Geral

Com 20 notificações a estabelecimentos diversos, início de maio foi marcado com muitos banhistas nas praias de Natal

Foto: Divulgação/Semurb

O primeiro fim de semana do mês de maio foi marcado com muitas aglomerações na Orla da Praia de Ponta de Negra, é o que aponta a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb). Durante o feriadão do dia 1º de maio – Dia do Trabalhador -, foi de muito trabalho para a fiscalização da Semurb e resultou em 20 notificações, um auto de infração e muita orientação ao público que aglomerava em diversos pontos na zona Sul de Natal.

Segundo o supervisor de fiscalização ambiental da Semurb, que esteve no plantão, Felipe Oliveira, o trabalho foi mais intenso no domingo (2), e se concentrou em fiscalizar os estabelecimentos comerciais e quiosques da Orla de Ponta Negra. Além disso, checaram também os serviços de alimentação com capacidade acima de 300m², como quiosques, lanchonetes, restaurantes e food parks, que segundo o Decreto Estadual n° 30.516/2021, podem funcionar aos domingos, até às 15h. O trabalho da fiscalização no domingo resultou em 20 notificação a estabelecimentos comerciais, quiosques, pontos de locação de mesas e cadeiras, que estavam abertos e além disso ocupavam irregularmente a faixa de areia de Ponta Negra, o que também não é permitido.

“No total, foram lavradas 20 notificações a estabelecimentos diversos, incluindo quiosques e pontos de locação de mesas e cadeiras, que estavam funcionando em desacordo com o Decreto, inclusive, fazendo uso da faixa de areia com equipamentos de praia, como mesas, guarda-sóis e cadeiras. A Cavalaria da Polícia Militar já havia, no período da manhã, dispersado as aglomerações em diversos pontos da Orla, porém, a tarde foi identificado muitos outros focos de aglomerações. Infelizmente mesmo com a dispersão as pessoas insistiam em retornar ao local”, enfatizou Felipe Oliveira.

POLUIÇÃO

No sábado (1), foi realizado uma vistoria a pedido da 45ª Promotoria de Justiça e Defesa do Meio Ambiente, do MPRN, em uma panificadora no bairro de Pajuçara, zona Norte de Natal, se ela estava fazendo uso de um forno, que estava gerando muita fumaça e prejudicando o meio ambiente. Infelizmente os fiscais foram impedidos de realizar a vistoria no prédio porque o proprietário não permitiu a entrada.

Outra ocorrência similar ocorreu no bairro de Capim Macio, zona Sul da cidade, onde um proprietário de uma lanchonete, que já havia sido notificado por não fazer uso de filtro na chaminé da churrasqueira e não ter corrigido, recebeu o auto de infração ambiental, e como penalidade desta vez, teve o uso da churrasqueira interditada.

“Moradores de um condomínio ao lado da lanchonete reclamavam da alta quantidade de fumaça, que estava invadindo diversos andares do prédio, tudo isso por conta da chaminé da lanchonete que foi instalada de maneira incorreta. Fomos lá anteriormente, notificamos o proprietário e orientamos ele para resolver o problema, mas infelizmente ele não cumpriu e tivemos que lavrar o auto de infração e interditar a churrasqueira”, comentou Oliveira.

Ainda de acordo com Felipe, a Lei 4.100 de 1992 que dispõe sobre o Código do Meio Ambiente de Natal, é bem clara no art. 117 que trata sobre a poluição de qualquer natureza que possa trazer danos à saúde ou ameaçar o bem-estar do indivíduo ou da coletividade.

Nos fins de semana e feriados, caso a população presencie alguma cena de aglomeração ou outra situação que viole as regras, basta realizar denúncia, que pode ser anônima, pelo canal 24h do Ciosp, no número 190 e também no disque denúncia da Polícia Civil no 181. Já de segunda a sexta-feira as denúncias podem ser feitas das 8h às 16h, pelo telefone da Ouvidoria da Semurb no (84) 3616-9829 ou e-mail ouvidoria.semurb@natal.rn.gov.br.

MONITORAMENTO DAS PRAIAS

Na sexta-feira (30), a equipe de fiscalização ambiental da Semurb realizou o monitoramento nas águas da praia da Redinha e Ponta Negra. Segundo o supervisor de Água e Solo da pasta, Gustavo Szilagyi, que está a frente das ações relatou que não foram encontrados resíduos na praia da Redinha.

“No trecho da Via Costeira entre o Vale das Cascatas e o Hotel Vila do Mar foi registrado apenas um resíduo pouco representativo. Apenas foi recolhido uma amostra”, comentou Szilagyi

Opinião dos leitores

  1. Louckdown no Brasil não adianta!!! Só se botarem o exército nas ruas. O povo não respeita. O povo tá sem fazer nada então vão pras ruas e praias.

    1. Lockdown funciona se você pagar todas as minhas contas. Aí eu fico em casa sem fazer nada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Feriado: População em Natal desrespeita decretos e aglomera nas praias; 14 comerciantes foram intimados

Foto: Divulgação/Semurb

Um feriado de muito trabalho para as equipes de fiscalização da Prefeitura do Natal. Nessa quarta, 21 de abril, muitos natalenses desrespeitaram as regras de isolamento social e aglomeraram na orla da cidade. Em Ponta Negra, os agentes foram acionados por meio de denúncia e constataram o descumprimento aos decretos Estadual 30.490/2021 e Municipal 12.179/2021. Já na Praia do Meio, houve denúncias também de aglomeração e venda de bebidas alcoólicas e alimentos por comerciantes. Os agentes lavraram 14 intimações, sete autos de constatação e sete conjuntos de mesas e cadeiras foram apreendidos.

Participaram da operação de fiscalização nesse feriado agentes das secretarias de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb), Serviços Urbanos (Semsur), Guarda Municipal com equipes dos grupamentos da Gaam, Rope e Romu. Além do apoio da Policia Militar com o grupamento de cavalaria.

“Em Ponta Negra as equipes se dividiram, uma delas se dirigiu ao Morro do Careca e outra ficou na subida do calçadão orientando e impedindo que as pessoas se aglomerassem ou fossem em direção à praia. O trabalho foi de orientação para que as pessoas se retirassem do local e voltassem a suas casas, algumas estavam aglomerando e sem uso das máscaras”, conta o supervisor de fiscalização de plantão da Semurb, Iang Chaves.

Ainda segundo ele, as pessoas em grande maioria entenderam o trabalho da fiscalização e deixaram o local, e alguns ambulantes que estavam na praia também encerram suas atividades. Já os banhistas em grupos de três pessoas ou mais foram orientados a sair do mar e cumprir o que determinam os decretos.

“Após sair de Ponta Negra recebemos a denúncia de aglomeração e venda de bebidas alcoólicas e alimentos na Praia do Meio. Acionamos a Guarda Municipal, além da Semsur, visando entregar intimações para que os permissionários de quiosques e barracas que estivessem descumprindo os decretos, comparecessem à Semurb na próxima sexta-feira (23). Lá lavramos 14 intimações, sete autos de constatação pela Semsur, além da apreensão de mesas e cadeiras”, finaliza Chaves.

Caso a população presencie alguma cena de aglomeração ou outra situação que viole as regras dos decretos basta realizar denúncia, que pode ser anônima, entrando em contato de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, pelo telefone da Ouvidoria da Semurb no (84) 3616-9829 ou e-mail ouvidoria.semurb@natal.rn.gov.br. Já nos fins de semana e feriados as denúncias podem ser feitas pelo canal 24h do Ciosp no número 190 e também no disque denúncia da Polícia Civil no 181.

Opinião dos leitores

  1. O povo não aguenta mais esses decretos que não servem para p…. nenhuma, servem somente para aumentar o desemprego e quebrar a economia.

    1. Com certeza Jr. Esses Dec. Não funciona aonde deveria. Agora pra tirar a liberdade funciona.

  2. Taí o maior exemplo! A população não ajuda, violam o decreto, aglomeram-se, querem o que? Depois reclamam da governadora, que se descabela para tentar amenizar e melhorar a situação. Se todos fizessem sua parte, a situação estari bem melhor e consequentemente a economia também. Quem não pensa, padece!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

DE NOTIFICAÇÕES A DISPERSÃO DE PESSOAS: Fim de semana é marcado com aglomerações nas praias de Natal

A fiscalização da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (Semurb) atuou intensamente no fim de semana, de 9 a 11 de abril, que resultou em seis notificações, dois autos de infração, apreensões de paredão e a retirada de publicidade de irregular, além de atuar na dispersão de pessoas nas praias da capital potiguar, que descumpriam o toque de recolher imposto pelo Decreto. As ações contaram com o apoio da secretaria de Serviços Urbanos (Semsur) e da Guarda Municipal (GMN).

Segundo o supervisor de fiscalização, Felipe Oliveira, no domingo (11), o primeiro chamado foi na extensão da Praia de Miami, próximo ao Relógio do Sol, onde havia um elevado número de pessoas, composta por pessoas caminhando no calçadão e outra parte realizando práticas de esportes na areia da praia. Sob vaia da população que, não estava cumprindo o toque de recolher integral do domingo, à Guarda Municipal realizou a dispersão das pessoas no local, instruindo irem para suas residências. No mesmo um local, um trailer foi notificado por está comercializando água de coco e instalado guarda-sóis e mesas na faixa de areia da praia.

“O que observamos desde a faixa da Via Costeira até o Relógio do Sol, foram pessoas descumprindo o toque de recolher integral, além de estarem caminhando sem máscaras e realizando aglomerações em diversos pontos. Toda a extensão do litoral potiguar estava lotada, as pessoas estavam vivendo tranquilamente como se não houvesse pandemia”, alertou Felipe Oliveira.

Seguindo na rota da fiscalização, um bar na zona Norte de Natal foi notificado por funcionar normalmente, com um elevado número de pessoas. A Guarda Municipal teve que agir com spray de pimenta, pois às pessoas que estavam no local foram resistente as ordens de dispersão. Na ocasião, um paredão de som foi apreendido e um auto de infração ambiental foi lavrado. Na avenida Moema Tinoco, ainda na zona Norte, um trailer de lanches foi notificado por fazer uso de mesas e cadeiras na via pública, o mesmo foi orientado a ser fechado e fazer a retirada dos materiais. Na mesma rua, foi feita a retirada de publicidade irregular em 10 pontos espalhados pela avenida.

Uma padaria também na Moema Tinoco, foi notificada por estar aberta para consumo interno, a fiscalização da Semurb orientou para que o atendimento fosse suspenso. Além disso, foi feita a retirada de uma publicidade irregular da própria padaria no poste da rua. Já na Redinha Velha, um bar no Mercado da Redinha estava funcionando com direito a consumo de bebidas alcoólicas dentro do recinto, o proprietário foi notificado a fechar o estabelecimento. Também próximo a este local, outro bar foi notificado por gerar aglomeração de pessoas e liberar a consumação de bebidas alcoólicas. Na mesma rua próximo ao bar, foi feita a dispersão de pessoas que estavam realizando uma festa particular.

Já o sábado (10), o dia foi considerado tranquilo pelas equipes de fiscalização, porém houve muita orientação com relação ao consumo de bebidas alcoólicas em bares, além disso, foi observado que nas praias de Natal muitas pessoas andavam sem máscaras. Já na sexta-feira (9) um paredão de som foi apreendido em um bar, na zona Oeste de Natal, e o proprietário foi autuado.

Caso a população presencie alguma cena de aglomeração ou situações que vão contra as regras pode realizar uma denúncia, que pode ser anônima, entrando em contato pelo telefone da Ouvidoria da Semurb no (84) 3616-9829, de segunda a sexta-feira, das 8h às 16h, ou ainda pelo e-mail ouvidoria.semurb@natal.rn.gov.br . Além do canal 24h do Ciosp pelo 190 e o 181 (Disque Denúncia- Polícia Civil) nos fins de semana e feriados.

Opinião dos leitores

  1. Não adianta abrir inúmeros leitos se os negacionistas ainda vão aglomerar nas praias, nos bares, etc.

  2. Prender o povo e jogar a polícia em cima dos trabalhadores e pessoas de bem parece ser mais simples que ter disponibilizado mais UTI, contratado pessoal de saúde e adquirido equipamentos. Proibir o tratamento preventivo por falta de comprovação científica é simples, mesmo depois de mais de 40 estudo provando a eficácia, mas decretar o lockdown que não tem comprovação científica é o certo.
    Abrir a boca para dizer que a economia se vê depois é simples, mas impor o isolamento e fechar o comércio gerando desemprego, queda da arrecadação é a medida certa.
    A marginalidade no estado diminuiu?
    Se é para parar, para tudo, fecha tudo, essa enrolada de essencial é falácia, fecha farmácia, supermercado, açougue, padaria, mercearia, construção civil, portaria, transporte público, tudo ou nesses locais, tidos como essenciais não tem covid?
    Vou perguntar o mesmo que muitos já fizeram e a resposta, nenhum esquerdista deu, qual era o número de mortes por dia antes do lockdown e qual é com o lockdown a mais de 45 dias?

  3. Animal irracional, nem é desobediente e nem se faz de doido! Lockdown “meia-boca”, ou medidas restritivas no mesmo patamar, de nada adiantam. Nem era pra ter liberado nada, enquanto a taxa de ocupação estiver acima dos 95%, como está hoje. Ficou praticamente cada um por si. Deus nos abençoe!

    1. Eu acho que o próximo decreto vai liberar tudo, escolas, universidades, etc. Vai ser um Deus nos acuda!

    2. Tom concordo com vc, grande parte da população lavou as mãos com o covid e isso é preocupante, nós cobramos muito dos políticos e não fazemos a nossa parte, cobrar por UTIs é fácil o problema é a operação dela pois não é só colocar o leito e sim profissionais que estão escassos no mercado, precisamos é da consciência da população para o momento gravíssimo que estamos vivendo.

    3. A governadora deveria ter aberto novos leitos com os bilhões que recebeu do governo Bolsonaro. Por que não abriu? Fez o que com o dinheiro? Foi MUITO dinheiro.

    4. Cada qual tem que fazer sua parte. Principalmente os governantes. Agora, a pessoa dizer que não foram abertos novos leitos por falta de profissionais de saúde é demais. Digamos que fosse verdade (NÃO É), a governadora fez o que com o dinheiro que recebeu e DEVERIA ter sido aplicado na saúde? Para onde foi o dinheiro, amigo?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Boletim da Balneabilidade emitido nesta sexta aponta 7 trechos impróprios para banho em Natal, Parnamirim e Nísia Floresta

Foto: Ilustrativa

O Boletim da Balneabilidade das praias do Rio Grande do Norte Nº 12, emitido nesta sexta-feira (26), informa que sete pontos analisados estão impróprios para o banho: Nísia Floresta, na Foz do Rio Pirangi; em Parnamirim, dois pontos do Rio Pium não estão em boas condições, (Ponte Nova e Balneário Pium); e em Natal, quatro pontos impróprios; Ponta Negra (Final do Calçadão), Areia Preta (Praça da Jangada), Praia do Meio (Iemanjá) e Redinha (Rio Potengi).

O documento classifica e informa aos banhistas quais as condições das praias monitoradas. A base dos dados analisa a quantidade de coliformes termotolerantes encontrados nas águas (Resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA).

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), e faz parte do Programa Água Azul.

Durante todo o ano, o grupo é responsável por coletar amostras em 33 pontos na Grande Natal, distribuídos na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz.

Para conferir boletins semanais basta acessar AQUI.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Bolsonaro classifica como hipocrisia o fechamento de praias no Rio: “A vitamina D é uma forma de você evitar que o vírus te atinja com gravidade”

Foto: Ueslei Marcelino

O presidente Jair Bolsonaro criticou nesta sexta-feira o decreto do prefeito do Rio, Eduardo Paes, que fechou praias nos fins de semana, para conter o avanço da Covid-19. Bolsonaro considerou a medida uma “hipocrisia” porque o banho de sol é uma maneira de conseguir vitamina D, cuja deficiência pode aumentar o risco de contrair o novo coronavírus.

O decreto de Paes, publicado nesta sexta-feira, proíbe não apenas o banho de sol nas areias como também esportes (como altinho e futevôlei, entre outros), o banho de mar e atividades econômicas por ambulantes e barraqueiros.

— Vê lá o Rio de Janeiro agora, o prefeito, fiquei sabendo, o decreto fechou tudo, até praia. A vitamina D é uma forma de você evitar que o vírus te atinja com gravidade. Onde você consegue a vitamina D? Tomando sol. Uma hipocrisia — disse Bolsonaro nesta sexta, em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada.

Um estudo feito no ano passado por pesquisadores da Universidade de Medicina de Chicago, nos Estados Unidos, mostrou que pacientes com deficiência da vitamina D que não receberam tratamento tiveram quase duas vezes mais chance de ter um diagnóstico positivo em comparação com pacientes que tinham níveis suficientes da vitamina.

Com O Globo

Opinião dos leitores

  1. Engraçada são as fotos. Esse BG é uma resenha mesmo.
    Tenho certeza que os bolsonaristas qdo vêem o título do post com a foto, se ajoelham em reverência.
    Fico só imaginando a cena.
    kkkkkkkkkkkkkkkkklkk

  2. Sol, boa ventilação e descontração. Tudo isto o cidadão encontra à beira nar. Mais uma vez o Presidente tem razão.

    1. Quando a inteligência é exposta. Parabêns Sérgio, você é o máximo.
      Onde você mais se expõe ao sol? Em casa? no trabalho? na parada de ônibus? dentro do supermercado? Andando na rua de camisa, calça e sapato?
      Qual a possibilidade de pegar covid na praia, com o calor do sol ao ar livre?
      Impressiona ver que a ideologia politica leva a achar certo ser corrupto e aceita o fechamento de espaço público aberto e ao ar livre, sem qualquer comprovação científica que isso evita o covid.

    2. Roberto, em qualquer lugar que não seja coberto, existe a possibilidade de tomar banho de sol, esse banho de sol não pode passar de 15 minutos. Quer dizer que o sol mais benéfico é o da praia? Parabéns Roberto, você é o máximo.

  3. 🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐮🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴🐴

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Rio fecha praias para banho de mar, esporte e comércio nas areias

Foto: KEVIN DAVID/A7 PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A Prefeitura do Rio de Janeiro publicou no Diário Oficial desta sexta-feira (19) um decreto determinando o fechamento das praias para conter o avanço da Covid na cidade.

As regras se somam às do decreto publicado há uma semana e, a princípio, valem somente para este fim de semana — da 0h de sábado (20) até as 5h de segunda-feira (22). O prefeito Eduardo Paes ainda prevê a antecipação dos feriados de abril.

Está proibido:

Ficar na areia da praia;

Praticar esportes na praia;

Tomar banho de mar;

Comércio e serviços na praia, incluindo ambulantes;

Entrada de ônibus e vans fretados na cidade, exceto de hotéis;

Estacionar na orla.

Quiosques podem abrir normalmente.

Veja os detalhes das novas medidas

As áreas de lazer da orla não vão funcionar no domingo.

De acordo com a determinação, fica proibida a permanência nas areias em qualquer horário, incluindo a prática de esportes, o banho de mar e o exercício de qualquer atividade econômica, como o comércio ambulante.

Também está proibida a entrada de ônibus e outros veículos de fretamento na cidade, com a exceção dos que prestam serviços regulares para os funcionários de empresas ou para hotéis. Neste último caso, os passageiros devem confirmar a reserva de hospedagem.

O estacionamento também foi proibido na orla, exceto para os moradores, idosos, portadores de necessidades especiais, hóspedes de hotéis e táxis.

As áreas de lazer nas pistas das avenidas Delfim Moreira, Vieira Souto e Atlântica, além do Aterro do Flamengo, também estão suspensa.

Relembre o decreto do dia 11

O fechamento das praias é um acréscimo ao decreto da semana passada. As regras são:

Entre 23h e 5h, será proibido permanecer em ruas, espaços públicos, praias e praças; a multa por descumprimento é de R$ 562,42 – a circulação será permitida;

Eventos, festas e rodas de samba também estão proibidos;

Não podem funcionar boates, casas de espetáculo, feiras especiais, feiras de ambulantes e feirartes (artesanato) — feiras livres, de alimentos, estão liberadas;

A lotação máxima de 40% também deve ser observada em todos os lugares.

No entanto, bares, restaurantes e afins ainda poderão funcionar até as 21h, com delivery depois desse horário.

Continua em vigor o escalonamento das atividades econômicas:

Serviços: das 8h às 17h;

Repartições públicas: das 9h às 19h;

Comércio (incluindo shoppings): das 10h30 às 21h.

Boletim nesta sexta

Nesta sexta, o prefeito se reúne com o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, para a divulgação do 11º Boletim Epidemiológico da Covid-19 na cidade. Os dois devem detalhar as medidas que serão adotadas no fim de semana.

A Prefeitura do Rio considera que os próximos dias vão dar o tom das novas medidas e anunciou uma reunião com o comitê científico na segunda-feira (22). O lockdown é uma possibilidade.

Recorde de internação

As UTIs dos hospitais públicos do Rio tinham mais de 622 pacientes internados nesta quinta-feira (18). Foi o maior número desde o início da pandemia, mesmo se considerado o momento em que havia hospitais de campanha.

A ocupação de leitos de UTI na rede SUS na capital — incluindo leitos municipais, estaduais e federais — era de 95%.

G1

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Turismo

Brasil tem Baía dos Golfinhos, em Pipa, e Fernando de Noronha (PE), entre as melhores praias do mundo, segundo TripAdvisor

Foto: Montagem/Ministério do Turismo/Chico Baia/Júnior Santos

Viajantes de diversos países escolheram duas praias brasileiras entre as preferidas ao redor do mundo. A Baía do Sancho, localizada em Fernando de Noronha (PE), e a Baía dos Golfinhos, na Praia da Pipa em Tibau do Sul (RN), aparecem, respectivamente, na terceira e décima posição do prêmio Travellers´ Choice, o melhor dos melhores, do site de viagem TripAdvisor. Os destinos brasileiros foram selecionados com base no feedback dos usuários da plataforma.

Ganhadora de vários prêmios internacionais, a Baía do Sancho, em Noronha, encanta por sua água cristalina e areias claras, ideal para a prática de esportes aquáticos como o mergulho, natação e surf. É dona de ricos bancos de corais e diversificada fauna marinha.

A Baía dos Golfinhos, por sua vez, é sinônimo de tranquilidade e beleza, sendo considerada uma das praias mais preservadas da região de Pipa. No destino, é possível, inclusive, observar o nado de golfinhos, que costumam receber os visitantes com saltos e acrobacias.

Também constam na lista das 25 melhores praias do mundo atrações na província cubana de Villa Clara, na Flórida/EUA, Havaí, Espanha, Austrália, entre outros (confira a lista completa AQUI)

SOL E PRAIA – No Brasil, destinos no litoral são os preferidos para viagens a lazer: 34,3% dos brasileiros que rodaram o país em 2019 foram motivados por sol e praia. O dado consta no módulo Turismo da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua 2019 (PNAD Contínua), parceria entre o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o Ministério do Turismo.

Com Ministério do Turismo

Opinião dos leitores

    1. Ação falta vc dizer que se a culpa não for de Fátima que não fez nada para impedir isso, é do companheiro Lula, pq ele é pernambucano…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Salvador anuncia fechamento de praias, quadras e clubes

Foto: Valma Silva/G1 BA

O prefeito Bruno Reis anunciou novas medidas para complementar o novo toque de recolher determinado pelo governador Rui Costa, nesta segunda-feira (22). Em Salvador, as praias voltarão a ser fechadas por ao menos sete dias.

O fechamento será a partir da quarta-feira (24), para que barraqueiros e vendedores possam se organizar. Clubes sociais também voltarão a ser fechados na quarta.

Já a partir de terça-feira (23), todos os campos e quadras da cidade serão fechados e a prefeitura vai retirar a iluminação desses locais. Assim como as praias, as medidas também serão válidas por sete dias, e podem ser prorrogadas.

“Essas medidas não descartam que outras medidas mais necessárias sejam aplicadas nessa semana. Nem eu e nem o governador, hesitaremos em fechar tudo e desativar a segunda fase e primeira fase, se houve risco de colapso. O risco existe e está aí”, disse o prefeito Bruno Reis.

‘Praticamente 100% de ocupação dos leitos de UTI’

O prefeito também chamou a atenção para a elevação no número de casos e internações em Salvador. Na sexta-feira (19), 10 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) foram abertos na tenda de apoio à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro de Valéria. Esses leitos já foram ocupados.

“Aqueles 10 leitos que abrimos sexta-feira em Valéria já estão todos ocupados. Com eles, restabelecemos um número de leitos de UTI que nós tínhamos anteriormente em Salvador. Dia 10 de fevereiro, a realidade de Salvador era completamente diferente dessa realidade de hoje. Em onze dias, os números cresceram de forma expressiva. Ontem [domingo, 21], Salvador tinha 80% de ocupação dos leitos de UTI”.

“Quando nós regularmos todos os pacientes que estão nas UPAs, que estão nos gripários, nós vamos chegar a praticamente 100% de ocupação dos leitos de UTI”.

Bruno Reis disse ainda que 24 unidades de saúde, onde funcionam consultórios odontológicos, terão atendimentos suspensos e serão convertidas em leitos para tratamento do coronavírus.

“Esses atendimentos estão suspensos, nós não vamos fazer atendimento bucal e vamos transformar estas salas em espaços que irão funcionar com leitos de enfermaria. No total, nessas 24 unidades, poderemos atender 75 pessoas”.

O prefeito voltou a falar sobre o Hospital Salvador. A prefeitura está assumindo a unidade, que será exclusiva para o combate à pandemia, como um hospital de campanha. O hospital já tem 20 leitos de UTI e 40 leitos clínicos em funcionamento e outros 20 de UTI e 80 de enfermaria serão abertos.

As novas medidas foram divulgadas durante uma coletiva de imprensa para a nomeação dos candidatos aprovados no concurso da prefeitura. Segundo o prefeito, essa foi a última coletiva presencial desse período de pandemia, e as próximas serão feitas virtualmente.

G1 Bahia

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Com maior fluxo de veranistas e turistas em janeiro, Corpo de Bombeiros do RN orienta sobre os cuidados em praias

Foto: Ilustrativa/Freepik

O mês de janeiro é o período de maior fluxo de veranistas e turistas nas praias em todo o Brasil. Para apreciar o verão de forma tranquila, são necessários alguns cuidados, como o uso do protetor solar, trânsito seguro e medidas para prevenir o afogamento. Porém, é sobre essa última medida que o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio Grande do Norte (CBMRN) orienta: água no umbigo sinal de perigo.

Uma das principais orientações feitas pelos guarda-vidas é para quem vai entrar no ambiente aquático não faça o uso de bebida alcoólica, pois o álcool inibe a noção de perigo. Nadar ou brincar no mar depois de comer não é recomendado, pois corre o risco de congestão. Outra dica é manter-se afastado de pedras e costeiras.

Além dos perigos que os ambientes aquáticos impõem aos adultos, os pais ou familiares devem ficar atentos também com as crianças. Com as praias lotadas nesse período, o CBMRN pede que os familiares tenham atenção redobrada.

“Independentemente de ser piscina, rio ou mar, sempre orientamos os responsáveis pelas crianças. Durante o nosso patrulhamento levamos orientações na tentativa de retirar as crianças e os demais banhistas de ambientes não recomendáveis, além de distribuir pulseiras de identificação”, disse o Coordenador da Campanha Praia Segura do Corpo de Bombeiros do RN, Major João Eduardo.

Para intensificar as ações educativas no objetivo de prevenir o afogamento e desaparecimento de crianças, a Corporação e vários órgãos públicos lançaram neste sábado (09), a ‘Campanha Praia Segura 2021’, que está inserida no cronograma da ‘Operação Verão’. Entre as ações que estão sendo ofertadas, destaque para a distribuição de pulseiras de identificação para crianças, em que se pode colocar o nome completo e o número de telefone do responsável para facilitar a localização em uma eventual perda.

“Todos os anos existem ocorrências de crianças desaparecidas nas praias. Por isso, juntamente com a Cruz Vermelha, distribuímos as pulseirinhas de identificação para a população. É mais um modo de prevenção”, finalizou o oficial do CBMRN.

Caso alguém presencie um afogamento, é só entrar em contato de forma imediata com o Corpo de Bombeiros, através do 193, ou arremessar um objeto flutuante para a vítima até a chegada dos guarda-vidas. Importante não tentar socorrer de forma alguma a pessoa, pois somente os bombeiros têm a habilidade para o resgate.

Medidas de Prevenção

• Tenha atenção com as crianças;

• Coloque a pulseira de identificação fornecida pelos guarda-vidas;

• Evite ingerir bebidas alcoólicas e alimentos pesados antes de entrar na água;

• Nade longe de pedras;

• Pergunte sempre ao guarda-vidas qual o local mais apropriado e seguro para o banho;

• Certifique-se da profundidade da região em que deseja mergulhar;

• Respeite as instruções dos guarda-vidas e as sinalizações de perigo na praia.

Opinião dos leitores

  1. Devem fiscalizar a ocupação ilegal de comerciantes das areias das praias. Em Tabatinga alguns espertos puseram cadeira e mesas na areia. Sentou terá de pagar e não resta.mais lugar para os populares. A praia deve ser pública. Cadê a fiscalização?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID – FACILIDADE DE CONTAMINAÇÃO IMPRESSIONA: Especialista faz alerta para risco de praias cheias

Foto: Márcia Foletto / Agência O Globo

O verão começa oficialmente nsta segunda-feira, e a estação que é a cara do Rio encontrará um cenário completamente diferente dos anteriores. Apesar da previsão de uma estação típica, com dias longos e quentes, como prevê o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os próximos três meses marcam o verão da pandemia, com o fim da estação quase no mesmo dia em que se completa um ano da primeira morte por Covid-19 no estado. No último domingo da primavera, com termômetros na casa dos 38 graus, a cidade já teve um prenúncio de como deve ser o verão: além do calor, praias cheias, nenhum distanciamento nas areias, banhistas sem máscara e ausência de fiscalização.

O epidemiologista Roberto Medronho, professor da UFRJ que lidera estudos sobre a Covid-19, destaca que é a primeira vez em que o Rio irá encarar a Covid-19 no verão, época em que, com o calor, cariocas não costumam ficar em casa. Em nota técnica, ele e outros cientistas sugeriram nova proibição à permanência nas praias:

— Num período de festas de fim de ano, onde se fala tanto em fraternidade e solidariedade, a melhor forma de mostrarmos esses valores é ficando em casa. Tenho visto com muita preocupação famílias promovendo festas, pacotes de réveillon sendo vendidos em clubes.

Medronho compara o momento atual ao enfrentado na Europa durante a mesma estação, quando surgiu a segunda onda por lá. O epidemiologista diz ver muitas semelhanças entre os cenários:

— Estamos iniciando o verão, e, infelizmente, o que prevíamos está acontecendo: as pessoas estão se juntando em praias, bares, restaurantes e festas. Foi exatamente assim que a segunda onda chegou à Europa.

Por fim, o epidemiologista alerta para o risco de alto contágio numa situação como a de uma praia lotada.

— Se houver uma pessoa ali na faixa de areia com coronavírus, ela certamente contaminará todas as outras que estiverem ao seu redor, num perímetro de dois metros. Se a pessoa estiver falando alto ou cantando, como acontece também nas baladas, esse perímetro aumenta muito ainda. Infelizmente, essa virose não tem característica sazonal, a transmissibilidade é elevadíssima, independente da estação.

Multidão na areia

No dia em que o estado chegou a 24.473 vidas perdidas e 406.820 casos confirmados de coronavírus, e a média móvel, com alta de 34%, indicou aumento no contágio pelo sexto dia seguido, em contraste com o drama da pandemia, as areias da Zona Sul, ficaram cheias. Equipes do GLOBO percorreram toda a orla e não encontraram fiscais da prefeitura ou policiais militares tentando coibir aglomerações ou conscientizando banhistas da importância da normas sanitárias de prevenção à Covid-19.

No Arpoador, onde a faixa de areia é estreita, o distanciamento entre os banhistas neste domingo ficou quase impossível, com barracas quase coladas umas nas outras. Apenas alguns poucos banhistas conseguiam escapar da aglomeração, tomando sol na pedra. Apesar disso, duas viaturas do Batalhão de Rondas Especiais e Controle de Multidão (Recom), da Polícia Militar, estavam estacionadas no calçadão, mas os agentes não atuavam nas areias.

Em Copacabana, Ipanema e Leblon, o cenário era parecido, assim como no Leme. Foi lá que a aposentada Dorinha Silva, de 60 anos, escolheu para dar um passeio, após três meses sem ir à praia. Receosa, a moradora de Copacabana preferiu manter a distância da aglomeração: escolheu um espaço vazio na mureta, e não tirou a máscara.

— As pessoas não temem a doença. Eu prefiro ficar distante. Não tem mais fiscalização nenhuma, mas, se tivesse, faria diferença — diz.

No calçadão, o movimento era mais tímido que em outros fins de semana, mas, ainda assim, com um número considerável de frequentadores pedalando ou caminhando — muitos sem máscara.

No início do mês, a prefeitura do Rio voltou a proibir o estacionamento na orla nos fins de semana e feriados. A medida, no entanto, não evitou que a orla de Copacabana e Leme tivesse um número considerável de carros parados.

Na capital, onde a situação é mais delicada em relação à pressão por internações, a ocupação de leitos exclusivos para Covid-19 mostra com clareza a proporção do avanço da doença: na rede SUS, que inclui leitos municipais, estaduais e federais, 92% das vagas de UTI estavam lotadas neste domingo. Havia 273 pessoas infectadas aguardando transferência, sendo 175 delas, para terapia intensiva.

Segundo o Inmet, o verão deve ter temperaturas máximas dentro da média climatológica, entre 33 e 34 graus, mas valores superiores podem ocorrer eventualmente.

— O verão começará com tempo bom e temperatura elevada, com grande probabilidade de chuvas fortes e queda na temperatura no segundo dia do verão, devido uma frente fria que passará pelo litoral da Região Sudeste — prevê a meteorologista Marlene Leal, do Inmet.

Com as altas temperaturas, um dos desafios será se manter de máscara.

— O uso da máscara no verão vai se tornar mais incômodo, mas é extremamente necessário — alerta o vice-presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Alberto Chebabo, .

Chebabo também recomenda aumentar a frequência com que as máscaras são trocadas, já que a eficiência da barreira é prejudicada pela umidade. E a dermatologista Nandara Paiva lembra que, com o aumento da temperatura, o equipamento de proteção pode ainda causar acne e brotoejas. Os problemas, podem ser amenizados por produtos adequados.

A prefeitura informou que realizou fiscalização no fim de semana, aplicou 690 multas de trânsito e rebocou 539 veículos. A PM não se manifestou.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Bota um político em um trio elétrico em cada praia que zera o risco de contaminação. O vírus tem pavor de evento político e some do local.

  2. Sugiro fazermos comícios nas praias em todo o Brasil durante o verão, dessa forma não teremos perigo de contaminação, o ministério público vai brigar para liberar, Dr. Drauzio Varela vai fazer comercial dizendo que não tem perigo pedindo pras pessoas serem voluntárias nas praias, a esquerda vai ficar calada e o o povão vai se aglomerar e fazer a festa.

  3. Há a facilidade de contaminação e a impossibilidade de ser atendido conforme os hipócritas "protocolos" de cuidados e demais blá blá, daqueles que são os "especialistas" no assunto. Tenho familiares com todas as características da infecção e quando chegaram no atendimento, por exemplo, no ginásio Nélio Dias, um "especialista" orientou que fossem para casa, pois no início de janeiro de 2021, irão se submeter à exames para saber qual a enfermidade. Resumo, a canalhice e o desprezo pela vida humana infeccionou a mente e os corações dos "especialistas".

  4. Engraçado na campanha não tinha risco algum, agora que passou a falação da campanha não Pode nada.

    1. Na campanha sempre teve risco, vc saiu atrás do trio elétrico?…eu não fui.

    1. Então para de assistir a globo e muda para papinha lá só tem notícias tranquilas. O problema e sua cegueira amigo.

    2. Fonte segura é o zap-zap do gabinete do ódio e da imbecilidade.

    3. Só confio nos blogs do Bozo. Em Olavo do Car(v)alho e no gabinete do ódio.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Como prevenir a transmissão da Covid-19 nas praias durante o verão? Conheça as medidas de proteção para evitar a disseminação na estação mais quente do ano

(Foto: Xavier Mouton Photographie/Unspash)

Em um ano em que a principal recomendação foi “fique em casa”, o relaxamento das medidas de proteção contra a Covid-19 – com a retomada gradual dos serviços e a reabertura de alguns espaços públicos – está fazendo com que, ao primeiro sinal de céu azul e temperaturas em elevação, as praias sejam tomadas por multidões. Aglomeração, pessoas sem máscara e compartilhando copos e objetos têm sido rotina no litoral brasileiro, especialmente após o feriado de 7 de setembro.

Embora o Ministério da Saúde tenha publicado em junho no Diário Oficial da União uma portaria (nº 1.565) com orientações para retomada das atividades e convívio social seguro, o documento não traz recomendações sobre os cuidados na praia e dá a prerrogativa a estados e municípios de definirem suas próprias regras. “O importante é lembrarmos que o novo coronavírus continua circulando e adoecendo as pessoas e que o cuidado deve ser mantido, independentemente do local em que se está”, explica o infectologista Moacyr Silva Junior, do Hospital Israelita Albert Einstein.

Bom senso e respeito à saúde individual e coletiva são fundamentais. Por isso, o uso de máscara e o distanciamento físico são atitudes que devem ser mantidas nas areias e calçadões das praias. Para ajudar a população a se proteger contra a Covid-19 e reduzir a propagação do vírus, o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), nos Estados Unidos, elaborou uma cartilha com as principais recomendações para os banhistas. O órgão é um dos mais respeitados no mundo em prevenção à doenças.

Confira as principais dicas:

• Ambientes externos e abertos têm menos probabilidade de espalhar o vírus do que locais fechados. Mesmo assim, o risco existe e quanto maior a interação com pessoas que não são da sua família, maior a chance de contaminação.

• Prefira fazer as viagens para praia em carros particulares apenas com pessoas da sua família, que não tenham sintomas e nem a confirmação da doença.

• Não vá à praia e fique em isolamento se tiver qualquer sintoma de Covid-19 (dor de cabeça, febre, coriza, tosse, dor de garganta), se estiver aguardando resultado de exame ou resultado positivo para a doença.

• O risco de contaminação é mais baixo quando visitantes da praia ficam a pelo menos 2 metros de distância dentro e fora da água de pessoas com quem não vivem.

• Não compartilhe alimentos, bebidas, equipamentos (como guarda-sol, cadeiras de praia), brinquedos com pessoas com quem não convivem

• Leve para a praia álcool gel, sabonete e água doce para lavagem das mãos sempre que possível ou após encostar em superfícies tocadas com frequência por pessoas que não são do seu convívio, como cadeiras de praia. Lembre-se que desinfetantes para as mãos podem não ser tão eficazes se as mãos estiverem visivelmente sujas ou oleosas.

• Conheça e respeite as políticas estaduais e municipais para controle da Covid-19 sobre prática esportiva na praia, distanciamento físico, competições e festas.

• Lembre-se que, ao se proteger, você reduz as chances de propagação do novo coronavírus e protege outras pessoas.

“Não temos ainda como prever com certeza qual será o comportamento do vírus nas próximas semanas ou meses. Isso dependerá muito de como cada indivíduo está lidando com a situação. Apesar da redução de casos, as pessoas estão saindo para as ruas, mas não podem relaxar os cuidados”, diz o infectologista do Einstein.

Galileu, via Agência Einstein

Opinião dos leitores

    1. Cristian, até onde eu seu a escolha da profissão é livre. Se a pessoa não quiser se expor que procure outra profissão. Quem quer ser médico e não correr o risco da profissão meu amigo…. da -lhe hipocrisia . Estamos em Guerra contra a "ciência " e seus hipócritas.

    2. Ainda sim, você acha que é terrorismo? Você pode discordar dos métodos, criticar alguns artigos e a revisão pelos pares, mas chamar essa doença bem letal de terrorismo é um acinte contra a Razão.

  1. Ainda insistem com esse terrorismo? Esse vírus tem baixíssima letalidade e as taxas de contaminação e óbitos estão caindo vertiginosamente. Por outra, falar em contaminação ao ar livre e sob sol escaldante é ridículo. E até no mar? Piada. A vida tem que seguir. A humanidade já convive com doenças muito piores.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Praias podem sobreviver ao aumento do nível do mar, aponta novo estudo

Nem todas as praias devem sumir com a elevação do nível do mar; entenda (Foto: Derek Thomson / Unsplash)

Uma equipe internacional de cientistas, formada por acadêmicos de Reino Unido, França, África do Sul, Austrália, Nova Zelândia e Estados Unidos, publicou um estudo na revista Nature Climate Change discordando de uma pesquisa publicada em março que dizia que metade das praias do mundo poderia se extinguir até 2100 em decorrência das mudanças climáticas. Para eles, existe, sim, a possibilidade de as faixas de areia “migrarem” para a terra conforme o nível do mar sobe e a linha costeira recua.

Segundo os pesquisadores, com os dados globais e métodos numéricos disponíveis hoje, é “impossível” fazer tais previsões globais e de amplo alcance. O novo estudo diz que as praias próximas a penhascos e estruturas como paredões provavelmente irão desaparecer no futuro devido ao aumento do nível do mar, pois elas não conseguiriam realizar esse movimento de migração.

No entanto, aquelas que são apoiadas por planícies costeiras baixas, lagoas rasas, pântanos e dunas têm chance de conseguir migrar como resultado da elevação do nível do mar. Nesses casos, o litoral recuará, mas as praias provavelmente permanecerão, embora um pouco elevadas e voltadas em direção à terra, mas certamente não sendo “extintas”.

O novo artigo afirma que não há atualmente informações disponíveis sobre o número de praias ao redor do mundo que se enquadram em cada uma das categorias e, assim, não daria para quantificar a proporção que desaparecerá até 2100. “Novos métodos são necessários para prever os impactos da elevação do nível do mar na costa. Isso exigirá melhores conjuntos de dados da morfologia costeira e melhor compreensão dos mecanismos da resposta da costa em determinados cenários”, disse Andrew Cooper, professor de estudos costeiros da Universidade de Ulster, na Irlanda do Norte, e principal autor do novo artigo. “À medida que o nível do mar aumenta, o recuo da costa deve, e vai, acontecer, mas as praias sobreviverão. A maior ameaça à existência delas são as estruturas de defesa costeira que limitam sua capacidade de migração”, disse, em nota.

Já segundo o coautor Gerd Masselink, da Universidade de Plymouth, na Inglaterra, é importante acompanhar essa evolução. “O nível do mar está subindo atualmente e continuará subindo a uma taxa crescente por muitos anos. Isso levará a mais erosão costeira e é crucial que possamos antecipar a perda futura de terras e levar isso em consideração na gestão e no planejamento para evitar colocar mais edifícios e infraestrutura em perigo”, alertou.

Galileu

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

MONITORAR IRRESPONSÁVEIS NA PANDEMIA: Fiscalização é reforçada nas praias de Natal, em três turnos, e mais 22 municípios

Foto: Elisa Elsie / ASSECOM/RN

Uma reunião na manhã desta quinta-feira, 23, no quartel do comando da Polícia Militar do Rio Grande do Norte com representantes da prefeitura de Natal definiu a atuação conjunta na fiscalização do cumprimento das medidas de proteção no enfrentamento à Covid-19 na orla marítima no trecho entre as praias de Ponta Negra e Redinha, onde, no último final de semana, ocorreram grandes aglomerações e desrespeito às regras de distanciamento social e uso de máscara.

O secretário de Gestão de Projetos e Metas, coordenador do programa Governo Cidadão e do Pacto Pela Vida, Fernando Mineiro, explicou o assunto na entrevista coletiva de prestação de contas das ações do Governo e atualização dos dados da pandemia: “Iniciamos hoje uma ação concreta e integrada do Estado com município de Natal para conter o avanço da pandemia. Agradeço em nome da governadora Fátima Bezerra e do vice-governador Antenor Roberto o entendimento que vai proteger e salvar vidas, que é função de cada instância da gestão pública”.

Mineiro informou também que as ações conjuntas ocorrerão nos outros 22 municípios da região litorânea. “A partir da convocação da governadora foi possível traçar um conjunto de ações com os municípios que terão o apoio dos órgãos do sistema de segurança do Estado, Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil. Faremos ações em todas essas cidades, e é fundamental que a população se some aos esforços na contenção da pandemia”, afirmou.

Ele lembrou que as 23 cidades praianas têm quase metade da população do Estado e concentram a maior incidência de contaminações e mortes – 65% e 70%, respectivamente. “É preciso atenção especial. As ações já estão ocorrendo e serão reforçadas nos finais de semana, de Tibau, na região Oeste a Baía Formosa, na região Agreste. É um grande esforço conjunto do Estado e municípios, pessoal da saúde e da segurança que estão colocando em risco suas próprias vidas para conter a pandemia e proteger a população”.

FISCALIZAÇÃO EM TRÊS TURNOS

O secretário estadual de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), coronel Francisco Araújo, informou que as ações integradas na fiscalização da orla marítima em Natal vão acontecer nos três turnos – manhã, tarde e noite.

“Vamos fazer o controle dos acessos aos estacionamentos na orla marítima, exigir o uso de máscara e não é permitido o consumo de bebida alcoólica, aglomeração de pessoas, a prática de esportes coletivos e paredões de som”, destacou ao dizer que o policiamento normal, das polícias civil e militar, continua e será acrescido por efetivo recebendo diária operacional.

“Agentes, escrivães e delegados da Polícia Civil e oficiais e praças da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros estão nas ruas para fazer cumprir as regras dos decretos de combate à Covid, inclusive em veículos descaracterizados. Nos outros 22 municípios com orla marítima também acontece a fiscalização”, afirmou Araújo.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

FOTOS: Prefeitura do Natal intensifica fiscalização das praias com apoio da PM; veja como denunciar desrespeito aos decretos de combate a Covid-19

Fotos: Alex Régis

A Prefeitura do Natal avança com ações preventivas de combate ao Covid-19 com uma megaoperação unindo as secretarias municipais da capital ao sistema de segurança do Governo do Estado, assegurando que as medidas de isolamento social sejam cumpridas, garantindo que o processo de retomada das atividades ocorra, na capital potiguar, sem sobressaltos em relação à pandemia. A medida solicitada no início da semana pelo prefeito Álvaro Dias de unir esforços do Município e do Estado virou realidade nesta quinta-feira (23) quando a Polícia Militar foi integrada à operação de fiscalização do município, que percorreu a orla urbana.

Em Ponta Negra, local que gerou polêmica após uma aglomeração promovida no último final de semana com pessoas sem máscaras de proteção, a Guarda Municipal, junto com a Semurb, comanda a operação. A ação abrange um trabalho de fiscalização e conscientização que se estende desde a faixa litorânea da praia da Redinha até Ponta Negra. Os agentes orientam as pessoas sobre o uso obrigatório de máscaras de proteção, a proibição de aglomerações e uso de equipamentos de som, além de agir contendo qualquer ação que desrespeite as regras preventivas de contágio expedidas pelo Decreto Municipal, que aponta para um planejamento técnico de retomada das atividades levando em consideração a segurança sanitária.

Além disso, os comércios também são averiguados pelas equipes que analisam critérios legais, de acordo com as normas estabelecidas pelos decretos municipais. “A Prefeitura está fazendo a sua parte e precisamos que toda a sociedade se una a nós, pois somente assim venceremos esse vírus”, disse a titular da Secretaria Municipal de Segurança Pública e Defesa Social (Semdes), Mônica Santos. Ela lembra que desde o início da pandemia todo o aparato da Prefeitura esteve e continua a serviço da contenção e combate ao coronavírus, refletindo na queda no contágio, de internações e na retomada gradual do comércio em Natal. “O prefeito Álvaro Dias apresenta mais uma medida inteligente quando solicita o apoio do Estado colocando o interesse público e o bem da coletividade como prioridade da sua gestão”, comentou.

A meta é que, com essa ação, a capital possa seguir o trabalho exitoso realizado ao longo da pandemia, diminuindo os casos de infecção pelo coronavírus e colocando toda a orla sob uma constante supervisão, levando mais segurança à população, garantindo a retomada da economia e o achatamento da curva de contágio na cidade. De acordo com o comandante da Guarda, Alberfram Grilo, todos os estabelecimentos comerciais, barracas e cidadãos que estiverem à beira-mar serão abordados. “Estamos ampliando ainda mais a fiscalização da Prefeitura. O governo do estado atendeu ao pedido do prefeito e passa também a nos dar apoio. Nós da Guarda, junto com o efetivo do 5° batalhão, sob o nosso comando, estaremos cobrindo toda a área de Ponta Negra, que é uma área sensível. Já o primeiro batalhão da PM ficará com a região das praias do Centro”.

DENÚNCIAS

O cidadão pode denunciar qualquer desrespeito aos decretos de combate ao Covid-19 ligando para o telefone 190, do Centro Integrado de Operações em Segurança Pública (Ciosp) que as viaturas da GMN serão acionadas para averiguar a denúncia. A denúncia pode ser feita também no 3616-9829 (Ouvidoria da Semurb), no horário das 8h às 12h, ou pelo 181 (Disk Denúncia- Polícia Civil).

Opinião dos leitores

  1. Enquanto isso a violência rolando solto e a sociedade se tornando um verdadeiro X9. Estão conseguindo manter a boiada controlada. Não que aglomeração, não saia de casa. Fique em casa. Agora ser X9, aí é demais. Hipocrisia sem tamanho.

  2. E COMO FICA A FISCALIZAÇÃO DAS PRAIAS DE NÍSIA FLORESTA?. PRINCIPALMENTE EM BARRETA, ONDE TODO FINAL DE SEMANA NAS CASAS É SOM ALTÍSSIMO, AGROMERAÇÕES E MUITA BEBIDA, COMEÇANDO NA SEXTA E SE ESTENDENDO ATÉ O DOMINGO A NOITE?

    1. Nísia Floresta é cidade sem lei. Quem tem algo a dever com a justiça ou simplesmente não consegue fazer o que quer em outra cidade vai para lá.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

PLATÔ SOB AMEAÇA NO RN: “Estamos tomados por indignação”, diz vice-governador Antenor Roberto, sobre aglomerações em praias no fim de semana

SANDRO MENEZES/ASSECOM/RN

As aglomerações ocorridas em Natal e cidades litorâneas neste final de semana podem colocar em risco todo o trabalho de enfrentamento e superação da Covid-19 nos últimos quatro meses. “O Rio Grande do Norte não é uma ilha livre desta doença. A Covid está longe da cura. A permanecer a conduta social que tivemos neste final de semana poderemos voltar a ter aumento de casos, como outros estados e países tiveram – o chamado efeito sanfona. A retomada gradual das atividades econômicas não é uma liberação geral. O Governo do Estado está vigilante e a governadora já disse que se houver nova pressão na ocupação de leitos críticos, as medidas mais restritivas vão voltar, porque nossa prioridade é salvar vidas”. A declaração é do vice-governador Antenor Roberto ao participar nesta segunda-feira, 20, da entrevista coletiva para atualização dos dados e prestação de conta das ações do Governo no combate à pandemia do novo coronavírus.

O vice-governador externou a preocupação da administração estadual com a superlotação nas praias: “Estamos tomados por indignação. Todo o esforço construído em sociedade para alcançarmos o platô da pandemia pode ser invalidado pelo comportamento social deste final de semana com as aglomerações. Nos impressiona a falta de empatia, ou seja, a capacidade de se colocar no lugar do outro. O que assistimos neste final de semana foi atitude de muito pouco compromisso com o próximo”.

Antenor Roberto alertou para os dois principais agentes das aglomerações. “A juventude tem que entender que a Covid não escolhe idade e afeta mais ainda os idosos. Os jovens pouco apresentam sintomas da contaminação, mas podem estar contaminando seus pais, avós e tios. A conduta social de não respeitar protocolos e regras, de não usar máscara, merece repúdio e indignação”, afirmou.

AÇÃO DOS MUNICÍPIOS É ESSENCIAL

Outro fator que contribuiu para as aglomerações foi a falta de fiscalização junto ao comércio, bares, restaurantes e atividades informais, pelas prefeituras. “Onde estão as prefeituras que anteciparam decretos para reabertura do comércio, que foram à Justiça dizer que era delas a competência de jurisdição sobre a orla marítima, sobre o transporte coletivo e funcionamento e horário do comércio? Onde estão para fiscalizar as aglomerações nas praias? Onde estão estas prefeituras que assumiram o compromisso de fiscalizar o distanciamento e o isolamento social?”, questionou Antenor, para afirmar em seguida: “Há ausência destes municípios. E não há que alegar pouco pessoal na vigilância sanitária ou ausência de guarda municipal, pois o Governo está aqui oferecendo ajuda e apoio para a fiscalização através do Pacto pela Vida”, pontuou.

O vice-governador também lembrou que o decreto do Governo do RN é explícito sobre as medidas sanitárias e protetivas. “Os protocolos foram subscritos e quem assinou sabe da responsabilidade em cumpri-los para a reabertura das atividades econômicas. Cabe às prefeituras fiscalizar estabelecimentos e atividades informais que não cumprem as regras. As imagens divulgadas nas redes sociais mostram cenas inadmissíveis. Natal é o centro e o epicentro da pandemia. E a capital não oferece leitos suficientes. É preciso chamar a Prefeitura de Natal e dos municípios que não estão fazendo a fiscalização para a sua responsabilidade. Repito, alcançamos o platô, mas não podemos entrar no efeito sanfona. Qualquer prefeito ou prefeita que queira continuar a parceria do Pacto Pela Vida estamos dispostos a continuar por que esse é o nosso compromisso. E aqueles que não fizeram ainda podem vir que serão atendidos. O Governo coordena grande trabalho, com muito esforço, e quer a parceria com as prefeituras e com os cidadãos”.

Antenor ainda alertou para a responsabilidade coletiva e social para com quem trabalha. “O pessoal da área médica está esgotado e também adoece. O pessoal da segurança que está nas ruas para proteger a sociedade, também adoece. Temos problemas para cumprir as escalas devido aos afastamentos por doença. Portanto, não há sentido nas aglomerações. Consumir alimentos e bebidas próximo a outras pessoas favorece a contaminação”.

PACTO PELA VIDA É COMPROMISSO COM OS 167 MUNICÍPIOS

O Secretário de Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), Coronel Francisco Araújo reafirmou que o compromisso do Governo do RN no Pacto Pela Vida firmado com os municípios é colocar as forças de segurança pública – Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros – para apoiar ações das prefeituras no cumprimento das normas dos decretos estaduais e municipais. Cidades com orla marítima comércio e funcionamento de quiosques cabe às prefeituras realizar essa fiscalização.

“A responsabilidade de fiscalizar o cumprimento das regras é das prefeituras que concedem autorização para funcionamento dos estabelecimentos. O Governo, reitero, apoia as ações dos municípios com as forças de segurança do RN. Agentes dos municípios devem fazer as ações e as forças do estado dão apoio. A aplicação de sanções por descumprimento cabe aos municípios”, afirmou Araújo.

Secretário de Gestão de Projetos e Metas, coordenador do Programa Governo Cidadão e ações do Pacto Pela Vida, Fernando Mineiro também externou a preocupação da administração estadual diante das grandes aglomerações em praias. “O funcionamento do comércio precisa de uma fiscalização mais firme. A retomada da economia não significa que a pandemia está controlada. É preciso todos os cuidados, cumprir os protocolos, para que não haja retrocesso no plano de abertura econômica. Fazemos mais que um apelo, fazemos um alerta para que as prefeituras e instituições cumpram suas responsabilidades. A fiscalização do funcionamento do comércio e quiosques é tarefa das prefeituras. O Governo continua disponível para parcerias com os municípios para ajudar na fiscalização do que é da responsabilidade deles”, afirmou Fernando Mineiro.

DADOS

A Sub-coordenadora de vigilância epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap), Alessandra Luchesi, apresentou a atualização dos dados da Covid-19. Nesta segunda-feira a taxa geral de ocupação de leitos é de 88%. Estavam internados em leitos críticos 282 pacientes e havia 280 em leitos clínicos. A regulação tinha 6 pacientes para leitos críticos, 7 para leitos clínicos e 20 aguardando transporte sanitário.

Na região Oeste a ocupação de leitos é de 83,3 %, na Metropolitana de Natal de 93%, no Mato Grande de 25%, Pau dos Ferros chega a 60% e no Seridó, 86%. Os casos confirmados são 43.957, suspeitos 55.704, descartados 68.806, óbitos confirmados 1.585 (4 nas últimas 24 horas) e há 205 óbitos em investigação.

Opinião dos leitores

  1. Passei por Ponta Negra e Praia do Meio de bicicleta (com uso de máscara e sozinho). Muito movimento, desrespeito total ao distanciamento, sem uso de máscaras, entre outros. Apesar disso, não vi movimentação alguma de polícia como, inclusive, vinha elogiando nas últimas semanas. Só vi passando um carro da Guarda municipal próximo à escadaria de Mãe Luiza. Presença da polícia inibiria muita coisa, além da segurança patrimonial em si. Parece que liberaram o povo para aglomerar e colocaram a polícia em confinamento.

  2. O governo estadual do qual esse energúmeno faz parte cria decretos mas se esquece de criar mecanismos que os tornem possíveis e de fiscalizar o cumprimento dos mesmos. Sem fiscalização rigorosa e punição não haverá sucesso na tentativa de frear a proliferação do vírus pois temos um presidente ignorante e irresponsável que estimula o comportamento indesejável e um governo estadual preocupado somente em fazer campanha e desviar verbas com vistas a próxima eleição. Já que a governadora anda sumida, o seu vice poderia dar explicações sobre a compra frustrada de respiradores, a reforma piorada da previdência sob a gestão estadual, a paralisação total das ações do governo em áreas críticas como educação e turismo entre outras e a não quitação até hoje dos salários atrasados dos servidores.

  3. Se tem ameaça ao "platô " então não atingiu nada. O que tem mais acima do platô por favor BG e vice governador me expliquem. " o escalador atingiu o pico da montanha mas na verdade o pico que ele atingiu não é o pico". Tem boi na linha, e dos grandes. Menos sensacionalismo e mais informações verídicas.

  4. Ficar culpando a população é muito fácil, mas foi tomada alguma medida coibitiva? Perguntar não ofende.

    1. E é preciso ter medidas proibitivas, ou as pessoas não têm conhecimento da situação.
      É lamentável o desrespeito das pessoas com os cidadãos que se cuidam.

  5. Falta de consciência por parte da população, irá prejudicar os demais.
    Falta de responsabilidade de alguns empresários que não seguem as normas em suas empresas.
    Falta de organização e moral do govrrno, para fiscalizar e punir os infratores.
    Ou todos fazem sua parte , ou teremos que voltar ao confinamento.

  6. E os cinco milhões!!
    Tá indignado também??
    Pelo andar da carruagem o povo vai perder.
    É muita irresponsabilidade um negócio desses.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Novo decreto estadual recomenda fechamento de praias no fim de semana

Foto: Reprodução/Trecho de decreto/DOE

O Governo do Rio Grande prorrogou as medidas restritivas de isolamento social por mais 15 dias, como forma de evitar a proliferação da pandemia do novo coronavírus. O novo texto apresenta uma novidade:a recomendação para o fechamento das orlas urbanas durante os fins de semana, nos municípios potiguares – cabendo ser seguida ou não pelas cidades litorâneas.

O novo decreto estadual publicado no Diário Oficial (DOE) entrou em vigor nesta quarta-feira (20) e vale até o dia 4 de junho

Opinião dos leitores

  1. Vai proibir já já o movimento das marés. Lembrei-me de Chico “ Como vai se explicar, Vendo o céu clarear
    De repente, impunemente”

  2. Não precisa de praia para se expor ao sol. Além disto o índice de radiação aqui no RN é bem alto. Conversando com qualquer dermatologista, é possível saber que bastam 10 minutos sob este sol escaldante para ter benefícios para a saúde. Se não houver fechamento dos espaços públicos, a população do RN, continua com sua habitual ignorância e não contribui em nada para a diminuição dos casos de coronavirus.

  3. O Brasil virou uma china, os poderes estão aliados contra o presidente. Mas esquecem de um pequeno detalhe: O povo. Se fizermos igual nos EUA, onde o governadorcomunista, de um estado decretou lockdown. Fizeram uma carreata na praia, não teve policia que parasse. Povo instruído é outra coisa.

  4. Qual é a competência do Estado do RN sobre terrenos pertencentes a União? NENHUMA! Os "terrenos de marinha" são imóveis de propriedade da União. Alô, MPF! Alô AGU! Vai ficar por isso mesmo?

    1. Aqui a Governadora passa por cima de tudo e de todos. O Ministério Público e o Poder Judiciário ficam bem quietinhos com medo da Chefona. Uma vergonha, deveriam devolver as togas.

  5. Alguém me responda, por favor. Qual a autoridade que tem poder sobre as águas do mar, a partir das áreas de marinha: 1) o Estado (ente federado), a o Município (Prefeitura) ou a Secretaria do Patrimônio da União?

  6. Absurdo isso. Se propõe a fechar a orla marítima e se permite uma feira livre funcionar. Sem fiscalização nenhuma. Todos juntos. Tenha santa paciência. Aí também já estão extrapolando.

  7. Puta que Pariu!! não falta mais nada! Fechar a praia? até aonde vai essa estupidez? Praia é vitamina D! Essencial ao combate do corona virus. Fiquem em casa, passando alcool gel, sem pegar sol, e fiquem com a imunidade la embaixo!!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *