Grupo de estudantes lança “Manifesto Cota não é bagunça” pela implementação de comissão de verificação na UFRN e Ufersa

Foto: Reprodução

O Enegrecer RN, movimento ligado ao Coletivo Nacional de Juventude Negra, lançou um manifesto em defesa das cotas raciais de acesso às universidades públicas do Rio Grande do Norte. Os estudantes reivindicam a implementação de uma comissão verificadora de cotas nas unidades federais do estado.

O grupo de estudantes é pautado no combate ao racismo e é voltado para pensar estratégias de políticas públicas para a população negra de todo o país.

Leia íntegra de manifesto abaixo:

MANIFESTO COTA NÃO É BAGUNÇA, É REPARAÇÃO!

Em defesa das cotas raciais e pela implementação de comissões de verificação de cotas na UFRN e UFERSA

“Vidas Negras Importam!”. É esse lema que tem ecoado no mundo. O assassinato de pessoas negras em diversas partes do mundo (George Floyd nos EUA, ou o jovem Miguel, aqui no Brasil) tem colocado o racismo em pauta. E algo que o Movimento Negro brasileiro tem pautado é que queremos garantido o direito à vida, assim como o direito à reparação histórica a toda desigualdade que o racismo a nós reservou.

Uma das principais políticas de reparação pautada pelo Movimento Negro foi a Política de Cotas Raciais no Ingresso em Universidades, para que as negras e negros tivessem acesso ao mínimo que a abolição não garantiu: a educação. Em 2000, apenas 2,2% das negras/os tinham concluído o ensino superior. Muitas gerações dedicaram suas vidas nessa luta, e apenas em 2012 essa lei foi aprovada.

De lá para cá, percebemos um avanço significativo na presença da juventude negra nas cadeiras das universidades públicas e privadas brasileiras. Contudo, percebemos também que o número de pessoas negras nos cursos mais elitizados da UFRN e da UFERSA, como Medicina, Psicologia, Engenharias, continua muito baixo.

Na última semana, com toda a revolta com a desigualdade racial, se evidenciou também o grande número de brancos que burlam as cotas raciais e ocupam o lugar que é por direito das pessoas negras. Vimos por meio desse manifesto, então, dizer mais uma vez: Cota não é bagunça, é reparação! Não pode ser papel do Movimento Negro coibir essas ações criminosas, mas sim da própria instituição e ensino.

Exigimos, então, a criação imediata da Comissão de Verificação de Cotas (Comissão de Heteroidentificação) para os ingressantes do SiSU na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e da Universidade Federal Rural do Semiárido (UFERSA), para que possamos garantir que as cotas sejam destinadas a quem de fato precisa delas.

Exigimos também dessas universidades a aprovação das Cotas Raciais nas Pós-graduações, considerando que em 2019, apenas 28% dos estudantes de mestrado e doutorado no país eram pretos e pardos. Cenário que não reflete nem os avanços da presença negra na graduação e muito menos nossa composição social brasileira. Quem entrou na universidade quer permanecer produzindo ciência e construindo uma academia plural e democrática.

Esperando uma resposta oficial dessas instituições,
Os signatários abaixo listados:

Coletivo Nacional de Juventude Negra – Enegrecer
Instagram: @coletivoenegrecer | @enegrecer_rn

Com acréscimo do G1-RN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zanoni disse:

    Cota deveria ser apenas para pobre. Negro rico entra por cota, mas branco pobre não tem cota. Para pobre é mais justa!

  2. Jorge disse:

    A única quota que talvez seria justa seria aquela para alunos que cursaram todo o ensino médio em escolas públicas.

  3. João Barros disse:

    Tem que acabar com essa palhaçada de quotas para tudo que é raça…tem que estudar e entrar por mérito…

  4. George disse:

    Se você quer passar num curso concorrido da UFRN estude! Ninguém está dificultando as suas oportunidades devido a sua cor de pele. Isso não é reparação, é desigualdade, até porque também existe muito pobre branco, índio etc.

COMENTE AQUI