Magia negra em Natal pode ter tirado a vida de adolescente de 13 anos

Um dos três acusados de participar da morte Edilma Dantas de Souza, de 41 anos, desaparecida desde o dia 1º de abril, vítima de assassinato através de um ritual de magia negra, na Zona Norte de Natal, e enterrada no quintal da casa de um dos integrantes do grupo, João Maria Guedes da Silva, mais conhecido como “João Macumbeiro”, amigo da vítima e dos familiares dela, fez mais uma confissão chocante nessa terça-feira (21). Segundo o delegado Ben-Hur Cirino de Medeiros, titular da Delegacia de Capturas da Polícia Civil, “João Macumbeiro” afirmou que o grupo está envolvido na morte de uma adolescente de 13 anos, com o mesmo objetivo, em dezembro do ano passado. O detalhe mais impressionante é que a menina era sobrinha de sua esposa.

Segundo o titular de Decap, a confissão de “João Macumbeiro” descreve que ele encontrou a menor já morta, no chão da sala do imóvel de Gildásio Cardoso Gomes, conhecido como “Bruxo”. De acordo com o depoimento, ao lado do corpo ainda foi encontrado uma cabeça de bode. Na ocasião, “Bruxo”, teria pedido que João Maria se livrasse do corpo, e o destino teria sido a Lagoa de Extremoz, região metropolitana de Natal, onde foi amarrado um objeto pesado ao corpo da vítima, para que não boiasse.

Após a declaração, a Polícia Civil tem como próximo objetivo a conversa com familiares da suposta vítima, e se confirmado o desparecimento, as buscas no local de desova serão iniciadas. Diante dos acontecimentos, outros crimes com as mesmas características podem ter sido cometidos pelo grupo, por isso, as investigações serão intensificadas.