CCJ pode votar cotas para negros em concursos nesta quarta

A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) pode votar, nesta quarta-feira (7), projeto de lei da Câmara (PLC 29/2014) que reserva 20% das vagas oferecidas em concursos públicos federais a candidatos negros e pardos. A proposta foi apresentada pelo Poder Executivo e aplica a reserva de vagas a órgãos da administração pública federal; autarquias; fundações e empresas públicas; e sociedades de economia mista controladas pela União.

Para concorrer a essas vagas, os candidatos deverão se declarar negros ou pardos no ato da inscrição do concurso, conforme o quesito de cor ou raça usado pela Fundação Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). O PLC 29/2014 determina ainda a adoção da cota racial sempre que o número de vagas oferecidas no concurso público for igual ou superior a três.

Algumas punições também estão previstas caso seja constatada falsidade na declaração do candidato. As penas vão da eliminação no concurso à anulação do processo de admissão no serviço ou emprego público. A medida da cota racial terá validade de 10 anos e a reserva de vagas não se aplica a concursos cujos editais tenham sido publicados antes da vigência da lei.

Ao recomendar a aprovação do PLC 29/2014, o relator, senador Humberto Costa (PT-PE), ressaltou que a reserva de 20% das vagas de concursos federais para negros e pardos decorre do sucesso da adoção da política de cotas raciais nas universidades públicas.

“Verificou-se o ganho que a diversidade trouxe para a produção do conhecimento. Constatou-se que, havendo oportunidade para todos, o mérito de cada um é semelhante, sendo os benefícios sociais inestimáveis”, afirmou Humberto Costa.

Emenda

Ao contrário da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), onde o PLC 29/2014 foi votado na semana passada, a CCJ rejeitou emenda apresentada pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB–AM). A intenção da senadora era estabelecer a reserva de 40% das vagas de concursos públicos federais a residentes do estado onde os cargos serão preenchidos.

Humberto recomendou a rejeição da emenda por entender que seu conteúdo tratava de tema diverso ao contido no PLC 29/2014. Conforme argumentou, “a emenda volta-se mais à organização da administração pública federal, por vezes envolta com inúmeros pedidos de transferência de funcionários, enquanto a proposição cuida do combate à discriminação racial”.

Agência Senado

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. manè disse:

    O MINISTRO E DR. JOAQUIM BARBOSA; NÃO PRECISOU DE COTAS PARA SER O QUE É . POR QUE O PAÍS ESTÁ SE TORNANDO RACISTA?

  2. Sergio Nogueira disse:

    Duvido que esses demagogos votem cota racial para cargo político. Cadê que eles reservam 20% da Câmara e do Senado para negros, gordos, gays, índios e demais minorias.
    Querem fazer graça com a piada alheia.

  3. Carvalho disse:

    Projeto de Dilma do PT, logo o relator, que também é do PT, teria que dar um parecer favorável.
    Essa é mais uma aberração demagógica promovida pelo PT.

  4. ana disse:

    ABSURDO! ABSURDO! ABSURDO! Se as pessoas concordarem com essa cota, irão concordar tb que os negros/pardos são intelectualmente inferiores!

    • ROBERTO disse:

      Sou branco e CONCORDO COM AS COTAS pois o preconceito decorrente da escravidão dos negros está em vigencia até hoje , um negro é descriminado até quando vai assisti seu time de futebol no estágio, imagina para conseguir um emprego ? o BRASIL foi o ultimo país a abolir a escravidão e essas cotas raciais estão tentando reparar um dano quase impossivel, SOU A FAVOR DAS COTAS !!!