‘Nova Guerra Fria’: alta da tensão EUA-China envolve consulados, vacinas e até TikTok

Bandeira dos Estados Unidos cobre parte de um retrato do ex-presidente chinês Mao Tsé-Tung diante da Porta de Tiananmen durante visita do presidente dos EUA, Donald Trump, a Pequim, na China — Foto: Damir Sagolj/Reuters

A determinação dos Estados Unidos em 22 de julho de fechamento do consulado da China na cidade de Houston, no Texas, e a consequente ordem de Pequim em 24 de julho para fechar o consulado norte-americano na cidade de Chengdu, no sudoeste do país asiático, são o mais recente desentendimento entre os dois países. A ofensiva mútua é parte de uma série de disputas econômicas e políticas que têm ocorrido nos últimos anos e meses entre as duas potências.

As tensões aumentam quase diariamente, e especialistas chegam a falar em uma “nova Guerra Fria” desde que administração do presidente Donald Trump se tornou mais agressiva com os chineses. Os estudiosos veem diferenças históricas importantes na comparação com a disputa entre os EUA e a União Soviética do pós-Segunda Guerra, mas acreditam que Estados Unidos e China estão entrando em território perigoso.

Relembre desentendimentos recentes entre os dois países:

Fechamento de consulados

Em 22 de julho, os Estados Unidos determinaram o fechamento do consulado da China em Houston, no Texas, no prazo de até 72 horas. O Departamento de Estado americano afirmou que a medida tinha o objetivo de proteger a “propriedade intelectual e as informações privadas dos americanos”, um dia após denúncia de que hackers chineses tentaram roubar informações sobre a vacina para Covid-19. Pequim considerou a medida “sem precedentes” e , dois dias depois, em 24 de julho, determinou o fechamento do consulado norte-americano em Chengdu, sudoeste do país asiático.

Acusação de roubo sobre vacina para Covid-19

Nesta terça-feira (21), o Departamento de Justiça norte-americano denunciou dois hackers chineses suspeitos de roubar informações sobre projetos de vacinas para Covid-19. Os acusados trabalhavam para o Ministério da Segurança de Estado da China, segundo a promotoria norte-americana. O presidente dos EUA, Donald Trump, já culpou a China pela pandemia de Covid-19. Ele se refere ao Sars-Cov-2 como “o vírus chinês”. Os dois países fazem parte de uma corrida mundial para desenvolver primeiro vacinas que combatam a doença.

EUA quer banir TikTok e outras redes chinesas

No início de julho, o secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, afirmou em entrevista à rede de TV Fox News que o país está considerando banir aplicativos de redes sociais chinesas, incluindo o TikTok. Pompeo chegou a afirmar que as pessoas só devem baixar o aplicativo “se quiserem suas informações pessoais nas mãos do Partido Comunista Chinês”. O aplicativo pertence à chinesa ByteDance, que já afirmou anteriormente que opera de maneira separada e que suas centrais de dados ficam localizadas fora da China, não estando submetidas às leis chinesas.

Disputas tarifárias

Os dois países travaram uma batalha no comércio global nos primeiros anos do governo de Donald Trump. O presidente norte-americano impôs tarifas sobre produtos importados do país asiático para torná-los mais caros para os consumidores americanos, o que estimularia a produção interna nos EUA. A China, por sua vez, respondeu com aumento de taxas sobre produtos norte-americanos. Em janeiro de 2020, os dois assinaram um acordo pelo qual a China se comprometeu a comprar mais produtos dos EUA para reduzir o déficit comercial bilateral dos norte-americanos.

Fim do status especial de Hong Kong

A China recebeu Hong Kong de volta do Reino Unido em 1997 e deveria seguir a lógica de “um país, dois sistemas”. Isso significa dizer que esse território tem uma semiautonomia. No entanto, a China tem tentado aumentar o controle que exerce em Hong Kong. O último ato foi uma lei de segurança imposta pela China, que aumenta a influência de Pequim sobre o território e pode barrar sua autonomia judicial. Os EUA tinham regras de comércio e de imigração específicas para Hong Kong, por ser uma região com uma relativa autonomia. No entanto, com a interferência crescente da China, o presidente Donald Trump retirou o status especial do território.

Disputa pelo 5G e a pressão dos EUA sobre a Huawei

Em maio, os norte-americanos impuseram sanções para cortar o acesso da empresa privada chinesa a semicondutores fabricados com componentes americanos. Entre os americanos, há suspeita que a Huawei espione para o governo de Pequim. A Huawei perdeu contratos no Reino Unido, e os chineses culpam os EUA por uma campanha contra a empresa. Hua Chunying, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, disse que ” única falha da Huawei é ser chinesa”.

A Huawei fornece tecnologia de comunicação 5G. É uma evolução que permitirá uma conexão mais rápida. Ela inclui centros, onde as informações ficam armazenadas, e equipamentos periféricos. Os americanos alegam que as redes 5G da empresa chinesa podem ser usadas pelo governo de Pequim para espionagem ou sabotagem.

Divergência sobre Mar do Sul da China

A China reivindica os recursos marítimos de 90% do Mar do Sul da China, que é potencialmente rico em recursos energéticos. Brunei, Malásia, Filipinas, Taiwan e Vietnã também dizem ter partes da soberania do mar. Os EUA rejeitam a pretensão dos chineses. Com frequência, enviam navios de guerra à rota marítima estratégica.

Corrida espacial

A China se prepara para lançar sua primeira missão a Marte, usando uma sonda e um pequeno robô teleguiado. O lançamento deve ocorrer até 25 de julho na Ilha Hainan. Outros países, como os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos, aproveitam a situação atual, em que há uma distância reduzida entre a Terra e o planeta vermelho, para lançar suas próprias sondas.

Perseguição a minoria muçulmana

Os EUA, como outras nações ocidentais e várias organizações de direitos humanos, acusam a China de confinar pelo menos um milhão de muçulmanos uigures na região da província de Xinjiang. Os uigures são uma etnia majoritariamente muçulmana que vive no país asiático. Pequim nega todas as acusações. Os americanos puniram empresas que participariam da perseguição à minoria étnica.

Tema das eleições presidenciais nos EUA

Trump transformou o país asiático em um tema de campanha das eleições de novembro, mas parece improvável que a relação bilateral mude radicalmente se o democrata Joe Biden vencer.

Stephen Walt, professor de Relações Internacionais da Universidade de Harvard, disse à France Presse que as duas maiores potências econômicas do mundo competem a longo prazo por “visões estratégicas incompatíveis”, como o desejo da China de dominar a Ásia.

A China vê Trump como um “líder fraco e propenso a erros” e provavelmente acredita que a resposta “desastrosa” dos Estados Unidos à pandemia de coronavírus oferece oportunidades, apontou o estudioso.

“Parece a Guerra Fria soviético-americana em alguns aspectos, mas ainda não é tão perigosa quanto a rivalidade anterior”, disse Walt.

“Uma diferença fundamental é que os dois estados ainda estão fortemente conectados economicamente, embora esse relacionamento esteja agora sob considerável tensão”.

O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que lança regularmente advertências contra Pequim, não rejeitou a comparação com a Guerra Fria em uma entrevista recente.

Pompeo também observou que os Estados Unidos nunca tiveram tantos laços econômicos com a União Soviética quanto com a China e que, portanto, o Ocidente precisava se separar de Pequim, especialmente na frente tecnológica, um setor que Washington teme que o país asiático use para espionar.

Em uma mudança com relação há alguns anos, as empresas americanas, afetadas pelo que consideram um roubo desenfreado de propriedade intelectual, raramente pedem uma desescalada do conflito com a China.

Os Estados Unidos também atacaram Pequim por sua repressão em Hong Kong e a prisão em massa de muçulmanos uigures.

Antes da pandemia do novo coronavírus, Trump acreditava que poderia manter boas relações comerciais com a China, especialmente depois que Pequim prometeu aumentar as compras de produtos americanos.

Mas os dois lados sabiam que a China não estava em condições de cumprir tudo o que foi acordado com Washington, disse Shi Yinhong, professor de relações internacionais da Universidade Renmin em Pequim. Shi acredita que as relações vão continuar a se deteriorar.

“A antiga Guerra Fria foi um confronto e competição muito feroz entre duas grandes potências, impulsionadas pela ideologia e estratégia”, enfatizou. Agora, os Estados Unidos e a China estão “se desprendendo” seletivamente, mas rapidamente, observou.

“Usando essa definição, pode-se dizer que a China e os Estados Unidos começaram a entrar em uma nova Guerra Fria”, concluiu o analista asiático.

Não há consenso entre especialistas

Oriana Skylar Mastro, professora assistente da Universidade de Georgetown e pesquisadora no American Enterprise Institute, disse que é perigoso falar sobre uma Guerra Fria com a China.

“A situação com a China não se parece com a Guerra Fria”, afirmou.

“No lado positivo, temos um amplo compromisso. No lado negativo, há uma possibilidade real de uma guerra quente entre os dois lados em um grau que nunca existiu com a União Soviética”.

Ela observou que a comparação com a Guerra Fria leva a respostas ineficazes, incluindo que Washington percebe erroneamente Pequim como uma ameaça ideológica.

Mastro disse que a China tem muitas opções para aliviar as preocupações dos Estados Unidos, como a retirada dos sistemas de armas no Mar da China Meridional.

“Mas Pequim não fará isso, principalmente porque entende mal os propulsores da política americana. Acredita que os Estados Unidos estão respondendo ao seu próprio declínio e os atacará, independentemente de como agirem”, sustentou.

G1

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cigano Lulu disse:

    "Nova guerra fria", "novo normal", "novo coronavírus"… Haja coisa nova. E novidade que bom, nenhuma.

  2. Antonio Turci disse:

    Os dois sabem que precisam um do outro. Por isto deveriam ter vergonha e não ficarem com esse jogo besta de 😺 e 🐀.

  3. ABESTALHADO disse:

    Daqui há alguns dias nós vamos ter que escolher entre o nosso maior parceiro comercial, ou o nosso maior explorador comercial. A balança comercial é fundamental.

EUA "derrubam" possibilidade de liberação do visto

A secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, anunciou dois novos consulados no Brasil: em Porto Alegre e em Belo Horizonte. A notícia deixa clara que as facilitações devem continuar, no entanto, também prova que a necessidade do visto não será liberada. Se fossem liberar para que dois novos consulados?

Em encontro nesta segunda-feira com empresários brasileiros e americanos na Câmara de Comércio Americana em Washington, a chefe da diplomacia disse que os EUA estão comprometidos em facilitar a entrada de brasileiros nos EUA.

Hillary, que estará no Brasil na próxima semana, afirmou que as relações com o Brasil são prioridade para o governo Obama, que pretende ampliar tanto o fluxo de turistas quanto o de negócios entre os países.

Não foi divulgado quando os novos postos consulares serão inaugurados.

Vistos

No final de janeiro, o presidente Barack Obama anunciou medidas para facilitar a concessão de vistos para brasileiros considerados de baixo risco. Nacionais de outros países também foram beneficiados. Entre as ações está a possibilidade de dispensar brasileiros da entrevista no consulado.

Em março, foi anunciado que o governo dos Estados Unidos pretende criar uma fila rápida na imigração americana para facilitar a entrada de viajantes brasileiros frequentes no país. A medida ainda depende de acordo com o governo brasileiro.

Com informações: Folha.com

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Tribunal Federal disse:

    O Optometrista Aluizio da Silva França Junior do Rio de Janeiro, foi convidado para integrar o Consulado do Brasil no Canadá. Sua missão no País é promover o intercâmbio entre brasileiros e canadenses,favorecendo mais uma opção aos emigrantes. O Canadá encontra-se com falta de mão de obra especializada em diversos setores e nota-se aí grande chance aos brasileiros interessados em atuar profissionalmente no Canadá.