Home office: veja como a música pode aumentar a sua produtividade

Foto: (Westend61/Getty Images)

Trabalhar em casa pode ser difícil. Além de ter que conciliar o expediente com as tarefas domésticas, há também muitas distrações (animais, filhos, a cama chamando para uma soneca) para atrapalhar – sem contar a falta de motivação natural provocada pela quarentena.

Diante disso, muita gente tem recorrido à música, numa tentativa de aumentar o foco e a produtiva durante as horas de labuta. Numa busca rápida no Spotify, por exemplo, e você encontra playlists especificamente voltadas para isso, com milhares de seguidores.

Parceria duradoura

Misturar música e trabalho não é de hoje. Nos anos 1940, em plena Segunda Guerra Mundial, a BBC lançou um programa de rádio chamado Music While You Work (literalmente “Música Enquanto Você Trabalha”, em inglês). Por incrível que pareça, era uma estratégia do governo britânico para incentivar a produção de armas e munição.

As músicas eram tocadas ao vivo e transmitidas para as fábricas do país, duas vezes ao dia. A ideia era que, com as canções, quem estivesse trabalhando produzisse mais. Foi um sucesso: a BBC recebia diversas cartas e relatórios elogiando o programa – em um desses feedbacks, um gestor disse que, durante a transmissão, a produtividade aumentava em até 15%.

Desde então, a ciência estuda a relação entre música e trabalho. Um dos casos mais famosos é o chamado “efeito Mozart”, que ficou popular a partir de 1993, quando um jornal publicou que, após 10 minutos ouvindo Mozart, um grupo de pessoas apresentou um desempenho maior na hora de realizar determinadas tarefas.

Com isso, tornou-se padrão associar a música do compositor austríaco como algo benéfico para o cérebro – e diversos experimentos demonstraram que, de certa forma, isso poderia ser verdade. Em uma pesquisa, ratos que foram expostos a 10 horas diárias da composição “K.448”, por dez semanas, foram significativamente melhores em navegar por um labirinto complexo em comparação àquelas que ouviram a música “Für Elise”, de Beethoven.

Além disso, recentemente, um estudo mostrou que músicas com ritmo acelerado podem aprimorar os efeitos dos exercícios físicos, reduzindo a sensação de esforço e aumentando a frequência cardíaca. Uma outra pesquisa, da Holanda, sugeriu que músicas podem ajudar quem está com bloqueio criativo: os voluntários se deram melhor em testes que exigiam pensamento “fora da caixa” quando estavam ouvindo canções felizes.

Não é bem assim

Mesmo com tudo isso, a resposta para a pergunta “Ouvir música no trabalho traz benefícios?” ainda é: depende. A ciência ainda não chegou a uma conclusão sobre isso, justamente porque a recepção das pessoas é algo muito variável. “Depende de muitos fatores, como o tipo de trabalho, o gênero da música (e o quanto de atenção está sendo dado para ela) e a própria personalidade de alguém”, explica à BBC a musicista Karen Landay, que pesquisa sobre o tema.

Um estudo de 2011 defende que colocar uma música ao fundo para tocar compromete o processo de leitura e memorização, mas melhora a capacidade esportiva e as reações emocionais. O próprio efeito Mozart, não raro, é posto à prova, e alguns sugerem que a música “K.448” só atingiu aqueles resultados por ser uma composição mais animada que a de Beethoven.

Um manual para ouvir música no trabalho

A ciência pode nunca chegar a uma conclusão. Mas, seja como for, o que importa no fim do dia é o impacto que a música tem na sua rotina. Se ela funciona para você, continue escutando. E se você tem dúvidas em relação a isso, vale a pena experimentar.

Pensando nisso, o jornal britânico The Guardian montou um manual com dicas e boas práticas para quem gosta de ligar o som na hora do expediente. Dá uma olhada nas principais recomendações:

Comece devagar

As primeiras músicas da sua playlist não devem te deixar em um estado de maior produtividade, mas sim ajudá-lo a chegar lá. De manhã, nada melhor como algo pacífico: canções como “Here Comes The Sun”, dos Beatles, são boas pedidas.

Transições são importantes

Depois que você já aqueceu, é hora de partir para músicas mais agitadas – canções com velocidade mais rápida da trilha podem resultar em maior desempenho – como na pesquisa com exercícios físicos. A sugestão é escolher músicas a 121 bpm (batidas por minuto). Exemplos: “Call Me Maybe”, da Carly Rae Jepsen, “I Wanna Dance with Somebody”, da Whitney Houston, e “I Will Survive”, de Diana Ross.

Cuidado com suas músicas favoritas

Nada melhor do que ouvir as músicas do coração, certo? Mas, segundo especialistas, são elas que podem, justamente atrapalhar a sua concentração. E vale o aviso: enquanto músicas animadas podem melhorar a concentração (e o ânimo) para tarefas repetitivas, canções com letras complicadas (ou que contam uma história) podem distrair trabalhos que exigem mais do cérebro.

Esteja aberto a novos sons

Quanto a ouvir músicas cantadas ou apenas instrumentais, não há uma resposta definitiva: tudo dependerá da sua personalidade. O mais importante é testar novas músicas e playlists e guardar tudo o que funciona para você. Esse, inclusive, é um trabalho cumulativo: ouviu algo bom para trabalhar? Vá colocando em uma lista específica e, depois, organize as faixas na ordem que preferir.

Super Interessante