Câmara de Monitoramento de Homicídios recebe novo secretário estadual de segurança

Em mais uma reunião semanal, a Câmara de Monitoramento de Homicídios do Tribunal de Justiça reuniu representantes das entidades públicas que têm um objetivo em comum: o desafio de diminuir a incidência de assassinatos no Rio Grande do Norte. Nesta sexta-feira (21), a Câmara recebeu pela primeira vez a presença do novo secretário de Segurança Pública e Defesa Social do Estado, o general Eliéser Girão Monteiro Filho.

Eliéser Girão chega ao comando da pasta no momento em que o Rio Grande do Norte registra número assustadores com relação à violência. Ele aponta que o principal problema da segurança pública no Estado é o aumento do número de homicídios. Somente ano passado, foram 1.653 homicídios e, esse ano, já foram contabilizados 330 assassinatos, até o dia 13 de março. “Aos melhores cabem as missões mais difíceis. Que bom que temos essa equipe forte para trabalhar junto o combate à violência nesse Estado”, disse o general Eliéser.

Na reunião, o juiz auxiliar da Presidência do TJ potiguar, Fábio Filgueira, coordenador do grupo, deu as boas vindas ao novo integrante da Câmara e apresentou os principais assuntos em pauta. O ponto mais debatido no encontro desta sexta-feira foi a instalação da Divisão de Homicídios. O Ministério Público Estadual está agilizando o processo de doação do prédio em desuso na Rua Apodi para o seu estabelecimento.

“Ainda não sabemos como vai ficar. Teremos uma definição em duas semanas com relação a transferência do prédio e a concessão do Executivo para a convocação de mais agentes civis para compor a Divisão”, explica Filgueira, fazendo menção a uma consulta solicitada ao Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Uma nova reunião da Câmara de Monitoramento de Homicídios está agendada para a próxima quarta-feira (26) no Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), que atualmente se encontra instalada na Escola de Governo do RN.

Estiveram presentes na reunião representantes da Segurança Pública, Defensoria Pública, Ministério Público, OAB/RN e Instituto Técnico e Científico de Polícia (Itep).

TJRN