Bolsonaro mudou tom sobre pandemia após conversa com Villas Bôas e ministros da ala jurídica

A mudança de tom do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em seu pronunciamento nesta terça-feira (31) ocorreu após conversa com o ex-comandante do Exército general Villas Bôas e ministros militares e da área jurídica.

Na fala de quase oito minutos, o presidente deu maior equivalência à preservação de “vidas e empregos”, divergindo do que afirmou na semana passada, quando estimulou a retomada das atividades no país e propôs o isolamento apenas a grupos de risco.

Bolsonaro procurou o general na segunda-feira (30), numa tentativa de resgatar o apoio dos militares. Ele vinha se sentindo isolado em seu posicionamento nas medidas de combate à pandemia do novo coronavírus.

Nos últimos dias, conforme mostrou a Folha, dois ministros com alta popularidade, Sergio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia), se distanciaram do presidente e passaram a apoiar a fala do titular da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, na defesa do isolamento social.

Segundo relatos feitos à Folha, a conversa entre Bolsonaro e o ex-comandante do Exército foi decisiva para a mudança de postura. O presidente costuma se aconselhar com Villas Bôas, visto como uma figura de autoridade nas Forças Armadas.

Os militares ficaram incomodados com as críticas feitas pelo presidente a medidas de isolamento e distanciamento social.

Ele vinha fazendo apelos para que as pessoas voltassem às ruas, na contramão do que orientam o Ministério da Saúde e a OMS (Organização Mundial da Saúde).

O texto lido pelo presidente é resultado de um trabalho feito de forma conjunta com ministros militares, como Walter Braga Netto (Casa Civil), Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Tarcísio Freitas (Infraestrutura). Além dos juristas Jorge Oliveira (Secretaria-Geral), André Mendonça (AGU) e Wagner Rosário (CGU).

Diferentemente do que ocorreu na última semana, quando houve uma radicalização da fala do presidente no pronunciamento, os filhos tiveram um papel secundário na formulação do texto.

Desde o último sábado (28), esse mesmo grupo de ministros vinha tentando —com apoio do STF (Supremo Tribunal Federal) e do Congresso— fazer uma contenção de danos nas ações e declarações de Bolsonaro.

Eles defendiam que o presidente adotasse uma postura mais harmônica em suas declarações com as ações adotadas pelo próprio governo.

Naquele mesmo dia, o grupo conseguiu demover o presidente de um pronunciamento em cadeia nacional que ele pretendia fazer durante o fim de semana. Seria o segundo em menos de uma semana.

Coube a eles organizar um café da manhã entre Bolsonaro e o ministro Gilmar Mendes, do STF.

Do magistrado, que foi advogado-geral da União no governo Fernando Henrique Cardoso, o presidente ouviu que era preciso chamar os outros Poderes para obter sucesso na contenção da crise. Gilmar alertou ainda para a necessidade de um trabalho unificado com os estados e os municípios.

Na conversa, o presidente insistiu que estava preocupado com o aumento do desemprego no país e com a perda de renda dos brasileiros, citando os informais. Ele mencionou sua intenção de editar um decreto para obrigar o funcionamento do comércio de todo país.

Em resposta, ouviu do ministro que a medida não teria efeito, já que a sociedade não voltaria automaticamente para as ruas, com medo da dispersão do vírus. Gilmar alertou ainda que o descumprimento por parte do Executivo das orientações técnicas médicas poderia levar a uma série de derrotas no Judiciário, incluindo o Supremo.

Apesar do esforço do sábado, o acordo firmado entre os ministros e Bolsonaro não durou 24 horas. Ele saiu na manhã de domingo (29) para visitar comércio do Distrito Federal, levando a uma frustração de seus auxiliares.

Mesmo que tenha aceitado diminuir o tom nesta terça, a postura de Bolsonaro no decorrer da crise é imprevisível. Seus auxiliares veem com reserva essa mudança de comportamento, devido ao estilo intempestivo do presidente.

Bolsonaro afirmou ainda que “temos que evitar ao máximo qualquer perda de vidas humanas”, mas acrescentou que “ao mesmo tempo, devemos evitar a destruição de empregos, que já vem trazendo muito sofrimento para os trabalhadores brasileiros”.

No pronunciamento, o presidente mudou o tom que vinha adotando em relação à Covid-19, que já chamou de “uma gripezinha”.

Nesta terça, disse que “estamos diante do maior desafio da nossa geração”.

O presidente, que já defendeu o uso da hidroxicloroquina para o combate à doença, inclusive aparecendo com caixas do medicamento na mão, admitiu que “ainda não existe vacina contra ele ou remédio com eficiência cientificamente comprovada”.

Ele também apontou as medidas anunciadas pelo governo tanto na saúde quanto na área econômica.

FOLHAPRESS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    O tom não mudou, pois fez malabarismos com as frases do diretor da OMS pra tentar justificar seu comportamento injustificável perante os seus seguidores mais fanáticos. De resto, fez apenas ontem o que deveria ter feito antes, falar das ações de seu governo.

  2. Raimundo disse:

    A família imperial deveria dar um título nobiliárquico ao Vilas Boas é um grande brasileiro

  3. LEO disse:

    Quando a esquerda criticar o Presidente Bolsonaro,é pq ele está fazendo o Certo,o nosso querido Presidente fez um pronunciamento de um verdadeiro Estadista,por isso a reprovação da esquerda raivos,derrotada,e que jamais voltará ao Poder,pois,o Povo Brasileiro "Acordou",o Povo não é mais manipulado por essa imprensa vendida,que vivia ás custas dos cofres públicos.Parabéns Presidente pelo Pronunciamento!!!!!

    • Rei do gado disse:

      Tá conversando besteira uma hora dessas rapaz!!!

    • Morais disse:

      Esse discurso somente engsna os bestas. Enquanto homem , deve-se ter apenas uma palavra. Cabra que fica mudando o tom da conversa toda, desconfie! Já dizia meu ídolo, o meu pai!

  4. José Macedo disse:

    Será que o Japão é em outro mundo, por que se o Bolsonaro falar até a oms se manifesta e no Japão o mundo inteiro não fala nada, lá não tem o isolamento total da sociedade, com a doença controlada, lá as pessoas trabalham e só não há aglomerações.
    Vejam comentários no site abaixo e vamos respeitar a opinião do nosso presidente.
    httpss://www.bbc.com/portuguese/amp/internacional-52047782#aoh=15857436852332&referrer=https%3A%2F%2Fwww.google.com&amp_tf=Fonte%3A%20%251%24s,.

  5. JK disse:

    Esse boneco de Olinda, sempre foi um saco de piada, não tem capacidade pra nada, não tem preparo pra nada, foi colocado nesse posto somente por protesto ou descontentamento do País em outras épocas negras.

  6. Antônio disse:

    Essa DESGRACA DE BOSTANARO, ALEM DE BURRO, LEIGO E DOIDO, DEVERIA O BRASIL MANDAR ESSA PRAGA PARA O QUINTO DOS INFERNOS…XO SATANÁS

  7. Ronaldo de Macedo disse:

    Ridículo.
    Mesmo tendo sido DESMENTIDO pela OMS, o asno tentou enrolar.
    Fez um pronunciamento escrito pelos militares, e bem contrafeito.
    Está no limbo.

    • Lsv disse:

      Finalmente o bruto teve seu dia de ESTADISTA.
      Até 2022 Mouro no Stf e Mandetta no governo . Bolsonaro amando a galega e de boa.
      Vermelhos no Planalto, jamais.

  8. Rivanaldo disse:

    A mera tentativa de não falar asneiras, de não ser preconceituoso, de fingir ser moderado, de aparentar racionalidade faz com que o sujeito se assemelhe a um corpo sem alma, a um cadáver insepulto, a um morto-vivo de filme ruim. É contra sua natureza. Acabou.

    • Rodrigo disse:

      Rivanaldo, chore não bebê

    • paulo disse:

      BG
      A ptralhada e suas sub-legendas estão fazendo de tudo para tumultuar o País, canalhas quadrilheiros. Além destes tem o engomadinho de São Paulo que não cuida do seu Povo, pois está em primeiríssimo lugar no COVID19, fica fazendo espetáculo na tv ao invés de trabalhar para minorar os problemas. no seu estado.

COMENTE AQUI