Bolsonaro anuncia deputado e ortopedista Luiz Henrique Mandetta como futuro ministro da Saúde

O deputado federal e futuro ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), durante comissão na Câmara — Foto: Alex Ferreira/Câmara dos Deputados

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) anunciou nesta terça-feira (20) o nome do deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) como ministro da Saúde em seu governo.

O anúncio foi feito pelo Twitter após encontro de Bolsonaro com representantes das Santas Casas e deputados da Frente Parlamentar da Saúde.

Mandetta será o terceiro ministro do DEM no governo Bolsonaro. Além dele, já foram anunciados Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para a Casa Civil e Tereza Cristina (DEM-MS) para a Agricultura.

Médico e ex-secretário de Saúde de Campo Grande, Mandetta está no segundo mandato de deputado federal e não disputou as eleições deste ano.

O nome do futuro ministro já vinha sendo especulado para assumir a Saúde há algumas semanas. O próprio presidente eleito chegou a declarar, no último dia 13, que Mandetta era um dos seus interlocutores para a área e que ele poderia ser o seu ministro da Saúde.

Mais Médicos

O futuro ministro compartilha com Bolsonaro críticas em relação ao programa Mais Médicos, criado em 2013 durante o governo de Dilma Rousseff.

Cuba anunciou a saída do programa na semana passada e, segundo Bolsonaro, o governo do país caribenho não concordou com as condições estabelecidas para a continuidade dos profissionais no Mais Médicos.

Em 2013, durante as discussões para aprovação no Congresso Nacional da medida provisória que criou o programa, Mandetta afirmou que os médicos cubanos eram “lançados como balança comercial” por seu país.

Ele ainda criticou o convênio do governo brasileiro com a Organização Pan-americana da Saúde (Opas), que intermediou a contratação dos cubanos, cuja maior parte dos salários fica com o governo de Havana.

“Será que a OPAS se presta à terceirizada da atividade fim, a gato, a navio negreiro no século XXI, simplesmente por causa dos 10% que ela embolsará pela parceria com o governo brasileiro?”, questionou o deputado na ocasião.

Bolsonaro tem repetido que as condições de trabalho dos cubanos no Mais Médico são comparáveis à “escravidão” e criticado o fato dos estrangeiros não ficarem com o salário integral recebido no Brasil.

Mandetta também já abordou em discurso na Câmara outro criticado atualmente por Bolsonaro: a possibilidade de trabalho no Mais Médicos sem revalidar o diploma obtido no exterior. O presidente eleito disse que é “injusto” e “desumano” destinar aos mais pobres atendimento médico “sem qualquer garantia” de qualidade.

“O governo entregará o bisturi para operar a sua mãe, o seu filho, a uma pessoa que não comprovará o seu conhecimento na área de medicina. E cria dois tipos de brasileiros, porque esses médicos a quem ele dará o bisturi não podem trabalhar no Sírio-Libanês, não podem trabalhar no Copa-D’Or. Eles podem trabalhar no Acre, no Amazonas, na periferia, no Nordeste, no Maranhão”, declarou Mandetta em 2013.

O futuro ministro ainda defendeu a “responsabilidade solidária” dos prefeitos que aderiram ao programa no caso de erros cometidos pelos profissionais que não revalidaram o diploma.

“Quando algum médico desse programa cometer um erro grave que leve alguém à morte, muito provavelmente o país de origem o chamará de volta, e nós ficaremos igual àquele caso do avião da GOL que caiu: os pilotos foram para os Estados Unidos, e ninguém foi responsabilizado”, afirmou.

Perfil

Mandetta nasceu em Campo Grande, município que se tornou a capital do Mato Grosso do Sul, estado criado em 1977. Caçula em uma família com cinco filhos, o futuro ministro seguiu a profissão do pai, o médico Hélio Mandetta.

Conforme o site do deputado, ele estudou no Colégio Dom Bosco, em Campo Grande, onde integrou a equipe de natação da escola. Aos 15 anos, fez intercâmbio nos Estados Unidos.

De volta ao Brasil, Mandetta cursou medicina na Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro. Concluiu o curso em 1989 e, junto com a mulher Terezinha, retornou ao Mato Grosso do Sul.

Mandetta fez residência em ortopedia na Universidade Federal do Mato Grosso do Sul e ainda cursou uma especialização em ortopedia em Atlanta (EUA).

O site do futuro ministro ainda registra que ele trabalhou como médico em hospitais militares e na Santa Casa de Campo Grande.

Em seu estado, Mandetta foi dirigente de plano de saúde e secretário municipal. Ele presidiu a Unimed de Campo Grande entre 2001 e 2004 e, ao encerrar sua gestão, assumiu a secretaria de Saúde de Campo Grande.

O futuro ministro comandou a secretaria de 2005 a 2010, durante a gestão do então prefeito Nelsinho Traud. Mandetta era filiado ao MDB e migrou para o DEM para concorrer a deputado federal em 2010. Foi eleito com 78,7 mil votos e reeleito, quatro anos depois, com 57,3 mil votos.

Neste ano, Mandetta decidiu não disputar um terceiro mandato de deputado federal.

Sem concorrer a cargo eleitivo, Mandetta apoiou Bolsonaro durante a eleição presidencial. Após a vitória do candidato do PSL, publicou vídeo no Facebook no qual disse que foi um “alívio” saber que o eleitor “optou pela renovação” e declarou ter a certeza de que Bolsonaro fará um governo “democrático”, com o “poder técnico prevalecendo sobre o poder político”.

Ministros anunciados

Veja abaixo os ministros já anunciados por Bolsonaro:

Onyx Lorenzoni, deputado (Casa Civil);
Paulo Guedes, economista (Economia);
Augusto Heleno, general (Segurança Institucional);
Marcos Pontes, tenente-coronel (Ciência e Tecnologia);
Sérgio Moro, ex-juiz federal (Justiça);
Tereza Cristina, deputada (Agricultura);
Fernando Azevedo e Silva, general (Defesa);
Ernesto Araújo, diplomata (Relações Exteriores);
Wagner Rosário, atual ministro (Controladoria-Geral da União).

Com informações do G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. realmadriddepiumgenerico disse:

    Faltou acrescentar que ele é investigado por fraude em licitação, tráfico de influência e caixa dois. Só isso para que o noticiário fosse completo.

Bolsonaro anuncia permanência de Wagner Rosário na CGU

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, confirmou nesta terça-feira (20) pelo Twitter que Wagner de Campos Rosário continuará como ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) em sua gestão.

Wagner Rosário está no cargo desde maio do ano passado quando, na época, assumiu interinamente a pasta substituindo Torquato Jardim, que foi para o Ministério da Justiça.

Ex-secretário executivo da pasta desde 2016, Rosário também é servidor de carreira e ex-capitão do Exército. Tornou-se o primeiro servidor de carreira da CGU a assumir o cargo de secretário-executivo e ministro da pasta. Graduado em ciências militares, ele ainda tem na sua formação mestrado em corrupção e estado pela Universidade de Salamanca.

Equipe ministerial

Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para até 15 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras. Entre os já escolhidos estão Onyx Lorenzoni, para a Casa Civil; General Augusto Heleno, para a Defesa; Paulo Guedes, para a Economia; Tereza Cristina, para a Agricultura, e Sergio Moro, para a Justiça.

Agência Brasil

 

Bolsonaro diz que soberania e leis do Brasil devem ser respeitadas

Em meio a reações como a do governo cubano que decidiu suspender a parceira com o Programa Mais Médicos, o presidente eleito Jair Bolsonaro voltou a defender nesta segunda-feira (19) a manutenção dos valores e princípios brasileiros.

Numa rede social, ele disse que o país vai manter as boas relações [diplomáticas], mas exigirá respeito à sua soberania.

(Arquivo/Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Para voltarmos a crescer como nação precisamos fazer valer nossa soberania e nossas leis. Devemos respeitar o mundo todo, mas também ser respeitados. Seremos um Brasil amigo, mas que tem seus valores e princípios básicos”, afirmou em sua página no Twitter.

Nas últimas declarações de Bolsonaro sobre a parceria com Cuba, o presidente eleito tem ressaltado as condições de trabalho desenvolvido pelos profissionais cubanos, mas disse que só apresentará uma solução para a ausência dos médicos cubanos quando assumir o governo em 1º de janeiro.

Na mesma mensagem, Bolsonaro acrescentou que “o Brasil, paraíso de criminosos e fonte de renda de ditaduras desumanas, deverá dar lugar ao Brasil cujo brasileiro e as pessoas de bem serão nossa maior prioridade”.

Hoje, logo cedo, em Brasília, a presença da deputada federal eleita por São Paulo, Joice Hasselmann, no gabinete de transição que funciona no Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB – , em Brasília, desde o último dia 5, indicava que o assunto continuaria em debate ao longo da semana.

Decisão de Cuba é questionada por deputada

Antes de iniciar conversas no local, onde também estão reunidos o secretário geral da transição, Gustavo Bebbiano, e o vice presidente eleito general Hamilton Mourão, e o futuro ministro da Justiça, Sergio Moro, a parlamentar também usou a rede social para questionar a decisão do governo de Cuba sobre o Mais Médicos.

“Logo mais teremos uma conversa olho no olho sobre o que está por trás da decisão de Cuba de sair do programa Mais Médicos no Brasil às vésperas de @jairbolsonaro assumir a presidência”, disse.

Na nota que sinaliza o assunto que a trouxe a Brasília, a deputada paulista alerta que a decisão pode ter “mais caroço do que vocês imaginam nesse angu”.

Agência Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Lindeberg disse:

    Em qualquer país do mundo, a SOBERANIA É INEGOCIÁVEL, menos no Brasil onde os PETISTAS querem que as leis de Cuba, o paraíso da esquerda, sejam maiores que as nossas, e pior, dentro do Brasil. O nível que estamos vendo no Brasil hoje fica abaixo da mediocridade, onde a esquerda tem seguidores zumbis que defendem tudo e ficam contra todos, desde que seja para a esquerda está no poder, custe o que custar.

    • Leo disse:

      Trabalho escravo de verdade nas fazendas do Brasil ele nao dá um pio, aliás dá um ministério. É muita cara de pau.

Bolsonaro: “Ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade com brasileiros”

Depois de afirmar que a ditadura cubana não aceitou suas condições para a continuidade do Mais Médicos, Jair Bolsonaro voltou ao Twitter para tratar do assunto.

“Além de explorar seus cidadãos ao não pagar integralmente os salários dos profissionais, a ditadura cubana demonstra grande irresponsabilidade ao desconsiderar os impactos negativos na vida e na saúde dos brasileiros e na integridade dos cubanos.”

Reprodução: Twitter

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Teixeira disse:

    Manoel meu filho de Deus ,sabe porque tem que aceitar, porque o presidente agora é Bolsonaro e o comando é dele amigo,agora tem regras ou então caia fora!

  2. Patriota disse:

    A decisão de sair foi unilateral de Cuba!!! A proposta do Presidente Eleito era de submeter ao exame de validação e pagar o salário ao médico e não à ditadura cubana via OPAS! Sabem por que Cuba não aceitou? Porque deixaria de ganhar uma graninha explorando seus cidadãos e ficaria mais difícil infiltrar seus espiões em território brasileiro….

  3. Manoel disse:

    É um Pelé, esse doido q será infelizmente nosso presidente. Pq Cuba tem q aceitar suas condições q na verdade inviabiliza o programa?
    Arque com as consequências de mais uma atitude irresponsável. Os pobres dos sertão são aqueles q pagarão o pato, e tem gente aplaudindo isso.
    Triste.

    • joao disse:

      Coitado de quem era assistido por esses profissionais. Ora, se ja temos problemas com medicos formados aqui, imagine com profissionais sem revalida.. ou seja, que nao sabemos se sao medicos de fato, ou alguma categoria profissional que eles considerem medicos no nome pra escravizar. tipico de ditadura de esquerda.

  4. realmadriddepiumgenerico disse:

    A ignorância dos bolsominions só não é maior que a estupidez do seu presidente. O bolsodoido disse que expulsaria os médicos cubanos quando ganhasse, agora deixa 60 milhões de pobres desassistidos. Deve ser porque prometeu eliminar um monte de gente. Um governo desordenado, comandado por um desequilibrado e apoiado por um monte de analfabetos políticos e uma meia dúzia de espertos que sempre mandaram no país.

  5. Jorge disse:

    Não há o que reclamar ou lastimar. O Presidente eleito cumpre fielmente o que pregou. Não está enganando ninguém. Vai criar o caos nesse país varonil.
    Quem nele votou tem que aplaudir o amadorismo. Quem não votou, sofrer as consequências. Infelizmente. O Brasil sofrerá muito!!!

  6. SANDRO disse:

    Acho que não entenderam que ele quer o melhor para os médicos, que quem sabe fica, e não serem escravos de Cuba, que ganam pelo trabalho explorado…leiam o que foi dito "Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou."

  7. Ustra disse:

    O pior desastre do Brasil foi o PT. #ptnuncamais #aceitaquedoimenos

    • Jair disse:

      Mais tarde ele muda de opinião e pede para os cubanos ficarem, afinal ele não tem uma opinião formada sobre as decisões necessárias a serem tomadas.

    • Nivaldo disse:

      Vai não Jair, ele não vai mudar de ideia não, é questão de princípio, moral e ordem. Bolsonaro não vai dar bater palmas a nenhuma ditadura como seu partido faz e financiou enquanto pôde.

  8. Frederico Evandro disse:

    E vocês deixem de mimimi e choradeira. O homem nem assumiu ainda.

  9. Reginaldo disse:

    Rapaz foi o proprio que disse que mandaria os cubanos de volta, agora assuma as consequencias.

  10. Curiosa disse:

    Bolsonaro, fale menos e trabalhe mais! Todas as vezes até agora que vc abriu a boca prejudicou o país, depois fica justificando ou tentando consertar o estrago.

    • rodolfo disse:

      prejudica qual pais senhora? cuba? só se for….. bolsonaro propôs pagar diretamente aos cubanos, e não a um pais ditador. Essa é a forma correta. A senhora aceitaria isso? Ir trabalhar em outra cidade, contato que a sua cidade natal recebesse parte do seu salário. Pense nisso antes de falar bobagens!

TSE pode julgar contas de Bolsonaro na primeira semana de dezembro, diz relator

Foto: Reprodução/TV Globo

O ministro Luís Roberto Barroso, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou nesta quarta-feira (14) que pretende a levar a julgamento na primeira semana de dezembro a prestação de contas do presidente eleito Jair Bolsonaro.

As contas da campanha foram apresentadas na semana passada, e o prazo para o julgamento é 10 de dezembro, quando Bolsonaro será diplomado pelo TSE.

Segundo o extrato final da prestação de contas, a campanha de Bolsonaro arrecadou R$ 4.377.640,36 e gastou R$ 2.812.442,38.

‘Inconsistências’

Na última segunda-feira (12), a Assessoria de Exame de Contas Eleitorais e Partidárias do TSE informou a Barroso ter encontrado “inconsistências” na prestação de contas de Bolsonaro.

Ao todo, foram apontadas 23 “inconsistências” que envolvem impropriedades (erros formais ou dados inexatos) ou suspeitas de irregularidades na prestação, além da falta de documentos.

Diante disso, o ministro mandou o candidato explicar em até três dias as “inconsistências” apontadas pela área técnica do tribunal.

Procurada pelo G1, a defesa de Bolsonaro informou que esclarecerá todos os pontos questionados.

Julgamento

O julgamento final das contas de Bolsonaro acontecerá no plenário, e caberá aos sete ministros se manifestarem.

Esta é a condição necessária para a diplomar o eleito, o que confirma a vitória e permite a posse.

As contas podem ser aprovadas, total ou parcialmente, ou rejeitadas.

A aprovação parcial ou rejeição das contas não impedem, necessariamente, a diplomação do candidato eleito.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Brasil é verde e amarelo disse:

    TSE e MERDA é a mesma coisa ….bilhões e bilhões desviados da Petrobras para campanhas políticase todas …digo TODAS as contas desses vermes políticos que desviaram dinheiro esse TSE aprovou todas as contas….que merda de instituição tem credibilidade essa ???

  2. Carlos Augusto de Moura disse:

    Ache que essas "inconsistências" serão resolvidas em breve, mas o petrolão, mensalão, lava jato e a delação de Palocci precisam ser resolvidas de forma consistente e colocar na cadeia todos os envolvidos de uma vez por todas. Chega de impunidade!

Bolsonaro diz que dinheiro de loterias bancará segurança pública

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) afirmou, em entrevista exclusiva à RecordTV na manhã desta quarta-feira (14), que o dinheiro arrecadado nas loterias será utilizado para reforçar o orçamento da segurança pública no país.

Bolsonaro admitiu que haverá “um percentual a mais” para o setor.

“É um dinheiro novo, outra fonte. As loterias são fatiadas, um percentual vai para cada lugar. Teria um percentual a mais para exatamente a questão da segurança pública no Brasil. É uma medida provisória, tem prazo para expirar, por isso vai fazer parte do café da manhã com o Rodrigo Maia” [Bolsonaro se reúne com o presidente da câmara nesta quarta (14) para falar sobre pautas-bomba], afirmou.

A aprovação da MP (medida provisória) é defendida por Sergio Moro, futuro ministro da Justiça e Segurança Pública. O texto prevê a destinação de recursos de loterias federais para a segurança pública, como forma de gerar recursos para as políticas públicas da pasta.

Segundo esse acordo, do dinheiro que vem de todas as loterias, a segurança pegaria um porcentual de 13%, em vez dos 15% que estavam previstos. A diferença iria para a área do esporte, após pressão de parlamentares ligados ao setor. O acordo teria sido selado após conversa entre técnicos do governo, Caixa Econômica e parlamentares.

O presidente eleito reforçou a importância de ter um bom relacionamento com o Congresso Nacional para conseguir a aprovação das pautas de interesse do governo. Para Bolsonaro, é preciso contar com a colaboração de todos os parlamentares, inclusive dos que não foram reeleitos.

“O Brasil continua. Eu tenho dito. Estamos todos no mesmo barco, com ou sem mandato”, afirma.

Assista à entrevista exclusiva: 

Com informações da Record

Conheça os nomes já confirmados para equipe ministerial de Bolsonaro

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil/Agência Brasil

Duas semanas depois do segundo turno, o presidente eleito Jair Bolsonaro confirmou sete nomes da sua equipe ministerial. Alguns escolhidos atuam diretamente no governo de transição. Nas declarações públicas, Bolsonaro avisou que pretende reduzir de 29 para de 15 a 17 o número de ministérios, extinguindo pastas e fundindo outras.

Já foram confirmados nos respectivos cargos os seguintes nomes:

Onyx Lorenzoni – deputado federal pelo DEM do Rio Grande do Sul, assumirá a Casa Civil. Por enquanto atua como ministro extraordinário da transição;

General Augusto Heleno Ribeiro Pereira – oficial da reserva, assumirá o Gabinete de Segurança Institucional (GSI). É chamado de “conselheiro” pelo presidente eleito;

Paulo Guedes – economista que acompanhou Bolsonaro durante a campanha, ocupará o Ministério da Economia (unindo Fazenda, Planejamento e Indústria e Comércio);

Sérgio Moro – juiz federal, responsável pelos processos da Operação Lava Jato, assumirá o Ministério da Justiça (fusão com a Secretaria de Segurança Pública e o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o Coaf);

Marcos Pontes – astronauta e próximo ao Bolsonaro, ficará à frente do Ministério de Ciência e Tecnologia, que deverá agregar também a área do ensino superior;

Tereza Cristina – deputada federal pelo DEM do Mato Grosso do Sul, engenheira agrônoma e empresária do agronegócios, assumirá o Ministério da Agricultura;

General Fernando Azevedo e Silva – é militar da reserva e atuou como assessor do presidente do Superior Tribunal Federal, Dias Toffoli. Assumirá o Ministério da Defesa

Agência Brasil

 

Bolsonaro diz que escolha de Levy no BNDES foi um pedido de voto de confiança de Paulo Guedes: “A caixa-preta vai ser aberta na primeira semana! Se não abrir, ele está fora”

O Antagonista questionou o presidente eleito, Jair Bolsonaro, sobre a escolha de Joaquim Levy para comandar o BNDES, apesar de seu histórico de serviços prestados aos governos de Dilma Rousseff e Sergio Cabral.

“Tanta gente que já apoiou a Dilma, apoiou o Lula, apoiou o Temer… Não é por que apoiou, teve do lado, num cargo, que você vai execrar o cara. Teve cara que passou por lá sem problema nenhum”, disse.

Bolsonaro explicou que “foi uma decisão do Paulo Guedes, que pediu um voto de confiança”.

“A caixa-preta vai ser aberta na primeira semana! Não tenha dúvida disso. Se não abrir a caixa-preta, ele está fora, pô.” O presidente eleito disse ainda que quer a “suspensão de todos os sigilos” do BNDES. “Isso será tratado dessa maneira.”

Ele comentou ainda que não existe nenhum processo contra o Levy, “nada que desabone sua conduta”.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Kkkkkkk, f*** geral. Petralhas fdps!

  2. Brasil é verde e amarelo disse:

    Os PTralhas irão morrer 🤣🤣🤣

Atriz Maitê Proença admite sondagem para Ministério do Meio ambiente de Bolsonaro

A atriz Maitê Proença, em entrevista ao Globo Foto: Leo Martins / Agência O Globo

O nome da atriz Maitê Proença foi proposto ao presidente eleito Jair Bolsonaro para a pasta do meio ambiente por um grupo de ambientalistas, economistas e pesquisadores, como adiantou a coluna de Ancelmo Gois nesta segunda. Mesmo sem filiação partidária ou atuação política, a atriz conta com bom trânsito na área ambiental e fora dela.

Maitê também tem boa relação no círculo mais próximo de Bolsonaro. É ex-mulher e tem um filho com o empresário Paulo Marinho, ligado ao presidente eleito. Mas a própria Maitê explica que o seu nome, por enquanto, é “apenas uma ideia”:

— A ideia é tirar o viés ideológico a que o setor ambiental ficou associado. Trazer um nome que possa abrir as portas que se fecham para os ecologistas. Um nome ligado às causas ambientais, mas que circule nos diversos meios de forma isenta. E que possa colocar a pasta acima de picuinhas políticas. Concordo com tudo. Mas o meu nome é apenas uma ideia — disse a atriz.

O vice-presidente de parcerias estratégicas da Conservação Internacional, Rodrigo Medeiros, diz que o nome de Maitê pode trazer mais “tranquilidade e leveza” para a pasta.

— Ela não é partidária e se mostrou muito disposta a contribuir. Tem condições de manter um ótimo diálogo em todas as áreas, inclusive com os ruralistas.

Maitê é uma das signatárias da carta enviada por lideranças ambientais para Bolsonaro logo após a eleição. Para Medeiros, o melhor nome não é necessariamente o mais técnico, mas aquele com maior capacidade de articulação e diálogo.

O empresário Paulo Marinho, ex-marido de Maitê Proença e ligado à campanha de Bolsonaro, considerou o nome da atriz para o Meio Ambiente “uma loucura.”

— Isso é uma loucura. Não sei de onde tiraram isso — disse Marinho.

O empresário afirmou que desde que terminou a campanha se mantém afastado da equipe de Bolsonaro.

— O que eu tinha que fazer eu já fiz, dei minha contribuição. Não participo do governo.

O Globo

 

“Moro vai fechar a torneira da corrupção”, diz Eduardo Bolsonaro, que afirma que o pai eleito não se preocupa com vaidade

Eduardo Bolsonaro disse ao Estadão que seu pai não tem ciúme de Sergio Moro:

“Ele não se preocupa com vaidade. Se preocupa com o que é melhor para o Brasil. E o Moro tem, além do simbolismo, ele tem total competência para pôr em prática o combate á corrupção, que é o que minha geração mais abomina. O Moro vai fechar a torneira da corrupção. Ele falou em retomar as dez medidas de combate à corrupção. Vai haver um esforço grande no próximo ano para aprovar isso.”

Eduardo Bolsonaro disse que o governo vai fechar também a torneira do MST:

“O Moro definiu bem. Primeiro o que são movimentos sociais e, depois, definiu o que são essas ações criminosas. O que ocorre hoje é que grupos como o MST por vezes utilizam o seu poder criminoso para invadir terras, incendiar tratores para obrigar o fazendeiro a vender suas terras a um preço abaixo do mercado. Eles impõem o terror para ganhar um benefício por outro lado. É isso que a gente visa combater. Isso aí é terrorismo. É a intenção de levar o terror para amedrontar as pessoas. Se fosse necessário prender 100 mil pessoas, qual o problema nisso? Eu vejo problema em deixar cem mil pessoas com esse tipo de índole, achando que invasão de terras é algo normal, livres para cometer seus delitos. Esse é meu principal receio. Eu quero dificultar a vida dessas pessoas.”

Com informações de O Antagonista e Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Maria Reis disse:

    Por que operação Capitu? Quem conhece a personagem de Assis deve assemelhá-la ao Moro. Tem tudo a ver.

Bolsonaro: “Não estou preocupado com a cor, sexo ou sexualidade de quem está na minha equipe, mas com a missão de fazer o Brasil crescer”

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) reagiu nesta quarta-feira (7), nas redes sociais, à pressão sobre a ausência de mulheres na sua equipe. Ele disse que não está preocupado com cor nem sexo na hora de escolher assessores. Na sua conta no Twitter, negou que faça discriminação.

“Não estou preocupado com a cor, sexo ou sexualidade de quem está na minha equipe, mas com a missão de fazer o Brasil crescer, combater o crime organizado e a corrupção, dentre outras urgências”, escreveu.

Na equipe de transição do governo Bolsonaro, foram designados 27 nomes, dos quais cinco sem remuneração. Assessores próximos ao presidente eleito garantem que ele nomeará quatro mulheres, das quais três militares e uma civil.

“Algum jornalista acha mesmo que vou sair perguntando o que cada um faz na sua intimidade para indicar a cargos no governo? Isso é uma grande piada”, acrescentou.

Agência Brasil

Bolsonaro deixa votação do Estatuto do Desarmamento para 2019

O deputado federal Rogério Peninha Mendonça (MDB-SC) afirmou nas redes sociais que recebeu uma ligação de Jair Bolsonaro pedindo para deixar para 2019 o projeto de lei de sua autoria que revoga o Estatuto do Desarmamento.

“Se forçássemos a barra para votar esse ano, haveria risco de a proposta ser rejeitada – e um trabalho de 6 anos iria pelo ralo. A composição do novo Congresso é mais conservadora. Com os novos deputados, as chances de aprovarmos o PL 3722 são bem maiores.

Bolsonaro disse que precisará de mim para fazer o meio de campo entre o governo e a bancada do MDB em votações importantes a partir de 2019. É com alegria – e sabendo do peso que esta responsabilidade traz – que aceito a missão.”

O Antagonista

Em nota, ao aceitar Ministério da Justiça, Moro diz querer ‘afastar risco de retrocessos e consolidar avanços’; confira íntegra

Juiz Sérgio Moro deixa a casa de Jair Bolsonaro ao lado do economista Paulo Guedes, no Rio de Janeiro — Foto: Silvia Izquierdo/AP

O juiz federal Sergio Moro aceitou nesta quinta-feira (1º) o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) para chefiar o Ministério da Justiça.

Veja a nota divulgada pelo juiz:

Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar, pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a pespectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrução dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juizes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes.

Curitiba, 01 de novembro de 2018.

Sergio Fernando Moro

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pedro disse:

    Grandes nomes e com a graça de Deus, grandes resultados.

  2. Roberto disse:

    Chegou em boa hora, que DEUS o abençoe, Moro o Brasil precisa de você.

Bolsa atinge marca histórica com anúncios da equipe de Bolsonaro

O principal índice da bolsa brasileira, a B3, opera em alta nesta quinta-feira (1), acima de 88 mil pontos, renovando o recorde intradia, com os agentes financeiros na expectativa de novos anúncios sobre a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro, além dos planos para a economia.

Às 13h03, o Ibovespa, principal índice de ações do mercado acionário brasileiro, subia 1,25%, a 88.520 pontos. Na máxima, chegou a 89.017 pontos, renovando a máxima histórica intradia. Veja mais cotações.

Até então, a pontuação mais alta foi alcançada no pregão de segunda-feira: 88.377 pontos. O maior valor de fechamento é de 87.652 pontos em 26 de fevereiro deste ano.

De acordo com análise técnica do Itaú BBA, o Ibovespa segue em tendência de alta e poderia ganhar “novo impulso em direção a 91.700 e 95.300 pontos” se conseguisse superar os 88.400 pontos.

O mercado acionário acelerou o ganho depois da confirmação de que o juiz federal Sérgio Moro aceitou o convite de Bolsonaro para chefiar o Ministério da Justiça e Segurança Pública.

As ações do Bradesco avançavam fortemente e contribuíam para os ganhos do Ibovespa, com altas acima de 3%, após aumento no lucro líquido no terceiro trimestre.

“O Bradesco apresentou bons resultados no terceiro trimestre de 2018, com resultados em linha com nossas estimativas acima do consenso. Os resultados não foram apenas fortes, mas as principais tendências operacionais também melhoraram: crescimento de empréstimos, margens e qualidade de ativos”, escreveram analistas do Itaú BBA liderados por Thiago Bovolenta Batista, em relatório a clientes.

No dia anterior, o Ibovespa subiu 0,62%, aos 87.423 pontos. Em outubro, o Ibovespa acumulou ganho de 9,85%, tendo o segundo melhor desempenho mensal do ano -em janeiro, subiu 11,3%, segundo a Reuters.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Valdemir disse:

    E lindenberg Farias pra secretário de tributação do governo Fátinha vai ser outra alta da bolsa

  2. duendevermelho disse:

    Tudo isso graças ao maior espalhador de Fake News do Brasil! VIVA JOAQUIN TEIXEIRA!!!

VÍDEO flagra momento de encontro entre Moro e Bolsonaro, sob saudações de moradores

Vídeo que circula nas redes sociais mostra a chegada do juiz Sergio Moro em residência do presidente eleito Jair Bolsonaro, na manhã desta quinta-feira(01), no Rio de Janeiro. Juiz e capitão se cumprimentam e são saudados por moradores.

Poucas horas depois do encontro, Moro foi confirmado ministro da Justiça e Segurança Pública.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    A quadrilha tá tensa!! Agora lascou…kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Priscilla disse:

    Triste fim!

  3. Carlinhos disse:

    Moro vai fazer politica oficialmente. Parabéns Moro!!! Trabalhou duro para lascar o PT, inclusive de férias impediu a soltura de Lula. Será ministro ou lado de Onyx Lorenzoni réu confesso. A máscara caiu.

    • Rio disse:

      Bua bua bua … chora petista
      Que os cidadãos de bem estão sorrindo kkkkkkkk

    • ROMULO GABRIEL disse:

      O problema desse povo é papagaiar que só tem corrupção no PT..isso já virou o maior mantra da alienação!kkkkkkkkkkkkkkk..calma, doentes!

  4. Ems disse:

    Tremam corruptos !!!

Bolsonaro confirma Moro: “Sua agenda anticorrupção, anticrime organizado, bem como respeito à Constituição e às leis será nosso norte”

Encontro entre o presidente eleito e o juiz Sérgio Moro aconteceu na manhã desta quinta-feira(01), na residência do capitão, no Rio de Janeiro.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ANTONIO FELIX NETO FELIX disse:

    PARABÉNS PRESIDENTE BOLSONARO .

  2. Pedro disse:

    Vcs petistas Sr. Flávio São uma graça, tudo para a pirralhada e jogada, quase que afundam a maior empresa do Brasil, deixaram milhões de desempregados, roubo e rastro de irregularidades por todo canto, uma ex, em quarto para senadora, um ex presidente presidiario, que nunca soube ou viu nada, um triplex maroto, sítio idem, um ex ministro delator, enfim, nunca vi tanta burrice junta.

  3. Flavio disse:

    Bolsonaro faz uma jogada de mestre. Traz para o seu governo um juiz aclamado por grande parte da população, enfraquece a Lava Jato, que ameaça diversos políticos da sua base e ainda reforça, para as massas, o seu discurso anticorrupção. Já Moro, assina o mais aguardado recibo de todos os tempos: o de juiz parcial politiqueiro. Agora existe a chance de o julgamento de Lula e de vários outros serem anulados e a profecia de Jucá se confirmar: um grande pacto nacional.

  4. Rafael disse:

    É gopi. Facistas.

    • paulo disse:

      Não perdem por esperar ainda tem muito bandido da mafia soltos, logo-logo vão fazer o caminho do sapo, lindemberg será um, existem muitos canalhas soltos ainda.