Política

Petistas estimulam tese fantasiosa de que facada de Adélio em Bolsonaro foi forjada

Foto: Raysa Campos Leite/Reuters

Parlamentares e dirigentes do PT estão emulando nas redes sociais a fantasiosa tese de que a tentativa de assassinato de Jair Bolsonaro em 6 de setembro de 2018 pode ter sido um atentado falso, forjado pelo próprio candidato à Presidência com o objetivo de ser eleito.

A suposição é insinuada em 1 hora e 44 minutos de um documentário lançado no sábado (11) pelo site Brasil 247, alinhado ao PT. No título, a acusação é feita de forma direta —”Bolsonaro e Adélio, Uma Fakeada no Coração do Brasil”.

A Polícia Federal concluiu, em duas investigações, que Adélio Bispo de Oliveira agiu sozinho, sem nenhuma evidência real de que tenha sido auxiliado por outras pessoas ou obedecido a um mandante. O inquérito mais recente tem nove volumes e 1.908 folhas.

Adélio sempre disse que agiu a mando de Deus, para tentar livrar o Brasil da vitória de Bolsonaro, que via como uma ameaça.

Considerado inimputável pela Justiça mediante diagnóstico de que ele tem transtorno mental que o incapacita de entender o caráter de crime que cometeu, ele cumpre medida de segurança na penitenciária federal de Campo Grande (MS).

O documentário do Brasil 247 tem como autor o jornalista Joaquim de Carvalho, que viajou a Minas Gerais e Santa Catarina e entrevistou personagens do episódio, entre outros elementos de apuração. Até as 22h desta quarta (15) somava cerca de 850 mil visualizações no YouTube.

Além de destacar informação falsa —a de que Adélio Bispo de Oliveira foi filiado ao PSD—, o documentário recorre a uma série de teorias da conspiração que pululam na internet, a maioria delas investigadas e descartadas pela Polícia Federal ou pela simples ausência de lógica, e as associa a outras de lavra própria para chegar a ilações sem qualquer comprovação, várias delas contraditórias umas com as outras.

“O documentário deixa evidente que o episódio e seu contexto têm muitos pontos sombrios, que aumentaram ainda mais as muitas dúvidas que eu já nutria sobre o fato”, disse à Folha o deputado Bohn Gass (RS), líder da bancada do PT na Câmara.

Em suas redes sociais, ele elogiou o documentário e pediu a seus seguidores que o assistam.

Ele não respondeu à pergunta sobre se o PT não estaria agindo, nesse caso, de maneira similar a uma das principais características do bolsonarismo, a de espalhar contra adversários fake news e teorias da conspiração da internet que não encontram qualquer lastro na realidade.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) escreveu que “o jornalismo cumpre papel importante ao investigar o caso das facadas”. À Folha afirmou que o caso causa dúvida em boa parte da população.

“Sempre acredito na vítima. Por esse motivo, naquele momento manifestei minha solidariedade ao atingido. Mas acreditava que existiria uma investigação mais profunda sobre o autor. O fato dele frequentar o clube de tiro dos filhos nunca foi respondido. Independente do documentário, avalio que isso gera suspeita fundamentada.”

Ela se refere ao fato conhecido de Adélio ter ido meses antes, por alguns dias, a um local de Santa Catarina também frequentado por dois filhos de Bolsonaro, Carlos e Eduardo, a “.38 Clube e Escola de Tiro”.

O documentário trata como “a chave do segredo” essa relação, insinuando que ali poderia ter sido acertada a trama do suposto atentado fajuto.

Apesar de aventar a tese de que uma sofisticada rede criminosa planejou minunciosamente uma espetacular fraude até hoje não desmascarada, não há explicação sobre o fato de que o caso da .38 só ter vindo à tona porque tanto os Bolsonaro quanto Adélio divulgaram a presença na escola de tiro em suas redes sociais, para qualquer um ver.

E por que trama tão engenhosa precisaria ser combinada pessoalmente em um clube de tiro de Santa Catarina, com check-in no Facebook.

Outra das contradições é que o documentário reserva vários minutos para levantar a hipótese de que um fotógrafo foi distraído de propósito em meio à multidão para não registrar o momento exato da facada, “ou da suposta facada”, como repete o jornalista em vários momentos do vídeo.

Ele não explica, entretanto, qual serventia haveria nessa atitude, sendo que a cena estava sendo gravada de perto por câmaras profissionais e de incontáveis aparelhos de telefone celular.

O documentário também tenta emplacar a tese de que Adélio era, na verdade, uma pessoa com posições mais alinhadas ao bolsonarismo, não uma pessoa simpática à esquerda.

Adélio foi filiado ao PSOL de Uberaba de 2007 a 2014, mas nunca militou —esse fato, sustenta o documentário, serviu à narrativa eleitoral da facada fajuta, a de que a esquerda quis tirar Bolsonaro da disputa.

O jornalista Joaquim de Carvalho ressalta no documentário a sua estranheza sobre o fato de a imprensa nunca ter dito que Adélio havia sido filiado do centro-direitista PSD, de Gilberto Kassab, até 2016. Como prova, mostrou um pedido de desfiliação do PSD assinado por Adelio.

A informação é falsa, Adélio jamais foi filiado ao PSD, e essa informação está disponível a qualquer cidadão no Tribunal Superior Eleitoral e é confirmada pelo partido.

À PF Adélio relatou que uma vez procurou a Justiça Eleitoral por achar que poderia ter sido filiado à revelia pelo PSD. Daí, assinou uma requisição de desfiliação, por segurança, apesar de ter obtido na mesma ocasião certidão oficial que informava não ter havido essa filiação.

O responsável pelo documentário disse à Folha considerar que a suspeita de Adélio de que era filiado representa, na prática, a seu ver, uma filiação.

“O Adélio pediu desfiliação do PSD. Se ele pediu desfiliação, é porque se considerava filiado, o que equivale dizer: era filiado de fato. Se você envia uma carta à Folha com pedido de demissão, significa que você acredita que é contratado da Folha.”

Os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Rogério Correia (PT-MG), entre outros, também divulgaram o “Fakeada” em suas redes sociais.

“Creio que existem indícios e perguntas sem respostas que devem ser esclarecidas”, disse Pimenta à reportagem. “Há muito tempo uma grande reportagem, daquelas que fazem justiça ao nome, não gerava tanto comentário”, escreveu Correia, em um artigo.

A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), não respondeu à pergunta sobre qual é a posição dela ou do partido.

Pré-candidato à presidência e maior liderança do PT, o ex-presidente Lula também já manifestou dúvidas públicas sobre se Bolsonaro sofreu ou não um atentado.

Em uma entrevista, o ex-presidente afirmou que a facada “tem uma coisa muito estranha”, já que não aparece sangue nas imagens. “O cara que dá a facada é protegido pelos seguranças do Bolsonaro, a faca que não aparece em nenhum momento”, disse, citando teorias da internet também reproduzidas no documentário.

Questionado novamente dias depois, afirmou que tinha suspeitas sobre o ocorrido: “Não, eu não disse que não tinha tomado, eu disse que não acreditava [que Bolsonaro levou uma facada]”.

O “Fakeada no Coração do Brasil” usa também em boa parte de uma edição de vídeos do dia da facada feita pela conta do YouTube “True or Not”.

Esses vídeos levantam, sem qualquer prova, várias suposições de que Adélio poderia ter agido com colaboração de outras pessoas, em especial seguranças privados e os agentes da PF que faziam a escolta de Bolsonaro.

“Quem fez esse canal sabe das coisas”, diz no documentário Joaquim de Carvalho, que assina a direção ao lado de Max Alvim, afirmando ainda ter tentado descobrir seus autores, mas sem sucesso.

A PF investigou formalmente os vídeos desse canal.

“As narrativas constantes destes vídeos, calcadas em análises superficiais das imagens e dos fatos em torno do crime, ilustram a quase totalidade das conjecturas e teorias lançadas após o atentado, e foram minuciosamente averiguadas, concluindo-se pela falsidade de todas as teses aventadas”, afirma o relatório do delegado Rodrigo Morais.

O documentário também elenca como indícios a suposta afirmação de uma suposta cirurgiã que teria pedido para não se identificar, segundo quem os vídeos mostram que Adélio não teria “ponto de apoio” para enfiar a faca na barriga de Bolsonaro com tanta profundidade.

Além do precedente de uma pedrada na cabeça que teria contribuído para a eleição de um prefeito, justamente em Juiz de Fora.

O vídeo explora ainda o fato de Bolsonaro não ter usado colete à prova de balas no dia, o mistério sobre o financiador da defesa de Adélio —se é que houve, já que há suspeita de que o caso possa ter sido assumido de graça, em busca de holofotes— e a ocupação de cargos no governo por seguranças do dia 6 de setembro.

Tudo isso é apontado como suspeita de atentado forjado. A principal tese aventada, que não é nova no universo das teorias de conspiração, é a de que o presidente teria passado por uma cirurgia para retirada de um tumor já sabido, e não para o tratamento da facada, que não teria acontecido.

A Folha encaminhou 21 perguntas a Joaquim de Carvalho e ao Brasil 247.

Entre elas, a que os questiona sobre a que eles atribuem a não descoberta de tamanho ardil, três anos depois, mesmo sendo necessária a participação, na suposta trama, de uma infinidade de pessoas: testemunhas, aliados dos Bolsonaro, ex-aliados, seguranças, auxiliares, ex-auxiliares, policiais civis e militares de Juiz de Fora, policiais federais, integrantes do Ministério Público, integrantes do governo de Michel Temer (que tinha Henrique Meirelles como candidato à Presidência, à época), motoristas, funcionários, enfermeiros e médicos de dois grandes e respeitados hospitais (Santa Casa de Juiz de Fora e Albert Einstein, em São Paulo), além de familiares de todas essas pessoas, entre outras.

O 247 não respondeu, apenas reproduziu as perguntas em seu site, dizendo que “a intenção da Folha não é investigar as fragilidades do caso, que foram detalhadas por Joaquim de Carvalho, com riqueza de detalhes, em seu documentário”.

Joaquim de Carvalho afirmou que só poderá responder as perguntas de forma completa na segunda-feira (20), pois está finalizando um documentário sobre o centenário de Paulo Freire. Em uma manifestação geral, afirmou que o inquérito da PF não investigou a hipótese do autoatentado.

De fato, a PF nunca teve como objeto formal da investigação a hipótese de autoatentado, assim como não teve a de que a facada foi planejada por alienígenas, por exemplo, pelo simples fato de não haver qualquer indício plausível nesse sentido. Mas ela investigou e descartou a veracidade de várias das teorias de internet publicadas nesse sentido.

“A reabertura do caso levaria a essa investigação. Perdoe a sinceridade, mas falsa é a conclusão a que você chegou. O documentário não tem nenhuma informação inconsistente. Inconsistente é a narrativa que prevaleceu, abraçada sem contestação pela imprensa”, disse o jornalista.

Folha de São Paulo

 

Opinião dos leitores

  1. Vá entender o que se passa na cabeça do encantador de jumentos, e seus seguidores…kkkkkkk

    1. Deve ser o mesmo que se passa na cabeça do encantador touros, e seus seguidores….kkkkkkkk.

  2. Essa PeTralhada vive de mentiras, igual o gado e o Adelio é um INCOMPETENTE porque não fez o serviço bem feito…

  3. Muito bem, agora manda esses pseudo-jornalistas aventar numa matéria o desmonte de que não foram os caciques do PT quem mandaram assassinar Celso Daniel e Toninho. Tem mais, desmintam que Lula não era o Barba, o safado, o traidor, o cachorro que dela tava os amigos a Romeu Tuma. Eu ainda vou defecar no túmulo de vocês e limpar a bunda com as flores das coroas expostas das vossas catacumbas. Canalhas.

  4. Acredito que o Neto de luladrao não morreu tb. Nem dona Marisa, foi só armação dos PTRALHAS

  5. Alexandre de Moraes já pode colocar o autor dessa fake news no inquérito do fim do mundo. Vamos ver se o xerife é imparcial agora.

  6. Primeiro deveriam assistir ao documentário. Um trabalho de dois meses de um Jornalista que ainda consegue tirar o traseiro da poltrona pra cumprir seu ofício. Ao contrário do Jornalista da Folha que poderia ao invés de levantar questionamentos opinativo, fazer jornalismo, tirar a bunda da cadeira e mostrar os fatos que lhes intriga. Os questionamentos opinativo deixem para os leitores. Faça jornalismo. O documentário mostra que tem muita coisa em aberto e que uma investigação bem feita, responderia algumas dúvidas. O bolsonaro disse em entrevista que o Adélio furou e ainda torceu a faca. Como pode uma facada que penetrou 15 cm, ser torcida dentro do corpo e não sair uma gota de sangue? Experimentem fazer com uma agulha. As imagens mostram o Adélio passeando em local dos seguranças, inclusive se dirigindo ao Carlos bolsonaro, que ao ver, entrou no carro. O 02 nunca participou de um comíssio, segundo depoimento de um general, acho que Santos Cruz, mas se deslocou para juiz de fora nesse dia. O Adélio participou de um curso de tiro com o 02, negada pela representante do .38 e depois desmascarada por documentos? Por que ela mentiu? Por que os advogados que não são mais, são os tutores do Adélio e por que seus familiares não têm acesso ao mesmo? Por que segurança que achou a faca disse que estava trabalhando para um deputado para justificar sua presença no ato e o deputado o desmentiu? Por que na faca não foi encontrada impressão digital do Adélio? O mais gritante, como pessoas que vivem ameaçando matar, agredir e invadir o supremo por causa do mito, permitem em meio a uma multidão, que o Adélio saísse sem um arranhão, depois de esfakear o mito? Por que seguranças protegeram o Adélio e não protegeram o mitomaníaco? Por que a cicatriz da fakeada muda de local em fotos diferentes? Em uma está abaixo de sinais e em outra acima. Fakeada se move? Tem muitas perguntas que a investigação não conseguiu responder. O que o documentário fez foi mostrar essas contradições para que os de direito pudessem reabrir o inquérito. O deputado frota já pediu uma CPI. Está na hora da turma que defende saber o mandante da fakeada assinar a cpi.

  7. Sempre duvidei de tal facada, tudo muito escondido e muito estranho que o Adélio esteja isolado inclusive da familia.

  8. A esquerdalha, em seus diversos matizes, está desesperada e tende a apelar cada vez mais para suas usuais narrativas mentirosas. As últimas manifestações populares comprovaram MAIS UMA VEZ e de forma conclusiva que o povo brasileiro está com o presidente. No RN, pesquisa divulgada hoje mostra que a governadora Fátima do PT terá grandes dificuldades para se reeleger. Resta à esquerdalha o desespero, demonstrado no crescente número de comentários cada vez mais grosseiros e absurdos que estão postando por aqui. É no que dá associar-se ao que não presta. Kkkkkkkkkk

  9. “Mas quem nunca contou uma mentirinha?? Se não mentir pra namorada, a noite não termina bem” kkkkkkkkkkk

  10. Já ultrapassou do ridiculo as sebozeiras desses ptralhas, mandem insinuar tambem uma facada no Ladrão de nove dedos, e por esses e outros motivos que cada vez mais as pessoa de bem se afastam desse grupo, eles mesmos estão fazendo campanha para o adversario , cada vez mais o povo tem nojo desses …..

  11. Sou eleitor de Ciro, mas devo confessar, com essa narrativa da facada mais uma vez, vejo, infelizmente, que Bolsonaro leva de novo. Estão loucos essa turma do Lula.

    1. Com esse nome amigo 🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣😏😏😏😏😏😏🤭🤭🤭🤭🤭🤭 é difícil até se criar, quanto mais acreditar em algo.

  12. Partindo da esquerdalha, só devemos esperar mentiras e corrupção. É algo TÃO ABSURDO que até a Folha de SP está criticando.

  13. Se subir essa tese p instâncias superiores eles dirão que JB tentou esfaquear Adelio e errando acertou seu próprio abdome.

  14. O PT não tem moral nenhum para dizer que foi falsa a facada… Cada dia os bolsonaristas estão mais parecidos com os petistas já que ambos grupos idolatram bandidos!

    1. É muita canalhisse querer se fazer acreditar, que um fato presenciado por inúmeras pessoas, atendimento médico, centro cirúrgico, inúmeras pessoas responsáveis e honestas envolvidas se trate de mentira, outra, sou profissional da área de saúde, e durante os meus anos de trabalho, presenciei e tratei diversas lesões por arma branca, arma de fogo e atendimento ao politraumatizado, sem que nelas houvesse sangue visível , principalmente nas lesões onde prontamente há uma intervenção, só os seres desprovidos de inteligência, procuradores de narrativas imbecis e meliantes poderiam pensar dessa forma.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em junho

Foto: © Marcelo Camargo / Agência Brasil 

Trabalhadores informais nascidos em junho recebem hoje (26) a sétima parcela do auxílio emergencial em 2021. O benefício tem parcelas de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família.

O pagamento também será feito a inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) nascidos no mesmo mês. O dinheiro é depositado nas contas poupança digitais e poderá ser movimentado pelo aplicativo Caixa Tem. Somente de duas a três semanas após o depósito, o valor poderá ser sacado em espécie ou transferido para uma conta corrente.

Também hoje, recebem a sétima parcela do auxílio emergencial os participantes no Bolsa Família com Número de Inscrição Social (NIS) de final 7. As datas da prorrogação do benefício foram anunciadas em agosto.

Ao todo, 45,6 milhões de brasileiros estão sendo beneficiados pela rodada do auxílio emergencial deste ano. O benefício começou a ser pago em abril.

Para os beneficiários do Bolsa Família, o pagamento ocorre de forma distinta. Os inscritos podem sacar diretamente o dinheiro nos dez últimos dias úteis de cada mês, com base no dígito final do NIS.

O pagamento da sétima parcela aos inscritos no Bolsa Família começou no último dia 18 e segue até a próxima sexta-feira (29). O auxílio emergencial somente é depositado quando o valor é superior ao benefício do programa social.

Em todos os casos, o auxílio está sendo pago apenas a quem recebia o benefício em dezembro de 2020. Também é necessário cumprir outros requisitos para ter direito à atual rodada (veja guia de perguntas e respostas no último parágrafo).

O programa se encerraria em julho, mas foi prorrogado até outubro, com os mesmos valores para as parcelas. A partir de novembro, o público do Bolsa Família será migrado para o Auxílio Brasil.

Agência Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Prefeitura quer autorização para empréstimo de R$ 400 milhões

Foto: Francisco de Assis / CMN

O prefeito de Natal, Álvaro Dias, pediu autorização à Câmara Municipal para contrair empréstimo a bancos públicos e privados, no valor de R$ 400 milhões, para financiamentos de obras de saneamento e mobilidade urbana, até 30 de junho de 2024. “A curto prazo, essas demandas são impossíveis de serem atendidas apenas com recursos do Tesouro Municipal, razão pela qual o Poder Executivo busca apoio de organizações financeiras para viabilizar os investimentos programados pelo Município”, justificou o chefe do Executivo.

De acordo com a mensagem 073 que havia chegado dia 1º à Casa, a Prefeitura de Natal pretende obter empréstimo na Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e outras instituições financeiras, abrindo-se a possibilidade de analisar propostas que sejam mais vantajosas para a administração municipal.

Mas a intenção do chefe do Executivo é fechar contrato com a CEF, com a contratação de operação de crédito no âmbito do Programa FINISA (Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento). “Até o momento o FINISA tem se mostrado mais vantajoso para o Município contando com um prazo total para quitação de 120 meses, dividindo-se em prazo de carência de 24 meses e prazo de amortização de 96 meses, com taxas pré-fixadas a 100% do CDI – Certificado de Depósito Interbancário, acrescido de 5,43% ao ano”, explicou.

Segundo o prefeito Álvaro Dias, “esta solução de crédito permite a execução de diversos tipos de obras e conclusão de equipamentos na área de saúde, intervenções para melhorias nas condições de funcionamento de corredores e vias urbanas e pavimentação em diversas vias no Município de Natal.

Também são previstas intervenções na área de drenagem, visando à regularização da vazão de águas drenadas e eliminação de enchentes; implantação, recuperação e modernização de equipamentos esportivos, culturais, turísticos e de promoção ao meio ambiente; implantação, recuperação e modernização de equipamentos educacionais e de assistência social; ações que possibilitem a requalificação do patrimônio histórico do Município de Natal; bem como realizar aporte, quando necessário, para a conclusão de obras já iniciadas até o dia trinta e um de dezembro do ano de 2020.

A Comissão de Legislação, Justiça e Redação Final da Câmara Municipal já aprovou, ontem, o Projeto de Lei Complementar 10/2021, em que se solicita a autorização do Legislativo para contratar operação de crédito com instituição financeira visando financiar a execução de projetos e investimentos.

“Serão recursos que irão suplementar o orçamento do tesouro para implementar uma série de obras e investimentos que vão melhorar a infraestrutura em várias áreas do município. A Câmara tem o dever de aprovar pois trata de um crédito suplementar que trará uma série de benefícios para a cidade”, explicou o vereador Kleber Fernandes (PSDB), presidente da Comissão.

A matéria agora deve seguir à apreciação da Comissão de Finanças, Orçamento, Controle e Fiscalização, e seguir a plenário para análise e aprovação dos 29 vereadores.

Com informações de Tribuna do Norte

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/prefeitura-quer-autorizaa-a-o-para-empra-stimo-de-r-400-milha-es/523887

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Estudantes da Maple Bear Natal vão exercitar a criatividade e o trabalho em equipe em maratona de programação

Foto: Divulgação / SKA Comunicação

Vai começar mais uma maratona de programação com muita criatividade, habilidade, superação e trabalho em equipe em busca de uma solução para um problema. É o II Hackaton da Maple Bear Natal, em parceria com a Google For Education. A fase preparatória teve início nessa segunda-feira (25), com alunos do 5º ao 8º ano do ensino fundamental. A etapa final acontece entre os dias 18 e 20 de novembro.

Quinze equipes com cinco integrantes passam agora por um treinamento com os professores da Maple Bear Natal e com a equipe da Google For Education. Isso vai acontecer dentro do ambiente de uma sala de aula virtual, o Google Classroom. Nesse período, os alunos são orientados a desenvolver uma etapa do projeto a cada semana.

“Para a escola, momentos como esses são essenciais, pois atendemos as diretrizes da Base Nacional Comum Curricular, que versa sobre a necessidade do desenvolvimento de habilidades e competências. Ou seja, não apenas conceitos, mas, sim, verdadeiros objetos de conhecimento que são usados para impulsionar o processo de ensino-aprendizagem”, explicou o coordenador do ensino fundamental II da Maple Bear Natal, Olavo Vitorino.

Na maratona de 72 horas de design e programação, que a acontece a partir do dia 18 de novembro, as equipes vão receber uma temática e precisam aprofundar o conteúdo teórico e analítico. Eles vão buscar informações e fazer um protótipo de um jogo na tentativa de resolver o problema proposto. Depois, acontece a programação desse jogo e, ao final, os estudantes defendem o projeto para uma banca avaliadora, formada por professores de todo o Brasil convidados pelo Google For Education.

O objetivo é promover um ambiente onde os estudantes tenham a oportunidade de colocar em prática abordagens que promovam a resolução de problemas e a aprendizagem significativa. Assim, o ensino se torna fluído e material, ao mesmo tempo, e não apenas teórico. “O Hackathon vai além de uma maratona de programação. Na verdade, é uma oportunidade de crescer como indivíduo, levando em consideração toda a questão coletiva”, observou o coordenador.

Em 2020, a Maple Bear Natal já havia promovido o I Hackaton Educacional do Nordeste, que aconteceu em outubro. Foi o primeiro evento desse tipo realizado de forma remota na região. O Hackaton foi um sucesso de participação e teve como vencedora a equipe Martian Potassium, formada por cinco alunos do 6º ano do ensino fundamental, que conseguiu concluir a maratona de programação para construção de um jogo e convenceu os jurados.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI da Pandemia analisa relatório final nesta terça-feira; veja como será votação

Foto: Edilson Rodrigues / Agência Senado

O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia será votado nesta terça-feira (26), a partir das 10h. A sessão deverá encerrar os trabalhos de seis meses que reuniram evidências de supostos crimes cometidos por autoridades durante a pandemia da Covid-19 no Brasil, e apontam os possíveis autores.

Foram 67 reuniões, mais de 500 requerimentos e 190 quebras de sigilo apresentadas em 1.180 páginas — até agora — pelo relator Renan Calheiros (MDB-AL).

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é mencionado 80 vezes no relatório e lidera a lista dos supostos crimes com nove citações. Há ainda quatro ministros, três ex-ministros, empresários e médicos que defendem tratamentos ineficazes.

O vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), afirmou à CNN que mais dez nomes e duas empresas serão incluídos nos pedidos de indiciamento. Caso confirmado, o número de indiciados no relatório final passa para 78.

Na segunda-feira (25), o senador Eduardo Braga (MDB-AM) defendeu à CNN o indiciamento do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), no relatório final CPI para evitar uma “injustiça com o povo amazonense” por parte de uma “CPI histórica”.

Segundo Randolfe, o adendo pedido por Braga deve ser atendido, mas Lima não estará entre os indiciados.

Aprovadas pela CPI, as propostas de indiciamento contidas no relatório devem ser encaminhadas ao Ministério Público e à Câmara dos Deputados. O objetivo é que se promova a eventual responsabilização civil, criminal e política dos acusados.

Se o documento recomendar mudanças legislativas, elas passam a tramitar como projetos de lei no Congresso Nacional.

Saiba como será votação

A sessão final desta terça-feira deve ser aberta com Renan Calheiros lendo as mudanças realizadas no relatório desde a última leitura no último dia 20. Os senadores do chamado G7, grupo que comanda a CPI da Pandemia, discutiram na noite de segunda-feira 13 pontos para acrescentar ao relatório final que será votado pela comissão, entre eles novos indiciamentos.

Na sequência, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), deverá passar a palavra para os senadores governistas, que querem apresentar um relatório extra. Os senadores Marcos Rogério (DEM-RO), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Eduardo Girão (Podemos-CE) já apresentaram propostas alternativas.

Os governistas terão 15 minutos para apresentar os votos em separado, e mais cinco minutos de tolerância, segundo o cronograma da comissão.

Após a apresentação dos relatórios “paralelos”, os senadores discutirão os pontos do documento final. Como se trata da finalização do relatório, neste caso, os 81 senadores do Congresso poderão falar caso julguem necessário. Na CPI, como titulares, são apenas 11.

Por último, acontecerá a votação nominal. Os 11 membros da CPI votam abertamente. Para aprovação do relatório final basta aprovação em maioria simples. Ou seja, seis votos a favor.

Apesar do cronograma já esteja definido, o senador presidente da CPI da Pandemia, Omar Aziz, pode alterar as ordens.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

FOTOS: PF combate contrabando de cigarros e produtos falsificados no RN e afasta dois policiais civis

Fotos: Reprodução / Polícia Federal

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 26/10, em Mossoró, Região Oeste Potiguar, a segunda fase da Operação Falsos Heróis que investiga as atividades de Organização Criminosa voltada à prática de contrabando de cigarros e produtos falsificados.

Cerca de 70 policiais federais estão cumprindo 16 mandados de busca e apreensão e 5 mandados de prisão preventiva expedidos pela 8ª Vara da Justiça Federal/RN, nos municípios de Apodi/RN, Areia Branca/RN, Grossos/RN, Mossoró/RN, Parnamirim/RN, Natal/RN e  São Paulo/SP.

Também foi determinado o sequestro judicial de 21 contas bancárias, bem como a adoção de medidas cautelares diversas da prisão com relação a 11 investigados, incluindo o afastamento da função de dois policiais civis.

Conforme restou apurado no inquérito policial, a organização criminosa investigada é suspeita de promover o transporte marítimo de produtos contrabandeados, vindos especialmente do Suriname, e que são internalizados de forma clandestina em pontos da costa potiguar através dos municípios de Areia Branca, Porto do Mangue e Macau/RN, na região do Polo Costa Branca, sendo depois distribuídos para outras unidades da Federação.

Durante a deflagração da primeira fase da Falsos Heróis, ocorrida em outubro de 2020, foram reunidos elementos que permitiram identificar outros membros da Organização Criminosa. Desde então, as investigações revelaram que alguns desses indivíduos ascenderam na estrutura hierárquica da ORCRIM, e deram continuidade às suas ações delituosas

Os alvos da operação estão sendo investigados e poderão responder pelos crimes de contrabando qualificado e organização criminosa armada, cujas penas, somadas, podem ultrapassar a 23 anos de prisão.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Mãe de Zé Vaqueiro diz que não foi convidada para casamento do filho

O casamento de Zé Vaqueiro, de 22 anos, e Ingra Soares, de 31, que aconteceu na noite desta segunda-feira (25), deu o que falar e se tornou um dos principais assuntos na web. Isso porque o cantor não teria convidado a mãe, Nara de Sá Marcolino.

Nara participou da live da cerimônia e comentou que não recebeu convite. “Se soubesse, eu tinha ido”, começou Nara, que usou emojis de carinhas tristes chorando. “Que Deus abençoe, meu filho. SE TIVESSE ME CONVIDADO EU TINHA IDO”, completou Nara.

No último sábado, em seu Instagram, Nara parabenizou a nora. “Hoje é dia dela, da minha nora Ingra. Que Deus te condeda toda sorte de bênçãos e muitos anos de vida e paz ao lado do meu filho, @zevaqueiro. Obrigada por cuidar tão bem dele. Feliz aniversário”, escreveu Nara. Em fevereiro, Nara postou fotos com o filho cantor e se declarou. “Matando a saudade do meu bebê”, escreveu.

Quem!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Garibaldi: “Meu projeto político gira em torno do futuro de Walter”

Foto: Marcius Valerius
O ex-senador Garibaldi Alves Filho (MDB) conversou com exclusividade com a equipe do Portal 96 e confirmou que o destino político dele depende do futuro político do filho, o deputado federal Walter Alves (MDB).

Isso porque os arranjos políticos que levariam Garibaldi a sair de casa e ser candidato são, basicamente, aqueles que garantem mais 4 anos para Walter Alves. O deputado pode ser, por exemplo, candidato a vice-governador na chapa de Fátima Bezerra, como já foi cogitado. Ou mesmo um nome a disputar a reeleição para a Câmara dos Deputados.

“Meu projeto político gira em torno de Walter. A definição se serei ou não candidato e ao que vou me candidatar”, afirmou ele em conversa com o Portal 96. Garibaldi tem sido cogitado para disputar, novamente, o Senado Federal ou uma vaga na Assembleia Legislativa, como deputado estadual.

Portal 96FM

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Nós temos um Senado que tem pouca representatividade”, avalia Fábio Faria sobre bancada potiguar

O ministro Fábio Faria (Comunicações) reafirmou sua pré-candidatura ao Senado Federal nas próximas eleições, durante entrevista a 95FM de Caicó. Sem citar os nomes dos três atuais senadores da bancada potiguar, Fábio fez críticas à atual composição do Senado Federal.

“Sou pré-candidato ao Senado. Nós temos um Senado que tem pouca representatividade. Não tem trazido nada de relevante. Não quero falar mal de A, B ou C,m, toque esse trabalho de falar mal não leva ninguém pra frente, mas a gente precisa ter um Senado mais atuante buscando investimentos em Brasília e fora do Brasil para buscar investimentos para o nosso Estado”, disse.

Opinião dos leitores

  1. KKKKKKKKK. Será que próximo ano ele entra na última vaga para deputado federal como aconteceu em 2018? Pq para Senador não tem nem perigo entrar…

  2. NAO so o senado como a camara dos deputados, esses que ai estao sao uns ineptos, vampiros e exploradores do povo do RN e do brasil. São os piores representantes que o RN ja tece nas duas casas. uma VERGONHA.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI pede banimento de Bolsonaro de redes sociais e 10 novos indiciamentos em relatório

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) e os membros do grupo majoritário da CPI da Covid decidiram incluir no relatório final da comissão um pedido de medida cautelar ao STF (Supremo Tribunal Federal) para que o presidente Jair Bolsonaro seja banido das redes sociais.

A medida ainda precisará ser aprovada pelo colegiado durante a votação do documento, prevista para esta terça-feira (26). Além de estar presente no documento final, a comissão vai votar um requerimento em separado para enviar a medida cautelar ao ministro Alexandre de Moraes, no âmbito do inquérito das fake news.

Os membros do grupo majoritário também decidiram acrescentar a proposta de indiciamentos de 10 novas pessoas por seus crimes durante a pandemia do novo coroanvírus. Com isso, o relatório final vai propor o indiciamento de 76 pessoas e duas empresas (Precisa Medicamentos e VTCLog.

Folhapress

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Corregedor do TSE deixa relatório de investigação com cinco frentes contra Bolsonaro

Como um dos seus últimos atos como corregedor-geral do Tribunal Superior Eleitoral, Luis Felipe Salomão deixou um relatório parcial no inquérito aberto para investigar Jair Bolsonaro por ataques ao sistema eleitoral.

Ele resume tudo que foi feito durante seu tempo à frente do caso e pede manifestação do Ministério Público Eleitoral.

O ministro lista cinco frentes de apuração abertas por sua decisão: a live do presidente contra as urnas eletrônicas, a desmonetização de blogs e sites que espalham notícias falsas, os ataques ao sistema eleitoral no 7 de setembro, possível ingerência política na EBC e investigação das motociatas por suspeita de propaganda antecipada.

Painel/Folha de S. Paulo

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *