Boulos, candidato à Prefeitura de São Paulo, é diagnosticado com Covid-19

Foto: TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO CONTEÚDO

O candidato à Prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos (PSOL), foi diagnosticado com Covid-19 nesta sexta-feira (27). Segundo nota da campanha, ele não apresenta qualquer sintoma da doença.

Boulos vai seguir a quarentena pelo período necessário, diz a nota enviada pela assessoria. Boulos participaria do debate da Rede Globo ao lado do seu oponente no segundo turno, Bruno Covas (PSOL). Com a informação de que ele está com Covid-19, a emissora cancelou o debate.

O candidato do PSOL fez o teste para o coronavírus porque, na segunda-feira, a campanha foi informada que a deputada Sâmia Bonfim, também do PSOL, que esteve com ele em agenda pública na semana passada, havia testado positivo. “No encontro, Boulos e Sâmia seguiram todas as medidas sanitárias recomendadas, como uso de máscaras e álcool em gel”, diz a nota.

A campanha diz ainda que o candidato suspendeu as agendas de rua nessa última semana de campanha. “Seguindo as orientações do Ministério da Saúde, Guilherme Boulos suspendeu as atividades de rua, dedicou-se a agendas em locais reservados e com público restrito, sempre resguardando as recomendações sanitárias, e fez o teste RT-PCR”, diz o texto.

“Diante do resultado positivo, Guilherme Boulos irá cumprir o protocolo de quarentena pelo período necessário. Toda a equipe que trabalha na campanha e que tem contato próximo com o candidato será testado a partir de agora”, diz a nota.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. João Macena disse:

    Desejo que Guilherme Boulos, se cure da covid 19. Que a Erudina, e ninguém da equipe, tenha se contaminado. E, quê Bruno Covas, seja reeleito prefeito de São Paulo. Simples assim. João Macena.

  2. Sandro disse:

    Ele teve contato com uma infectada e não fez o isolamento
    Canalbice

  3. Joao V disse:

    Espero que tenha tido contato com a vêia Erundina, amém 🙌🏻

    • Everton disse:

      Ofender uma senhora de 84 anos é uma ótima demonstração de seu caráter.

  4. Joao V disse:

    Coronavirus, faça o seu papel, confiamos em você!!!

    • Pedro Henrique disse:

      Desejando a morte de alguém q luta pelos pobres e trabalhadores? Tu deves ser milionário.

  5. Junior disse:

    Dessa vez eu torço pelo Covid! Que derrube esse invasor de propriedade privada e leve-o para longe da prefeitura.

  6. Calígula disse:

    Mais uma derrota na conta do Boulos fecal.

  7. Vaqueiro Analista disse:

    Melhoras companheiro Boulos, que Deus o proteja.

    • AZ disse:

      Já tem a desculpa da derrota, porque não pode se aglomera pedindo voto igual a Bolsonaro na facada pra não ir aos debates.

    • Francisco disse:

      Ele sabe que os paulistas sabem, querem usar uma arma que insinuam que Bolsonaro usou, só que não tem anti-covismo como tinha o anti-petismo. Ah derrota! Rarará

  8. Vaqueiro Analista disse:

    Futuro Presidente Boulos! 🙏

Prefeitura de Salvador anuncia cancelamento do carnaval em fevereiro de 2021

Foto: Reprodução/Prefeitura de Salvador

A Prefeitura de Salvador anunciou nesta sexta-feira, 27, que o tradicional carnaval da cidade não será realizado em fevereiro de 2021 por causa da pandemia da covid-19. A gestão municipal informou que a nova data ” vai depender da ampla disponibilização da vacina”.

A definição de que a festa foi suspensa foi anunciada pelo prefeito ACM Neto (DEM), que está encerrando seu segundo mandato neste ano. “Jamais eu poderia imaginar que chegaria, a 30 dias do final do meu mandato, tendo que fazer o anúncio que farei: o carnaval de Salvador não acontecerá em fevereiro. O carnaval de Salvador está, neste momento, suspenso. Trabalhei no limite do prazo para a tomada dessa decisão.”

Ele diz que a realização do carnaval está condicionada à imunização da população e que uma nova data não foi definida. “Tudo vai depender de termos ou não uma vacina acessível a todos no Brasil. A possibilidade de o carnaval acontecer em outro momento de 2021 está condicionada à existência de uma vacina acessível a todos. Não há data, neste momento, prevista. Não há prazo estabelecido.”

ACM Neto defende que os prefeitos das maiores cidades brasileiras se reúnam para definir o novo calendário do evento. Na edição de 2020 do carnaval de Salvador, 16,5 milhões de foliões percorreram as ruas em blocos e trios, e acompanharam shows.

O prefeito eleito Bruno Reis (DEM) disse que a decisão foi tomada com base em dados técnicos e científicos. “Vamos tomar as decisões sempre colocando a vida em primeiro lugar. A gente tinha uma data-limite no mês de novembro apresentada pelos grandes responsáveis pela realização do carnaval.”

É OFICIAL: Em função da pandemia do coronavírus, NÃO HAVERÁ CARNAVAL DE SALVADOR EM FEVEREIRO. A nova data vai depender da ampla disponibilização da vacina. O calendário da festa será discutido no momento certo. — PrefSalvador (@PrefSalvador) November 27, 2020

A prefeitura informou que as demais festas populares, como a Lavagem do Bonfim, também não serão realizadas até que a população esteja imunizada.

SP e Rio também suspenderam evento

São Paulo e Rio de Janeiro também já anunciaram que o carnaval de 2021 não será realizado no mês de fevereiro de 2021.

Em julho, o prefeito Bruno Covas (PSDB) informou que o carnaval de rua e os desfiles das escolas de samba de São Paulo seriam adiados para uma data ainda a ser definida em 2021, que poderia ser em maio ou julho.

A Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa), que organiza o desfile das escolas de samba do Rio de Janeiro disse que o evento pode ser realizado em julho do ano que vem.

Estadão

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Soraya disse:

    Isso é muito triste.

  2. Sergio disse:

    Ótimo. Não teremos carnaval. Dá pra passar sem isso. Inclusive sem os feriados.
    Menos mortes, acidentes, doenças, bebedeiras e divórcios.
    Aliás, qual motivo o Brasil tem de se alegrar?

Atividade física regular reduz em 34% o risco de internação por covid-19, conclui estudo brasileiro; saiba quantos minutos são necessários, do moderado ao intenso

Foto: Reprodução/Getty Images

Realizar 150 minutos semanais de atividade física de intensidade moderada ou 75 minutos de atividades intensas reduz o risco de internação hospitalar pela Covid-19 em 34,3%. A conclusão é de um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) publicado recentemente na plataforma preprint MedRxiv.

A equipe, coordenada pelo pesquisador Marcelo Rodrigues, do InCor, avaliou questionários respondidos por 938 pessoas que tiveram Covid-19 e se recuperaram da doença. Destes, 91(9,7%) necessitaram de hospitalização. Os resultados mostraram que as pessoas que praticavam a quantidade recomendada de atividade física por semana, o equivalente a 150 minutos de exercício moderado ou 75 minutos de atividade física intensa, tinham um risco reduzido de hospitalização pela doença.

Além disso, aqueles que praticavam dois ou mais tipos de exercício, como andar de bicicleta e correr, tinham um benefício ainda maior: a redução no risco dessas pessoas foi de 46,2%. A associação permaneceu mesmo após serem contabilizados fatores como idade, sexo, IMC (índice de massa corporal) e doenças pré-existentes.

De acordo com o educador físico, Gustavo Cardozo, pesquisador da Uerj e diretor técnico-científico do Centro de Medicina do Exercício DECORDIS, a prática de 100 minutos de atividade física semanais já apresentou um efeito protetivo. “O estudo mostrou que fazer 20 minutos de exercício, cinco vezes por semana, protege das complicações da Covid-19 até mesmo em pessoas com doenças inflamatórias”, disse Cardozo.

A principal hipótese para esse efeito protetor da atividade física está associada à redução da ECA2, enzima utilizada pelo novo coronavírus para invadir as células. “O exercício físico reduz os receptores de ECA 2 e diminui ações inflamatórias no corpo, que também contribuem para as complicações da Covid-19”, explica Cardozo.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Calígula disse:

    Minha atividade é sexo, faço muito , sou incansável, imbroxável e infalível. Hoje tenho duas na fita, vou ter que escolher entre a loira e a morena, mas a que não der pra hoje amanhã será a da vez. Hô papai, o Véio aqui é danado. Vou já tomar meu tadalafil + long Jack, por que se der tempo pego as duas.

Taxa de transmissibilidade para covid no RN se mantém em 0,69; municípios em zonas de risco e perigo somam 127

Foto: Reprodução/Lais/UFRN

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta sexta-feira (27). O índice que indica o potencial de transmissão da covid 19, a Rt, está em 0,69 no estado como um todo. Nessa quinta-feira(26) também era 0,69.

No Estado, 67 municípios se encontram em zona de risco, enquanto outros 60 estão em zona de perigo. Os dados são do Laboratório de Inovação Tecnológica (LAIS) da UFRN no fim da manhã. VALE DESTACAR que essa taxa tem grande variação ao decorrer do dia, e pode ser conferida a situação em tempo real conforme link no fim do post.

A Taxa de Transmissibilidade, ou Taxa Rt para ser mais simples, é um dos indicadores utilizados para medir a evolução de uma doença endêmica. De forma simples, essa taxa indica quantas pessoas podem ser infectadas a partir de uma pessoa já doente.

Para exemplificar suponha o Rt = 2, isso significa dizer que, estatisticamente falando, uma pessoa doente contaminará duas saudáveis. O ideal então é que esta taxa se mantenha o mais próximo possível de zero.

A partir do momento que ela se mantém constantemente abaixo do valor 1, significa dizer que a doença está em um estado “controlado”.

NÚMEROS EM TEMPO REAL AQUI.

Taxa de ocupação de leitos críticos para covid no RN nesta sexta-feira é de 51,9%; Grande Natal registra 53,3% e Oeste 57,6%

(Foto: Reprodução/Regula/Sesap)

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta sexta-feira (27). Quanto à taxa de ocupação geral das unidades de saúde, os números no fim da manhã mostram 51,9%. Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 184.

Segundo a Sesap, o Seridó registra 32% dos leitos ocupados, seguido da Região Metropolitana(53,3%); e a região Oeste tem (57,6%) – em destaque como o índice mais alto.

COVID: Prefeitura intensifica fiscalização em bares, restaurantes e locais de shows em Natal

Foto: Divulgação Semdes

Bares e restaurantes da zona Sul da capital foram fiscalizados na noite dessa quinta-feira (26), pela Prefeitura do Natal. A medida contou com o apoio do Grupamento de Ação Ambiental da Guarda Municipal do Natal (Gaam/GMN) e reuniu agentes do Procon, da Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) e da Vigilância Sanitária com intuito de averiguar as normas previstas nos decretos de prevenção e combate ao coronavírus na capital.

O coordenador do Gaam/GMN, CGA Isaac Cruz, explicou que a operação tem como foco a observação das medidas sanitárias de adequação à nova realidade de contenção ao contágio do Covid-19. Os bares e restaurantes passam por uma criteriosa avaliação de todos os itens normativos para que o estabelecimento possa abrir as portas e atender a clientela com segurança. “Estamos em um período de fiscalizações intensas em bares, restaurantes e outros estabelecimentos comerciais da nossa cidade, verificando o cumprimento dos decretos e condições de funcionamento. Nesta semana, esse trabalho irá até o domingo”, informou.

Os guardas e fiscais averiguaram desde o distanciamento social, passando pela localização das mesas e cadeiras, acesso ao álcool gel 70% aos clientes, uso de máscaras de proteção por funcionários, utilização de equipamento para aferir a temperatura, entre outras determinações legais. A mesma metodologia está sendo empregada na fiscalização de estabelecimentos que atuam com utilização de música e shows ao vivo. “A Prefeitura sabe que a sociedade não pode relaxar, pois o coronavírus continua contaminando pessoas. Pedimos que os empresários sejam parceiros nessa luta e cumpram sua parte que está estabelecida nos decretos municipais”, solicitou a secretária de Segurança Pública e Defesa Social de Natal, Mônica Santos.

A fiscalização percorreu vários bares e restaurantes na região do bairro de Candelária. Todas as irregularidades encontradas pelas equipes de fiscalização foram notificadas aos responsáveis dos estabelecimentos alvos da ação. A adequação as regras deve ser imediata, caso contrário os locais podem ser punidos com até mesmo interdição e multa.

De acordo com o Decreto Municipal, as fiscalizações do cumprimento legal das normas dos decretos são de responsabilidade da Semdes, Procon, Guarda Municipal do Natal (GMN), Semurb, Semsur e SMS. Denúncias de desrespeito aos decretos podem ser feitas ligando para o telefone 190, do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp), no 3616-9829 (Ouvidoria da Semurb), no horário das 8h às 12h, ou pelo 181 (Disk Denúncia- Polícia Civil).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adalberto disse:

    Hipocrisia pouca é bobagem! A prefeitura não tem moral alguma, pós comícios e eleições, de fiscalizar qualquer local.

    Para sair nas ruas aglomerando e apoiando o prefeito a polícia não interviu, agora quer ter moral para fiscalizar?

    Prefeito Fanfarrão que usou-se da pandemia para se eleger e não teve moral nem ética para evitar aglomeração em seus próprios comícios.

  2. Romero Cezar da Câmara disse:

    Comentei o assunto, por que não foi publicado?

  3. Lucis disse:

    Fiscalizar também escolas privadas.

    • Ricardo disse:

      As escolas privadas vêm sendo fiscalizadas por alguns órgãos, inclusive a PMN. Os bares é que estavam fazendo que queriam e bem entendiam.

  4. Matheus disse:

    Na minha opinião, é vergonhoso a guarda municipal estar fiscalizando se marmanjos estão usando máscara enquanto a criminalidade rola solta na cidade. Eu não tenho nada a ver com quem está bebendo ou deixando de beber na quarentena, então meus impostos não deveriam ser utilizados para isso. Infelizmente, a população elegeu Álvaro Dias em primeiro turno, então esperem que agora o chicote virá

  5. Antônio Soares disse:

    Cacetada. Preparem os hospitais que agora tá chegando o resultado das eleições, que eram " seguras".

  6. Aos Covidiotas disse:

    Desde quando uma "máskra" protege contra um vírus mortal???

  7. Calígula disse:

    Demagogia pura do prefeito Álvaro Dias.
    Nas campanhas eleitorais estava tudo liberado, liberou geral e no povo levou foi pau.

    • Pixuleco disse:

      Aqueles rapazes musculosos que estavam no bugre eram todos seus sobrinhos ? Ou eram afilhados ? Povo alegre heim ? 🧐 Hummmmm
      Aí Papai ! Muito hipoglicemia em Imperador ? Num sol daquele !

  8. João disse:

    Na campanha política não tinha fiscalização

    • Nunes disse:

      Nem precisa fiscalizar nada ,basta as pessoas usarem o bom senso ,quem quiser contrair o vírus que ande sem máscara vá farrear,Se aglomeram,quem não quiser contrair tomem os cuidados que todos sabem quais são.

DANDO EXEMPLO: Isolado em Xerém, Zeca Pagodinho resiste às rodas de samba: ‘Melhor esperar a vacina’

Foto: Divulgação

Se perguntarem neste momento a Zeca Pagodinho para quem — ou sobre o quê — fazer sambas hoje em dia, quando o Brasil completou oito meses de pandemia da Covid-19, a resposta será exaltada. Com saudades de fazer shows e encontrar seu público, o sambista, que em maio dizia se sentir “um siri na lata” quarentenado no apartamento da Barra da Tijuca, se mandou com a família para o seu famoso sítio em Xerém. De lá, ele pergunta, quase indignado:

— Como é que eu vou compor? Falando do quê? Precisa chegar a vacina para a gente falar dela. A vacina vai dar uns 10 sambas! — diz por telefone o cantor e compositor, que lança esta sexta-feira no streaming uma versão comemorativa de “Samba pras moças”, álbum que, há 25 anos, marcou a virada de uma carreira que andava meio sem rumo.

— É melhor esperar (a vacina), porque as pessoas não respeitam (o distanciamento social). Vê aí quantas imagens aparecem de gente nos bares? Ou o cara morre na rua ou em casa. Porque como é que vai ficar em isolamento na favela numa casa em que moram oito pessoas, como é que fica? Só Deus mesmo.

Ao GLOBO, Zeca fala de seu cotidiano em Xerém, lamenta a perda de pessoas próximas vitimadas pela Covid e revisita a construção de um dos seus álbuns mais aclamados, que marcou uma virada na carreira.

Com O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    Quem tem condições financeiras, que faça sua quarentena. A maioria não tem condições de parar. Ou trabalha, ou morre de fome.

  2. Tarcísio Eimar disse:

    Exemplo de artista consciente. Continua tomando sua gela em casa. Esse é o ZP

  3. Calígula disse:

    Eu tbm me isolo, tomo minha cerveja com tira gosto de camarão, vinho com queijos, minha caipirinha com feijoada, faço minhas caminhadas na praia dia de semana e evito aglomerações. Só me aglomero com mulheres.

Taxa de transmissibilidade para covid no RN é de 0,69; municípios em zonas de risco e perigo somam 127

Foto: Reprodução/Lais/UFRN

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (26). O índice que indica o potencial de transmissão da covid 19, a Rt, está em 0,69 no estado como um todo. Nessa quarta-feira(25) era 0,63.

No Estado, 67 municípios se encontram em zona de risco, enquanto outros 60 estão em zona de perigo. Os dados são do Laboratório de Inovação Tecnológica (LAIS) da UFRN no fim da manhã. VALE DESTACAR que essa taxa tem grande variação ao decorrer do dia, e pode ser conferida a situação em tempo real conforme link no fim do post.

A Taxa de Transmissibilidade, ou Taxa Rt para ser mais simples, é um dos indicadores utilizados para medir a evolução de uma doença endêmica. De forma simples, essa taxa indica quantas pessoas podem ser infectadas a partir de uma pessoa já doente.

Para exemplificar suponha o Rt = 2, isso significa dizer que, estatisticamente falando, uma pessoa doente contaminará duas saudáveis. O ideal então é que esta taxa se mantenha o mais próximo possível de zero.

A partir do momento que ela se mantém constantemente abaixo do valor 1, significa dizer que a doença está em um estado “controlado”.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. pereira disse:

    Muito SPRAY de PIMENTA e CASSETE, com certeza baixa essa Taxa de transmissão do covid-19. pois esse povo inconsequente ficarão dentro de casa. Determinação, Coragem e Vontade politica, igual à Isolamento e Distanciamento Social e Uso Obrigatório de Mascaras. PAU E PIMENTAS NELES.

    • Severino disse:

      Projeto de ditador.

    • Ricardo disse:

      Se tranque sozinho. Produza seu próprio alimento e energia. Capte a sua própria água. Deixe os outros responderem por seus atos. O resto é faniquito

  2. PEDROCA É BICHA VÉIA disse:

    E os casos só aumentando…

Taxa de ocupação de leitos críticos para covid no RN nesta quinta-feira é de 48,9%; Grande Natal registra 50,9% e Oeste 57,6%

(Foto: Reprodução/Regula/Sesap)

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quinta-feira (26). Quanto à taxa de ocupação geral das unidades de saúde, os números no fim da manhã mostram 48,9%. Pacientes internados em leitos clínicos e críticos somam 181.

Segundo a Sesap, o Seridó registra 20% dos leitos ocupados, seguido da Região Metropolitana(50,9%); e a região Oeste tem (57,6%) – em destaque como o índice mais alto.

COVID-19: Análise em cima de série de estudos destaca efeitos positivos da ivermectina e confirma eficácia no tratamento precoce ou logo após o aparecimento de sintomas

Foto: Getty Images

Estudos significativos sobre o uso de ivermectina para COVID-19 mostram o tamanho do efeito e o valor associado para resultados em comparação com um grupo de controle. Conforme análise, a ivermectina é eficaz contra o novo coronavírus.

Em cima da interpretação de estudo (em destaque na íntegra no fim do post) disponibilizado nesta quinta-feira(26), 100% das análises relatam efeitos positivos. A probabilidade de um tratamento ineficaz gerar resultados tão positivos quanto os 19 estudos até o momento é estimada em 1 em 524 mil (p = 0,0000019).

“O tratamento precoce é mais bem-sucedido, com uma redução estimada de 91% no efeito medido usando uma meta-análise de efeitos aleatórios, RR 0,09 [0,02-0,40]”, diz introdução.

A introdução do estudo ainda destaca que 100% dos 8 Ensaios Controlados Randomizados (RCTs) relatam efeitos positivos, com uma redução estimada de 72% no efeito medido usando uma meta-análise de efeitos aleatórios, RR 0,28 [0,13-0,59].

“Também foi realizada uma análise simples da distribuição dos efeitos do estudo. Se o tratamento não fosse eficaz, os efeitos observados seriam distribuídos aleatoriamente (ou mais provavelmente negativos se o tratamento fosse prejudicial). Podemos calcular a probabilidade de que a porcentagem observada de resultados positivos (ou superior) possa ocorrer devido ao acaso com um tratamento ineficaz (a probabilidade de> = k caras em n lançamentos de moeda ou o teste de sinal unilateral / teste binomial). A análise do viés de publicação é importante e podem ser necessários ajustes se houver um viés para a publicação de resultados positivos”.

A Figura em destaque(abaixo) mostra os estágios de possível tratamento para COVID-19. A Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) refere-se a tomar medicamentos regularmente antes de ser infectado, a fim de prevenir ou minimizar a infecção. Na Profilaxia Pós-Exposição (PEP), a medicação é tomada após a exposição, mas antes que os sintomas apareçam. O Tratamento Precoce refere-se ao tratamento imediatamente ou logo após o aparecimento dos sintomas, enquanto o Tratamento Tardio se refere ao tratamento mais tardio.

Foto: Reprodução

Discussão

A publicação é frequentemente enviesada para resultados positivos, que precisaríamos ajustar ao analisar a porcentagem de resultados positivos. Para ivermectina, atualmente não há dados suficientes para avaliar o viés de publicação com alta confiança. Um método para avaliar o viés é examinar estudos prospectivos e retrospectivos. É provável que estudos prospectivos sejam publicados independentemente do resultado, enquanto estudos retrospectivos são mais propensos a exibir viés. Por exemplo, os pesquisadores podem realizar análises preliminares com esforço mínimo e os resultados podem influenciar sua decisão de continuar. Os estudos retrospectivos também fornecem mais oportunidades para as especificações da extração de dados e ajustes para influenciar os resultados. Embora alguns efeitos não sejam estatisticamente significativos quando considerados isoladamente, atualmente todos os estudos com ivermectina relatam efeitos positivos. Notamos que 12 dos 19 estudos são estudos prospectivos.

As metanálises típicas envolvem critérios de seleção subjetivos, regras de extinção de efeitos e avaliação do viés do estudo, que podem ser usados ​​para desviar os resultados em direção a um resultado específico. Para evitar vieses, incluímos todos os estudos e usamos um método pré-especificado para extrair os resultados de todos os estudos. Notamos que, atualmente, para a ivermectina, seria uma forma extrema de escolha seletiva por meio de critérios de seleção, regras de extração de efeito e / ou avaliação de viés, a fim de evitar um resultado positivo estatisticamente significativo.

Conclusão

A ivermectina é um tratamento eficaz para COVID-19. A probabilidade de um tratamento ineficaz gerar resultados tão positivos quanto os 19 estudos até o momento é estimada em 1 em 524 mil (p = 0,0000019). O tratamento precoce é mais bem-sucedido, com uma redução estimada de 91% no efeito medido usando uma meta-análise de efeitos aleatórios, RR 0,09 [0,02-0,40].

Íntegra de estudo pode ser conferida em https://ivmmeta.com/#fig_treatment.

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. José Macedo disse:

    A resposta para esses tipos de tratamento sem " DADOS CIENTIFICOS" é, toma quem quiser, se você quer pelo menos tentar diminuir o efeito do vírus tome ele e outros, se não quiser por não acreditar em nenhum medicamento porque não tem nada comprovado cientificamente, aguarde a tubalina e boa sorte.

  2. Arthur Santana disse:

    O estudo é bom pra quem não entende de pesquisa, porque pela discussão você já vê que trata-se de um amontoado de estudo sem qualidade. Na ciência, quando não se tem evidências suficiente a hipótese é numa!
    Xau.

  3. Rebecca disse:

    Kkkkk… Milhares de pessoas morrendo mundo e o município de Natal com todo conhecimento da cura.
    Vacina pra quê???
    Kkkkkkk…

  4. Luciano Brito disse:

    Não tome e fique em casa, você só vai ao hospital pelas mãos dos outros.

  5. ricardo disse:

    Marca Bruno Araújo aí e as pessoas que ele convenceu a não tomar (e se lascaram)

  6. Antonio Turci disse:

    Ivermectina para todos. Vantagem: o vírus pode até entrar. Mas não mata.

  7. N Oliveira disse:

    Este estudo foi publicado em periódicos e revisado por pares? É apenas enas uma revisão, na verdade um amontoado de estudos e relatos de casos, sem qualidade suficiente para estabelecer a eficácia da Ivermectina. Não muda nada em relação ao que já tínhamos. Não há um estudo clínico de qualidade (randomizado e controlado) mostrando eficácia dessa medicação.
    A maioria das pessoas se recupera de Covid com ou sem Ivermectina. Por outro lado, nas UTIs Covid há pacientes muitos que fizeram uso desse fármaco.

  8. Inácio Boulos disse:

    Não tomem o remédio do Bôzo. Fiquem em casa. Inclusive fique em casa o resto a gente ver depois!

  9. Gustavo disse:

    Só procure atendimento médico em caso de falta de ar. Foi o que disse o antigo ministro da saúde, com ampla divulgação e apoio dos cientistas midiaticos e o pessoal da esquerda fique em casa.

  10. Pepe disse:

    A sociedade de infectologia do Brasil e dos EUA têm que analisar os dados e defenir uma posicão,a priori o estudo foi feito,com ampla bibliografia.

  11. Santos disse:

    Eu já sabia! Aqui em casa, todos tomamos preventivamente. Zero infecção (Ou, se alguém foi contaminado, zero sintomas).

    • Maria disse:

      Qual é a posologia para covid ?
      Obrigada.

    • Santos disse:

      Posologia Ivermectina:
      Como prevenção: 1 comprimido 6mg para cada 30 kg de peso. Repetir 30/60 dias.
      Crianças com menos de 30 kg não devem tomar. Grávidas e mães que amamentam devem consultar seu médico antes.
      Como tratamento precoce, procurar orientação médica, pois, além da Ivermectina, os médicos (com algumas variações) estão receitando também Hidroxicloroquina, antibiótico, anti-inflamatório, anticoagulante, suplementos de Vitaminas C, D e Zinco, etc

  12. PEDRO VERDADEIRO. disse:

    Difícil fazer com que alguns doutores saibam. interpretar essa matéria, fazer o que? Se para alguns doutores, ávidos por exposição na mídia, isso é difícil, imagine para os Pixulecos, touros tungoes E Manoeis Manes da vida, todos interesseiros ou burros mesmo.

  13. Chico 200 disse:

    Lógico que isso tinha salvado a vida de milhões de pessoas, se não fosse a questão política, inclusive, do "maneta" .

Pfizer inicia as tratativas para registro na Anvisa da vacina contra a covid no Brasil

Foto: Brendan McDermid-29.jul.2019-Reuters

Na tarde desta quarta-feira (25), técnicos da Pfizer se reuniram com a Anvisa para dar início ao processo de registro da vacina contra a Covid-19 no Brasil.

Segundo a apuração da CNN, no encontro, os técnicos da farmacêutica começaram a apresentar os primeiros documentos para que o imunizante possa ser utilizado no país.

Havia a expectativa que o pedido de registro no Brasil só ocorresse após a aprovação na FDA- Agência reguladora americana, mas os técnicos da Pfizer decidiram antecipar as tratativas com o governo.

Representantes da Pfizer se reuniram com integrantes do Ministério da Saúde na semana passada. Após o encontro, os técnicos do governo federal encaminharam uma série de questionamentos às farmacêuticas.

A CNN apurou que o Ministério trabalha para já deixar registrado nas tratativas de compra das vacinas da Pfizer a logística de distribuição do imunizante em áreas de difícil acesso do país.

A preocupação da pasta leva em conta o armazenamento e o transporte da vacina, uma vez que o imunizante precisa de uma temperatura específica para se manter eficaz e seguro.

Uma das condições estabelecidas pelo Ministério da Saúde para a compra é que a vacina seja aprovada pela Anvisa.

Os principais entraves para o fechamento do acordo com a Pfizer são a dificuldade de transporte e armazenamento do imunizante, que precisa ficar a -70 graus Celsius.

A farmacêutica, porém, já apresentou uma solução, que, segundo CNN apurou, foi bem recebida pelo Ministério da Saúde.

A vacina seria transportada e conservada em uma caixa térmica com gelo seco, na temperatura adequada.

Há preocupação, no entanto, com a logística de distribuição do imunizante no interior do país, principalmente nas áreas de mais difícil acesso no Norte e no Nordeste.

A Pfizer já anunciou que fechou acordo com mais de 30 países para o fornecimento de doses da vacina. Entre eles estão Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Japão. Na América Latina, Peru, Chile e Equador devem receber os primeiros lotes em janeiro.

CNN Brasil

Taxa de transmissibilidade para covid no RN é de 0,63; municípios em zonas de risco e perigo somam 123

Foto: Reprodução/Lais/UFRN

A Secretaria Estadual de Saúde Pública (Sesap) atualizou os números do coronavírus nesta quarta-feira (25). O índice que indica o potencial de transmissão da covid 19, a Rt, está em 0,63 no estado como um todo.

No Estado, 68 municípios se encontram em zona de risco, enquanto outros 55 estão em zona de perigo. Os dados são do Laboratório de Inovação Tecnológica (LAIS) da UFRN no fim da manhã. VALE DESTACAR que essa taxa tem grande variação ao decorrer do dia, e pode ser conferida a situação em tempo real conforme link no fim do post.

A Taxa de Transmissibilidade, ou Taxa Rt para ser mais simples, é um dos indicadores utilizados para medir a evolução de uma doença endêmica. De forma simples, essa taxa indica quantas pessoas podem ser infectadas a partir de uma pessoa já doente.

Para exemplificar suponha o Rt = 2, isso significa dizer que, estatisticamente falando, uma pessoa doente contaminará duas saudáveis. O ideal então é que esta taxa se mantenha o mais próximo possível de zero.

A partir do momento que ela se mantém constantemente abaixo do valor 1, significa dizer que a doença está em um estado “controlado”.

Mundo registra maior nº diário de mortes por Covid, e total de vítimas passa de 1,4 milhão

Vista aérea de um cemitério em Jacarta, na Indonésia, mostra coveiros com roupas de proteção carregar um caixão com uma vítima de Covid durante a pandemia do novo coronavírus — Foto: Willy Kurniawan/Reuters

O mundo registrou um novo recorde diário de mortes por Covid, e o total de vítimas ultrapassou a marca de 1,4 milhão, aponta balanço da Universidade Johns Hopkins nesta quarta-feira (25).

Foram 12.785 óbitos na terça-feira (24), que superaram a marca anterior de 11.840 mortes registradas na sexta-feira (20).

O mundo teve por quatro dias seguidos mais de 11 mil vítimas do novo coronavírus na semana passada, segundo o balanço da universidade. Foram 200 mil novas mortes em 23 dias.

A universidade americana tem um painel em tempo real que monitora o avanço da pandemia em todo o mundo. Ele é abastecido com dados oficiais, que podem ser revisados e alterados.

Nos últimos dias, os Estados Unidos superaram as 250 mil mortes, o Brasil passou de 170 mil óbitos e o México se tornou o quarto país do mundo a ultrapassar a marca de 100 mil vítimas.

País mais afetado do mundo, os EUA registraram 2.146 novas mortes nas últimas 24 horas, o maior número desde 6 de maio. O maior número de vítimas (2.609) foi registrado em de 15 de abril.

Os países com mais vítimas são:

Estados Unidos: 259 mil

Brasil: 170 mil

Índia: 134 mil

México: 102 mil

Reino Unido: 55,9 mil

Itália: 51,3 mil

França: 50,3 mil

Irã: 45,7 mil

Espanha: 43,6 mil

Argentina: 37,3 mil

O mundo também se aproxima dos 60 milhões de casos, segundo a Johns Hopkins. Os países com mais infectados são:

Estados Unidos: 12,5 milhões

Índia: 9,2 milhões

Brasil: 6,1 milhões

França: 2,2 milhões

Rússia: 2,1 milhões

Espanha: 1,5 milhão

Reino Unido: 1,5 milhão

Itália: 1,4 milhão

Argentina: 1,3 milhão

Colômbia: 1,2 milhão

Mapa de casos e mortes por Covid em todo mundo, segundo a Universidade Johns Hopkins, na manhã desta quarta-feira (25) — Foto: Reprodução/jh.edu

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pixuleco disse:

    Ice campeonato para o TONHO DA LUA . Ele deve estar orgulhoso de estar embaixo de Trump . Olhe que Galego é pesado . Aí Papai

COVID-19: Hospitais particulares de Natal têm aumento de internações

Reportagem do portal G1-RN nesta terça-feira(24) alerta a tendência de crescimento no número de internações por Covid-19 no Rio Grande do Norte que segue nesta semana .

Segundo a reportagem, o aumento mais acentuado se dá, principalmente, nos leitos críticos das unidades particulares. Em Natal, alguns hospitais já começam a ter um nível de ocupação de 100% ou próximo disso.

A reportagem ainda destaca que Desde o dia 11 de novembro, o número de internados no estado tem aumentado. A rede privada, que chegou a ter 13 pacientes em leitos críticos no mês de outubro, já registra 60, segundo o boletim epidemiológico da Secretaria do Estado da Saúde Pública (Sesap) de segunda-feira (23).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Santos disse:

    As informações estão aí, expostas, mostrando que tem aumentado o número de ocupações de leitos críticos de uti com pacientes com covid.
    Não vai aparecer ninguém, nenhum médico pra dizer que não é vdd.
    Mas daqui a 2 ou 3 meses, qdo passar td o caos aparecem oportunistas negacionistas de ocasião pra dizer que o que está acontecendo hj é alarmismo.

  2. Luciano Brito disse:

    Agora chegou a vez dos fica em casa, pensavam que não ia contrai o vírus.

  3. Jailson disse:

    E não era só uma gripezinha, fantasia da imprensa?

  4. Elio Cesario disse:

    Dá-lhe covid!!! Eleições 2020 foram bem sucedidas..num foi? RARRAI!!!

  5. Gustavo disse:

    Estão dizendo que a segunda onda tem mais continuações, mas os casos são mais leves. A matéria contradiz o que é dito, una vez que as ocupações estão ocorrendo em leitos críticos.

Com uso de meia dose, vacina de Oxford vai ‘render’ mais e pode imunizar mais 3 milhões em primeiro lote no Brasil

Foto: Divulgação/Oxford University

A descoberta de que uma dose e meia da vacina de Oxford garante uma proteção de 90% contra a covid-19 significa também uma economia para os países que vão utilizar o imunizante, como é o caso do Brasil.

A mudança no esquema de vacinação pode garantir que o Brasil imunize 3 milhões a mais do que o inicialmente previsto. Com isso, cerca de 20,2 milhões poderão ser imunizados com o primeiro lote a ser recebido pelo país.

Por um acaso, os pesquisadores da ChAdOx1, nome dado à vacina, vacinaram erroneamente uma parte dos voluntários com apenas meia dose na primeira aplicação.

Os coordenadores do estudo decidiram continuar com esse protocolo de vacinação no grupo, mas mantiveram a segunda dose completa.

Quando os dados foram analisados, perceberam que esse esquema era o que garantia a proteção em torno de 90%, contra 62% de quem recebeu as duas doses completas.

Os resultados são positivos também para políticas públicas de imunização e diminuição dos custos.

Com o esquema de duas doses completas, seriam necessárias 20 doses para imunizar dez pessoas.

A aplicação de 1,5 dose por pessoa garante que as mesmas 20 doses sejam usadas para vacinar 13 indivíduos.

O governo brasileiro, por meio da Fiocruz, fechou um acordo com a farmacêutica AstraZeneca, detentora dos direitos comerciais da ChAdOx1, para a produção de mais de 100 milhões de doses até o segundo semestre do ano que vem.

As primeiras 30,4 milhões de doses devem estar disponíveis para uso no SUS já no começo de 2021, segundo anúncio feito pelo governo em agosto.

Sendo assim, o que poderia imunizar 17,2 milhões de brasileiros em um primeiro momento servirá para 20,2 milhões.

O professor Andrew Pollard, investigador chefe do estudo da vacina de Oxford, comemorou os resultados.

“Como podemos usar meia dose e obter maior proteção, temos mais doses disponíveis para vacinar as pessoas e seremos capazes de fazer a cobertura [vacinal] mais cedo.”

Parte dos resultados da pesquisa de Oxford já está sendo analisada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), por meio de um processo criado para agilizar os pedidos de registro de vacinas contra a covid-19.

Os dados finais serão encaminhados para o órgão regulador nas próximas semanas para que a agência possa deferir o registro.

R7

Taxa de transmissão da Covid-19 no Brasil é a maior desde maio, aponta Imperial College

Foto: Pilar Olivares/Reuters

A taxa de transmissão (Rt) do novo coronavírus (Sars-CoV-2) para esta semana no Brasil é a maior desde maio, apontam dados do Imperial College de Londres, no Reino Unido. A atualização da estimativa foi divulgada nesta terça-feira (24) e se refere à semana que começou na segunda (23).

O relatório mostra que o índice está em 1,30. Isso significa que cada 100 pessoas contaminadas transmitem o vírus para outras 130 pessoas. Pela margem de erro das estatísticas, essa taxa pode ser maior (Rt de até 1,45) ou menor (Rt de 0,86). Nesses cenários, cada 100 pessoas com o vírus infectariam outras 145 ou 86, respectivamente.

A última vez que a taxa de transmissão no Brasil esteve tão alta foi na semana de 24 de maio, quando atingiu 1,31, segundo dados levantados pelo G1. O valor máximo possível naquela data, considerando a margem de erro, foi de 1,34.

A última vez que a margem de erro considerou uma taxa máxima possível maior do que a vista nesta semana no país foi na semana de 17 de maio – quando o Rt estava, de novo, em 1,30, mas podia chegar a até 1,47.

Os cientistas apontam que “a notificação de mortes e casos no Brasil está mudando; os resultados devem ser interpretados com cautela”.

Simbolizado por Rt, o “ritmo de contágio” é um número que traduz o potencial de propagação de um vírus: quando ele é superior a 1, cada infectado transmite a doença para mais de uma pessoa e a doença avança.

Depois de ficar abaixo de 1 por cinco semanas seguidas – entre o final de setembro e o final de outubro – , a taxa no Brasil voltou a ficar acima de 1 no início de novembro.

Há duas semanas, o número ficou em 0,68, o menor valor desde abril – mas a data coincide com o apagão de dados que atrasou a atualização de casos e mortes por Covid-19 pelo Ministério da Saúde. Como o Rt também considera esses dados, isso afeta as estimativas.

Segunda onda

Na segunda-feira (23), pesquisadores brasileiros divulgaram uma nota técnica na qual, baseados em dados da pandemia do novo coronavírus no Brasil, afirmam que o país vive o “início de uma 2ª onda”.

Eles apontaram ao menos três fatores para o “aumento explosivo” ou “manutenção da grande circulação do vírus”:

falta de “testagem sistemática com rastreamento de casos”;

falta de uma “política central coordenada, clara e eficaz de enfrentamento da situação”;

“afrouxamento das medidas de isolamento sem evidências empíricas, sem uma análise cuidadosa por uma painel de especialistas”.

O Brasil tinha 169.541 mortes por coronavírus confirmadas até as 8h desta terça-feira (24), segundo levantamento do consórcio de veículos de imprensa a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde. O número é o segundo maior do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Taxa maior para São Paulo

Além da estimativa do Imperial College de Londres, pesquisadores brasileiros também monitoram o Rt.

Cientistas da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Estadual Paulista (Unesp) calcularam, para esta semana, um Rt de 1,64 para o estado de São Paulo. Eles preveem um provável aumento no número de infectados no estado.

Dados da Secretaria de Saúde do estado mostram que as internações por Covid-19 voltaram a crescer na última semana – com um aumento de 17% nas internações entre os dias 15 e 21 de novembro. O crescimento veio mesmo após aumento de 18% na semana anterior, de 8 a 14 de novembro.

G1