Saúde

É bem mais fácil contrair Covid-19 pelo ar do que por superfícies, revela estudo

Foto: Reprodução/CNN Brasil

Um artigo publicado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos revela que a chance de contrair coronavírus por contato com superfícies é muito baixa, e a transmissão aérea segue como a principal forma de contaminação.

Segundo o texto, a chance de infecção por contato com superfícies é menor que 1 em 10 mil. Ainda de acordo com o artigo, quase todos os vírus morrem em no máximo três dias em superfícies como vidro, aço e plástico. Na edição desta terça-feira (20) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes explicou por que mais importante do que limpar objetos é ventilar bem os ambientes.

“Isso não invalida a orientação clássica de não levar a mão à boca, nariz ou olhos porque isso facilitaria o processo de transmissão. Mas fazendo uma comparação a um pedestre, por exemplo, é muito mais fácil acontecer um acidente se ele estiver no meio da rua do que se estiver andando na calçada. No começo da pandemia, a gente não sabia [o prinicipal meio de transmissão da Covid-19], por isso que a orientação foi genérica”, explicou Gomes.

“Hoje em dia sabemos que é a transmissão através do contato com superfícies existe, porém em número infinitamente menor do que o contágio pelo ar. Assim como utilizar máscara, lavar as mãos, manter o ambiente arejado e evitar aglomerações têm eficácias comprovadas por dados objetivos.”

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Bolsonarista espalha mais o vírus, pois não usa máscara. A argola de ferro que fica na venta, não deixa.

  2. A maioria dos bolsonaristas mesmo vendo mãe, pai e filhos morrendo dessa praga ainda não acreditam que ela existe pois é invenção dos comumistas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Média de vacinação por semana cai em maio em comparação com abril

Foto: CNN Brasil / Fonte: Ministério da Saúde

A falta de insumos para a fabricação da Coronavac e da vacina da AstraZeneca no Brasil já se reflete na quantidade de doses aplicadas na vacinação dos brasileiros contra a Covid-19.

A campanha nacional de imunização viu a média diária de doses aplicadas cair em maio em comparação com o mês de abril, segundo dados do Ministério da Saúde.

No início de abril, o país aplicava, em média, mais de 600 mil doses de vacina por dia. Foram 659 mil doses/dia na primeira semana e 650 mil doses/dia na segunda semana do mês passado. Esse número deu um salto e foi de 784 mil doses aplicadas diariamente na terceira semana de abril, quando começou a cair.

Na última semana do mês, o país aplicou 523 mil doses, em média, por dia. Nas duas primeiras semanas de maio, essa média despencou. Na primeira semana do mês, foi 415 mil doses aplicadas a cada dia; na segunda semana, 280 mil doses diárias de imunizantes utilizadas.

A projeção é de que, caso o Brasil tivesse imunizantes em quantidade suficiente para tal, o país poderia aplicar até 1,5 milhão de doses de vacinas contra a Covid-19 todos os dias.

O Butantan vem tendo problema na entrega das vacinas desde abril. A Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac, está sendo utilizada no programa de imunização chinês, junto com o imunizante da Sinopharm.

Vários países estão recebendo lotes menores que os esperados do IFA (ingrediente farmacêutico ativo), a matéria-prima da vacina, uma vez que o material está sendo direcionado para a própria utilização local na China.

Neste momento, a produção do Instituto Butantan está parada.

A expectativa é a de que um novo lote chegue no sábado (21) ou no máximo domingo (22). As autoridades em Pequim afirmam que já está tudo assinado para que este carregamento seja enviado ao Brasil. Se o avião não chegar com as doses, há de se imaginar que esteja havendo um conflito diplomático mais grave.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Morre Bruno Covas, prefeito de São Paulo, aos 41 anos


Foto: PETER LEONE/ESTADÃO CONTEÚDO

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB-SP), morreu hoje, aos 41 anos. Ele estava em tratamento contra um câncer que surgiu entre o esôfago e o estômago e se espalhou por outras partes do corpo. O tucano estava internado no Hospital Sírio-Libanês, na região central da capital, desde 2 de maio. No dia seguinte, ele foi intubado e levado à UTI (Unidade de Terapia Intensiva) após ter diagnosticado um sangramento no local onde foi constatado o câncer pela primeira vez.

Ele permaneceu um dia na UTI e posou com o filho em 4 de maio para celebrar a melhora. Nos dias seguintes, o prefeito recebeu as visitas do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e do prefeito em exercício Ricardo Nunes (MDB), mas o quadro teve uma piora nesta sexta-feira (14) e Covas não resistiu, deixando um filho de 15 anos. Nunes assumirá a prefeitura em seu lugar.

O tucano descobriu a doença em outubro de 2019 ao ser internado para tratar de uma infecção de pele. O tumor chegou a diminuir em 2020, mas outros reapareceram em novos pontos do fígado em fevereiro deste ano. Em abril, foram identificados também nos ossos. Em 2 de maio, foi internado no Sírio-Libanês, foi levado à UTI no dia seguinte e deixou a unidade em 4 de maio.

Porém, o estado clínico se agravou em 14 de maio. Às 19h30, o boletim médico assinado pelos médicos Luiz Francisco Cardoso e Ângelo Fernandez anunciou que o quadro era irreversível. A morte foi confirmada posteriormente.

Em sua trajetória política, inspirada no avô Mário Covas, o ex-prefeito foi deputado estadual por dois mandatos, deputado federal por dois anos, secretário na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB) no governo de São Paulo e assumiu como vice-prefeito da capital em 2015. Em 2018, Bruno Covas assumiu a prefeitura quando o então prefeito João Doria (PSDB) lançou-se ao governo. Dois anos depois, o prefeito foi reeleito em segundo turno.

Durante a maior parte do tratamento, Covas seguiu à frente da Prefeitura de São Paulo. No ano passado, ele foi diagnosticado com covid-19, mas ainda pôde participar da reta final da campanha eleitoral na qual foi reeleito.

UOL

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia descobre plano milionário de resgate de membros de facção criminosa e do ‘Novo Cangaço’ presos em Alcaçuz

Foto: Pedro Vitorino

Cerca de 30 homens planejavam o resgate de outros 15 que são membros de uma facção criminosa e do chamado ‘Novo Cangaço’ que estão presos no Complexo Penitenciário de Alcaçuz.

O plano que era tratado como ‘espetáculo’ foi descoberto pela Divisão Especializada no Combate ao Crime Organizado (Deicor). A polícia estimou que a ação criminosa custaria aos envolvidos valores entre R$ 3 e R$ 4 milhões, destaca reportagem do jornal Tribuna do Norte.

Pelo menos oito envolvidos no planejamento do ataque já foram presos presos. Também foram apreendidas 21 armas, sendo 7 fuzis, 3 mil munições, coletes, balaclavas e até veículos blindados que seriam usados na fuga. O ataque marcaria a união de uma facção criminosa potiguar com o ‘Novo Cangaço’, cuja especialidade é o ataque à instituições financeiras, assaltando carros fortes e agência bancárias.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Exclusão escolar no RN aumentou 14 vezes durante a pandemia

Foto: Alex Régis

Sem políticas públicas amplas de inclusão digital e assistência para as famílias, 160 mil crianças e adolescentes potiguares tiveram negado seu direito de acesso à educação em 2020. O número representa 24,9% da população potiguar entre 4 e 17 anos. Trata-se de um crescimento expressivo em relação a 2019, no período anterior à pandemia do coronavírus, quando esse índice era de 1,7%, ou 11,9 mil crianças e adolescentes. A exclusão escolar cresceu cerca de 14 vezes no RN entre 2019 e 2020.

A eles, somam-se 5 milhões de estudantes de outros estados do Brasil na mesma situação, aponta o estudo “Cenário da Exclusão Escolar no Brasil – um alerta sobre os impactos da pandemia da Covid-19 na Educação”, lançado no fim de abril pelo Fundo das Nações Unidas pela Infância (Unicef).

O estudo utilizou dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, e tomou como base o mês de novembro de 2020 – nove meses após o começo da pandemia no país e o fechamento das escolas. De acordo com os dados, 1,5 milhão de crianças e adolescentes entre 6 e 17 anos de idade não frequentaram a escola remota ou presencialmente durante aquele mês, e outros 3,7 milhões estavam matriculados, mas não tiveram acesso a atividades escolares.

As regiões Norte e Nordeste lideram os índices. Enquanto o Norte teve 28,4% dos estudantes excluídos, a região Nordeste registrou 18,3% de meninos e meninas nessa situação. O RN supera a média da região e só perde para a Bahia (30,7%) em termos de exclusão no acesso à educação. Veja a matéria completa na Tribuna do Norte.

Opinião dos leitores

  1. Com esse Desgoverno da Fátima Cadeado o índice deve aumentar ainda mais a cada ano que ela estiver no poder.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esporte

Charles do Bronx é o novo campeão peso-leve do UFC; Brasileiro nocauteou Michael Chandler

Foto: Getty Images

Após quase 11 anos e 28 batalhas no octógono, Charles do Bronx tomou para si o cinturão dos pesos-leves do UFC ao derrotar o americano Michael Chandler por nocaute aos 19s do segundo round neste sábado, no UFC 262, em Houston (EUA). Se os recordes na carreira já deixavam o brasileiro na elite do MMA, o cinturão o coloca na família real do esporte no país.

No início do segungo round, Charles do Bronx avançou sobre Michael Chandler e encaixou uma esquerda devastadora. Chandler sentiu e o brasileiro encaixou uma sequência duríssima de golpes, derrubando o americano e forçando o árbitro a encerrar a luta, decretando a conquista do cinturão dos pesos-leves para Charles do Bronx.

Charles é o segundo brasileiro campeão da categoria peso-leve do UFC. O primeiro foi Rafael do Anjos, que foi o detentor do cinturão entre março de 2015 e julho de 2016.

Com informações de GE

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Começa neste domingo pagamento da 2ª parcela do auxílio emergencial; Recebem hoje 2,3 milhões nascidos em janeiro por meio de débito na conta digital

Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

A Caixa Econômica Federal começa neste domingo (16) a depositar o pagamento da segunda parcela do novo auxílio emergencial para cerca de 40 milhões de beneficiários. Recebem hoje 2,34 milhões de pessoas nascidas em janeiro por meio de depósito na conta poupança digital, que pode ser movimentada por aplicativo, para pagamento de boletos, compras na internet e pelas maquininhas em mais de um milhão de estabelecimentos comerciais.

Além disso, há a opção de girar a grana usando o PIX, sistema de pagamentos instantâneo do Banco Central. A única exceção às transações se dá para os casos de transferência para conta de mesma titularidade.

O saque em dinheiro e as transferências para esse grupo serão liberados somente em 31 de maio.

O calendário é dividido em quatro ciclos, de créditos e de saques. Os débitos da primeira parcela terminam nesta segunda-feira (17), para nascidos em dezembro. Já os beneficiários do Bolsa Família começam a receber a segunda parcela de acordo com o calendário habitual do programa, que em maio tem início nesta terça-feira (18).

A nova rodada de repasses começou em abril e terminará em julho, e cada uma das quatro cotas terá valor médio de R$ 250. Mulheres chefes de família receberão R$ 375 e pessoas que vivem sozinhas, R$ 150. O total de beneficiados no primeiro ciclo atingiu 39,1 milhões de pessoas, menos do que s 45,6 milhões estimados inicialmente pelo Ministério da Cidadania.

Além daqueles contemplados via aplicativos e meios digitais e os inscritos no CadÚnico, os números também levam em conta os beneficiários do Bolsa Família.

O governo federal explica que os dados são atualizados pela pasta da da Cidadania com informações da Secretaria Nacional do Cadastro Único e da Secretaria Nacional de Renda de Cidadania.

Neste ano não foi aberto novo cadastro para quem ficou de fora do programa em 2020, mas agora precisaria da ajuda. Serão beneficiadas somente pessoas que já estavam cadastradas pelo Cadastro Único, pelo aplicativo da Caixa ou Bolsa Família.

O auxílio emergencial 2021 é limitado a uma pessoa por família, com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 550) ou renda mensal total de até três salários mínimos (R$ 3.300).

Mais sobre o benefício

Desde 2 de abril, as pessoas que se inscreveram pelos meios digitais da Caixa e os integrantes do Cadastro Único do governo federal podem conferir se têm direito a receber o benefício pelo site www.cidadania.gov.br/auxilio. Para quem teve o cadastro negado nesta data, o prazo para contestar a decisão já terminou.

As estimativas apontam que os novos pagamentos vão injetar R$ 44 bilhões na economia nacional. Desta vez, no entanto, o impulso para conter um tombo maior da economia em 2020 será usado por 98% dos moradores de favelas no Brasil para a compra de alimentos.

Confira o calendário da 2º parcela com as datas de crédito no Caixa Tem abaixo:

 

Confira o calendário da 2º parcela com as datas para saque:

R7

Opinião dos leitores

  1. Hô Véio Bom da gota serena é o Presidente Bolsonaro.
    O Véio é bruto e tem o CUNHÃO rôxo.

  2. Ô blz, vou receber 150 conto, vou comprar um botijão de gás por 100 conto e com os 50 conto restante , vou pagar a luz, a água, o aluguel e fazer a feira do mês e o que sobrar eu coloco na poupança . Ô presidente bom

    1. Isso é um auxílio! Não é um salário! Agora va pedir p sua governadora reabrir a economia e vc TRABALHAR ! E deixar de mamar nas tetas do estado

    2. A Governadora Fátima Cadeado deu algum auxílio ou algum incetivo, descontos ou isenção de algum imposto? Para de falar merda.

    3. Esse aí, é um zero a ESQUERDA! kkkkkkkkkkkkkkkkk

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Após reclamar de barulho, homem é morto no quintal de casa, em Niterói (RJ)

A Polícia do Rio de Janeiro investiga a morte de um homem após discussão com traficantes em Niterói, na região metropolitana da capital. O fotógrafo Thiago Freitas de Souza, 32, foi baleado na cabeça depois de reclamar que o barulho na vizinhança atrapalhava o sono de sua filha de cinco anos.

A discussão começou por volta das 6h deste sábado (15), em uma região conhecida como Morro do Santo Cristo, na zona norte da cidade. A esposa da vítima já havia feito uma primeira reclamação, mas o barulho continuou.

Thiago saiu para reforçar o pedido e foi baleado. Sua esposa contou à polícia que ouviu o disparo e, ao sair de casa, encontrou o marido caído no quintal. Ele chegou a ser levado ao hospital e operado, mas não resistiu.

A Polícia Militar diz que policiais do 12º BPM (Batalhão de Polícia Militar) foram ao hospital verificar a entrada de homem com ferimentos provocados por arma de fogo e encaminharam a ocorrência para a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo.

A Polícia Civil diz que instaurou inquérito para esclarecer a morte. “Diligências estão sendo realizadas e a investigação está em andamento”, afirmou, em nota.

A região convive com uma disputa entre facções rivais pelo controle do tráfico de drogas. A plataforma Fogo Cruzado registrou troca de tiros na região na quarta (12) e neste sábado, moradores publicaram em redes sociais vídeo com novo tiroteio.

A filha do casal havia completado cinco anos na última segunda (10). ​

FOLHAPRESS

Opinião dos leitores

  1. Não vi nenhuma notinha, mesmo que em letras minúsculas, dos direitos dos manos, Rede dos Bobos, dos artistas, das ONGs, dos PTRALHAS e dos jornalistas lixos repudiando esse ato covarde e pedindo punição a esse crime que vitimou esse rapaz. Se brincar, essa corja que protege bandidos, irão recorrer ao stf (com letras minúsculas mesmo) para impedir da polícia investigar os bandidos coitados. Esse é o país que enaltece a criminalidade.

  2. A culpa foi dele, foi incomodar a recreação de indivíduos oprimidos por uma sociedade burguesa.
    Se tivesse ficado em casa, e reprimisse o choro de sua filha, nada disso teria acontecido. Culpa deste rapaz que não mediu seus atos de revolta.

    Não vejo uma revolta nas mídias por este Ato covarde, ou será que VIDAS DE PESSOAS HONESTAS NÃO IMPORTAM.

  3. Engraçado que a OAB, ONGs e nem tampouco a população vai protestar, fechar comércio, filmar traficantes e dizer quem são os assassinos, ficam tudo caladinhos.

  4. Ainda há quem ache “truculenta” ações da Polícia nessas comunidades.
    Vamos ver se a mídia vai dar apoio pra essa família enluarada.

  5. BG.
    Este nosso País está entregue aos bandidos e as “autoridades” a tudo assistem inertes nos seus tribunais, assembleias, congresso Nacional. Uma vergonha essa omissão e descaso

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Covid: 43% dos idosos acima de 80 anos não receberam 2ª dose da vacina

Com dificuldade de garantir doses de vacina contra a Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus, o Brasil enfrenta incertezas na continuidade da campanha. Além do avanço lento para novos públicos, o Ministério da Saúde não consegue garantir a totalidade de doses para a aplicação do reforço.

 

Um dos exemplos é para o público de 80 anos ou mais. Essa parcela da população começou a ser imunizada entre janeiro e fevereiro. Até a última sexta-feira (14/5), entretanto, dos 4,2 milhões de vacinados nesta faixa, somente 2,4 milhões receberam o reforço — 57%.

 

O dados fazem parte de um levantamento do Metrópoles, com base em dados divulgados na plataforma LocalizaSUS, canal de transparência do Ministério da Saúde.

De forma geral, o país vacinou com duas doses da proteção 47% de todos os públicos já convocados. Ao todo, 34,4 milhões de pessoas receberam a primeira dose, e 16,3 milhões, o reforço.

Outro públicos, que foram convocados depois do início da campanha, também ainda não concluíram a imunização com a segunda dose, como as pessoas entre 70 e 79 anos – em média, 30% ainda não receberam o reforço.

Na última semana, 1.142 cidades enfrentaram dificuldades para aplicar a segunda dose, de acordo com a Confederação Nacional de Municípios (CNM). Além da escassez do insumo, a baixa procura de parcelas dos grupos prioritários também prejudica o panorama. “A Coronavac é a vacina esperada por 92% dos municípios que relataram a falta de imunizante para concluir o esquema vacinal daqueles que já tomaram a primeira dose”, frisa a entidade municipalista.

A comunidade médico-científica é categórica: a imunização deve seguir o prazo do fabricante e somente duas doses garantem a imunização (nas vacinas que vêm sendo aplicadas no Brasil). “O impacto [da não aplicação da segunda dose no prazo devido] é que a imunidade fica reduzida, permitindo que a pessoa se contamine mais facilmente. Já se tem casos também de pessoas que foram a óbito entre a primeira e a segunda doses”, explica Breno Adaid, coordenador do mestrado profissional em Administração do Centro Universitário Iesb e pós-doutor em ciência do comportamento pela Universidade de Brasília (UnB).

Desde o início da pandemia, o especialista monitora o ritmo de infecções e de vacinação. Para ele, o governo precisa realizar uma campanha educativa. “Tem faltado campanha para tudo, até por que, anteriormente, o foco [do governo] era vacinar o mais rapidamente todo mundo sem pensar em segunda dose. Após isso, essa campanha nunca veio”, defende.

Em abril, o Ministério da Saúde determinou que as secretarias estaduais de Saúde aplicassem o maior volume possível de doses, sem guardar reserva técnica para o reforço. A pasta tomou a medida confiando que receberia lotes maiores de doses ao longo das semanas seguintes, o que não aconteceu.

Versão oficial

Segundo o Ministério da Saúde, semanalmente a pasta coordena reuniões com as gestões de saúde estaduais e municipais para definir a orientação adotada a cada nova distribuição, para o cumprimento da imunização. “Essas recomendações são divulgadas nos Informes Técnicos, que orientam o percentual que deverá ser administrado como primeira e segunda dose para que os intervalos sejam respeitados”, explica a pasta, em nota. A entrega de doses obedece as previsões de entrega dos laboratórios.

Na última sexta-feira, o Ministério da Saúde começou a distribuição de mais 999,4 mil doses da Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan — a ultima antes da paralisação por falta de insumos para a produção.

O lote, segundo o governo, é destinado para ajuste no esquema ou continuidade do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19. “As Unidades Federativas poderão utilizar o quantitativo para segunda dose, para completar os esquemas vacinais, ou para seguir com a vacinação de grupos prioritários, desde que façam a reserva para a segunda dose”, adianta a pasta.

METRÓPOLES

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Biden usará voo para deportação em massa de brasileiros dos Estados Unidos, como Trump

Os Estados Unidos estão prestes a enviar ao Brasil o primeiro voo fretado de imigrantes brasileiros deportados desde o início do governo de Joe Biden. Na quinta-feira, cerca de 130 brasileiros serão mandados de volta, segundo três fontes que acompanham as questões imigratórias americanas. Os voos fretados com deportados ao Brasil tornaram-se frequentes no governo de Donald Trump, como marca de uma contestada política e de uma retórica anti-imigração.

Parte dos imigrantes acredita, no entanto, que Biden tratará melhor os indocumentados e há relatos nesta linha. Por isso, o fluxo dos que chegam ilegalmente pela fronteira com México aumentou. Autoridades que acompanham o tema e organizações de apoio aos imigrantes têm relatado o crescimento do contingente de brasileiros nessa situação.

O número, segundo estimativas feitas por pessoas que lidam com a questão no dia a dia, é equivalente ou até superior ao patamar registrado em 2019, quando a imigração ilegal por brasileiros bateu recordes.

O total de brasileiros que chegaram aos EUA ilegalmente começou a crescer em 2015, mas ainda se mantinha em patamares baixos. O grande pico nas apreensões pela Patrulha de Fronteira dos EUA (CBP, sigla em inglês) aconteceu em 2019, quando chegou a 18 mil casos – no ano anterior,haviam sido 1,6 mil.

No ano passado, as travessias caíram em razão dos bloqueios de viagem durante a pandemia e à política estabelecida pelo governo Trump. Para diplomatas, há um fluxo reprimido de imigrantes que agora fazem a travessia a pé.

No ano passado, Trump incluiu os brasileiros no protocolo conhecido como “Fique no México”, que remetia ao país vizinho automaticamente aqueles estrangeiros sem documentos apreendidos pelo serviço de fronteira, para que esperassem fora do país pela análise dos pedidos de asilo. Antes, os brasileiros aguardavam em solo americano pela decisão dos tribunais de imigração.

Segundo organizações que acompanham o tema e fontes do governo brasileiro, ao menos 30 menores de idade cruzaram a fronteira americana sozinhos ou acompanhados de adultos que não são seus responsáveis legais – e estão sob custódia americana. Há brasileiros menores de idade em abrigos no Texas, na Califórnia e em Illinois.

Em 2018, auge da crise diplomática provocada pela separação de famílias, 49 crianças brasileiras ficaram em abrigos. Além de menores, há atualmente adultos e famílias inteiras chegando aos EUA pelo México. Só em dois abrigos para famílias em El Paso, no Texas, há cerca de 300 brasileiros atualmente.

“Os brasileiros entenderam que a fronteira estaria aberta, que eles poderiam entrar, com a mudança de governo nos EUA. Provavelmente, é a narrativa que está sendo contada no Brasil pelos coiotes. E, infelizmente, a situação no Brasil piorou. Eles vêm com a esperança de trabalhar aqui, se sustentar e de que haverá uma reforma imigratória”, afirma Heloísa Galvão, coordenadora do Grupo Mulher Brasileira.

Na campanha eleitoral, Biden prometeu trabalhar para regularizar a situação dos imigrantes ilegais que vivem hoje nos EUA, dar tratamento digno aos que chegassem pela fronteira e não deportar estrangeiros nos 100 primeiros dias de governo.

A organização coordenada por Heloísa Galvão fica em Boston, região onde está a maior comunidade de imigrantes do Brasil nos EUA. Ela recebe ligações e pedidos de ajuda dos recém-chegados ou dos parentes de imigrantes detidos diariamente.

“A viagem não é o reino encantado que vendem para eles no Brasil. O governo americano está distribuindo as pessoas que chegam para vários lugares do país, porque estão com os centros de detenção lotados”, afirma Heloísa.

Segundo fontes com acesso aos trâmites de deportação, o voo só não partiu antes dos EUA porque autoridades americanas discutiam como providenciar o teste negativo de covid-19 para todos os brasileiros que serão deportados. Desde 30 de dezembro, todos os passageiros que entram no Brasil precisam apresentar um exame PCR.

Itamaraty não respondeu à reportagem do Estadão sobre o voo, mas afirmou que já foi informado sobre o caso e as autoridades consulares brasileiras nos EUA estão prestando assistência às famílias.

Ainda de acordo com a chancelaria, por meio de suas repartições consulares nos EUA, “o governo presta toda a assistência possível a brasileiros privados de liberdade em solo americano, respeitando os tratados internacionais vigentes, como a Convenção de Viena sobre Relações Consulares, e a legislação local”.

O questionamento sobre o voo foi enviado à agência de Imigração e Alfândega dos EUA (ICE), à CBP, ao Departamento de Segurança Interna, ao Departamento de Estado americano, à Embaixada dos EUA em Brasília e à Casa Branca, que não responderam à reportagem. O CBP encaminhou dados mensais referentes às apreensões na fronteira em abril, que especificam o número de brasileiros que entraram ilegalmente.

ESTADÃO

Opinião dos leitores

  1. Ilusão ir clandestino para os EUA. Ficar longe da família, se escondendo o tempo todo, não poder usar o sistema de saúde(que não é gratuito como no Brasil), zero garantia de chegar lá e conseguir um emprego e etc.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Brasil atinge 38,5 milhões de vacinados contra a covid, mais de 18% da população

O número de pessoas vacinadas com ao menos uma dose contra a covid-19 no Brasil chegou neste sábado, 15, a 38.596.357, o equivalente a 18,23% da população total. Nas últimas 24 horas, 275.933 pessoas receberam a primeira dose da vacina, de acordo com dados reunidos pelo consórcio de veículos de imprensa junto a secretarias de 20 Estados e Distrito Federal.

Entre os mais de 38 milhões de vacinados, 19.094.815 receberam a segunda dose, o que representa 9,02% da população com a vacinação completa contra o novo coronavírus. Nas últimas 24 horas, 102.933 pessoas receberam essa dose de reforço. Somando as vacinas de primeira e segunda dose aplicadas, o Brasil aplicou 378.866 imunizantes neste sábado.

ESTADÃO

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *