Educação

2ª Chamada do SiSU: UFRN convoca aprovados e suplentes para cadastro reserva

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) divulgou, no último dia 3 de maio, a lista dos candidatos convocados na 2ª Chamada do Sistema de Seleção Unificada (SiSU-2021). Foram convocados os aprovados dentro das vagas, além dos candidatos suplentes, que poderão compor o cadastro reserva, de acordo com as regras estabelecidas no edital. 

A leitura do edital, que está disponível no site SiSU-UFRN (www.sisu.ufrn.br), é fundamental para garantir o envio correto da documentação, conhecer os prazos e não perder a vaga na UFRN.  

Os candidatos convocados na 2ª Chamada terão a partir das 8h do dia 5 de maio até as 23h59 desta quinta-feira, 6 de maio, para realizar o envio eletrônico dos documentos necessários para a efetivação do cadastro na UFRN, por meio do portal http://sigps.ufrn.br/sigps/, onde deverão preencher as declarações presentes na página e anexar os documentos, conforme o grupo de inscrição no SiSU 2021. 

Informações importantes: 

1) Candidatos que submeteram a documentação e receberem e-mail com todos os documentos obrigatórios constando como “VALIDADO” não precisam realizar mais nenhuma operação. Até sexta-feira, 14 de maio, o cadastro será efetivado e a comunicação ocorrerá por e-mail; 

2) Candidatos que submeteram a documentação e receberem e-mail com algum documento constando como “NEGADO” precisam verificar a observação associada à negativa e retificar o documento no dia 10 de maio; 

3) Candidatos que não receberem e-mail devem consultar sua caixa de “spam”. Caso não encontrem a comunicação, podem acessar o Portal SIGPS e consultar o status da sua submissão. A análise dos documentos, pela equipe da PROGRAD, ocorrerá até o domingo, 9 de maio; 

4) Candidatos que não fizeram a submissão de documentos nos dias 5 e 6 de maio poderão fazê-la no dia 10 de maio pelo Portal SIGPS; 

5) Não serão aceitos documentos fora de prazo ou por outros meios de comunicação diferentes dos informados acima; 

6) Todas as informações sobre os documentos a serem submetidos estão disponíveis no edital presente no site SiSU-UFRN. 

Com UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UFRN divulga 2ª Chamada do SiSU

Foto: Cícero Oliveira

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) disponibilizou na noite da última segunda-feira, 3 de maio, a 2ª Chamada dos candidatos que optaram por participar da lista de espera do Sistema de Seleção Unificada (SiSU), divulgada no site www.sisu.ufrn.br. A recepção dos documentos para cadastro dos convocados acontecerá entre 5 e 6 de maio no endereço www.sigps.ufrn.br, onde deverão enviar os documentos exigidos em edital, com oportunidade de retificação no dia 10. Caso haja cadastro de um número maior de candidatos que a quantidade de vagas em aberto, haverá a formação de cadastro de reserva.

“Os candidatos que compõem a convocação da 2ª. Chamada, inclusive os suplentes interessados em participar do cadastro de reserva, devem enviar os documentos neste período, pois as vagas não preenchidas após a segunda chamada serão direcionadas aos estudantes que tenham realizado o cadastro”, ressalta a pró-reitora de Graduação da UFRN, Maria das Vitórias Vieira de Sá. A divulgação das listas com os nomes dos candidatos que irão preencher as vagas ociosas acontecerá nas datas definidas no edital, onde também está disponível a relação de documentos necessários para o cadastro.

Assim como na primeira chamada, o cadastro e matrícula da segunda chamada do SiSU serão 100% remotos, em virtude da pandemia da Covid-19. Os convocados que não enviarem a documentação correta serão eliminados do processo seletivo e não serão incluídos em cadastro de reserva para nova convocação. Pedidos de cadastramento em prazos, horários e locais diferentes dos indicados no edital não serão aceitos.

Vagas

Do total de 7.106 vagas disponibilizadas na primeira chamada, cerca de 71% foram preenchidas. Dessa forma, aproximadamente, 2 mil vagas deverão ser ocupadas pelos estudantes da lista de espera, obedecendo a ordem de classificação, desde que tenham enviado a documentação no período definido para cadastro. A lista de espera e todas as informações sobre o SiSU na UFRN estão disponíveis no site www.sisu.ufrn.br.

Com UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientistas da UFRN desenvolvem sistema que transporta antibióticos por vetorização magnética e melhoram tratamentos contra H. pylory no trato gastrointestinal

Foto: AGIR/UFRN

Pesquisas conjuntas de cientistas das áreas da Física, Medicina e Farmácia resultaram na concessão de mais uma tecnologia patenteada na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). O invento é um sistema de micropartículas magnéticas capaz de transportar antibióticos de modo a otimizar o tratamento de infecções por Helicobacter pylori (H. pylori) no trato gastrointestinal e fazer com que eles atuem de maneira concentrada no local da doença. A bactéria H. pylori causa infecção responsável pelo surgimento de muitas úlceras pépticas, alguns tipos de gastrite e de câncer do estômago.

O cientista Artur da Silva Carriço pontua que o sistema magnético é constituído de micropartículas polimerizadas contendo quantidades controláveis de antibióticos e nanopartículas magnéticas de magnetita. Segundo ele, além de concentrar todo o fármaco administrado no local da infecção, reduzindo a quantidade de fármaco administrada para atingir a concentração inibitória mínima da bactéria, a vetorização magnética também reduz os efeitos colaterais porque o fármaco fica impedido de atingir outras partes do corpo.

“Produzimos Micropartículas Polimerizadas contendo Fármacos (MPF) com um núcleo contendo antibióticos e partículas de magnetita e uma camada externa de proteção composta por polímero gastro-resistente, sensível ao pH (potencial hidrogeniônico), que é estável em pH ácido. O processo de síntese das micropartículas permite, entre outras coisas, controlar o conteúdo de antibiótico das micropartículas, bem como a susceptibilidade magnética. Importante ressaltar que as micropartículas podem ser usadas para preparar comprimidos ou cápsulas com características especiais”, explica o docente.

O sucesso da “entrega localizada” de praticamente todo o fármaco administrado no local é alcançado com o uso de um ímã externo localizado no abdômen em uma posição determinada pelo local da infecção, de modo que seja mínima a distância entre o ímã externo e o local da infecção. O ímã é utilizado a fim de direcionar as MPF para o local da infecção. Além disso, promover a permanência das micropartículas no local de interesse, após a administração por via oral do antibiótico. Ao atingir o local da infecção no tecido epitelial do estômago, com pH neutro, a proteção polimérica desfaz-se e os antibióticos são liberados.

É como se a MPF fosse uma cápsula que estivesse dotada de um GPS com coordenadas estabelecidas para partida e chegada e, sob controle da técnica da vetorização, com sua biodistribuição impedida, e destino certo. A cápsula é controlada para atingir o local da infecção.

No mesmo documento, o grupo coloca que, por meio da difratometria de raios-X, técnica para detecção de radiação espelhada pela matéria, ficou comprovada a composição da MPF e a eficácia do método de preparação das micropartículas polimerizadas com fármacos.

Foto: AGIR/UFRN

O registro da propriedade intelectual tem também como autores Aldo da Cunha de Medeiros, Erica Lira da Silva, Eryvaldo Sócrates Tabosa do Egito, Juliana Fernandes de Carvalho e Thales Renam Ferreira Pontes, em uma participação conjunta dos programas de pós-graduação de Ciências farmacêuticas e de Ciências da Saúde, e foi expedido pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sob a denominação Sistema magnético para vetorização de antibióticos para tratamento de infecções por Helicobacter Pylori.

Carriço salienta que o esforço de pesquisa na vetorização magnética de fármacos teve início há vinte anos e, desde sua criação, esteve sempre voltado para a vetorização de antineoplásicos para a eliminação de tumores malignos. “Nosso grupo é pioneiro em propor uso da vetorização magnética de antibióticos”, realça o pesquisador.

Números da UFRN

Foto: AGIR/UFRN

Chegando agora às 31 cartas-patente concedidas, a UFRN é a universidade líder no Norte-Nordeste nesse quesito, à frente de instituições com Índice Geral de Cursos similar ao seu, como a Universidade Federal do Ceará (UFC), a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e a Universidade Federal da Bahia (UFBA). Na UFRN, a Agência de Inovação (AGIR) é a unidade responsável pela proteção e gestão dos ativos de propriedade intelectual, como patentes e programas de computador. Em tempos de pandemia, as orientações e explicações a respeito dos aspectos para patentear uma determinada invenção são dadas através do e-mail patente@agir.ufrn.br ou via aplicativos de mensagens, pelo telefone 99167 6589.

Para o diretor da AGIR, Daniel de Lima Pontes, o número alcançado, expressivo por si só, requer uma explicação adicional. “A concessão da carta-patente tem importância que reside em algumas características peculiares. Primeiro, diferentemente do pedido de patente, a concessão atesta, segundo análise do INPI, que a tecnologia atendeu aos requisitos de patenteabilidade, tais quais a novidade, capacidade inventiva, aplicação industrial e suficiência descritiva. Segundo, reconhece a propriedade de uma invenção, que se traduz em uma tecnologia única, passível de abranger melhorias na vida de muitas pessoas. Por fim, só o pedido de patente, não é inovação. A inovação é quando a tecnologia chega até o mercado e beneficia a sociedade. A UFRN está atuando justamente no sentido de ultrapassar os nossos muros para celebrar a transferência de tecnologia com as empresas, gerando assim benefícios socioeconômicos para a nossa região”, destacou.

Daniel Pontes pontuou também que o processo de patenteamento protege o material intelectual produzido nas instituições de ensino pelo seu corpo docente e discente, eleva as pesquisas acadêmicas a um outro patamar – o da inovação tecnológica –, além de aproximar a academia do setor industrial e empresarial. Entre suas atribuições, a Agência de Inovação é responsável pela gestão da propriedade intelectual, transferência de tecnologia e ambientes promotores de inovação na UFRN, acompanhando e estimulando, por exemplo, as atividades das incubadoras da Universidade, bem como as atividades dos parques e polos tecnológicos.

Com UFRN

 

Opinião dos leitores

  1. Fico muito feliz e orgulhosa de ver que os frutos das pesquisas desenvolvidas
    na UFRN não ficam aquém de outras instituições maiores e mais equipada.

  2. Orgulho de ter estudado na UFRN e ter sido aluno de alguns desses pesquisadores.
    Em tempos sombrios que vivemos, faz bem lembrar que o conhecimento liberta e a ignorância escraviza

    1. O socialismo do pt e psdb passaram 30 anos enburreceram muito o povo, tanto que muitos idolatram ladrões corruptos como se fossem DEUS, não conseguem refletir quão maléficos são pra sociedade, tornam uma nação sem ética, poucas chances pra o competente, não presta serviços mínimos adequado a população, segregado-os da saúde, educação e segurança pública, além de inutilizar gerações que poderiam construir um Brasil mais justo e de grande potencial.

  3. Parabéns a todos os envolvidos! Professor Artur vem desenvolvendo esse tema de pesquisa a um bom tempo! Esse é o melhor exemplo de que a pesquisa científica sempre da ótimos frutos!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

FIQUE DE OLHO: UFRN recebe lista de espera do Sisu

As instituições de ensino superior participantes do Sistema de Seleção Unificada 2021 (Sisu) receberam do Ministério da Educação (MEC) nesta segunda-feira, 26, os nomes dos candidatos que manifestaram interesse em participar da lista de espera. Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), a Superintendência de Tecnologia da Informação (STI) iniciará o trabalho de classificação dos estudantes, de acordo com os números de vagas disponíveis e critérios de inscrição.

Após a finalização desse trabalho, todos os candidatos da lista de espera serão convocados na segunda chamada do Sisu na UFRN, que será divulgada no dia 3 de maio, exclusivamente pelo site www.sisu.ufrn.br. O cadastro dos convocados acontecerá entre 5 e 6 de maio no endereço www.sigps.ufrn.br, onde deverão enviar os documentos exigidos em edital, com oportunidade de retificação no dia 10. Caso haja convocação e cadastro de um número maior de candidatos que a quantidade de vagas, haverá a formação de cadastro de reserva.

A UFRN preencheu na primeira chamada cerca de 71% das 7.106 vagas disponíveis para ingresso por meio do Sisu.  Isso significa que, aproximadamente, 2 mil vagas deverão ser ocupadas pelos estudantes da lista de espera, obedecendo a ordem de classificação, desde que tenham enviado a documentação no período definido para cadastro. As vagas não preenchidas após a segunda chamada serão direcionadas aos candidatos do cadastro de reserva, que devem acompanhar a divulgação das listas com os nomes dos novos convocados.

As datas de divulgação das listas e as demais informações sobre o Sisu na UFRN constam no edital do processo, disponível em www.sisu.ufrn.br.

Com UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UFRN abre inscrições de processo seletivo para professor substituto; honorários entre R$ 3,7 mil e R$ 6,2 mil

Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) abriu na última sexta-feira, 23, inscrições de processo seletivo para professor substituto. Dentre as unidades acadêmicas previstas no edital, o Instituto Metrópole Digital (IMD) é uma das contempladas, na área de Desenvolvimento para Dispositivos Móveis.

Interessados devem realizar inscrição até o dia 5 de maio, mediante o Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH), na aba “Concursos”, na qual encontra-se disponível o formulário de inscrição. A lista com os documentos exigidos nesta etapa está disponível no Edital nº 28/2021, acessível no mesmo endereço eletrônico citado acima.

O candidato deverá efetuar o pagamento da taxa de inscrição, no valor de R$ 50, até o dia 10 de maio e, caso deseje solicitar a isenção do pagamento, deve fazê-lo até o dia 4 do mesmo mês. Para concorrer, no caso da área do IMD, é necessário possuir graduação em Computação e ter disponibilidade de 40 horas semanais. Os honorários variam entre R$ 3,7 mil e R$ 6,2 mil.

Seleção

O processo seletivo – que ocorrerá no período de 26 de maio a 4 de junho – consistirá nas seguintes etapas: análise curricular, prova de títulos e prova didática. As etapas serão realizadas em formato remoto e as atas das avaliações contendo as notas dos candidatos serão divulgadas no portal da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas da UFRN (Progesp).

Além do IMD, o edital contempla mais duas unidades acadêmicas: a Escola Multicampi de Ciências Médicas do Rio Grande do Norte e a Escola de Música. Ainda conforme o edital, o processo seletivo, voltado para a formação de cadastro de reserva, tem validade de um ano e pode ser prorrogado por igual período.

Com UFRN

Opinião dos leitores

    1. Jr, estudar??? nem higiene um nojento desse tem, imagine vontade de estudar…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UFRN se mantém com o maior Índice Geral de Cursos (IGC) entre as universidades do estado e está na 5ª colocação no Norte e Nordeste do país

Foto: Cícero Oliveira

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se mantém com o maior Índice Geral de Cursos (IGC) entre as universidades do estado e está na 5ª colocação no Norte e Nordeste do país. Referente ao ano de 2019, os resultados foram divulgados nesta sexta-feira, 23 de abril, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que avaliou critérios relativos ao ensino da graduação e da pós-graduação.

A UFRN saltou da média 3,6732, em 2018, para 3,7228, em 2019, sendo a primeira vez que a instituição ultrapassa o IGC de 3,7, desde 2014. No panorama regional, a Universidade ocupa a 5ª colocação, de um total de 28 instituições do Norte e Nordeste. Já nacionalmente, é considerada a 19ª melhor entre as 63 instituições federais de ensino superior e ocupa o 26° lugar como a melhor universidade brasileira, de um total de 197 instituições públicas e privadas.

O IGC leva em consideração três dimensões, que são as informações da graduação, do mestrado e do doutorado. O procurador institucional e membro da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da UFRN, Fabiano do Espírito Santo Gomes, explicou que o resultado teve como base informações de 92 cursos de graduação, 84 de mestrado e 40 de doutorado.

A excelência acadêmica é um dos pilares do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFRN e “todo esse resultado é fruto da Política de Melhoria da Qualidade dos Cursos de Graduação e de Pós-Graduação, instituída em 2017 e atualizada em 2020, após uma análise profunda dos indicadores de qualidade dos cursos conduzida pela Comissão Própria de Avaliação”, considera o professor Fabiano Gomes.

Critérios do IGC

O IGC é o indicador que aponta a qualidade da instituição. Em relação aos cursos de graduação, observa-se o resultado do Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade); questionário aplicado aos estudantes, onde há perguntas sobre estrutura, organização didático-pedagógica do curso e oportunidades para ampliar a formação; dados sobre os docentes, como proporção de mestres e doutores e regime de trabalho; além do índice de diferença de desempenho, que compara como o aluno estava antes de entrar na graduação, por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Já sobre a pós-graduação (mestrado e doutorado), o Inep considera os conceitos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. Segundo o ex-ministro da Educação, o fujão e semianalfabeto Abraham Weintraub (nome enfeitado para um jumento), as universidades são lugar de baderna. Bom mesmo deve ser ficar conversando asneira com o guru dele: Otário, digo Olavo de Carvalho…

  2. A boiada só “entra” na UFRN para cortar caminho e chegar em Capim Macio 🤣🤣🤣🤣

  3. Lamentável é a atuação dos integrantes do Comitê Científico que presta acessoria ao governo do RN e que são um bando de incompetentes. E que não produziram nenhuma ciência que trouxesse algo de bom para a população norte-rio-grandense.
    Lamentável!

    1. Se você tivesse estudado, teria uma remota chance de entrar na UFRN. Porém como é improvável gado lê, continue a mugir.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Comitê Covid-19 recomenda manutenção do ensino remoto para o período letivo de 2021.1 na UFRN

O Comitê Covid-19 da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se reuniu na manhã desta quinta-feira, 22 de abril, com o objetivo de atualizar a gestão universitária sobre as recomendações sanitárias referentes à pandemia do novo coronavírus. Dessa forma, o grupo de especialistas deliberou, por unanimidade, pela manutenção do formato de ensino remoto para o período letivo de 2021.1, com a possibilidade de realização de atividades presenciais, desde que asseguradas as condições de biossegurança e aprovadas pelas instâncias universitárias competentes.

Conforme a ata da reunião, “entende o Comitê que, para o período 2021.1, não deve haver alteração em relação ao formato adotado no período 2020.2”. Outro ponto discutido pelos especialistas foi que as atividades administrativas na UFRN devem ser disciplinadas pela instituição, para quando constatadas as condições sanitárias e de atendimento de saúde pública que viabilizem o retorno presencial gradual e seguro.

Para encaminhar as orientações, o Comitê levou em consideração as recomendações emanadas das autoridades sanitárias referentes ao coronavírus e as resoluções do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepe), n° 062/2020 de 5 de novembro de 2020 e n° 105/2020 de 15 de dezembro de 2020. O grupo é composto pelo vice-reitor da UFRN, Henio Ferreira de Miranda; diretor de Atenção à Saúde do Servidor (DAS), Benedito Braz Baracho; médico pneumologista da DAS, Renan Laurindo Dantas dos Santos; chefe do Departamento de Infectologia, Kleber Giovanni Luz; médica infectologista e vice-diretora do Instituto de Medicina Tropical (IMT), Eliana Lucia Tomaz do Nascimento; e pelo professor do Departamento de Microbiologia e Parasitologia, Josélio Maria Galvão de Araújo.

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. gente, vamos ser realistas, antes dessa pandemia ninguém tava nem aí pra estudar, aí agora é importante? oxi! evasão na rede pública é absurda, a média era 7, baixou pra 5 agora na pandemia… o ano está perdido, não adianta, já vai entrar maio, o jeito é terminar o ano remoto mesmo. 2022 depois da vacina volta presencial. ponto.

  2. kkkkk, esse povo da UFRN é engraçado… aí o município e estado precisa voltar e eles não? hipócritas

  3. Até parece que a imunidade dos professores da rede pública é mais baixa que a dos demais trabalhadores e suas vidas são mais valiosas. Isso porque enquanto os outros trabalham ou querem trabalhar e são impedidos por governadores insensíveis, essa nobre categoria continua prejudicando os alunos e não cumprindo com sua obrigação. Ou apelam para essas aulas remotas (uma enganação) ou nem mesmo isso. E custam muito caro aos pagadores de impostos.

  4. alunos vcs serão os principais prejudicados, os professores já tem garantido o salário e estão tranquilos.
    Pensem ! usem o cérebro, para depois não chorar no cotidiano das suas futuras profissões, o momento de aprendizado é agora.
    Depois é só cobrança e se fizer algo errado processo.
    O mercado seleciona os melhores e pune os despreparados.
    #ficaadica

  5. O ensino público tem vivido o paraíso na terra, é a realização de muitos anos, todo corpo docente recebendo e trabalhando 80% menos. Onde está a mídia que em 400 dias de pandemia nunca foi a uma escola pública ver como estão sendo feitas as atividades na educação? A mídia não tem a menor preocupação em como o aluno do ensino fundamental e médio estão assistindo aula, por sinal, estão tendo aula? Como os alunos podem ter aula em casa? Se o aproveitamento é péssimo com aula presencial, imagine agora, longe da escola.
    A única preocupação com o ensino público durante a pandemia, foi o sindicato atuando para que o ensino não fosse entendido como essencial.
    Só no Brasil isso é tratado, onde e quando o ensino não é essencial a um país?

  6. Correto.O vírus que circula mas escolas é o mesmo das universidades.So não compreendo por quê não existe vírus até o 5 ano .

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Inscrições para concurso de professor na UFRN com 29 vagas encerram nesta quinta

Foto: Anastácia Vaz

A Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp) da UFRN realiza concurso com 29 vagas para professores do magistério superior. As informações estão disponíveis nas páginas eletrônicas do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos – SIGRH (Menu Concursos) e da Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas – Progesp (Menu Concursos > Novos > Edital N.013 Magistério Superior > Vagas, Conteúdos e Projetos Pedagógicos). As inscrições estarão abertas até 22 de abril, quinta-feira, por meio do SIGRH da Universidade.

As vagas são distribuídas entre os cargos de professor Adjunto-A, Assistente-A e Auxiliar, com regime de trabalho de dedicação exclusiva ou 20h. Os valores das taxas de inscrição variam de acordo com a classe/padrão e regime de trabalho, custando entre R$ 50 a R$ 220.

Avaliações e áreas de conhecimento do concurso 

A prova escrita de todas as áreas de conhecimento será aplicada no dia 18 de julho, domingo, às 8h, em Natal (RN), observando as normas de biossegurança, caso esteja vigorando o estado de calamidade pública devido a pandemia da covid-19. As demais etapas do concurso serão realizadas no período de 19 a 30 de julho, segunda-feira a sexta-feira, conforme calendário a ser divulgado posteriormente, de acordo com as normas do edital (item 11).

O concurso contará com quatro tipos de avaliações, realizadas na seguinte ordem: I – Prova Escrita (fase eliminatória e classificatória); II – Prova Didática (fase eliminatória e classificatória); III – Defesa de Memorial e Projeto de Atuação Profissional (fase eliminatória e classificatória); e IV – Prova de Títulos (fase classificatória).

A seleção é voltada para as  seguintes disciplinas/áreas de conhecimento: Ciências Sociais; Geografia Física; Dança e Educação; Dermatologia; Hematologia; Doenças do Sistema Gastrointestinal e Coloproctológico (Gastroenterologia Clínica); Fundamentos da Anestesiologia; Otorrinolaringologia; Endodontia; Saúde Bucal Coletiva; Medicina de Urgência – Trauma Clínico e Cirúrgico; Pediatria Geral; Ginecologia e Obstetrícia; Voz; Oceanografia; Microbiologia Médica; Métodos potenciais; Dinâmica, Dinâmica Aplicada às Máquinas e Vibrações; Sistemas Hidráulicos e Pneumáticos e Elementos de Automação Industrial; Transmissão de Calor e Mecânica dos Fluidos; Estudos Urbanos e Regionais; Engenharia da Qualidade; Sistemas de Telecomunicações; Língua Brasileira de Sinais – Libras; Antropologia Social;  Atenção Fisioterapêutica na Saúde da Criança; Matemática; Inteligência Artificial; Canto Popular; e Direito Privado.

Com UFRN

Opinião dos leitores

  1. O pré-requisito é fazer parte de arrumadinho. Só quem tem ‘amizade’ lá dentro passa nessas provas. Conheço excelentes professores que tiraram 3 na prova didática. Detalhe que na UFRN não pode filmar né? Assim o candidato não tem como recorrer. Já no IFRN é tudo gravado bem direitinho…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

FOTOS E VÍDEO: UFRN pede patenteamento de nova tecnologia para a construção civil

Foto: Divulgação/UFRN

A cidade é Jericó, no Oriente Médio. O ano é 7500 a.C. Nesse tempo e lugar, pesquisadores encontraram as primeiras informações a respeito do tijolo que se tem conhecimento. Estabeleceu-se como substituto da madeira e da pedra em regiões onde havia escassez desses materiais. Uma curiosidade desta época é que os tijolos eram unidos com a utilização de betume e palhas.

Na passagem brusca do tempo a respeito do conhecimento de diferentes técnicas da tecnologia da construção, chegamos a 2021, d.C, em Natal, cidade no Nordeste do Brasil. Um grupo de cientistas da construção civil desenvolve um bloco em terra semiensacado, estabilizado a partir da combinação de solo, manipueira e fibra de polietileno de alta densidade, sem a necessidade da utilização do cimento, o que repercute na diminuição do uso da água na construção civil. É um material com baixo custo e, por conseguinte, sustentável – segundo levantamento da US Green Building Council, a construção civil consome cerca de 21% de toda a água tratada do planeta.

Além de ser mais barato, Ana Lígia Pessoa Sampaio esclarece que o bloco propõe uma remodelação dos blocos em terra, associando-os ao desenvolvimento de uma formulação química à base essencialmente de solo e manipueira. Autora da dissertação defendida em 2020 no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (PEC), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), estudo que deu origem à nova tecnologia, ela acrescenta que o propósito é obter um sistema construtivo inovativo de fácil absorção pela indústria, adaptável ao padrão de vida contemporâneo e que melhora o desempenho termoacústico do ambiente construído.

“Essa situação acontece em regiões que exigem sistemas construtivos com elevada massa térmica, como a Zona Bioclimática 07, que abrange boa parte do semiárido brasileiro, mas também trazendo benefícios para Zona Bioclimática 08, referente às áreas litorâneas, como comprovado nos resultados da dissertação. A ideia é que essa nova tecnologia possa ser utilizada como alternativa a qualquer técnica convencional, dando mais possibilidades aos projetistas e construtores de proporem ambientes mais confortáveis sem aumentar os custos”, destaca Ana Lígia.

Denominado Bloco em terra semi-ensacado estabilizado a partir da combinação de solo, manipueira e fibra de polietileno de alta densidade, o depósito do pedido de patente da invenção foi realizado no mês de março e tem também como autores os professores Wilson Acchar e Vamberto Monteiro, respectivamente da UFRN e do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), instituição coautora do pedido.

Os cientistas frisaram que a fase de desenvolvimento do bloco já foi finalizada e há protótipos construídos há um ano com os blocos. Inclusive a pesquisa passará por uma espécie de complementação a partir de novos testes termoacústicos e de durabilidade para avaliação do comportamento do bloco às condições climáticas de Natal. “É importante frisar que há algumas invenções e técnicas que procuram resolver alguns dos objetivos citados no nosso trabalho, mas nenhuma atende às necessidades descritas, principalmente quanto à dificuldade de se atrelar conforto, materiais naturais, desempenho mecânico, facilidade de execução e estética flexível”, especificou Wilson Acchar.

A principal dificuldade de técnicas similares é se adaptar ao modelo vigente de construção no Brasil, às técnicas de nivelamento, ao acabamento e possibilidades de revestimentos, enfim, ao know-how dos trabalhadores da construção civil, que trabalham com tijolos e blocos rígidos, que possam ser produzidos em grande quantidade, transportados, e resistam a impactos para manuseio.

Wilson Acchar tem uma ampla experiência em pesquisas com aproveitamento de resíduos a partir da análise das suas estruturas e dos efeitos termodinâmicos da sua combinação com outros resíduos ou com os materiais convencionais. Exemplo é um outro depósito de patente realizado no segundo semestre de 2020 e que usava um resíduo da produção do sal para a fabricação de um tijolo ecológico, ou a carta patente concedida em 2019 para a fabricação de massas cerâmicas para pisos e revestimentos com adição de cinzas da casca do café . No caso deste novo pedido, a substância é um efluente do processo de lavagem da mandioca, a manipueira, substância tóxica em decorrência do teor elevado de ácido cianídrico e matéria orgânica.

Construídos no campus central, os protótipos estão em espaço disponibilizado pelo Centro de Tecnologia, unidade que contribuiu com materiais e a mão de obra – Foto: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

Vamberto Monteiro complementa que a substância já é utilizada para produção de tijolos ecológicos no Ceará e na Paraíba por alguns agricultores, mas ainda não havia sido testada em blocos ou sistemas que envolvem muita massa térmica. A proposição era testar a substituição total da água nesse processo, pois havia a hipótese de que a energia de compactação atrelada ao efeito agregador da manipueira eliminaria a necessidade do cimento na composição. “Saliente-se que a adição do cimento é benéfica em termos mecânicos, mas não essencial, pois reduz o efeito desagregador do solo seco e aumenta a resistência à compressão do bloco. No entanto, devido à elevada massa de cada bloco, as composições com cimento foram restritas a 10% e é sugerido o máximo de 20%”.

Um olhar curioso, um olhar social

O resultado do trabalho é um exemplo claro de pesquisa aplicada com amplo alcance social local. Ao ouvir os pesquisadores, percebe-se claramente que esse entrelaçamento não foi à toa. “Sou arquiteta e sempre tive interesse em construir usando o solo, mas as técnicas em terra ainda estão muito restritas a nichos e grupos de permacultura ou associadas à falta de recursos”, diz Ana Lígia. Segundo ela, a maior barreira nesse interesse é a falta de estudos tecnológicos que embasassem as técnicas a respeito dos aspectos da utilização propriamente, além de como “combiná-las” ao padrão e estilo de vida contemporâneos.

Foto: Cícero Oliveira – Agecom/UFRN

“Quanto aos processos construtivos, destaca-se a adaptação de uma técnica de baixa complexidade tecnológica, mas que vem sido deixada de lado nos estudos científicos devido a um estigma social que relaciona construções em terra à pobreza. Não menos importante, a clareza de que o Brasil possui oito zonas bioclimáticas, com parâmetros e recomendações distintas para as construções, fato esse importante inclusive ao se usar o sistema aqui proposto, no qual a manipueira atua como uma resina”, enumera a arquiteta.

Para a pesquisa, outro ponto essencial para o sucesso da criação da tecnologia foi a articulação de técnicas e teorias advindas de disciplinas diferentes, procurando envolver Engenharia Civil, Ciência e Engenharia de Materiais e Arquitetura. Atuando junto ao Laboratório de Propriedades Físicas e Materiais Cerâmicos (LaPFiMC), ela defende que para se resolver um problema estrutural — como é o caso da habitação no Brasil, a poluição decorrente da produção em larga escala do cimento e a grande quantidade de água exigida pelo setor da construção civil — “é necessária uma avaliação pelos mais diferente vieses”, realçou.

Foto: Pesquisadores/UFRN

Vitrine Tecnológica da UFRN

Para o diretor da Agência de Inovação (AGIR) da UFRN, Daniel de Lima Pontes, este depósito de pedido de patente é um exemplo de criação de produtos e processos que ajudam no desenvolvimento regional e econômico do país. “É também uma espécie de utilização dos resultados encontrados nas pesquisas científicas que geram produtos que atendem a demanda de um mercado específico, um mercado grande. Na UFRN, temos uma vitrine tecnológica com quase 300 pedidos de patente que podem ser fruto de parcerias publico-privadas, por exemplo, na qual os investidores podem ter vários benefícios ao associar-se à universidade, como o know-how e a expertise que nós detemos em vários âmbitos”, afirmou Daniel Pontes.

Os pedidos de patentes e as concessões já realizadas estão na Vitrine Tecnológica da UFRN, disponível para acesso no endereço: agir.ufrn.br, mesmo local em que os interessados obtêm informações a respeito do processo de licenciamento. Na UFRN, a Agência de Inovação (AGIR) é a unidade responsável pela proteção e gestão dos ativos de propriedade intelectual, como patentes e programas de computador. As notificações de invenção, passo inicial de todo o processo, são feitas mediante o Sigaa, por meio da aba Pesquisa. Em seguida, a equipe da AGIR entra em contato com o inventor para dar prosseguimento aos trâmites.

Com UFRN

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Colégio Porto é primeiro lugar em Direito na UFRN e tem alunos aprovados em várias universidades do país

É do Colégio Porto o primeiro lugar do curso de Direito da UFRN. O estudante Vinícius da Câmara foi aprovado para um dos cursos mais concorridos da Universidade Federal. O resultado do ENEM/SISU 2020 foi divulgado na manhã desta sexta-feira (16). A escola também teve estudantes aprovados em universidades de outros estados do país, inclusive no curso de Medicina.

Além do primeiro lugar em Direito na Federal do RN, o Colégio Porto também conquistou outras vagas no mesmo curso e teve alunos aprovados em Administração, Ciências Contábeis, Engenharia Civil, Engenharia da Computação, Farmácia, Geologia, Odontologia e Ciência e Tecnologia. Ainda no Rio Grande do Norte, a escola garantiu vaga em Ciência e Tecnologia, na Ufersa e nos cursos de Medicina e Odontologia, na UNP.

Mas os bons resultados do Colégio Porto não ficaram apenas aqui no estado. Os alunos também passaram, além do ingresso pelo ENEM, em instituições de renome fora do estado, como a FGV, Insper, Mackenzie e UNIPÊ/PB, no curso de Medicina, Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal de Campina Grande.

“Podemos dizer que começamos muito bem, aprovando logo no início da nossa jornada o primeiro lugar no curso de Direito da UFRN, um dos mais concorridos. Nós alegra também ver nossos alunos realizando o sonho de entrar em universidades daqui e de fora do estado também. Isso mostra que a metodologia de ensino diferenciada do Colégio Porto fez toda diferença na hora do ENEM. É uma grande conquista para nossa escola que nasceu há apenas um ano”, disse o professor André Cury, um dos diretores do Colégio Porto.

Para celebrar os resultados de forma segura, o Colégio Porto vai realizar uma sessão de fotos individual, com horário agendado para cada aluno aprovado. Nesse momento eles receberão um Kit Comemorativo, com a camiseta da aprovação, boné, band-aid e petiscos, para comemorar em família.

 

 

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

VÍDEO: Filho de lavadeira é aprovado em 1º lugar em medicina na UFRN

(ASSISTA AQUI)

Luiz Gustavo de Oliveira, de 19 anos, natural de Caicó, filho de uma lavadeira, foi classificado em primeiro lugar no curso de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Norte(UFRN) via Sisu.

Reportagem da InterTV Cabugi conta que o jovem teve que se desdobrar para buscar a aprovação, abdicando, inclusive, de finais de semana, e tendo ajuda de familiares e uma bolsa de estudo para conseguir o objetivo da aprovação.

Opinião dos leitores

  1. Mais um caicoense humilde brilha nas letras demonstrando que o conhecimento liberta o ser humana.
    Lembro bem do tetraplégico que numa cadeira de rodas em 1974 também enalteceu a cidade de Caicó com aprovação em medicina sendo na época a maior média do Norte e Nordeste

  2. Todo Caicoense Raiz sabe que “O sabor da Vitória depende da intensidade da Luta!” Parabéns Guerreiro Conterrâneo!

  3. Parabéns! Faça sempre o bem para as pessoas que estará cumprindo os ensinamentos de Deus. Boa sorte!

  4. São nossas superações, fico sem palavras, contudo, é um Guerreiro e vencedor…com o futuro bastante promissor!!

  5. Meu conterrâneo, um guerreiro batalhador, não conheço mais desejo sorte e felicidades, vá em guerreiro

    1. Está provando que será profissional de suma competência. Seguia em frente.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

UFRN cadastra a partir de segunda-feira aprovados no Sisu 2021

Foto: UFRN

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realiza a partir desta segunda-feira, 19, o cadastro e matrícula dos candidatos selecionados no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), de acordo com as notas obtidas na edição 2020 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A primeira chamada é voltada aos 6.939 aprovados dentro do número de vagas, que devem enviar a documentação exigida pela UFRN entre os dias 19 e 20 de abril, exclusivamente por meio do site. Eventuais necessidades de retificação ou complementação serão realizadas no dia 22 de abril, no mesmo endereço eletrônico.

A lista de documentos consta no edital de cadastramento e matrícula, disponível no site. Neste ano, será implantado pela primeira vez o processo de heteroidentificação, ao qual serão submetidos os candidatos autodeclarados pretos ou pardos. O procedimento será realizado por meio do envio de um vídeo individual, que será analisado por uma banca composta por três membros. Já os candidatos que desejam preencher as vagas reservadas às pessoas com deficiência devem encaminhar exames e laudos comprobatórios, que serão analisados pela banca de validação de caráter multidisciplinar.

A pró-reitora de Graduação da UFRN, Maria das Vitórias Vieira, ressalta que este será o primeiro ano de cadastro e matrícula 100% remotos, em virtude da pandemia da Covid-19. Os convocados dentro das vagas serão automaticamente matriculados pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa), já os que não enviarem a documentação correta serão eliminados do processo seletivo e não serão incluídos em nova convocação. Pedidos de cadastramento em prazos, horários e locais diferentes dos indicados no edital não serão aceitos.

Outras dúvidas sobre o processo de matrícula podem ser esclarecidas no edital ou exclusivamente pelo e-mail sisu@ufrn.br.

Vagas

A UFRN oferta 7.106 vagas para 119 cursos de graduação nos campi de Natal, Macaíba, Santa Cruz, Currais Novos e Caicó. Do total de vagas, 4.822 são para o primeiro semestre, que terá início em 7 de junho, e 2.284 para o segundo semestre, cujas aulas começam no dia 18 de outubro. As vagas eventualmente não ocupadas na primeira chamada serão preenchidas em uma segunda chamada, a partir da lista de espera disponibilizada pelo Sisu 2021. Para compor a lista de espera, os candidatos devem manifestar interesse no portal do Sisu, em prazo estabelecido em cronograma do Ministério da Educação (MEC). A convocação da segunda chamada na UFRN está prevista para o dia 3 de maio de 2021, já o cadastro e matrícula acontecerão no provável prazo de 5 e 6 de maio, com retificação no dia 10.

Opinião dos leitores

  1. Nao estou conseguindo realizar o cadastro. O sistema informa que esse cadastro ainda não está disponível. O sistema está com algum problema?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Pesquisador da UFRN busca patentear formulação de combustível para foguetes e mísseis

Fotos: Cícero Oliveira

Foguetes e mísseis funcionam com base na lei de ação e reação de Newton: jogar algo para a direção contrária a que se quer seguir e assim adquirir velocidade. A substância que faz os foguetes se moverem no espaço é o propelente, uma mistura de combustível com comburente, substância que fornece oxigênio para a reação, já que ele não está disponível no espaço. A depender de situações, como forte gravidade e densa atmosfera, essa ‘tabelinha’ entre os dois precisa ser mais intensa, pois influenciam na força de propulsão. E é aí que as reações químicas entram em jogo.

Na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), um pesquisador desenvolveu uma nova tecnologia que propicia a utilização de uma substância já existente, mas com a aplicação inovadora na composição do propelente. “Trata-se do uso de uma substância química, já conhecida, a Hidroxipropilmetilcelulose, como aglutinante e combustível para a preparação de propelentes sólidos ou híbridos para foguetes e mísseis”, relatou o inventor Robson Fernandes de Farias.

O depósito de pedido de patente foi feito pela UFRN junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) sob o nome Hidroxipropilmetilcelulose como aglutinante e Combustível para a preparação de propelentes Sólidos ou híbridos para foguetes e mísseis. Robson Farias realçou que a aplicação da tecnologia é voltada para a área das tecnologias do setor de defesa, trazendo como vantagem empregar uma substância de baixo custo (comparativamente) e com elevada combustionabilidade, aumentando o número de possíveis formulações de propelentes, o que significa aumentar as possibilidades tecnológicas, num setor estratégico.

“Em nossos testes, constatamos que a hidroxipropilmetilcelulose quer pura, quer em mistura com a goma guar, e empregando-se oxidantes específicos, combustiona perfeitamente e de forma contínua. Tal como formulado, o novo propelente poderia ser empregado como um bom sucedâneo para formulações de mais alto custo”, elencou o cientista.

O que é um pedido de patente?

O pedido de patente do novo combustível para foguetes passa a integrar o portfólio da vitrine tecnológica da UFRN, invenções que podem ser acessadas através do endereço www.agir.ufrn.br. A patente em si é um título de propriedade temporária sobre uma invenção ou modelo de utilidade, outorgado pelo Estado aos inventores, autores ou outras pessoas físicas ou jurídicas detentoras de direitos sobre a criação. Assim, o depósito de pedido de patente é o primeiro passo para garantir direitos de comercialização exclusiva, por um determinado período, de uma nova invenção com aplicação industrial.

A proteção das tecnologias desenvolvidas por inventores da UFRN tem como objetivo resguardar os direitos patrimoniais da instituição frente aos investimentos intelectuais e financeiros investidos durante o seu desenvolvimento, mas também permitir que estes novos produtos e processos sejam licenciados por empresas que possam explorá-los comercialmente, gerando recursos para a instituição na forma de royalties que novamente serão investidos em inovação.

Nesse primeiro momento, o Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (INPI) ‘guarda’ o documento por 18 meses em sigilo. Em seguida, o estudo é publicado e fica o mesmo período aberto a contestações. Após os três anos, o Instituto parte para a análise em si e, se não encontrar nada parecido, faz a concessão. Por causa disso, a concessão costumeiramente acontece após cinco anos do depósito.

Na UFRN, a Agência de Inovação (AGIR) é a unidade responsável pela proteção e gestão dos ativos de propriedade intelectual, como patentes e programas de computador. Em tempos de pandemia, as orientações e explicações a respeito dos aspectos para patentear uma determinada invenção são dadas através do e-mail patente@agir.ufrn.br ou via aplicativos de mensagens, pelo telefone 99167 6589.

Com UFRN

 

Opinião dos leitores

  1. Justamente, “Manel”!! Por culpa da Praga PTista que desgraçou o País, investiu em Olimpiada, e agora a decisão equivocada do stf em entregar ao Governador e Prefeito a responsabilidade das ações para enfrentamento dessa Tragédia!! Culpem esse PT infame!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

OPORTUNIDADE: UFRN divulga edital para reocupação de 826 vagas residuais

Foto: Cícero Oliveira

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), por meio da Pró-Reitoria de Graduação (Prograd), divulga o edital do processo seletivo para reocupação de vagas residuais nos cursos de graduação da instituição para o período letivo de 2021.1. Ao todo, estão sendo oferecidas 826 vagas, distribuídas nos campi de Natal, Caicó, Currais Novos, Macaíba e Santa Cruz. As inscrições podem ser feitas entre os dias 2 e 18 de abril na página da Comperve. A taxa de inscrição é de R$ 30.

O processo seletivo se destina a candidatos que têm ou tiveram vínculo com curso de graduação em Instituição de Ensino Superior. As vagas residuais são geradas por cancelamentos de curso, conforme o Regulamento dos Cursos Regulares de Graduação da UFRN.

A seleção dos candidatos será realizada em duas etapas: avaliação do resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), de caráter eliminatório e classificatório, sendo os candidatos classificados de acordo com as notas obtidas no ENEM; e avaliação institucional e acadêmica, de caráter classificatório, sendo atribuída aos candidatos pontuação, de acordo com o Anexo II do Edital (tabela de pontuação – avaliação institucional e acadêmica).

Todas as informações sobre o processo seletivo de reocupação de vagas residuais da UFRN podem ser consultadas no edital. O resultado final deve ser divulgado no dia 17 de maio, no site da Comperve.

Com UFRN

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

VÍDEO: Infectologista e professora da UFRN volta a criticar tratamento precoce contra covid

Foto: Reprodução/Youtube

Em entrevista a rádio 96 FM nessa terça-feira(30), a médica Marise Reis, infectologista e professora da UFRN, falou sobre o que ela classifica como riscos do tratamento precoce contra a covid-19. Condenou medicamentos como ivermectina, e disse que se espera a médio prazo, até o fim do ano, um antiviral específico para o tratamento de fato.

Segundo a médica, uso de remédios sem comprovação científica pode causar problemas por ter efeitos colaterais. Marise ainda relatou sua experiência pessoal, quando houve suspeita, em que se tratou com sue marido com isolamento, hidratação e remédio para dor.

Confira abaixo: 

Opinião dos leitores

  1. Só perdi meu tempo ouvindo isso… não me convenceu, porque não tomar e evitar chegar em um caso grave???? ridículo isso… é obvio que primeiramente deve procurar um médico e fazer o teste. caso positivo, não vejo o porque não fazer o uso do medicamento que não faz mal usando na dosagem correta.

  2. É difícil conviver em um país cheio de gente burra e imbeciu defender um remédio que o faz efeito, somos país doente de mta gente má e imbeciu. A fila não para de subir e o povo tomando esse remédio q n serve.

    1. Davi, deixa de ser tolo meu, essas doutorinha náo sabe de nada, elas briga para pela farmácia dela que ganha todos os mês recompensa, que sentir alguma coisa sobre covid-19,se não tomar um paleativo morre e a ivemectrina, broquei o virus a destruir seus orgão, eu e minha familia escapamos pelo fio…..

  3. Tivemos 6 casos covid 19 na família. TODOS fizeram tratamento inicial/precoce. Eu e minha filha com sintomas fomos no Hapvida Mossoró. Muito bem atendido. O protocolo era Hidrocloriquina(dado pelo hospital) ivermectina e predinizona. Deus me perdoe…NÃO SEI COMO UM MÉDICO q JUROU salvar vidas, FICA POLITIZANDO um medicamento.
    Deus tenha misericórdiade nós!

  4. Homem de Deus, ainda estamos perdendo tempo com esse papo idiota e politiqueiro, efeitos colaterais todo medicamento tem, em grau maior ou menor. Inicialmente parto do pressuposto da autonomia médica na prescrição e por acreditar no profissional que vou, essa idiota fica jogando titica de galinha na cabeça dos outros, deixa de ser ridícula cientista de meia cuia, a vc não vou, tomar o remédio quem quer e acha que deve tomar, conheço outros médicos, que diferentes de vc recomendam e prescrevem, e cá pra nós, eles tem mais tem de rodagem, experiência e qualidade. Deixa de fazer terrorismo barato, faça uma autocrítica e se cale, está ficando feio, por último, vá discutir com sua colega, ou colegas em qualquer fórum, vc já foi convidada. Preste atenção, vá preparada, não balbucie, se irrite ou chore, no mundo os fracos perecem.

  5. BG , não dê espaço para esse tipo de médico negacionista , todos eles responderão por omissão, o que eles estão fazendo é crime , são militantes de esquerda , alguém já viu o facebook dessa médica ? É uma militante do pt ,sendo do pt não tem credibilidade.

  6. A teta das balbúrdias secou, ai o desespero é geral.
    Chupa infectologista vermeia.
    Quem não quiser cair que se deite, o Véio Bolsonaro é duro .

    1. Porque não é todo mundo que gosta de bater palmas pra macaco dançar.

  7. Que um dia essa conta seja cobrada a quem de direito.
    Estão falando de vidas, vidas e mais vidas, adivinhação é coisa perigosa no uso da medicina. Pior que adivinhação, é colocar a ideologia política antes das vidas. Mas sem entrar na polêmica ou mérito, qual o mal que a medicação adotada por uma enorme parcela dos médicos, o chamado tratamento precoce, vai fazer ao paciente com covid?
    Melhor salvar vidas tentando ou ficar colocando sua razão acima das doenças?
    Se depois de 01 ano de pandemia, ainda não existe um caminho seguro contra o covid, se nem
    as vacinas dão 100% de certeza contra o covid, qual a razão de toda essa dedicação em ir a mídia contra o tratamento precoce?
    Existe comprovação científica que o tal tratamento precoce causa mortes? Existe comprovação científica que o tratamento precoce é ineficaz? Melhor prevenir ou remediar?

  8. Pelo amor de Deus! Quem quiser pode se esbanjar de tomar esses remédios e depois vão lutar por um transplante de fígado. Povo sem noção. Bando de jegues.

    1. Simples, se você ou alguém em sua família pegar covid, não tome, evite o tratamento precoce. Só vá ao hospital quando estiver com falta de ar, ajude, não deixe a rede hospitalar lotada.
      Afinal abrir novas UTIs não vai resolver.
      Mas não critique quem quer tomar a medicação. Ainda somos uma democracia e não temos que seguir ordeiramente os palpites dos políticos de estimação, de acordo com suas ideologias. Não é questão de voto e sim de vida.

    2. Bem…
      Se é por conta do risco de transplante hepático, o risco maior é se automedicar com paracetamol como instrumento a nobre médica cientista.
      Ver uma médica incentivar a automedicação é muito grave! E ela diz isso claramwnte: se tiver com os sintomas fique em casa por 5 a 7 dias isolado, mantendo boa hidratação e alimentação.
      Ou seja, se você tiver no início da doença fique em casa, não procure um serviço de saúde. Só vá ao médico quando estiver grave! Isso é ciência?
      Quais são as publicações conceito A que embasam essa conduta?
      E ainda tem o juízo de proferir que o .édico que trata seu doente na fase inicial da doença com medicação profilática o faz por compaixão e não com ciência.
      É muita ciência pra minha humilde ignorância e muita falta de humanidade pra exercer a medicina.
      Podemos concluir então, que após 14 meses de pandemia, a ciência que norteia os membros desse dileto e endeusado comitê parace que não mudou muito. Ora, essas eram as recomendações do ex-ministro da saúde Mandetta, se não me falha a memória.

  9. Tem que ter bom senso.O remèdio nâo funciona para Covid,quando se toma a ivermectina pelo menos se fica parcialmente protegido,pois a verminose não vai atuar como elemento complicador.Mas usar ou não usar depende do mèdico,mas não é vacina.

  10. Essa mulher é uma ATRAZADA.
    Estudos recentes avançam todos os dias, as perspectivas e comprovação são cada vez, mais positivas do uso dessa medição no mundo inteiro.
    Ela não acompanha, não estuda, um ano se passou e segue na mesma mesmice, achando que aspirinas, lock doria, figuem em casa, resolve.
    Faz é gerar desempregos e quebrar empresas isso sim.
    Essa é o tal comitê científico que gerencia a pandemia no RN.
    Comitê, meia boca aspirina com suco, zero avanços.
    Estamos lascados na mão desses incompetentes.
    Essa a verdade verdadeira.

    1. Essa é da turma do mimimi que vivia passeando em Paris por conta da UFRN, O leitinho secou, é continuou jumenta do mesmo jeito!!!

    2. Inteligente é vc que escreve ATRASADO com Z….
      Muuuuuuuuuummmmmmmmmm

    3. Atrasado é um sujeito que não sabe nem escrever essa palavra corretamente querendo dar lição em quem realmente é alfabetizado.

    4. "AtraZado" és tu, abestalhado. Essas porcarias de Cloroquina e Ivermectina não servem pra nada, se servissem, o mundo inteiro estaria usando. Deixa de ser alienado e puxa saco de miliciano. Vai estudar primeiro pra poder dar pitaco em algo que não entende, Zé Furiko.

    5. Que falácia mais fuleira essa. Como se não houvesse gente querendo vender remédio caro. E idiota dando ouvido.

    6. Pois é… e tem outra professora dando uma opinião em sentido contrário.
      E mais de cinquenta estudos científicos padrão-ouro.
      Eu a sigo, sem prejuizo de outros cuidados, agurdadando a minha vez de ser vacinado.
      O que vai acontecer na pior das hipóteses? Matar uns vermes? . Agora nego que tomar uma tonelada de química e num quer passar mal… ou tomar remédio já indo pro tubo, só para servir de estatística para o nosso 'Komitê Científico".

    7. Mimimimimimimimi.
      Da família pixuleco.
      Com Z ou com S vcs entenderam.
      Essa senhora é ATRASZADA sim senhor, e muito, aspirina com suco e só procure um hospital quando estiver igual a galinha caipira morta pelo pescoço, SÓ ABRINDO O BICO.
      Kkkkk
      Incompetentes!!!
      Depois de um ano continua parada no tempo.
      estacionado como o governo de Fátima da Paraíba.
      Zero!!
      Governo sem cérebro, não pensa, não agem, só copia e nada mais.
      Ponto final!

  11. Ela me fez entender o que é ciencia… ciencias politicas. Teve a grande oportunidade de usar o tempo pra argumentar, explicar a farmacologia… em vez disso foi uma negacionista sem argumentos muito plausíveis. So fala em estatistica com pouca argumentacao. Faltou ciencias medicas classicas.. senti a sensação de sarcasmos com os demais profissionais. Infelizmente, achei que faltou um pouco de respeito e faltou ciencia. Dez anos fora da atividade clinica? Comitê cientifico de "amigos"??? Nao tentar salvar vidas pq nao ha o que fazer? Passou a sensação de um show de apatia. Como leigo senti medo e nao o conforto no que precisava ouvir. Nao iria querer procurar um profissional, mediante a quantidade de informação de risco que ouço diariamente na TV MORTE, que a unica medida preventiva que ela conhece é se hidratar e tomar um analgesico.. e se tiver um oximetro (coisa de rico) deve monitorar pelo zap… e se piorar ir pra o hospital enfiar um tubo goela abaixo. Muito triste isso.

  12. Uma petistas de carteira, só quer ver o mundo pegando fogo 🔥, ora porra , não tome, vá se entubar

    1. A maioria que está sendo entubada fez o tratamento Doutor.

    1. Outro analfabeto sem focinheira querendo ensinar bê a bá a professor.
      Vem logo, meteoro!!!!

    1. Como assim, toma quem quer porra? É você, Caligula?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Cientistas do LAIS/UFRN recomendam que decreto de isolamento social rígido seja prorrogado no RN até domingo com toque de recolher integral no fim de semana

Foto: Reprodução

Os cientistas do Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde (LAIS/UFRN) – alguns integram também o comitê científico do RN – recomendaram nessa segunda-feira (29) que o governo do Rio Grande do Norte prorrogue até o próximo domingo (4) o atual decreto de isolamento social rígido que tem validade até o dia 2 de abril. A íntegra do documento pode ser conferida AQUI.

No documento, os cientistas ainda recomendam que se faça um toque de recolher integral de 48 horas – das 5h do sábado (3) até 5h da segunda-feira (5). A intenção dos especialistas com as medidas é evitar aglomerações durante o feriadão da Semana Santa em todo o Rio Grande do Norte.

“Esse toque de recolher de 48 horas é a circulação zero de pessoas em todo o RN, como nós já vimos em outro momento, que aumentou de maneira expressiva a taxa de isolamento social de todo o estado”, explicou o diretor executivo do LAIS, Ricardo Valentim.

No relatório, os cientistas indicam que março tem sido um dos piores meses desde o início da pandemia e que isso exigiu medidas mais duras, já que houve recorde de internações e o terceiro maior número de mortes e também o terceiro maior número de casos confirmados durante o mês.

As recomendações do LAIS

O atual decreto do estado deve ser mantido até o final da semana da Páscoa (04/04/2021).

Implantar, no sábado e no domingo de Páscoa, toque de recolher de 48 horas, iniciando-se às 5h da manhã do sábado (03/04/2021) até às 05h da segunda-feira (05/04/2021).

Após a Páscoa, deve ser iniciado o retorno às aulas em formato híbrido com 50% da capacidade para as atividades presenciais.

O Governo do Estado e os municípios devem apresentar um plano de retomada gradual das atividades econômicas.

Os educadores físicos, por serem profissionais de saúde, devem ser incluídos na lista de vacinação já nas fases prioritárias, pois esses têm um papel social importante e muitos deles estão expostos em academias e também porque trabalham com a população considerada de risco.

As Pessoas com Síndrome de Down devem ser priorizadas na vacinação, pois há comprovação científica de que estes fazem parte do grupo de risco, logo não é possível negligenciar essa população.

Os gestores públicos não devem investir recursos públicos em fármacos sem autorização da Anvisa, cuja bula do medicamento não conste explicitamente a indicação clínica para covid-19. Ao contrário, todos devem unir esforços em prol da

É altamente recomendado que as autoridades públicas do estado e dos municípios invistam em pesquisas clínicas para o enfrentamento a covid-19.

As autoridades sanitárias do estado devem alertar a população que a prescrição off-label de medicamentos sem autorização da ANVISA para a covid-19 é algo desaconselhado pela Associação Médica Brasileira. Caso a indicação clínica não conste na bula do medicamento, o paciente deve ser informado de que se trata de um método terapêutico experimental, uma vez que não há evidências científicas de que o mesmo tenha ação profilática e/ou terapêutica contra a covid-19. Além disso, o paciente deverá ser informado de que é preciso manter o distanciamento social adequado, usar máscaras, fazer higienização frequente das mãos com água e sabão ou álcool 70%.

Diante dos resultados apresentados em estudos científicos amplamente divulgados e revisados por pares sobre o uso indiscriminado e da automedicação utilizando Ivermectina, Cloroquina e Hidroxicloroquina, é fundamental que o Governo do Estado e demais municípios elaborem um plano de comunicação voltado para população em geral alertando sobre os riscos do uso desses medicamentos.

O Estado e todos os municípios precisam, urgentemente, discutir o retorno às aulas das escolas públicas, pois essas são as mais afetadas durante todo o curso da pandemia. As crianças e os adolescentes mais pobres do estado já foram bastante impactados pela falta das aulas presenciais, aspecto esse que poderá ampliar ainda mais a desigualdade social no RN.

Opinião dos leitores

  1. Todos esses cientistas estão com o salário garantido no final do mês.
    O povo que se lasque e se não morrer pela COVID-19, morra de fome ou de depressão dando um tiro na cabeça.
    Nesse time tem muita teoria e pouca prática.

  2. Tem que liberar com responsabilidade. E FISCALIZAR, o que é competência do governo estadual, e não ocorre.

  3. Medida sem qualquer comprovação científica de eficácia contra o vírus. Aliás, locais que vem "trancando" as pessoas há mais tempo estão tendo resultados piores ou, no máximo, idênticos aos que não adotam tal prática. É uma constatação mundial. E causa efeitos nefastos na população. Esses parasitas estão propondo a destruição do que ainda resta do RN.

  4. *Municípios que estão SEM MORTES há MAIS DE 30 dias por causa do tratamento precoce:*

    Itajubá,
    Patos de Minas,
    Ipatinga,
    São Lourenço, Governador Valadares em MG;
    Maxaranguape em RN;
    Porto Seguro/BA; Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste do Rio Grande do Sul, Taquara,
    Gramado em RS; Sorocaba,
    Engenheiro Coelho,
    Porto Feliz em SP;
    Itajaí,
    Rancho Queimado em SC;
    BÚZIOS em RJ;
    São Pedro dos Crentes em MA.
    *CIDADES DO BRASIL QUE ADOTARAM O TRATAMENTO PRECOCE e PREVENTIVO*

    Porto Feliz, S.P.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/384

    Taquara, R.S.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/383

    São Lourenço, M.G.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/382

    Maxaranguape, R.N.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/375

    Itajubá, M.G.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/373

    Gramado, R.S.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/369

    Búzios, Angra dos Reis, R.J.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/116

    São Pedro dos Crentes, Maranhão
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/247

    Patos de Minas, M.G.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/193

    Porto Seguro, Bahia
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/183

    Rancho Queimado, S.C.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/274

    Itajaí, S.C.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/252

    Natal, R.N.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/89

    Associação dos Municípios da Encosta Superior do Nordeste do Rio Grande do Sul
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/15

    Engenheiro Coelho, S.P.
    https://t.me/tratamentoprecocepreventivo/386

    1. Kkkk. Sério que faz um mês que não morre ninguém em Natal?! Acorda! Aqui em Natal a taxa de letalidade do covid eh maior que nos municípios do interior! Será que eh devido ao uso e distribuição gratuita de ivermectina feita pela prefeitura?

    2. Os respectivos CPFs estão sendo informados?
      É só clicar no link

    1. Deixa de falar asneira
      sujeito, vc deve ser um desses inoperantes que fazem parte do governo, veja quantos pais de família precisam trabalhar e não tem como pois depois de um ano da doença tá pagando por falta de competência de gestores, se vc pode ficar em casa que fique

  5. Nas vi recomendação p/abertura de novos leitos de uti e clínicos…Não vi recomendação p/ampliação das estruturas de vacinação…Muita ideologia eu vejo muito!!!!

  6. A ciência do tranca tudo sem credibilidade cada vez mais: Por que não sugeriram manter os leitos abertos? por que não orientam qual medicamento tomar para covid-19 ? Por que não exumam os corpos de quem morrem por covid ? medo de achar a cura? só sabem mandar ficar em casa? só sabem dizer que invermectina não funciona? lamentável! Estão agindo de forma politica em nome da ciência!

  7. Muita gente criticando e berrando contra os cientistas do comitê..não vejo ninguem criticar a falta de ajuda do governo federal..briguem pelo auxilio que nunca deveria ter acabado e parem de zoar com a ciência..
    S pessoa vivo com saude se vira..intubado ou morto não!!

    1. 600 paus pra 40 milhões de pessoas. 288 bilhões por ano. É só dar calote na dívida ou dar uma canetada cobrando imposto, né? Ou mandar imprimir notas. Cada jegue.

    1. O que você entende por cientista, heim!? Pra ser cientista precisa ser médico?

    2. Bom, o presidente do comitê é engenheiro elétrico, por isso ele entende muito de tratamento e acompanhamento precoce com medicamentos a covid kkkkkllkkllkkkkkkkkkkkkkkk

  8. Está na hora do povo ir às ruas. Em 1992, foi o grito das ruas que tiraram um presidente do poder; em 2016, a vontade popular e do Congresso também retirou uma Presidente do poder. Creio que os natalenses nas ruas poderão sensibilizar a governadora a revogar o artigo que restringe e prejudica grandemente a economua do RN.

  9. É Incrível a capacidade de alguns de só enxergar o próprio umbigo, enquanto o salário de vcs estiver na conta garantido todo mês, é bom demais ficar mandando fechar tudo, bando de FDP, o povo não aguenta mais, temos que aprender conviver com esse Vírus!

  10. Poderia esses intitulados cientistas do lais participarem de um debate publico e transmitido em tempo real com a Dr Lacerda. Ela convidou pra um debate.. pq nao aceitam o convite??? Faltaram argumentos??

    1. Eles não vão porque colocam suas energias em promover ciência.

  11. Esses cientistas políticos deveriam recomendar o tratamento no início da doença e abertura de leitos.

    1. São os Deuses. Já previram que com esse “confinamento total” vai resolver tudo e determinam a volta as aulas. Deveriam , muito tempo, ter dito ao Governo do Estado que tinha de abrir leitos para evitar mortes por falta de UTI e respiradores. Fica claro a posição política contra medicamentos em uso. Qual medicamento, que na bula, tem indicação para COVID? Como Deuses deveriam ordenar o fim da pandemia, como foi feito no período eleitoral pelo TSE e politicos.

    2. O que eu acho interessante é o nome pomposo "LAIS – Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde"…..gostaria de saber de uma dessas Inovações mirabolantes do engenheiro elétrico …a não ser trancar ruas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *