Laboratório do Comportamento Humano da UFRN recruta voluntários

O Laboratório de Evolução do Comportamento Humano (LECH), vinculado ao Centro de Biociências (CB), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) está recrutando voluntários para participarem da pesquisa Estratégias sexuais e escolha de parceiros em pessoas transgêneras, desenvolvida pelo mestrando Rodrigo Gomes no Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia.

A pesquisa, que é coordenada pelo professor Felipe Nalon, do Departamento de Fisiologia da UFRN, tem como meta contribuir para uma melhor compreensão científica das transgeneridades com foco na saúde psicológica das pessoas trans.

Os pesquisadores buscam a participação de pessoas transgêneras, transexuais ou travestis com idade a partir de 18 anos que estejam ou não em processo de hormonização e que tenham ou não passado por processo cirúrgico de redesignação sexual e, para fins comparativos, homens e mulheres heterossexuais. Para participar da pesquisa o interessado deve enviar uma mensagem, até o dia 1º de maio, para o e-mail [email protected] para agendar um horário.

A pesquisa será realizada entre os meses de abril e agosto e funciona por meio de aplicação de questionário presencial no LECH, com duração média de 20 minutos. Dentre os instrumentos aplicados estão uma escala de autoestima e um levantamento sociodemográfico, além de outros específicos. Todos os dados fornecidos são tratados de forma anônima.

O objetivo do estudo é contribuir para o aprofundamento do conhecimento sobre a população de pessoas transgêneras através da investigação de como se dão as relações românticas e quais as características preferidas em um parceiro entre pessoas transgêneras. A ideia é entender as estratégias sexuais sob a perspectiva evolucionista do estudo do comportamento e os critérios de preferência na escolha de parceiros.

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

Helio Mota  23/04/2018

Se na UFRN não estudarem alguma coisa relacionada a gays e afins ou não é na UFRN ou não quer ser. - Responder

UFRN, UERN e ITEP firmam parceria para doação de cadáveres não reconhecidos

O Departamento de Morfologia (DMOR) do Centro de Biociências (CB) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e o Instituto Técnico e Científico de Perícia (ITEP-RN) firmam parceria para doação de cadáveres não reclamados oriundos de mortes não criminosas ou violentas. A portaria de número 080/2017 do ITEP-RN dispõe de um protocolo referente a essas doações via Instituto às instituições de Ensino.

De acordo com a portaria, o fato decorre da necessidade da utilização de cadáveres nos cursos vinculados a área da saúde, especificamente nas Escolas de Medicina das Instituições de Ensino Superior, com fins de estudo ou pesquisa científica. Atualmente, apenas a UFRN e a UERN encontram-se em acordo com a Lei federal 8.501/92, a qual deixa claro que os corpos com esse perfil devem ser destinado apenas às escola de medicina.

Em reunião realizada no último dia 22 de junho envolvendo a UFRN, a UERN e o ITEP firmaram termos de compromisso para o encaminhamento dos corpos e assim viabilizar melhorias significativas para o ensino na área médica. Segundo o Professor Expedito Nascimento do Departamento de Morfologia da UFRN, a cada 50 cadáveres que chegam ao ITEP, um pode ser enquadrado com as características de ensino. “Os corpos irão suprir a demanda do curso médico na nossa instituição, não apenas em nível de graduação nos campus de Natal e Caicó, como também para os cursos voltados para o treinamento de cirurgiões de toda a região Nordeste”, diz o professor.

O diretor-geral do ITEP, Marcos Brandão, ressalta que essa é uma forma de desafogar os espaços que esses corpos não reconhecidos ocupam, assim como contribuir para a sociedade com a doação deles para o ensino. “Aqui no ITEP temos corpos não reclamados em grande volume, um inclusive que está aqui desde 2015, o que gera certo problema para receber e analisar outros. Essa portaria que estabelecemos, é crucial para formação de futuros profissionais da saúde que hoje são estudantes das universidades a quem estamos contribuindo”.

Para o Professor Fausto Guzen, Diretor da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade Estadual do Rio Grande do Norte (UERN), a parceria proporciona uma melhor qualificação dos alunos. “Enfrentamos problemas todo o semestre com a falta de corpos para o ensino. No semestre passado, tínhamos apenas um corpo para as aulas, o que prejudicou bastante as disciplinas que necessitavam do conhecimento anatômico. O aprendizado da anatomia do corpo humano é crucial para a qualidade de formação do aluno e também para melhoria na qualidade de ensino”.

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte é uma das poucas instituições de ensino superior do Brasil a possuir um Programa de Doação Voluntária de Corpos. Para conhecer o programa basta acessar o site: www.dmor.cb.ufrn.br/doacao

COMENTE AQUI

UFRN promove primeira Caçada Pokémon no campus

pok

O Núcleo de Arte e Cultura da UFRN, juntamente ao programa SigaArte promovem a primeira caçada Pokémon na UFRN.

O evento consiste em realizar 3 voltas do circuito pré-definido, da Reitoria à Biblioteca Central e, ao final, permanecer 30 minutos em Lure Mode na Reitoria.

O horário de encontro será às 15:30, no dia 18, no estacionamento da reitoria, próximo ao ponto do circular Direto com previsão de saída às 16 horas.

Haverá um bolsista do NAC encarregadode guiar o grupo.

COMENTE AQUI

San Alencastro Rodrigues  13/08/2016

Idiota é você. E qual é o problema de votar no PT? Você certamente é um militante do PMDB ou outro Partido qualquer e isso é problema seu. Respeite a opinião dos outros. Quem você pensa que é para sair por aí criticando as pessoas. Todo mundo tem o direito de escolha. Suas colocações são simplesmente, idiotas. - Responder

Andreia  11/08/2016

Triste fim dos nossos impostos: financiar um bolsista "guia" de caçadores de Pokemón. VERGONHA SRA. REITORA!!!!!!! - Responder

Jadson  11/08/2016

kkkkkk Cara, você está tentando se projetar no outros agora é? kkkkkk Vai dormir, teu mal é sono, ou outra coisa! kkkkkkk - Responder


+ Ver todos os comentários

Traumatismo cranioencefálico causou morte de professor da UFRN, diz Itep

174661O professor substituto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Diogo Rosembergh da Silva Nóbrega, de 26 anos, morreu em razão de um traumatismo cranioencefálico de ação contundente. Ou seja, foi vítima de uma agressão que causou fratura no crânio e dano físico ao cérebro. É o que aponta o resultado da perícia realizada pelo Instituto Técnico-Científico de Polícia (Itep) – cujo laudo foi divulgado pelo órgão no início da noite desta segunda-feira (22). O corpo de Diogo foi encontrado na manhã do domingo (21) debruçado sobre pedras em meio às falésias de Cotovelo, praia do litoral Sul da Grande Natal.

A perícia descarta a possibilidade de afogamento, mas não aponta se o professor foi assassinado ou cometeu suicídio. Delegado da 2ª Delegacia de Polícia de Parnamirim, Marcel Gouvêa disse que só deve dar início às investigações na manhã desta terça (23), depois que analisar o inquérito instaurado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, a DHPP.

Foi o delegado Marcos Vinícius, da DHPP, quem esteve no local onde o corpo foi encontrado. Isso aconteceu porque as delegacias distritais da Grande Natal não funcionam nos finais de semana e feriados. “Estava vestido só de cueca, com uma camisa polo e meias. O corpo apresentava muitos hematomas. Também havia ferimentos nos braços, pernas e afundamento craniano”, descreveu.

Ainda na cena do crime, o delegado ressaltou que seria necessário mais tempo para se chegar a uma conclusão sobre o ocorrido. “Neste momento não é possível determinar se ele foi assassinado (tendo sido morto em meio às pedras ou mesmo empurrado do alto da falésia), se cometeu suicídio ao saltar do penhasco ou até mesmo se morreu afogado”, acrescentou.

Ainda de acordo com Marcos Vinícius, próximo ao corpo da vítima havia um paralelepípedo, que também pode ter sido usado para causar o afundamento do crânio.” Enfim, ainda é cedo para dizer o que houve”, finalizou.

Fonte: G1

COMENTE AQUI

Concurso para técnico-administrativo da UFRN acontece neste domingo; confira locais de prova

Acontece neste domingo, 11, o concurso público para cargos técnico-administrativos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) lotados em Natal, Macaíba, Santa Cruz e Caicó. Os locais de prova podem ser consultados no endereço:http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/concursos/ufrn_201505/localdeprova.php.

O acesso aos locais de prova estará liberado das 7h20 às 8h. Após as 8h, os portões serão fechados e os candidatos atrasados, eliminados do concurso. A aplicação das provas, objetivas e discursivas (redação), tem duração máxima de quatro horas e meia.

Para fazer a prova, os candidatos devem apresentar o original do documento de identidade usado na inscrição. Caso não possa fazê-lo, por motivo de perda, roubo ou furto, deve apresentar atestado do registro da ocorrência em órgão policial. Não será aceita cópia da identidade, ainda que autenticada, nem protocolo de documento.

Os candidatos devem levar para a prova caneta esferográfica preta fabricada em material transparente. Não será permitido portar óculos escuros, boné, protetores auriculares, materiais didáticos, corretivo, lápis e borracha, bem como telefones celulares e quaisquer outros eletrônicos, que devem ser guardados em embalagem porta-objetos fornecida pela equipe de aplicação, de acordo com o item 10.6 do edital.

O gabarito preliminar das provas objetivas será divulgado no mesmo dia, uma hora após o fim da aplicação das provas objetivas. Recursos contra o gabarito devem ser interpostos em até 48 horas a partir a divulgação.

Inscritos

No total, inscreveram-se no concurso quase 20 mil pessoas. Os cargos mais concorridos são os de assistente de laboratório, com 856 pessoas para uma vaga, e assistente em administração, com 15.103 pessoas para 18 vagas, ambos em Natal. Veja as relações candidato/vaga no endereço:http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/concursos/ufrn_201505/documentos/demanda_parcial_20150923.pdf.

Para mais informações, acesse a página do certame no site do Núcleo de Concursos da UFRN (COMPERVE):http://www.comperve.ufrn.br/conteudo/concursos/ufrn_201505/informacoes.php.

Outras Informações:

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

Revista Galileu noticia caso de assédio moral de professor da UFRN contra orientanda

 (Foto: Marcus Penna)

A conceituada revista científica Galileu trouxe essa semana uma reportagem sobre um caso de assédio moral praticado por um professor da UFRN contra uma aluna de mestrado. Ele, segundo a reportagem, tentou manter relações com ela e, diante das negativas, passou a perseguí-la no meio científico. O caso teria sido acobertado pela própria universidade. Confira a matéria:

“Desde pequena, Luana* sonhava estudar astronomia enquanto observava o céu estrelado de sua cidade, no interior da Bahia. Crescida, formou-se em física e foi atrás de um mestrado em Natal, no Rio Grande do Norte. Em busca de um orientador, procurou o coordenador do curso, Jonas,* um astrônomo. Na mesma hora, foi convidada por ele para participar de seu grupo de pesquisa. No auge de seus 23 anos, Luana pulou de alegria. O professor prontamente lhe ofereceu uma sala ao lado da sua no prédio dos docentes, onde os alunos eram proibidos de trabalhar, e quis instalar câmeras para que os dois ficassem mais próximos. Ligava nos finais de semana para saber o que ela estava fazendo. Ela saía para jantar com o professor e outros estudantes, e durante os encontros, os assuntos eram todos de cunho sexual. Certa vez, ao sair de um restaurante, Jonas disse que deixaria Lua­na em casa e abraçou seu quadril. Ela fugiu de todas as investidas, e com o passar dos meses começou a namorar um rapaz de outra área da pós-graduação. Quando o orientador soube do namoro, Luana passou a ser excluída de reuniões e seu nome foi retirado de apresentações nacionais de artigos. Um dia, ao chegar em sua sala, ela encontrou a mesa vazia. O computador havia sumido. Foi então que ela descobriu outros quatro casos de abuso envolvendo o mesmo professor — incluindo uma aluna da iniciação científica que perdeu a bolsa ao recusar uma investida — e o processou por assédio sexual. Todo o departamento e a própria universidade acobertaram o caso. E o orientador ainda processou Luana por assédio, alegando que ela usava roupas provocantes. Luana desenvolveu síndrome do pânico e transtorno obsessivo-compulsivo. Não conseguia dar três passos sem voltar para ver se suas coisas estavam onde havia deixado. Tinha crises toda vez que alguém tocava seu braço. Mas juntou forças para se mudar e recomeçar o mestrado do zero. Hoje, ela é professora de astrofísica em uma universidade no sul do país.

A história de Luana é mais uma entre tantas de mulheres que ousaram entrar em áreas da ciência dominadas por homens e acabaram sofrendo abuso moral, assédio e outros tipos de opressão. Há algo de podre na ciência brasileira que exclui sistematicamente as mulheres da produção acadêmica. Uma pesquisa realizada com exclusividade por GALILEU aponta que, nas maiores universidades do Brasil, o número de alunas na graduação é maior que o número de mulheres no corpo docente — o que sugere que essas alunas desistem em algum ponto entre a graduação e o doutorado. Na área de biologia, elas representam 61% dos alunos e 44% do total de docentes. Na física, são 21% dos estudantes e 16% dos professores, e na química são 56% dos alunos e apenas 37% dos docentes.”

COMENTE AQUI

Tomaz  10/09/2015

Rola muita sacanagem no mundo acadêmico. Sexo e tudo mais. - Responder

paulo  10/09/2015

Caro BG. Esse assunto é da esfera da Policia Federal, Ministério Publico Federal e Justiça Federal que deverão investigar e dar uma satisfação a sociedade BRASILEIRA que não pode e nem deve compactuar com esses procedimentos. - Responder

Maracujina  10/09/2015

História antiga . Muito esquisita . O professor nega veementemente esse fato . No meio científico existe uma guerra silenciosa de vaidades , prestígio e verbas . Precisa ser investigado e ouvidas todas as partes para não praticarmos injustiça . - Responder


+ Ver todos os comentários

UFRN: Reitoria explica medida judicial sobre funcionamento do RU

Restaurante Universitario_19dez14_Anastacia Vaz_4Foto: Arquivo / Anastacia Vaz

A reitora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Ângela Paiva Cruz, informou na manhã desta sexta-feira, 20, que a Justiça Federal concedeu o instrumento de Interdito Proibitório pleiteado pela UFRN com o objetivo de manter dentro da normalidade o funcionamento do Restaurante Universitário (RU). Sobre o assunto a reitora concedeu a seguinte entrevista:

Por que a UFRN decidiu entrar com o pedido de Interdito Proibitório?

O esforço da gestão universitária, em qualquer circunstância, é sempre garantir a funcionalidade e a normalidade do serviços que oferece  e garantir a integridade do seu patrimônio físico e imaterial. No caso específico do RU, nosso pedido de intervenção à justiça foi para garantir que o restaurante pudesse continuar funcionando normalmente e atendendo a sua clientela, que inclui todos os segmentos da comunidade universitária, alunos, professores e técnicos.

E o que levou a UFRN a tomar a essa decisão?

A decisão veio depois de um fato ocorrido na quarta-feira, dia 17, durante o horário de almoço no RU, quando um grupo de 14 estudantes investiu contra o equipamento causando depredações. O grupo rompeu a cerca de segurança, quebrou uma janela e danificou a parte superior de um dos torniquetes em funcionamento. O grupo colocou em risco a sua integridade física e de outras pessoas que se encontravam na área e causou prejuízos materiais ao patrimônio da universidade. As imagens do sistema de segurança do RU mostram como seu deu a ação.

Havia a ameaça de uma nova agressão que justificasse esse pedido preventivo de proteção?

Sim. Durante a reunião ocorrida na reitoria nós tomamos conhecimento da convocação feita pelo Movimento Okupa RU pelas redes sociais. Eles anunciaram que na quinta-feira, dia 19, estariam realizando uma nova investida e que o objetivo seria ocupar o restaurante. Como nós não podemos prescindir do funcionamento desse equipamento, que atende mais de 3.000 pessoas por dia, tomamos medidas de prevenção. O Interdito Proibitório é o instrumento legal que garantirá que o espaço não será invadido.

Qual seria o principal prejuízo se ocorrer uma paralisação do RU?

Os prejuízos são muitos, mas o principal é colocar em risco a segurança alimentar dos milhares de estudantes que utilizam o RU. Dentre as políticas de assistência ao estudante desenvolvidas pela UFRN, essa é uma das que trazem mais benefícios diretos ao estudante, porque é a política de atender às necessidades de alimentação. O RU oferece cerca de 3 mil refeições no almoço e l,4 mil no jantar. Desse total, parte significativa das refeições é destinada aos alunos que moram nas residências universitárias e muitos desses alunos, considerados em estado de vulnerabilidade econômica, só contam com essas refeições.

Os estudantes reclamam da falta de comodidade enquanto aguardam o atendimento no RU. Filas e calor são as principais queixas. A universidade pode fazer alguma coisa para melhorar essas condições?

A UFRN sempre esteve aberta ao diálogo com os estudantes. Aliás, com quaisquer dos seus segmentos. No caso dos estudantes nós avançamos muito, em várias áreas com bolsas, novas vagas nas residências, auxílio transporte etc. No caso da alimentação, a Universidade ampliou o número de bolsas, de alunos beneficiados e já estuda várias medidas para dar mais qualidade aos serviços. Inclusive temos projetos para instalar novos restaurantes no Campus Central e no interior, porque também no interior existe uma demanda de alunos carentes e de alunos que moram em residências da UFRN.

No caso específico das filas do RU do Campus Central, há alguma medida em curso para resolver?

Nós estamos trabalhando em duas frentes. A primeira é para agilizar o acesso ao refeitório. Para isso estamos instalando um novo torniquete, elevando para 3 o número desses equipamentos. Com isso o fluxo sobe de 14 para 21 alunos por minuto passando pelos torniquetes. Fora isso nós estamos adotando outras medidas que vai descentralizar o atendimento. Até o final do mês de março nós vamos dispor de um novo espaço que irá funcionar como refeitório, nas imediações do NUPLAN.  A logística para funcionamento desse refeitório está sendo finalizada e devemos atender 400 pessoas nesse local.

Num prazo de 60 dias devemos colocar outro refeitório em funcionamento, em outra área do campus, de modo que até o final do semestre esse problema das filas será resolvido. Uma medida definitiva, que consistiria na construção de um novo restaurante, depende de avaliações, projetos e recursos, e está nos nossos planos.

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

Sergio Nogueira  21/03/2015

Em tempo: sobre a Reitora, eis os exatos termos do seu pensamento sobre uso dos meios legais para reprimir ações criminosas UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE EM DEFESA DA DEMOCRACIA E DA AUTONOMIA UNIVERSITÁRIA A UFRN tem como missão institucional assegurar a formação plena dos seus alunos, através da melhoria constante do ensino, da pesquisa e da extensão. A formação acadêmica dos nossos alunos objetiva fomentar, como partes indissociáveis, competências técnico-científicas e profissionais de alto nível e habilidades ético-políticas. Tais atributos são indispensáveis para a sua atuação como cidadãos ativos que contribuam para o desenvolvimento econômico e social e para a defesa e a ampliação da justiça social e da democracia na sociedade brasileira. Diante dos últimos acontecimentos, a UFRN vem manifestar publicamente preocupação com o tratamento dado aos movimentos reivindicatórios dos estudantes natalenses, em especial à violência sofrida por estudantes da UFRN. É próprio da democracia encontrar formas civilizadas e solução negociada para as divergências e os conflitos de interesses entre os diferentes grupos e atores sociais. A democracia é o ambiente apropriado para que a sociedade civil e os movimentos sociais possam expressar livremente suas aspirações e reivindicações e para que os governantes e demais autoridades constituídas busquem soluções negociadas entre as partes envolvidas e o respeito aos interesses do conjunto da sociedade. Frente aos relatos do uso desproporcional da violência pelas forças policiais contra as manifestações dos estudantes, a UFRN soma-se a outras importantes instituições democráticas da sociedade norte-riograndense na expectativa de que as autoridades competentes tomem todas as medidas cabíveis para a apuração dos fatos. A necessária preservação da ordem pública deve ser alcançada através do diálogo e prescindir do uso da violência, observando o respeito ao exercício irrestrito e harmonioso do conjunto das liberdades democráticas por todos os cidadãos. Neste momento, também, a UFRN esclarece que não admite e nunca admitiu a ação indiscriminada de forças policiais no espaço universitário, pois a defesa da integridade física do seu espaço territorial é indispensável ao exercício da autonomia universitária, condição elementar para assegurar a liberdade para o funcionamento pleno das atividades acadêmicas que são regularmente desenvolvidas pela comunidade universitária. Natal, 22 de maio de 2013. Ângela Maria Paiva Cruz Reitora - Responder

Sergio Nogueira  21/03/2015

Quando esses mesmos vândalos destruíam a cidade em junho de 2013, sob o pretexto de um aumento de 20 centavos, que depois virou qualquer coisa, vários professores da UFRN assinaram lista de apoio, como se vê neste link: http://diariodosol.com.br/noticias/2013/06/nota-de-professores-da-ufrn-em-apoio-as-manifestacoes/ Agora quando a turma do THC ameaça a própria Universidade aparecem usando as mesmas medidas que antes demonstravam a "repressão da sociedade capitalista". No dos outros é refresco mesmo... - Responder

UFRN: Matrículas para estudantes da graduação começam nesta quarta

As matrículas em disciplinas dos estudantes de graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) têm início nesta quarta-feira, 14, e se estendem até o próximo dia 24. O procedimento é realizado por meio do Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (SIGAA), link graduação.

Segundo o calendário escolar da UFRN, definido em novembro na Resolução 38/2014 do Conselho de Administração, o 1º semestre letivo começa em 02 de fevereiro e termina no dia 20 de junho. A Pró-Reitoria de Graduação (PROGRAD) ratifica que os estudantes que não efetuarem a matrícula ou não pedirem a suspensão de programa, correm o risco de cancelamento do vínculo com a Universidade.

Reingresso

A PROGRAD também divulgou na segunda-feira, 12, a relação final das inscrições homologadas para o reingresso de 2º Ciclo 2015.1 – Grupo 2. Para baixar o documento, o interessado deve acessar o endereçohttp://www.prograd.ufrn.br/, clicar em formas de ingresso > reingresso de 2º ciclo > reingresso de 2º Ciclo 2015.1.

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

Alunos da UFRN planejam levar filhos para salas de aula em protesto contra humilhação de colega por professor

Após o caso da estudante Waleska Maria Lopes, impedida de assistir aula com sua filha de cinco anos na UFRN, vir a público em reportagem do G1, alunos da universidade reportaram ao BlogdoBG que estão organizando um protesto.

De acordo com os relatos, os estudantes estão programando levar seus filhos para as salas de aulas em solidariedade à estudante, que se viu em situação de humilhação. Ela informou ao G1 que vai prestar boletim de ocorrência por agressão moral e constrangimento.

O fato aconteceu na terça-feira (6) durante a aula de Introdução à Sociologia do curso de Ciências Sociais da UFRN. “Me senti muito mal. Minha filha perguntou se não podia mais assistir às minhas aulas. Se era por causa dela. É uma grande humilhação. A única família dela sou eu. Ela só tem a mim. Foi terrível”, relatou a aluna ao G1.

O professor que provocou os eventos, Alípio Sousa Filho, afirmou que a criança interrompe o andamento da aula. Após a saída da aluna, ele foi gravado pelos demais alunos dizendo o seguinte:

“Ela encontre uma rede de solidariedade para cuidar da criança. Não consegue essa rede de solidariedade? Repense sua vida. Não tem que estar fazendo Ciências Sociais, não tem que estar estudando na universidade. Você só faz isso se tiver condições. Agora não vai impôr à instituição coisas que não são assimiladas pela instituição (…) ‘ah, eu sou pobre, não tenho’. Problema seu, a universidade não tem problema com isso, se vire”.

COMENTE AQUI

Tomaz  08/03/2018

NENHUMA MÃE A MENOS! À Universidade Federal do Rio Grande do Norte As e os estudantes da UFRN vem por meio desta nota repudiar a agressão do professor Alípio de Sousa Filho (DCS/UFRN) contra a estudante do curso de ciências sociais e mãe Waleska Lopes ao impedi-la de assistir aula acompanhada da sua filha de 5 anos. Não é a primeira vez que o professor constrange estudantes adotando uma postura opressora e autoritária dentro de sala de aula. Tal caso não é um fato isolado, mas é a reprodução do modelo de sociedade machista que nega às mulheres os espaços de conhecimento, bem como sua permanência enquanto mãe e trabalhadora. Diante do contexto de democratização do ensino público superior nos últimos anos faz-se necessário que a instituição se adapte ao novo perfil de estudantes que ingressam nas universidades, garantindo a permanência das mães estudantes que precisam levar suas filha/os para a aula por não ter com quem deixar. Reafirmamos que além de machista, Alípio sustenta um discurso onde o preconceito de classe prevalece ao afirmar que “só vai (pra universidade) quem tem condições” e enaltece seus títulos acadêmicos no exterior. Comprovando, assim, que apesar de seu currículo não tem nenhuma capacidade de estar em sala de aula e lidar com as diferentes realidades sociais. Nesse sentido, reivindicamos: Afastamento do professor de suas atividades acadêmicas; Incluir na utilização dos recursos do PNAES a construção e manutenção de uma creche dentro do campus que funcione nos turnos matutino, vespertino e noturno. Em plenária na noite de ontem (07/03), as e os estudantes do curso de Ciências Sociais deliberaram uma agenda para discutir a pauta na segunda-feira (12/03), sendo: 8h40: Assembléia Estudantil na pracinha dos CAs do setor 2. 18h45: Aula pública sobre gênero e opressões na pracinha dos CAs do setor 2. #SomosTodasWaleska #PeloDireitodeSerMãeEstudante - Responder

joao  08/03/2018

Deviam privatizar.. ou começar a pagar.. quando acham que é de graça, fazem isso. O prejuizo é para aqueles que querem um futuro atraves do conhecimento. Sala de aula nao é creche. - Responder

Ems  08/03/2018

É preciso bom censo da aluna !!! - Responder


+ Ver todos os comentários

Escola Agrícola de Jundiaí, da UFRN, planeja oferta de cursos do Pronatec em 38 municípios

194126c12235650428863231b7bf8Foto: Cícero Oliveira

Com o objetivo de promover educação profissional e cidadania, a Escola Agrícola de Jundiaí (EAJ), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), está em fase de planejamento para realização de cursos de capacitação profissional em 38 municípios do RN, em parceria com o Governo Federal através do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). A meta é que mais de 2.500 norte-riograndenses sejam beneficiados ainda neste semestre.

De acordo com o Coordenador Geral do Pronatec/EAJ/UFRN, professor João Inácio da Silva Filho, é muito satisfatório ver a retomada do Pronatec no Rio Grande do Norte. “A Escola Agrícola de Jundiaí atua desde 2011 ofertando cursos do Pronatec, e desde então tem estado presente nos distritos e assentamentos para que os jovens e trabalhadores do RN possam conquistar a qualificação que precisam para entrar no mercado de trabalho ou montar o próprio negócio. É muito gratificante ver a retomada deste importante Programa que promove não só a capacitação, como também cidadania”.

Dentre as modalidades do Pronatec ofertadas nesta etapa pela Escola Agrícola de Jundiaí, está o Programa Mulheres Mil, modalidade exclusiva para mulheres em estado de vulnerabilidade social. Há também cursos voltados para o Sistema Prisional em Regime Fechado, Catadores e Marinha.

Ao todo, mais de 100 cursos serão ofertados nos municípios de Açu, Angicos, Baía Formosa, Baraúna, Barcelona, Brejinho, Caicó, Equador, Goianinha, Ipueira, João Câmara, Jucurutu, Jundiá, Lagoa de Pedras, Lagoa Salgada, Macaíba, Martins, Monte Alegre, Mossoró, Natal, Nísia Floresta, Nova Cruz, Paraú, Parnamirim, Pedro Velho, Pilões, Rafael Godeiro, Riachuelo, Rio do Fogo, Santo Antônio, São Gonçalo do Amarante, São José de Mipibu, São Miguel do Gostoso, Senador Georgino Avelino,  Serra Caiada, Serra de São Bento, Serra do Mel e Vera Cruz,

No momento, a Instituição articula juntamente com as prefeituras o início das matrículas e dos cursos.

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

paulo martins  05/10/2016

Como o anêmico governo Robinson não consegue sequer agendar um debate para avaliar a possibilidade de federalizar a UERN, a UFRN vai promovendo sua "municipalização" pelas beiradas, como quem não quer nada, ignorando solenemente a orientação da Presidência da República no sentido de conter gastos. - Responder

Crise atinge UFRN e alunos ficam até sem ar-condicionado

Os alunos da UFRN estão recebendo esse e-mail(abaixo), especialmente no setor 1. Entre os pontos citados, está a falta de pagamento dos funcionários terceirizados, falta de manutenção nos aparelhos de ar-condicionado, deixando as salas em temperaturas desconfortáveis. Neste ponto, o que chama a atenção é que o pedido destaca o desligamento dos aparelhos a partir das 21h, sendo que a universidade tem aula até 22h15. Para piorar a situação e revolta dos alunos, muitas das janelas não abrem mais, o que se só prejudica o desempenho ou raciocínio dos alunos em meio a um ambiente abafado. Confira abaixo e-mail que revela uma realidade, no mínimo, complicada para a maior Universidade Federal do Estado, diante do Governo Federal que sempre destacou sua prioridade no investimento a área de Educação.

Caros Alunos,

Considerando que estamos vivenciando um conjunto de dificuldades que estão impedindo o correto funcionamento das atividades acadêmicas e administrativas, neste início de ano, julgamos oportuno informar os principais problemas e soluções em andamento a fim de que cada um fique ciente da situação. Neste sentido, passamos a listar os seguintes pontos:

a.Terceirizados

A empresa prestadora de serviços à UFRN não pagou os salários de janeiro aos funcionários terceirizados até a presente data e nem um conjunto de benefícios, precarizando ainda mais a relação de trabalho. Neste momento, por determinação de despacho judicial da 10ª vara do TRT 21ª região, os salários (inclusive, benefícios e demais encargos trabalhistas) serão pagos diretamente pela UFRN aos funcionários terceirizados. A medida foi implementada com o pagamento da folha de fevereiro/2016. Tanto o passivo de janeiro assim como os meses futuros continuarão sendo discutidos até novo processo licitatório.

A situação traz um conjunto de problemas tais como insegurança jurídica, insatisfação por parte dos terceirizados, ausência ao trabalho, dificuldades de locomoção. Neste sentido, é muito importante que todos tomem conhecimento da situação e de suas implicações no funcionamento das atividades.

b. Instalação e manutenção de aparelhos de ar condicionado

A UFRN somente agora no início de fevereiro conseguiu, em caráter provisório, substituir a empresa que prestava serviços referentes à instalação e manutenção dos aparelhos de ar condicionados, por total falta de condições da mesma para atender todas as demandas. A nova empresa começou a trabalhar depois do dia 10 de fevereiro e encontrou um acumulo de serviços para executar. Este fato faz com que haja uma morosidade no atendimento de novas instalações e manutenção. Todas as solicitações estão sendo processadas mas infelizmente o número de problemas em toda a UFRN é muito grande e, este fato, impede a pronta solução. Assim, há salas de aula, setores administrativos e auditórios à espera de solução. Até o presente momento já consertamos 15 máquinas mas se encontram ainda sem conserto 12 máquinas. O prédio do NEPSA II, como é de conhecimento de todos, não foi inaugurado até a presente data em função de problemas dessa natureza.

c.Manutenção de aparelhos de Datashow

A UFRN até a presente data não concluiu o processo de licitação para manutenção de aparelhos de datashow. Este fato dificulta enormemente o conserto dos aparelhos. Daí porque se faz necessário redobrar os cuidados com o uso do equipamento. Nesse sentido, estamos aguardando a finalização do processo licitatório, para dar prosseguimento às devidas correções e buscar o melhor funcionamento das atividades do Centro.

d. Gráfica

Só muito recentemente foi concluído o processo licitatório para serviços gráficos. No entanto, nem todos os itens foram contemplados o que também dificulta a execução de um conjunto de serviços.

e. Compra de passagens

Em função das dificuldades financeiras a compra das passagens foi centralizada na PROAD privilegiando bancas e concursos na medida do possível. O CCSA tem apenas enviado as requisições. Assim, todas as unidades devem realizar um bom planejamento para o desenvolvimento de atividades que requeiram participação externa, tendo em vista os desafios que provavelmente podem ainda advir e que envolvem questões orçamentarias importantes. Assim, o cuidado com as solicitações é uma realidade da UFRN como um todo.

f. Uso da energia

Abaixo, texto enviado pelo Gabinete da Reitoria sobre recomendações para uso racional de energia.

Assunto: Recomendações para uso racional de energia

De ordem da Reitora, solicitamos o imediato cumprimento das ações relacionadas abaixo que visam à redução do consumo de energia elétrica na sua unidade, face à atual crise hídrica do país e às restrições orçamentarias de custeio das IFES constantes do recente pacote econômico. As ações recomendadas a seguir são resultantes do trabalho da Comissão Interna de Conservação de Energia – CICE desta Universidade, criada pela Portaria nº 336/15-R.

Ações Imediatas:

1. Desligamento de todos os aparelhos de ar condicionado no período de 21h às 8h do dia seguinte, à exceção daqueles usados em instalações que contenham produtos e/ou equipamentos que dependam de controle de temperatura para conservação ou funcionamento adequado.
2. Ajuste da temperatura de todos os aparelhos de ar condicionado para 24o C.
3. Substituição de todos os controles remotos dos aparelhos de ar condicionado por dispositivos que somente permitam o ato de ligar/desligar tais equipamentos.

A CICE fará um acompanhamento mensal do consumo de energia elétrica por prédio, por unidade acadêmica e de toda a Universidade.

As ações aqui propostas somente serão eficazes na medida em que ocorra o engajamento de todos os membros da comunidade universitária. Portanto, pedimos que as empresas terceirizadas de limpeza e conservação, bem como as empresas de segurança, sejam recomendadas a acatar essas orientações.

Após ouvir a Comissão Interna de Conservação de Energia ( CICE) da UFRN, o CONSEC/CCSA, em reunião realizada no último dia 09 de março, decidiu por em prática, imediatamente, o ajuste de temperatura de todos os aparelhos de ar condicionado para 24ºC, tanto nas salas de aula como nos espaços administrativos. Assim, pedimos a todos que em suas salas mantenham a temperatura em 24º.

Igualmente, os funcionários terceirizados foram orientados a não ligar nenhum aparelho de ar condicionado em salas que, por alguma razão, as pessoas não estejam presentes.

A redução do consumo somente será efetivada se houver um esforço de todos nós. Novas medidas deverão ser adotadas após avaliação da providência tomada neste momento. O desligamento de todos os aparelhos de ar condicionado, no período de 21h às 8 horas do dia seguinte, também poderá ser feito, tal como já foi recomendado pela Reitoria em futuro breve. Neste momento, continuamos discutindo com a Reitoria e demais centros da universidade medidas uniformes e, oportunamente, avisaremos sobre novas providências.

g. Orçamento

Até a presente data não temos definição sobre o valor do orçamento do CCSA. Assim, impõe-se que as unidades façam um esforço para priorizar suas demandas trabalhando com a possibilidade de corte orçamentário.

h. Ações contra o Aedes Aegypti

O CCSA criou uma comissão com o pessoal terceirizado sob o comando do servidor Francisco Lopes (32153467) para fazer semanalmente uma vistoria em todos os locais do Centro para encontrar prováveis criadouros. No entanto, tem sido frequente o abandono de copos e latas de refrigerante no jardim e setores de aula que podem vir a ser criadouros. Esse problema é de todos nós ! Vamos combater o mosquito tomando cuidado com tudo o que pode favorecer a sua proliferação.

Essas são apenas alguns dos problemas deste início de ano. Pedimos a sua compreensão e colaboração para enfrentarmos juntos as dificuldades que certamente nos acompanharão durante o ano de 2016.

Saudações Universitárias

Maria Arlete Duarte de Araújo – Diretora

Maria Lussieu da Silva – Vice-Diretora

COMENTE AQUI

Santos  14/03/2016

Os ar condicionados precisam ser desligados, mas não falta dinheiro para vários obras no anel viário que não acaba nunca. Está faltando um melhor controle das verbas disponibilizadas para a UFRN. - Responder

Sérgio Nogueira  14/03/2016

A UFRN tal qual todas as federais é ninho do petismo. Lá quem não usa vermelho não é bem vindo ou bem quisto. Fomenta a ideologia da quadrilha que se instalou no Planalto e agora experimenta do próprio veneno. Espero que em breve além do ar condicionado fiquem sem água nas torneiras e sem energia por falta de recursos vindo reclamar na imprensa dos cortes orçamentários. Saudações universitárias para vocês petralhas! - Responder

Fábio  14/03/2016

Todo castigo... é pouco !!! - Responder


+ Ver todos os comentários

SALVE MACONHEIRADA: Estudantes marcam evento para unir “problematização e drogas”

faceO grupo denominado Coletivo Acadêmico de Ciências Sociais (CACS), formado por alunos da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), está preparando um verdadeiro encontro de “maconheiros”. Entre os dias 10 e 13 de dezembro, será realizada a 1ª Semana dos Estudantes de Ciências Sociais com o objetivo de unir as coisas que eles mais gostam: problematização e drogas.

A informação foi publicada na página do CACS no Facebook no dia 13 de outubro com o objetivo de discutir nos dias que se passaram a organização do evento. E só agora, ela passou a circular nos grupos de WhatsApp. Diante disso, o blog passou a apurar e viu que é verdade. A publicação está na página oficial do movimento. Para conferi e ver que não é brincadeira, basta clicar AQUI.

Pelo visto, já na organização que aconteceu na semana posterior ao dia 13 de outubro, rolou muita “parada” e muitas “travessuras”, pois foi solicitado que os organizadores levassem as ideias, a larica e “a parada”.

 

COMENTE AQUI

Sergio Nogueira  28/10/2015

Não é de hoje que dizem que os cursos de humanas são meras aldeias de maconheiros de nível superior. Pior é que esse comportamento antisocial é tido como modelo e até defendido com orgulho por aqueles subversivos metidos a moderninhos. Em um país minimamente sério, a reitora de uma universidade com esse tipo de gente mandaria abrir sindicância para expulsar os responsáveis por essas filiais das bocas de fumo da periferia, mas, aqui eles tem direito a voto e quem pode votar pode tudo. - Responder

Rodrigues  28/10/2015

É o fim! Tudo liberado e as autoridades de costas. Essas merdas das drogas é proibida e não falta. Francamente só Jesus Cristo na causa. Prenda esses imprestaveis. Cambada de safados. - Responder

Manoel  28/10/2015

É a mesma turma que furou o pixuleco. A polícia vai deixar?? - Responder


+ Ver todos os comentários

UFRN – (FOTO): dois postes no caminho da ciclovia

11813396_399813276882634_6196772804277913063_nFoto e texto: Rubens Ramos /Via Certa Natal

O projeto da ciclovia da UFRN, de R$ 2,5 milhões, não para de surpreender negativamente.

Infelizmente, a Universidade tem contribuído com exemplos de como não fazer. Na foto é possível ver dois postes no meio da ciclovia.

COMENTE AQUI

luiz  18/09/2015

Não sou engenheiro, mas suponho que seão retirados após o final da obra, que pela areia espalhada ainda não foi finalizada. Não é tão simples mudar um poste, assim imagino que se faça tudo ao final. Caso não seja a hipótese e se o projeto contempla postes em meio a ciclovia, tem que ir para o guinness. Como cilcovia mais radical, pois subir poste de bike não é para qualquer um. - Responder

Marcelo Moura  18/09/2015

A execução da obra da ciclovia do Campus não está concluída. Não participo diretamente dessa obra, mas é fácil supor que esse poste será retirado. Todos sabemos que não é tarefa tão fácil a remoção de um poste, por diversos motivos. Acho mais prudente esperar a conclusão dos serviços para que se façam críticas. Esse projeto é muito importante para a comunidade universitária é está sendo tratado com muita responsabilidade pela equipe da SIN - Sup. de Infraestrutura e pela própria Reitoria. - Responder

Neto  18/09/2015

A ufrn já está retirando todos os postes que ficaram no local da ciclovia, vários já foram retirados e esses devem ser os próximos. - Responder


+ Ver todos os comentários

UFRN: Moção de Desagravo e de Solidariedade a estudante de Medicina de Caicó

Moção de Desagravo e de Solidariedade

Durante a solenidade de comemoração dos dois anos do Programa Mais Médicos, realizada na manhã do dia 4 de agosto de 2015 no Palácio do Planalto, em Brasília, coube a uma estudante do curso de Medicina Multicampi da UFRN a responsabilidade de proferir o discurso como representante dos alunos dos novos cursos de Medicina criados em municípios do interior pelo Governo Federal. O pronunciamento da estudante foi o ponto alto do evento, tendo sido reproduzido nas redes sociais e alcançado significativa audiência. Mas o que seria apenas motivo de orgulho, pelo reconhecimento alcançado pelo curso e por nossa Universidade, também se tornou motivo de preocupação e indignação, pois em razão desse discurso a estudante passou a ser vítima de assédio moral, ataques e ameaças virtuais.

A UFRN, fiel à tradição democrática e pluralista que a caracteriza, entende que a crítica e a discordância de ações e posicionamentos feitos no espaço público são ocorrências não apenas normais, mas enriquecedoras do debate. Condena, no entanto, com veemência e indignação os ataques e as ameaças virtuais, acobertadas ou não pelo anonimato, como as que têm atingido à nossa estudante. Tais manifestações de intolerância, expressas em linguagem irreprodutível em espaços de convivência onde a civilidade e o respeito a(o) outro(a) predominam, aguçaram a violência de gênero e pregação do ódio. Tais atos são inaceitáveis e indignos porque ferem os princípios que alicerçam uma sociedade democrática. Ao discursar na solenidade mencionada, a estudante o fez na condição de representante da UFRN. Assim, a UFRN, através do seu Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão – CONSEPE, ao mesmo tempo em que manifesta a sua mais irrestrita solidariedade à estudante também condena veementemente todas as manifestações de intolerância e desrespeito que a atingiram.

Com informações da UFRN

COMENTE AQUI

marcio soares  19/08/2015

No limbo, mais de mil médicos cubanos desertores da Venezuela buscam visto para os EUA http://oglobo.globo.com/mundo/no-limbo-mais-de-mil-medicos-cubanos-desertores-da-venezuela-buscam-visto-para-os-eua-17231176? - Responder

TRÉPLICA: Pesquisadora da UFRN confirma testes em água mineral

Com respeito à repercussão da pesquisa feita no Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária sobre a qualidade da água no município de Natal, desenvolvida pelo Laboratório de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental da UFRN, cuja responsabilidade cabe a uma equipe de pesquisadores, da qual faço parte sob a orientação do professor Manoel Lucas Filho, que tem como principal objetivo esclarecer a sociedade a respeito da qualidade da água que a população está consumindo informamos:

1) A metodologia utilizada na pesquisa é sustentada pela legislação e princípios aceitos pela academia, portanto essa metodologia NÃO está “equivocada” e NÃO é “indevida” conforme foi declarado em parte da mídia;

2) Desde dezembro passado (2014) já dispúnhamos desses dados, os quais estavam preservados, porém houve vazamento e então o orientador da pesquisa, Prof. Manoel Lucas resolveu esclarecer a questão para não fomentar especulação ainda maior sobre os fatos. Em nenhum momento o professor admitiu que teria possíveis erros ou correções na metodologia utilizada;

3) A pesquisa que embasa a dissertação ainda não foi concluída e nem publicada, porque outros parâmetros ainda estão na fase de tratamento estatístico;

4) Em nenhum momento foi (e nem será) divulgado que as fontes de água mineral, tampouco o conteúdo já envasado, estão contaminados;

5) A pesquisa tem como propósito a análise do produto (a água para consumo humano) no seu destino final e portanto não faz parte do objetivo do estudo averiguar onde vem ocorrendo essa contaminação, uma vez que para intento seriam necessários estudos distintos com metodologias diferentes da que vem sendo aplicada;

6) a UFRN é uma instituição imparcial e independente que tem como propósito a busca da verdade em benefício da população e portanto não se submete a interesses de instituições governamentais, tampouco empresariais;

7) Por fim, em prol da saúde pública o que se recomenda nesse caso é que se investigue se as causas da contaminação estão no processo que vai da cadeia produtiva, passando pela distribuição e armazenamento, bem como no manuseio pelo consumidor. Como exemplo não há uma instrução precisa a ser direcionada à população no sentido de higienizar os vasilhames (garrafões) e nem como fazer a manutenção dos recipientes ou suportes, “geláguas”, dentre outros.

Atenciosamente,

Fernanda C. Maia
Engenheira Civil UFRN
Mestranda em Engenharia Sanitária UFRN

COMENTE AQUI

Bento  06/03/2015

Como diz o matuto a emenda saiu pior que o soneto, para que serve essa pesquisa então? Se dito pelos doutores que não foi e nem será divulgado o resultado, se a metodologia aplicada esta correta, porém fico com a primeira publicação, que diz existir contaminação na água mineral, com a palavras as autoridades para as providências cabíveis. - Responder

FOTOS: Estudante circula seminua com espécie de focinheira na UFRN

IMG-20141113-WA0006 IMG-20141113-WA0005 IMG-20141113-WA0007Nesta quinta-feira(13), no setor de Ciências e Tecnologia da UFRN(CeT), uma estudante de identidade desconhecida até o momento circulou pelo local apenas de calcinha, uma fita cobrindo parte dos seios e uma espécie de focinheira. Não se sabe se o ato foi um protesto ou manifestação artística. Mais uma vez, as fotos circulares nas redes sociais e foram muito comentadas.

COMENTE AQUI

Ana Luiza  13/11/2014

As pessoas perderam o senso do ridiculo. Tudo agora é motivo de protesto e de polêmica. - Responder

Maurício Giovani  13/11/2014

Essa moça está precisando de internamento. Isso não é normal. É ridículo. Será que os seus pais sabem o que ela anda fazendo na universidade? Se ela acha que é uma forma de protesto sob o pretexto de que está fazendo arte, está redondamente enganada. Ela deve estar sendo manipulada por alguém para fazer esse tipo de patetice grotesca. Está querendo aparecer e fazer fama a qualquer custo, mesmo que seja, dessa forma ridícula. Já conseguiu. Acho que ela por certo está querendo ser a garota pet shop da universidade. Pobre UFRN. - Responder

leonardo  13/11/2014

E só mais uma eleitora de Dilma - Responder


+ Ver todos os comentários