Cursinho do Diretório Central dos Estudantes da UFRN inicia matrículas para novas turmas de extensivo

O Cursinho do Diretório Central dos Estudantes da UFRN iniciará o processo de matrículas para as novas turmas de extensivo do período letivo 2020.1 na próxima segunda-feira (20), das 9h às 16h. As vagas ofertadas contemplam os três turnos, matutino, vespertino e noturno, e são limitadas e voltadas para todos os estudantes que concluíram ou estão concluindo o ensino médio e que desejam realizar as provas do Enem 2020.

Assim como no ano passado, este ano o período de matrículas será dividido em duas partes: nos dias 20 a 22 de janeiro, as matrículas serão voltadas para alunos oriundos de escola pública, das redes municipal ou estadual de ensino; e a partir do dia 23, as matrículas estarão abertas a toda a comunidade.

Os interessados em se matricular no preparatório devem se dirigir à secretaria do Cursinho do DCE, localizada no Setor I da UFRN, portando cópias e originais do RG, CPF, comprovante de residência e histórico escolar do ensino médio – este último, obrigatório apenas nos três primeiros dias de matrícula. A o valor da taxa de matrícula é de R$ 130,00 e já inclui a primeira mensalidade e o material didático. As demais mensalidades terão o valor de R$ 75,00.

Sobre o Cursinho do DCE

O projeto já existe há mais de 20 anos e usa a estrutura da UFRN para promover a democratização do ensino superior, oferecendo preparação para o ENEM com qualidade e baixo custo. Além disso, o Cursinho também é um espaço de aprendizado para vários estudantes da universidade, que atuam como professores e coordenadores no projeto.

Mais informações nos perfis do Instagram, do Facebook ou pelo telefone (84) 3215-3324.

UFRN cria novo combustível

Foto: Reprodução

Um novo combustível, com emissões mais limpas e comparado com o diesel mineral, desenvolvido por meio de um processo de formulação que requer um curto tempo de preparação e utiliza materiais de baixo custo, esse é o resultado da pesquisa desenvolvida na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) pelos pesquisadores Tereza Neuma de Castro Dantas, Manoel Reginaldo Fernandes, Eduardo Lins de Barros Neto, Igor Micael Alves Uchoa e Afonso Avelino Dantas Neto. Com o título de Formulação de Combustíveis Microemulsionados à Base de Diesel Glicerina, o estudo resultou também na obtenção da 21º carta-patente da UFRN, no mês de dezembro. Um dos cientistas responsáveis pela descoberta, Igor Micael Alves Uchoa, explica que a eficiência energética similar, com ganho da lubricidade e das emissões, são atrativos para a utilização da nova formulação.

“A patente consiste em uma nova formulação de um combustível diesel, com a inserção de glicerina, fruto de resíduo do atual processo de formulação. Em linhas gerais, ao parar em um posto de combustível, um ônibus ou caminhão, por exemplo, abastece com um combustível que é formado por 90% de diesel mineral e 10% do biodiesel. O biodiesel, no seu processo de produção, após a reação entre um óleo ou uma gordura de origem vegetal ou animal, gera o biodiesel em si e a glicerina, normalmente também em uma proporção de 90% e 10%. Então, com a nossa formulação, há uma destinação para esse resíduo, pois devolvemos a glicerina para ser aproveitada, sem descarte”, explicou Igor Uchoa, que desenvolveu a pesquisa durante o Mestrado em Engenharia Química na UFRN e que recentemente concluiu o doutorado no mesmo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química.


Imagem ilustrativa – Cícero Oliveira

Atualmente, lecionando no Instituto Federal da Bahia, ele pontuou que o mercado já não consegue absorver essa glicerina fruto do processo, apesar da aplicação na indústria de cosméticos e alimentícia. Para ele, a pesquisa se encaixa justamente em dois pontos: dar uma destinação à glicerina e melhorar o combustível mineral, no caso o diesel. Igor Uchoa acrescentou que as indústrias automobilísticas e distribuidoras de combustível são potencialmente interessadas nesse processo, haja vista que, de acordo com a nova legislação, até 2023, o percentual de biodiesel no diesel terá incremento de 50% em relação aos números atuais. “Portanto, haverá um grande crescimento da demanda, sobretudo na hipótese concomitante de crescimento econômico. Solucionando os inconvenientes no descarte do excesso de glicerina gerada na produção do biodiesel, casado com o aumento da qualidade lubrificante e a menor emissão de poluentes, há condição de puxar o preço para baixo com a utilização desses outros componentes”, colocou.

Devido aos resultados promissores da nova tecnologia, o diretor da Agência de Inovação (AGIR) da UFRN, Daniel Pontes, pontuou que a equipe da unidade buscará transformar a tecnologia em produto rentável, disponibilizando-o para uso e benefício da sociedade, por meio do investimento da iniciativa privada. Sobre o procedimento para o processo de patentear, o diretor acrescentou que podem ser registradas invenções que atendam requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial, bem como modelos de utilidade que sejam objeto de uso prático, ou parte desses, e que sejam suscetíveis de aplicação industrial.

Pesquisadora Tereza Neuma é uma das responsáveis pelo projeto – Cícero Oliveira

“Patentear um processo ou produto tem importância para garantir os direitos de quem os desenvolveu e, assim, garantir os méritos e direitos sobre o trabalho. Porém, o mais importante e gratificante seria repassar os conhecimentos para o setor produtivo e fazer com que a invenção se torne útil à sociedade. Mas essa etapa não tem sido fácil, pois as empresas dificultam muito essa aquisição e, assim, as patentes ficam estocadas aguardando oportunidades”, colocou a cientista Tereza Neuma de Castro Dantas. Além de ser uma das patenteadoras nessa invenção, ela também integrou a equipe responsável pela primeira patente concedida à UFRN, no ano de 2014.

Daniel Pontes acrescentou, por sua vez, que as orientações e explicações a respeito dos requisitos para patenteabilidade de um resultado de pesquisa são dadas na própria AGIR, unidade criada em 2007, inicialmente sob a nomenclatura de Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT), e localizada no segundo piso do prédio da Reitoria. Entre suas atribuições, a Agência de Inovação é responsável pela gestão da propriedade intelectual, transferência de tecnologia e ambientes promotores de inovação na UFRN, acompanhando e estimulando, por exemplo, as atividades das incubadoras da universidade, bem como as atividades dos parques e polos tecnológicos. Fruto do trabalho, a UFRN alcançou, em 2019, números proeminentes para a realidade do Nordeste, o que a situou em 13º no país quanto ao número de patentes pedidas pela universidade, de acordo com o Ranking Universitário da Folha (RUF), divulgado no mês de outubro. Além disso, com 21 cartas-patente concedidas, a UFRN é a universidade líder no Norte-Nordeste, à frente de instituições com Índice Geral de Cursos similares ao seu, como a Universidade Federal do Ceará, a Universidade Federal de Pernambuco e a Universidade Federal da Bahia.

Igor Micael Alves Uchoa explica que a eficiência energética similar, com ganho da lubricidade e das emissões, são atrativos para a utilização da nova formulação.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. François Cevert disse:

    Balburdia e das grandes, parabéns a instituição, aos pesquisadores e seus professores, mestres e doutores !!!

  2. Bento disse:

    Fazendo o dever de casa
    Foram formados para isto.
    Nada além de obrigação
    E olhem que estavam devendo bons resultados psra valer p investimento que não é abaixo.
    Era para admirar se fosse eu um leigo a fazer tal descoberta.

  3. verdade disse:

    OUTRA VERDADE – BOLSONARO É UM PESADELO
    Como disse o Neurocientista Sidarte Ribeiro "o Bolsonaro é um pesadelo" devido as intervenções para paralisar as universidades públicas.
    Mas não foi isso que aconteceu. As nossas universidades públicas conseguiram gerar produção de conhecimento e criar novos produtos e resultados. Nossa performance aqui em nosso RN, sem tirar as nossas limitações, é ESPETACULAR.
    Parabéns aos Cientistas a Graduação das Universidades Públicas e parabéns a RESISTÊNCIA e continuidade da LUTA.
    A Luta continua os retrocessos e ataques ao povo do Governo Bolsonaro.

    • Silvio disse:

      Com um ano de governo já descobriram nova fonte energética?

    • Bento disse:

      Parabéns a todos
      Foi só o Mito assumir para mostrarem serviços
      Competência tem muita, são preparados, afinal a federação investiu bastante em seus conhecimentos.
      É que ser petista dá uma preguicinha.

  4. djailson disse:

    uma maravilha, mais onde anda a pesquisa pioneira do professor Nicanor para caros movidos a água dos anos 70 . o galaxie dele era o protótipo e funcionava. por que não desengavetar o projeto? (dizem que foi a Petrobras e os Árabes que patrocinaram o boicote a ideia nos anos 70)

    • Minion de Peixeira (PhD) disse:

      Não existe carro movido a água. Existem sistemas que fazem a eletrólise dá água para extrair o hidrogênio que é queimado (normamente voltando a se combinar com o oxigênio, o que dá uma explosão da mulesta e voltar a se ter… água). Só que para tirar o H se gasta mais energia do vai se aproveitar movendo o carro. Violar isso é querer criar um moto-perpétuo. Viola as leis da termondinâmica.

    • Minion de Peixeira (PhD) disse:

      E nesse processo o motor vai perdendo energia para o meio, como por exemplo, emitindo calor energia cinética, que não vão ser reapreoveitados na eletrolise (ou processo que o valha).

  5. 357 disse:

    Parabéns aos Pesquisadores, fazer Ciência neste país não é fácil, tarefa de gigantes. PARABÈNS UFRN!!!!!!!

  6. cigano lulu disse:

    Parabéns aos pesquisadores. A pesquisa, a ciência, o estudo, são o caminho para o país se desenvolver, cabe ao governo incentivar sempre esse tipo de situação.

  7. Jadson disse:

    Será que vai aparecer alguém pra criticar? Daqui a pouco vem os despeitados falar mal.
    Eu nunca estive na UFRN, por pura incompetência/falta de estudo, mas admiro muito a grande capacidade de pesquisa.
    Orgulho do estado, um grande viva pra federal do RN!!!

    • Sebastião disse:

      Tá perdoado pela ignorância. Ninho petralha é muita enrolação, faz de conta e CANALHICE muita

  8. Diogo disse:

    WOW!

Escola de Música da UFRN seleciona para Curso Básico de Saxofone; gratuito, com duração de oito meses

Foto: Ilustrativa

A Escola de Música da UFRN (EMUFRN) seleciona alunos para preenchimento de vagas do Curso Básico em Saxofone.  As inscrições para seleção podem ser realizadas no período de 17 a 21 de fevereiro, na secretaria de extensão da Escola de Música da UFRN, das 8h às 11h e das 14h às 17h. O curso é gratuito e tem a duração total de oito meses, divididos em dois módulos.

As turmas serão organizadas em níveis, de acordo com a faixa etária dos alunos: Turma I, que abrange discentes com idade entre 8 e 14 anos; e Turma II, a partir de 18 anos. O principal objetivo do curso é desenvolver, junto à comunidade natalense, o ensino e aprendizagem em nível básico de conceitos e técnicas fundamentais à prática instrumental. A inscrição dos menores de 16 anos deverá ser realizada pelos pais ou responsáveis.

A seleção para o curso básico em instrumento será realizada entre os dias 24 a 28 de fevereiro, por meio de entrevista com professores da área. O resultado final será divulgado no dia 2 de março, afixado no mural da secretaria de Extensão da Escola de Música da UFRN e publicado na página da Escola de Música, no link Extensão. As aulas terão início a partir de 4 de março.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ricardo disse:

    Esse curso e para inisiante é

  2. joão carlos disse:

    uma coisa que nunca entendi na UFRN é que pra entrar em um curso de música você precisa já saber tocar o instrumento, não faz o menor sentido. (não estou falando do curso da notícia, falo da graduação)
    Se eu já sei tocar piano ou violino pra que ir pra UFRN?

    • Raimundo disse:

      Muito pertinente sua dúvida.
      Discutimos essa questão em outro blog (sobre conhecimento prévio em cursos de graduação).
      Tocar um instrumento é algo que pode ser trabalhoso.
      Cursos de graduação em música não são para ensinar a tocar.
      São para ensinar e aprofundar teoria musical.
      É igual ao curso de letras.
      Ninguém aprende a falar uma língua estrangeira em um curso de graduação (muito embora não se exija bom conhecimento prévio nem muito menos oral).

  3. Indignado disse:

    BG ..a título de informação, a loja do Detran do Natal shopping começou a estragar oque estava ótimo , esses FDP DOS PTRALHAS tiraram os médicos ( oftalmologistas) e o contribuinte começa a fazer a renovação no shopping e termina em qualquer parte da cidade , no meu caso me mandaram para cidade da Esperança, me diga se tem lógica, é coisa desses PTralhas de atrapalhar e com certeza ganhar dinheiro, não basta só uma coisa , Ô RAÇA DESGRACADA

Ouvidoria da UFRN vai elaborar modelo nacional de proteção de denunciantes

A Ouvidoria-Geral da União (OGU) solicitou à UFRN a elaboração de um mecanismo permanente de salvaguardas de proteção ao denunciante, que será aplicado em todas as 1.861 ouvidorias integrantes da Rede Nacional de Ouvidorias.  A UFRN é a única instituição federal de ensino superior do Brasil a participar como responsável por uma das ações do plano operacional da Rede.

O trabalho ocorrerá a partir de fevereiro de 2020 e será finalizado ainda neste ano, quando todos os membros da Rede Nacional de Ouvidorias serão avaliados em relação às práticas adotadas. A ideia é que, após o referido diagnóstico, as Ouvidorias que integram a Rede passem a modificar suas práticas, viabilizando uma maior participação do cidadão na gestão da coisa pública.

Prevista pelo Decreto n. 9.492/2018, a Rede Nacional de Ouvidorias é composta por ouvidorias em todas as esferas de governo. Sua finalidade é integrar as ações de melhoria dos serviços desenvolvidos pelas unidades de ouvidoria dos poderes da União, dos estados, do Distrito Federal e dos Municípios, sob coordenação da OGU.

Segundo o ouvidor da UFRN, Professor Elias Jacob, o convite trata-se de um duplo e importante reconhecimento. “Primeiro, porque entende a Universidade como espaço democrático propício à livre manifestação de todos. Segundo, por reconhecer a qualidade do trabalho desenvolvido na Ouvidoria da UFRN, que servirá de modelo para construir soluções voltadas à melhoria das Ouvidorias em todo o Brasil”.

Na prática, a UFRN será responsável por propor quais as melhores ações devem ser adotadas pelas Ouvidorias na proteção da integridade física, psíquica e moral daqueles que realizam denúncias ao Poder Público. “Os mecanismos devem ser amplos e adequados o suficiente para permitirem a proteção de qualquer tipo de denunciante, seja ele um aluno da UFRN ou um cidadão em um distante município do outro lado do Brasil”, complementa Jacob.

Com informações da UFRN

Estudo da UFRN aponta que consumo do pescado é seguro

Fotos: Cícero Oliveira

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) realizou a análise de peixes e crustáceos com o intuito de verificar a segurança alimentar do pescado, em virtude do aparecimento de manchas de óleo no litoral brasileiro a partir de agosto de 2019. O diagnóstico foi entregue nesta quinta-feira, 9, ao Governo do Estado e aponta que 17 espécies coletadas no litoral potiguar estão adequadas para ingestão, por não apresentarem componentes tóxicos à saúde humana.

De acordo com o coordenador da Central Analítica do Núcleo de Processamento Primário e Reúso de Água Produzida e Resíduos (NUPPRAR), Djalma Ribeiro da Silva, o resultado das análises de 17 amostras de peixes e invertebrados, coletados no dia 27 de novembro de 2019, na Colônia de Pescadores de Pirangi do Sul e Tibau do Sul, descarta o risco para a saúde do consumidor. “Esses resultados fazem parte de um esforço da UFRN, reforçando nosso compromisso com a sociedade”.

Realizado utilizando critérios qualitativos e quantitativos, o estudo observou a presença de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPAs), derivados que indicam a presença do petróleo. A coleta do pescado ocorreu sob a supervisão do Departamento de Morfologia da UFRN e do Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), quando ocorreu a avaliação visual para detectar óleo no pescado. Em seguida, foi feita uma análise química mais detalhada para verificar a presença de HPAs, levando em consideração padrões internacionais de qualidade do pescado.

O diagnóstico mostra os resultados nas espécies da Cioba, Cambuba, Sardinha, Bicuda, Tainha, Serra-Pininga e Serra, além de lagosta (vermelha), polvo, ostra e sururu. “Os valores de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos encontrados em todas as 17 amostras analisadas encontram-se muito abaixo dos níveis de preocupação definidos pela Comissão de Regulamentação da Comunidade Europeia. Por esse motivo, é possível concluir que o consumo dos pescados e invertebrados não representa risco para a saúde”, explica o pesquisador.

Ainda segundo Djalma da Silva, a análise tomou como base os pescados dos locais mais representativos do RN, visto que do total de 34 toneladas de óleo coletadas, 31 toneladas estavam presentes no Litoral Sul. Então, por analogia, os peixes e frutos do mar dos outros locais não devem apresentar contaminação. Contudo, o pesquisador lembra que o ideal é que todo o litoral seja analisado. Nessa perspectiva, para continuar as análises nas outras colônias de pescadores, o NUPPRAR enviou proposta de financiamento e aguarda retorno.

Análise

A equipe que assinou o relatório técnico “Análises de hidrocarbonetos policíclicos aromáticos em amostras de pescado coletados no litoral norte-rio-grandense – Novembro/2019” é composta por pesquisadores do NUPPRAR e do Departamento de Morfologia, entretanto, contou ainda com a participação de outras unidades da instituição de ensino, como os Departamentos de Ecologia, de Ecologia Marinha e de Oceanografia e Limnologia.

Com informações da UFRN

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    É isso mesmo, coma que a Uferrenê garante. Depois não diga que foi por falta de aviso.

VÍDEO: Em entrevista ao Roda Viva, na TV Cultura, professor e diretor do Instituto do Cérebro da UFRN defende legalização de drogas e diz que maconha é “remédio incrível”

No Roda Viva, da TV Cultura, Daniela Lima recebeu o neurocientista Sidarta Ribeiro, diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte(UFRN). Na ocasião, defendeu a legalização das drogas e disse que a “maconha é um remédio incrível”. Confira íntegra do programa que foi ar nessa segunda-feira(06). Trecho polêmico a partir de 13 minutos e 30 segundos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Boi da Cara Preta disse:

    Eita É agora ? partxyu quebrada.. vamos se curar kkkkkkk

  2. Leo disse:

    Além desse comentário sobre essa droga, o blog deveria ter enfatizado o monte de baboseira que esse cientista falou , muita coisa destruindo o governo federal , acredito que ele ta muito nervoso pois as torneiras estão mais vigiada hj em dia, antes a corrupção corria froxa!!

  3. Leo disse:

    Sem sombra de dúvidas a "Canabis" para uso medicinal é sim um medicamento comprovado que salva inúmeras vidas e vem trazendo melhor qualidade de vida para outras inúmeras, o que acontece é que tem uma falta de conhecimento e o uso disso por pessoas que defendem o uso recreativo que não tem nada haver. Conheço o efeito das duas por isso defendo com conhecimento o uso medicinal é condeno o uso recreativo.

  4. François Cevert disse:

    Os minions piram quando unem educação, ciência e desenvolvimento.
    Pra eles professores, cientistas, universidades são os responsáveis pela balbúrdia do país.
    Fonte: Grupos de what's app da Igreja 'não sei que lá' do Reino de Deus, ou do grupo 'vazamentos da República de curitiba.
    Uma mensagem de paz: Fora da educação não há salvação.

  5. Zanoni disse:

    Mais um viciado defendendo a causa do vício. Por falar nisso, os surtos psicóticos aumentaram 30% em decorrência do uso diário da maconha. MACONHEIRO VOCÊ É PATROCINADOR DO TRÁFICO DE DROGAS E DAS MAZELAS GERADAS PELO TRÁFICO.

  6. Tales disse:

    Defender legalizar é por que gosta da baga; agora como remédio é fato verídico que ajuda em várias doenças, principalmente no autismo.

  7. Darwin disse:

    Maconheiro safado

  8. Jose Lucio de Azevedo disse:

    Tem o aspecto e um "maconheiro"

OPORTUNIDADE: Instituto Metrópole Digital, da UFRN, abre edital com 320 vagas para cursos técnicos em TI no interior

Foto: site IMD

O Instituto Metrópole Digital, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (IMD/UFRN), publicou edital de processo seletivo para ingresso em seus Cursos Técnicos de Tecnologia da Informação (TI). A seleção terá inscrições abertas a partir do dia 07 de janeiro e conta com vagas para os polos de Mossoró, Caicó, Angicos e Pau dos Ferros.

Após a abertura do prazo, os interessados terão até o dia 20 de janeiro para efetuar a inscrição, com pagamento de taxa de R$ 30. Além do público em geral, a seleção é aberta a candidatos que tenham concluído ou que estejam cursando ensino médio.

Ao todo, são disponibilizadas 320 vagas, sendo 80 para cada um dos polos de ensino. Desse número, 70% são reservados para candidatos que tenham cursado integralmente o ensino fundamental em escolas públicas.

Processo seletivo

As provas serão aplicadas em cada um dos polos contemplados no edital e acontecerão no dia 02 de fevereiro.

Com duração máxima de 3h30, o exame teórico contemplará 40 questões de múltipla escolha sobre temas como cidadania digital, pensamento crítico, pesquisa, gerenciamento de informações e resolução de problemas.

O resultado final da seleção será divulgado no dia 21 de fevereiro, podendo ser consultado no site da Comissão Permanente do Vestibular (COMPERVE).

Cursos Técnicos

Os Cursos Técnicos do IMD são oferecidos na modalidade semipresencial – com aulas online e eventuais encontros presenciais.

São oferecidas aos alunos formações nas áreas de Automação Industrial, Eletrônica, Programação em Jogos Digitais, Informática para Internet e Redes de Computadores. Em 2019, foram formados mais de 200 técnicos em TI.

Com informações do UFRN

UFRN aplica recurso na construção de sistema de energia solar

Foto: Cícero Oliveira

Com o intuito de incentivar o uso de energias sustentáveis, a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebeu um recurso no valor de R$ 1.943.010, via Termo de Execução Descentralizada (TED) do Ministério da Educação (MEC). A verba será utilizada no projeto de instalação de sistemas de microgeração de energia solar fotovoltaica no Campus Central.

De acordo com a pró-reitora de Administração (Proad), Maria do Carmo de Oliveira, o recurso será aplicado na contratação de uma empresa especializada para a elaboração do projeto; aprovação junto à concessionária de energia; fornecimento de todos os equipamentos e materiais; instalação e efetivação do acesso junto à concessionária de energia; além dos serviços de treinamento, manutenção e suporte técnico.

Os sistemas ficarão na Biblioteca Central Zila Mamede (BCZM) e no Instituto Metrópole Digital (IMD), localizados no Campus Central. Contudo, o superintendente de Infraestrutura (INFRA), Luiz Pedro de Araújo, contou que outros setores da UFRN, na capital e no interior, estão sendo analisados para verificar se possuem estrutura adequada para futuras instalações do sistema de energia solar.

A ação conjunta entre a Proad, a Pró-Reitoria de Planejamento (Proplan) e a INFRA contou com a participação de diversos departamentos acadêmicos da universidade e trará benefícios financeiros, ambientais e acadêmicos, visto que possibilitará um consumo energético mais adequado para o meio ambiente e o desenvolvimento de atividades nos campos do ensino, da pesquisa e da extensão.

Sobre a redução do gasto com energia, o coordenador de Gestão dos Sistemas Elétricos da INFRA, João Maria Vital de Paiva, prevê que a instalação da energia solar trará uma economia inicial de 4% na fatura de energia da instituição de ensino. Representando a segunda maior despesa no orçamento da universidade, em 2019, a conta de energia elétrica de todos os campi da UFRN teve um impacto médio de R$19 milhões. Dessa forma, com a instalação do sistema de energia solar, estima-se que nos primeiros anos a economia mensal na conta de luz será em torno de R$ 420 mil.

Energia Solar

Conhecida como uma fonte limpa, a energia solar é proveniente da luz e do calor do sol, podendo ser utilizada por meio de diversas tecnologias, como o aquecimento solar, a energia solar fotovoltaica, a energia heliotérmica, a arquitetura solar e a fotossíntese artificial.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Só comento disse:

    Muito bom, ficam registrados os agradecimentos ao Min. Adam Weintraub pelos recursos, estávamos precisando dessa modernização.

    • Só comento disse:

      Errata: Onde se lê "Adam Weintraub", leia-se "Abraham Weintraub" .

  2. Renato disse:

    Ótima iniciativa da UFRN! Vai trazer um enorme economia de energia. O pessoal do planejamento e da administração podem entrar em contato com a UFERSA que já possui uma usina solar no campus Mossoró há 2 anos.

Instituto Ágora, da UFRN, divulga edital para inscrições em cursos de idiomas

O Instituto Ágora da UFRN divulga edital para inscrições em cursos de idiomas para o semestre de 2020.1. São oferecidas aulas de Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Libras, Latim, Grego Clássico, Hebraico e Português Língua Estrangeira (PLE – exclusivo para estrangeiros), nas modalidades Básico, Leitura para Fins Acadêmicos e Conversação. Os cursos são destinados tanto para o público interno quanto para o externo. As inscrições são entre os dias 10 e 13 de fevereiro de 2020, divididas em categorias de público.

A contribuição semestral consiste em R$250,00 para as categorias de pagantes. Alunos assistidos pela Pró-Reitoria de Assistência Estudantil (Proae) podem concorrer a bolsas, que correspondem a 20% das vagas disponíveis em cada semestre. Qualquer aluno da UFRN que não se encaixe nas condições de bolsista pode se inscrever nas vagas de aluno contribuinte.

O público externo deverá se inscrever presencialmente na secretaria do Instituto Ágora, em uma lista de cadastro de reserva, para as línguas inglesa, francesa, espanhol ou alemã, para ocupar vagas nos níveis III e IV ou conversação. Caso o candidato opte pelos cursos de Libras, Latim, Grego Clássico ou Hebraico, deverá se inscrever pelo Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas (Sigaa).

As inscrições serão abertas no dia 10 de fevereiro de 2020 para os candidatos a bolsas, assistidos pela Proae, realizando a inscrição pelo Sigaa. Já no dia 11 de fevereiro, serão realizadas as inscrições do público externo. O dia 12 será destinado aos demais estudantes e servidores da UFRN, na condição de contribuintes, e no dia 13 acontecem as inscrições presenciais na secretaria do Ágora para os cursos de Conversação (Inglês, Francês, Espanhol e Alemão) e a retirada da Guia de Recolhimento da União (GRU). O comprovante de pagamento deve ser enviado de 12 a 17 de fevereiro, pelo e-mail [email protected]

Candidatos com conhecimentos prévios da língua podem realizar teste de nivelamento, menos para os cursos de Leitura para Fins Acadêmicos. O teste será realizado no dia 19 de fevereiro para os candidatos que tenham solicitado a opção no ato da inscrição e no dia 20 para os inscritos no cadastro de reserva.

Para mais informações, acesse o edital.

Alunos com vínculo no Instituto Ágora

Alunos aprovados no semestre 2019.2, tanto bolsistas quanto contribuintes, devem realizar matrícula por meio do vínculo no Sigaa, no menu Perfil > Ensino > Matrícula Online. Alunos bolsistas assistidos pela Proae e servidores assistidos pela Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (Progesp) podem se inscrever nos dias 10 e 11 de fevereiro. Já os contribuintes, nos dias 12 e 13. Para mais informações, acesse o edital.

Com informações da UFRN

Missa de Natal acontece na Praça Cívica da UFRN no início desta noite

Foto: Divulgação/UFRN/Anastácia Vaz

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebe, nesta terça-feira, 24, a missa de Natal realizada pela Capelania do Campus. A celebração acontece a partir das 19h, na Concha Acústica da Praça Cívica do Campus Central, e será conduzida pelo cônego José Mário de Medeiros, com participação dos grupos de canto da Capela do Campus. O momento é aberto ao público em geral e será transmitido ao vivo, em Full HD, pela Televisão Universitária (TVU).

O roteiro tem início às 18h30, com a leitura das intenções, seguida pela acolhida, entrada do cortejo e fala do reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo. A mesma sequência acontecerá no dia 31, durante a missa de Ano Novo, que terá a mesma estrutura da celebração natalina. Realizadas há mais de 20 anos, as missas de Natal e Ano Novo na Praça Cívica da UFRN fazem parte do tradicional calendário de final de ano na capital potiguar. Os eventos reúnem, anualmente, cerca de 3 mil pessoas nos dias 24 e 31 de dezembro.

Com informações da UFRN

Capelania do Campus realiza missas de Natal e Ano Novo na UFRN; veja informações e horários

Foto: Ilustrativa

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) recebe, nos dias 24 e 31 de dezembro, respectivamente, as missas de Natal e Ano Novo realizadas pela Capelania do Campus. As celebrações acontecem a partir das 19h, na Concha Acústica da Praça Cívica do Campus Central, e serão conduzidas pelo cônego José Mário de Medeiros, com participação dos grupos de canto da Capela do Campus. Ambos os momentos serão transmitidos ao vivo, em Full HD, pela Televisão Universitária (TVU).

Realizadas há mais de 20 anos, as missas de Natal e Ano Novo na Praça Cívica da UFRN fazem parte do tradicional calendário de final de ano na capital potiguar. Os eventos são abertos ao público em geral e, anualmente, reúnem cerca de 3 mil pessoas nos dias 24 e 31 de dezembro. O roteiro das celebrações tem início às 18h30, com a leitura das intenções, seguida pela acolhida, entrada do cortejo e fala do reitor da UFRN, José Daniel Diniz Melo. A sequência das missas será celebrada pelo cônego José Mário.

Com informações da UFRN

UFRN tem maior nota do Estado no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), e está em 4° lugar no Norte e Nordeste

A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) se destaca no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), promovido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). O resultado foi divulgado nesta quinta-feira, 12, e a UFRN se mantém em primeiro lugar no estado e em quarta colocação no Norte e Nordeste entre as instituições federais de ensino superior.

O índice é relativo ao ano de 2018, quando a UFRN ficou com média 3,6731 e nota 4 (sendo 5 a nota máxima), mantendo o mesmo desempenho da última avaliação e o histórico acima da média nacional. No panorama das regiões Norte e Nordeste, ficaram na frente da UFRN apenas a Universidade Federal do Ceará (UFC), a de Pernambuco (UFPE) e a da Bahia (UFBA).

O coordenador de Acompanhamento, Planejamento e Avaliação Acadêmica da UFRN, Fabiano do Espírito Santo Gomes, explicou que o IGC leva em consideração três dimensões, que são as informações da graduação, do mestrado e do doutorado. Na UFRN, o resultado da avaliação teve como base informações de 92 cursos de graduação e 87 programas de pós-graduação. Para a nota final, a graduação teve peso de 62%, o mestrado de 21% e o doutorado representou 17% na média final.

Ainda segundo o professor Fabiano Gomes, os pontos que apresentaram melhora nos resultados foram o questionário aplicado aos alunos e a proporção de professores com doutorado. Nessa perspectiva, na avaliação do docente, a evolução nesses quesitos tem ligação direta com a Política de Melhoria da Qualidade dos Cursos de Graduação e de Pós-Graduação da UFRN, que foi aprovada em 2017 e permitiu o planejamento dos cursos a partir de avaliações externas e internas, como o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade) ou as comissões próprias de avaliação, por exemplo.

Critérios do IGC

O IGC é o indicador que aponta a qualidade da instituição. Relativo aos cursos de graduação, observa-se o resultado do Enade; o questionário aplicado aos estudantes, em que há perguntas sobre estrutura, organização didático-pedagógica do curso e oportunidades para ampliar a formação; dados sobre os docentes, como proporção de mestres e doutores e regime de trabalho; e o índice de diferença de desempenho, que compara como o aluno estava antes de entrar na graduação, por meio da nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Já sobre a pós-graduação (mestrado e doutorado), o Inep considera os conceitos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Confira os dados no portal do Inep.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    Será que essas avaliações são iguais as que Ciro e sua família fizeram no CE? Pra obter ganhos políticos!

  2. Papa Jerry Moon disse:

    O povo potiguar deveria se orgulhar do alto nível da UF e do IF, apesar dos períodos do governo PT e agora do PSL.

  3. ERI disse:

    Balbúrdia, maconha e bons cursos.

  4. Cidadão Atento disse:

    ESPERANDO OS COMENTÁRIOS DOS FILHOS DE OLAVO DE CAVALO, SENHOR DA TERRA PLANA.

    • Silvio. disse:

      Quem avaliou é sério ou faz parte do aparelhamento???
      Kkkk

    • Antonio Barbosa Santos disse:

      Vai ver quantos cursos de Humanas e Artes contribuíram para essa nota e depois volta aqui para nos contar.

FOTOS E VÍDEO: UFRN cria aplicativo que indica postos com combustíveis de qualidade

Fotos: Cícero Oliveira

Combustível Nota Dez, esse é o nome da nova ferramenta criada pela UFRN para ajudar o cidadão do Rio Grande do Norte a abastecer com segurança. Por meio desse aplicativo gratuito, o consumidor saberá quais postos mais próximos de sua localização foram atestados com combustíveis de qualidade. A adesão ao projeto é voluntária por parte dos empresários que submetem suas empresas a duas testagens surpresas a cada mês. Apenas os postos com todos os combustíveis aprovados ficam visíveis no aplicativo.

A proposta dos pesquisadores Valter Fernandes e Antônio Araújo, ambos do Laboratório de Combustíveis e Lubrificantes (LCL), do Instituto de Química da UFRN, começou a funcionar recentemente, mas já tem ao menos sete postos cadastrados em Natal, Macaíba, Ceará Mirim e São José do Mipibu. Como é novidade, a expectativa é que esse número cresça nas próximas semanas.

Desde o ano 2000, o LCL é o único do RN e Paraíba credenciado pela Agência Nacional de Petróleo (ANP) para realizar a testagem de combustíveis para o Programa de Monitoramento da Qualidade dos Combustíveis e Lubrificantes do governo federal. Por sua qualidade internacional, o LCL está concorrendo à certificação ISO 17025, que atesta os requisitos gerais para competência de laboratórios de ensaio e calibração. Além disso, está atrelado aos programas de pós-graduação da UFRN contribuindo para a formação de profissionais, mestres e doutores que atuam na área de petróleo.

Para Antônio Sales, empresário do ramo de combustíveis e presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo do RN (Sindipostos/RN), esse projeto oferece benéfico para todos. “Tanto para o empresário, que pode mostrar ao consumidor que seu produto é de qualidade, como para o consumidor que tem a certeza de estar abastecendo em um posto de combustível legal, bem como para a sociedade em geral, porque quando vendemos combustível sem adulteração, não interferimos na arrecadação do Estado”, afirma.

O pesquisador Valter José Fernandes lembra que o combustível pode ser alterado de várias maneiras, seja pela adição de solventes, pelo excesso de álcool na gasolina ou pelo alto teor de enxofre, no caso do óleo diesel de má procedência. Além de aumentar a poluição do ar, um combustível adulterado pode provocar aumento do consumo, danos no motor, válvulas e bicos injetores. Em casos mais extremos, provoca superaquecimento que leva a interrupção do funcionamento dos mecanismos e até a incêndio do veículo.

Laboratório

O Laboratório de Combustíveis e Lubrificantes da UFRN, vinculado à Fundação Norte-Rio-Grandense de Pesquisa e Cultura (FUNPEC), está localizado no Instituto de Química, no Campus Universitário em Natal/RN. O LCL foi o primeiro laboratório instalado em uma universidade pública do Norte-Nordeste, sendo considerado referência nacional. Nos últimos 19 anos, os pesquisadores percorreram mais de 2 milhões de quilômetros coletando mais de 100 mil amostras de combustível para a ANP.

O Instituto de Química da UFRN, com fundação 1968, como Departamento de Química, é um dos mais bem conceituados do país. Atua nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão, sendo a unidade acadêmica responsável pelos cursos de Química Bacharelado, Química Licenciatura, Química do Petróleo e o Programa de Pós-graduação em Química, com cursos de Mestrado e Doutorado recomendados pela CAPES.

Conheça mais sobre o LCL.

Com informações da UFRN

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz disse:

    Baixei na boa!

  2. Jgomes disse:

    Aplicativo não disponível

  3. Cezario disse:

    Tentei baixar na Apple Store o aplicativo "Combustível Nota Dez" e a Apple Store retornou mensagem dizendo "Aplicativo não encontrado!

VÍDEO: Professor alvo de polêmica com aluna que levou filha para aula será indenizado em R$ 40 mil pela UFRN e chefe de Departamento

Foto: Reprodução

O caso do professor do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, Alípio de Sousa Filho, que gerou repercussão nas redes sociais e na imprensa por supostamente expulsar uma aluna que assistia a aula com a filha de 5 anos e foi alvo de vários protestos, afastado das disciplinas e teve a sua imagem acadêmica comprometida, parou na Justiça que deu ganho de causa ao professor por danos morais e será indenizado em R$ 40 mil, dos quais R$ 36 mil a serem pagos pela Universidade e R$ 4 mil ao chefe do Departamento de Ciências Sociais da UFRN, César Sanson.

Na peça que o Justiça Potiguar teve acesso em primeira mão nesta terça-feira, 3,  com base em todas as provas e depoimentos a Justiça entendeu que não houve expulsão da aluna e a UFRN não teria agido para preservar o professor do assédio moral. “ Com essas considerações, julgo parcialmente procedente o pedido formulado na inicial, nos termos da fundamentação exposta, condenando os réus UFRN e César Sanson ao pagamento de indenização por danos morais ao autor, no valor de R$ 40.000,00 (quarenta mil Reais), na proporção de 90% (noventa por cento) pela UFRN e 10% (dez por cento) pelo réu César Sanson”, diz a decisão.

Matéria completa no Justiça Potiguar aqui.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tete disse:

    Foi pouco, a honra do Professor foi atingida, imagine se todas as mães levassem seus filhos para a Ufrn. Parabéns a Justiça.

  2. Arnaldo Franco disse:

    Acho que onde diz dinheiro da UFRN, entenda-se dinheiro do contribuinte. O professor deveria ser indenizado integralmente pelos Diretores da Universidade, a começar pelo reitor.

  3. Julio disse:

    só deveria comentar algo quem estava lá na hora… críticas margeadas de julgamentos dúbios não deve incentivar razões alheias.
    Mas será que o professor também não foi grosseiro ao não entender que a mãe não tinha com quem deixar a filha e não poderia perder a aula?
    Um verdadeiro professor deve saber pesar suas decisões de acordo com o contexto.

  4. José aldomar disse:

    Lugar de criança eh na escola mas na hora certa e horário adequado

  5. Delano disse:

    Foi pouco a indenização, o coordenador deveria ser penalizado com a perda do cargo. Canalhice petralha fizeram com esse verdadeiro mestre.

Pesquisa da UFRN é premiada nas Nações Unidas pela Alimentação e Agricultura

Foto: Reprodução

O artigo “Plano Estratégico de Combate a Doenças Crônicas Não-Transmissíveis: o processo de construção coletiva em uma rede municipal de ensino” foi escolhido pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO/ONU) como vencedor do “Premio a la investigación en innovación de políticas públicas en Seguridad Alimentaria y Nutricional”, na categoria Artigos Inéditos.

A pesquisa foi produzida pelas discentes Soraya Helena Penha do Nascimento e Kelly Arleziane de Lima, orientadas pelo professor Fábio Resende de Araújo, do Departamento de Administração Pública e Gestão Social (DAPGS/CCSA) em colaboração com os professores: Dinara Leslye Calazans do Departamento de Ciências Administrativas (DEPAD/CCSA), Ana Paula Fayh, do Departamento de Nutrição, Daline Fernandes Faculdade de Ciências da Saúde do Trairí (FACISA/ UFRN) e Ricardo Andrade (EMUFRN/Caicó).

O artigo apresenta a construção de um planejamento participativo para promoção de saúde com atores escolares fruto do programa de extensão “Saúde e Bem-estar na Escola”, sediado pela FACISA/ UFRN em parceria com a prefeitura municipal de Santa Cruz/RN.

Com base em um diagnóstico socioeconômico e de saúde dos escolares e de suas famílias, desenvolvido por meio de estudo populacional com duração de 3 anos, foi realizada uma consulta sobre soluções para enfrentamento dos problemas identificados. Foram utilizados métodos participativos nas escolas da rede, envolvendo os pais, diretores, professores, merendeiros e gestores municipais. O lançamento do plano na comunidade aconteceu no auditório da FACISA, em novembro de 2018.

PREMIAÇÃO

O “Premio a la investigación en innovación de políticas públicas en Seguridad Alimentaria y Nutricional” é organizado pela Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e o Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (CLACSO). Todas as informações sobre o prêmio estão disponíveis AQUI.

Com informações da UFRN

UFRN terá novos cursos de pós-graduação em 2020

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) aprovou a criação de três novos cursos de pós-graduação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), que serão ofertados em Natal a partir de 2020. As oportunidades contemplam o mestrado profissional em Educação Especial, o mestrado acadêmico em Ciências Aplicadas à Saúde da Mulher e o doutorado profissional em Saúde da Família.

Vinculado ao Centro de Educação da UFRN (CE), o mestrado profissional em Educação Especial tem como objetivo formar e capacitar profissionais que atuam com pessoas com deficiências, altas habilidades e transtorno do espectro autista, as quais necessitam de apoio e serviços especializados para o acesso, permanência, participação e aprendizagem nos diversos contextos educacionais.

O mestrado acadêmico em Ciências Aplicadas à Saúde Da Mulher, por sua vez, é vinculado ao Centro de Ciências da Saúde (CCS) e sediado na Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC), com o intuito de gerar produção de pesquisa qualificada para atuar na saúde da mulher em seus diversos aspectos, de maneira multidisciplinar.

Já o doutorado em Saúde da Família faz parte da Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família (Renasf), sob coordenação da Fundação Oswaldo Cruz do Ceará (Fiocruz). A iniciativa, que constitui o primeiro doutorado profissional ofertado na UFRN, busca fomentar a pesquisa e o ensino do tema e áreas correlatas, a partir da produção de conhecimento e do desenvolvimento de atividades de ensino.

Segundo o pró-reitor de pós-graduação da UFRN, Rubens Maribondo, as conquistas são importantes para cobrir áreas que necessitavam ir além da graduação, com vistas ao seu fortalecimento e desenvolvimento. Com os três novos cursos, a UFRN expande para 95 programas e 134 cursos de pós-graduação, destes 43 doutorados.

Com informações da UFRN