Covid-19: Em Natal, dos 2.258 casos positivos, 1.087 estão em quarentena, 925 curados e 87 óbitos

Foto: Divulgação

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal (SMS-Natal) apresenta balanço dos números dos casos da Covid-19 até às 14h dessa quinta-feira (28/05). Dos 2.258 casos confirmados, 159 estão internados, 1.087 em quarenta domiciliar, 87 foram a óbito e 925 estão recuperados, ou seja, liberados da quarentena domiciliar.

“De acordo com o protocolo do Ministério da Saúde, um paciente sintomático deve permanecer em quarentena por 14 dias. Após esse período, o isolamento pode ser interrompido se não apresentar mais nenhum sintoma. Se o paciente permanecer sintomático, deve manter o isolamento até 72h após os sintomas desaparecerem”, esclarece Juliana Araújo, diretora do Departamento de Vigilância da SMS-Natal.

PESQUISA NO RN: 46% não confiam em nenhum administração no combate ao coronavírus; 19,5% confiam no Governo Federal; 11,5% no Estado e 11,3% na Prefeitura

Pesquisa realizada faz comparação com a anterior, há 15 dias. Foto: Reprodução/Pesquisa na Hora/Interjato

O Pesquisa na Hora – do grupo Interjato – é uma plataforma de coleta de dados de maneira sistematizada, através de aplicativos e ligações telefônicas para todo o Brasil. Apresenta resultados rápidos sobre temas de relevância, auxiliando a tomada de decisões nas empresas, órgãos
públicos e organizações que se interessem em pautar suas atividades ou monitorar suas ações de maneira estratégica.

A pesquisa foi realizada através de contatos telefônicos a partir de uma base própria do Estado do Rio Grande do Norte utilizando a técnica de amostra aleatória simples. A estratificação é por região geográfica realizada a partir do CEP associado a cada contato telefônico. O levantamento dos dados foi realizado entre os dias 25 e 26/05/2020.

• Universo: Eleitores do estado do Rio Grande do Norte

• Amostra: 861 entrevistas

• Margem de erro: A margem de erro para esse estudo é de +/- 3,4 % para os resultados totais da amostra.

• Intervalo de confiança: Considerando-se o erro amostral, foi estabelecido o intervalo de confiança (ou seja, limites para mais e para menos em relação ao valor obtido) de 95,5% para p=q=0,5.

• Na apresentação final do resultado da pesquisa os dados foram normalizados para os parâmetros populacionais através da técnica da ponderação. A fonte pública dos dados foram informações do eleitorado atual fornecidas pelo TSE. As ponderações aplicadas foram referentes à Sexo (Masculino: 47%; Feminino: 53%), Idade (16-24 anos: 16,2%; 25-44 anos: 43%; 45-59 anos: 23,8%; 60 ou +: 17%), Grau de instrução (Não frequentou a escola: 7%; Frequentou o ensino fundamental: 42%; Frequentou o ensino médio: 37%; Tem curso superior completo ou incompleto: 14%) e Mesorregião (Agreste Potiguar: 14%; Central Potiguar: 14%; Leste Potiguar: 45%; Oeste Potiguar: 27%). Nas tabelas poderá haver variação para mais ou para menos nas variáveis ponderadas.

RN registra 6.463 casos de coronavírus, com mais de 14 mil suspeitos, 12.552 descartados e 267 mortes; 12 óbitos a mais que o último boletim

Foto: Reprodução/Yotube

A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou os números do coronavírus no Rio Grande do Norte, no fim da manhã desta sexta-feira(29). Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia.

O número de casos confirmados chega a 6.463, enquanto eram 5.630 no boletim dessa quarta-feira(27) – o último divulgado, com acúmulo de números com dados de quinta-feira(28). 833 casos a mais.

O total de vítimas do covid-19 no RN chega a 267–  (12) óbitos a mais que a atualização do boletim dessa quinta-feira. Dessas doze vítimas, sete foram registradas nas últimas 24 horas.

Os casos suspeitos chegam a 14.905. Descartados somam 12.552. Recuperados são 1410(de acordo com números dessa quarta-feira – em atualização).

RN tem a segunda maior taxa de contágio de coronavírus do Brasil, mostra levantamento

Foto: Reprodução/O Globo/PUC-Rio

Apesar de o Brasil ter registrado mais de 400 mil casos e 25 mil mortes por Covid-19 nessa quarta-feira, prefeitos e governadores planejam a retomada da economia e medidas menos rigorosas de isolamento. Uma pesquisa sobre a taxa de contágio do coronavírus pelo país mostra que ela ainda é alta, apesar de ter caído.

Na última semana, cada brasileiro infectado transmitiu o vírus em média para mais 1,9 pessoa (ou seja, cada dez doentes infectam 19 brasileiros), índice ainda muito longe do 1,0 necessário para estabilizar a epidemia.

Os números foram estimados pelo grupo Covid-19 Analytics, do qual participa a PUC-Rio.

De 2,53 em 1º de maio, o número básico de reprodução (que indica a taxa de espalhamento do vírus e é representado em estudos pela variável R) chegou a 1,92 no domingo, o que ainda é considerado preocupante pelos epidemiologistas.

Quando se avalia este índice por estado é possível ter uma radiografia mais fiel do estágio em que a doença se encontra no território. As taxas mais alarmantes de crescimento estão em estados onde a epidemia ainda não avançou tanto. Hoje, os maiores índices de R estão na região Centro-Oeste e numa faixa do Norte e do Nordeste.

Ninguém possui uma taxa tão alta quanto Goiás. Por lá, cada habitante diagnosticado com Covid-19 aparentou contaminar em média 5,63 pessoas durante o período de infecção. A curva do estado está em franca evolução. No último dia 8 (ou seja: há menos de três semanas) o R era de 1,19.

No Rio Grande do Norte (segunda maior taxa conforme mapa neste levantamento), a ascensão também chama a atenção. Neste mesmo período, o índice subiu de 1,9 para 4,88. Já o Mato Grosso do Sul viu o índice saltar de 0,81 em 30 de abril para 4,93 em 15 de maio. Nos últimos dias, a taxa sofreu leve queda, mas se mantém como uma das mais altas do pais: 3,81.

É esperado que estados com a epidemia de início mais recente tenham número crescendo mais rápido, dizem os cientistas.

— Goiás tem menos de 3 mil casos registrados. A tendência é de, quando chegar num patamar maior, este número começar a baixar. Está com menos de 400 casos por milhão de habitantes. Quando os casos estão muito baixos, não chega a ser tão preocupante — afirma Gabriel Vasconcelos, pesquisador da Universidade da Califórnia e membro do Covid-19 Analytics. — O problema é se esse índice se mantiver alto por um longo período.

(mais…)

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Delano disse:

    Será se a PF acordar a guvernadora, começa a baixar isso?

Coronavírus: Câmara Municipal de Natal prorroga suspensão de atividades até 30 de junho

A Câmara Municipal de Natal, através da sua Mesa Diretora, prorrogou a suspensão de todas as atividades presenciais legislativas e administrativas até o dia 30 de junho. O ato foi publicado no Diário Oficial do Município desta quinta-feira (28) e entra em vigor a partir do dia 30 de maio de 2020. A medida foi tomada em decorrência do aumento de casos do novo coronavírus (Covid-19) no Rio Grande do Norte e está em consonância com as orientações das autoridades de Saúde e as ações de combate à propagação da doença.

O ato da Mesa Diretora tem como objetivo resguardar a saúde de servidores, parlamentares, prestadores de serviço e cidadãos que frequentam o Legislativo natalense, quando em funcionamento. Outro objetivo da medida é dar continuidade à produção legislativa durante a pandemia, com a apreciação, inclusive, de matérias que possam auxiliar no combate ao vírus.

O novo decreto transfere o horário das Sessões Ordinárias, que passam a ser nas terças e quintas-feiras, das 14h às 18h, e serão compostas unicamente de Ordem do Dia e terão a pauta pré-definida pela Presidência, com disponibilização no site institucional com antecedência mínima de 24 horas, sendo dispensada a leitura da matéria no expediente da sessão anterior.

“Essa medida é importante para mantermos o bem-estar e a proteção dos nossos servidores e parlamentares, diante do quadro de avanço da Covid-19 na cidade. Precisamos manter a responsabilidade, tendo em vista que nesse momento, o importante é a manutenção da vida. Ao final desse decreto iremos avaliar o atual cenário do novo coronavírus na cidade e caso for necessário, prorrogaremos novamente. Vamos manter a vigilância e as orientações dos órgãos de saúde”, ressaltou o presidente da casa, vereador Paulinho Freire (PDT).

RN registra 255 mortes por coronavírus; nas últimas 24 horas,13 óbitos confirmados do período entre os dias 16 a 27

Foto: Reprodução/Youtube

Em decorrência de um problema no banco de dados, a Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou no fim da manhã desta quinta-feira(28), somente o número de mortes por coronavírus no Rio Grande do Norte. Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia.

Conforme atualização, o Rio Grande do Norte registra 255 óbitos, sendo 13 nas últimas 24 horas, confirmados no período que vai do dia 16 ao dia 27. Os demais dados, como casos confirmados, suspeitos e descartados serão divulgados ao fim do dia.

Prefeitura de Ceará-Mirim investe em ações de conscientização sobre o Coronavírus

Abertura de novos postos, blitz de conscientização, barreiras sanitárias, entrega de máscaras e instalação de pias em locais públicos são partes das ações adotadas. Durante a atual pandemia, a Prefeitura Municipal de Ceará-Mirim tem investido em diversas ações para fortalecer sua rede de saúde, como também para conscientizar a população sobre o novo Coronavírus. Para oferecer atendimento médico de qualidade e garantir que a população tenha acesso a saúde, só nos últimos dias a Prefeitura inaugurou três Unidades Básicas de Saúde (Vale do Amanhecer, Caiana e Boa Vista).

Além disso, são feitas barreiras sanitárias em direção ao litoral e blitzen de conscientização com entrega de máscaras, cartilhas educativas e aplicação de álcool 70% para higiene das mãos, feitas em vários pontos estratégicos da cidade. Com o intuito de levar informação para população, diariamente estão sendo realizadas lives educativas com a temática da COVID-19 e seus desdobramentos.

Reforçando a importância de ações como essa, o prefeito Júlio César comenta. “Aliada a todas as medidas já adotadas como a instalação de pias em diversos lugares públicos para que a população tenha acesso à higienização adequada, desinfecção das ruas e locais com maior circulação de pessoas, entrega de máscaras e aplicação de álcool, estamos desenvolvendo outras estratégias para evitar o avanço do vírus em nossa cidade.” As ações fazem parte da campanha “Ceará-Mirim unida contra o Coronavírus”.

Fumante com coronavírus tem 14 vezes mais chances de morrer

Foto: © Marcelo Camargo/Agência Brasil

As pessoas fumantes, infectadas com o novo coronavírus (covid-19), têm 14 vezes mais chances de morrer do que as não fumantes. O alerta é da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp), que esta semana lançou em seu site uma campanha voltada à conscientização sobre os perigos de fumar.

“O fato de os fumantes estarem mais propensos às infecções virais e a probabilidade de morte 14 vezes maior quando a covid-19 infecta fumantes, de acordo com estudos realizados, faz deste um bom momento para se pensar em tratamentos antitabagismo”, ressalta o presidente da entidade, João Fernando Monteiro Ferreira.

Segundo a associação de cardiologistas, o tabagismo enfraquece o sistema imunológico e torna mais lenta a reação do corpo às infecções. A capacidade pulmonar reduzida, comum em fumantes, também aumenta o risco de desenvolver as formas mais graves das infecções. “Trata-se da principal causa evitável de morte e encurta a vida de homens em dez anos e de mulheres em 12 anos”, disse o presidente da entidade.

De acordo com a entidade, o Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking mundial de tabagistas, são 7,1 milhões de mulheres e 11,1 milhões de homens fumantes. No entanto, o número de brasileiros que mantém o hábito de fumar caiu 38% nos últimos anos. Em 2019, 9,8% afirmavam ter o hábito de fumar, enquanto em 2006 o índice era de 15,6%.

Agência Brasil

‘Morrer de fome ou de vírus’: o dilema de milhões de pessoas, diz economista

Foto: Alex de Jesus/O Tempo

A economista Dalia Maimon Schiray afirma que milhões de pessoas no mundo enfrentam a opção de “morrer de fome ou morrer de vírus” e destaca a necessidade de expandir iniciativas comunitárias e auxílios estatais para enfrentar a pandemia da Covid-19.

Sem essa ação, as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) permanecerão reservadas para as “classes médias”, disse Maimon, coordenadora de pós-graduação do Laboratório de Responsabilidade Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em entrevista à AFP.

P: Quais são as dificuldades para generalizar o confinamento social no Brasil?

R: Um relatório recente da OIT mostra que existem 1,7 bilhão de pessoas no mundo trabalhando no setor informal, e que para essas pessoas existe uma contradição entre morrer de fome ou morrer do vírus. Se morrer de fome para mim é certo, vou arriscar de não me contaminar pelo vírus e vou trabalhar. As medidas recomendadas pela OMS contra a COVID-19 são principalmente para as classes médias.

Como podemos falar de isolamento social quando a população tem apenas o trabalho como fonte de renda? Temos que ter política de renda, para que as pessoas fiquem em casa. O governo deu 600 reais durante três meses para 50 milhões de brasileiros, mas esse dinheiro não é suficiente para sobreviver. E como vão lavar as mãos as milhões de pessoas que não têm água em seu domicílio?

P: As favelas são as áreas de maior risco?

R: No Brasil 13,6 milhões de habitantes vivem em favelas (…) e cerca de 95% dependem do trabalho para sobreviver. Há uma grande densidade populacional, residências separadas por becos, e grande número de pessoas vivendo no mesmo cômodo. A probabilidade de contaminação é, portanto, maior.

Uma favela, Santa Marta, fez higienização das ruas, e isso evita o contágio. Isso é o que precisa ser feito pelo governo em todas as favelas. No caso do Rio de Janeiro, as favelas são empoderadas com presença de organizações sociais, têm líderes comunitários, [algumas] têm projetos com financiamento internacional e trocam de experiências. Não é o caso da população pobre do interior do país. Como vai levar cesta de alimentos para o interior?

Outro problema, é a educação a distância adotada pelas escolas públicas, porque muitas comunidades não tem internet gratuita. Deveriam pelo menos criar um ou dos pontos para permitir o aceso gratuito. O discurso que ouve em muitas favelas, é para que o setor público invista nelas.

P: No mês passado, o então ministro de Saúde Luiz Henrique Mandetta falou que para combater o coronavírus nas favelas, tem que ter “diálogo” com as milícias ou traficantes que controlam muitas delas. Como você vê isso?

R: Para entrar nessas favelas, tem que passar por eles. Os traficantes não tem contradição com o confinamento. Os milicianos provavelmente sim, porque eles tiram uma porcentagem do comércio local.

O Tempo, via AFP

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Felipe disse:

    Mal colocado isso, a fome atinge a todos da classe baixa, a doença tbm , mas a morte decorrente da doença não acontece a todos, se 80% sai assintomáticas, 20% são sintomáticos, destes, apenas a minoria agrava ao ponto de falecimento.

  2. Antonio Turci disse:

    Para matar a Pandemia tem que deixar a Economia viver.

  3. Papa Jerry Moon disse:

    Ou morrer de raiva dessa política e dos políticos.

Coronavírus: ratos ficam ‘agressivos’ por falta de comida nos EUA

(Foto: Getty Images)

O fechamento de restaurantes e outros estabelecimentos ligados ao setor de alimentação, como parte das medidas adotadas para conter a propagação do novo coronavírus, alterou completamente a rotina e o comportamento de uma parcela específica dos moradores das cidades americanas: os ratos.

Segundo um alerta lançado na semana passada pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, agência de pesquisa em saúde pública ligada ao Departamento de Saúde (CDC), os roedores, em busca de comida, poderão apresentar “comportamento incomum ou agressivo”.

De acordo com o CDC, o fechamento dos restaurantes levou à diminuição no volume de alimentos disponível para a população de ratos, especialmente em zonas comerciais.

“Roedores dependem da comida e das sobras desses estabelecimentos”, diz o comunicado publicado no site da agência.

Famintos, eles estão buscando novas fontes de comida, o que tem provocado, segundo o CDC, um aumento na sua atividade.

“Programas de saúde ambiental e controle de roedores devem observar um aumento nas requisições de serviços relacionados a roedores e relatos de comportamento incomum ou agressivo”, alerta a agência.

Segundo Robert Corrigan, um dos principais especialistas em roedores dos Estados Unidos, o comportamento agressivo não é em relação a humanos, e sim a outros ratos ou até mesmo a propriedades, em busca de frestas para que possam entrar e encontrar comida.

“Não (significa que irão) atacar ou morder pessoas”, diz Corrigan à BBC News Brasil.

Canibalismo

Enquanto para ratos que vivem em zonas residenciais não houve grandes mudanças durante a pandemia de COVID-19 (a doença causada pelo novo coronavírus), as populações de roedores em áreas comerciais ou turísticas têm sofrido com as restrições.

Em grandes cidades, como Nova York, essas colônias de ratos costumam encontrar abundância de alimentos nas lixeiras próximas a restaurantes, bares e hotéis, principalmente à noite, após o fechamento dos estabelecimentos, quando o lixo da cozinha é levado para a rua.

Mas, como desde meados de março, a maioria desses estabelecimentos fechou completamente ou passou a operar somente em sistema de tele-entrega ou retirada no local, essa fonte de comida desapareceu.

Desesperados, os roedores estão atacando outros ratos, até mesmo dentro de suas próprias colônias.

“Um rato faminto vai ficar muito agressivo com outros ratos”, salienta Corrigan, que atua como consultor especializado no controle de roedores para empresas e departamentos de saúde ao redor dos Estados Unidos e em outros países.

Corrigan diz que, em áreas onde os ratos costumavam encontrar alimentos facilmente e agora a comida desapareceu, especialistas têm observado evidências desses ataques e de canibalismo, que são comuns em situações extremas de fome, como a atual.

“Eles estão atacando uns aos outros, matando e comendo uns aos outros. E, se há filhotes nos ninhos, vão matá-los e comê-los”, afirma.

Relatos em diferentes cidades

Mudanças no comportamento da população de ratos vêm sendo documentadas em várias cidades americanas desde o início da pandemia, quando as regras de distanciamento social deixaram as ruas vazias.

Geralmente com hábitos noturnos e com movimentação restrita à área próxima a suas tocas, os roedores agora estão mais ousados, se aventurando em distâncias mais longas, explorando novas regiões, mesmo durante o dia.

No final de março, depois que os turistas já haviam ido embora de Nova Orleans e os moradores estavam em quarentena, as redes sociais e a imprensa americana mostraram imagens de dezenas de ratos circulando livremente pela Bourbon Street, principal rua da zona turística da cidade.

Na época, a prefeita, LaToya Cantrell, declarou que o fechamento dos restaurantes estava “levando nossos roedores à loucura”.

Em Chicago, a imprensa local relatou no mês passado que as centenas de milhares de ratos que vivem na cidade estavam se aventurando mais longe e durante o dia em busca de comida, em um comportamento atípico.

Na capital americana, Washington, a prefeitura recebeu mais de 800 ligações ligadas a problemas com roedores nos últimos 30 dias.

Recomendações

Com essas mudanças de comportamento, especialistas alertam que é possível que algumas áreas residenciais que antes não registravam a presença de roedores passem a enfrentar o problema.

Apesar de não haver indicação de que possam transmitir a covid-19, ratos podem transmitir dezenas de outras doenças aos seres humanos, por meio do contato destes com fezes, urina e saliva dos roedores e, de forma indireta, por pulgas ou carrapatos que tiveram contatos com ratos.

O CDC diz que os moradores e proprietários comerciais devem adotar medidas para “eliminar condições que possam atrair e sustentar a presença de roedores”, como vedar o acesso às casas, remover entulho e vegetação pesada, manter o lixo em recipientes fechados e retirar dos pátios a ração para animais de estimação e pássaros.

Corrigan ressalta que, quando há ratos em uma área, é sinal de que há comida. “Geralmente é porque estamos depositando o lixo de maneira incorreta”, afirma.

Ele diz que sua receita para evitar a presença de ratos é simples. Primeiro, é preciso assegurar que nenhum rato ou qualquer outro animal conseguirá ter acesso ao lixo. Em segundo lugar, procurar e vedar frestas embaixo das portas.

A escassez de comida também deve facilitar a captura de roedores, atraídos pelas iscas, e algumas cidades, como Nova Orleans, anunciaram que estão aumentando o número de armadilhas.

Mas Corrigan afirma que, apesar das dificuldades atuais, a população de ratos nas cidades afetadas deve se recuperar rapidamente assim que restaurantes, hotéis e outros estabelecimentos voltarem a funcionar.

“Eles são muito resilientes”, afirma.

BBC Brasil

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Pedro disse:

    Verdade Irani Gomes, a mais pura verdade.

  2. Zurc disse:

    E no Brasil???

  3. Gabriel disse:

    E no Brasil???

  4. Júnior disse:

    E no Brasil???

  5. Irany Gomes disse:

    Já aqui no Brasil, os ratos políticos, e principalmente as ratazanas Petralhas, estão fazendo a festa, com o dinheiro destinado ao combate do covid19.

    • sps disse:

      Gente, pra que essa agressividade? Onde está a civilidade? Sempre vai existir esquerda, direita, centro, extremistas, mas não podemos esquecer que somos seres humanos e, como tal, temos que ter ações e reações humanas. Chega de tanto ódio!!! Vamos dá um basta nisso e seguir com opiniões, críticas e sugestões com civilidade, não com negacionismo. Olhemos um ao outro. Queremos o bem para o nosso país. Cada um com sua opinião, mas com sincero respeito. Basta de agressões e violência. Sigamos em paz e acima de tudo com fé, que as coisas irão mudar para melhor se nos unirmos. Caso contrário será catastrófico para todos. Chega!

    • Jb disse:

      Pq so visam o pt sao tds . De a az so mudam as siglas e os numeros. Todos tem a mesma missao iludir os cidadãos e surrupiar os cofres do brasil.

  6. Enir Dias disse:

    Sempre assisto o blog de BG. Querem calar o povo de dar opiniões. No Brasil é um país democrático? Se for é para uns e outros não? Caso me critiquem não é . Caso me elogiam é. É assim.

Covid-19: Oeste e região metropolitana de Natal registram lotação em leitos

Foto: Reprodução/Youtube

A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou os números do coronavírus no Rio Grande do Norte, no fim da manhã desta quarta-feira(27). Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia. Sobre a situação da ocupação de leitos, a situação continua delicada.

Mossoró e região metropolitana de Natal registram ocupação máxima dos leitos, enquanto no Seridó representa 81% e o Alto Oeste(50%).

O Rio Grande do Norte registra 158 novos casos de coronavírus, no total de 5.630, com mais de 14 mil suspeitos, 11.207 descartados, e 242 mortes. Nas últimas 24 horas atualizam 22 óbitos Vítimas foram confirmadas ao decorrer dos dias – no período do dia 20 até este momento.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flavia disse:

    O hospital regional de Pau dos Ferros tem apenas 08 leitos destinados a pacientes de covid, sendo 04 clínicos e 04 UTI.
    Óbvio que seria assim.
    Nada foi feito pelo governo Fátima Bezerra, para ampliação de leitos.
    A situação da saúde estadual que já era crítica, agora com a pandemia e sem atuação eficaz do governo, entrou em colapso.
    Lamentável

  2. Sonia disse:

    Quando é que podemos considerar que essa curva de fato aconteça. É preciso esclarecer a população.
    A espera desta curva que nunca chega só nos torna mais ansiosas (os), assistindo nossos ente queridos (as) realizando a Páscoa definitiva sem que possamos fazer nada.

  3. Alexandre Moura disse:

    Esse Cipriano Maia só aparece em público para tocar o terror, sempre com seu pessimismo, pense em um cara com negatividade é esse secretário. Acorda RN!

  4. Jailson disse:

    Estamos sem ministro da saúde há mais de 10 dias no meio da pior crise de saúde pública do século

  5. Francisco disse:

    Esse devia ter escolhido outra profissão, e não de médico, ô sujeitinho pra gostar de anunciar desgraças.

  6. Cigano Lulu disse:

    Eita, vai faltar leito para internar esse robozinho grisalho.

RN registra 158 novos casos de coronavírus, no total de 5.630, com mais de 14 mil suspeitos, 11.207 descartados, e 242 mortes; últimas 24 horas atualizam 22 óbitos

Foto: Reprodução/Youtube

A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou os números do coronavírus no Rio Grande do Norte, no fim da manhã desta quarta-feira(27). Na ocasião, falou o secretário de saúde do Rio Grande do Norte, Cipriano Maia.

O número de casos confirmados chega a 5.630, enquanto eram 5.472 no boletim dessa terça-feira(26). 158 casos a mais.

O total de vítimas do covid-19 no RN chega a 242–  (22) óbitos a mais que a atualização do boletim dessa terça-feira. Vítimas foram confirmadas ao decorrer dos dias – no período do dia 20 até este momento.

Os casos suspeitos chegam a 14.035. Descartados somam 11.207. Recuperados são 1410(de acordo com números dessa terça-feira – em atualização).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Flávio disse:

    Com esta oscilação de casos, vai ficar difícil, de se tomar alguma decisão.
    E nem sabemos em qual fase da epidemia estamos !

    • Maria Carmem disse:

      O grande Problema no nosso estado é que citam o número de mortes nas últimas 24 horas, mas a verdade é que o resultado das mortes são de outros dias atrás, apenas a confirmação dos testes é que está atrasado.

  2. Sandra disse:

    Cadê o hospital de campanha??
    Cadê a grana do governo federal??

Coronavírus: os países onde os brasileiros não podem entrar no momento

Foto: Getty Images

A partir desta quarta-feira, 27 de maio, estrangeiros que tenham passado pelo Brasil nos 14 dias anteriores não poderão entrar nos Estados Unidos.

A medida foi tomada para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus. O governo americano diz que pessoas que tenham estado no território brasileiro são uma “ameaça” à sua segurança nacional.

A decisão foi tomada depois de o Brasil ultrapassar a Rússia e se tornar o segundo país do mundo com o maior número de casos: são 363,2 mil até agora, de acordo com a Universidade Johns Hopkins.

A disparada das infecções no Brasil foi um dos principais motivos que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a afirmar que a América do Sul é o novo epicentro da pandemia.

Os Estados Unidos seguem como o país mais afetado no mundo, com 1,6 milhão de casos e 98 mil mortes. Com mais de 22,6 mil óbitos, o Brasil é o sexto em número de fatalidades.

“Há quem aponte que os Estados Unidos até demoraram em implementar essa restrição”, afirma Carolina Moehlecke, professora de Relações Internacionais da Fundação Getúlio Vargas (FGV). “Dado o desenvolvimento dos números da epidemia no Brasil, isso poderia ter acontecido antes.”

Um dos fatores que podem ter contribuído para essa demora é o esforço do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) de se aproximar e se alinhar com o governo de Donald Trump.

“Mas essa relação especial não foi suficiente para evitar a imposição dessa restrição. Se havia expectativa do governo brasileiro que essa proximidade bastaria, ela foi frustrada”, diz Moehlecke.

Maioria dos países adotam restrições

No entanto, não se trata de uma medida excepcional por parte dos Estados Unidos, que já havia imposto a mesma limitação a pessoas vindas de outras partes do mundo. Também não é algo inédito em outros países.

A princípio, a OMS não indicava haver necessidade de restringir viagens ou fechar fronteiras por causa do coronavírus.

Mas a partir do momento em que foi declarada uma pandemia e ficou claro que as viagens internacionais tiveram um papel crucial na propagação da covid-19, mais e mais nações adotaram medidas do tipo.

Há países que fogem à regra, como o México e o Reino Unido, onde não está em vigor nenhuma restrição do tipo, ou a Coreia do Sul, onde há apenas algumas limitações relacionadas à China.

Mas, atualmente, a maioria dos países do mundo fechou suas fronteiras para estrangeiros — em geral ou de determinadas nacionalidades —, segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês), ou suspendeu os voos internacionais,

Isso inclui o próprio Brasil, onde as fronteiras estão fechadas desde 27 de março e permanecerão assim até pelo menos o fim de junho.

“Na história recente, não houve no mundo restrições tão amplas e por períodos tão longos”, diz Moehlecke.

E devemos esperar que essas medidas persistam por algum tempo, na avaliação da professora da FGV, mesmo que não de forma contínua.

“Os países devem fechar e abrir fronteiras no futuro próximo para conseguir controlar as taxas de contaminação e mortes conforme o comportamento do vírus. Haverá mais restrições temporárias enquanto não houver uma vacina pronta para ser aplicada em larga escala.”

Confira a seguir alguns dos destinos onde os brasileiros não podem entrar neste momento, salvo algumas exceções, como para quem é residente no país em questão — e, mesmo nestes casos, quem ingressa é normalmente obrigado a passar por uma quarentena.

Estados Unidos: não permite a entrada de estrangeiros que venham do Brasil, da China, do Irã, do Reino Unido, da União Europeia.

Canadá: a entrada de estrangeiros está proibida.

União Europeia: o fechamento das fronteiras para estrangeiros foi prorrogado até 15 de junho.

Japão: não permite a entrada de estrangeiros que venham de dezenas de países, entre eles o Brasil.

China: não permite a entrada de estrangeiros no país.

Índia: os voos internacionais para o país estão suspensos.

Austrália: não permite a entrada de estrangeiros.

Nova Zelândia: não permite a entrada de estrangeiros.

Argentina: as fronteiras estão fechadas para estrangeiros.

Uruguai: os voos internacionais estão suspensos.

Chile: estrangeiros não podem entrar no país.

Paraguai: os voos para o país estão suspensos.

Bolívia: as fronteiras do país estão fechadas para estrangeiros.

Peru: as fronteiras do país estão fechadas para estrangeiros.

Venezuela: os voos internacionais estão suspensos.

Equador: os voos para o país estão suspensos.

Colômbia: os voos para o país estão suspensos.

BBC Brasil

 

RN registra 698 casos de coronavírus, no total de 5.472, com 13.146 suspeitos, 10.670 descartados e 220 mortes; nas últimas 24 horas, oito óbitos confirmados

A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou os números do coronavírus no Rio Grande do Norte, no fim da manhã desta terça-feira(26).

O número de casos confirmados chega a 5.472, enquanto eram 4.774 no boletim dessa segunda-feira(25). 698 casos a mais.

O total de vítimas do covid-19 no RN chega a 220–  (08) óbitos a mais que a atualização do boletim dessa segunda-feira.

Os casos suspeitos chegam a 13.146. Descartados somam 10.670. Recuperados são 1410(de acordo com números dessa segunda-feira – em atualização).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Marcelo disse:

    Acredito que as pessoas fazem coleta para os exames de covid-19, daí, falta o reagente, entram na contagem de " casos suspeitos", nesse período de falta de reagentes, poucos casos confirmados, daí, chega o regente, e o número de casos confirmados, sobem feito foguete! Não sei se está correta esta percepção!

  2. povão disse:

    LOCKDOWN URGENTE!!!

  3. Flávio disse:

    Infelizmente devido a grande oscilçao de números, a sociedade não tem como saber avaliar a situação atual.
    Em um dia temos 89, em oitro 149, em outro 200 e tantos., depois cai para 100 e segue o baile.

    • Sonia disse:

      Pois é, essas informações só cresce as crises de ansiedade, na busca dessa curva que dia após dia, não chega. Estamos vivendo um pesadelo sem fim.

  4. Romero Cezar da Câmara disse:

    Tinha aumentado 1000 vezes e agora erra por menos de 62 vezes. A gripinha do Bozo, Trump e do Boris é fortinha. Incrível: os três cavalheiros do apocalipse. Os três com mais e contágio e em breve em mortes.

Comissão da Câmara Municipal de Natal defende unidades de saúde exclusivas para pacientes com Coronavírus

A Comissão Especial de Fiscalização dos Atos do Poder Executivo de Enfrentamento à Pandemia causada pelo coronavírus (COVID-19) esteve reunida nesta segunda-feira (25), no plenário da Câmara Municipal, para deliberar sobre temas referentes à pandemia do Coronavírus no município de Natal.

Em pauta, a sugestão dos vereadores para que a Secretaria Municipal de Saúde crie unidades de saúde específicas para o recebimento exclusivo de pacientes com Covid-19. O presidente da Comissão, vereador Fernando Lucena (PT), defende a criação de 10 ou 12 unidades com este perfil. “Hoje, na mesma recepção tem pessoas com dengue, com problema cardíaco e com coronavírus, ou seja, eles estão lá no mesmo ambiente sendo contaminados e outros contaminando. Além disso, tem pessoas doentes em casa, com outras doenças, com medo de ir para a UPA e pegar coronavírus. É isso que nós queremos evitar”, explicou.

Responsável pelo setor de Atenção Básica da Secretária Municipal de Saúde, Laís Onofre, presente virtualmente na reunião, explicou que, atualmente, as 60 unidades de saúde de Natal recebem pacientes com sintomas de coronavírus e defendeu o atendimento de portas abertas. “Todas as unidades básicas são porta de entrada para os pacientes que apresentam sintomas. Todas elas têm salas específicas pra atender pacientes sintomáticos. E dentro da realidade atual, uma unidade por zona específica para atender só pacientes com Coronavírus não suportaria a demanda”, explicou a técnica.

Como alternativa, os membros da Comissão lançaram a sugestão da abertura de alas específicas para esses pacientes no Hospital de Campanha e no Hospital Municipal. O tema será discutido novamente na próxima reunião do grupo que acontecerá na próxima segunda-feira (01 de junho).

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Empresário Sofredor disse:

    Excelente ideia!

  2. Leonardo disse:

    Dizer que o município tem que criar é o mais fácil. Deveria ir com um projeto pronto, com uma solução por escrito, um projeto concreto. E não ficar somente no campo da falácia. O que o município tem que fazer é estruturar as unidades de saúde para receber os pacientes com suspeita de coronavírus. Acredito ser o caminho mais fácil. Apresente um projeto por escrito nesse sentido. Coloca os assessores para trabalhar. Ficar só falando, sem nada concreto, só tumultua. Não ajuda e ainda atrapalha.

Covid-19: Sindicato dos Bancários anuncia fechamento temporário da Caixa Econômica da Maria Lacerda por descumprimento de orientações de segurança em saúde

A Caixa Econômica Federal continua descumprindo as recomendações da Organização Mundial de Saúde quanto aos procedimentos a serem adotados quando há confirmação de casos do novo coronavírus. A agência da vez é a da Maria Lacerda, em Nova Parnamirim, que será fechada nesta terça-feira, 26, pelo Sindicato dos Bancários do RN.

“Cada vez que um banco insiste em descumprir as orientações internacionais de segurança em saúde, centenas de pessoas são expostas ao risco. As agências da Caixa vêm recebendo um número excessivo devido ao pagamento do auxílio emergencial. As aglomerações são constantes. Manter as agências abertas com os mesmos trabalhadores que mantiveram contato com o colega infectado é um crime contra a população do estado”, destacou o sindicato.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Antonio Turci disse:

    BG, convide, se possível, uma autoridade que nos esclareça sobre este assunto. Eu, particularmente, não sabia que Sindicato teria tanto poder.

  2. J.Dantas disse:

    Sindicatos estão com poder de "Puliça" no RN… Viva a ditadura "incarnada" chinesa kkkkkkk Cadê a "Puliça" antifascista da nossa governadora?? Cada Estado e Município durante a crise do coronavírus receberam emancipação da federação e se tornaram países totalitários independente da federação… Graças ao stf… Parabéns!

  3. LULADRÃO disse:

    Tá de brincadeira? Sindicato pode fechar agência?