Vaticano reconhece novo milagre e Irmã Dulce vai virar santa

(Foto: Divulgação)

O Vaticano anunciou nesta terça-feira (14) que a freira baiana Irmã Dulce será proclamada santa. Com o decreto autorizado pelo Papa Francisco reconhecendo um novo milagre atribuído à intercessão de Irmã Dulce, a beata será proximamente proclamada Santa em solene celebração de canonizações. Ainda não há data para a cerimônia.

Religiosa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, a beata Irmã Dulce nasceu em Salvador em 26 de maio de 1914 e ali morreu em 22 de maio de 1992. Irmã Dulce foi beatificada em 22 de maio de 2011, em cerimônia no Parque de Exposições.

O processo da causa da Canonização de Irmã Dulce foi iniciado em janeiro de 2000. Com o início do processo, seus restos mortais, que desde 1992 (ano de seu falecimento) estavam na Igreja da Conceição da Praia, foram então transferidos para a Capela do Convento Santo Antônio, na sede das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), também em Salvador.

A validação jurídica do virtual milagre presente no processo foi emitida pela Santa Sé em junho de 2003. Já em abril de 2009, o Papa Bento XVI reconheceu as virtudes heróicas da Serva de Deus Dulce Lopes Pontes, autorizando oficialmente a concessão do título de Venerável à freira baiana. O título foi o reconhecimento de que Irmã Dulce viveu, em grau heróico, as virtudes cristãs da Fé, Esperança e Caridade.

Leia mais sobre a história de Irmã Dulce aqui

O voto favorável e unânime da Congregação para a Causa dos Santos, que levou ao título de Venerável, havia sido concedido em 2008 e anunciado em janeiro de 2009 pelo colégio de cardeais, bispos e teólogos após a análise da Positio – documento canônico misto de relato biográfico e das virtudes e resumo dos testemunhos do processo. Os teólogos que estudaram a vida e as obras de Irmã Dulce a definiram como a “Madre Teresa do Brasil”, pelas semelhanças do seu testemunho cristão com a Beata de Calcutá, sendo “um conforto para os pobres e um exame de consciência para os ricos”.

No dia 9 de junho de 2010 é realizada a exumação e transferência das relíquias (termo utilizado para designar o corpo ou parte do corpo dos beatos ou santos) da Venerável Dulce para sua capela definitiva, localizada na Igreja da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, situada ao lado da sede da Osid, no Largo de Roma. A Capela das Relíquias foi construída na própria Igreja da Imaculada Conceição, erguida no local do antigo Cine Roma e do Círculo Operário da Bahia, construídos pela freira na década de 40.

Correio 24 horas

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Kiko disse:

    BG quem também está pra virar santo no Brasil, é Lula Temer e o Flávio Bolsonaro. Nunca fizeram nada de errado é invenção da justiça. Kkkkk

    Ha ladrão!!

    • Anti-Político de estimação disse:

      E o pior é que esses 03 "santos" tem muitos devotos que botam a mão no fogo por eles, kkkkk.

    • Realista disse:

      Basicamente, pelo fato de terem feito algumas coisas boas, as pessoas se alienam.

Vaticano diz que Papa recuou mão de beijos de fiéis por ‘questão de higiene’

Reprodução/Youtube

O mistério de por que o Papa Francisco repetidamente recuou a mão direita enquanto uma fila de fiéis se curvava diante dele e tentava beijá-la foi resolvido — o Pontífice queria evitar que germes se espalhassem entre as pessoas presentes, segundo o Vaticano.

— Foi uma simples questão de higiene — ressaltou o porta-voz do Vaticano, Alessandro Gisotti, a jornalistas nesta quinta-feira, após falar diretamente do Papa a respeito.

O caso causou polêmica depois de um vídeo da cerimônia em basílica de Ancona, na Itália, circular pelas redes sociais e pela imprensa. As imagens foram exibidas pelo canal de notícias italiano TGCOM 24 e geraram especulações sobre o comportamento de Francisco e críticas por suposta “falta de respeito” com os católicos.

Gisotti explicou que havia muitas pessoas na fila e, por isso, o Papa não queria que os fiéis compartilhassem germes entre si, no momento em que repetidamente beijassem a sua mão em curtos intervalos de tempo.

— Ele gosta de abraçar pessoas e de ser abraçado por pessoas — destacou o porta-voz.

Gisotti ressaltou que o Papa já permitiu que muitos indíviduos beijassem a sua mão e o seu anel em várias ocasiões, como no dia em que uma freira idosa foi premiada por décadas de serviço em regiões pobres da África.

Críticos especularam que Francisco não queria que as pessoas beijassem o o “Anel do Pescador”, um símbolo oficial do Papa, que estava em um dedo da mão direita.

Alguns observadores do Vaticano pontuaram que o Papa Bento XVI, muito elogiado pela ala mais conservadora da Igreja Católica, e seu antecessor João Paulo II não gostavam de dar as mãos para serem beijadas por fiéis — pelo menos não em situações de longas filas. Um assessor próximo a Francisco confidenciou que o Papa argentino ficou surpreso com a repercussão do vídeo.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marco58 disse:

    jamais Francisco faria isso jamais será contaminado

VÍDEO: Papa acirra polêmica entre alas do Vaticano ao recusar beija-mão

Reprodução/Youtube (Veja vídeo aqui)

Um papa Francisco incomodado e que recusa o beija-mão dos fiéis após uma missa é o novo capítulo da polêmica entre conservadores e progressistas que agita os bastidores do Vaticano.

O vídeo dos cumprimentos após uma celebração em Loreto, cidade a 280 km de Roma, onde o pontífice esteve na segunda-feira (25), ganhou as redes sociais após o evento.

Ao receber os fiéis, Francisco retira a mão quando alguns tentam beijá-la no anel. Ele repete o gesto várias vezes, ficando aparentemente confortável só quando dois jovens não fazem a reverência.

Francisco, como todos os outros papas, recebeu quando eleito o “anel do pescador” (referência a são Pedro, que era pescador e é o padroeiro da categoria), usado na mão direita e um dos símbolos da investidura do poder papal.

O “baciamano”, como se diz no Vaticano, é um antigo ritual de reverência do catolicismo —ao papa e em alguns casos a bispos e cardeais, que também usam o anel como símbolo espiritual.

A recusa em receber os beijos segue a política do argentino à frente do Vaticano.

Eleito há pouco mais de seis anos, Jorge Mario Bergoglio deixou claro seu objetivo de mudar a imagem e a cultura da Igreja Católica, aproximando-a dos fiéis.

Ele já pediu aos seus subordinados no Vaticano para não agirem como “príncipes”.

“O papa não quer ser tratado como um rei. Seu gesto foi explícito nesse sentido”, disse Paolo Rodari, vaticanista do jornal italiano La Repubblica.

Há outros gestos do primeiro papa latino-americano da história na tentativa de desmistificar o cargo e tornar a igreja mais “humana”.

Francisco faz questão de carregar a própria pasta e sempre cumprimenta os membros da Guarda Suíça que o escoltam.

Além do discurso carregado de mensagens de justiça social, o argentino também promoveu mudanças internas —algumas visando reduzir custos e acabar com regalias.

Uma delas foi o fim de um concerto anual realizado em Roma para a elite política, econômica e cultural da Itália, uma tradição do Vaticano por décadas.

Muito menos pomposa, agora a apresentação é aberta aos pobres.

O que chamou a atenção e não escapou das críticas da ala conservadora que faz oposição aberta ao pontífice foram os gestos bruscos ao recusar o beija-mão em Loreto —além de seu visível desconforto.

No vídeo, ele chega a colocar a mão no cotovelo de uma das fiéis para fazê-la sair, logo após driblar um beijo na mão.

O episódio passou a ser usado na atual cruzada contra Bergoglio, alvo de ataques dentro e fora da igreja por sua agenda progressista.

Internamente, o argentino é acusado de desvirtuar os dogmas da tradição católica —o desprezo com o ritual do anel seria um exemplo.

Seu antagonista é justamente o antecessor, o papa emérito Bento 16, referência da ala conservadora da igreja.

O alemão Joseph Ratzinger, que renunciou em 2013 após quase oito anos de pontificado, sempre foi apegado aos rituais clássicos do catolicismo como a comunhão de joelhos e o recebimento das hóstias diretamente na boca.

O site conservador norte-americano Life Site, que se tornou uma espécie de porta-voz da oposição ao argentino, tachou o vídeo de “perturbador” e compartilhou críticas anônimas ao papa.

No passado, o site veiculou dossiês elaborados por cardeais contrários ao argentino sobre temas como o abuso sexual na igreja, um dos temas da agenda de Bergoglio.

O Vaticano não se manifestou. Federico Lombardi, diretor da Fundação Ratzinger e ex-porta-voz de Francisco, minimizou o episódio.

Segundo ele, “o pontífice do encontro” prefere ser abraçado ao antigo beija-mão.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    Taí um fato histórico: é o primeiro papa a não gostar que lhe beijem o anel.

  2. Antonio Turci disse:

    O ato de beijar a mão (anel) do Papa é um sinal de respeito e carinho. Ele está sendo grosseiro em rejeitar um ato tão simples , respeitoso e de muito significado para o fiel católico.

  3. LAMPIÃO disse:

    PERTUBADOR.

  4. LULADRÃO disse:

    Cada vez admiro mais o Papa Francisco. Tem combatido os privilégios e os erros cometidos, principalmente os absurdos sexuais.

  5. Cap_Mor disse:

    Esse Papa é O Papa.

‘Todo feminismo acaba sendo um machismo de saia’, diz Papa em reunião no Vaticano

Foto: GIUSEPPE LAMI/AFP

No segundo dia da reunião “A proteção de menores na Igreja”, que reúne 190 membros do alto clero no Vaticano, o Papa Francisco ouviu o discurso da professora de Direito Canônico, Linda Ghisoni, para em seguida falar sobre a presença dela no encontro, considerado um marco na história da Igreja.

— Convidar uma mulher a falar não é entrar no modo de um feminismo eclesiástico. Porque, no final, todo feminismo acaba sendo um machismo de saia — disse, acrescentando na sequência: — Não. Convidar uma mulher para falar sobre as feridas da Igreja é convidar a Igreja a falar sobre si mesma, sobre as feridas que tem. E isso eu acho que é o passo que devemos fazer com muita força: a mulher é a imagem da Igreja, uma esposa, uma mãe. Um estilo. Sem esse estilo, falaríamos do povo de Deus, mas como uma organização, talvez um sindicato, mas não como uma família parida pela mãe Igreja.

Antes das declarações do Papa, Linda Ghisoni havia feito sua palestra sobre “agir em conjunto”. Tratou da importância da escuta das vítimas e de se romper o silêncio em torno do assunto.

— Como podemos falar de proteção de menores na Igreja, sem considerar as vítimas e suas famílias, sem falar dos abusadores, dos cúmplices, dos negacionistas, dos acusados injustamente, dos negligentes, dos que desviaram os casos, dos que tentaram falar e agir mas foram calados? — questionou ela para responde rem seguida: — Ajoelhados: essa seria a postura adequada para tratar os assuntos destes dias.

O Papa disse que o discurso de Ghisoni era próprio de “uma mãe”, completou que a Igreja mesma “é uma mãe” e saltou para o tema da presença de mulheres instituição:

— Não se trata de dar mais funções à mulher na Igreja. Sim, isso é bom, mas isso não resolve o problema. Trata-se de integrar a mulher como uma figura da Igreja em nosso pensamento. E pensar assim também na Igreja com as perspectivas de uma mulher — conclui o Papa.

O pronunciamento ocorreu na tarde desta sexta-feira, segundo dia do encontro que reúne clérigos de todo o mundo no Vaticano para debater o tema do abuso de menores na Igreja, em meio à escalada de denúncias de casos em diversos países. A reunião, convocada de forma extraordinária pelo Papa Francisco, segue até domingo, entre palestras, falas do Papa e de sacerdotes, orações e grupos de trabalho — que incluem sobreviventes de abusos cometidos por padres.

Já no primeiro dia do encontro, nesta quinta-feira, um vídeo com cinco depoimentos de vítimas foi apresentado aos 190 clérigos. Em relatos emocionados, os sobreviventes contaram suas histórias e pediram que a Igreja tomasse medidas concretas para combater a pedofilia na instituição.

No segundo dia do encontro, o cardeal americano Seán Patrick O’Malley falou sobre a “terrível crise” que atingiu os Estados Unidos, segundo ele, por causa das “omissões” Boston, de onde O’Malley é arcebispo, foi palco de uma série de denúncias de abuso sexual, reveladas pelo jornal Boston Globe. A investigação dos repórteres deu origem ao filme Spotlight, que levou o Oscar de melhor filme em 2016.

— Não há nada mais urgente para a Igreja do que debater os abusos. Em nossa aldeia global, um fato que ocorre numa parte do mundo tem consequências para todos. Por isso devemos nos ajudar e nos apoiar uns aos outros para tornar a Igreja um lugar seguro para todos, especialmente para as crianças — disse O’Malley.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. […] ‘Todo feminismo acaba sendo um machismo de saia’, diz Papa em reunião no Vaticano […]

  2. Ideologia de gênero disse:

    Todo feminismo é amassar bombril e fazer sabão quis dizer a Vossa Santidade Papa Francisco. Querem empurrar nas escolas nas crianças, criancinhas.

ESCÂNDALO: Polícia invade orgia gay de padres regada a drogas no Vaticano, destaca jornal italiano

Um jornal italiano publicou notícia sobre orgia regada a drogas envolvendo um padre importante da Santa Sé. Trata-se de mais um escândalo que a alta cúpula da Igreja Católica terá que enfrentar.

Conforme informações do jornal italiano Il Fatto Quotidiano, do último dia 5 de julho, policiais invadiram um apartamento no Vaticano onde encontraram um padre importante da Santa Sé em meio a uma orgia gay regada a drogas.

A publicação garante que a notícia deixou o Papa Francisco furioso. Luigi Capozzi, assessor do Cardeal Francesco Coccopalmerio, que é presidente de diversas congregações, inclusive do Conselho Pontífice de Textos Legislativos, é apontado como o organizador do bacanal.

Além disso, o imóvel no qual a orgia aconteceu era de Congregação para Doutrina da Fé e Coccopalmerio, que é um dos principais conselheiros do Papa, era um frequentador habitual. Capozzi foi preso, depois que vizinhos chamara a polícia reclamando do entra e sai de pessoas estranhas no local.

Porém, até o momento, nenhuma queixa foi prestada contra o ele, que é monsenhor. Em janeiro, um padre escandalizou a Itália com casos de orgia com nove mulheres. Ele foi descoberto durante uma investigação de violência privada e favorecimento à prostituição.

O jornal italiano também assegura que Coccopalmerio terá de se aposentar mais rapidamente, para diminuir o impacto do escândalo causado pela orgia de seu assessor.

Correio do Estado

http://www.correiodoestado.com.br/brasilmundo/igreja-catolica-enfrenta-novo-escandalo/307259/

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Adalberto disse:

    Meu amigo e assim mesmo o que é sujo pode jogar merda que não faz diferença já e sujo, agora pega uma mosca joque dentro do leite e logo e vista por todos…

  2. Tell disse:

    Que interessante, quer dizer que a punição é a aposentadoria… Que legal, é por isso que esses escrotos não estão nem aí pra religião…

  3. Charles disse:

    Um infeliz desse quando morrer vai direto morar com o homem ruim. Cabra de peia safado.

  4. Tirulipa disse:

    Se fosse um pastor, já tinha aqui um milhão de comentários, mais como e um padre…….. Silêncio…………

Em missa, papa Francisco defende batismo de filhos de mães solteiras

Em missa na Capela da Casa Santa Marta, no Vaticano, o papa Francisco defendeu ontem (25) o batismo de filhos de mães solteiras. “Somos muitas vezes controladores da fé, em vez de facilitadores”, disse o papa ao se referir a algum padre que se recusa a batizar uma criança filha de mãe solteira. “Essa mulher teve a coragem de continuar a gravidez. E o que encontra? Uma porta fechada?”, disse.

“Isso não é zelo, isso é distância de Deus. Quando fazemos este caminho com esta atitude não estamos ajudando o povo de Deus”, acrescentou. “Jesus instituiu sete sacramentos e, com este tipo de atitude, estamos criando um oitavo, o sacramento da alfândega pastoral”, disse.

Antes de ser papa, quando era o arcebispo de Buenos Aires, Jorge Bergoglio incentivava padres e bispos a batizarem as crianças nascidas fora do casamento.

O papa citou durante a missa outro exemplo: um casal de noivos que queria marcar a data do casamento e foi alertado pelo sacerdote de que precisaria pagar enfeites, cantos. Francisco disse que, no caso, o casal encontrou “as portas da Igreja fechadas quase como sinal de impedimento para a união”.

Participaram da cerimônia cerca de 70 pessoas de diversas partes da Itália e de outros países.

Da Agência Brasil

Vaticano anuncia viagem do papa ao Brasil em julho

papa Francisco viajará ao Rio de Janeiro e ao Santuário Nacional Nossa Senhora Aparecida (SP), de 22 a 29 de julho, confirmou nesta terça-feira o Vaticano. Durante a visita, que acontece em razão da XXVIII Jornada Mundial da Juventude (JMJ), o pontífice irá, no dia 24 de julho, a Aparecida para rezar diante da padroeira do Brasil.

O motivo da viagem, que será a primeira do pontífice argentino, eleito em 13 de março, é a XXVIII Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que acontecerá no Rio, e onde são esperados milhares de jovens de todo o mundo. O pontífice deixou de lado programas turísticos como Corcovado e Pão de Açúcar para visitar a comunidade de Varginha, no Conjunto de Favelas de Manguinhos, o Hospital São Francisco de Assis e participar de um encontro no Theatro Municipal.

Vaticano diz que Bento 16 avalia publicar decreto que antecipa conclave

O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, informou nesta quarta-feira que o papa Bento 16 avalia publicar um decreto, chamado Motu Propio, que poderá antecipar o conclave para uma data mais próxima de sua renúncia, prevista para 28 de fevereiro.

“O Papa está levando em consideração a publicação nos próximos dias de Motu Propio para precisar alguns pontos da constituição sobre o conclave. Não sabemos se considerará oportuno abordar o assunto do prazo do início do conclave”, declarou Lombardi.

Dias após a renúncia de Bento 16, integrantes do Vaticano disseram que a escolha do novo pontífice deveria acontecer na segunda quinzena de março. Porém, estava em estudo a antecipação da data, já que não seria necessário cumprir os ritos que acompanham a escolha quando é motivada pela morte de um papa.

Especialistas apontam que renúncia do Papa foi motivada por perda de poder

A renúncia do papa Bento XVI ainda vai dar muito o que falar. Ao certo, não sabe-se ainda os motivos que levaram o pontífice a tomar essa decisão inédita, mas fala-se muito em insatisfação com a perda de poder.  Para um dos principais vaticanistas, o italiano Marco Politi, que acaba de publicar um livro sobre o pontificado de Bento XVI, a decisão foi basicamente política.

Em entrevista ao Estado de São Paulo ele apontou que, no fundo, a renúncia de Bento XVI foi sua “única grande reforma” nos oito anos de seu pontificado. Ainda segundo o especialista, a ala mais conservadora da Igreja teria ficado irritadíssima com Bento XVI por conta de sua renúncia, temendo uma “desmistificação” do cargo de papa a partir de agora.

A perda de poder do Papa também foi apontada como o real motivo da renúncia pelo jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, Um dos responsáveis pelas denúncias que deflagraram o escândalo conhecido como “Vatileaks”. Em entrevista à Folha, ele afirmou ainda que a elite administrativa do Vaticano está rachada por intrigas e suspeitas de corrupção.