IMINÊNCIA DE MAIOR IMPACTO AMBIENTAL DO RN: Perícia revela redução significativa de volume na Lagoa do Bonfim e risco de extinção de outras lagoas da bacia

Foto: Reprodução

A Promotoria de Justiça da Comarca de Nísia Floresta, na Grande Natal, enviou ao Ministério Público do Rio Grande do Norte um relatório de 98 páginas, com uma perícia realizada na Lagoa do Bonfim, em que alerta a situação do local desde a instalação da Adutora Monsenhor Expedito, que resultou na redução significativa no seu volume, de forma que os períodos de inverno não estão suprindo a necessidade de reposição hídrica do sistema. Além da famosa lagoa, outros cinco na região estão sob ameaça real de esgotar sua capacidade.

Segundo o estudo fundamentado em imagens de satélite e dados de monitoramento, o volume retirado pela CAERN e a evaporação natural, o balanço hídrico lacustre se mantém negativo nos últimos anos, comprometendo a recuperação natural deste ecossistema. Os impactos ambientais diagnosticados se dão inicialmente com a possível extinção de Lagoas de menor porte que compõe o Complexo Lagunar Bonfim que é formado pelas Lagoas Redonda, Boa Água, Ferreira Grande, Carcará e Urubu, o que poderia representar o maior impacto ambiental no Rio Grande do Norte.

O sistema Lacustre do Bonfim constitui-se numa pequena bacia, com aproximadamente 60 km² de área, sendo enquadrada pelo Instituto de Desenvolvimento do RN-IDEC como uma das unidades de escoamento difuso da faixa litorânea leste do Rio Grande do Norte. Seus limites hidrográficos são as bacias dos Rios Trairi (S-SW) e Pirangi (N-NW), que a cercam quase inteiramente, contribuindo para que sua área de drenagem superficial seja bastante reduzida.

A perícia da Promotoria de Justiça da Comarca de Nísia Floresta ainda destaca que visto que o uso desordenado da água segue comprometendo o nível da Lagoa do Bonfim que hoje se encontra muito abaixo da cota permitida, que não permite esta esboçar sinais de recuperação, esse dano em si afeta todo o ecossistema que depende dessa água para sua sobrevivência.

A perícia, por fim, diz que não é possível afirmar dentro do escopo do estudo qual o volume e escala da captação clandestina realizada pelos moradores do entorno, sendo assim, na ausência de informações não há condições técnicas e dados que respaldam qualquer conclusão a respeito da diminuição do nível da lagoa devido a esta atividade.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Guerra disse:

    Vemos, de temos em tempos, algumas publicações a respeito desse assunto, porém, não vemos medida alguma efetiva.
    Há uns que defendem dizendo que "água é vital". Óbvio. Não há o que discutir quanto a isso, mas de onde se tira e não se repõem, um dia acaba.
    Estão esperando que "São Pedro" envie mais chuvas? É certo que 2020 choveu acima da média, mesmo assim foi bem menos que em 2009. A média das chuvas, único "input" da lagoa, é sempre baixa. Não repõe a demanda.
    A única medida efetiva que sabemos é o racionamento. Isso, apenas, irá adiar a data de secar a nossa amada Lagoa do Bonfim.
    Vamos torcer pela transposição ou dessalinizacao.
    Lamentável.

  2. Mano disse:

    O sonho do Monsenhor Expedito foi buscar essa água pra matar a sede dos moradores dos municípios
    A CAERN com objetivo comercial ta fazendo uma farra, atendendo a
    balneários, lavajatos, condomínios recreativos, clubes e tantos outros
    Perdendo o sentido do sonho do Monsenhor

    • Carlos disse:

      A Caern acima de tudo tem um papel social, a grande maioria das cidades abastecidas com as águas da Lagoa do Bonfim, são deficitárias,
      dados do SNIS, não pagam os custos operacionais… Se o problema é a gestão da água, cabe aos consumidores fazer o uso racional dela.

  3. Potiguar raiz disse:

    Vamos ver se Fátima Bezerra vai querer o carimbo por ser no governo dela o Maior desastre ambiental do RN. Tem que ser feito algo urgente.

  4. Omar Salgado disse:

    A mesma catástrofe que está acontecendo com a Lagoa do Bonfim, aconteceu no Mar de Aral, na Rússia. Na verdade o mar era um lago, usaram a água para irrigação e ele morreu. Basta pesquisar no Google. A CAERN, além de não pagar um centavo pela água eu tira da Lagoa do Bonfim, mas cobrar dos coitados do interior, tem outras opções nas mãos mas não as usa, é claro. Essa adutora é um crime ambiental impressionante !!!

  5. José Filipe disse:

    Existe um Termo de Ajustamento de Conduta que a CAERN não está respeitando. Se não retirar uma quantidade menor de água, de fato, essas lagoas secaram e pode nunca mais voltar a ser o que era. Seria o maior crime ambiental da história do Rio Grande do Norte.

  6. Robson disse:

    A promotoria de Nisia Floresta foi a mesma que não tomou atitude alguma para evitar que a white party viesse a acontecer, né?!
    #DeusSalveANossaLagoaDoBonfim

  7. Calígula disse:

    Tem que privatizar a CAERN.

    • Pedro disse:

      Isso mesmo…

      Se privatizar, São Pedro mandará mais chuva, a evaporação natural da lagoa não existirá mais, as ligações clandestinas da Lagoa serão extintas e acima de tudo… A água ficará mais barata….

  8. Gustavo disse:

    E olhem que o Rio Grande do Norte já tem experiência em catástrofes ambientais envolvendo suas lagoas. Não muito longe dali ocorreu o maior desastre ambiental da história do RN, de que ninguém fala: a transformação da Lagoa de Guaraíras (ali entre Barreta e Tibau do Sul), a maior lagoa de água doce do Estado, em uma lagoa de água salobra e não potável, com a escavação do canal e dinamitação. A intenção foi "boa", como foi a da adutora Monsenhor Expedito agora, mas o resultado foi uma tragédia em um Estado árido com poucos reservatórios de água doce.

COMENTE AQUI