‘Se ele tiver grandeza moral, tem que se retratar’, diz Mourão sobre crítica de Gilmar Mendes ao Exército

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo/08-05-2020

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça-feira que caso o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, tenha “grandeza moral”, ele “tem que se retratar” da declaração em que afirmou que o Exército está se associando a um “genocídio”, em referência à gestão de militares no Ministério da Saúde durante a pandemia do novo coronavírus.

— Com certeza (tem que pedir desculpas). Se ele tiver grandeza moral, tem que se retratar — disse Mourão à CNN Brasil.

A declaração do ministro foi feita no sábado. Gilmar questionou o fato de o Ministério da Saúde ser dirigido interinamente há quase dois meses por um general da ativa do Exército, Eduardo Pazuello, que levou para sua equipe mais de 20 militares. Mourão já havia criticado a declaração na segunda-feira, assim como também fizeram os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa) e Augusto Heleno (GSI). Os três são generais da reserva.

Em nota, Gilmar afirmou que respeita as Forças Armadas e que a sua crítica foi em referência à atuação dos militares no Ministério da Saúde.

Nesta terça, o vice-presidente disse que Gilmar fez uma crítica “totalmente fora de propósito” ao falar em “genocídio”, e citou casos históricos que, na sua visão, enquadram-se na definição:

— Vi o cidadão Gilmar Mendes fazendo uma crítica totalmente fora de propósito, ao comparar o que ocorre no Brasil com um genocídio. Genocídio foi cometido por Stalin contra as minorias russas, foi cometido por Hitler contra os judeus, foi cometido na África, em Ruanda, e outros casos. Saddam Hussein contra os curdos. Agora, o ministro acho que ele exagerou demais no que ele falou.

Na entrevista, Mourão disse que não vê motivos para a saída de Eduardo Pazuello do Ministério da Saúde, mas ressaltou que é uma decisão do presidente.

— Isso é uma decisão do presidente — disse, acrescentando depois: — Não acho que é o momento agora. Espera a pandemia arrefecer e aí troca.

Nota ‘não tem nada a ver’

No início da tarde, ao deixar o Palácio do Planalto, Mourão voltou a comentar o assunto. Disse que a nota divulgada por Gilmar Mendes “não tem nada a ver” e que não era suficiente, e voltou a dizer que ele deveria pedir desculpas se tiver “grandeza moral”.

O vice-presidente disse que Pazuello assumiu o ministério em uma situação complicada e que qualquer um passaria dificuldade. Para Mourão, o ministro interino é vítima de preconceito por ser militar.

— Existe toda essa questão preconceituosa. “O cara é general, o cara é não sei o que”. É uma situação difícil para qualquer um.

Mourão não vê necessidade de Pazuello ir para a reserva do Exército porque não deve continuar muito tempo no ministério.

— O Pazuello ainda tem mais uns dois anos na ativa. Acredito que o presidente não vá mantê-lo mais por muito tempo como ministro. Acredito, não sei se essa é a decisão dele.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. MORO 2022 disse:

    Grandeza é Queiroz e Márcia cumprindo prisão doMILICIANA.

  2. Manoel disse:

    Quem não tem grandeza moral é o senhor jogando o nome das forças armadas no lixo com a familícia.

  3. Pedro disse:

    É grande Luiz António, certamente preparado era nula e sua corja, com a competência dos sabidos e ladrões, quase quebrou o Brasil, ainda teve ajuda daquela anta, mentirosa que não unia duas palavras, sempre com o raciocínio na lua, perfeito não!!

  4. Muda Brasil disse:

    Ministro Gilmar Mendes, convido o senhor a deixar o seu palácio e seus seguranças, colocar uma bermuda e um chinelo e dar uma voltinha de 30 minutos no meio do povo, tem coragem de avaliar sua popularidade? Vamos ? Respeite i presidente e as instituições, vc reclama de um ministro que é militar, mas o senhor já foi juiz algum dia? Vc foi socado no STF por indicação política.

  5. Patriota disse:

    As Forças Armadas tem é que condecorar o Gilmar Mendes por estar sendo avisada do ninho de cobras na qual está metida. Me lembrei do caso do velho general da aristocracia prussiana, um homem direito que, no século passado, resistiu a colaborar com regimes de força, classificava os militares em quatro tipos: "Há oficiais inteligentes, aplicados, burros e preguiçosos. Em geral, essas qualidades vêm aos pares. Há os inteligentes e aplicados, que devem ir para o Estado-Maior. Depois vêm os burros e preguiçosos; esses são 90% de qualquer Exército e são próprios para tarefas de rotina. Os inteligentes preguiçosos dispõem do que é preciso para tarefas mais altas de liderança, pois têm clareza mental e firmeza dos nervos na hora de decisões difíceis. Mas é preciso tomar cuidado com os burros e aplicados; não podem receber nenhuma responsabilidade, pois só sabem causar desgraça."

  6. Luiz Antônio disse:

    Os milicos são muito despreparados. No máximo só sabem fazer ordem unida.

  7. Juliano bugueiro disse:

    Grandeza é ter um ministro na saúde.

    • realista disse:

      grandeza é não ter um cachaceiro ladrão na presidência.

    • Marcos disse:

      Tipo os que juntos roubaram Bilhões da saúde em 13 anos?

    • LUIZ disse:

      alem de defender o PIXULECO – Lula defender o palhaço Gilmar Mendes – chega a ser o supra sumo do MASOQUISMO. kkkkk!!!

  8. Cigano Lulu disse:

    Ao tomar para si as dores de 'genocida', sem a menor necessidade, Mourão acaba dando pistas de que está morrendo de vontade de substituir o Capetão…

COMENTE AQUI