Ao lado do novo ministro da Saúde, Bolsonaro defende retomada gradual das atividades no Brasil

Imagem: reprodução/Facebook

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (16), durante sua live semanal no Facebook, que a nova diretriz do Ministério da Saúde será pela retomada gradativa do comércio e do fim do isolamento social no país, mas que a decisão cabe aos governadores e prefeitos.

“Não vai ser de uma hora pra outra, não vai ser um cavalo de pau, mas nós entendemos que, paulatinamente, com muita responsabilidade, o Brasil tem que começar a trabalhar. Agora, a decisão vai partir muito mais dos governadores e dos prefeitos, porque essa foi a decisão do Supremo Tribunal Federal, se não me engano, por unanimidade, no dia de ontem”, disse o presidente.

Na decisão citada por ele, os ministros da Suprema Corte definiram que estados e municípios têm autonomia para tomar as medidas que acharem necessárias para combater o novo coronavírus, como isolamento social, fechamento do comércio e outras restrições.

Ao lado do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, Bolsonaro voltou a argumentar, durante a live, que uma quarentena “rígida” pode causar problemas irreversíveis na economia.

“Nós sabemos que o efeito colateral de uma quarentena muito rígida, fazendo com que as pessoas mais humildes viessem a perder seu emprego, ou seu ganha-pão, no caso da informalidade, poderia ocasionar problemas seríssimos para o Brasil, a ponto de a economia não se recuperar mais”.

Nelson Teich reforçou que o foco a pasta será no mapeamento do avanço na doença do país. “Agora a gente tem que ter um foco muito grande em colher dados sobre qual é a prevalência dessa doença, seja dos infectados, seja dos que [se] curaram e dos que morreram. Quando a gente combinar esses dados, vai ser muito mais fácil a gente enxergar o que acontece e traçar políticas e ações”, disse. Um dos objetivos do novo ministro é justamente deflagrar um programa de testagem em massa da população.

Nelson Teich, que é médico oncologista, assume o lugar do ortopedista Luiz Henrique Mandetta, que ficou 16 meses à frente da pasta.

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WellingtonB disse:

    O Mito é o Minto, o rei da abobrinha e da mentira.

  2. Paulo disse:

    Mandeta foi aquele ex-Deputado Federal que votou contra a aprovação de uma verba de 25 bilhoões para o Ministério da Saúde????……….Creio ser outro Mandeta!!!

  3. Cigano Lulu disse:

    Qual foi mesmo o 'pecado' que custou a cabeça de Mandetta? Ora, ele teve a ousadia de evidenciar que o rei estava nu. Habilidoso, Mandetta soube lidar com pandemia e grosseria, e saiu do governo com uma estatura política bem maior da que tinha quando nele chegou.

    • LULADRÃO disse:

      Sabe de nada Ptralha dos infernos. Mandeta é um deputado sem vergonha como todos os outros. Bota pra lascar nesta cambada MITO!

  4. Cigano Lulu disse:

    Qual foi mesmo o 'pecado' que custou a cabeça de Mandetta? Ele caiu porque teve a ousadia de evidenciar que o rei estava nu.

  5. Laura disse:

    Esperem para ver os caminhões cheios de corpos.

  6. Fora bolsotralhas disse:

    MARGINAL ASSASSINO…..queima esse SATÃ….PANDEMÔNIO

  7. Fábio Rêgo disse:

    Ministério da SAÚDE. Mas, a propósito, o que significa a palavra saúde? Hoje eu estava me lembrando da época em que fiz Engenharia Civil, mais especificamente quando estava pagando a disciplina de saneamento ambiental. Na oportunidade vi que saúde não é simplesmente a ausência de doença, essa palavra significa estado de boa disposição física e psíquica, além de bem-estar. Pesquisando um pouco mais hoje vi que a definição de saúde possui implicações legais, sociais e econômicas. Sem dúvida, a definição mais difundida é a encontrada no preâmbulo da Constituição da Organização Mundial de Saúde: Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social. Nos últimos dias passamos por uma série de crises entre o Presidente da República e o agora ex-Ministro Mandetta. A maioria da população sempre apoiou o Mandetta com a justificativa de que ele era o profissional técnico e que Bolsonaro não entendia de nada, mas na MINHA opinião Bolsonaro tinha uma visão holística e tinha em mente a definição completa da palavra saúde, já Mandetta tinha em mente uma visão limitada de que saúde era apenas a ausência de doença. Diante de tudo isso eu pergunto aos senhores: Será que isolar socialmente as pessoas nos trás mesmo saúde ou nos tira? Será que todos os que estão enclausurados em suas casas preocupados com o pão de cada dia e com a manutenção dos seus empregos ou de suas empresas, estão com saúde (no sentido literal da palavra: completo bem-estar físico, mental e social)? Hoje, assistindo a live das quintas feiras, conheci o novo Ministro da Saúde, o Dr. Nelson Teich. Dentre outras coisas me chamou muito a atenção o fato dele falar que "tratar pessoas não é igual a levar saúde para elas", dando a entender que ele tem uma visão holística que tanto o Brasil precisa, além de também ser técnico. Para finalizar, como Brasileiro, me cabe a obrigação de desejar boa sorte ao novo Ministro. Dr. Nelson, que o senhor encontre o meio termo racional: que simplesmente não abomine a quarentena, mas que também nos devolva a dignidade com toda a prudência possível.

    Fábio Rêgo
    Natal/RN
    16/04/2020

  8. Rodrigo disse:

    Votei em Bolsonaro e estou bem arrependido da besteira que fiz, pense num cara ignorante.

Pesquisa: desistentes do Facebook relatam mais satisfação com a vida

Foto: Reprodução/Olhar Digital

Um estudo feito por economistas da Universidade de Stanford observou que pessoas que desativaram suas contas no Facebook ficaram mais felizes depois, relatando níveis mais altos de satisfação com a vida e níveis mais baixos de depressão e ansiedade.

O resultado foi obtido na verdade dentro de outro experimento, que investigava quanto dinheiro usuários da rede social aceitariam receber para desativar suas contas por um ou dois meses – em média US$ 100, com alguns indivíduos mais apaixonados pela rede cobrando até US$ 180.

Os economistas Hunt Allcott, Luca Braghieri, Sarah Eichmeyer e Matthew Gentzkow avaliaram 2.743 usuários norte-americanos nas semanas que antecederam as eleições de 2018 no país. Após o período fora da rede, os pesquisadores descobriram que a desativação do Facebook “reduziu a atividade online, enquanto aumentava atividades offline, como assistir TV e socializar com a família e amigos”.

Se desligar da rede social antes das eleições ainda teve impacto na redução do conhecimento factual das notícias e na polarização política, bem como trouxe aos usuários um “aumento do bem-estar subjetivo; e causou uma grande redução persistente no uso do Facebook após o experimento”.

Como base de comparação, o estudo afirma que isso representa cerca de 25 a 40% do efeito de intervenções psicológicas, incluindo terapia de autoajuda, treinamento em grupo e terapia individual. Sentimentos como ansiedade, depressão e insatisfação tornam o indivíduo mais vulnerável à publicidade e outras formas de manipulação comportamental – e acabam sendo, por isso, alimentados pelo algoritmo das redes sociais.

Por outro lado, a desativação, de acordo com a pesquisa, fez com que as pessoas apreciassem os impactos positivos e negativos do Facebook em suas vidas. “Cerca de 80% do grupo de tratamento concordou que a desativação era boa para eles, mas também era mais provável que pensassem que as pessoas sentiriam falta do Facebook se o usassem menos”.

Olhar Digital, via BoingBoing/Bloomberg

Professor em Natal diz que teve conta do Facebook hackeada

Após repercussão nesta terça-feira(04) sobre supostas mensagens do advogado e professor da UFRN, Mario Trajano,  no Facebook, sobre uma comentário que falava em “revolução popular e o fuzilamento  de apoiadores do golpe de 2016 e eleição fraudulenta de 2018”, o mesmo disse que as mensagens não são de sua autoria.

Mario Trajano diz que foi hackeado no fim de semana, e que passou a ter dificuldades de acesso, só conseguindo controle adiante. Informou também que comunicará ao Facebook a invasão de seu perfil.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justo disse:

    Quando o Presidente da República em rede nacional disse que ia fuzilar os petistas não aconteceu nada. Agora um simples Professor falar isso dos bolsonaristas em uma rede privada vira um escândalo.
    Que país é este? Onde estão as pessoas de bem? Cadê a justiça?
    Sob o pretexto econômico da elite de sempre, estamos marchando cada vez mais rápido para nos tornarmos um país cada vez mais pobre, como os países da África. Onde os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.
    Se o povo não tiver condições de compra, como as indústrias irão crescer? Para quem irão vender? Cria-se um círculo vicioso que impede o desenvolvimento do país e só favorece uma minoria que busca o lucro imediato, que não pensa no futuro. Desmatam as florestas para vender a madeira. Matam as vacas para vender a carne, e não se importam se no futuro vai faltar oxigênio e leite.
    Os países mais desenvolvidos de hoje são os em que, em algum momento das suas histórias, a população se deu conta que estavam sendo enganados e se revoltou. Não aceitou as injustiças da elite que existe em todo canto e que só quer levar vantagem em tudo. Não estaõ nem um pouco preocupados com o povo do país. A única coisa que importa para eles é o lucro imediato.

    • Safira disse:

      Disse tudo e muito bem. O dinheiro ganho pelos mega empresários é depositado em contas fora do país, na maioria na Suiça, e passa a ser investido na bolsa de valores onde os juros são bem mais rentáveis do que investir em produção pra gerar emprego e renda.
      A riqueza gerada pelos mais ricos não beneficiam necessariamente o país e nem os trabalhadores.
      Acordem.

    • CARLOS disse:

      Só podia ser Esquerdalha, quando foi que o presidente Bolsonaro disse que Metralharia petista , só se petista tem Complexo de Bandido, tipico dos Adoradores do Luladrão.

  2. Pablo Romério disse:

    Quando saiu a matéria mostrando o diálogo com o professor, fiquei imaginando em quanto tempo a "desculpa" seria lançada.
    Interessante ver essa retórica do pessoal da esquerda. Sempre que são flagrados em seus atos, sempre que a máscara cai, logo surge uma desculpa para encobrir seus feitos.
    Os corruptos processados e presos com milhões de provas apresentadas, vestem a máscara de "perseguido político" e a militância fica repetindo a mentira do "não tem prova".
    Os militantes passam dos limites, falam barbaridades, incitam desordem, verbalizam todo ódio, ficam dizendo que o que eles fazem são os outros e quando o flagrante é exposto, correm para se vitimar afirmando ser fake, obra de hackers e tantas outras desculpas preparadas e usadas.
    Não estou julgando ou culpando o professor, ele tem direito a ampla defesa, pois no mundo democrático quem deve decidir a culpabilidade é a justiça e não qualquer militância ou pessoa. Faço apenas um paralelo entre tantas ocorrências que já foram publicadas.
    É rotineiro ver isso os ataques serem transformados em retórica, até na tentativa de assassinato de Bolsonaro, devem ter apostado que Adélio seria linchado, mas como ele foi pego, trataram de torná-lo inimputável e não permitiram sequer investigar as contas bancárias, telefônica e a rede social dele. Para um desempregado, a tanto tempo, tinha uma vida pra lá de estável e fora dos padrões de um pedreiro ou pessoa sem formação que vivia de fazer bico.
    Mas isso são apenas conjecturas, fascistas, reacionários e desordeiros são aqueles que não dão suporte a corrupção e não votaram na direita, mesmo que nenhum desses adjetivos tenham ligação com as atitudes das pessoas ditas da direita.

  3. Ceará-Mundão disse:

    Isso é o que ele está dizendo. Recomendo acionar a Polícia Federal. Afinal, o assunto é MUITO sério. Ou vamos deixar passar impunemente mais uma bárbara demonstração de intolerância. MUITOS outros esquerdopatas, inclusive de "alta patente", já disseram absurdos semelhantes. Os exemplos desse tipo de absurdo são INCONTÁVEIS. Prá não falar dos casos concretos de agressões físicas e atentados. MUITOS, nem são divulgados pela mídia.

Sem anúncios, Facebook planeja monetizar WhatsApp

Foto: (Getty Images/Getty Images)

O Facebook planeja monetizar o aplicativo de mensagens WhatsApp, comprado pela empresa em 2014, ao custo de 22 bilhões de dólares — e que hoje tem 120 milhões de usuários só no mercado brasileiro. Segundo reportagem do site indiano The Economic Times, Mark Zuckerberg, presidente global do Facebook, falou sobre o futuro de app de mensagens em uma conferência com investidores.

“Uma das formas com as quais estamos trabalhando para desenvolver os pagamentos no WhatsApp é a possibilidade de enviar dinheiro de maneira tão fácil quanto a de mandar uma foto para algum contato”, disse Zuckerberg, segundo a reportagem.

O presidente do Facebook se disse animado com a ideia e espera poder lançar o novo recurso em diversos países nos próximos seis meses. Testes do serviço de pagamentos no WhatsApp são feitos pela empresa desde 2018 com um milhão de pessoas na Índia, maior mercado do aplicativo no mundo.

Empresas de tecnologia, como Apple, Samsung e Google, contam com seus próprios serviços de pagamento via celular. A cada transação realizada com o Apple Pay, por exemplo, a Apple recebe 0,15% do valor pago. Como o Facebook descartou recentemente a possibilidade de obter renda com anúncios no aplicativo do WhatsApp, serviços como o WhatsApp Pay serão a forma de a empresa monetizar o app, que tem 1,5 bilhão de usuários no mundo.

Ainda não há previsão oficial para o lançamento do recurso de pagamentos via WhatsApp no Brasil – que é um dos maiores mercados para o app globalmente. Antevendo essa tendência, o banco Itaú criou, em 2018, um teclado que permite enviar dinheiro via WhatsApp.

Exame

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Romero Cezar da Câmara disse:

    É como o tráfico de drogas; para viciar de graça; viciou! Agora cobre.

  2. joão carlos disse:

    que bom, só assim pra acabar com essa caninga de 'qual o seu zap?'
    ninguem atende telefone mais, monte de pobre aff

  3. André Nascimento disse:

    #partiu telegrama…

  4. Antonio Turci disse:

    "Tava" demorando está facada.

    • Dedé Costa disse:

      Kkkkk Voces não entenderam nada, leiam novamente, o texto é curto.

Facebook é multado no Brasil por compartilhamento indevido de dados

Foto: AP

O Ministério da Justiça multou o Facebook em R$ 6,6 milhões pelo vazamento de dados de 443 mil brasileiros. Ao todo, as informações de 87 milhões de usuários foram usadas pela Cambridge Analytica, uma consultoria de marketing político, em abril do ano passado, sendo 70 milhões nos Estados Unidos. Na última semana, outros 267 milhões de internautas foram afetados por problemas no sistema de segurança da rede social.

As empresas Facebook Inc. e Facebook Serviços Online do Brasil Ltda serão intimadas e poderão recorrer à decisão no prazo de dez dias. Caso concordem com a decisão, deverão realizar o pagamento no período de um mês, segundo o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon).

Procurado pela reportagem, Facebook ainda não comentou o caso.

O processo administrativo verificou que o Facebook usava as informações de forma abusiva para “práticas questionáveis”, segundo texto da decisão. Foi identificada a violação aos termos de uso da plataforma através do aplicativo thisisyourdigitallife, que consistia em um teste de personalidade, que oferecia aos usuários previsões do futuro com base no conteúdo publicado pelos internautas na rede social.

De acordo com o processo, as informações dos usuários brasileiros foram “parar em mãos erradas e ficaram, no mínimo, submetidos a risco concreto (e não meramente abstrato) de serem tratados para finalidades não consentidas”.

Cerca de 270 mil pessoas fizeram o download do aplicativo e se conectaram com suas senhas do Facebook. Só que o programa conseguiu ter acesso não só aos dados desses usuários, mas também de seus amigos. Com isso, alcançou informações de milhões de usuários.

O Globo

Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom) investiga Facebook por violações à privacidade

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

A Secretaria Nacional do Consumidor (Senacom), órgão do Ministério da Justiça e Segurança Pública, abriu novo processo contra o Facebook para investigar supostas violações à privacidade e proteção de dados não somente de usuários da plataforma como de outros indivíduos. O Facebook tem até 10 dias para responder à notificação. Segundo o órgão, se comprovadas as violações, a empresa pode pagar multa de até R$ 10 milhões.

A Senacom apura supostos abusos no tratamento de dados sensíveis. Entre eles estariam informações de saúde como frequência cardíaca e ciclo menstrual, conteúdos de mensagens e e-mails privados e localização dos usuários. O tratamento irregular envolveria inclusive registros de pessoas que não são usuários da plataforma.

Essas informações teriam sido obtidas por meio de aplicativos. O Facebook funciona como plataformas para diversos apps, permitindo que esses ofereçam serviços e, para isso, coletem dados dos usuários. O aplicativo FaceApp foi um dos que recentemente geraram polêmica e questionamentos.

O processo aberto pelo MJ é o terceiro contra o Facebook por suspeitas de práticas irregulares relacionadas a dados de internautas. Em agosto, a Senacom cobrou esclarecimentos da companhia pelo acesso indevido ao conteúdo de mensagens do FB Messenger.

Em março, o órgão instaurou dois processos contra a rede social, sendo um pelo compartilhamento ilegal de dados a partir do recurso de login usando a conta do Facebook e outro pela atuação de hackers que teriam invadido contas de usuários brasileiros e obtido informações como nome, e-mail, lugares onde a pessoa foi e buscas realizadas.

A Agência Brasil entrou em contato com o Facebook e aguarda retorno da companhia sobre o caso.

Agência Brasil

Facebook vai contratar jornalistas para fazer seleção de notícias

Foto: Associated Press

O Facebook conta há muito tempo com algoritmos para selecionar notícias para seus usuários verem. Agora, também quer confiar em outra ‘ferramenta’ para a mesma tarefa: humanos . A rede social de Mark Zuckerberg planeja contratar uma equipe de editores para trabalhar no em uma nova seção de notícias dentro de seu aplicativo móvel chamada ‘ News Tab ‘, o mais recente empreendimento da empresa no mundo editorial.

Outra parte do conteúdo deste espaço continuará sendo selecionada por algoritmos, que determinarão os interesses dos usuários da rede social através das páginas consultadas, explicou Campbell Brown, diretor de comunicação do Facebook. A rede social disse que espera fazer um teste do News Tab antes do fim do ano.

– Nosso objetivo com o News Tab é fornecer uma experiência personalizada e altamente relevante para as pessoas. Para começar, para a seção” Principais notícias ” (Top News) estamos reunindo uma pequena equipe de jornalistas para garantir que estamos destacando as notícias corretas – acrescentou Brown.

A empresa do Vale do Silício, na Califórnia, informou que planeja contratar jornalistas experientes em vários canais para os cargos e publicaria as ofertas de trabalho em sua seção de empregos na terça-feira.

O News Tab ficará fora do News Feed, o fluxo interminável de atualizações de status e solicitações de amizade do Facebook.

Há alguns anos, o Facebook adotou uma série de iniciativas para reforçar o setor de jornalismo, depois que a rede social recebeu muitas críticas pela difusão de notícias falsas. Em 2016, as operadoras russas manipularam o Facebook e divulgaram notícias falsas em toda a sua rede para influenciar o resultado da eleição presidencial americana. Na segunda-feira, o Facebook também revelou que a China estava por trás das páginas e grupos do Facebook que estavam semeando informações sobre os protestos em Hong Kong.

A empresa da Califórnia agora está trabalhando para restaurar sua reputação como um lugar onde as pessoas podem encontrar fontes confiáveis de informação. A empresa se esforçou para contratar pesquisadores de segurança e revisores de conteúdo de terceiros para lidar com a proliferação de conteúdo ruim, informou o The New York Times.

– Estamos em uma fase inicial, mas as reações estão sendo positivas. Acredito que podemos oferecer às pessoas no Facebook uma experiência melhor com as notícias – afirmou Brown.

Ao mesmo tempo, Mark Zuckerberg, fundador e executivo-chefe do Facebook, reformulou o Feed de notícias para se concentrar menos nos editores e profissionais de marketing de notícias, e mais nas interações pessoais entre os usuários. Como resultado, o Facebook está procurando por outros lugares em sua rede para mostrar notícias. A empresa também anuncidou que estaria disposta a pagar US$ 3milhões por ano a alguns meios de comunicação para poder utilizar suas matérias e outros conteúdos.

– Quero ter certeza de que, na medida do possível, estamos financiando o máximo de jornalismo de alta qualidade possível – afirmou no início do ano o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

O Globo

 

Justiça no RN mantém condenação do Facebook por manter perfil falso na rede social

Foto: Ilustrativa

Os constrangimentos e os abalos de ordem moral causados por um perfil falso criado e mantido na rede social Facebook, receberam uma resposta da Justiça estadual com a condenação da empresa a excluir o perfil falso e a pagar a quantia de R$ 6 mil em favor de uma cidadã de Mossoró, vítima deste tipo de prática ilícita.

Desembargadores da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça, por unanimidade de votos, negaram recurso do Facebook e mantiveram a sentença condenatória da 5ª Vara Cível de Mossoró na Ação de Indenização por Danos Morais a rede social.

O Facebook Serviços On Line do Brasil Ltda. apelou da sentença proferida pela 5ª Vara Cível de Mossoró, que confirmou liminar de exclusão de perfis falsos intitulados como “Klara Hanna” e “Camila Lobato”, veiculados em seu sítio virtual e condenou a rede social a indenizar a autora, a título de compensação por danos morais, no valor de R$ 6 mil, mais juros e correção monetária.

Veja mais detalhes no portal Justiça Potiguar clicando aqui.

Conselho passa a considerar plataformas digitais, entre elas Google e Facebook, como veículos de mídia

Google Foto: Justin Sullivan / Bloomberg

Uma resolução aprovada nesta terça-feira pelo Conselho Executivo das Normas Padrão (Cenp) — órgão que engloba entidades como a Associação Nacional de Jornais (ANJ) e Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e define regras comerciais para o mercado publicitário — passa a considerar plataformas digitais on-line como veículos de comunicação.

Na resolução, publicada no site da entidade, são reconhecidas como “veículos de divulgação ou comunicação (…)” as seguintes categorias: Internet-busca, Internet-social, Internet-vídeo, Internet-áudio e Internet-display, remetendo a plataformas on-line como Google, Facebook, YouTube, Instagram e afins.

O texto da resolução afirma que a nova classificação é feita “sem prejuízo do reconhecimento consagrado (…) quanto aos veículos de divulgação ou comunicação existentes”, e diz que ela se justifica devido à “identificação dos veículos surgidos em consequência do desenvolvimento tecnológico”.

Em comunicado enviado ao GLOBO, o presidente do Cenp, Caio Barsotti, diz que a instituição viu esse “indicador como mais preciso para definir o elenco mínimo de recursos técnicos de serviços de informações de mídia”.

“Com esta resolução, o Cenp poderá esclarecer, se questionado, se determinada empresa é ou não veículo de divulgação nos termos da lei 4680/65”, na qual o texto se baseia, diz Caio.

O objetivo da decisão é reforçar o modelo publicitário do país, explica o executivo. “As novas referências tornam mais transparente e flexível o relacionamento entre anunciantes e agências, promovendo o compliance às normas-padrão e leis federais”, esclarece.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Até o arcaico Cenp admite oficialmente que a "velha imprensa" (aquela cheia de vícios e afeita à carteirada, desde os tempos de Gutenberg) enfim capitulou.
    Alguma dúvida?

Facebook lança recurso de “crush secreto” – que permite saber se uma pessoa gosta de você

(Facebook/Divulgação)

Veja como funciona o Facebook Dating, que já está disponível no Brasil – e permite saber se uma pessoa gosta de você

Anunciado durante o F8, evento anual realizado pela empresa nos EUA, o novo recurso permite que você marque até nove contatos do Facebook como “crush secreto”. Se alguma dessas pessoas também tiver se interessado por você, ambos serão notificados – mais ou menos como no Tinder.

A função de crush secreto é parte do Facebook Dating, um serviço que será integrado ao app principal do Facebook. Ele já estava disponível em cinco países – e está sendo liberado no Brasil, aos poucos, a partir de hoje. Para acessá-lo, basta tocar nas três barrinhas ao lado do botão de notificações (em alguns casos, a opção pode aparecer sob o item “Ver mais”).

O Facebook Dating é opcional, e eventuais crushes só serão revelados se as duas pessoas envolvidas tiverem aderido ao serviço (e, obviamente, tiverem manifestado interesse mútuo). Ele só poderá ser usado por maiores de idade, e utilizará um perfil separado – mas com o nome e fotos reais da pessoa, que poderão ser importadas do perfil principal.

A limitação do número de contatos que podem ser marcados como “crush secreto” é uma forma de diferenciar o Dating de outros apps de encontros. Mas ele também funcionará de maneira mais tradicional, sugerindo pessoas das quais você pode gostar – elas serão selecionadas pelo algoritmo do Facebook, levando em conta interesses, grupos e eventos de cada pessoa na rede social.

Super Interessante

 

Facebook muda cara e integra Messenger a Instagram e Whatsapp

Foto: Reprodução/Facebook

“O futuro é privado”, disse o presidente-executivo Mark Zuckerberg na abertura do encontro anual do Facebook com desenvolvedores, o F8, nesta terça-feira (30).

No evento na Califórnia, o presidente-executivo da empresa divulgou os primeiros passos do grupo nesse sentido, destacando novidades no Messenger, que ele promete que será “o aplicativo de conversas mais rápido” que existe, e a nova cara do Facebook.

O novo Messenger, “refeito do zero”, será lançado “dentro de alguns meses”, mas Zuckerberg não deixou claro se todas as novidades preparadas para o aplicativo serão lançadas ao mesmo tempo. As principais são uma versão para desktop e integração com WhatsApp e Instagram.

Veja os principais anúncios:

(mais…)

FOTOS E VÍDEO: Ladrões transmitem assalto a loja de eletrodomésticos ao vivo pelo Facebook e são presos em MT

Ladrões negociaram soltura de reféns e se entregaram — Foto: PM/Divulgação. Assista em matéria na íntegra aqui 

Os três ladrões que foram presos, suspeitos de terem assalto uma loja de eletrodomésticos nessa quinta-feira (21) no Bairro Cristo Rei, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, fizeram uma transmissão ao vivo pelo Facebook da ação deles.

No vídeo é possível ver o gerente da loja refém de um dos assaltantes no depósito do estabelecimento. Os outros dois recolhem aparelhos celulares e demais produtos. Toda a ação foi registrada na transmissão. Algumas pessoas interagiram com eles e comentaram sobre o assalto.

De acordo com a Polícia Militar, foram presos Diego Henrique Ferreira dos Santos, de 19 anos, Allex Sandro Gomes dos Santos, de 22 anos, e Leonardo Luan Maciel Almeida, de 18. Dois deles tinham antecedentes criminais.

Eles invadiram uma loja na Avenida Ary Paes Barreto, no Bairro Cristo Rei. Diego foi flagrado com um revólver assim que a polícia chegou ao local.

O assaltante rendeu o gerente pelo pescoço e o levou para os fundos da loja no depósito. Allex e Leonardo correram também para os fundos.

Ladrões transmitiram assalto a loja de eletrodomésticos ao vivo pelo Facebook em Várzea Grande — Foto: Divulgação

Policiais da Força Tática foram chamados e isolaram o local. Foi necessário chamar também policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope). Por uma hora os policiais negociaram a liberação do gerente.

Os ladrões exigiram a presença da imprensa e dos familiares deles como condição, até que se entregaram.

Armas e celulares apreendidos com os assaltantes em Várzea Grande — Foto: Polícia Militar de Mato Grosso/Divulgação

Com eles, a polícia apreendeu um revólver e uma arma de brinquedo. Além das armas a polícia encontrou quase 100 aparelhos celulares que eles pretendiam levar da loja.

Na delegacia o gerente disse que a todo momento os suspeitos o ameaçavam de morte, apontando o revólver para a cabeça e peito, dizendo que atirariam.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Neto disse:

    Como chamar de SUSPEITOS?

Fusão de aplicativos de mensagens do Facebook deixa Justiça dos EUA em alerta

(Foto: Pixabay)

Na última sexta-feira, foi noticiado que Mark Zuckerberg está planejando integrar as três plataformas de mensagens que fazem parte do Facebook: o Messenger, Instagram e Whatsapp, permitindo que usuários troquem mensagens entre si com os aplicativos. Ainda que essa mudança possa trazer praticidade, políticos norte-americanos, órgãos reguladores e especialistas em segurança já começam a questionar se os benefícios valem à pena.

“Bom para a encriptação, mas ruim para a competição e privacidade”, twittou o membro do ranking de comércio do sub-comitê de tecnologia americano, o senador demoracra Brian Schatz.

“Mais uma vez, Mark Zuckerberg parece priorizar seus próprios objetivos em prol da consolidação do poder sob a população e seus dados”, disse o senador democrata Richard Blumenthal para o The Verge.

O Facebook continua sendo a maior rede social do mundo, superando os 2 bilhões de usuários que cruzam a plataforma e cerca de 1 bilhão e meio de usuários que loggam pelo menos uma vez por dia em uma de suas redes. Em 2011, a Comissão de Comércio Federal dos EUA cercou o Facebook, afirmando que a empresa persuadia os usuários a acreditar que eles podiam manter suas informações privadas, afirmando que eles poderiam postar conteúdos privadamente quando, em alguns casos, sua lista de amigos, posts e status na verdade estavam públicos.

Mas, mesmo depois de cerca de 70 aquisições de outras empresas, o Departamento de Justiça nunca realizou nenhum tipo de ação que impedisse que o Facebook se tornasse um monopólio.

A maioria dessas aquisições envolveram companhias extremamente próximas da área do Facebook. Os produtos que essas empresas faziam eram frequentemente interrompidos depois da compra e os funcionários eram trazidos para trabalhar no próprio Facebook. Isso acabava engolindo a maioria dos talentos de Silicon Valley, que poderiam trazer qualquer tipo de produto competitivo.

“É por isso que as aquisições do Instagram e do WhatsApp, feitas pelo Facebook, deveriam ter sido muito mais analisadas, já que agora elas parecem muito mais duvidosas”, disse o congressista republicano Ro Khanna, que representa boa parte do Silicon Valley, na sexta-feira. “Imagine como o mundo poderia ser diferente se o Facebook tivesse que competir com o Instagram e o WhatsApp. Isso teria realmente encorajado a verdadeira competitividade, promovendo diversos benefícios e mais privacidade para os consumidores”.

No último ano, o judiciário e os reguladores norte-americanos focaram primordialmente no boom do escândalo da Cambridge Analytica, que resultou em mais de 87 milhões de usuários do Facebook entregando boa parte dos seus dados pessoais sem o conhecimento ou autorização dos mesmos. A União Europeia implementou seu próprio sistema para privacidade de dados (GDPR), em vigor desde o ano passado, como parte de uma iniciativa maior relacionada a dados, mas o Facebook só sofreu com medidas menores.

Isso pode mudar esse ano. Líderes do Congresso norte-americano deram passos significativos em direção aos gigantes da tecnologia, e estão começando a questionar o poder comercial de companhias como o Facebook e o Google. Só esse mês, o novo presidente do Senado, senador. Lindsey Graham disse que ele gostaria de ficar mais em contato com o setor tecnológico, comparando o Silicon Valley ao “Velho Oeste”.

Blumenthal, um membro do poderoso Comitê Judiciário, fez uma declaração na mesma linha ao The Verge, “O domínio de dados, do Facebook e do Google já prejudicou consumidores e a economia. O FTC e o Departamento de Justiça devem levar à sério as práticas anticompetitivas, de monopólio, das grandes da tecnologia e devem começar a implantar nossas leis mais fervorosamente”.

William Barr, o novo líder do Departamento de Justiça, nomeado pelo presidente Trump, disse que ele gostaria que a agência tivesse um papel maior, sugerindo que ele reavaliaria como os recursos usados em diversos departamentos priorizava a tecnologia.

Se o Facebook ficar sob as asas dos reguladores, o Instagram e o WhatsApp têm grande probabilidade de serem os primeiros dois alvos. Até 2020, a fusão dos envios de mensagens entre as três principais propriedades do Facebook tem grandes chances de já ter sido completada, fazendo com que fique ainda mais difícil que eles se livrem dos reguladores no futuro.

No último mês de novembro, o presidente Trump afirmou que o governo federal estava ativamente estudando se empresas como o Facebook, Amazon e o Google tinham violado leis. O próprio líder de investigações de Trump, Makan Delrahim, disse repetidamente que as preocupações com a anticompetitividade eram válidas, mas que ele não estava certo se seriam evidências econômicas suficientes para penalizar essas empresas ainda.

Se o FTC ou o Departamento de Justiça de fato pensassem em corromper o Facebook, eles poderiam simplesmente usar o argumento de a empresa é grande demais. Leis como o Ato de Sherman não buscam esse tipo de ação só porque a companhia é grande e poderosa. Mas, se o governo achar que o Facebook suprimiu a competição de uma forma que prejudicou os consumidores, o departamento poderia buscar por uma ação criminal que poderia resultar no fatiamento da rede social.

Na quinta-feira, grupos de advogados como Color of Change e o Open Markets Institute pediu para o FTC reestabelecesse o WhatsApp e o Instagram como companhias independes, não só por terem ignorado leis, mas porque o “Facebook ignorou o seu comprometimento com a Comissão, em manter a proteção dos dados de usuário do WhatsApp”. Como consequência, os grupos requereram que o FTC penalizasse a marca e cogitasse o fim da empresa.

Experts em segurança também trouxeram preocupações de que a fusão dos serviços poderia enfraquecer a encriptação do WhatsApp. Em prol de permitir mensagens cruzadas, não está claro ainda se essa segurança pode diminuir para permitir a fusão.

“Quando se trata de privacidade, não podemos mais dar ao Facebook o benefício da dúvida”, disse o Senador. Ed Markey em uma declaração na última sexta-feira. “Agora que o Facebook planeja integrar os serviços de mensagem, nós precisamos de mais do que garantias da companhia de que essa ação não vai prejudicar a segurança e a privacidade de dados dos usuários.

“Não podemos permitir que a integração da plataforma se torne a desintegração da privacidade”.

Olhar Digital,com The Verge

Facebook anuncia vazamento de fotos que afetou até 6,8 milhões de usuários

O Facebook anunciou nesta sexta-feira (14) um vazamento de fotos que pode ter afetado até 6,8 milhões de usuários.

Em comunicado, Tomer Bar, diretor de engenharia do Facebook afirma que o problema esteve no ar entre 13 e 25 de setembro deste ano.

A falha foi corrigida, segundo a empresa. No entanto, nesse intervalo de 12 dias, aplicativos de terceiros que funcionam no site tiveram acesso “mais amplo que o normal” às fotos, ainda segundo o Facebook.

Uma página na central de ajuda informa o usuário se ele foi ou não afetado pelo vazamento. Essa mesma página deverá ser enviada por meio de alerta na plataforma para quem possa ter sido afetado no começo da próxima semana, segundo o Facebook.

Via de regra, os desenvolvedores de apps que se comunicam com a rede social têm acesso apenas a fotos postadas como públicas nos perfis.

Com a falha, no entanto, o Facebook diz ter concedido acesso também a fotos publicadas no sistema de stories (aquelas que se apagam após 24h) e, inclusive, a imagens que nem chegaram a circular na rede —por exemplo, quando um usuário prepara o conteúdo, mas desiste antes de apertar o botão de compartilhar.

“Acreditamos que isso pode ter afetado 6,8 milhões de usuários e até 1.500 aplicativos de 876 desenvolvedores diferentes”, afirmou a rede social. Segundo relatórios da empresa, o Facebook possui mais de 2 bilhões de usuários ativos por mês, 127 milhões deles no Brasil.

A plataforma lamentou o ocorrido e afirmou que no começo da próxima semana irá disponibilizar uma ferramenta para que os desenvolvedores possam analisar quem foi afetado pelo problema e que irá trabalhar para que as fotos sejam deletadas.

VAZAMENTO RECENTE

Em setembro, o Facebook anunciou que invasores roubaram os chamados “tokens de acesso” de 50 milhões de contas. Como medida de segurança, na época, 90 milhões de contas foram deslogadas —ou seja, pessoas que entravam no site de modo automático (sem incluir a senha), foi desconectado.

Com esses tokens de acesso, informações que ficam armazenadas no computador e permitem esse acesso sem digitar as credenciais, hackers têm total controle sobre as contas —podem ver mensagens e álbuns privados, por exemplo.

Folha de São Paulo

 

TRE profere primeira decisão no RN contra fake news nas eleições e determina que Facebook retire vídeos do ar

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte proferiu a primeira decisão para restringir conteúdo por denegrir eleitoralmente alguém.

Na ação movida pelo MDB, o advogado Erick Pereira conseguiu que decisão na qual foi determinada que o Facebook retire do ar dois vídeos, um veiculado no Facebook e outro no Instagram. Ambos atacam o senador Garibaldi Filho.

Nos vídeos, postados nos perfis do Natal Zuera, um conteúdo multimídia é reproduzido com dublagem. Apesar de paródia, fica nítida a intenção de denegrir, quando a seguinte mensagem é sobreposta:

“Ola, seus otario. Preciso do seu voto pra manter a corrupcao. Vou enganar os mais pobre, os sem nocao, e principalmente voce que eburro. Entao saia de casa, pegue aquele busao lotado para participar da nossa enganacao, para que eu nao perca essa mamada mais uma vez. Contamos com a sua burrice”.

A decisão é de 31 de julho. Ainda não é sabido se o Facebook foi notificado. Até a publicação desta matéria, os vídeos continuavam no ar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. jobson disse:

    Não vi nenhuma mentira sendo dita TRE vendilhão

  2. Acorda Brasil disse:

    Quer dizer que vai ser nesse nível? Isso é o que o TRE vai considerar "Fake news"?
    É claro que se trata de comédia. Se for assim voltamos a censura. Agora é que temos que compartilhar no WhatsApp!!!

Bolsonaro é líder em número de interações no Facebook

Jair Bolsonaro (PSC-RJ) lidera a corrida presidencial em interações no Facebook. De nove nomes cotados para concorrer em 2018, o deputado e militar aposentado tem a página que gera mais compartilhamentos, comentários e reações na segunda mídia social mais popular entre os brasileiros (a primeira é o WhatsApp). Segundo o Ibope Inteligência, 86% têm o aplicativo do Facebook no celular.

Analisando-se os dados da ferramenta Crowdtangle, do próprio Facebook, a página oficial de Bolsonaro registrou 93,4 milhões de interações com usuários desde janeiro de 2014 – ano a partir do qual as páginas de políticos se popularizaram. Em segundo lugar aparece a de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 66,4 milhões de interações. Ronaldo Caiado (DEM-GO) fica em terceiro, com 62,4 milhões.

Levando-se em conta os dados acumulados desde maio, o ranking tem uma mudança importante. Bolsonaro permanece como líder, com 13,3 milhões de interações, mas João Doria (PSDB) aparece em segundo lugar, com 12 milhões, bem à frente de Lula, em terceiro, com 6,4 milhões. A página do prefeito paulistano só passou a ser relevante a partir de janeiro deste ano. Já o pico de Lula foi em setembro de 2014, na campanha de Dilma Rousseff.

ESTADÃO

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ceará-Mundão disse:

    Bolsonaro é uma esperança para 2018. O deputado defende a ética, a família, os bons costumes e, acima de tudo, é patriota. Vejam a recepção calorosa que ele sempre tem por onde anda. As pessoas fazem questão de cumprimentá-lo, de tirar fotos com o deputado. Enquanto isso, Lula só se apresenta em ambientes previamente produzidos, em locais frequentados por "cumpanheros" da esquerda fétida e por militantes "mortadelas" que ganham dinheiro prá aplaudi-lo. A enorme rejeição do canalha de 9 dedos mostra que o nosso povo não acredita mais em suas mentiras.

  2. Dickson Gomes de Olinto disse:

    BOLSONARO 2018
    Ele anda só, não tem apoio de ninguém, não tem recurso para uma campanha milionário como o PT e continua crescendo nas pesquisas, sem pagar aos institutos de pesquisa como faz o PT. Dá-lhe BOLSONARO, vamos que vamos, recolocar esse país em ORDEM!