Marco Feliciano pede convocação de Lula na CPI das Fake News e anexa vídeo embaraçoso do petista

FOTO: DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO CONTEÚDO

O deputado Marco Feliciano (Podemos-SP) protocolou requerimento para convocar Lula a prestar depoimento na CPI das Fake News.

Na justificativa, disse que o objetivo é “entender como foi montado o primeiro grande aparato político-partidário de produção de notícias falsas com a finalidade de destruir a reputação de adversários políticos”.

Ele anexou ao pedido vídeo no qual Lula confessa que, antes de ser presidente, em visitas ao exterior, espalhava notícias falsas sobre o Brasil para causar embaraços ao governo brasileiro.

O parlamentar também lembra que, na década de 90, o PT praticava sistematicamente a denunciação caluniosa para atingir adversários políticos.

Feliciano também pediu a convocação do delegado aposentado Romeu Tuma, ex-secretário de Segurança Pública no governo Lula e autor do livro “Assassinato de Reputações”.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Alisson Mendes disse:

    Esse fuleiro desse deputado Marcos Feliciano acha pouco os pilantras que tem nesse congresso e ainda quer levar esse outro pilantra, salafrario, ladrão, presidiário, do LULA, é isso que ele quer é ter visibilidade e pior ainda tem palco pra esse palhaço no picadeiro chamado congresso nacional, esse país não tem mais jeito, só Deus.

    • Juinho disse:

      Kkkkkkk, o feitiço virou contra o feitiçeiro, pior que foi bem feito, inclusive com receita e tudo.

Joice, Delegado Waldir e Gleisi Hoffmann são chamados pela CPI das Fake News

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Na sua estreia na CPI das Fake News , o líder do PSL na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), assistiu a mais uma derrota do governo Jair Bolsonaro no colegiado. A oposição conseguiu aprovar 66 requerimentos, entre eles convite aos deputados Delegado Waldir (PSL-GO) e Joice Hasselmann (PSL-SP) e de integrantes do governo. Junto a aliados, porém, Eduardo conseguiu impor um revés ao PT: a presidente do partido, deputada Gleisi Hoffmann (PT), acabou convocada pela comissão.

Depois do racha no PSL, Waldir e Joice começaram a atirar contra o grupo de Jair Bolsonaro. Em entrevista, Waldir prometeu “implodir” o governo. Já Joice disse que os filhos do presidente — Eduardo, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) — têm assessores que usam perfis falsos na internet . Como foram convidados, Waldir e Joice não são obrigados a comparecer.

Eduardo e Flávio acompanham a sessão da CPI nesta quarta-feira. É a primeira vez do deputado na comissão, que tem sido chamada de “terceiro turno das eleições” e de “tribunal de exceção” contra Bolsonaro pelos aliados do presidente da República.

Os aliados do presidente Bolsonaro na CPI tentaram votar 96 requerimentos em bloco. Com isso, além de apreciar seus pedidos, a oposição seria obrigada a votar, no mesmo pacote, itens pedidos por parlamentares do governo, como a convocação da ex-presidente Dilma Rousseff e outras pessoas ligadas ao PT. A tentativa, no entanto, fracassou.

— Querem usar a convocação do Carlos como moeda de troca. Mas convocá-lo ou não, é indiferente para mim. Se ele vier, vai falar muitas verdades. O que se tenta aqui é minar a ascensão da direita – disse Eduardo.

O requerimento para ouvir Carlos foi apresentado ontem pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Ele, no entanto, não está na pauta desta reunião. Deve ser votado nas próximas semanas.

Eduardo evitou polemizar sobre a aprovação dos requerimentos para ouvir Joice e Waldir:

– Eu estou evitando dar declaração sobre colegas do meu partido, porque estou em um momento de tentar colocar panos quentes na relação. Mas são dezenas de nomes aprovados. O que acontece aqui é que o pessoal do PT faz essa aprovação em globo e tentar rejeitar nossos requerimentos, eles estão dando direcionamento político a essa CPI. Então, ela não está se prestando a elucidar fatos. Ela está construindo narrativa de que presidente Bolsonaro usou artifícios ilegais para tentar ser eleito.

A CPI convocou outros nomes que podem gerar desconforto ao governo, como o do empresário Luciano Hang, apoiador de Bolsonaro; o empresário Paulo Marinho, que também participou da campanha do presidente e é suplente de Flávio Bolsonaro; o secretário de Assuntos Internacionais do governo, Filipe Martins; o secretário de Comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten; e blogueiros ligados ao governo, como Allan dos Santos. Estes todos são obrigados a comparecer quando os depoimentos forem marcados.

Derrota petista

Apesar da vitória, o PT não conseguiu evitar a convocação de Gleisi. Depois de aprovar o bloco com os requerimentos de interesse da oposição, a CPI passou a analisar cada um dos itens de parlamentares aliados a Bolsonaro separadamente. O primeiro, apresentado pela deputada Caroline de Toni (PSL-SC), foi a convocação da presidente do PT.

Apesar do discurso de que ouvi-la não faz parte do escopo da CPI, os petistas foram derrotados. Além de Eduardo e Flávio, o novo líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), participou fortemente da articulação pela aprovação, conversando com colegas de partido.

O próximo item seria a convocação de Luiz Marinho, ex-prefeito de São Bernardo do Campo (2009-2016). Depois de ser derrotado, o PT articulou o esvaziamento da sessão, que foi encerrada por falta de quorum. Entre os itens protocolados pelo PSL que ficaram para a próxima reunião, está a convocação da ex-presidente Dilma Rousseff.

O Globo

CPI das Fake News vai atacar Moro e a Lava Jato

A CPI das Fake News também vai entrar na disputa para implodir a Lava Jato. O presidente da comissão, Angelo Coronel, pretende investigar a autenticidade das mensagens de Glenn Greenwald.

Ele disse para o UOL:

“A democracia foi quebrada e Justiça, desmoralizada. Vamos corrigir uma história que se virou a página, mas vamos revirar agora no sentido contrário para se corrigir qualquer ato que seja com desvio de função.”

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rivaldo disse:

    Fica a pergunta: Até quando os homens de botões dourados, responsáveis pela lei e a ordem nesse país vão se calar diante de tantas inversões e criminalidade de quem faz justiça? Até quando vamos assistir de braços cruzados todo tipo de corrupto sendo liberado pelo STF?
    Como nunca antes na história desse país o STF abriu um processo, o STF vai investigar e o mesmo STF vai julgar. Isso é democracia?

  2. Dilma disse:

    Numa nação onde uma força tarefa organizou uma operação pra combater o maior roubo a cofres públicos, da história do país( mais de 1 trilhão de reais), prendeu parte dos ladrões, inclusive muitos deles confessaram, recuperaram até agora, uma parte considerável do roubo (30 bilhões de reais), mesmo assim, suas ações forem consideradas desvios de funções, aí sim, realmente poderemos ser tratados de trouxas mesmos. Independente do método utilizado, foi exitoso e a lava jato conseguiu alcançar os objetivos, onde defenderam o país das ações maléficas dos criminosos. A não ser que encontre uma fórmula inédita no mundo, e comprovar que os bandidos confessos, foram prejudicados pelos agentes da lei, e que o ideal fossem eles continuarem roubando dinheiro público, e a sociedade continuasse assistisse a tudo de mãos atadas. CANALHICE grande, o que tentam fazer pra proteger esses bandidos, e atingir de morte os cidadãos que,em decorrência da ações dos ladrões, tem seus direitos básicos ignorados, pois as verbas pra isso, tem sido saqueada ao longo do tempo por esses criminosos.

Moro se explicará ao Senado em estratégia para evitar CPI

A ida do ministro Sergio Moro (Justiça) à CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado nesta próxima quarta-feira (19) foi resultado de um cálculo do desgaste a que o ex-juiz da Lava Jato seria submetido no Congresso.

Moro e outros auxiliares do presidente Jair Bolsonaro (PSL) entenderam que ir espontaneamente ao Legislativo para explicar a troca de mensagens com o procurador Deltan Dallagnol era uma jogada relativamente segura, como o objetivo de frear eventual CPI com foco no ministro, tido como uma reserva ética do governo.

Nas conversas divulgadas pelo The Intercept Brasil, o então juiz da Lava Jato troca colaborações com Deltan, coordenador da força-tarefa, o que é vetado por lei. Segundo o site, as mensagens foram enviadas à reportagem por fonte anônima e se referem ao período de 2015 a 2018.

Na segunda (10), um dia após a divulgação das primeiras conversas, o senador Angelo Coronel (PSD-BA) protocolou na CCJ um requerimento para convocar o ministro. O congressista começou também a coletar assinaturas para criar uma CPI.

Nas redes sociais, parlamentares cobravam a volta da tramitação de projetos que combatem o abuso de autoridade e apontavam os reflexos que a crise teria no calendário do pacote anticrime apadrinhado por Moro.

Por volta das 10h de terça-feira (11), parlamentares e ministros, inclusive o próprio Moro, se encontraram na cerimônia de comemoração do 154º aniversário da batalha naval do Riachuelo. Durante o evento, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, foi avisado da apresentação dos requerimentos pela presidente da CCJ, senadora Simone Tebet (MDB-MS). Assim teve início o plano do governo federal para conter a crise.

Apesar da tensão, Moro preferiu manter os compromissos agendados e foi ao Senado naquele dia almoçar com parlamentares de DEM, PL (ex-PR) e PSC.

Chegou cercado por seguranças e evitou os jornalistas que o aguardavam. Entrou na sala onde era esperado e quis começar a conversa dando sua versão sobre os conteúdos vazados, mas foi interrompido por Wellington Fagundes (PL-MT), coordenador do bloco Vanguarda, que reúne os senadores das três siglas.

Como o encontro, marcado 15 dias antes, era de relacionamento, Fagundes não quis polemizar de partida. O assunto voltou somente ao fim do papo, trazido pelo governador Ronaldo Caiado (DEM-GO) e por um debate entre os senadores Juíza Selma (PSL-MT) e Marcos Rogério (DEM-RO).

Mas Moro não chegou a mencionar a carta assinada pelo líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), que seria divulgada horas depois pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Comunico a vossa excelência que fui informado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, de sua disponibilidade para prestar os esclarecimentos à CCJ do Senado Federal sobre notícias amplamente veiculadas na imprensa relacionadas à Operação Lava Jato”, dizia trecho da carta lida por Davi durante sessão do Congresso, que reúne deputados e senadores.

“Não é adequado que o ministro escolha, que o ministro decida e a gente não possa participar dessa decisão”, reagiu, em vão, o líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS).

Para os congressistas, a conta do Planalto era óbvia: ao se oferecer para ir ao Senado, livrava-se do constrangimento de ser convocado, ia para um ambiente relativamente controlado e menos hostil que a Câmara e esfriava os ânimos da criação da CPI.

Até agora, o plano deu certo. Integrantes do PT no Senado já diziam não querer CPI por dois motivos. Primeiro, não sabem o tamanho que a crise pode ganhar com a divulgação de novas conversas.

Além disso, petistas afirmam que, em vez de abrir dois flancos, é melhor priorizar a CPI para investigar fake news nas eleições de 2018, cujo requerimento de criação já está sobre a mesa de Davi.

Angelo Coronel colocou seu requerimento, ainda com número insuficiente de assinaturas, na gaveta. Diz a aliados que guardará o papel para o caso de o clima virar.

Senadores avaliam que a conta de Moro tem tudo para resultar num saldo positivo na quarta-feira. Entendem que o ministro tem gordura de apoio popular para queimar e apostam que não haverá nomes para constrangê-lo.

Reservadamente, dizem que o PT não estará tão à vontade na sessão porque qualquer manifestação mais enfática pode soar ideológica e como bandeira contrária ao combate à corrupção.

Dizem ainda que antagonistas de Moro, como Renan Calheiros (MDB-AL), também não devem ir para o confronto, sob risco de acabar fortalecendo o ministro.

Além disso, questionadores recorrentes em comissões, como Alvaro Dias (Pode-PR) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), tendem a poupar o ex-juiz da Lava Jato. No passado, eles já saíram várias vezes em defesa da operação.
Mas a tentativa de redução de danos não brecou ofensivas do Congresso em outras frentes. Moro se viu obrigado a também ir voluntariamente à CCJ da Câmara, e a CCJ do Senado deve votar na terça (18) um convite a Deltan para prestar esclarecimentos.

Na semana seguinte, está prevista a apreciação no colegiado do pacote de dez medidas anticorrupção, que inclui a legislação de combate ao abuso de autoridade.

O projeto estava parado no Senado e foi desengavetado a pedido de Davi. Às pressas, o senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG) redigiu seu relatório alterando o texto em temas que poderiam fazê-lo travar.

O relatório proíbe a criminalização da interpretação de juízes e exige presença de dolo específico, ou seja, é preciso que haja vontade de praticar o abuso de autoridade.

 

Folhapress

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Fernando disse:

    Olha.. acho que vitor silva nao trabalha. Ta todo dia aqui defendendo os investigados e presos do crime organizado e criticando quem apoia e combate esses criminosos. Estranho isso.

    • Clovis Junior disse:

      Ceará-Mundão e Cigano Lulu idem.

    • André Fortes disse:

      Fiscal de comentário é novo por aqui. Ele deve ser um dos beneficiados com os empregos gerados pela reforma trabalhista.

    • Cigano Lulu disse:

      Clóvis Junior, meu fi, faça o exame de DNA e mande a conta que o papo paga ok? A mula aqui tá furiosa com sua nova identidade social.

  2. Js disse:

    DESSES BILHÕES QUANTO LULA DEVOLVEU? SE OBRIGARAM OS LADROES DEVOLVEREM PQ NAO OBRIGARAM O LULA NAO E ESTRANHO ?

  3. Vitor disse:

    Não se combate a corrupção com mais corrupção.
    Quem destruiu a lavajato foi o juiz que não seguiu a lei.
    Todo brasileiro honesto e de bem é à favor de prender os corruptos, seja de esquerda ou de direita.
    Não é possível um juiz que só persegue os de ideologia contrária às suas.
    Quem aceita o que o juiz fez é tão corrupto quanto quem defende corrupção.
    E se o objetivo era apenas tomar o poder? Como de fato aconteceu.
    É se Lula tiver sido condenado injustamente? Como até o Papa acha.
    Só uma justiça justa e imparcial pode chegar na verdade. Doa a quem doer. O resto é fanatismo ou pura hipocrisia e falta de caráter.

    • Rômulo disse:

      Falou tudo, Vitor! Defender juiz imparcial que persegue desafetos políticos é hipocrisia e falta de caráter. Ficou evidenciado que Lula nunca teve direito a um julgamento justo! Que bom que a verdade está vindo à tona para desmascarar a quadrilha de toga!

    • Delano disse:

      Moro rastreou quase 200 bilhões de reais roubados dos cofres públicos da nação, e prendeu a maior parte da quadrilha que praticou tamanha barbaridade, já recuperou pra os cofres públicos quase 50 bilhões, e você diz o que desse herói. Não seja um crápulas, tenha senso de justiça.

    • Abílio disse:

      Vitor e Marília, não existe justiça pela ideologia política. Vocês não conseguem fazer uma linha lógica. O que Moro fez de ilegal? Só quem acha que ele fez alguma coisa fora da lei são aqueles que apoiam a corrupção e querem o poder de volta.
      Hipocrisia é saber que estão julgando as ações de um juiz baseado em ilegalidades.
      Fanatismo é ter um líder condenado com milhões de provas existentes, negá-las e achar que o julgamento teve imparcialidade.
      Corrupção é prevista na lei e não na cartilha do partido político, vocês estão trocando as coisas.
      Fanatismo, hipocrisia, imparcialidade é querer culpar a justiça para inocentar condenado.

    • Limoeiro Barros disse:

      Deixa de conversar abobrinhas Vitor, o Renomado dr ex juiz e ministro Sérgio Moro, sentenciou ladrão de todos os PARTIDOS, não foi só o bicho de dezenove dedos.
      Também ricos e bilionários, um deles é Marcelo Odebrecht. Ou seja, essa tua tese, e da defesa burra do Lulaladrão, em dizer que ouve perseguição, não se sustenta.

      Kkkkkkk
      MORO PRESIDENTE!

  4. Malíria disse:

    Vitor Sirva luladrão está PRE-SO!

  5. Madson Oliveira disse:

    Só no Brasil isso acontece, estamos provando que o país está pelo avesso.
    O ministro da justiça, ex juiz federal que combate a impunidade e a corrupção tendo que ir dá satisfação a quem foi delatado ou é investigado por cometer corrupção.
    Porque chamam o ministro e não o hacker que numa atitude ilegal, invadiu aparelhos eletrônicos e retirou conversas que foram reveladas com cortes e a devida manipulação?
    Sem dúvida vivemos tempos sombrios onde a ordem foi invertida e aqueles que praticam corrupção não querem ver o país ser colocado em ordem.

    • Malíria disse:

      Concordo. Isso só acontece porque os parlamentares são os próprios interessados na impunidade! Brasil dos valores invertidos!

  6. Ivan disse:

    O cara q enfrentou a luta contra a corrupção desnfreada no Brasil, vai ao antro de onde emana muita da safadeza que ele combateu e terá q se justificar aos bandidos que o abominam…

  7. Joaquim disse:

    O crime que Moro cometeu. Lutou contra a corrupção. Eita Brasilzinho

  8. Lino disse:

    DR. MORO O SUPER HOMEM NACIONAL.
    Qual o juiz no Brasil que não conversa com advogados, promotores, Desembargadores, etc. etc.etc ???? Me digam, pra eu tirar uma foto e por no museu nacional.
    Tem algum?
    Quem? Quem?
    heim? heim? Isso é uma conversa besta da globo lixo, da folha de São Paulo.
    Vão procurar o que fazer cambada de derrotados.
    Deixe o homem trabalhar.

  9. Ricardo disse:

    Qual foi o crime mesmo?
    Houve corrupção?
    será que está prejudicando algum cidadao honesto?
    acho mesmo que querem é desconstituir a lava jato que lascou os luladrao do Brasil e afeta o sistema de sobrevivencia dos quadrilheiros, em especial do PT e esquerdopatas

    • Vitor Silva disse:

      Ricardo, acho que você ainda não se deu conta do tamanho da bronca.

  10. Vitor Silva disse:

    Moro pode dizer o que quiser que não muda nada, pois na cabeça dos bolsominions quem precisa ser imparcial é jornalista e professor e quem deve seguir as leis são os hackers. O pior é ver gente que estudou compactuando com essas coisas. A resposta deles: E Luladrão.? … E Dilmanta? Vem meteoro!

    • M. Vinicios disse:

      Diferentemente de Moro, "Luladrão" é um enganador de esquerdistas fisiológicos, pois, não engana mais ninguém além da corja que defende ele.
      Essa conversa de "bolsominios" é a prova da incompetência dos petistas que distorcem a realidade e acabam por convencer somente os seus.
      O Moro vai afirmar a verdade, inclusive que falou com A e B!

    • Nino disse:

      Otario ..vamos começar;
      1-Tire a sua carteira de trabalho ( ela é azul)
      2-aprender a trabalhar
      3-deixa de ter ladrao preferido
      4-lugar de vagabundo ladrao é na cadeia
      5-lava-jato existe recuperou BILHÕES

Relator da CPI dos Fundos de Pensão deve pedir indiciamento de Vaccari

VaccariO relator da CPI dos Fundos de Pensão, deputado Sérgio Souza (PMDB-PR), disse nesta quarta-feira que o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto deve ser um dos nomes citados, com pedido de indiciamento, no relatório final que apresentará à comissão. Preso preventivamente na Operação Lava Jato, Vaccari foi levado pela Polícia Federal de Curitiba (PR) a Brasília (DF) nesta quarta a fim de prestar depoimento, mas preferiu não responder às perguntas feitas pelos deputados.
“Há grande possibilidade, eu diria que é muito difícil ele não ser indiciado. O Vaccari foi citado aqui na comissão, foi dito que ele ia à Funcef [fundo de pensão dos servidores da Caixa Econômica] constantemente, que ele recebia o pessoal dos fundos de pensão. No momento certo, no relatório final, vamos encaminhar que em relação a ele tem elementos que podem denotar improbidade, crime de responsabilidade, corrupção, ingerência política”, disse Souza. “O Vaccari tem resposta para todas as nossas perguntas, ele perdeu a oportunidade de esclarecer alguns fatos importantes para a CPI.”
O peemedebista pretende entregar seu relatório na segunda semana de março – a CPI deve encerrar os trabalhos no dia 19 de março. O presidente da CPI, deputado Efraim Filho (DEM-PB), também disse que defende a recomendação de indiciar Vaccari.
“O senhor Vaccari vai enfrentar mais um indiciamento, porque o tráfico de influência está provado pelas mensagens que foram captadas no celular do senhor Léo Pinheiro [diretor da OAS], no depoimento do Milton Pascowitch e no do advogado do senhor Alberto Youssef [Carlos Alberto Pereira da Costa]”, disse o parlamentar. “Ele ficou calado para não mentir à CPI.”
O pedido de indiciamento só ocorrerá, porém, se o relatório for aprovado pela maioria dos integrantes da comissão parlamentar de inquérito. Cabe então ao Ministério Público decidir se vai denunciar criminalmente ou ajuizar ação civil contra os investigados citados.
O advogado de Vaccari, Luiz Flávio Borges D’Urso, afirmou que o petista não tem nenhuma relação com negócios dos fundos de pensão e que a CPI não apresentou provas contra ele.
Ao longo da audiência desta quarta, Vaccari se manteve calado, mas mostrou desconforto ao ser vaiado e chamado de ladrão por beneficiários dos fundos de pensão Postalis e Funcef, que assistiam ao depoimento na Câmara dos Deputados. Deputados de partidos de oposição também se exaltaram ao fazer perguntas – não respondidas – ao petista. Eles também acusaram os petistas de agirem como advogados de defesa do ex-tesoureiro.
Os deputados petistas Paulo Teixeira (SP), Erika Kokay (DF) e Assis Carvalho (PI) defenderam Vaccari. Teixeira exigiu “respeito”. “Quando vi o tratamento dado a ele eu me insurgi. No silêncio dele, alguns se inflamaram e agrediram a sua honra, antecipando julgamentos. Estou numa CPI de fundos de pensão e não ouvi qualquer acusação desta natureza. Não somos um tribunal de boteco”, protestou Teixeira.
Assis Carvalho afirmou que a CPI virou um “palanque”. “Não pode ser o papel dessa CPI tentar criminalizar um partido. O PSDB não tem autoridade de apontar o dedo para ninguém”, afirmou. Erika Kokay levou a liminar em habeas corpus dada pelo Supremo, que garantiu a Vaccari o direito de se manter em silêncio e argumentou que ele não pode ser punido por exercer um direito inalienável. “Escutei várias vezes pessoas dizerem que o direito de ficar calado seria considerado como agravante, como caminho para imputar culpabilidade a depoente.”
“Acho que o senhor João Vaccari pode muito bem dispensar o seu advogado porque tem aqui a deputada Erika”, ironizou Paulo Azi (DEM-BA).

Fonte: Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Paulo Roberto disse:

    E melhor pedir a pena de Morte Mesmo

DEM e PPS querem convocar Jaques Wagner para CPI dos Fundos de Pensão

wagnerQuando os deputados voltarem ao trabalho após o recesso parlamentar, em fevereiro, os membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Fundos de Pensão deverão analisar um requerimento de convocação do chefe da Casa Civil da Presidência da República, ministro Jaques Wagner. O requerimento foi apresentado hoje (11) pelo DEM e pelo PPS.

Os dois partidos de oposição querem que o ministro dê explicações sobre a troca de mensagens entre ele e o ex-presidente da construtora OAS Leo Pinheiro, cujos conteúdos vazaram para a imprensa. As mensagens encontradas no celular de Pinheiro, preso na Operação Lava Jato, indicam que Wagner pode ter intermediado negócios entre a OAS e os fundos de pensão de empresas públicas.

“As suspeitas de que Jaques Wagner intermediou negócios entre a OAS e os fundos de pensão são tão graves que não podem passar em branco. O mínimo que o ministro da Casa Civil tem que explicar é como se deu essa intermediação e se houve tráfico de influência, ou não”, afirma o deputado Paulo Azi (DEM-BA).

O vice-líder do PPS, Raul Jungmann (PE), concorda que os fatos noticiados são “graves” e diz que a convocação do ministro “se impõe”. “Daí, a necessidade de convocar o ministro para que ele preste os devidos esclarecimentos sobre esses fatos que são extremamente graves e que o envolvem seu nome. Uma imposição que estamos cumprindo. Espero que [o requerimento] seja aprovado pelo colegiado.”

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Val Lima disse:

    Esse menino dos "zoios de gato" pelo visto vai ter uma conversa com a PF e o STF ….bem q poderia levar junto o colega de explanada Edson Antonio (para os íntimos Ediho Silva) Ministro Chefe da Comunicação Social do Brasil….

  2. Rogerio Campos disse:

    Com a denúncia do Aécio nós já sabemos como a imprensa se comportou. E agora como a mídia irá tratar a propina da era FHC?

PETROBRAS: PSDB não fez 'acordo' em CPI, diz Aécio

O presidente do PSDB e candidato derrotado ao Palácio do Planalto, senador Aécio Neves (MG), divulgou nesta quinta-feira uma nota na qual diz que o partido que preside não fez “qualquer tipo de acordo” para barrar as apurações da Comissão Parlamentar de Inquérito mista da Petrobras. Na sessão de ontem da CPI, uma articulação de parlamentares da base aliada e da oposição impediram a votação de requerimentos para chamar para depor integrantes do PT e do PSDB, como a presidente Dilma Rousseff, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o próprio Aécio.

“O PSDB não pactua com qualquer tipo de acordo que impeça o avanço das investigações da CPMI da Petrobras”, afirma a nota. “Lutamos pela instalação da CPMI. Temos de ir a fundo na apuração do chamado ‘Petrolão’ e na responsabilização de todos que cometeram eventuais crimes, independentemente da filiação partidária”, completa.

Na nota, o tucano diz que essa é a “posição inarredável do PSDB”. Ontem, no primeiro discurso no plenário do Senado após o segundo turno presidencial, Aécio condicionou a abertura do diálogo com Dilma às investigações das denúncias que envolvem a Petrobras. “Qualquer diálogo tem que estar condicionado ao aprofundamento das investigações e exemplares punições daqueles que protagonizaram o maior escândalo de corrupção do país conhecido como petrolão”, afirmou o senador mineiro, que foi efusivamente aplaudido em plenário.

O tucano disse ontem que o esquema de corrupção só veio à tona porque não foi possível abafar os delatores do esquema da Petrobras. Aécio afirmou ainda que esconder e camuflar são a tônica do atual governo. Ele mencionou que a corrupção chegou a níveis nunca antes atingidos no País.

fonte: Estadão Conteúdo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Laura disse:

    Sr, porque em todas as matérias que v.sa faz onde a figura expoente é o senador Aecio Neves, v.sa frieza sempre "o candidato derrotado "? Se fizer uma análise profunda da situação em que se encontra o Brasil , vai com certeza pensar diferente.

  2. Sérgio disse:

    Não vi essa postura do PSDB na CPI do Cachoeira, quando a operação abafa aconteceu para poupar o Governador goiano Marconi Perilo. E ficou tudo por isso mesmo. Tudo farinha do mesmo saco!

Coordenador jurídico da campanha do PSDB pede investigação de senadores petistas

O coordenador jurídico da campanha presidencial do PSDB, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), protocolou, há pouco, na Procuradoria-Geral da República, representação contra os senadores José Pimentel (PT-CE) e Delcídio Amaral (PT-MS), para que seja investigado se os parlamentares estão envolvidos nos crimes de advocacia administrativa, de falso testemunho ou de quebra de sigilo funcional.

A representação baseou-se em denúncia publicada pela revista Veja desta semana, segundo a qual investigados pela CPI da Petrobras combinaram com senadores integrantes da comissão as perguntas que seriam feitas em depoimento. Pimentel é o relator da CPI. “O que foi solicitado ao procurador-geral da República [Rodrigo Janot] é a investigação para verificar o real envolvimento dos dois senadores nos crimes”, explicou Sampaio.

Representação semelhante será protocolada amanhã (5) às 10h30, na Procuradoria do Distrito Federal (DF) para que sejam investigados os demais citados na reportagem. Entre eles, estão a atual presidenta da Petrobras, Graça Foster, o ex-presidente José Sergio Gabrielli e o ex-diretor da Área Internacional da empresa Nestor Cerveró, o servidor da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República Paulo Argenta e os servidores do Senado Carlos Hetzel e Marcos Rogério de Souza. O adiamento da entrega da representação na Procuradoria do DF deveu-se à descoberta de mais uma pessoa supostamente envolvida na denúncia da Veja.

Sampaio informou ainda que, nesta terça-feira (5), os partidos de oposição deverão representar no Conselho de Ética do Senado contra José Pimentel e Delcídio Amaral por quebra de decoro parlamentar.

As denúncias da revista foram duramente criticadas hoje no Senado. A reportagem diz que funcionários dos gabinetes dos senadores e até da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República participaram da formulação e envio das perguntas aos depoentes, que foram treinados para não entrar em contradição nas respostas.

Em discurso, o líder do DEM, José Agripino Maia (RN), defendeu a suspensão da CPI da Petrobras no Senado, mantendo-se apenas os trabalhos da comissão parlamentar mista de inquérito (CPMI), que funciona simultaneamente. Agripino disse que, embora costume respeitar os colegas, entende que Pimentel não deve continuar como relator da CPI. “Com o volume, com a enxurrada de evidências que estão postas, [Pimentel] deveria refletir se deve continuar relator desse fato. A menos que haja explicações cabais para os fatos denunciados, para a gravação que foi feita e que compromete a relatoria de Sua Excelência de forma definitiva. (…). Se isso for verdade, Sua Excelência não tem condições de continuar relator, e muito menos essa CPI tem o direito de continuar”, protestou.

Fonte: Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Josias disse:

    Impressionante como se renova no noticiário as falcatruas dessa turma, onde isso vai parar?? Torço para que pare nas urnas, seja qualquer um dos dois candidatos da oposição.. Que o Brasil e o patrimônio publico sejam devolvidos aos brasileiros e não permaneça na mão de bajuladores e saqueadores profissionais.

PETROBRAS: Medo de 'homem bomba' vai barrar CPI, aposta Planalto

Na tentativa de convencer os insatisfeitos da base de apoio governista a não aprovar uma Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras, emissários da presidente Dilma Rousseff vão usar como argumento a sobrevivência política dos próprios aliados. O motivo é que Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal preso pela Polícia Federal (PF) na semana passada durante a Operação Lava Jato, pode causar estragos se for convocado a depor no Congresso.

Suspeito de participação em esquema de lavagem de dinheiro num caso que, judicialmente, não tem relação com o centro da atual crise da Petrobras — a compra de uma refinaria em Pasadena, nos EUA —, Costa foi indicado para a Diretoria de Abastecimento da estatal pelo PP, mas acabou “adotado” pelo PMDB e também pelo PT.

Em 2006, quando a compra da polêmica refinaria foi referendada pelo Conselho de Administração da Petrobras, à época presidido por Dilma, então chefe da Casa Civil do governo Lula, Costa estava a pleno vapor no cargo. Ele foi um dos diretores mais atuantes na tentativa de consolidar o negócio.

Em conversas reservadas, deputados e senadores do PT afirmam que o maior problema, agora, não é a investigação do contrato de Pasadena, mas, sim, a possível descoberta das ramificações políticas das ações de Costa na Petrobras.

No Planalto, auxiliares de Dilma dizem ter certeza de que a CPI não passará porque ninguém da base aliada quer puxar esse fio da meada, nem mesmo o “blocão”, grupo que reúne partidos dispostos a criar dificuldades ao governo no Congresso. Segundo um interlocutor da presidente, “os dois PMDBs, o da Câmara e o do Senado, têm interesse na Petrobras”.

Há dúvidas até mesmo quanto ao comportamento da oposição, embora o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso esteja agora defendendo a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). Dirigentes do PT afirmam que, se a CPI for criada, aliados do governo vão lembrar o afundamento da maior plataforma petrolífera do mundo, a P-36, ocorrida em março de 2001, no governo FHC, na Bacia de Campos. Dizem, ainda, que todos podem perder, mesmo quem aposta nos dividendos eleitorais.

Pré-candidato do PSDB ao Planalto, o senador mineiro Aécio Neves articula a criação de uma comissão mista, unindo Câmara e Senado. Ele terá reunião hoje com aliados para discutir a apresentação do pedido oficial de investigação parlamentar.

Entre seus colegas de oposição, porém, o ceticismo já está instalado. “O contexto não é mais o mesmo de uma semana atrás, quando os partidos da base estavam dispostos a apoiar uma investigação mais aprofundada. Agora eu fico cético com a prisão do Paulo Roberto. Quero ver qual será o apetite desses partidos, se haverá a mesma boa vontade de antes da base para colaborar”, disse ontem o deputado federal Rodrigo Maia (RJ), ex-presidente do DEM.

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) ironizou: “Jabuti, sozinho, não sobe em árvore. Quem colocou os jabutis Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró na cúpula da Petrobras tem muita força no Congresso e tudo fará para impedir investigações parlamentares, sobretudo a CPI sobre a negociata de Pasadena”.

Nestor Cerveró, citado pelo tucano, era diretor da área internacional da Petrobras quando o contrato foi assinado. Ele foi o autor do “resumo técnico” no qual o Conselho de Administração da estatal se baseou para aprovar a compra. Dilma diz que só apoiou a compra porque esse “resumo técnico” não trazia cláusulas importantes do contrato que viriam a encarecer a compra.

O rebelado líder da bancada do PMDB na Câmara, Eduardo Cunha, contemporizou ontem ao tratar do assunto. Afirmou que ainda não tem o “termômetro” de seus correligionários. “Só vou sentir a disposição da minha bancada na terça.”

Requerimentos

Enquanto a CPI ainda é uma incógnita, os opositores tentarão convidar Cerveró para depor. A aposta dos partidos é que a demissão dele na semana passada do cargo que ocupava na BR Distribuidora pode motivá-lo a comparecer e complicar a situação de Dilma. Os requerimentos serão apresentados hoje nas Comissões de Fiscalização e Controle, Segurança Pública, Minas e Energia, Relações Exteriores e Defesa do Consumidor.

A principal aposta é que Cunha e seu “blocão” referendem pelo menos o convite na Comissão de Fiscalização e Controle, que é comandada pelos peemedebistas. O DEM ainda protocolará pedidos de convocação dos ministros Guido Mantega (Fazenda) e Luís Inácio Adams (Advocacia-Geral da União) para falar sobre o caso.

A crise na Petrobras foi deflagrada na quarta-feira (19), após o jornal O Estado de S. Paulo revelar que Dilma apoiou a compra da refinaria de Pasadena. Em resposta ao jornal, a presidente disse que só fez isso porque seu “resumo técnico” era falho e “incompleto”.

R7

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. marcelo disse:

    Sinceramente eu fico estarrecido com a quantidade de corrupção existente no governo do PT. Quanta decepção de todos nós que acreditamos que esse partido seria o diferente na história do Brasil. Será que a população menos favorecida irá continuar apoiando esse descalabro em troca de esmolinhas em forma de bolsa isso, bolsa aquilo. Gente eles tiveram a oportunidade de mudar essa realidade corrupta que assola o Brasil desde 1.500 e continuaram agindo da mesma maneira. Até quando iremos suportar isso?

  2. alexandre medeiros disse:

    Todos os partidos políticos brasileiros, juntamente com os seus vereadores,deputados e senadores deveriam picaretas, deveriam ser expurgados de nosso país.

  3. Marcos Aurélio disse:

    Isso me lembra o episódio do afundamento da maior plataforma petrolífera do mundo, a P-36, ocorrida em março de 2001, no governo FHC, na Bacia de Campos.
    Não me lembro se houve CPI e se as explicações convenceram a Imprensa, o Ministério Público, a Polícia Federal e a opinião pública…

"Não acho que CPI da Petrobrás seja para partidarizar", afirma FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu a instalação de uma CPI para investigar contratos da Petrobrás nesta segunda-feira, 24. “Pensei que fosse mais simples e é mais complexo. Não acho que qualquer CPI seja para partidarizar”, afirmou em entrevista depois de proferir aula inaugural de sociologia na PUC-Rio. Questionado se a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, pela Petrobrás, põe em xeque a imagem da presidente Dilma Rousseff como gestora, ele respondeu que “o PAC já basta para arranhar a imagem da presidente como gestora”.

Na semana passada, dois dias após o Estado revelar que Dilma deu aval à compra da polêmica refinaria, o ex-presidente disse que não era um momento propício para abertura da CPI e que o caso já estava sendo investigado por outras autoridades. “Acho que o momento eleitoral não é o mais propício. Não sou favorável a partidarizar”, disse o ex-presidente na época. Mas nesse domingo, 23, ele divulgou nota afirmando ser favorável à apuração do episódio pelo Congresso e disse ainda que o presidente do PSDB, senador Aécio Neves, deve conduzir o tema em nome do partido.

Além de FHC, o atual e o ex-governador de São Paulo, respectivamente Geraldo Alckmin e José Serra, também se manifestaram contra a instalação da comissão na semana passada. A mudança de posicionamento de FHC ocorre após o pré-candidato à Presidência pelo PSDB, Aécio Neves, entrar em contato com os líderes do partido. Aécio é um dos principais articuladores da CPI no Congresso.

Energia. Fernando Henrique também aproveitou para atacar os problemas no setor energético do País e disse que, diante dos baixos níveis de água nos reservatórios e da possibilidade de falta de energia, o governo faça um apelo à população para que economize eletricidade. “Quando foi feito o racionamento, no meu governo, a população atendeu. O que custa pedir que todo mundo economize agora?”. . O ex-presidente lembrou ainda o racionamento ocorrido durante seu governo: “Levei muito pau por causa do apagão, mas naquele tempo não tinha rede interligada nem termelétrica”, justificou.

Estadão

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Ninguém disse:

    Bruno, informar que um fake se passando por mim realizou uma manifestação no seu blog. Peço-lhe por favor que registre seu email e IP da máquina usada para fins de identificar a falsidade ideológica em curso.
    No mais, é importante a todos os responsáveis sobre qualquer ato administrativo na esfera pública, fornecer explicações e dar satisfações sobre suas decisões.
    Assim, os Petistas devem explicar seus atos tanto quanto os Tucanos.
    Os Petistas devem explicar os negócios da Petrobrás em sua gestão e os Tucanos devem explicar o negócio dos Trens da Siemens em São Paulo.
    Todos devem explicações a sociedade e cobrar apenas de uns e de outros não denota que apenas reproduzimos a máxima da qual "MEUS AMIGOS NÃO TEM DEFEITOS, E MEUS INIMIGOS SE NÃO TIVEREM EU OS BOTO."
    A verdade é que "pimenta nos olhos dos outros é refresco". No melhor estilo de "FAÇA O QUE DIGO, MAS NÃO FAÇA O QUE FAÇO."

  2. Pablo disse:

    Espera aí, não era só os oportunistas que BARRAVAM CPI?
    O PT quando não estava no poder e se falava em CPI era um pega pra capar, o PT e seus representantes iam a todos os meios de comunicação meter a boca falando de todos que não assinavam a abertura da CPI e agora quer BARRAR? Cadê a coerência?
    O PT BARRANDO CPI? QUEM NÃO DEVE NÃO TEME?
    Como as coisas mudam!!!! Fácil falar e criticar os outros…
    TEM QUE TER A CPI DA PETROBRÁS SIM, por que não????

  3. Júlio Dalcin disse:

    Não tem autoridade moral pra falar dos PAC, não fez nada.

Senado terá CPI para investigar setor de transporte público

Senadores vão instalar em 2014 uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) para apurar os vícios em processos licitatórios que inibem a concorrência no setor de transporte público, além de falhas na condução dos contratos e falta de publicidade das planilhas de custo que permitiriam uma avaliação correta da relação entre as despesas e as tarifas de ônibus.

A criação da comissão só será possível porque duas assinaturas fundamentais – para atingir o mínimo de 28 exigidas, foram apresentas na Secretaria-Geral da Mesa, cinco minutos antes do prazo final, que terminou às 23h59 dessa quinta-feira (12). O requerimento de criação da CPI, proposto pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), chegou a ter 40 assinaturas, mas 14 foram retiradas.

A partir de agora os líderes deverão fazer as indicações dos integrantes da CPI que será instalada, em 2014, depois do recesso parlamentar.

“Pretendo com essa CPI, antes de tudo, fazer valer o direito do cidadão usuário de ônibus urbanos a receber do Parlamento o efetivo serviço de fiscalização dos processos de contratação, condução, definição de tarifas e concessão de subsídios “, disse Requião ao justificar a proposta.

Agência Brasil

Nelter sugere CPI para investigar atraso no pagamento dos servidores estaduais

z-1Foto: João Gilberto

Exatamente quando tramita na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa, o pedido de impeachment da governadora Rosalba Ciarlini (DEM), eis que o deputado oposicionista Nelter Queiroz (PMDB) sugere uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para investigar o atraso no pagamento dos servidores estaduais pelo Governo do Estado.

Em seu discurso, Nelter disse ter graves informações de esquema de corrupção no Governo de Rosalba Ciarlini, que está apurando para em breve tornar público.

O parlamentar adiantou em seu discurso, que o secretário Estadual de Recursos Hídricos, Leonardo Rêgo, filho do deputado Getúlio Rêgo, poderá entregar o cargo a qualquer momento, por falta de autonomia para gerir a pasta. Em plenário, Rêgo deu o silêncio como resposta.

Barragem de Oiticica

Ainda em seu pronunciamento, Nelter fez críticas à governadora pelo fato de ter ido visitar a Barragem de Oiticica, que está sendo construída no município de Jucurutu, sem ter convidado o atual prefeito George Queiroz, nem o ex-prefeito Júnior Queiroz, nem muito menos ele próprio, que é filho da terra. “Rosalba faltou com respeito ao prefeito e a mim, e foi ingrata com o ex-prefeito Júnior Queiroz, seu amigo e aliado de primeira hora. O povo de Jucurutu merece respeito”, disse.

O parlamentar ainda rebateu a informação publicada no twitter da Chefe do Executivo Estadual, dando conta de que o município de Jucurutu já teria recebido R$ 750 mil em ISS, e na verdade foi repassado aproximadamente R$ 229 mil reais. “A governadora não tem noção dos números de sua administração. Ela está dizendo uma coisa que não é verdadeira”, criticou.

Insegurança Pública em Caicó

Para finalizar seu pronunciamento, o peemedebista pediu ao Governo do Estado mais Segurança Pública na cidade de Caicó, principal cidade do Seridó Ocidental. “Recentemente, em Caicó, pessoas da sociedade foram assaltadas, humilhadas e agredidas por bandidos. Cito os nomes de Mariquinha Torres (irmã do saudoso Manoel Torres de Araújo), de Zé do Ouro (Economista e Empresário) e recentemente de Eva do Cartório (sogra do ex-deputado Álvaro Dias). E até agora a polícia não conseguiu desvendar o mistério”, denunciou.

Queiroz também citou o caso de ontem (11), onde a empresária Eliene Dantas, da Maré Mansa e Casa Bela, também teve sua residência invadida por bandidos.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Gerson Ribeiro disse:

    O excelentíssimo deputado também deveria mencionar os milhares de cidadãos potiguares que passam por essa situação diariamente e não somente "pessoas da sociedade".

Popó quer criar CPI para Telexfree e Bbom, acusadas de pirâmide financeira

 brasilia-df-brasil-31-01-2011-13h00-deputado-acelino-freitas-o-popo-que-veio-participar-da-reuniao-sobre-como-funciona-o-congresso-nacional-foto-marcelo-camargofolhapress-poder-1337810045645_615x300O deputado e ex-pugilista Acelino Freitas (PRB-BA), o Popó, quer criar uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) sobre Marketing Multinível para investigar a atuação de empresas como Telexfree e Bbom, acusadas de praticarem pirâmide financeira.

A criação na semana passada de uma frente parlamentar sobre o tema pretende regulamentar a atuação de empresas que se classificam como de marketing multinível.

Nesse tipo de negócio, as empresas distribuem produtos e serviços por meio da indicação de colaboradores independentes, que recebem um bônus por isso. Já na pirâmide financeira, a empresa só ganha com a adesão de novos colaboradores.

“Quero abrir a CPI e investigar a fundo toda essa história. Teve gente que vendeu casa e tirou todo o dinheiro que tinha guardado para investir nesse tipo de negócio. Nosso maior objetivo é regulamentar e que as pessoas façam de uma maneira ordenada. As empresas também querem isso”, disse o deputado.

O ex-pugilista afirma ainda que acredita que as pessoas que estão com dinheiro bloqueado devido as investigações de pirâmide financeira poderão ter o investimento de volta. “O objetivo é devolver aos investidores tudo aquilo que eles investiram”, afirmou.

Para a criação da CPI, Popó precisa da assinatura de 171 deputados. Ele afirmou que irá começar a “correr atrás” nesta terça-feira (07), em Brasília.

“A promessa de dinheiro fácil e rápido convenceu muita gente a entrar nesse negócio. Queremos saber de onde vieram os carros importados e mansões dos cabeças dessas empresas”, declarou.

 Telexfree e Bbom são investigadas por formação de pirâmide

A Telexfree (Ympactus Comercial Ltda.) foi proibida de realizar novos cadastros de clientes (chamados de “divulgadores”), bem como está impedida de efetuar pagamentos aos clientes já cadastrados, até o julgamento final do caso, sob pena de multa diária de R$ 500 mil.

A ação contra a Telexfree faz parte de uma força-tarefa conduzida pelos Ministérios Públicos federal e estaduais e que investiga indícios de pirâmides financeiras pelo país. Outro caso sendo investigado no momento é o da empresa BBom, que fornece rastreadores de veículos.

A prática de pirâmide financeira é proibida no Brasil e configura crime contra a economia popular (Lei 1.521/51). Com promessas de retorno expressivo em pouco tempo, os esquemas de pirâmide financeira são considerados ilegais porque só são vantajosos enquanto atraem novos investidores. Assim que os aplicadores param de entrar, o esquema não tem como cobrir os retornos prometidos e entra em colapso. Nesse tipo de golpe, são comuns as promessas de retorno expressivo em pouco tempo.

UOL notícias

PT vê menção a Serra como combustível para CPI

299187-970x600-1O PT avalia como combustível para a instalação imediata de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) na Câmara o fato de o ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) ter sugerido um acordo à multinacional alemã Siemens para evitar o travamento de uma licitação para a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), como revelou a Folha.

“Está demonstrada a participação de agentes públicos. Isso mostra a urgência de instalação de uma CPI”, disse o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP), designado pela liderança petista na Câmara como articulador da coleta das 171 assinaturas necessárias para a criação da comissão de inquérito. Ele afirma que a coleta começará hoje, mas que o grosso das assinaturas deverá vir na próxima terça-feira, quando a Câmara estará mais cheia.

A mensagem relata uma conversa que um diretor da Siemens, Nelson Branco Marchetti, diz ter mantido com Serra e seu secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, durante congresso do setor ferroviário em Amsterdã, na Holanda.

Teixeira afirma ver indícios de crime por parte de José Serra, embora o conteúdo do e-mail não indique que o tucano sabia da existência de um cartel.

“Na minha avaliação, está caracterizada fraude a licitação”, afirma o deputado, em relação ao fato de o tucano ter sugerido que a Siemens poderia ser subcontratada pela concorrente CAF, que já havia apresentado preço mais baixo para o fornecimento de 40 trens para a CPTM.

O petista diz que o esforço central do partido, rival histórico de Serra, será conseguir as assinaturas para a CPI. Ele descarta, nesse primeiro momento, tentar a convocação de Serra ou de executivos da Siemens em comissões específicas da Casa.

Na Assembleia Legislativa de São Paulo, onde o governo tucano tem ampla maioria, o líder do PT na assembleia, deputado Luiz Claudio Marcolino, afirmou que a citação do ex-governador José Serra (PSDB) mostra a necessidade da instalação de uma CPI.

“Com o envolvimento no nome do Serra, a suspeita sai da esfera apenas de funcionários da administração pública e vai para a esfera política, o que deve ser alvo de uma investigação dos deputados”, afirmou.

O deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), contudo, entende que, caso haja uma conexão temática com alguma das comissões permanentes da Câmara, é necessário, sim, que o partido defenda a convocação de Serra e de executivos da Siemens.

“Se tiver acho que é necessário, até porque envolve uma questão mais grave do que o simples fato de haver um esquema de cartel, que é a existência de empresas estrangeiras promovendo a corrupção dentro do Brasil”, disse.

Ao lado de Candido Vaccarezza (PT-SP), Berzoini defendeu que Serra tenha todo o direito de defesa garantido, e afirmou tratar o caso com cautela.

“Sempre sou cauteloso com qualquer notícia desse tipo, porque é preciso sempre preservar o direito de defesa. Mas os elementos são muito contundentes, eu acho que existe uma necessidade de haver uma apuração rigorosa para saber exatamente o que aconteceu”, disse Berzoini.

Para Vaccarezza, é preciso garantir “amplo direito de defesa e apurar os fatos com rigor, sem nenhuma condenação a priori”.

Folha

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Zé Ninguém disse:

    Kasinsk, essa é a postura perfeita do perfeito "ANALFABETO POLÍTICO", como dizia Bertold Brech. Da sua omissão surgem a prostituição, a criminalidade, a corrupção, a violência, os desvios, etc, enquanto alimentam os maus políticos. Pessoas como vc são orgânicas, servindo apenas para propósitos passionais fanáticos.

  2. Zé Ninguém disse:

    Agora vc se entregou Kasink, "todo analfabeto político afirma que não gosta de política". Essa omissão é justamente a energia que os oportunistas precisam para prosperar. De pessoas como vc é que se alimentam os maus políticos. Pessoas que afirmam "detestar política", são, segundo Bertold Brech, o exército de ANALFABETOS POLÍTICOS, massa de manobra dócil para ser tranquilamente manipulada de um lado para outro como lhes aprouver. Mudar o seu discurso e dizer que não disse o que vc disse, não vai livrar a tua cara de pau. Toda Generalização é um erro do ponto de vista científico. O fato é que devemos nos desnudar de nossas falsas máscaras e nos vestir de um manto onde nossa bandeira deve ser a Justiça, a Isonomia, a paz e a probidade de todos em prol de uma nação limpa, ética e moralmente inatacável.
    Se manca Paulo Kasinsk. Pega a tua viola e bota no saco, faz um curso de conscientização e se politiza aprendendo que as grandes mudanças na história não acontecem aos saltos, e sim em processos que pode começar de maneira simples e em qualquer lugar ou momento. PT, PDB, DEM, PMDB, PTB, PDT, PV E DEMAIS Partidos, são feitos de homens "espertos"que se aproveitam dos espaços que os homens honestos e despolitizados feito vc, deixam abertos. Assim, acorda, vamos estudar e participar do processo requerendo justiça sem discriminações de qualquer natureza. Chega de parcialidades e passionalidades em favos dos tubarões, condenando apenas os inimigos e os peixes pequenos. é muito fácil ser forte encima dos fracos,não? Difícil é ser justo com os grande e verdadeiros corrupto em nossa linda e hipócrita sociedade.

  3. paulo kasinsk disse:

    Bacana o seu comentário, Pedro Paulo. Mas, acredite: nem de política eu gosto. Imagine… O que eu disse no primeiro comentário, e daí esse entendimento que eu estaria defendendo o PSDB, é que nas próprias palavras do deputado PTista, está lá:"Indícios… Não indique…" . Não digo nem afirmei que Serra tem ou não culpa na história, apenas achei a acusação, digamos, rala para o tamanho da dimensão que deram. E que o PT já fez melhor. Só isso. Ainda me resta um pouco de juízo para não ter que estar defendendo político ou partido. Sem essa. E mais: não brigo com os fatos. Abs.

  4. Franco Vítor disse:

    O maior escândalo deste país é que 45 inquéritos referentes às denúncias contra o PSDB paulista foram arquivados pelo Ministério Público de São Paulo, que teve que trazê-los à luz por pressão internacional, já que as multinacionais europeias corromperam políticos de outros países, além dos que corromperam no Brasil, e as notícias só estavam sepultadas aqui, no único dos países relacionados com o caso da Alstom em que ninguém foi punido. E a imprensa surda, muda, calada…

    Não é de estranhar, portanto, que, a blindagem descarada de corruptos amigos da Globo e de outros veículos da mídia tenha despertado revolta crescente na sociedade, que passou a ser contrária à grande imprensa em geral e que tem, até mesmo, levado à violência, com ataque a unidades móveis de várias emissoras e expulsão de repórteres da Globo dos protestos, além de depredação de prédios da Vênus Platinada.

  5. Pedro Paulo disse:

    Esse Paulo Kasinsk… Paulo, não é que haja defensores incondicionais do PT nos comentários abaixo. Vejo-os mais como alguém que procura a realidade do fatos. Ninguém precisa divulgar ou defender a versão do PSDB sobre os escândalos políticos que envolve esse partido, porque isso a imprensa já faz com "categoria". Agora, por amor a verdade, é necessário que haja um contraponto, porque, se não, se instaura a ditadura do pensamento único. Aí sempre o PT será o grande vilão do Brasil, e o PSDB e outros partidos uns coitadinhos que sofrem com a denúncias infundadas dos petistas e são todos agremiações de frades franciscanos e irmãs carmelitas…

    Demonstre bom senso e reconheça a denúncia da Siemens e da Alstom, que nem certamente o fez no caso do "mensalão", quando o deputado Roberto Jefferson colocou a boca no mundo!…

  6. paulo kasinsk disse:

    Ora, meu ilustríssimo Zé Ninguém. Não adianta vociferar. E agradeço, porque na sua acusação está a minha resposta: ao me acusar de defender o PSDB, essa mesma acusação, inversamente vai para você, que defende o PT. Sacou? Isso eu desmonto fácil. É minha praia. Agora veja, nunca é demais lembrar: não sou eu que está no encalço de alguns PTistas, é a Justiça, Zé Ninguém. No mais, obrigado pela atenção. Vou ver o meu Vasco jogar. Esse Juninho é um cracaço, né não, Zé Ninguém? Só falta você me dizer que além de PTista é Flamenguista. Mas pode continuar a escrever. Terá resposta. No mais, me perdoe esse estilo de escrever, digamos, elegante. É congênito.

  7. Zé Ninguém disse:

    paulo kasinsk, mostra a tua cara. Quero ver quem paga para vc defender o que defende diariamente. Suas pocisões já estão manjadas: Age como Ministério Público acusando pesada, continua e sistematicamente tudo o que for dito sobre o PT, enquanto age como advogado de defesa de tudo que é desfavorável ao PSDB. Tão óbvia é a sua postura que nos faz rir de suas manifestações. Os fatos atribuídos ao PT são presumidamente verdadeiros a priori, e os imputados ao PSDB são apenas invenções, falsos indícios e montagens. Acorda homi. Enquanto tivermos essa visão passional e virulentamente fanática, não iremos a lugar nenhum. Temos que tratar a todos por igual, Petistas, Tucanos, Militares, civis, religiosos, ateus, etc… HIPOCRISIA TEM LIMITE!

  8. paulo kasinsk disse:

    Meu caro Ricardo Couto. Agradeço por ter lido alguns comentários meus e pela lembrança. Seu comentário merece o meu perdão, porque está claro que você não leu, aqui mesmo no BG, quando afirmei que não tinha Partido, que o meu Partido é o Partido da minha bela cidade de Natal. Dito isto, fica esclarecido. Também não se avexe, não, como diz a canção. Não livro a cara de ninguém, apenas procuro ser minimante coerente no que estou criticando. Não sou da turma do "KKKKKKKKK", tipo de expressão-comentário muito profundo para mim, e que portanto não sei usá-lo. E usei, num contexto onde a crítica era a esse pensamento mais que profundo, o "KKKKKKKKKKKKK". Me esforço, muito, meu ilustre leitor, por fazer dos comentários pelo menos algo de interessante, em respeito a você e a outros leitores. Se não consigo, paciência. Também quero lembrar-lhe que sou humano, portanto, com todas as mazelas, erros e contradições dessa condição. E quero dizer da importância e do respeito que dou ao Blog do BG, por abrir essa janela para que possamos nos expressar. Por mais contundentes que sejam minhas críticas, me imponho certos limites. Não misturo o pessoal com o profissional, e tenho plena consciência do que é a lei. É isso. Nos vemos por aqui.

  9. Maurício Giovani disse:

    Caro Ricardo! A caixa preta não é o governo de São Paulo. A caixa preta é a Petrobras, os Fundos de Pensão e das ONGS espalhadas por aí que recebem dinheiro público para não sei o que, mas que na verdade, financiam as campanhas do PT. A roubalheira aí, faz o governo de São Paulo ser ladrão de laranja cravo na feira. Daí se pergunta: A troco de que a OAB está utilizando indevidamente o dinheiro da contribuição anual dos advogados para encomendar pesquisa IBOPE para saber se o povo quer reforma política? Isso não é assunto da OAB. Está mais do que claro que o PT e seus comparsas farão de tudo e utilizarão todos os meios possíveis, sejam eles lícitos ou ilícitos para permanecer no Poder, inclusive, se utilizando da OAB. Já é hora da OAB se explicar porque dentro de seus quadros, há membros da esquerda que estão atuando partidariamente e indiscriminadamente para encobrir a roubalheira do PT. Você duvida? Eu não.

  10. Rafael Vale disse:

    Gostaria muito que a teoria sobre "o domínio do fato" que foi aplicado por Joaquim Barbosa para condenar o José Dirceu fosse utilizada da mesma forma nesse escândalo do propinoduto do metrô de SP, para vermos outros políticos como Serra e Alckmin pagarem por seus atos.
    Mas infelizmente da mesma forma que a imprensa trata de forma diferente determinados escândalos a justiça também se comporta assim.

    • sandoval disse:

      E AINDA EXISTE UMA SÓ CRIATURA NA FACE DA TERRA QUE TENHA DÚVIDA DA SAFADEZA DO TRIO DE LADRÕES DO PSDB DE SÃO PAULO? NEM OS FAMILIARES DESSES LARÁPIOS ACREDITAM NELES.

  11. paulo kasinsk disse:

    Factoide do factoide. Releia esse trechinho aqui; as maiúsculas são por minha conta: "Teixeira afirma ver INDÍCIOS de crime por parte de José Serra, embora o conteúdo do e-mail NÃO INDIQUE que o tucano sabia da existência de um cartel". Pode?, esse chafurdo todo? O PT está cada vez mais hilário, já foi melhor na modalidade "atirar pedra". Normal, as mãos andam ocupadas demais com outras coisas.

    • Ricardo Couto disse:

      Kkkkkkkkkkk

      Acompanho esse blog e costumo ler alguns comentários , sempre vejo esse Paulo Kasinsk fazer comentários políticos, cobrando rigor nas punições, investigações…
      Mas me parece que a indignidade dele é seletiva, apresenta uma postura para denuncias contra o PT e outra contra os políticos do PSDB.
      Caro Paulo, a caixa preta que é o governo de SP deixa qualquer político do Brasil parecendo ladrão de galinha, para se ter uma ideía da blindagem que possui o PSDB em SP foi preciso uma investigação na França contra a Alstom para se descobrir o esquema de propina e superfaturamento das obras do metrô.
      Sr. Paulo será que a Siemens, empresa alemã, que está sendo investigada na França admitiria que pagou propina a pessoas ligadas ao PSDB de SP apenas para criar um factoide para o PT usar contra o PSDB?
      Acorda!
      Essa indignidade seletiva não ajuda em nada a melhorarmos o país.

Cavendish impetra ‘habeas corpus’ para não comparecer à CPI

 O dono e ex-presidente do Conselho de Administração da Delta Construções, Fernando Cavendish, impetrou habeas corpus com pedido de liminar para não comparecer à CPI do Cachoeira no dia 29 de agosto. No pedido, os advogados alegam que Cavendish perdeu a mulher em acidente de helicóptero há cerca de um ano e que, assim, será exposto a situação “desrespeitosa, humilhante e atentatória a sua integridade psicológica, já tão abalada”.

Cavendish, que depois da eclosão do Caso Cachoeira teria tentado vender a empresa, sem sucesso, foi convocado como testemunha após a aprovação de 11 requerimentos, assinados por 14 parlamentares. Os requerimentos foram aprovados por unanimidade pela comissão, com 28 votos favoráveis, no início de julho. Atualmente em regime de recuperação financeira judicial, a empresa Delta é suspeita de fazer repasses à organização criminosa de Carlinhos Cachoeira por meio de empresas de fachada para obter benefícios em obras.

Outro motivo da convocação, lembrado diversas ocasiões pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR), é a suposta afirmação feita por Cavendish de que seria possível comprar parlamentares. Em um dos requerimentos de convocação, os deputados Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Mendonça Prado (DEM-SE), lembram que o dono da Delta, em conversas gravadas por ex-sócios, teria afirmado que “com seis milhões de reais é possível comprar um senador” e “com trinta milhões de reais, você é convidado para muitas coisas”.

No habeas corpus, os advogados citam trechos dos requerimentos de convocação e alegam que, pelo teor das acusações que vêm sendo feitas por parlamentares, a condição do empresário não é de testemunha, mas sim de investigado. Por esse motivo, ele não seria obrigado a comparecer à comissão. Ainda assim, pedem que, caso não haja a dispensa, seja assegurado a ele o direito de permanecer em silêncio para não se autoincriminar.

Regionais

Além disso, a defesa lembra que as irregularidades apontadas se concentram em apenas duas das nove regionais da empresa: a do Centro-Oeste e a do Distrito Federal. Para eles, os argumentos usados para convocar Cavendish representam desvio do fato determinado que justificou a instauração da CPI, relacionado às atividades apenas nas duas regionais.

Em entrevista na última quarta-feira, o presidente da comissão, senador Vital do Rêgo, disse que não esperava muito do depoimento, já que Cavendish não virá como colaborador da CPI. Para ele, o depoimento do ex-diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) Luiz Antonio Pagot, pode trazer informações novas à comissão.

Pagot, que falará no dia 28 de agosto, já havia declarado sua disposição de colaborar com a CPI. Ele deixou o Dnit em 2011, após denúncias de irregularidades e atribui a pressão pela sua saída ao grupo comandado por Cachoeira, que teria interesse de defender interesses da Delta no órgão. Em entrevistas, Pagot disse que era procurado por partidos para captar doações ilegais com empreiteiras para campanhas políticas.

Outros depoentes

Na mesma semana dos depoimentos de Pagot e Cavendish, também serão ouvidos o empresário Adir Assad e o ex-diretor da Dersa, empresa responsável pelo desenvolvimento Rodoviário em São Paulo, Paulo Vieira de Souza. Assad, que será ouvido no dia 28, é apontado como agente usado pela Delta e outras empresas para lavar dinheiro. Já Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto deve falar no dia 29 sobre os contratos firmados entre a Dersa e a construtora Delta.

 

Fonte: Agência Senado

Deputado protocola requerimento para abertura de CPI da telefonia móvel

O deputado Ronaldo Nogueira (PTB-RS) protocolou  na Secretaria-Geral da Mesa Diretora da Câmara, requerimento para abertura de comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre a telefonia móvel.

O requerimento contém 246 assinaturas. Porém, a Mesa ainda precisa conferir todas elas para confirmar se foi atingido o número mínimo exigido, de 171 deputados.

De acordo com o parlamentar, a CPI irá investigar as “práticas na cobrança da tarifa de interconexão, que acontece quando uma operadora de telefonia móvel utiliza estrutura de outra operadora, e os valores gerados são repassados para os contribuintes”. Pela legislação, segundo ele, esse repasse deveria ter sido interrompido em 2002, o que não ocorreu.

Ainda segundo Nogueira, a qualidade do serviço das operadoras de telefone não contempla o interesse do usuário porque os investimentos necessários não foram feitos. “Temos que abrir esta caixa-preta de arrecadação de dinheiro do trabalhador que burla a Lei Geral de Telecomunicações (9.472/97)”, defendeu.

No fim do mês passado, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) suspendeu as vendas de chips das operadoras TIM, Oi e Claro em vários estados. A proibição foi suspensa no dia 2 de agosto depois que as empresas apresentaram planos para melhorar a qualidade dos serviços.

Segundo o Regimento Interno da Câmara, até cinco CPIs podem funcionar ao mesmo tempo, sendo que há, atualmente, três instaladas (do Tráfico de Pessoas; do Trabalho Escravo; e da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes). Outros cinco pedidos de instalação de CPIs aguardam decisão do presidente da Câmara, Marco Maia, que deve avaliar a existência de fato determinado para as investigações. O primeiro pedido da lista (para investigar denúncias sobre privatizações no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso) foi protocolado em 21 de dezembro.

Comissão externa

O deputado Jerônimo Goergen (PP-RS) também assinou o requerimento e defendeu que, paralelamente à instalação da CPI, seja criada uma comissão externa para acompanhar a renovação das concessões do setor, além do cumprimento das determinações da Anatel sobre os investimentos das empresas.

Fonte: Agência Câmara