Mulher atingida nas costas durante assalto à Padaria Petropólis fica Paraplégica

A FUNCIONÁRIA DA loja de ar-condicionados STR, Elizângela Iva de Souza, 32, está paraplégica.

Baleada nas costas durante o assalto ocorrido quinta-feira passada à Padaria Petrópolis, ela perdeu movimentos das pernas, segundo informação da assessoria de imprensa do Hospital Walfredo Gurgel, onde a moça permanece internada e sem previsão de alta médica. “Ainda tenho esperança. Ela teve um formigamento pela manhã. Sei que terá sequelas, mas ainda acredito que pode recuperar os movimentos das pernas”, disse o namorado de Elizângela. Por ser militar reformado, ele pediu à reportagem para não ter seu nome publicado.

Quanto aos parentes, o companheiro adiantou que as três filhas de Elizangêla, todas do primeiro casamento, de 17, 16 e 12 anos, são as mais abaladas com o drama. “Uma tragédia. Eu sou carioca e moro em Natal faz cinco anos. Nunca imaginei sofrer uma violência tão grande como essa”, acrescentou o reservista.

Apesar da gravidade da situação, o militar garante que não deixará a cidade. “Jamais. Vim para Natal pra ficar”.

O disparo que atingiu as costas de Elizângela, segundo os familiares, alojou-se na 7ª vértebra, perfurou o pulmão e ocasionou uma hemorragia interna.

Com a confirmação da paralisia das pernas, ela continua internada no setor de politraumas do hospital, sem previsão de alta médica.

A funcionária da padaria, Uliane Silva de Pinto, 29, que também saiu ferida após os disparos realizados pelos marginais, recebeu alta e ontem voltou pra casa.

No momento dos tiros, ela operava a caixa registradora do estabelecimento.

Foi a primeira a dar de cara com os bandidos.

Segundo o relato dos policiais que atenderam a ocorrência, os dois ladrões que entraram na padaria e anunciaram o assalto, já haviam pegado todo o dinheiro quando abriram fogo. O prejuízo foi de R$ 100.

O assalto à Padaria Petrópolis aconteceu por volta de uma hora da tarde da quinta-feira. Muitas pessoas almoçavam quando dois jovens armados, de cara limpa, se aproximaram do caixa e anunciaram o assalto.

Imagens obtidas pela reportagem revelam que um deles fez vários gestos com o dedo indicador sobre os lábios ordenando que Uliane ficasse em silêncio.

Na sequência, os dois pegam o dinheiro da registradora e produtos que estavam sobre o balcão.

Depois, o jovem que aparenta ser menor de idade percebe que um dos clientes atendeu uma ligação telefônica. Assustado, provavelmente acreditando que o homem havia ligado para a polícia, o bandido se aproxima com a arma e atira três vezes.

Dois tiros atingiram a barriga e o braço do cliente, no caso o vendedor Aldemir Pereira de Souza Neto, 21, empregado da Embratel.

Os mesmos tiros que acertaram Aldemir ricochetearam e atingiram as duas mulheres, pois nenhuma bala ficou alojada no corpo do rapaz.

Aldemir Neto permanece internado, mas não corre risco de morte.

Reportagem do NOVO Jornal.