Política

Resumo da CPI da pandemia nesta quinta: Pfizer fala de 3 ofertas ao Brasil em agosto e posterior período de discussão de aprovação de registro sanitário

Foto: Jefferson Rudy – 13.mai.2021/Agência Senado

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia ouve neste momento o presidente da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo. Em 2020, quando a farmacêutica entrou em contato com o governo brasileiro para oferecer sua vacina contra Covid-19, Murillo era presidente da empresa no Brasil.

A CPI também havia convocado Marta Díez, atual presidente da empresa no Brasil, mas a Pfizer pediu que Murillo fosse em seu lugar para “esclarecer os fatos relacionados às negociações com o governo federal” já que Díez assumiu o cargo apenas em fevereiro de 2021.

Antes da oitiva da Pfizer, os senadores iniciaram o trabalho da CPI por volta das 9h45 para tratarem assuntos internos da própria comissão – como questões de ordem e outros questionamentos feitos pelos senadores.

A oitiva com o presidente regional da Pfizer começou pouco antes das 10h30, com um breve relato por parte dele sobre a atuação da empresa no combate à pandemia.

Resumo da CPI da Pandemia:

• Pfizer não obteve resposta do governo Brasileiro

Murillo afirmou que a primeira oferta feita pela Pfizer era vinculante e tinha validade de 15 dias. “Passados esses 15 dias, o governo do Brasil não rejeitou e nem aceitou a conversa. Não tivemos resposta”, disse ele, ao ser questionado pelo relator da CPI sobre essa questão.

“Depois dessas ofertas, em 12 de setembro, nosso CEO enviou uma comunicação ao Brasil indicando nosso interesse em chegar a um acordo (…) dirigido ao presidente Bolsonaro e outras autoridades”, completou.

Ele detalhou que, além do presidente, receberam cópia do documento o vice-presidente, Hamilton Mourão, o então ministro-chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto, ao então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e ao embaixador do Brasil nos EUA, Nestor Forster.

“Todas as propostas que mencionei anteriormente foram formalizadas em documentos enviados ao ministério da saúde. A carta, em si, não é considerada por nós uma oferta.”

• Veja o cronograma apresentado pelo executivo da Pfizer à CPI

Maio e junho de 2020

Reuniões iniciais exploratórias para compartilhar status de desenvolvimento da vacina

Julho de 2020

16 de julho

apresentado uma “expressão de interesse” em que foram resumidas as condições de compra do imunizante

Agosto de 2020

6 de agosto

Ministério da Saúde manifestou possível interesse na vacina;

14 de agosto

Pfizer fez a primeira oferta: uma com 30 milhões de doses e outra com 70 milhões, com possível cronograma de entrega durante o final de 2020 e 2021;

18 de agosto

Pfizer volta a fazer oferta por 30 e 70 milhões de doses, com um quantitativo adicional ao Brasil para o final de 2020;

26 de agosto

Pfizer fez uma terceira oferta, também em contratos de 30 e 70 milhões de doses – com um pouco mais de quantidade para o primeiro trimestre de 2021

Novembro

11 de novembro

Atualizada a oferta de 70 milhões. Seriam 2 milhões no primeiro trimestre de 2021, 6,5 milhões no segundo trimestre, 32 milhões no terceiro trimestre e 29,5 milhões no quarto trimestre.

24 de novembro

Mesma oferta com condições diferentes, com base no registro sanitário aprovado.

Fevereiro de 2021

15 de fevereiro

Oferecidas 100 milhões de doses. Seriam 8,7 milhões no segundo trimestre, 32 milhões no terceiro trimestre e 39 milhões no quarto trimestre.

Março de 2021

8 de março

Oferta de 100 milhões, com 14 milhões no segundo trimestre e 86 milhões no terceiro trimestre de 2021. Esse foi o contrato assinado com o governo brasileiro.

Abril de 2021

23 de abril

O segundo contrato por mais 100 milhões de doses, considerando 30 milhões no terceiro trimestre de 2021 e 70 milhões no quarto trimestre de 2021. Tratativas em fase final

• Farmacêutica fez 3 ofertas de vacina ao Brasil em 2020

Murillo apresentou à CPI da Pandemia um cronograma detalhado das tratativas entre a farmacêutica norte-americana e o governo brasileiro sobre a possível compra da vacina contra Covid-19.

De acordo com o executivo, após reuniões “reuniões iniciais exploratórias” nos meses de maio e junho, nas quais foi compartilhado o status de desenvolvimento do imunizante, foi apresentado em 16 de julho uma “expressão de interesse” que foram resumidas as condições de compra do imunizante – iguais para todos os países procurados pela empresa.

“Como consequência, tivemos outras reuniões no mês de agosto, em que aprofundamos alguns detalhes. Em 6 de agosto, ministério manifestou possível interesse em nossa vacina e fornecemos em 14 de agosto nossa primeira oferta, uma oferta vinculante”, disse Murillo.

Ele explicou que a oferta, na verdade, consistia em duas partes; uma com 30 milhões de doses e outra com 70 milhões “e tinha o possível cronograma de entrega durante o final de 2020 e 2021”.

“Em 14 de agosto, voltamos a fazer a oferta por 30 e 70 milhões de doses, mas nessa tínhamos conseguido um quantitativo adicional para o Brasil para o final de 2020”, afirmou.

Murillo afirmou que dias depois, em 26 de agosto, foi feita uma terceira oferta, também em contratos de 30 e 70 milhões de doses. “Nesta terceira, tínhamos conseguido um pouco mais de quantidade para o primeiro trimestre de 2021.”

Ele destacou que, em 11 novembro, a Pfizer reduziu sua oferta ao Brasil apenas ao contrato de 70 milhões e já sem entregas em 2020. Além disso, no dia 24 daquele mês a empresa repetiu a oferta, com algumas condições diferentes “com base no registro sanitário aprovado”.

Depois, ele disse que a próxima oferta foi feita já em fevereiro de 2021, no dia 15, para um contrato de 100 milhões de doses.

“Finalmente, no dia 8 de março, nossa oferta de 100 milhões, com 14 milhões no segundo trimestre de 2021 e os 86 milhões no terceiro trimestre de 2021. Esse é o contrato assinado e que estamos trabalhando nesse momento com o governo do Brasil.”

Ele também detalhou o segundo contrato, oferecido em 23 de abril para mais 100 milhões de doses, considerando 30 milhões no terceiro trimestre de 2021 e 70 milhões no quarto trimestre de 2021. “E nesse estamos terminando as tratativas.”

• Pfizer entregará 15,5 milhões de vacinas no 1.º, diz diretor

Em suas considerações iniciais à CPI da Pandemia, o diretor-regional da Pfizer disse que a farmacêutica adiantará a entrega de parte das doses da vacina contra Covid-19 compradas pelo governo brasileiro.

“Nosso contrato prevê entrega de 13,5 milhões de doses no segundo trimestre, mais 86 milhões no terceiro trimestre. Hoje, consideramos que vamos fornecer 15,5 milhões de doses no segundo trimestre”, disse Murillo.

A fala dele vai na mesma linha do anúncio feito pelo Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em abril.

• Aprovação de requerimentos

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL) colocou em votação nove requerimentos de informação (473, 475, 476, 477, 478, 479, 480, 489, 522). Eles são direcionados à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ao Ministério das Relações Exteriores, à Agência Brasileira de Inteligência (Abin), ao Google, à Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom) e à farmacêutica EMS.

Também foram apresentados três requerimentos de oitivas: para Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde, para Nise Yamaguchi, oncologista e imunologista que chegou a ser cotada para comandar o Ministério da Saúde, e para Jurema Werneck, representante Movimento Alerta.

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) pediu que fosse incluída, extra-pauta, um requerimento de sua autoria para chama à CPI Paulo Maiorino, diretor-geral da Polícia Federal (PF), “tendo em vista requerimento as mais de 60 investigações da polícia federal contra suspeitos” envolvendo estados e municípios.

Como não houve acordo prévio com senadores opositores, foi pedido que o requerimento entre na pauta com pelo menos 48 horas de antecedência – expediente já usado por senadores governistas para postergar outros requerimentos.

Após modificação por parte da mesa diretora da CPI, também foi colocado em votação convite de autoria do senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) a três médicos para que prestem informações sobre “evidências cientificas que comprovam a eficácia do tratamento precoce contra a Covid-19”.

Todos os requerimentos foram aprovados por unanimidade.

• Comissão decidirá sobre documentos sigilosos após sessão desta quinta (13)

A sessão desta quinta-feira (13) foi aberta com uma questão de ordem do Senador Izalci Lucas (PSDB-DF) sobre o acesso aos documentos sigilosos já recebidos pela comissão.

“Acredito que a sessão hoje será mais curta. Faremos uma reunião após essa sessão, na minha sala, para determinar sigilo de documentos. Convido senadores da comissão para, logo após terminar aqui, definirmos a forma como vamos operar”, disse o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM).

“Hoje, o secretário responsável por isso, estará lá após a reunião para fazermos tudo isso.”

Conexão com depoimento de Wajngarten

O depoimento de Murillo terá ainda mais importância por acontecer na sequência da oitiva com o ex-secretário especial de Comunicação da Presidência da República Fabio Wajngarten.

Na quarta-feira (12), Wajngarten confirmou aos senadores que a Pfizer enviou uma carta a integrantes do governo brasileiro, como revelado pela CNN, incluindo o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o então ministro da Saúde Eduardo Pazuello, oferecendo doses de sua vacina.

A carta, datada de 12 de setembro de 2020, só foi respondida, segundo o ex-secretário, em 9 de novembro, quando ele soube da existência do documento.

Votação de requerimentos

Por se tratar da última sessão da CPI na semana, além do depoimento do representante da Pfizer estão previstas votações de novos requerimentos na sessão da CPI.

Entre os pedidos, estão as convocações de duas médicas conhecidas por suas defesas do chamado “tratamento precoce” da Covid-19, com medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença causada pelo novo coronavírus.

Serão votados os requerimentos de convocação de Mayra Pinheiro, secretária do Ministério da Saúde, e de Nise Hitomi Yamaguchi, oncologista e imunologista que chegou a ser cotada para comandar o Ministério da Saúde.

Outro foco dos senadores é o Ministério das Relações Exteriores, alvo de quatro requerimentos. A comissão quer ter acesso a comunicações oficiais, recebidas ou enviadas pelo Itamaraty, que falem a respeito da obtenção de cloroquina, hidroxicloroquina e vacinas contra a Covid-19.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. O Presidente da Pfizer pediu reunião com Jair Bolsonaro para negociar a compra das vacinas pelo Brasil e usar o país como caso de sucesso no mundo.

    A reunião aconteceu dia 17/11, mas Bolsonaro não foi.

    Ele preferiu ir a um evento com Amado Batista. AMADO BATISTA.

  2. Alguém pode mostrar a comprovação científica que dipirona e aspirina servem para pacientes de covid-19.
    Tratamento precoce existe para todas as doenças e muitos com remédios que foram desenvolvidos para outras enfermidades, mas que podem funcionar. O que não dá para fazer com um paciente é mandar para casa e avisar que volte quando tiver falta de ar.

    1. O seu nome diz tudo. A verdade está lá fora porque aí dentro da sua cabeça quem comanda é a mentira.

  3. Leiam, vejam e ouçam os depoimentos da CPI para não comentarem besteirol.
    O truculento Renan não consegue nada. Desmoralizado o ultrapassado Cangaceiro.
    O presidente Bolsonaro/2022 agiu certo,certíssimo. Inveja mata. O mau se destrói por si só.

    1. Faltou vc tomar o seu remédio hoje, mas é verdade, o mal por si se destrói, por isso seu presidente canalha está se acabando

  4. Perda de tempo, politicagem pura. Essa CPI dos corruptos, comandada pelo famoso Renan Calheiros, está se desmoralizando por si só. Todos sabem que essa vacina da Pfizer só pode ser comprada após lei que permitiu a aceitação de suas exigências. E foi lei de autoria do presidente do Senago, como ele mesmo já frisou. Por fim, as vacinas estão chegando e o Brasil já é o 4° país que mais vacina no mundo. Mais uma narrativa mentirosa que está ruindo.

  5. Vixe! E agora? Qual a narrativa? O MINTO mentiu novamente para variar? Desprezou vacinas e medidas sanitárias para prescrever placebos? A CPI vai “tratorar” mesmo o governo do inepto?

    1. Vc vive de comer B……., só pode, vive com indigestão, conversando o que a cabeça não processa, ou no banheiro se derretendo igual a chocolate ao Sol.

    2. Alberto, a verdade é indigesta para vc ? Vai lá no grupin de ZAP e pega outra narrativa para alimentar sua cabecinha talkei! Uma coisa sabemos: de estrume vc entende mais que eu! KKKKKKKK

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Anvisa autoriza estudo sobre dose de reforço da Pfizer contra Covid

Foto: Charles Platiau/Reuters (30.dez.2020)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou nesta sexta-feira (18) o estudo clínico para testar uma possível dose de reforço que poderia ser usada como complemento da vacina contra Covid-19 desenvolvida pelos laboratórios Pfizer/BioNTech.

Segundo o comunicado, nos testes será usado o imunizante Cominaryt, da Wyeth/Pfizer. A previsão é recrutar 443 participantes no centro clínico do Hospital Santo Antônio da Associação Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador (BA), e outros 442 participantes no Centro Paulista de Investigação Clínica e Serviços Médicos, em São Paulo (SP).

Segundo a Pfizer, aproximadamente 900 participantes brasileiros, que tenham recebido a segunda dose da vacina há pelo menos 6 meses durante participação no estudo, serão distribuídos aleatoriamente para receber uma dose adicional da vacina ou placebo.

A agência disse que o estudo quer incluir participantes com 16 ou mais anos de idade, do sexo masculino e feminino, que já tomaram as duas doses de vacina ainda na fase de testes pelo menos 6 meses antes de receber a dose de reforço.

“O objetivo primário do estudo é avaliar a segurança e a eficácia de uma dose de reforço da vacina para entender a resposta do sistema imune e a consequente proteção contra a infecção pelo SARS-CoV-2”, disse a farmacêutica, em nota.

CNN Brasil com informações de Reuters

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Ação da Eletrobras chega a saltar 10% com aprovação de privatização no Senado

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

As ações da Eletrobras dispararam nesta sexta-feira (18), após a aprovação no Senado da MP (medida provisória) que abre caminho para a privatização da estatal.

As ações ordinárias (com direito a voto) da companhia fecharam em alta de 5,98% e as preferenciais (sem direito a voto) subiram 5,94%. Na máxima, os papéis chegaram a saltar mais de 10%.

O texto deve ser novamente apreciado pela Câmara dos Deputados no começo da próxima semana.

“Se aprovado integralmente, a oferta de capitalização está prevista para acontecer no primeiro trimestre de 2022, podendo chegar a R$ 25 bilhões”, diz o Goldman Sachs em relatório. O banco recomenda compra das ações da Eletrobras.

No setor, Cesp (Companhia Energética de São Paulo) subiu 1,38% na sessão e AES Brasil teve leve queda de 0,28%. As elétricas têm sofrido desvalorizações na Bolsa de Valores nos últimos meses devido à seca. Desde o início de abril, a Cesp recua 12,9% e a AES Brasil, 15,88%.

FolhaPress

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gastronomia

Programa Papo de Fogão recebe o Chef Fred Filho, primeira pessoa com síndrome de down a empreender na gastronomia no RN, e o Chef Jailson França

O Papo de Fogão recebe o Chef Fred Filho, primeira pessoa com síndrome de down a estudar e empreender na gastronomia no RN. E ele vai preparar um risoto de camarão com molho pesto.

E na Dica Rápida o Chef Jailson França, do Guelra Cozinha do mar de João Pessoa, vai preparar um sanduíche de filé de peixe.

Confira abaixo como e onde assistir!
SÁBADO
Band Nordeste
Alagoas, 07h
Maranhão, 09h

Tv Correio/Record
Paraíba – voltaremos a veicular no início de julho

DOMINGO⠀
RIO GRANDE DO NORTE – TV Tropical – 10h

 

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Flávio Bolsonaro pede que Renan Calheiros seja destituído do cargo de relator da CPI da Covid

Foto: Marcos Oliveira e Leopoldo Silva/Agência Senado

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) pediu hoje a destituição de Renan Calheiros (MDB-AL) do cargo de relator da CPI da Covid, que investiga ações e omissões do governo federal na pandemia, fora o mau uso de verbas federais repassadas a estados e municípios.

O filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou a ausência de Renan durante o depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito hoje dos médicos Ricardo Ariel Zimerman e Francisco Eduardo Cardoso Alves, que defendem o chamado tratamento precoce, sem eficácia comprovada contra a covid-19.

“Como não sou membro nem suplente da CPI, queria solicitar para alguém que fosse que protocolasse um requerimento de destituição de Renan Calheiros da CPI. Tudo aquilo que discutimos [impedimento de Renan ao cargo] se confirmou com fatos reais. Essa postura do senador se levantar é um desrespeito não só às pessoas que estão aí, mas um desrespeito ao Senado e aos membros da CPI”, afirmou Flávio.

“Essa é a constatação, o carimbo na testa de que ele não tem a menor possibilidade de continuar na relatoria”, continuou. “É claro e evidente que ele não respeita o contraditório. Ele já tem uma opinião preconcebida, como discutíamos antes da CPI”.

Renan justificou sua saída da sessão da CPI da Covid por causa de fala do presidente Bolsonaro em live publicada ontem nas redes sociais. Bolsonaro voltou a defender a imunidade de rebanho e disse que teria imunidade natural após contrair o vírus no ano passado.

“Em função desse escárnio, me recuso a fazer hoje qualquer pergunta aos depoentes, com todo o respeito. Não dá para continuar nessa situação, a CPI tem o papel de dissuadir práticas criminosas como essa do presidente da República e ele continua a fazê-lo em desrespeito a uma instituição da república, que é a CPI”, disse o relator.

UOL

Opinião dos leitores

  1. Tá com medo, Flávio? É verdade que você virou o “dono” dos hospitais federais no Rio? É por isso que foi fácil comprar uma mansão milionária em Brasília? Malandro!!!

  2. O desespero da família das rachadinhas tá grande! Esse Flávio rachadinha chocolateiro não trabalha pra nada no Senado mas resolve aparecer na CPI da qual nem eh membro pra querer mitar … Será que a quebra de sigilo de membros do governo do inepto e outros apoiadores e empresários vai revelar alguma coisa importante?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Vacinação evita 43 mil mortes de idosos em 13 semanas no Brasil; Dados são da UFPel em parceria com Harvard e Ministério da Saúde

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Pesquisa da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) estimou que o avanço da vacinação contra a covid-19 é responsável pela prevenção de mais de 40 mil mortes de idosos em um intervalo de treze semanas no Brasil. Os dados, divulgados ontem (17), são de levantamento realizado pelo Centro de Pesquisas Epidemiológicas da UFPel, em parceria com a Universidade Harvard e o Ministério da Saúde.

Os cálculos revelaram que, se o número de mortes entre os mais idosos tivesse seguido a mesma tendência observada para os brasileiros mais jovens, seriam esperadas 70.015 mortes de pessoas de 80 anos ou mais. No entanto, foram registradas 37.401 mortes no período. Entre as pessoas de 70 a 79 anos, a expectativa de mortes era de 20.238 contra 13.838 registradas. Somando as estimativas para ambas as faixas etárias, foram evitadas as mortes de 43.082 idosos no país.

“Encontramos evidências de que, embora a disseminação da variante P.1 (gama) tenha levado ao aumento das mortes por covid-19 em todas as idades, a proporção de óbitos entre os idosos começou a cair rapidamente a partir da segunda quinzena de fevereiro de 2021. Até então, essa proporção tinha se mantido estável em torno de 25% a 30% desde o início da epidemia, mas se encontra agora abaixo de 13%”, disse o epidemiologista da UFPel e líder do estudo, Cesar Victora.

Ele acrescentou que as “análises de óbitos por outras causas mostram que o declínio proporcional entre os idosos é específico para as mortes por covid-19”. Os pesquisadores concluíram, portanto, que o avanço da campanha de vacinação contra a doença está associado às quedas progressivas na proporção de mortes de idosos pelo novo coronavírus no Brasil.

Victora avalia que a principal contribuição do levantamento é fornecer evidências sobre a efetividade do programa de vacinação no Brasil como um todo, em um cenário onde a variante gama atualmente predomina, confirmando os achados de estudos anteriores realizados em grupos populacionais mais restritos.

“Como o distanciamento social e uso de máscara estão sendo adotados de forma limitada na maior parte do país, o rápido aumento da vacinação permanece como a abordagem mais promissora para controlar a pandemia”, concluiu o pesquisador.

Detalhes do estudo

Para o levantamento, os pesquisadores analisaram as tendências de mortes por covid-19 e por outras causas não relacionadas ao novo coronavírus no período de 3 de janeiro a 27 de maio de 2021, com base em dados sobre óbitos e cobertura vacinal registrados pelo Ministério da Saúde. No período, o país registrou 238.414 mortes por covid-19 e 447.817 mortes por outras causas.

Os resultados revelaram que número de mortes por covid-19 em todas as idades aumentou a partir do final de fevereiro em decorrência da rápida disseminação da variante gama para todo o país.

Os níveis nacionais de cobertura com a primeira dose da vacina alcançaram metade dos idosos de 80 anos ou mais na primeira quinzena de fevereiro e passaram dos 80% na quinzena seguinte, com estabilidade em torno de 95% a partir de março.

Os pesquisadores observaram que, em paralelo, o percentual de mortes de idosos caiu de 28% do total de óbitos por covid-19, em janeiro, para 12%, em maio, com início de queda acentuada a partir da segunda metade de fevereiro. Enquanto a proporção de mortes nesse grupo por causas não relacionadas à covid-19 permaneceu estável em quase 30% no mesmo período.

Para a faixa etária de 70 a 79 anos, a cobertura vacinal com a primeira dose atingiu metade da população na última semana de março, alcançando 90% na primeira metade de maio. A proporção de mortes por covid-19 nesse grupo permaneceu em torno de 25% do total de mortes pela doença até a segunda semana de abril.

A partir daquele momento, essa proporção de mortes por covid-19 começou a diminuir de forma acentuada, chegando a 16% na última semana de maio. Entre esses idosos, a proporção de mortes por outras causas permaneceu estável em torno de 20%.

Ainda de acordo com o estudo da UFPel, a vacina CoronaVac representou 65,4% e a AstraZeneca/Oxford 29,8% de todas as doses administradas ao longo do mês de janeiro, enquanto as porcentagens foram de 36,5% para CoronaVac e 53,3% para AstraZeneca/Oxford no período entre meados de abril e metade de maio.

Opinião dos leitores

  1. Quantos milhares teriam sido salvos se o genocida tivesse comprado as vacinas na época em que foram oferecidas (Trump comprou em AGOSTO de 2020)???

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Caso Lázaro: polícia avista serial killer foragido e faz nova operação para tentar capturá-lo

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

A força-tarefa policial criada para capturar o fugitivo Lázaro Barbosa de Sousa, de 32 anos, realizou uma nova operação na tarde desta sexta-feira para tentar prendê-lo. Lázaro foi visto por moradores e policiais. Em seguida, a polícia tentou fazer um cerco para capturá-lo, mas ainda não há informações sobre o resultado.

Dezenas de policiais reuniram-se em um ponto afastado da área rural de Girassol, povoado que fica em Cocalzinho de Goiás. Cães farejadores e ao menos dois helicóptero foram utilizados para auxiliar nas buscas. O local fica a cerca de 10km da área que tem sido utilizada como base pelas polícias de Goiás e do Distrito Federal.

Lázaro é o principal suspeito de ter cometido uma série de crimes no DF e Goiás desde o dia 9 de junho, entre eles o assassinato de cinco pessoas.

Alan Reis, que tem um chácara na região, disse que Lázaro passou em sua casa, revirou roupa e levou um pedaço de queijo:

— Pelo jeito, ele invadiu a nossa casa. Quebrou a porta, revirou as roupas da minha esposa, que estava dentro de uma mochila. Revirou o guarda-roupa. E levou um queijo — relatou, dizendo que a polícia chegou em seguida.

Policiais que participaram do cerco confirmaram que Lázaro foi visto. Não há informações sobre troca de tiros, como ocorreu na quinta-feira, em outra tentativa da polícia de capturá-lo.

Cerca de 300 agentes das forças de segurança das policias militar, civil e federal de Goiás e do Distrito Federal continuam no encalço do serial killer. Os policiais contam com três helicópteros, cães farejadores e equipes munidas de equipamentos de visão noturna e térmica, além de drones e profissionais de inteligência.

As buscas por Lázaro, que teria assassinado uma família inteira no Distrito Federal na semana passada, estão no seu décimo dia. Um perímetro foi estabelecido em Cocalzinho de Goiás, que fica na divisa com o DF, onde as operações se concentram.

Nesta quinta-feira (17), os policiais realizaram um cerco e estiveram perto de prendê-lo. Os agentes informaram que havia um homem armado na mata, na zona rural de Cocalzinho de Goiás, e suspeitam que se trata do serial killer que está em fuga há nove dias.

O Globo

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Governo do Estado diz que recebe com tranquilidade abertura da CPI do Covid

Foto: Thyago Macedo

Em nota sobre a abertura da CPI do Covid na Assembleia Legislativa do RN, o Governo do Estado disse que recebeu a notícia com tranquilidade. Veja a íntegra abaixo:

O Governo do Rio Grande do Norte recebe com serenidade a decisão do presidente da Assembleia Legislativa do RN, Ezequiel Ferreira, de acatar com ressalvas o requerimento de instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) apresentado pela bancada de oposição.

No despacho de Ezequiel, a CPI poderá ser viabilizada “desde que se observem os limites contidos nos §§ 4º e 5º do art. 70 do regimento Interno da Casa.”

Com essa decisão, na prática, restam apenas a apuração de dois itens objeto do requerimento apresentado. O primeiro diz respeito à aquisição dos respiradores pelo Consórcio Nordeste, fato já sob análise do TCE, com manifestação favorável do Ministério Público de Contas. O parecer do MPTCE isenta o Estado de qualquer irregularidade e reconhece a probidade da atuação estatal no contexto da emergência.

O segundo ponto, que trata da edição dos decretos publicados pelo Estado com as medidas sanitárias de combate à pandemia – muito embora a oposição acuse irresponsavelmente de improvisos e ausência de dados que justifiquem a adoção de medidas restritivas – todo ato editado pelo Estado se baseou nas evidências científicas de toda a comunidade internacional, nas recomendações do Comitê de Especialistas e nas determinações da Organização Mundial de Saúde.

O Governo do RN reafirma o seu compromisso inegociável com a vida, o respeito à ciência, e o diálogo que imprimiu desde o início com os demais Poderes do Estado e a sociedade.

Opinião dos leitores

  1. Não sei que tranquilidade é essa, que fez de tudo pra barrar a abertura e boicotou assinatura.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Unimed Natal lança campanha Sócio-Torcedor com planos exclusivos

A Unimed Natal marca mais um golaço unindo novamente o seu compromisso com a saúde e o amor pelo esporte no mesmo pacote. Nesta sexta-feira (18) as diretorias da Cooperativa e dos clubes ABC e América lançam a Campanha do Sócio-Torcedor.

A novidade é que agora os sócios-torcedores do ABC e América podem adquirir o plano Unimed Natal com valores exclusivos. Serão planos com valores a partir de R$ 80,54, disponibilizados na próxima segunda-feira (21).
O contato pode ser feito através do 3220-6200 ou por meio de corretores credenciados. Os 300 primeiros ainda ganharão um kit especial.

Os clubes estão lançando, paralelamente, campanhas de incentivo para que os torcedores possam se associar aos clubes por valores bastante atrativos.

Por meio do incentivo à prática de atividades físicas, com o apoio ao esporte profissional, a Unimed Natal entende que ser Potiguar de Carteirinha e ser 100% Potiguar é estar ao lado das torcidas oferecendo o melhor cuidado médico e proporcionar mais qualidade de vida para seus clientes.

É isso o que a sua torcida merece! É essa a nossa Missão.

@unimednatal
www.unimednatal.com.br

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PRF apreende 50 kg de maconha transportada em micro-ônibus do Piauí para Natal

Foto: reprodução

A Polícia Rodoviária Federal apreendeu 50 kg de maconha que estava sendo transportada do estado do Piauí para Natal em um micro-ônibus.

A droga foi encontrada pelos agentes no assoalho do veículo. A ocorrência foi registrada na BR-304, em Macaíba, na tarde desta sexta-feira (18).

Após constatarem a presença da droga, os policiais encaminharam o caso para a Polícia Federal. O condutor do veiculo foi preso pela suspeita de tráfico interestadual de drogas.

Além da PRF, uma unidade da Polícia Penal do Rio Grande do Norte participou da ação.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

RN tem o menor crescimento do Nordeste no número de empresas atuantes na Construção Civil

Foto: Magnus Nascimento

Em 2019, o Rio Grande do Norte tinha 794 empresas atuantes na área da construção civil com pelo menos cinco pessoas ocupadas. Na comparação com 2010, quando o estado tinha 767 empresas, houve um crescimento de apenas 4%.

No Nordeste, Ceará (69%), Piauí (48%), Paraíba (38%), Bahia (30%), Pernambuco (28%), Maranhão (6%) o número proporcional de empresas cresceu mais que no RN. Sergipe (- 5%) e Alagoas (- 8%) apresentaram queda no período analisado.

Sobre o número de empresas de construção originárias do Rio Grande do Norte, em 2019 eram 723 estabelecimentos, seguindo uma sequência anual de redução que se iniciou em 2015. Trata-se de uma tendência que acompanha o cenário nacional e do Nordeste.

Com informações da Tribuna do Norte

Opinião dos leitores

  1. O RN não tem segurança jurídica.
    Ninguém quer botar grana aqui, o estado é governado por pessoas incompetentes, sem projetos.
    Não exister um.
    De quebra o MP é parceiro.
    Quem vai entrar nessa barca furada????
    Me responda.
    Eu se tivesse dinheiro, estaria fora.
    O risco é grande de um embargo.

  2. A construção civil parou no RN, uma tragédia, que esse novo plano diretor reverta finalmente esse problema.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *