Governo do RN orienta população sobre cuidados com manchas de óleo nas praias

Foto: Adema/Governo de Sergipe

O Governo do Rio Grande do Norte, por meio da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), orienta a população quanto aos cuidados que devem ser adotados ao serem encontrados resíduos de óleo em algumas praias do litoral potiguar.

A Sesap ressalta a importância de a população evitar contato direto com a água e o solo nas regiões atingidas pelo óleo, sobretudo os grupos que possuem maior vulnerabilidade, como crianças e gestantes. Quando houver contato com o óleo, mesmo que não haja o surgimento de sintomas, a população deve buscar atendimento médico na unidade de saúde mais próxima.

De acordo com o Ministério da Saúde, os efeitos à saúde decorrentes da exposição aos derivados de petróleo podem se dar de diversas formas, como dor de cabeça, náusea e irritações na pele, em caso de contato com o material, e dor abdominal, diarreia ou vômito, em caso de ingestão.

Para os profissionais que receberão a população que foi exposta a substância, a secretaria de Saúde orienta a necessidade de notificação dos casos suspeitos e/ou confirmados de intoxicação exógena na ficha do Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) e, em caso de surto alimentar, realizar o contato com o Centro de Informação Estratégica em Vigilância em Saúde (Cievs).

A pasta também reforça que o Centro de Assistência Toxicológica do RN (Ceatox) está à disposição da população para tirar dúvidas em casos de exposição ou aparecimento de sintomas por meio dos telefones 0800 281 7005 (das 7h às 18h) e pelos Whatsapps 24h (84) 98125-1247 ou (84) 98803-4140.

Trabalhadores da pesca e voluntários

Os voluntários na Operação “Se chegar a gente limpa” e os trabalhadores da pesca também devem estar atentos aos cuidados necessários para se protegerem contra os efeitos que podem ser provocados pelo contato direto com a substância. É imprescindível a utilização de botas ou calçados impermeáveis, luvas PVC, óculos de proteção, chapéu ou boné, roupa com proteção UVA/UVB e máscaras descartáveis para vapores orgânicos.

A atenção também deve estar voltada para a hidratação (ingestão de água) durante os trabalhos e de não fumar próximo ao local das manchas de óleo.

Ingestão de pescados

Outra recomendação é avaliar os pescados oriundos das áreas atingidas. É necessário observar se possuem manchas, furos ou cortes nas superfícies. O ideal é que as brânquias (guelras) do peixe estejam com a cor rosada ou vermelha intensa, brilhantes e sem viscosidade. Caso haja dúvidas sobre a qualidade do pescado ele não deve ser consumido.

Ações do Governo

Desde as primeiras ocorrências no início de setembro, o Governo do Estado vem adotando medidas para colaborar nas ações mitigatórias, com o auxílio direto aos municípios atingidos, na instrução técnica de como coletar, manusear e armazenar o óleo.

Foi instalado o Gabinete de Gestão Integrada (GGI), sob a coordenação da Defesa Civil Estadual, para tratar das manchas encontradas e, como parte do Plano de Resposta e Mitigação de Desastre, o Governo recebe, até esta quarta-feira (23), o cadastro de voluntários que desejem atuar na operação “Se Chegar a Gente Limpa”. A iniciativa visa montar mutirões para atuação na limpeza das praias potiguares atingidas por manchas de óleo.

Para atender o Ministério Público Federal, foi feito, ainda em setembro, através do Idema, ações educativas em todos os 10 municípios afetados. As ações orientaram sobre os riscos e efeitos do contato dos resíduos betuminosos encontrados no litoral do RN. Durante a atividade, foram realizadas reuniões com gestores, secretários, associações, operadores turísticos, colônia de pescadores, comunidade local, além de donos de pousadas e restaurantes.