PF e PGR marcam depoimento de Witzel e da primeira-dama Helena

Foto: Domingos Peixoto / Agência O GLOBO

Representantes da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Polícia Federal (PF) tomarão nesta sexta-feira, no Rio, os depoimentos do governador Wilson Witzel (PSC) e da primeira-dama, Helena, sobre um suposto esquema de superfaturamento de compras do governo fluminense para o combate à pandemia do coronavírus. De acordo com a defesa, Helena Witzel se valerá do direito constitucional de ficar calada caso não tenha acesso prévio ao resultado da busca e apreensão feita há um mês em seus endereços.

Helena Witzel é investigada por ter recebido, como advogada, honorários por serviços prestados a empresários suspeitos de desvio de verbas da saúde durante a pandemia do coronavírus. O depoimento, na sede do Ministério Público Federal (MPF) no Rio, será conduzido por procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato, designados pela PGR, e por delegados do Serviço de Inquéritos da PF, de Brasília.

Fontes da PF informaram nesta terça-feira que Witzel arguiu as prerrogativas de governador para depor em local escolhido por ele, e não na sede do MPF.

No pedido de busca e apreensão contra o governador e a primeira-dama, a PGR alegou que, desde agosto do ano passado Helena recebia R$ 15 mil mensais a título de honorários advocatícios, em um contrato de R$ 540 mil por três anos de serviços com a empresa DPAD Serviços Diagnósticos ltda. Alessandro de Araújo Duarte, um dos sócios da empresa, é apontado como operador do empresário Mário Peixoto, acusado de comandar o esquema de desvio dos recursos fluminenses.

Na época da operação, o governador divulgou nota em que disse que “não há absolutamente nenhuma participação ou autoria minha em nenhum tipo de irregularidade nas questões que envolvem as denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal”. E disse que estranhava “o fato absolutamente claro de que deputados bolsonaristas tenham anunciado em redes sociais nos últimos dias uma operação da Polícia Federal direcionada a mim, o que demonstra limpidamente que houve vazamento, com a construção de uma narrativa que jamais se confirmará”.

Prisões da Favorito

Mario Peixoto e Alessandro Duarte foram presos em maio, na Operação Favorito, deflagrada pela força-tarefa da Lava Jato do Rio. O grupo de Peixoto, segundo as investigações, buscou usar a pandemia do novo coronavírus para expandir seus negócios. Os procuradores dizem que foram encontrados indícios que indicam a movimentação da organização criminosa em relação a contratos para a instalação de hospitais de campanha.

– Estamos requerendo todos os documentos do inquérito que ainda não estão nos autos, notadamente o resultado da busca e apreensão, sem o que a defesa se sentirá cerceada e, sendo assim, a minha cliente, e o governador também, invocarão o direito de permanecer em silêncio constitucionalmente assegurado. Ou se garante a ampla defesa ou nenhum esclarecimento ela prestará – disse o advogado José Carlos Tórtima, que a assiste.

No dia 26 de maio, por ordem do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Polícia Federal cumpriu mandados de busca e apreensão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governo do estado, na casa particular do governador e no escritório de advocacia de Helena Witzel.

O MPF informou ao STJ que um “novo compartilhamento de provas proveniente da Justiça Federal do Rio de Janeiro demonstra vínculo bastante estreito e suspeito entre a primeira dama do estado e as empresas de interesse de M.P (Mário Peixoto), em especial o contrato de prestação de serviços e honorários advocatícios entre seu escritório de advocacia e a empresa DPAD Serviços Diagnósticos Ltda, bem como comprovante de transferência de recursos entre as duas empresas.”

O Globo