Tecnologia

iPhone 11: conheça todos os detalhes do lançamento da Apple

Foto: Reprodução/ Apple

Em seu evento anual, a Apple apresentou o novo iPhone. Chamado simplesmente de 11, o aparelho possui um conjunto evoluído de câmeras. Evoluído a ponto de aparecer: as câmeras possuem uma protuberância, que se destacam da carcaça do aparelho.

O iPhone 11 conta com uma tela Retina de 6.1 polegadas, descrita como “a mais resistente de todos os tempos em um smartphone”, segundo a empresa. Além disso, o aparelho possui compatibilidade com o sistema de som Dolby Atmos.

As duas câmeras de 12MP do aparelho contam com funções como Modo Noturno, Retrato e Ultra Wide, com zoom ótico de 2x, que captura muito mais detalhes da imagem. Tudo isso iluminado por um flash 36% mais brilhante.

Além de fotografar, ela faz vídeos muito bem: em 4K, 60 frames por segundo, com funções slow motion e timelapse. Segundo a empresa, os vídeos com mais qualidade já feitos por um smartphone são desse aparelho.

Câmera fronta conta com slow motion. Reprodução/ Apple

A câmera frontal terá poderes similares. Com 12MP e sensores de direção que capturam rostos evitando distorção e fazendo selfies com ângulos wide, o que a empresa aposta que será uma tendência.

Os vídeos frontais também são feitos em 4K e 60 frames, além de um sistema de slow motion chamado “slofies”, o que também é inédito e aparenta ser outra possível tendência incentivada pela empresa.

Matéria em atualização. Veja aqui íntegra.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Governo diz que não houve favorecimento para compra de qualquer vacina, acusa deputado de mentira sobre compra da Covaxin e anuncia processo

Foto: reprodução/CNN Brasil

O ministro da Secretaria-Geral, Onyx Lorenzoni, e o atual assessor especial da Casa Civil, Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde, afirmaram nesta quarta-feira (23/6) que não houve favorecimento para a aquisição de qualquer vacina contra a Covid-19.

Mais cedo, nesta quarta, o deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) disse que ele e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, alertaram Bolsonaro sobre suspeitas de corrupção no processo de compra da vacina indiana Covaxin.

“Jamais houve favorecimento para aquisição de qualquer vacina. […] Até o presente momento, não foi gasto nenhum real nessa contratação”, emendou Elcio Franco.

Foto: reprodução/CNN Brasil

Onyx afirmou nesta quarta-feira (23/6) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou que a Casa Civil peça à Polícia Federal para abrir uma investigação para apurar declarações do deputado Luís Miranda (DEM-DF) e atividades de seu irmão, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, acerca do contrato do Ministério da Saúde para a Covaxin, vacina indiana contra a Covid-19.

“O presidente da República, Jair Bolsonaro, determinou que a Polícia Federal abra uma investigação sobre as declarações do deputado Luís Miranda, sobre as atividades do seu irmão, servidor do Ministério da Saúde, e sobre todas essas circunstâncias expostas no dia de hoje”, informou Onyx.

Segundo o ministro, também será aberto um processo interdisciplinar junto à Controladoaria-Geral da União para apurar a conduta do servidor do Ministério da Saúde.

Em tom inflamado, Onyx ameaçou o deputado, após dizer que “Deus tá vendo” ele “mentir deslavadamente”: “Vai ter que pagar, vai ter que se ver conosco”.

O ministro mostrou vários documentos e chegou a dizer que o deputado e o irmão poderiam ter falsificado um deles.

De acordo com documentos do Tribunal de Contas da União (TCU), a Covaxin foi a vacina mais cara negociada pelo governo federal, custando R$ 80,70 a unidade. O valor é quatro vezes maior que o da vacina da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a AstraZeneca, por exemplo.

A CPI da Covid investiga por que o governo agilizou os trâmites na compra da vacina indiana. Segundo um levantamento do TCU, o Ministério da Saúde levou 97 dias para fechar o contrato da Covaxin, enquanto demorou 330 dias para ter um acordo com a Pfizer.

Além disso, o contrato entre o Ministério da Saúde e a Precisa Medicamentos para compra da vacina Covaxin foi o único acordo do governo que teve um intermediário sem vínculo com a indústria de vacinas – o que foge do padrão das negociações e contratos de outros imunizantes.

Durante depoimento ao Ministério Público, no inquérito apura a conduta do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, o chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde, Luis Ricardo Miranda, afirmou que recebeu pressões para favorecer a Precisa Medicamentos em depoimento ao Ministério Público.

O deputado federal Luís Miranda (DEM-DF) disse, nesta quarta, que ele e seu irmão, Luis Ricardo Miranda, alertaram Bolsonaro sobre as suspeitas. Os irmãos Miranda vão prestar depoimentos, nesta sexta-feira (25/6), na CPI que apura ações e omissões do governo federal durante a pandemia.

Metrópoles

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro é aprovado por 28% e reprovado por 50%, diz pesquisa PoderData

Foto: Sérgio Lima/Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro é aprovado por 28% e rejeitado por 50%, de acordo com pesquisa PoderData realizada nesta semana (21-23.jun.2021). As duas taxas variaram negativamente na margem de erro, de 2 pontos percentuais, em relação a duas semanas antes.

A fatia dos que avaliam o presidente da República como “regular” oscilou de 17% para 19%, também na margem. Os que dizem não saber como responder são 3%; há 15 dias, eram 1%.

As variações indicam um quadro estável. A taxa de avaliação positiva de Bolsonaro tem variado na faixa de 24% a 30% desde o final de março.

Destaques demográficos

Os homens (37% desse grupo), os que têm de 45 a 59 anos (36%), os moradores da região Norte (40%) e os que ganham mais de 10 salários mínimos (42%) são os estratos que mais aprovam Bolsonaro.

Já os que mais rejeitam o trabalho presidencial são: mulheres (59%), os moradores da região Nordeste (63%), os com ensino superior (61%) e os que ganham de 5 a 10 salários mínimos (62%).

Sobre a pesquisa

Foram 2.500 entrevistas em 445 municípios nas 27 unidades da Federação. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. Saiba mais sobre a metodologia lendo este texto.

Para chegar a 2.500 entrevistas que preencham proporcionalmente (conforme aparecem na sociedade) os grupos por sexo, idade, renda, escolaridade e localização geográfica, o PoderData faz dezenas de milhares de telefonemas. Muitas vezes, mais de 100 mil ligações até que sejam encontrados os entrevistados que representem de forma fiel o conjunto da população.

Poder 360

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

EUA anunciam a doação de 3 milhões de doses de vacinas da Janssen para o Brasil

Foto: Gregor Fischer/picture alliance via Getty Images

Os Estados Unidos confirmaram, nesta quarta-feira (23), que irão doar 3 milhões de vacinas contra a Covid-19 ao Brasil. As doses destinadas ao país são da farmacêutica Johnson&Johnson, produtora do imunizante Janssen, segundo informações da Casa Branca.

O carregamento partirá de Fort Lauderdale, no estado americano da Flórida, na noite desta quinta-feira (24), com destino ao aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP).

A Casa Branca disse que equipes científicas e autoridades legais e regulatórias de ambos os países trabalharam juntas para garantir a entrega rápida.

O país norte-americano, que recentemente atingiu a marca de 600 mil mortes provocadas pelo novo coronavírus, apresenta um alto índice de imunização contra a Covid-19 e iniciou a doação de doses para outras nações após o sucesso de vacinação em território nacional.

Além da antecipação de 1,5 milhão de doses — que chegaram nesta terça-feira (22), no Aeroporto de Guarulhos (SP), vindas diretamente da empresa –, o Ministério da Saúde estaria finalizando tratativas para receber a doação de 3 milhões de doses dos Estados Unidos para os próximos dias.

O representante da Casa Branca afirmou que as vacinas foram liberadas pela Food and Drug Administration (FDA) dos EUA e viriam do fornecimento que os Estados Unidos tinham imediatamente disponível.

O Brasil já havia dado aprovação regulatória para a vacina J&J, proporcionando o caminho mais rápido para levar um grande número de doses ao país imediatamente, acrescentou o funcionário.

“Estamos compartilhando essas doses não para garantir favores ou extrair concessões. Nossas vacinas não vêm com amarras. Estamos fazendo isso com o objetivo único de salvar vidas”, disse o membro da Casa Branca.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Essas vacinas deveriam ir para o Haiti.
    O país que ainda se encontra devastado, não vacinou quase ninguém.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Bolsonaro determinou à PF que investigue o deputado Luis Miranda por ‘denunciações caluniosas’ no caso da compra da Covaxin, diz Onyx

Foto: reprodução/CNN Brasil

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou a abertura, pela Polícia Federal, de uma investigação para apurar as declarações do deputado Luis Miranda (DEM-DF), que afirmou ter alertado o governo federal a respeito de irregularidades e pressões supostamente indevidas envolvendo a vacina Covaxin.

A afirmação foi feita pelo ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência, Onyx Lorenzoni, durante declaração à imprensa nesta quarta-feira (23) que classificou como ‘denunciações caluniosas’ as declarações de Luis Miranda.

O ministro afirma que o governo vai instaurar um procedimento administrativo disciplinar contra o irmão do deputado Luis Miranda, servidor do Ministério da Saúde, e propor à Procuradoria-Geral da República (PGR) que o parlamentar e o familiar sejam investigados por supostamente adulterar documentos.

Documentação adulterada

De acordo com o ministro Onyx, o documento apresentado por Miranda para apontar possíveis irregularidades foi adulterado. Ele apresentou aquele que seria o documento original e correspondente à negociação, que teria passado por retificações.

Onyx afirma que a posição do governo é a de que não houve sobrepreço nem irregularidades na negociação pela Covaxin. “Não existe nenhuma irregularidade, existe o trabalho correto que foi feito pelo ministro Pazuello”.

O que disse o deputado Luís Miranda sobre a Covaxin e o governo Bolsonaro

O deputado Luís Miranda afirmou nesta quarta-feira (23) à CNN que levou pessoalmente ao presidente Jair Bolsonaro “provas contundentes” de irregularidades nas negociações para a compra da vacina Covaxin.

“O presidente sabia que tinha crime naquilo”, disse o deputado. Miranda é irmão de um servidor do Ministério da Saúde que, segundo ele, teve conhecimento dos problemas. De acordo com o parlamentar, após o encontro, Bolsonaro ficou “convencido” e se comprometeu a acionar “imediatamente” a Polícia Federal.

“Entreguei a Bolsonaro. O caso não é só de pressão. É gravíssimo: tem desvio de conduta, invoice [nota fiscal] irregular, pedido de pagamento antecipado que o contrato não previa, quantidades diferentes”, disse Miranda à CNN.

Miranda afirmou que decidiu ir ao presidente porque seu irmão, Luis Ricardo Fernandes Miranda, estava sofrendo retaliação por resistir a anuir com as tratativas. Ele já havia sido exonerado de um cargo de confiança e, segundo o deputado, só retomou o posto após o próprio parlamentar procurar diretamente o então ministro Eduardo Pazuello.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 2.392 óbitos e bate recorde com 115 mil novos casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta quarta-feira (23):

– O país registrou 2.392 óbitos nas últimas 24h, totalizando 507.109 mortes;

– Foram 115.228 novos casos de coronavírus registrados, no total 18.169.881 milhões pessoas já foram infectadas.

Seis estados brasileiros já passaram a marca de 1 milhão de infectados pela Covid-19: São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná, Bahia e mais recentemente Santa Catarina.

– Com mais 94.788 curados registrados nas últimas 24h, o número total de recuperados do coronavírus é 16.483.635. Outros 1.179.137 pacientes estão em acompanhamento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

TJD/RN decide que atletas e funcionários do Globo que testaram positivo para Covid não poderão estar presentes na final do Campeonato Potiguar contra o ABC

O Tribunal de Justiça Desportiva do Rio Grande do Norte (TJD/RN) decidiu que os atletas e funcionários do Globo que testaram positivo para Covid e não tenham cumprido o período de quarentena não poderão comparecer à final do Campeonato Potiguar, contra o ABC, que será disputada na quarta-feira (23), no Estádio Frasqueirão.

“Nesse sentido, atletas anteriormente testados positivo, e que procederam ao reteste antes de concluir a quarentena, mesmo que o seu resultado seja negativo, não podem, hoje, ingressar no Estádio Maria Lamas Farache, uma vez que, o simples reteste negativo, antes do fim da quarentena, não confere a segurança exigida pelos órgãos competentes”, diz a decisão (veja a íntegra aqui).

A decisão foi tomada com base no Guia Médico da CBF que regulamenta a necessidade do cumprimento do período de quarentena aos atletas que testaram positivo para a COVID-19, não sendo aceitos posteriores testes negativos para fins de justificar a suspensão do isolamento.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Meio Ambiente

Joaquim Álvaro Pereira Leite é o novo ministro do Meio Ambiente após a saída de Salles

Foto: reprodução/Linkedin

Joaquim Álvaro Pereira Leite, secretário da Amazônia e Serviços Ambientais do Ministério do Meio Ambiente, é o substituto de Ricardo Salles, que se demitiu do governo na tarde desta quarta-feira (23). Segundo o presidente Jair Bolsonaro, Pereira Leite “está como efetivo no cargo”.

Formado em admnistração, com MBA no Insper, Leite iniciou a carreira como produtor de café, atuando também em empresas de consultoria e do ramo farmacoquímico. Em 2019, ele assumiu o primeiro cargo no Ministério do Meio Ambiente, como Diretor do Departamento Florestal. Leite ficou na vaga até abril de 2020, quando foi nomeado secretário.

VEJA MAIS: Alvo de investigações, Ricardo Salles pede demissão

Durante sua trajetória o empresário também se notabilizou como um dos mais antigos integrantes da SRB (Sociedade Rural Brasileira), onde esteve como conselheiro ou em outros cargos diretivos de 1996 a 2019.

A SRB lamentou ainda em 2017 o afastamento de Salles da secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, sob acusações de improbidade administrativa que resultariam na condenação dele. Um ano depois, a entidade apoiou publicamente o nome do então ex-secretário para o cargo de ministro do Meio Ambiente.

Leite assumirá o Ministério do Meio Ambiente com a promessa da gestão anterior de zerar o desmatamento ilegal e reduzir as emissões de gás carbônico em 50% até 2030. Salles também tinha estipulado no final de abril, na Cúpula do Clima, que seriam duplicados recursos próprios para fiscalização no Brasil.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Bolsonaro sanciona lei com mudanças nos critérios de pagamento do BPC; texto traz novo auxílio previsto no Estatuto da Pessoa com Deficiência

Foto: © José Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.176/2021, que altera regras para concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC) e regulamenta o auxílio-inclusão, previsto no Estatuto da Pessoa com Deficiência, mas que, até então, não havia sido criado.

A lei, publicada hoje (23) no Diário Oficial da União foi originada da Medida Provisória (MP) 1.023/20, aprovada no mês passado no Congresso.

Ela reduz de meio salário-mínimo para até um quarto de salário mínimo a renda mensal per capita máxima necessária para ter acesso ao BPC. O auxílio de um salário mínimo é pago a idosos a partir de 65 anos e pessoas com deficiência de qualquer idade de baixa renda.

A lei ainda define critérios para que o governo regulamente os casos excepcionais, em que os beneficiários poderão receber o BPC se a renda familiar for maior que um quarto do benefício e até meio salário-mínimo. Essa ampliação entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2022 e ainda depende de uma decreto presidencial.

A legislação já permite a concessão do benefício a pessoas com renda maior se comprovados outros fatores da condição de miserabilidade e de vulnerabilidade do grupo familiar. Entretanto, os critérios especificados no texto dependerão também do cumprimento de requisitos fiscais.

Pela lei, são três os critérios: grau da deficiência; dependência de terceiros para o desempenho de atividades básicas da vida diária e por fim comprometimento do orçamento do núcleo familiar com gastos médicos não ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) ou assistência social. Para idosos, apenas os dois últimos critérios são aplicáveis.

Enquanto não estiver regulamentado o instrumento de avaliação biopsicossocial da deficiência, a concessão do BPC dependerá de avaliação médica e avaliação social realizadas, respectivamente, pela perícia médica federal e pelo serviço social do INSS, com a utilização de instrumentos desenvolvidos especificamente para este fim.

Até 31 de dezembro de 2021, o INSS poderá adotar medidas adaptadas à realidade da pandemia de covid-19 para avaliar a deficiência para fins de recebimento do BPC, como videoconferência e uso de um padrão médio de avaliação social, desde que tenha sido realizada a avaliação médica e constatado o impedimento de longo prazo. Esse método, porém, não poderá ser usado para cancelar o benefício.

Auxílio inclusão

A nova lei cria ainda o auxílio-inclusão, previsto no Estatuto da Pessoa com Deficiência. Seu valor corresponderá a 50% do valor do BPC em vigor, para as pessoas com deficiência moderada ou grave. De acordo com o Ministério da Cidadania esse é um mecanismo para alcançar a emancipação do programa social, concedendo o valor a beneficiários que recebem o BPC e conseguirem se inserir no mercado de trabalho.

A medida vale a partir de 1º de outubro deste ano e, caso o beneficiário perca o emprego ou a renda adquirida, ele volta automaticamente ao BPC, sem precisar passar pelas avaliações iniciais.

Para receber esse auxílio, o beneficiário precisa ter remuneração de até dois salários-mínimos e ser segurado pela Previdência Geral ou regime próprio de servidores. Além disso, deve ter inscrição atualizada no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal. O texto permite o recebimento do auxílio-inclusão também por parte das pessoas com deficiência que tenham contado com o BPC nos cinco anos anteriores ao começo do trabalho e por aqueles cujo benefício foi suspenso.

Segundo o Ministério da Cidadania, em abril deste ano, o BPC foi concedido a 4,65 milhões de beneficiários, sendo 2,55 milhões de pessoas com deficiência e 2 milhões de idosos, num investimento de R$ 5,1 bilhões. Em 2020, o governo federal transferiu R$ 58,4 bilhões para os integrantes do programa.

Previsto na Lei Orgânica da Assistência Social, o BPC é gerido pelo Ministério da Cidadania e sua concessão, manutenção e revisão pelo INSS.

O requerimento do BPC pode ser realizado nas Agências da Previdência Social (APS) ou pelos canais de atendimento do INSS. O telefone é o 135 ou pelo site ou aplicativo de celular Meu INSS.

Além da renda, as pessoas com deficiência também passam por avaliação médica e social no INSS. O beneficiário do BPC e a família dele devem estar inscritos no Cadastro Único antes de o pedido ser feito. As novas regras do BPC também permitem que a avaliação social da deficiência seja feita por videoconferência, sem a necessidade de deslocamento a uma agência da Previdência.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Trânsito

Intervenção mudará o trânsito na marginal da BR 101 a partir desta quinta-feira, informa Prefeitura de Parnamirim; veja como fica

FOTO: ASCOM – NEY DOUGLAS

A Prefeitura de Parnamirim e o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) farão intervenções na entrada para o centro da cidade nesta quinta-feira (24). Depois de implementadas as últimas mudanças na BR 101 e vias marginais, observou-se que muitos acidentes aconteceram, em um trecho de parada obrigatória, onde se localizam os túneis de retorno para o centro da cidade e para a Avenida Bela Parnamirim (rua lateral do Parque Aristófanes Fernandes). A pista de rolamento da marginal deve ser fechada nesse ponto e desviada para a Avenida Tenente Medeiros, que também terá um retorno fechado, bem próximo ao local. O objetivo é evitar congestionamentos e colisões no local.

A mudança deve ocorrer às 8h desta quinta-feira (24), quando Dnit e os agentes de trânsito da Prefeitura estarão no local para controlar o tráfego e orientar motoristas e pedestres.

Como fica o trânsito

Parnamirim – Natal, acesso à Avenida Bela Parnamirim pelo túnel na marginal da BR-101: O trecho de parada obrigatória será extinto. Motoristas que vêm na pista marginal da BR-101 deverão retornar ao centro da cidade, com duas opções – onde outrora havia a parada obrigatória e através da Rua Nossa Senhora de Fátima (rua do Restaurante do Chicó e Martelinho de Ouro) – que já recebeu nova sinalização horizontal, contornar a rotatória em frente à maternidade e voltar pela Tenente Medeiros, acessando o túnel ou drigindo-se a Natal.

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Arrecadação de loterias cresce 13% em um ano e chega a R$ 2,42 bilhões

Foto: © Marcello Casal Jr/Agência Brasil

As loterias federais geraram R$ 2,74 bilhões em arrecadações no primeiro quadrimestre de 2021. O valor é 13% maior do que os R$ 2,42 bilhões em repasses contabilizados durante o mesmo período de 2020, informa o 1º Relatório do Mercado Brasileiro de Loterias divulgado hoje (23) pelo Ministério da Economia.

De acordo com a pasta, esses valores incluem tanto os repasses sociais via Tesouro Nacional quanto o Imposto de Renda. “O relatório aponta que os repasses sociais para o financiamento de políticas públicas chegaram a R$ 2,04 bilhões de janeiro a abril, o que representa um aumento de 21% sobre R$ 1,68 bilhão dos quatro primeiros meses de 2020”, detalha o ministério.

Com isso, o repasse dos recursos obtidos a partir dessas loterias para a Educação aumentou em 192%, passando de R$ 120 milhões para R$ 350 milhões, impulsionado pela reversão de um dos prêmios da Mega da Virada de 2020, que não foi resgatado.

O ministério acrescenta que a maior participação relativa de repasses das loterias para a conta única do Tesouro Nacional, foi das parcelas destinadas à Seguridade Social (43,4%), seguida do Fundo Nacional para a Segurança Pública (23,3%) e da Educação (17,3%). Juntas, essas três áreas obtiveram 83,9% dos valores arrecadados.

“Além desses repasses, houve o recolhimento de R$ 450 milhões de Imposto de Renda, que poderão ser destinados ao atendimento de qualquer despesa do governo”, informa, em nota, a Secretaria de Avaliação, Planejamento, Energia e Loteria (Secap).

Der acordo com o relatório, apesar da pandemia a maior parte das loterias federais registrou aumento na arrecadação, ano passado, na comparação com anos anteriores. “Já no período de janeiro a maio de 2021, a arrecadação nominal das loterias operadas pela Caixa registrou crescimento de 9,6% sobre o mesmo período de 2020 e de 28,9% sobre os cinco primeiros meses de 2017”, complementa o documento.

Houve também aumento de 58% nos bilhetes da tradicional Loteria Federal, ao longo dos cinco primeiros meses de 2021, comparado ao mesmo período de 2020. Com relação ao Lotofácil e à Quina, o aumento ficou em 38% e 32%, respectivamente, na mesma base de comparação. Já a Loteca aumentou suas vendas em 159% entre janeiro e maio.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *