“Se for uma linha de tendência de aumento, os números dos próximos dias vão aumentar cada vez mais”, diz ministro da Saúde, sobre mortes por Covid-19

Foto: Reprodução

O número de pessoas diagnosticadas com o novo coronavírus no Brasil subiu para 49.492 e o total de mortes chega a 3.313. Os dados foram divulgados pelo Ministério da Saúde na tarde desta quinta-feira. No último balanço do governo, na quarta-feira, o total de infectados chegava a 45.757 e 2.906 mortes confirmadas.

O balanço mostra um aumento de 407 mortes e 3.735 casos em relação ao boletim anterior, de quarta-feira, superando o recorde anterior, de 217 novas mortes e 3.257 novos casos em 17 de abril. Em entrevista coletiva no Palácio do Planalto, o ministro da Saúde, Nelson Teich, comentou o recorde de mortes em um dia:

— A gente não sabe se isso aí representa um esforço de fechar os diagnósticos ou uma linha de tendência de aumento.

O Ministério da Saúde já informou, em outras ocasiões, que os dados costumam ser maiores após fins de semana ou feriados porque nesse período as equipes locais nos estados trabalham em número reduzido e há um represamento do repasse das informações. Os registros, portanto, ficam acumulados e costumam aparecer nos boletins divulgados nos dias úteis subsequentes.

Questionado sobre quando será possível interpretar o incremento de hoje, Teich informou que será necessário acompanhar os próximos dias.

— Se for uma linha de tendência de aumento, os números dos próximos dias vão aumentar cada vez mais. E saberemos que não é um esforço pontual, mas sim uma tendência — disse o ministro.

Os estados com mais mortes foram São Paulo (1.345), Rio de Janeiro (530), Pernambuco (312), Ceará (266) e Amazonas (234).

Os estados com mais casos confirmados foram os mesmos, mas invertendo duas posições: São Paulo (16.740), Rio de Janeiro (6.172), Ceará (4.598), Pernambuco (3.519) e Amazonas (2.888).

Sozinho, o estado de São Paulo representou mais da metade das novas mortes: 211. Quantos aos novos casos, são 826 de São Paulo, 688 do Ceará, 620 do Rio de Janeiro e 409 do Amazonas.

De acordo com o Ministério da Saúde, dos 49.492 pacientes com Covid-19, 26.573 (54%) se recuperaram. Outros 19.606 (40%) estão em acompanhamento. O restante se refere às 3.313 mortes.

O Globo

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ojuara disse:

    O pessoal tá brincando, isso ainda vai fazer um estrago grande.

  2. Manoel disse:

    O aumento de registros foi resultado de acúmulo de mortes ocorridas no fim de semana, segunda-feira e feriado. Aqui no RN foi da mesma forma! E se a tendência for de subida de mortes, não tem quarentena que segure, vide Espanha, Itália e EUA. É o ciclo normal de uma epidemia.

  3. Gorett disse:

    TENHO FÉ EM DEUS QUE NÃO!!!
    ESSA PRAGA VAI SE ACABAR, VAI EMBORA PROS QUINTOS DO INFERNO.
    que seja igual a Fake News lançada no início do mês de abril pelo secretário de Fátima do PT.
    Dizia ele, que até meados de maio, 11.000 potiguares iriam morrer.
    Vão errar, e errar feio.
    Graças a Deus, aqui no Rio Grande do Norte, não aconteceu essa tendência, não aconteceu esse Pico.
    O único PICO que exister no RN, fica entre Lages e Angicos e nada mais, pra desespero, de quem disseminava, o PÂNICO.
    sangue de Cristo tem poder.
    Digam!!!
    Amém.

COMENTE AQUI