Especialistas apontam que renúncia do Papa foi motivada por perda de poder

A renúncia do papa Bento XVI ainda vai dar muito o que falar. Ao certo, não sabe-se ainda os motivos que levaram o pontífice a tomar essa decisão inédita, mas fala-se muito em insatisfação com a perda de poder.  Para um dos principais vaticanistas, o italiano Marco Politi, que acaba de publicar um livro sobre o pontificado de Bento XVI, a decisão foi basicamente política.

Em entrevista ao Estado de São Paulo ele apontou que, no fundo, a renúncia de Bento XVI foi sua “única grande reforma” nos oito anos de seu pontificado. Ainda segundo o especialista, a ala mais conservadora da Igreja teria ficado irritadíssima com Bento XVI por conta de sua renúncia, temendo uma “desmistificação” do cargo de papa a partir de agora.

A perda de poder do Papa também foi apontada como o real motivo da renúncia pelo jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, Um dos responsáveis pelas denúncias que deflagraram o escândalo conhecido como “Vatileaks”. Em entrevista à Folha, ele afirmou ainda que a elite administrativa do Vaticano está rachada por intrigas e suspeitas de corrupção.