bolsonaro] deu um presidente, Miracatu terá um ministro do Supremo Tribunal Federal. À família de Miracatu, à família de André Mendonça, meus cumprimentos, pelo homem extremamente competente, capaz e inteligente, e, dentro do meu compromisso, um evangélico para o STF”, disse o chefe do Executivo.

André Mendonça é nascido em Santos, mas viveu em diversas cidades da região do Vale do Ribeira, onde fica Miracatu, e tem familiares que moram na cidade. Nesta quarta (13), faz três meses que o presidente indicou o nome do ex-advogado-Geral da União para o Supremo.

Mendonça deverá ser sabatinado pelo Senado Federal, mas para isso é preciso que o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Davi Alcolumbre (DEM-AP), autorize a realização. Esse tempo de espera não tem precedentes na Casa e foi justificada ao STF pelo presidente da CCJ como “obstrução legítima”.

Para ler a matéria na íntegra acesse AQUI.

Opinião dos leitores

  1. Esqueceu de destacar outros atributo tão importantes quanto: babão, puxa-saco, adestrado, pau mandado…

  2. Ninguém tava sabendo desses atributos, só que era terrivelmente evangélico e que era da sua cozinha, inclusive prometeu que iria jantar constantemente com o presidente, não sei se iria interferir nas decisões.

    1. Grande nome para o combalido, desacreditado e achincalhado STF.

    2. Não acredito que um cara terrivelmente evangélico seja inteligente.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro diz que decidiu não tomar a vacina contra a Covid-19

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nessa terça-feira, 12, que decidiu não tomar a vacina contra a Covid-19. O presidente deu entrevista ao programa “Os Pingos Nos Is“, da Jovem Pan. “Eu decidi não tomar mais a vacina. Eu estou vendo novos estudos, a minha imunização está lá em cima, para que vou tomar a vacina? Seria a mesma coisa que você jogar R$ 10 na loteria p ganhar R$ 2. Não tem cabimento isso”, disse. “Para mim a liberdade acima de tudo. Se o cidadão não quer tomar a vacina, é um direito dele e ponto final”, completou. Em outras ocasiões, Bolsonaro disse que se vacinaria, mas apenas depois que toda a população já estivesse imunizada.

O presidente também foi questionado sobre a notícia de que ele teria sido impedido de assistir ao jogo do Santos na Vila Belmiro por não estar vacinado contra a Covid-19. Ele disse que não foi barrado e que não foi até o local. “Por que não apresenta uma foto minha tentando entrar na Vila Belmiro? Porque não tem. Eu nem apareci na Vila Belmiro. Eu estava pensando em ir, conversei com os meus assessores, daí um falou: ‘olha, tem exigência da vacina’. Eu não vou comparecer se tem exigência”, declarou.

Jovem Pan

Opinião dos leitores

  1. COMO UM LÍDER NÃO DEVE DAR EXEMPLO PARA SEUS LIDERADOS?
    Esse cidadão é a favor da VACINA quando?

  2. Eu concordo que a vacina não seja obrigatória, assim como o voto também não deveria ser. Eu não considero que estejamos em uma democracia, quando uma coisa não é obrigatória e a outra é! Ou tudo, ou nada! Pensando dessa forma, o presidente não ajuda em nada, a economia voltar a crescer mais rapidamente. Não é nada inteligente, essa forma de proceder, pois sem perceber, ele prejudica dois “pilares” de sustentação para o crescimento do País, a saúde e a economia. Ou ele é muito inocente, turrão, ou tem péssimos assessores. Ou todas essas coisas juntas. Cada um que arque com as próprias consequências dos seus atos, diante de uma doença tão traiçoeira!

  3. Mostra não , ele tomou até mais de 2 doses. Como seu documento está em sigilo, ninguém pode desmascara-lo, agora esses cagao aqui do Brasil ficam atribuindo o sucesso da vacina a ele, o sucesso é de todos nós que acreditamos na ciência, isto é, os não eleitores desse Mintohorror.

  4. Precisa ser muito gado véi idólatra e adestrado pra acreditar nesse MINTOmaníaco das rachadinhas kkkkk. Mostre a carteira de vacinação seu cagao!

    1. Deixe, esse MITO idiota que a vacina dele será utilizada para uma pessoa humilde.
      Então, 02 de Outubro considere demitido e vamos pela uma terceira VIA.

  5. Toma quem quiser essa vacina experimental, tanto é experimental que não dá segurança a ninguém quanto a imunidade de 100% e o tempo da pouca imunidade que dá, ninguém sabe o tempo de proteção.

    1. Que narrativa de vacina experimental eh essa? Coisa nova na gadolandia! Muuuu

    2. Zé Macedo vc é um jumento sem mãe, deixe de conversar merda pois vc já tomou as duas doses da vacina, vc quer aparecer, só pra lembrar “conversa merda que tem dinheiro” vc é um LISO.

    3. Eu vi você na fila Macedo . Tomou no bebum e chorou , mummmmm

  6. Só no país de banana, onde messias capeta diz que NAO vai tomar vacina e NADA acontece. Onde nessa republiqueta de banana os NEGACIONISTAS sempre tem espaço junto aos seus puxa sacos.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Presidente diz que quem grita “Fora, Bolsonaro” não sabe quanto é 3 x 8

Foto: Hugo Barreto / Metrópoles

Na tarde desta segunda-feira (11/10), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) provocou manifestantes contrários ao governo dele. Durante conversa com apoiadores na praia de Guarujá, em São Paulo, o chefe do Executivo disse que quem grita “Fora, Bolsonaro” não sabe fazer uma conta de matemática.

“Na sexta-feira (8/10), a imprensa publicou, teve uma rebelião [protesto contra o presidente] lá em Campinas. Três pessoas, mulheres, de uma média de 20 anos, estudantes: [gritaram] ‘Fora, Bolsonaro’. Sem problema, eu falei ‘saio agora daqui’ se vocês três me responderem quanto é 3 x 8. Ou se vocês me responderem qual é a raiz quadrada de 4. Não responderam, esse é o nível de pessoa que fala ‘Fora, Bolsonaro’”, disse o presidente.

O momento foi gravado e divulgado por um canal simpatizante do governo.

Na sequência, uma pessoa pergunta se o mandatário acha que a educação precisa melhorar e ele rebate dizendo que o país já é um dos piores do mundo no quesito educação.

“Para o mundo que eu quero descer. O Brasil ficou em último no índice PISA [Programa Internacional de Avaliação de Alunos]. Parabéns ao PT. A educação não pode piorar, já estamos em último lugar. Parabéns, Paulo Freire. Engraçado que o primeiro mundo não adota o método Paulo Freire”, disse o mandatário.

Depois, o presidente citou feitos que, para ele, melhoraram a qualidade da educação no país. “Você acha que não tá melhorando? Vocês estão vendo em livro didático ideologia de gênero? A desconstrução da heteronormatividade, estão vendo? A educação é um transatlântico, não dá pra dar um cavalo de pau”, explicou o chefe do Executivo.

O presidente da República viajou na sexta-feira a São Paulo e tem previsão de permanecer no estado até quarta-feira (13/10). Após visita a Peruíbe (SP), no sábado (9/10), o mandatário foi multado pela prefeitura por não usar máscara de proteção facial. Segundo o órgão, ele foi multado em R$ 500 por não usar o equipamento facial.

Metrópoles 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro institui Programa Auxílio Brasil e Programa Alimenta Brasil

Foto: Sérgio Lima / Poder360

O Decreto regulamentador da MP (medida provisória) que institui o Programa Auxílio Brasil e o Programa Alimenta Brasil foi publicado na manhã desta 5ª feira (7.out.2021).

A medida provisória atribuiu a função de agente operador do programa Auxílio Brasil e dos recursos a instituições financeiras federais, como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

O Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, atenderá cerca de 17 milhões de famílias e custará R$ 60 bilhões aos cofres públicos em 2022. O valor é R$ 26 bilhões superior ao do Bolsa Família e deve ser financiado por meio da taxação dos lucros e dividendos, prevista na reforma do IR. O Programa Alimenta Brasil prevê a compra de alimentos de pequenos agricultores e distribuição para as famílias beneficiadas.

Benefícios

No Auxílio Brasil haverá 9 modalidades diferentes de benefícios. As 3 primeiras formam o núcleo básico do novo programa, enquanto as demais o complementam com ferramentas de inserção socioeconômica:

Benefício Primeira Infância: contempla famílias com crianças entre 0 e 36 meses incompletos;

Benefício Composição Familiar: diferente da atual estrutura do Bolsa Família, que limita o benefício aos jovens de até 17 anos, será direcionado também a jovens de 18 a 21 anos incompletos. O objetivo é incentivar esse grupo a permanecer nos estudos para concluir pelo menos um nível de escolaridade formal;

Benefício de Superação da Extrema Pobreza: se após receber os benefícios anteriores a renda mensal per capita da família não superar a linha da extrema pobreza, ela terá direito a um apoio financeiro sem limitações relacionadas ao número de integrantes do núcleo familiar.

Auxílio Esporte Escolar: destinado a estudantes com idades de 12 a 17 anos incompletos que sejam membros de famílias beneficiárias do
Auxílio Brasil e que se destacarem nos Jogos Escolares Brasileiros.

Bolsa de Iniciação Científica Junior: para estudantes com bom desempenho em competições acadêmicas e científicas e que sejam beneficiários do Auxílio Brasil. A transferência do valor será feita em 12 parcelas mensais. Não há número máximo de beneficiários por núcleo familiar;

Auxílio Criança Cidadã: direcionado ao responsável por família com criança de zero a 48 meses incompletos que consiga fonte de renda mas não encontre vaga em creches públicas ou privadas da rede conveniada. O valor será pago até a criança completar 48 meses de vida, e o limite por núcleo familiar ainda será regulamentado.

Auxílio Inclusão Produtiva Rural: pago por até 36 meses aos agricultores familiares inscritos no Cadastro Único;

Auxílio Inclusão Produtiva Urbana: quem estiver na folha de pagamento do programa Auxílio Brasil e comprovar vínculo de emprego formal receberá o benefício.

Benefício Compensatório de Transição: para famílias que estavam na folha de pagamento do Bolsa Família e perderem parte do valor recebido em decorrência do enquadramento no Auxílio Brasil. Será concedido no período de implementação do novo programa e mantido até que haja majoração do valor recebido pela família ou até que não se enquadre mais nos critérios de elegibilidade.

Poder360

Opinião dos leitores

  1. Vai deixar o povo passar fome para depois vocês esquerdopatas, dizerem que o povo está passando fome e o governo não faz nada. Cobra 82 centavos de imposto por litro na gasolina já o ICMS no final é 70% do combustível na Petrobrás, zerou o imposto do gaz, a Petrobrás vai disponibilizar 300 milhões para ajuda na compra do gaz, no governo do luladrão todos os presidentes das grandes estatais foram presos e deram prejuízo, hoje todas dão lucros de bilhões e o principal não há roubo no governo. E vocês só sabem falar de rachadinha e cloroquina.

  2. Esmolas e mais esmolas. O governo deveria investir em programas de desenvolvimento regional, mas insiste em imitar o PT. Eita governo ruim ….

    1. Em parte concordo com vc, melhor ensinar a pescar e criar condições, do que dar o peixe, já dizia o saudoso Luiz Gonzaga “mais doutor uma esmola a um homem que é….ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão”, porém essa situação muitas vezes, que deveriam ser pontuais, com início meio e fim, tornou-se uma política no Brasil, não desse presidente, também dele, mais principalmente dos anteriores que deixaram o povo mais humilde viciado.

  3. Tem que fazer tudo o que o PT faria senão o PT volta né?! Pense numa coerência essa do MINTO das rachadinhas… Cada dia mais parecido com o governo de DilMAnta!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro veta distribuição gratuita de absorventes a mulheres de baixa renda

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou a distribuição gratuita de absorventes para pessoas de baixa renda, medida prevista no Projeto de Lei 4968, de 2019, que foi aprovado pela Câmara dos Deputados e Senado Federal.

Em publicação no Diário Oficial da União desta quinta-feira (07), o presidente sancionou a criação de um Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual com uma “estratégia” para a “promoção da saúde e atenção à higiene feminina”.

Segundo o que foi aprovado, o programa será integrado entre os entes federados e haverá a implementação de “campanhas informativas e de conscientização da população acerca da importância do tema”.

No entanto, os dispositivos que diziam respeito ao público-alvo do projeto e aos meios de acesso aos itens de higiene pessoal previstos foram vetados.

O projeto visava atingir principalmente estudantes de baixa renda matriculadas em escolas da rede pública de ensino, mas também mulheres em situação de rua ou de vulnerabilidade social extrema, presidiárias e adolescentes internadas em unidades para cumprimento de medida socioeducativa.

Nas justificativas dos vetos remetidas ao presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM-MG), Bolsonaro afirmou que a distribuição de absorventes para estudantes de baixa renda contrariava o interesse público por não existir “compatibilidade com a autonomia das redes e estabelecimentos de ensino”.

Além disso, o presidente afirmou que o PL não indicava a fonte de custeio da aquisição dos absorventes ou uma medida compensatória, o que iria contra a Lei de Diretrizes Orçamentárias.

No texto original do projeto aprovado na Câmara e no Senado, as fontes de custeio eram as dotações disponibilizadas anualmente pela União ao funcionamento do Sistema Único de Saúde (SUS).

Para atingir parte do público alvo previsto no projeto, as cestas básicas entregues no âmbito do Sistema Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Sisan) deveriam conter o absorvente higiênico como item essencial. No entanto, o item também foi vetado com a justificativa de falta de indicação orçamentária.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Imagina como os fabricantes dos absorventes iriam faturar com esses absorventes.
    Gente, isso não é prioridade.
    Antigamenteeee nao existia absorvente e existia higiene. É dinheiro nosso.

  2. Faltou rubrica. Espero que o Presidente aproveite a sugestão e solicite provisão para levar adiante esta ideia. Iria melhorar muito a qualidade de vida de milhares de mulheres de classe humilde.

  3. Daqui a pouco irão criar a lei da calcinha, que toda mulher que vive em vulneralibidade social
    terá direito !!!

  4. Vou dar uma sugestão ao blog, o qual gosto e respeito. Quando replicar uma notícia, procure explicar os fatos, seja esquerda ou direita. Neste caso, não existe “distribuição gratuita”. Toda despesa dos governos precisam de dotação orçamentária. E no caso específico não tinha. A matéria volta pra o congresso, e lá, se houver dotação, eles podem derrubar o veto, sem crime de responsabilidade. Matéria cheias de hipocrisia.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Sem Nunes Marques, STF julga hoje depoimento presencial de Bolsonaro à PF

Foto: Reprodução / Agência Brasil

O STF (Supremo Tribunal Federal) pode definir hoje se o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) poderá se manifestar por escrito no inquérito que apura se ele interferiu de forma indevida na PF (Polícia Federal). O caso já estava na pauta do plenário da Corte na semana passada, mas os ministros não tiveram tempo de iniciar a votação.

Motivada por denúncias do ex-ministro da Justiça Sergio Moro, a investigação corre desde abril do ano passado e já foi prorrogada por várias vezes, a última em julho deste ano. Este é um dos quatro inquéritos que correm contra Bolsonaro no Supremo.

Indicado para o Supremo pelo presidente Bolsonaro, o ministro Kassio Nunes Marques não participará do
julgamento porque substituiu o ministro Celso de Mello, que se aposentou. Há mais de um ano, em
setembro de 2020, Mello negou ao presidente a possibilidade de depor por escrito.

O então decano da Corte deu a Bolsonaro o direito de comparecer ou não ao depoimento. Caso escolha
depor, no entanto, o presidente terá que comparecer presencialmente, segundo o entendimento de Mello.
O ex-ministro do STF lembrou, em sua decisão, que o Código de Processo Penal permite depoimento por
escrito para o presidente da República e o vice, além dos presidentes do Senado, da Câmara e do próprio
Supremo. Esse benefício, porém, só vale quando a autoridade for testemunha ou vítima, segundo o exministro.

Por meio da AGU (Advocacia-geral da União), Bolsonaro recorreu pedindo o direito de depor por escrito,
com o argumento de que o ex-presidente Michel Temer, por exemplo, foi autorizado a fazer isso por duas
vezes. Ainda segundo a AGU, a possibilidade de depoimento por escrito é uma extensão natural do direito
ao silêncio, que é garantida por lei a Bolsonaro.

Um mês depois do recurso, o caso foi levado ao plenário do STF. Celso de Mello então reiterou seu voto
contra o depoimento escrito, mas logo em seguida o julgamento foi suspenso pelo presidente da Corte, Luiz
Fux.

Com a saída de Celso de Mello, o caso passou às mãos de Alexandre de Moraes. Além de conduzir este
processo, Moraes é relator de outros dois inquéritos contra Bolsonaro, mais recentes, que investigam
ataques do presidente ao sistema eleitoral.

A investigação sobre a suposta interferência de Bolsonaro na PF começou em em abril de 2020, quando
Moro acusou Bolsonaro de ter trocado o comando da PF para ter acesso a investigações. O estopim da
saída do ex-ministro foi a demissão do delegado Maurício Valeixo, que havia sido escolhido por Moro para a
direção-geral da corporação.

Moro prestou depoimento nesse inquérito já em maio do ano passado. Na ocasião, afirmou que Bolsonaro
“pediu” a ele o controle da superintendência da PF no Rio de Janeiro, que tem apurações que esbarram no
presidente e em sua família.

Desde que o caso veio à tona, Bolsonaro tem negado qualquer intenção de interferir indevidamente na PF. O vídeo da reunião ministerial que culminou na demissão de Moro, citada pelo ex-ministro como evidência da ingerência de Bolsonaro, foi considerado inconclusivo.

UOL

Opinião dos leitores

    1. Enquanto os corruptos vão sendo cada vez mais protegidos.
      Tem ex ministro da casa civil do PT, condenado em 03 processos por corrupção que está solto e sequer anda com tornozeleira eletrônica.
      Tem ex deputado do PT que foi flagrado escondendo 50 milhões em dinheiro dentro de um apartamento, que foi inocentado.
      Tem ex deputado do PT que foi flagrado escondendo dinheiro na cueca que foi blindado.
      Tem ex presidenta que perdeu o mandato por impeachment, mas contra o que está definido na CF, manteve seus direitos políticos……
      Já aqueles que expressão suas opiniões estão sendo encarcerados sem o devido processo legal.

    2. Verdade 🤣🤣🤣🤣 e vcs vão saindo de dentro, m……. Pura, deviam aproveitar, fazer um ajuntamento e comparecer nas manifestações em favor do M……. Mor. As últimas aparições foram um fracasso de público e protesto.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Negociação avança e Bolsonaro pode ingressar no PP

O presidente da República Jair Bolsonaro ainda não tem partido, mas as negociações para se filiar ao Progressistas (PP) avançaram. Os dirigentes da sigla estão otimistas e dizem que só falta marcar a data do “casamento”.

No acordo discutido entre o chefe do Executivo e a legenda, o primeiro teria que abrir mão do controle de diretórios estaduais, principalmente no Nordeste. Em troca, ele teria a palavra final em candidaturas ao Senado.

O PP crê que Bolsonaro pode garantir votos à sigla. Os cálculos giram em torno de uma bancada com 80 deputados.

Além disso, havia a avaliação de que se o chefe do Executivo não se saísse bem no processo eleitoral de 2022, ele poderia prejudicar Arthur Lira na reeleição à presidência da Câmara dos Deputados.

No entanto, Lira já afirmou que não vê problema na filiação de Bolsonaro se isso for bom para o partido.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Relator diz que CPI ‘com certeza’ vai pedir indiciamento de Bolsonaro

Foto: Pedro França / Agência Senado

O relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, senador Renan Calheiros (MDB-AL), afirmou, na manhã desta terça-feira (5), que, “com certeza”, haverá pedido de indiciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no relatório a ser lido no dia 19 de outubro.

“Não vamos falar grosso na investigação e miar no relatório. Ele, com certeza, será, sim (incluindo no relatório), pelo que praticou”, disse o senador ao chegar para a reunião da CPI nesta manhã.

Renan também confirmou que o relatório deve ter mais de 30 pedidos de indiciamento, mas ainda não há uma quantificação. Ele detalhou que o documento será desmembrado e enviado a diversas instâncias, como a Procuradoria-Geral da República (PGR), o Tribunal de Contas da União (TCU) e ministério público de vários estados e do Distrito Federal.

“Vamos mandar para a PGR apenas o que couber à PGR e vamos destrinchar para enviar aos MPs e ao TCU os outros aspectos do próprio relatório. A Procuradoria vai avaliar, em 30 dias, prazo que estabelece a legislação das CPIs, as pessoas que têm foro especial e que devem ser examinadas pela PGR”, afirmou Calheiros.

O vice-presidente da comissão, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), reafirmou que o relatório terá consequências.

“Aprovado o relatório, nós vamos seguir adiante com uma agenda para que o relatório tenha consequências. Não adianta esse trabalho todo se o relatório não tiver consequências. Não adiantará e nós não iremos rugir como leão nos depoimentos e miar como um gatinho no relatório e nas consequências do relatório”, declarou Randolfe ao chegar para o depoimento desta terça.

A CPI ouve nesta terça o sócio da empresa de logística VTCLog, Raimundo Nonato Brasil, com o objetivo de obter mais informações em relação a contratos firmados pela empresa com o Ministério da Saúde, em especial um aditivo que envolve valores milionários. O depoente conseguiu junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) autorização para permanecer em silêncio sobre fatos que possam incriminá-lo.

R7

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Governo zera imposto de importação de mais de 20 itens e Bens de Informática e Telecomunicações

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro anunciou por meio do Twitter, que o Governo zerou o imposto de importação de mais de 20 itens e Bens de Informática e Telecomunicações. Entre os itens estão: rádios, transmissores, telas “touchscreen” de LCD, conversores de sinal e módulos solares fotovoltaicos para geração de energia.

O texto foi publicado no Diário Oficial da União de segunda-feira (27/9) e inclui informações técnicas específicas de cada equipamento agora na lista de ex-tarifários.

Para mais informações acesse AQUI.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Governo pretende pagar vale-gás até o final de 2022

Além dos R$ 300 milhões anunciados pela Petrobras, o governo federal pretende reservar uma dotação orçamentária para o próximo ano no pagamento do chamado vale-gás.

A ideia discutida no Palácio do Planalto é garantir um montante de R$ 3 bilhões a R$ 4 bilhões no orçamento para a criação de um programa de assistência para a compra de botijões de gás.

A avaliação é de que, com a aprovação da PEC dos Precatórios, será possível viabilizar o novo Bolsa Família, que ganhou o nome de Auxílio Brasil, e também garantir o pagamento do novo benefício social.

Segundo relatos feitos à CNN por auxiliares do governo, a proposta analisada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é conceder uma ajuda bimestral de R$ 50 a famílias incluídas no Bolsa Família.

O valor compensaria o aumento no valor do botijão de gás, que, com o crescimento da inflação, hoje é, na média, de R$ 97. Desde o início do ano, o preço médio subiu quase 30%, segundo a ANP (Agência Nacional do Petróleo).

Negociações

Com a negociação de mudanças na PEC dos Precatórios, o governo federal estima que conseguirá quitar um montante de cerca de R$ 65 bilhões em dívidas judiciais em 2022.

O cálculo tem sido feito tanto por assessores do Palácio do Planalto como por integrantes da equipe econômica e leva em conta a viabilização de mecanismos de negociação para o pagamento de precatórios extrateto de gastos.

O governo federal calcula que, de um montante de R$ 89 bilhões previsto para 2022, um total de R$ 40 bilhões tenha previsão de pagamento no orçamento do ano que vem, cumprindo a regra do teto de gastos.
Em relação ao restante de R$ 49 bilhões, a previsão é de que, caso a proposta seja promulgada pelo Congresso Nacional, pelo menos metade do valor possa ser quitado por mecanismos extrateto.

A minuta da proposta, analisada em comissão especial da Câmara dos Deputados, prevê modalidades de negociação como a quitação de débitos inscritos em dívida ativa, compra de imóveis públicos e aquisição de participação societária em empresas públicas.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. E assim será destruída mais uma narrativa da esquerdalha. Já que estão tentando culpar o governo por aumentos de preços que não dependem dele…

  2. darás migalhas a 100 milões de pessoas porque pode ser que metade delas resolva retribuir com o voto. pouco provável!

  3. Ô véi macho da gota serena é o véi Bolsonaro.
    Esse é duro viu?
    Expinhaço de trilho de trem.
    Tá reeleito em primeiro turno.
    Vai em 2022 desmoralizar tudo que é Instituto de pesquisas de novo.
    outra vez!!
    Kkkkkkkkkkkkkkkkk
    Ei?!!
    Por onde anda a petezada que gosta de comentar aqui no blog???
    Os jumentos de dois pé sumiram???
    Kkkkkkkkkkkk
    Depois do fiasco do sabado, estão tudo doido varrido e com o rabo entre as pernas.
    Kkkkkkkkkk
    Estão morrendo de vergonha.
    Mito . Mito. Mito .Mito ate 2026 no mínimo.
    Quem não aguentar.
    CORRA!!!
    KKKKKKK

    1. Queria saber onde anda esses eleitores do cachaceiro ladrão de nove dedos.
      Cadê os eleitores desse corrupto que as pesquisas mostram??
      Cadê??
      Não sai em dia de protestos, aqui no Nordeste em recente passagem do ladrão, também não se viu, cadê cadê??
      Deve ser igual aos respiradores do consórcio Nordeste.
      Não exister!!!
      Fantasma!!
      Kkkkkkkkkkkkk
      Chupa esquerdalhada sofrida.
      Até 2026 tá?
      Corruptos!!!!!!

  4. Mais esmolas… Esse “governo” de Bolsonaro é o governo dos esmoleus. A sociedade quer condições de vida para poder comprar seus itens básicos sem receber esmolas. Primeiro sinal de um péssimo governo é quando seu povo precisa de esmolas.

    1. O governo do MINTO das rachadinhas está muito parecido com o de DilmAnta! Daqui para eleição essa sensação vai piorar pra ele batendo o desespero por não garantir sua reeleição…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI da Covid terá última semana de depoimentos; confira os destaques

Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

Mesmo com prazo estendido até o início de novembro, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 entra na sua última semana de depoimentos, com previsão de votação do relatório final em 20 de outubro. A cúpula dos trabalhos avalia que já há elementos suficientes para fechar os trabalhos, com uma lista de indiciados que inclui o presidente da República, Jair Bolsonaro. Para arredondar alguns pontos, a CPI ainda se debruçará em oitivas mirando a Prevent Senior e a VTCLog.

Para o primeiro depoimento da semana, a CPI trará o sócio da empresa de logística VTCLog, Raimundo Nonato Brasil, na terça-feira (5). Contratada para receber, armazenar e distribuir vacinas contra a Covid-19, a empresa entrou na mira dos senadores pela suspeita de ter feito pagamentos ao ex-diretor de logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias, também investigado e um dos depoentes que será indiciado no relatório final.

A empresa presta serviços ao Ministério da Saúde desde 2018, quando o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR) era ministro da pasta. Barros é outro alvo da CPI, apontado pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) de ser o responsável pelo esquema de negociações de vacinas junto a empresas intermediárias. O líder do governo nega as acusações.

O sócio da VTCLog Raimundo Nonato já irá a CPI com os sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático quebrados. O requerimento, do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), foi aprovado em agosto pela comissão e mira dados desde o início da primeira contratação, em 2018. O objetivo é entender como a empresa conseguiu o contrato que, segundo Randolfe, “sofreu diversas críticas de funcionários do Ministério da Saúde”.

Prevent Senior

O restante dos depoimentos da semana visam fechar lacunas das investigações envolvendo a Prevent Senior. A operadora de saúde foi denunciada por ex-funcionários, que juntaram provas para elaborar um dossiê contra a empresa. Entre as acusações estão a alteração de prontuários médicos para subnotificar casos e mortes por Covid-19, a distribuição de medicamentos do ‘kit covid’ como alternativa para cortar custos com internação e a realização de pesquisas sem aprovação da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) ou consentimento de parentes.

Atendendo a pedidos tanto do G7 — grupo de parlamentares da oposição e independência do governo que formam maioria na CPI — quanto da ala governista, a comissão deve receber, na quarta-feira (6), médicos que fizeram parte do grupo de ex-funcionários que denunciaram a Prevent Senior. A expectativa é receber o casal de médicos George Joppert e Andressa Joppert. Detalhes do dossiê foram trazidos na semana passada pela advogada Bruna Morato, mas os senadores da base pressionaram por ouvir os próprios denunciantes. Quem faz a articulação são os senadores Randolfe e Humberto Costa (PT-PE).

Para encerrar a remessa de oitivas, a comissão ouve, na quinta-feira (7), o presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Paulo Roberto Rebello Filho. Após as revelações na CPI, a ANS autuou a rede por constatar “indícios de infração”. A justificativa é que a Prevent deixou “de comunicar aos beneficiários as informações estabelecidas em lei”.

Fechada a rodada de depoimentos, a cúpula da CPI não pretende abrir mais uma semana para ouvir novas testemunhas. “Só se houver um fato muito grave, relevante, do ponto de vista novo e não daquilo que a gente vem tratando”, ponderou o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM).

R7

Opinião dos leitores

  1. CPI o que mais consegui ganhar foi adjetivos para qualificar-lá dentre os nomes mais sugestivos destaque pra CPI da Safadeza, CPI do Circo,CPI do Cabaré e CPI dá hiprocrisia até porque não querem investigar nada mas sim criar narrativas , incriminar às pessoas e desconstruir reputações e humilhar os depoentes, isso é uma vergonha, e o mais grave presidida e relatada por elementos criminosos acusados de vários crimes de corrupção, desvios de dinheiro público recebimento de propina e de usarem a polícia para enriquecimento ilícito e vários processos em sono profundo no STF , enquanto isso bilhões e bilhões perdidos na corrupção e ele não tem o mínimo interesse em apurar, essa corja de gente fedorenta, não tem nenhuma credibilidade perante a nação brasileira, na verdade não irão produzir nada além de narrativas mentirosas e acusações infundadas, pura palhaçada.

    1. Quando o palhaço do presidente estiver preso e a boiada chorando.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *