Diversos

Mourão diz que Bolsonaro autorizou nova operação militar na Amazônia contra crimes ambientais

© Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasilia

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira(11) que o presidente Jair Bolsonaro autorizou uma nova operação das Forças Armadas para combater crimes ambientais na região da Amazônia.

“Conversei com o presidente ontem. Ele autorizou. Estamos fechando o planejamento”, disse Mourão nesta manhã, ao ser questionado por jornalistas na chegada ao Palácio do Planalto. O vice-presidente chefia o Conselho Nacional da Amazônia Legal que, entre outros assuntos, trata do combate aos crimes ambientais na região amazônica.

O custo da nova operação, que deve durar dois meses, é de R$ 50 milhões, disse Mourão. Ele acrescentou já ter conversado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, que teria garantido os recursos. O início da missão deve se dar, “em princípio”, já na próxima semana, acrescentou o vice-presidente.

Desde 2019, foram autorizadas duas operações das Forças Armadas na Amazônia, chamadas Verde Brasil 1 e 2. A mais recente delas se encerrou em abril. A ideia é que a nova operação dure dois meses, disse Mourão. O planejamento da missão fica a cargo do Ministério da Defesa, que deve definir a área de atuação dos militares.

Mourão disse que é necessário também o alinhamento com os órgãos ambientais. “Preciso que o Ibama [Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis]e o ICMBio [Instituto Chico Mendes de Preservação da Biodiversidade] cheguem junto, porque senão não tem sucesso”, afirmou.

Para que a operação Garantia da Lei e da Ordem (GLO) com as Forças Armadas na Amazônia seja efetivada é preciso a publicação no Diário Oficial da União de decreto presidencial que autorize a medida.

Agência Brasil

Opinião dos leitores

  1. Então diga lá, Deco Bolsonarista da República Ruminante da Bovínia: mantém um investigado em 2 inquéritos abertos pela PF no cargo ou o afasta até a apuração dos fatos? É o mínimo de quem se elegeu nas costas do Sérgio Moro.

  2. Acham que isso vai apagar os dois anos e meio de falcatruas que ocorreram no meio ambiente, onde passaram a boiada?

  3. Bolsonaro é o Presidente que mais combateu e combate o desmatamento na Amazônia e no Pantanal Matogrossense.

    1. Mais que isso, é o melhor brasileiro que ja existiu na existencia do Brasil. E se ele tivesse nascido na epoca de Jesus, Jesus não tinha sido ninguém. O Mito é o Mito!

  4. Não exista nada que condene o ministro Sales;E até agora faz um excelente trabalho .Como tb o governo federal que moralizou os órgãos ligados à fiscalização e do meio ambiente . As forças armadas devem sim executar operações na Amazônia para acabar com os crimes de incêndios ilegais e boicotes de ogns e opositores.Parabéns Bolsonaro.

    1. Pois é, as Forças Armadas podem também botar moral na tua casa e na tua empresa, não é Carlos Alberto? As Forças Armadas agora são a cloroquina do serviço público: muito gasto mas sem efeito.

  5. Segundo a PF, está mais do que concreto a participação no ministro do meio ambiente num crime gigantesco contra a floresta Amazônia. Não seria a hora de afasta-lo pra mostrar que existe seriedade nesse propósito?

    1. É OBVIO QUE NÃO PODE AFASTÁ-LO. SE VC AFIRMA QUE A PF AFIRMA E GARANTE QUE O MINISTRO COMETEU UM CRIME ENTÃO SERIA O CASO DA PF PRENDER IMEDIATAMENTE O DIRETIR DA PF POR PREVARICÃO.. POIS NESTE CASO ELE SABE CONCRETAMENTE DE UM CRIME E NÃO PRENDEU EM FLAGRATE O CRIMINOSO.
      SE NÃO SABE NÀO CHUTA…

    2. Segundo a PF, Lula deveria estar preso.
      O STF soltou o chefão…
      Por falar nisso, Rondônia e Pára tem dois dos maiores rebanhos de gado do Brasil.
      Isso na Amazônia e geralmente exige muita terra.
      E não é da época de Bolsonaro.
      E o Ibama e a Globo não falaram nada…
      Esquerda cinismo e deboche.

    3. Esse Manuel Fila, é discípulo de Renan Calheiros e Jader Barbalho…

    4. Paulo: e vc? Eh discípulo do MINTOmaníaco das rachadinhas que cometeu peculato ou de Lulaladrao?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Sobre atos no país, Mourão ironiza se “tem aglomeração do bem agora?”, discorda que governo não priorizou vacina e refuta suposto ‘gabinete paralelo’

Foto: Bruno Batista / VPR / Divulgação / CP

O vice-presidente, Hamilton Mourão, ironizou os protestos contra o governo federal ocorridos durante o último fim de semana. Para o general da reserva, os atos tiveram como pano de fundo a oposição à administração Jair Bolsonaro e causaram aglomeração.

“A gente sabe que tem oposição. Tem um núcleo duro aí que não gosta do nosso governo. Agora, foi aglomeração, né? Tem aglomeração do bem agora? Não tem”, criticou Mourão. “Distanciamento nenhum ali.”

No sábado, manifestantes de várias cidades do país foram às ruas contra o governo federal para pedir a prorrogação do auxílio emergencial e uma aceleração na vacinação contra a Covid-19. Os atos foram vistos em pelo menos 17 capitais.

Questionado a respeito de uma eventual mudança de rota política do governo em função dos pedidos de impedimento de Bolsonaro, o vice-presidente afirmou que a “questão de impeachment virou moda” e defendeu as regras da democracia brasileira.

“Desde o fim do período de presidentes militares, não teve nenhum presidente que não tivesse passado sob ameaça de impeachment, sendo que dois sofreram efetivamente o processo de impedimento. O presidente Sarney sofreu as ameaças, o próprio Fernando Henrique, o presidente Lula. Terminar o governo, vamos para um processo eleitoral. Se a maioria da população quiser uma mudança, ela vota pela mudança. Assim que funciona.”

Sobre a acusação de que a vacinação contra a Covid-19 não foi prioridade no governo durante a gestão da pandemia, tese levantada pela oposição durante os trabalhos da CPI da Covid no Senado, Mourão discordou e defendeu as ações do presidente.

“Não concordo. O governo procurou comprar as vacinas que tinha que comprar, com as dificuldades existentes. Agora mesmo, aquela questão da Pfizer, o próprio presidente da Argentina, Alberto Fernandez tá tendo problema com a Pfizer, porque não está aceitando as imposições da multinacional para a compra da vacina. A Argentina tá sofrendo.”

Gabinete paralelo

O vice-presidente também refutou a existência de um suposto gabinete paralelo no Ministério da Saúde que aconselharia Jair Bolsonaro nas decisões referentes à crise sanitária.

“Essa história de Ministério da Saúde paralelo é algo que não procede, porque o presidente da República pode chamar algum especialista, em determinado momento e ouvir a opinião deste especialista para ouvir a opinião dele”, finalizou.

Correio do Povo

Opinião dos leitores

  1. Que p@$&$ de crime é esse de gabinete paralelo? Se aconselhar é crime? O que vale são as ações receber conselho é crime desde quando ?

  2. Parabéns Vice Presidente General Mourão, pelas belas colocações.
    Essa esquerda, junta com essa imprensa marrom, imunda e parcial, não cansam de passar vergonha.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Pazuello tem direito de ficar em silêncio na CPI porque ‘já é investigado’, diz Mourão, que não vê “medo”

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo/16-09-2020

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira que o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello tem direito a ficar em silêncio em seu depoimento na CPI da Covid porque ele “já é investigado”. Pazuello foi convocado para a CPI na condição de testemunha, mas Mourão ressaltou que o ex-ministro é investigado em um inquérito por sua atuação no colapso do sistema de saúde do Amazonas.

— Aquela história, tudo é possível acontecer dentro daquela CPI ali. A forma como foi conduzido interrogatório. Considero que no final das contas o Pazuello já é investigado, tem um inquérito que a Polícia Federal está tocando aí em relação ao caso de Manaus. Então, na realidade, ele não é testemunha, ele é réu nisso ai. E réu tem direito a ficar em silêncio — disse Mourão, ao chegar no Palácio do Planalto.

Na quinta-feira, a Advocacia-Geral da União (AGU) apresentou um habeas corpus ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo autorização para Pazuello ficar em silêncio durante seu depoimento, marcado para o dia 19. O pedido será analisado pelo ministro Ricardo Lewandowski.

Mourão disse não ver “medo” na atitude do ex-ministro:

— Não, não vejo medo. Não vejo medo.

Na semana passada, o vice-presidente havia dito que Pazuello “não pode se furtar a comparecer e prestar lá seu depoimento”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Inaceitável o Brasil assistir meia dúzia de raparigas vestidas de virgens vestais,humilhar, coagir e cometer arbitrariedades contra cidadão comum,pior ainda da voz de prisão ! Chegou a hora de dar um basta nisso !!!

    1. Por muito menos meus comentário são censurados. Porque será, eimmmm?

    2. Não frequento redes sociais bolsonaristas. Não tenho estômago de avestruz. Mas dá para notar claramente que ali o gado é amestrado com o que sai da boca da Familicia. E ficam repetindo, repetindo até eles acreditam nas bobagens que espalham. Avisem lá prós milicianos que a mamata vai acabar antes do que imaginam.

    1. Estão rindo cedo demais. O momento se anuncia cada vez que esticam a corda para bandalheira e a ilegalidade. Vão rindo…

  2. Ver pessoas sérias serem humilhadas por vagabundos é revoltante. CPI da palhaçada, comandada por um elemento como Renan Calheiros, não pode ser levada a sério por gente séria. Depois do que fizeram com o secretário Wajngarten, o general está certo. Vamos ver se esse ministro petista do STF vai conceder o direito.

    1. Olha aí o papagaio de Carluxo com o gritinho da moda do Gado. Eles lançam e o gado fica repetindo.
      Chola mais, é melhor Já ir se acostumando. O pêndulo da história não fica parado e quem defende cagadas cagado sempre será.

    1. Uma CPI com corruptos investigando militar é uma desmoralização constitucional.
      As forças armadas aceitando ver um grupo de processados por corrupção grunir contra um general, nos leva a crer que a desordem institucional está próxima a ser oficializada.
      Isso nunca foi democracia, isso é anarquia oficial.

    2. Tiburcio, você está certo. Ele não deve ir depor na CPI não, deve ir preso, com ele toda a corja desses pontuadores de meio-fio.

  3. A Democracia precisa da transparência em seus atos, não basta parecer honesto, é preciso mostrar que o é.

  4. Quem tem “olho que tudo vê”tem medo,todos os humanos da terra sem excessão possuem o dito olho.

  5. Como é homi? É réu. Mas meu Deus do céu. Em que escola esse General se formou?
    E ainda quer ser Senador.

  6. Onix em 2015: quem comparece a cpi e fica calado é bandido. Chegou a hora de perguntar o que ele acha da atitude do general.

    1. Em uma C.P.I que, tem Um senador que sua família tá presa por desvio, e tá como presidente da mesa, e Um tácido participante da lava jato nas empresas Aldebrest. O Renan. Eu nem iria a esse ambiente. Qual á mora tem esse dois senadores , pra fazer perguntas e insinuações, basta ver o passado dos dois. PORÉM ELE o depoente, TEM O DIREITO DE RESPONDER SÓ O QUE QUISER . SEM DEIXA QUE OUTROS CRIE PROVAS VAZIAS E CIRCENSE. ESTAMOS AINDA NA DEMOCRACIA. APESAR DE TER ALGUNS. QUE SÃO APAIXONADOS POR SOCIALISMO, PORÉM NÃO QUEREM,NEM IR A VENEZUELA OU CUBA. Fazer turismo com medo de ser enquadrado, e não ter volta.

    1. Certeza! Só fez coisa boa e perfeita né?! Igual ao chefe dele, o MINTOmaníaco!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

VÍDEO: ‘Figuras esquecidas reapareceram na CPI com camisola de virgem’, diz Mourão

Para o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB), a CPI da Covid fez reaparecer figuras que, segundo ele, “estavam esquecidas” na política.

“A CPI hoje trouxe à luz algumas figuras da política que estavam esquecidas e que reapareceram vestindo uma camisola nova, de virgem”, disse Mourão ao participar do UOL Entrevista, conduzido pela apresentadora Fabíola Cidral e pelos colunistas Josias de Souza e Carla Araújo.

UOL

Opinião dos leitores

    1. É proibido, esse blog só está autorizado a falar bem do genocida. Agora se fosse contra Fátima já tinha uns 30 posts. Ainda quer ser democrático

  1. Que coisa neh? O Josias de Sousa foi quem pegou o entrevistado com “as calças nas mãos”. kkkkkkkkkkkkkkkk

  2. Isso é o prenúncio da volta petralha, se o povo deixar. O governo Bolsonaro é tão ruim, que corremos o risco do povo escolher os ladrões novamente. A 3a via não pode deixar esse desastre acontecer de novo

  3. Realmente na CPI só tem ” virgens puras e imaculadas, donzelas, moçoilas intocadas”. Nenhuma credibilidade à esta CPI.

    1. Se a CPI não tem credibilidade imagine o governo que ela investiga…

  4. Ele também comentou que o tal decreto que o Bozo sempre fala (contra as medidas restritivas) NÃO EXISTE….ô cabra mentiroso e sem moral…kkkkkkkkkkkk
    Só o gado burro ainda acredita….muuuuuummmmm

  5. Né isso! Ele só esquece de comentar de Roberto Jeferson e Valdemar da Costa que foram condenados por corrupção e agora são aliados do MINTOmaníaco…

    1. E são ex aliados do PT. Os dois foram condenados no mensalão do Lularápio.

  6. Alías,todo homem que já nasceu ou viveu nesse mundo eram e são virgens,ou seja todos os machos vivos humanos do mundo são santos,inocentes e decentes varões virgens.

  7. Essa CPI ressuscitou Renan Calheiros, o queridinho da oposição. Também esta por lá o famoso Jader Barbalho e outra penca de corruptos..O presidente dessa CPI é investigado por corrupção NA SAÚDE do Amazonas, quando foi governador. Sua mulher e dois irmãos foram até presos. Esses são os opositores gdo presidente.

    1. Verdade…NÃO trm competência nem para comprar o congresso e nem aparelhar o STF com indicação política…saudade do mensalão geral… O Brasil e o brasileiro ( sua maioria absoluta) NÃO conseguem respirar sem corrupção generalizada… desde 1500

    2. BG
      O General disse a verdade, bandidos travestidos de cordeiros. Cadeia nestes cretinos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mourão diz que ‘narcoguerrilha’ do tráfico de drogas precisa ser combatida no Rio, e fala sobre mortos em operação policial no Jacarezinho: “tudo bandido”

FOTO: PABLO JACOB/AGÊNCIA O Globo

Ao comentar a operação policial no Jacarezinho que deixou 25 mortos, vice-presidente Hamilton Mourão comparou a situação do Rio de Janeiro a de uma guerra, com a presença de “narcoguerrilhas”, e afirmou que as vítimas eram “bandidos” e “marginais”. Apesar da fala de Mourão, a identidade de 24 dos mortos não foi divulgada, então não é possível saber quais crimes são atribuídos a eles.

— Tudo bandido. Entra um policial, em uma operação normal, leva um tiro na cabeça de cima de uma laje. Lamentavelmente essas quadrilhas do narcotráfico, elas são verdadeiras narcoguerrilhas, que tem controle sobre determinadas áreas — disse o vice-presidente, ao chegar no Palácio do Planalto, na manhã desta sexta-feira.

Mourão afirmou que o Rio de Janeiro tem uma “problema sério” na área de segurança que precisa ser resolvido:

— É um problema da cidade do Rio de Janeiro, que já levou várias vezes que as Forças Armadas fossem chamadas a intervir. É um problema sério da cidade do Rio de Janeiro que vamos ter que resolver um dia ou outro.

A operação foi montada após a Justiça determinar a prisão de 21 pessoas acusadas de tráfico de drogas. Dos mandados de prisão, três foram cumpridos e outros três procurados acabaram mortos durante os confrontos. Outros três suspeitos foram presos, totalizado seis detenções durante a ação.

Moradores do Jacarezinho relataram abusos durante a operação. Uma equipe da Defensoria Pública foi à comunidade e ouviu denúncias sobre essas supostas arbitrariedades por parte dos policiais.

Mais tarde, em uma entrevista à rádio O Povo CBN, Mourão voltou a comentar a operação e disse ter quase “certeza absoluta” de que os mortos eram “marginais”, apesar de admitir não ter “todos os dados”. O vice-presidente também disse que a situação no Rio é “quase a mesma coisa” de um combate em um país inimigo.

— Isso é a mesma coisa que se a gente tivesse combatendo no país inimigo. Quase a mesma coisa. A partir daí houve esse combate de encontro e tenho quase que absoluta certeza, não tenho todos os dados disso, que os mortos eram os marginais que estavam lá, armados, enfrentando a força da ordem.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Proxima vez que o caverao entrar na comunidade com
    Tiroteio deveria adaptar cadeiras na parte externas e levar sentados o pessoal que defende BANDIDOS.

  2. Proxima vez que o caverao entrar na comunidade com Tiroteio deveria adaptar cadeiras na parte externas e levar sentados o pessoal que defende BANDIDOS.

  3. Queria ver vcs por engano entrasse em uma dessas comunidades ….o que esses homenzinhos de bem faria com vcs….. só bandido … entre lá para ver o que acontece vão te receber com bolinho e guarana…. falar é fácil …PARABENS Vice presidente.

    1. Proxima vez que o caverao entrar na comunidade com
      Tiroteio deveria adaptar cadeiras na parte externas e levar sentados o pessoal que defende BANDIDOS.

  4. Parabéns aos comentários do vice-presidente Mourão! Não tem que se comemorar como bem disse o delegado da PC do RJ, mas tem sim que se fazer um combate aos traficantes! Tem que revidar e tem que atirar na mesma proporção, se eles atiram para matar, o que precisa ser feito? Parar de sensacionalismo! Palhaçada, a “esquerda” se perde com discurso de complacência, temos que combater o crime e isso envolve milicianos que são em sua maioria formado por membros da segurança pública. Fato notório no RJ!

  5. O artigo dessa globolixo é tão tendencioso (pró bandidos, claro), que levanta dúvidas sobre os crimes cometidos logo no início mas, no seu 5° parágrafo, esclarece que 3 dos mortos faziam parte dos 21 elementos que a justiça mandou prender por tráfico de drogas. O jornalismo dessa gente acabou faz tempo.

  6. Botem p cima dessa bandidagem que escraviza a população. É só ter um pouco mais de cuidado para não atingir um inocente. De resta é sentar fogo nessas pragas.

  7. Um dia ou outro eles resolvem…e desde dos anos 80 o tráfico existe e massacra o RJ e agora o país todo

  8. Corretíssimo os comentários do General Mourão. Parabéns. Quem gosta de bandido, bandido também é.

    1. Vixe, aí vc complica muita gente cara! Pq o que tem de bandido condenado por corrupção ou investigado por peculato de rachadinha por aí cheio de apoiadores…

    2. Depois quando sair a lista descobriremos que inocentes morreram e descobriremos que alguns traficantes foram mortos para dá lugar a outros traficantes amigos da milícia. É só questão de tempo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

FOTO: Mourão é vacinado contra Covid-19 em Brasília

Foto: Twitter/Reprodução

O vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19 nesta segunda-feira (29). Ao registrar o momento em uma rede social, ele afirmou: “fiz minha parte como cidadão consciente”.

Ao compartilhar o momento, Mourão afirmou esperar que, “em breve, o maior número possível de vacinas chegue à população”.

Outros membros do governo já foram imunizados na capital federal. No último sábado (27), o ministro Paulo Guedes também recebeu a primeira dose. No dia 18 de março, o ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI), general Augusto Heleno, foi atendido.

G1

Opinião dos leitores

  1. Bora General, assume logo esse pais! General Mourao tem bons serviços prestados ao EB, ao contrario do capitao indisciplinado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

COVID: Mourão fala em “tentar de todas as formas diminuir a quantidade de gente contaminada” e diz que número de óbitos “já ultrapassou o limite do bom senso”

Foto: Adnilton Farias / VPR

O vice-presidente Hamilton Mourão declarou nesta quinta-feira (25), em entrevista no Palácio do Planalto, que o número de mortes por Covid-19 no Brasil “ultrapassou o limite do bom senso”.

Mourão deu a declaração um dia depois de o Brasil passar da marca de 300 mil óbitos, com média móvel acima de 2 mil mortos por dia.

O país ainda enfrenta falta de leitos de UTI e de medicamentos para intubação, enquanto a vacinação não deslancha – 6,32% da população recebeu a primeira dose do imunizante até a noite de quarta (24).

Mourão comentou o número de mortos no Brasil ao tratar da criação de um comitê junto ao Congresso, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro, para definir medidas contra a Covid-19.

Mourão citou o trabalho do Ministério da Saúde, agora comandado pelo médico Marcelo Queiroga, para habilitar leitos de UTI, comprar insumos e aumentar o ritmo da vacinação, esforços para tentar controlar a pandemia.

“Agora vamos enfrentar o que está aí e tentar de todas as formas diminuir a quantidade de gente contaminada e, obviamente, o número de óbitos que, pô, já ultrapassou o limite do bom senso”, disse Mourão.

‘Lockdown’ nacional

Mourão voltou a se manifestar contra medidas de abrangência nacional para restringir a circulação de pessoas e tentar reduzir o ritmo de infecções, internações e mortes por Covid-19. O vice entende que seria difícil fazer cumprir uma restrição generalizada porque o país tem desigualdades regionais e defendeu que governadores e prefeitos adotem esse tipo de medida individualmente.

“Não vejo condições de ‘lockdown’ nacional, que é algo que está sendo discutido. Um país desigual como o nosso, isso é impossível de ser implementado. Vai ficar só no papel. Eu julgo que essas medidas restritivas têm que ficar a cargo dos governadores e prefeitos, porque cada um sabe como que está a situação na sua área”, declarou Mourão.

O vice-presidente, que participou da reunião de chefes de poderes no Palácio da Alvorada, ainda afirmou que está bem colocada a tarefa delegada ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), de dialogar com governadores e levar as demandas ao comitê anunciado por Bolsonaro.

Ernesto Araújo e vacinas

Segundo Mourão, a reunião de quarta definiu que o governo vai intensificar os esforços para conseguir com outros países insumos e vacinas.

O vice admitiu que há pressão para demissão do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que, segundo relatos, teve o trabalho criticado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

“É uma pressão que vem ocorrendo. O ministro Ernesto tem a confiança do presidente da República, não é? E está procurando fazer o trabalho dele nos contatos com a China, com a Índia, com o próprio EUA nesta questão de vacinas”, disse Mourão.

O vice ponderou a dificuldade para se conseguir vacinas, já que os países que dispõem dos imunizantes priorizam suas populações.

“A questão da vacina é muito claro: quem tem, sentou em cima. Está aplicando a lei de Mateus: ‘primeiro os meus’. Então, é uma briga isso aí”, afirmou.

G1

Opinião dos leitores

  1. A merda é o viés político! SE o Presidente do Brasil fôsse (e Deus me livre que ñ é) o Sapo Cururú ou outro da gandaia PTista, a coisa tava pior, as Estradas ñ teriam sido pavimentadas, a grana roubada ñ teria voltado ao Brasil! E os numeros de óbitos pelo Covid seriam alarmantes!! A culpa dessa desgraça deva-se ao stf que entregou ao pilantras a grande maioria Comunistas a tarefa de cuidar da população!!!!!!!!!

  2. Não votei em Bolsonaro , mas confesso que desde que ele assumiu torci que o mesmo fizesse um bom governo , mas infelizmente vem sendo um DESASTRE a gestão do mesmo na presidência . Temos que ser humilde e admitir que nós brasileiros fizemos uma péssima escolha em colocar esse homem na presidência . Isso já está mais que evidente , só não ver quem não quer . Bolsonaro , não tem um mínimo de cuidado com à população brasileira, nem no âmbito econômico , nem educacional , nem na saúde e muito menos no social . Dias difíceis esse nosso. Só Deus para nos ajudar .

  3. Diminuir a quantidade de gente contaminada não é e nunca foi a politica do governo do apocalípse bolsonaro.
    Que tal tentar explicar às famílias das mais de 300mil pessoas mortas que previnir era melhor que remediar com Cloroquina, Ivermectina, Anita, Azitromicina e qualquer outra palavra com sufixo INA?

    1. Mourão já ta falando com presidente… Pega fogo, acho que mourão vai entregar a faixa a Lula!!!

      LULA LIVRE. O GADO CHORANDO? QUE MAMA? A MAMADEIRA DE PIROCA? KKKKK

  4. Mourão é um cara mais decente. Tem a noção melhor da realidade. Bolsonaro é aquele cara que quer ser a estrela, não aguenta ver outro brilhar (foi assim com Moro, com Mandetta, com o Santos Cruz). Bolsonaro enganou a todos, inclusive eu. Nao combateu corrupçao, piorou a vida do brasileiro, retirou direitos dos mais humildes e aumentou dos mais abastados. Só nao percebe quem é alucinado.

  5. Mourão já pode se preparar para receber a faixa e entregar a Lula em 2023.
    O centrão já se prepara para cuspir o miliciano.

    1. Parece que as saudades do MENSALÃO, do PETROLÃO e de toda roubalheira que os governos de esquerda fizeram no país estão imensas hemmmm. Parece que não ver a hora dos saques aos cofres públicos recomeçar.

    2. Esse sujeito é um masoquista inveterado, adora um ladrão sádico que promoveu o maior roubo a cofres públicos do mundo, pior, junto com a esdrúxula anulação do seu processo, o Brasil terá que devolver 40 bilhões de reais que tinham sido recuperados pela lava jato, pras mãos dos corruptos ladrões, e eles usufruirem livremente, zombando de nós palhaços, pagadores de impostos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mourão diz que Lula ‘ficou no passado’ e que PT tem outros membros ‘com capacidade’

Foto: Pablo Jacob/Agência O Globo

O Lula ficou no passado. Eu acho que a gente tem que ir para frente, nós precisamos de lideranças novas, existe muita gente com país com capacidade, inclusive dentro do próprio partido do presidente Lula — disse Mourão, em entrevista à Rádio Tupi.

Na semana passada, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin anulou as duas condenações que Lula sofreu na Justiça Federal em Curitiba e enviou esses e mais dois processos para a Justiça Federal do Distrito Federal. Com a decisão, o petista recuperou os direitos políticos e pode concorrer à Presidência.

Para o vice-presidente, Lula já “teve a sua contribuição para a vida política”, ao ser presidente da República, presidente do PT e deputado, e “já passou”:

— Ele já é um homem na proximidade dos 80 anos, nada contra isso daí. Mas ele já teve a sua contribuição para vida política do Brasil, foi presidente por oito anos, foi deputado por quatro anos, foi presidente de honra, ou presidente efetivo, do Partido dos Trabalhadores por não sei quanto tempo. Ou seja, já passou.

Na semana passada, Mourão já havia dito que não venceria uma nova eleição presidencial porque tem “ideias velhas”. O vice-presidente disse, no entanto, que se a população eleger Lula, é preciso ter “paciência”.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Quem te viu ontem e quem te vê hoje, não diz que é o mesmo.
    Membros com capacidade no PT Mourão!!!!!!
    PQP !!!!!!!

  2. Luladrão não se contenta com os bilhões que roubou da Nação Brasileira, quer entrar no poder para roubar ainda mais ? Já está bilionário e ainda não é contente ? Veja que tem pessoas que são muito ricas e mesmo assim querem mais ainda !! Bandido banido

  3. A "capacidade" do PT é bem conhecida por esse país…conhecemos bem até demais….são capazes de muita coisa….

    1. A esperança que está voltando é de quê: de PETROLÃO, de MENSALÃO, de gastos de BILHÕES com Copa do Mundo e OLÍMPIADAS, de perda de REFINARIA de gás para a Bolívia, de remessa de BILHÕES para países comunistas, de escândalos de CORRUPÇÃO em todos os setores, de saúde abandonada????

  4. Eu quero ta vivo para ver, qualquer q seja o novo presidente, entrar e no primeiro dia exonerar essa corja de Olavistas/terraplanistas/teóricos de conspiração que só estão levando nosso pais para o retrocesso absoluto, com uma unica retórica "não são corruptos" mas as finanças da família Bolsonaro é uma das poucos que cresce mês e mês em um pais em crise.

  5. Lula tá morto politicamente. Tomara que seja candidato a presidente, apesar de ser corrupto. Acaba de vez e coloca uma pá de cal.

  6. Isso td é medo do LULA. Pq se ele assumir aí o gado vai sofrer. LULA o melhor presidente de todos os tempos derna o Marechal Deodoro da Fonseca.

  7. Todos os membros do PT tem muita capacidade. Capacidade de roubar é a maior virtude da quadrilha.

  8. Quando o sapato aperta, eles correm pra falar do PT! É incrível! Vamos trabalhar, incompetentes. Vocês se elegeram prometendo novos tempos e só fazem birra.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mourão defende Pazuello e diz que população não gosta de respeitar regras: “não é da natureza do nosso povo”

Foto: Guilherme Mazui/G1

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira (15) que o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, demonstra “resiliência” diante das críticas ao seu trabalho e que características do país dificultaram o combate à Covid-19. De acordo com Mourão, será “muito difícil” para um eventual substituto na Saúde “da noite para o dia conseguir consertar tudo”.

Mourão concedeu entrevista ao chegar ao Planalto, na qual foi questionado sobre as articulações para saída de Pazuello do ministério. O vice afirmou que não participa das conversas sobre o tema e defendeu a atuação do ministro, general da ativa do Exército, no combate à pandemia.

“A realidade é que a gestão do Pazuello vem sendo muito criticada, muito contestada. Pazuello tem demonstrado a resiliência que eu sei que ele tem, a capacidade de suportar o peso das críticas. Talvez outra pessoa não suportasse tudo o que ele vem suportando. Eu tenho muita confiança no Pazuello, eu o conheço há muito tempo”, disse Mourão.

Para o vice, mesmo que o presidente Jair Bolsonaro opte por substituir o ministro, será difícil realizar de forma rápida mudanças no enfrentamento à pandemia.

“É uma situação muito difícil pela característica do nosso país, pela característica desse vírus, pela forma como o país encarou isso aí tudo. Então, é muito difícil para alguém da noite para o dia conseguir consertar tudo”, disse Mourão.

“A nossa população, como é que eu vou dizer, ela não gosta de respeitar regras, não é da natureza do nosso povo. O nosso povo é um povo mais libertário, gosta de circular pelas ruas, gosta de fazer festa”, completou Mourão.

Se Bolsonaro confirmar a saída de Pazuello, o substituto será o quarto ministro da Saúde desde o começo da pandemia, há um ano.

A pressão para substituição de Pazuello aumentou nos últimos dias. Governadores, prefeitos, parlamentares e médicos criticam o trabalho do ministro, diante do ritmo lento da vacinação, da demora para a aquisição de vacinas e da disparada da Covid-19 em todo o país.

Deputados do Centrão pressionam pela saída de Pazuello, que no domingo (14) afirmou que continua no cargo. No entanto, Bolsonaro já iniciou conversas para definir um substituto.

G1

Opinião dos leitores

  1. Olha só!
    O Vice Presidente abriu a boca pra botar a culpa no povo. E o presidente que criminosamente icentivou diuturnamente os seus apoiadores a dedcuprir e se contaminarem pelo virus?
    General seja firme e tome as rédias pq é o povo brasileiro que está sucumbindo aos absurdos do presidente.

  2. É verdade,a começar pelo presidente,que não respeita o isolamento,não obedece ao uso de máscaras,não dar valor às vacinas,enfim
    O mau exemplo vem de cima.

    1. PELO MENOS ATE O MOMENTO NÃO DESVIOU NENHUM RECURSO. DIFERENTE DOS OUTROS QUE ATE HJ PAGAMOS UM PREÇO ALTO PELOS SEUS DESVIOS E ROUBOS.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Para Mourão, imbróglio envolvendo Lula no STF é gincana jurídica; vice-presidente critica decisão monocrática

FOTO: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, classificou como gincana jurídica o embróglio envolvendo a anulação das condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva relacionadas à Operação Lava Jato. A decisão tomada de maneira individual (monocrática) pelo ministro Edson Fachin deixa o petista elegível.

“O que eu posso te dizer é que a imensa maioria do povo Brasileiro é constituída de homens e mulheres de bem. […] Todos, sem exceção, procuram se basear em princípios da ética, da moral, dos bons costumes, respeita a honestidade, a integridade, a probidade das pessoas. E os homens públicos tem que se pautar por isso. Então independente da gincana jurídica que seja feita, anula processo, anula prova, a realidade é a seguinte: Contra fatos, não há argumentos. Então é isso que a gente vai aguardar que aconteça no futuro”, afirmou o general da reserva do Exército.

As condenações anuladas são relacionadas a Justiça Federal no Paraná no âmbito da operação Lava Jato: triplex do Guarujá, sítio de Atibaia e doações ao Instituto Lula. Na avaliação do ministro, as ações não poderiam ter corrido em Curitiba porque os fatos apontados não têm relação direta com o esquema de desvios na Petrobras. Agora, as ações serão analisadas pela Justiça Federal do Distrito Federal.

Mourão preferiu não traçar um cenário para 2022 com Lula podendo, neste momento, concorrer às eleições presidenciais.

“Primeiro lugar tem muita espuma nesse chope ainda, tem que ser decantado isso. Tem muita gente fazendo analise prospectiva por mera extrapolação de tendência. Não se faz analise prospectiva assim. Tem que esperar todas as consequências, todas as decorrências. Tem muita coisa ainda para rolar, não se pode tomar nenhuma… vamos dizer assim: ‘Isso vai ser assim, vai ser assado’; ‘o Presidente Bolsonaro não vai concorrer, presidente Lula vai concorrer’. Tem que aguarda isso aí tudo.”

E, indiretamente, criticou a decisão monocrática de Fachin. “A decisão não foi do STF, decisão foi do Ministro Fachin.”

R7

Opinião dos leitores

  1. Essas pessoas com altos cargos ou patente de oficiales das forças armadas do Brasil se comportam e agem como se fossem os proprietarios/donos da verdade e do bem,como se possuir un alto cargo que è chamado de patente os concedestes os direito e as garantías de se auto-enxergarem como pessoas superiores com ares de importancia e grandeza,poder e riqueza de orgulho e arrogancia que são das pessoas habitam a casa da soberba,essas pessoas precisam porem os pés no chão e perceberem que São modestos,simples,humildes funcionarios/servidores públicos como quaisquer outrem trabalhadore(a)s do estado brasileiro,estes militares que recebem bons salários em comparación com as outras faixas salariais da populacão do país no geral pelo qual 72% das pessoas recebem ou ganham no máximo até dois salários mínimos brasileiros,Isso não os dão o direito de ameaçar pessoas e instituições do estado brasileño como alardam nos bastidores e em público e também pelas redes de midia sociais computacionais e também televisivas e radiofónicas,creio que esse auto-pensamiento e auto-sentimiento de maxima relevancia e superioridade ética e Moral sobre a ordem democratica,talvez só aconteça nesse país chamado/denominado de república federativa do Brasil.

  2. Contra fatos não há argumentos,a rachadinha existiu,o fatos firam comprovados,a consequencia do ganho tambem,com a compra de imóvel maior que 6 milhoes,isto sim que goi gincana juridica ,quanto ao outro tambem,os rlubos na petrobras foram TAMBEM comprovados.
    É igual só que é diferente. Um é de ezquerda e o outro é de direita,mas o crime é igual.
    Como dizia o macaco doplaneto dos macacos:
    Eu so queria entender….!

  3. Pátria acima de tudo,
    .Deus acima de todos
    ??????????
    Em 2018, vivemos um clima eleitoral com o despertar dos pendões da Pátria. Reaprendemos cantar os hinos republicanos.
    Brigamos por um clima de lisura, que era proporcionado pela operação "lava jato", que mostrava para sociedade, á cara dos bandidos que sugavam à Pátria.
    Elegemos o mocinho, que seria o nosso mandatário maior, iria cuidar da valorização da operação que caçava, julgava e punia os arquitetos da engenharia de roubar e ficar impunes.
    Erramos em nossas escolha e fomos traídos em nossos desejos. À lava jato, foi caçada, perseguida, amordaçada e por fim, aniquilada por todos aqueles que à temiam, e sabiam que um dia, seriam alcançado e julgados por seus passados .
    Dentro seus algozes, destaco aquele que tinha compromisso e jurava em campanha, que iria valoriza-la.
    Mataram à esperança dos brasileiros e o encanto de ver nossa bandeira desfraldada, altiva e se emocionar com a sinfonia do hino nacional.
    Em 2022, já se vislumbra um clima eleitoral diferente, não vai ter mocinhos, vai ser um duelo de bandidos, todos se vangloriando que mataram a Lava Jato.
    Se Deus é que estar acima de tudo, salve nossa Pátria ??????

    1. Palavras sábias e dignas de alguém que ama seu país e preocupa-se com o futuro dos seus entes. Foram colocações sóbrias, de alguém que é desprovido de idolatrias à políticos ou partidos.
      Arimatéia, também fui enganado. Esse seu texto retrata exatamente o que ocorreu comigo no pleito de 2018 e o meus sentimentos nos dias atuais. Nós, brasileiros do bem, não merecemos a polarização desses dois nefastos.

    2. ?????
      Muuuuuuuu!!!!!
      Chora mais alto que o Lula não tá te ouvindo!!!
      ??????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Não adianta você querer impor algo nacional. Nós não somos ditadura”, diz Mourão sobre pedido de toque de recolher feito por secretários

Foto: Reprodução

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta terça-feira (2) que ‘não adianta querer impor’ medidas nacionais para restringir a circulação de pessoas e tentar reduzir os casos de Covid-19. Segundo ele, a solução é acelerar a vacinação e realizar de campanhas de conscientização da população.

Mourão fez o comentário após ter sido questionado a respeito da carta escrita pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) que sugeriu medidas urgentes contra o iminente colapso das redes pública e privada de saúde diante do aumento dos casos de Covid-19. Entre as sugestões está um toque de recolher nacional das 20h até as 6h da manhã.

“Cada população tem sua característica, se você analisar o país são cinco países diferentes em um só, o Norte é uma coisa, Nordeste é outra, etc e tal. Então, não adianta você querer impor algo nacional. E aí como é que você vai fazer isso para valer? A imposição? Nós não somos ditadura. Ditadura é fácil, sai dando bangornada em todo mundo”, afirmou ele em entrevista ao chegar ao Palácio do Planalto nesta terça (2).

Para Mourão, a população “cansou” das medidas de restrição e os brasileiros não gostam de ficar em suas residências, preferem sair à rua. O vice-presidente considera que o caminho para redução dos casos da Covid-19 seria realizar uma campanha de conscientização e acelerar a vacinação.

“Acho que tem que haver uma campanha em todos os níveis de conscientização da população. Acho também que tinham que ter alguma atitude em relação ao transporte urbano, acho que nenhum gestor se preocupou muito com isso aí. É por aí. E conseguir acelerar as vacinas. Acelerando as vacinas a coisa anda de forma boa”, afirmou.

Carta do Conass

A carta escrita pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) foi entregue na segunda-feira (1º). No documento, a entidade diz que o Brasil vive o pior momento da pandemia e divulgou medidas que deveriam ser adotadas no país. Em resumo, o Conass afirmou que:

Brasil vive pior momento da pandemia, com patamares altos em todas as regiões.

Falta condução nacional unificada e coerente da reação à pandemia.

É preciso proibir eventos presenciais, inclusive atividades religiosas.

É preciso suspender aulas presenciais em todo o país.

É preciso adotar toque de recolher nacional; fechar bares e praias.

É preciso ampliar testagem e acompanhamento dos infectados.

Deve-se criar um Plano Nacional de Comunicação para esclarecer a população da gravidade da situação.

Situação no país

Um ano após o primeiro caso de Covid-19, o Brasil vive momento crítico, com 255,8 mil óbitos. Segundo consórcio de imprensa, na segunda-feira (1°) a média móvel de mortes nos últimos 7 dias chegou a 1.223, o quinto recorde batido nos últimos seis dias.

Já o balanço da vacinação registra 6,7 milhões de pessoas que receberam a primeira dose (3,2% da população brasileira).A segunda dose já foi aplicada em 2 milhões de pessoas (0,95% da população).

G1

Opinião dos leitores

    1. Sempre o elogiei, mas de vez em quando fala umas besteiras também

      Parecendo Bolsonaro

    2. Falou o adorador de Fidel Castro, Msduro e Lula
      Esquerda é ódio e agressividade.

    3. Esquerda é ódio e agressividade??? kkkkkkkkkkkk falou o adorador de miliciano que só propaga fake news e desfila mentirar e ódio? Alias um dos ídolos de vocês já foi solto???

  1. Não adianta toque de recolher se durante o dia inteiro os transportes públicos estão super lotados.

    Querem impor que a população fique trancafiada e não resolvem o problema efetivamente aonde precisa?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Mourão nega interferência na Petrobras: “Atribuição de Bolsonaro”

 Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB), afirmou na manhã desta segunda-feira (22/2) que a mudança na presidência da Petrobras não se trata de interferência, mas de uma “atribuição do presidente Bolsonaro”.

“Não pô [não é uma intervenção], tá dentro das atribuições do presidente. O mandato do Roberto [Castello Branco] terminava dia 20 de março, poderia ser renovado ou não e a decisão é não renovar. Não vejo forma de intervir nos preços, até pela própria legislação que rege a companhia, que é o que está sendo comentado muito, não vai haver isso. É uma questão de confiança na pessoa que está lá, que o presidente colocou”, justificou.

Questionado se faltava confiança do presidente em Castello Branco, Mourão afirmou que talvez tenha faltado comunicação.

“De 1º de janeiro pra cá, o petróleo aumentou 25%, fruto do inverno mais frio do Hemisfério Norte, e a turma lá queima petróleo para poder se aquecer. No Hemisfério Norte a história é diferente, daí o preço flutua com essas condições internacionais”, disse. “Na minha visão, a solução pra isso seria se a gente conseguisse criar um fundo soberano com base nos royalties do petróleo, e esse recurso, quando tivesse essas flutuações, fosse utilizado para reduzir esse aumento”, completou Mourão.

Com Metrópoles

Opinião dos leitores

  1. Como não negar a interferência do presidente? Ora, se os conselheiros da petrobrás não aprová-lo, todos serão demitidos e o presidente acionará novos conselheiros. E ai? Não há interferência? Ou estou errada? Esclareça-me?!

  2. O estrategista e democrata, melhor presidente da República dos últimos trinta anos Jair Messias Bolsonaro sabe o que faz e está sempre ao lado do povo.

  3. Eu gostaria de ver o nome de Mourão nas pesquisas. Sem sobra de dúvidas o mais preparado para conduzir o destino da nossa nação.

    1. Sem sombra de dúvidas o mais preparado para conduzir o destino da nossa nação.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Mourão vê excessos tanto de Daniel Silveira quanto do STF

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O vice-presidente Hamilton Mourão avaliou nesta quinta-feira (18) à CNN que, no recente caso da prisão do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), houve excessos tanto por parte do parlamentar quanto de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).

“Não se chega ao equilíbrio somando-se os excessos. O deputado seguramente excedeu-se no exercício da imunidade parlamentar. Contudo, isso não autoriza que outros agentes se excedam também, porque assim o sistema de freios e contrapesos fica contaminado”, afirmou Mourão.

General da reserva, o vice-presidente disse também sistema de freios e contrapesos “decorre da separação de poderes e exige a temperança constitucional ante excessos inconstitucionais”. Para ele, o caso gerou uma “crise desnecessária”.

A declaração de Mourão foi a primeira feita por um integrante do alto escalão do governo federal sobre a prisão de Daniel Silveira. Como vem mostrando a CNN, o presidente Jair Bolsonaro foi aconselhado a não se envolver no caso, para evitar atritos com o Judiciário.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Esses nossos militares são muito frouxos viu… francamente…

    "Mourão vê excesso do STF e do deputado"

    Puxa vida, um deles fez um vídeo na Internet, e o outro mandou prender o cara!

  2. Atirou o confiando nos "amigos" se ferrou. Verdade, a melhor opção é o mais sensato de todos é o Mourão. Inteligente, fala só o necessário e sempre pronto pra agir. Bolsonaro não quer ele por perto, pq sabe que o mourão é muito mais capacitado que ele.

    1. Sua opinião é uma piada de péssimo gostos. O general é um homem honrado e acima de tudo, fiel a hierarquia. Um general sabe respeitar o Presidente, mesmo se ele for um semi analfabeto ou uma pessoa destrambelhada que não fala nada com coisa nenhuma, como já aconteceu anteriormente.
      Essa crise entre eles só existe nas fofocas de políticos e jornalistas criadas para jogar um contra o outro. Você acredita mesmo que eles não se entende? Está lendo as notícias erradas e acreditando em quem escreve coisas longe da realidade.

    2. Vc só concordou com o que falei, parece que nao sabe interpretar uma pequena leitura. Em nenhum momento falei alguma coisa de forma negativa em relação ao Mourão, releia o texto pra entender. Inclusive acho ele uns dos mais qualificados que transitam em volta do abestalhado, quero dizer, presidende.
      E quem atirou, com palavras, confiando nos "amigos" foi o deputado, e se ferrou.

  3. Nesse país de MER…pode roubar , matar , estuprar , que NÃO será preso , agora falar mal dos DEUSES MINISTROS DA JUSTIÇA, da cadeia , vontade de VOMITAR , o MAIOR LADRAO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE LULA está aí SOLTO , tem coisa mais absurda e nojenta que esse VERME SOLTO ??

  4. Sinceramente se o Presidente não se envolver é pura covardia. Melhor deixar o STF Governar de uma vez.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

AUXÍLIO EMERGENCIAL: Mourão concorda com Bolsonaro, cita 40 milhões de brasileiros em “situação difícil”, e diz que governo não pode ser “escravo do mercado”

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Depois de o presidente Jair Bolsonaro demonstrar irritação com as reações do mercado ante suas declarações, em live transmitida em suas redes sociais na noite de ontem, o vice-presidente da República Hamilton Mourão disse nesta sexta-feira (12) que o governo federal não pode ser escravo do mercado financeiro.

“Temos 40 milhões de brasileiros que estão em uma situação difícil, ainda estamos na pandemia. O presidente é obrigado a decidir para auxiliar essa gente. Se ele disse que não vai auxiliar, ele vai tomar pau. Se ele diz que vai auxiliar, ele vai tomar pau também. É uma situação difícil”, disse.

Mourão acrescentou ainda que a expectativa do governo é que, em 3 ou 4 meses, o país tenha uma produção de vacina capaz de começar um processo de imunização consistente da população.

A preocupação de investidores a qual se refere Bolsonaro é em relação aos efeitos nas contas públicas que poderá ter uma extensão do auxílio emergencial, findo em dezembro do ano passado. Apesar de a suspensão do benefício, uma nova onda de contaminações de Convid-19 tem trazido a necessidade da renovação das políticas de isolamento, o que deixa os trabalhadores que dependem da circulação de pessoas numa situação difícil.

Novos pagamentos, porém, não cabem no orçamento federal, o que traz a necessidade de um novo orçamento de guerra para que o teto de gastos não seja comprometido. O orçamento de guerra foi uma emenda constitucional aprovada pelo Congresso em maio do ano passado, que separa os gastos com a pandemia do orçamento geral da União.

“Governo e Congresso estão buscando uma solução. Em linhas gerais ou você faz um crédito extraordinário, aí seria o tal do orçamento de guerra, ou corta dentro do nosso orçamento para atender as necessidades. Não tem outra linha de ação fora disso”, disse.

Combustíveis

O vice-presidente comentou também sobre a promessa do presidente de anunciar um projeto que reduza o ICMS, imposto estadual, cobrado nos combustíveis.

“Vai ter que ser decidido dentro do Congresso. É lei, lei tem que ser decidido lá dentro e mexe com os estados. Presidente está buscando uma solução para o preço do combustível que todo mundo que enche o tanque do carro sabe que está um pouco salgado”, disse.

Segundo ele, o avanço dos preços nesse setor é fruto de dois problemas: os preços internacionais, que se recuperaram e, com a desvalorização do real frente ao dólar. No ano passado, a moeda brasileira acumulou perda de quase 30% em relação à moeda americana.

Interferência na Petrobrás

A discussão sobre os preços dos combustíveis também passa por outro temor de investidores, o de uma eventual intervenção na política de preços decidida pela Petrobras. Segundo Mourão, porém, essa não é uma alternativa para o governo.

“O presidente já deixou claro que não vai interferir e não pode. Já tivemos isso no passado e a Petrobras arcou com o prejuízo enorme. Ela não pode atacar, ela tem ação em bolsa”, disse.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Por conta da irresponsabilidade do presidente.
    Tem mais é que arcar com o ônus. E se ficar só no auxílio, ainda está no lucro, pelas irrespomsabilidades de suas ações deveria sair da presidência faz tempo.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

“Presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, minimiza Mourão, sobre ausência em reunião ministerial

FOTO: FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, preferiu não polemizar sua exclusão da reunião ministerial convocada por Jair Bolsonaro nesta terça-feira (9). O encontro, que conta com a presença de 22 dos 23 ministros, não estava na agenda oficial do presidente nesta manhã.

“Não, não fui convidado, não fui chamado. Então acredito que o presidente julgou que era desnecessária a minha presença. Só isso”, afirmou Mourão a jornalistas em Brasília.

Questionado se a situação o deixou desconfortável, Mourão negou. “Não, não estou incomodado, não.”

Bolsonaro tem trabalhado em temas fundamentais para o seu governo como o auxílio emergencial, priorizando a busca de opções para viabilizar uma nova rodada do benefício. Também está na pauta uma solução para o preço dos combustíveis, reivindicação direta dos caminhoneiros.

Os atritos entre o presidente e o vice se intensificaram no fim do mês passado, quando Mourão abordou publicamente o desempenho do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Bolsonaro se irritou, negou a intenção de demiti-lo e se referiu ao general da reserva do Exército de “palpiteiro”.

Mas o episódio que azedou a relação entre dois ocorreu após o site Antagonista ter publicado que o chefe da assessoria parlamentar de Mourão enviou mensagens ao gabinete de um deputado federal falando sobre as articulações em curso no Congresso para um eventual impeachment de Bolsonaro.

Depois de semana de atritos, Mourão sai em defesa de Bolsonaro

O vice, assim que teve conhecimento da notícia, afirmou que o assessor agiu por conta própria e por isso seria demitido.

Para colocar panos quentes na situação, Mourão fez um agrado ao chefe do Executivo, ao escrever, nas redes sociais, em 1º de fevereiro, que não há motivos para a aceitação do impeachment do presidente.

R7

 

Opinião dos leitores

  1. PODEM ANOTAR E GUARDAR O DIA E O MÊS E O ANO DE HOJE, 09/02/2021, EM 2022 O ATUAL VICE PRESIDENTE HAMILTON MORÃO VAI SER A PIOR DOR DE CABEÇA QUE O PRESIDENTE JAIR MESSIAS BOLSONARO JÁ SENTIU NA VIDA, QUANDO FOR FORMADA A CHAPA DA CANDIDATURA A REELEIÇÃO DE BOLSONARO E COM TODA CERTEZA O VICE NÃO VAI SER MOURÃO, COM O QUE ELE SABE DOS BASTIDORES E DOS PODRES DO PRESIDENTE ELE SIMPLESMENTE VAI DETONALO JUNTO COM A OPOSIÇÃO. QUEM VIVER VERÁ.

  2. Mourão se afastando dessa CATERVA, vai ser o único a escapar de ações penais e futuras prisões. Podem aguardar. General Heleno tinha total razão: "se gritar, pega ladrão, não fica um, meu irmão". Ali Babá agora está bem assessorado!

  3. Na atual conjuntura, em que o governo se uniu ao Centrão (aquele mesmo que o general Heleno cantou parodiando uma música conhecida : se gritar pega Centrão, não fica um …), não ser lembrado para participar de uma reunião com o MINTO é até um mérito!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Mourão defende Bolsonaro: “Tem trabalhado incansavelmente para superar os desafios que o século XXI impõe ao Brasil”

FOTO: Reprodução/Twitter

O vice-presidente, Hamilton Mourão, fez um agrado ao chefe do Executivo, Jair Bolsonaro, ao escrever, nas redes sociais, que não há motivos para a aceitação do impeachment do presidente.

“Como Vice-Presidente, afirmo que não há nenhuma motivação para a aceitação de pedido de impeachment do nosso PR @jairbolsonaro, o qual tem trabalhado incansavelmente para superar os desafios que o século XXI impõe ao Brasil”, postou.

Ao hastear a bandeira branca, Mourão engrossa o coro daqueles que tentam demover o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), de aceitar pedidos de impeachment contra Jair Bolsonaro.

Maia se irritou após o DEM ter desembarcado do bloco de apoio à candidatura do deputado Baleia Rossi (MDB-SP) à sucessão da Mesa Diretora, que ocorre hoje.

O presidente da Câmara apoia Rossi, que vem derretendo nas intenções de votos dos colegas. Arhtur Lira (Progressistas-AL), que tem o apoio de Bolsonaro, deve levar a disputa.

Com informações do R7

Opinião dos leitores

  1. Nada Zezinho do Gado, o homem já é doce, lembre do leite moça, vc apesar de ter dito ser casado, sabe lamber, vai lá e lembre de Anita ???????????????????

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *