Desemprego sobe para 11,6% em fevereiro, e atinge 12,3 milhões

Evolução da taxa de desemprego — Foto: Economia G1

A taxa de desemprego no Brasil subiu para 11,6% no trimestre encerrado em fevereiro, atingindo 12,3 milhões de pessoas, segundo divulgou nesta terça-feira (31) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O aumento, na comparação com o trimestre terminado em novembro (11,2%), interrompeu dois trimestres seguidos de quedas significativas no desemprego. A taxa, porém, é inferior a registrada no mesmo período do ano passado (12,4%).

No trimestre encerrado em janeiro, o desemprego ficou em 11,2%, atingindo 11,9 milhões de brasileiros. O IBGE, no entanto, só considera comparáveis os resultados de um mesmo trimestre e de 3 meses de intervalo.

Os dados do IBGE mostram que o desemprego aumentou no país antes mesmo do inicio das medidas restritivas e de isolamento impostas no país para tentar frear a propagação do coronavírus.

Segundo o IBGE, o número de desempregados aumentou em 479 mil em relação ao trimestre encerrado em novembro, mas caiu em 711 mil na comparação com 1 ano atrás.

Já a população ocupada somou 93,7 milhões, o que representa uma redução de 0,7% em relação ao trimestre anterior anterior (706 mil pessoas a menos). Frente ao mesmo trimestre do ano interior, porém, houve alta de 2% (mais 1,8 milhão de pessoas).

“Não tínhamos visto essa reversão em janeiro, no entanto, ela veio agora no mês de fevereiro, provocada por uma queda na quantidade de pessoas ocupadas e um aumento na procura por trabalho”, afirmou a analista da pesquisa, Adriana Beringuy.

Informalidade cai, mas ainda tinge 38 milhões de pessoas

Já a taxa de informalidade caiu para 40,6% no trimestre encerrado em fevereiro, ante de 41,1% no trimestre de setembro a novembro de 2019. O país, no entanto, ainda reúne um total de 38 milhões de informais. Nesse grupo estão os trabalhadores sem carteira, trabalhadores domésticos sem carteira, empregadores sem CNPJ, os conta própria sem CNPJ e trabalhadores familiares auxiliares.

A queda da informalidade foi puxada pela redução de contingentes de trabalhadores por conta própria sem CNPJ e também de trabalhadores empregados sem carteira.

“A gente ainda vive sob a influência do mês de dezembro, em que tivemos um desempenho muito bom das contratações com carteira trabalho. Muitas pessoas foram contratadas via carteira de trabalho no comércio, o que deu um pouco mais de consistência aos dados de formalidade. Isso pode estar contribuindo para a queda na quantidade de informais”, avaliou a pesquisadora.

Patamar recorde de pessoas fora da força de trabalho

A Pesquisa Nacional Por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua) do IBGE mostrou ainda que o total de pessoas fora da força de trabalho chegou a 65,9 milhões, patamar recorde desde o início da pesquisa, no primeiro trimestre de 2012, com alta de 1,3% (mais 815 mil pessoas) em relação ao trimestre móvel anterior.

Neste grupo estão as pessoas que não procuram trabalho, mas que não se enquadram no desalento (pessoas que desistiram de procurar emprego).

Os desalentados somaram 4,7 milhões no trimestre encerrado em fevereiro quadro estatisticamente estável em relação ao trimestre móvel anterior e ao mesmo período do ano passado.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    A única solução para amenizar a economia éé como um amigo aqui disse aquu,

    FIQUEM EM CASA QUE MELHORA!!!!!!

  2. Fernando Bastos disse:

    Senhor Andreilson, aproveito para lhe sugerir que envie seu currículo o mais breve possível, em substituição ao Ministro Paulo Guedes, já que o senhor comprava a INCOMPETÊNCIA do mesmo, talvez caia no seu colo essa fácil tarefa.

  3. Trabalhador disse:

    Isso é só o começo se não pararem logo com essa frescura de isolamento total. Só é para ficar em casa os grupos de risco. Governadora abra seus olhos porque se não o governo não terá dinheiro para pagar a ninguém com a queda das receitas. Seus assessores só querem saber de receber o deles e estão pouco se lixando se a senhora vai se acabar.

  4. Carlos disse:

    O PIB de 2019 foi horrível e o Sr. Presidente convocou um palhaço para fazer uma análise de seu desempenho e em Maio de 2019 mostrou todo seu despreparo quando comentou sobre os desempregados. Agora cria um fato politico em meio a uma pandemia para manter em prontidão seu exercito .

  5. Andreilson disse:

    Ou seja, desemprego aumentando antes mesmo do coronavírus.
    Paulo Guedes deve pedir demissão…
    É um incompetente!!!

  6. gusthenrique disse:

    Está claro que Bolsonaro está numa encruzilhada armada pela mídia: se ocorrer muita morte pelo novo corona vírus, ele será culpabilizado. Após a pandemia, ele também será culpabilizado pela grave recessão (ou até depressão) econômica que ocorrerá. E os abutres comedores de carniça, a esquerda que vive do caos e da morte, estará ávida e com o terreno pavimentado para voltar a assaltar a nação.

  7. Hermann Klecius Cunha de Castro disse:

    Fiquem em casa……..

  8. Flauberto Wagner disse:

    Vamos esperar os índices de Maio e Junho de 2020, para termos uma posição mais clara acerca da devastação ocorrida em função da Covid-19.
    Não devemos nunca esquecer que muitos empregos vão deixarem de existirem em razão que as fontes geradas destes também serão!
    Infelizmente, vamos trilhas caminhos difíceis, haja vista que não estávamos preparados para tal situação e principal o Brasil aonde as suas autoridades constituídas vivem de fazerem de forma vil o pior que a política tem, que é a guerra pelo poder, independente de quem esteja no poder.
    Só Deus no comando!

    • Carlos disse:

      É importante lembrar a fala do Sr. Presidente em Maio de 2019 no tocante ao seu menosprezo pelos desempregados e agora cria um fato político para manter sua claque alerta.

  9. Greg disse:

    Olhe que estamos falando de fevereiro…esses dados ainda não mostra a realidade hoje com a Pandemia…infelizmente os dados hoje são bem piores que estes números.

COMENTE AQUI