Com Fundação Getúlio Vargas escolhida para realização, concurso da Polícia Civil do RN terá 301 vagas

Foto: Reprodução

Em cumprimento a um compromisso do Governo do Estado, mais um passo foi dado para a realização do concurso público da Polícia Civil do Rio Grande do Norte (PCRN). Para dar celeridade ao processo, a governadora Fátima Bezerra determinou que a responsabilidade pela condução deste trâmite fosse da própria PCRN. O anúncio foi feito nesta sexta-feira (11) e o edital deverá sair até o dia 31 de outubro. O último certame ocorreu há mais de 10 anos, em 2008.

Para a gestora do Estado, a decisão foi acertada: “A ampliação do efetivo contribuirá para que a Polícia Civil cumpra suas funções de forma ainda mais eficaz”, ressaltou Fátima Bezerra, para completar: “Nosso compromisso com a segurança pública é reafirmado diariamente, mas a realização deste concurso público é um marco para a instituição e um grande avanço para toda sociedade potiguar”.

Segundo a delegada-geral Ana Cláudia Saraiva a escolha da banca examinadora se deu após criteriosa pesquisa mercadológica, avaliações realizadas pela Comissão Permanente de Licitação da Instituição e a aprovação da Comissão Especial do Concurso, quando o inteiro teor da justificativa apresentada foi acatado. “Decidimos escolher a Fundação Getúlio Vargas (FGV) para realizar o certame porque acumula 73 anos de experiência e respeitabilidade no mercado. Até o edital, teremos muitos passos que estão sendo efetivados com muita celeridade em cumprimento ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC)”, declarou.

Serão disponibilizadas 301 vagas: 47 para delegados, 24 para escrivães e 230 para agentes. Segundo a Comissão Especial do Concurso, a princípio, haverá reserva de vagas para deficientes em todos os cargos, em razão da exigência da lei. Em relação às datas previstas para inscrições e demais etapas pertinentes acerca das convocações, por exemplo, estarão especificadas no edital. Quanto às datas de avaliações, as previsões poderão ser definidas apenas após revogação do decreto com restrições em virtude da pandemia. Já quanto à convocação, a previsão é que ocorra no ano de 2022.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Polícia Civil/RN – SECOMS

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Napoleandro disse:

    Segurança pública é caro mesmo

  2. Ozir disse:

    Fátima espere fazer essas contratações depois da reforma administrativa, pois com isso o RN economizara bastante dinheiro.

  3. Lauro disse:

    Já disse aqui que Estado está falido. Se o governo colocar salário inicial de 2 mil para Agente e 4 mil para Delegado, vai aparecer candidatos de sobra, pois o desemprego está grande e no setor privado, pessoal que trabalha com segurança ganha nessa faixa. Fazendo isso o governo economizará bilhões nos próximos 30 anos. Para que pagar mais se vc pode pagar menos?

  4. Márcio de Souza Junior disse:

    Eu quero ..

  5. Francisco Alves disse:

    Uma piada! Em 2010 haviam pouco mais de 1.400 policiais civis, e a defasagem no efetivo já era de cerca de 4.000 policiais. Durante esse período o concurso sequer serviu, para repor as vagas devido às aposentadorias. Enquanto a população e o número de criminosos aumentam assustadoramente a Polícia Civil definha.

    • Júlio disse:

      Definha porque esse pessoal se aposenta com quarenta e poucos anos e ganham uma fortuna comparado com a renda per capita do RN. Assim o custo fica tão alto que o governo fica sem condições de manter o aparato policial caríssimo. Hoje temos mais policiais aposentados do que trabalhando.

  6. Brasil disse:

    Já em 2022? Rápido! Kkkk

COMENTE AQUI