Estudos de Harvard informam que 6 novas vacinas demonstram eficácia contra Sars-CoV-2 em macacos

Foto: Wikimedia commons

Na luta para combater a Covid-19, duas perguntas não querem calar: existe uma vacina capaz de evitar a infecção pelo novo coronavírus? E pessoas que já tiveram a doença desenvolvem imunidade contra ela? Em dois novos estudos publicados nesta quarta-feira (20) na revista Science, cientistas do Centro Médico Beth Israel Deaconess, da Escola de Medicina da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, investigam possíveis respostas.

No primeiro estudo, a equipe demonstrou que seis diferentes candidatas a vacinas podem induzir respostas imunológicas, criando anticorpos neutralizantes e protegendo contra o Sars-CoV-2. Os pesquisadores testaram os medicamentos em 25 macacos rhesus e aplicaram um placebo em dez outros animais para que servissem como grupo controle.

Segundo os cientistas, três semanas após a vacinação de reforço, as 35 cobaias foram expostas ao novo coronavírus. Os exames de acompanhamento revelaram que os macacos vacinados tinham cargas virais drasticamente mais baixas do que os que receberam o placebo: oito dos 25 animais vacinados sequer apresentaram indícios da presença do Sars-CoV-2 em seus corpos.

Além disso, os animais que apresentaram taxas mais altas de anticorpos tiveram níveis mais baixos do vírus. De acordo com os autores, isso sugere que os anticorpos neutralizantes podem ser um marcador confiável de proteção, o que será útil nos testes clínicos de vacinas contra a Covid-19.

Anticorpos = imunidade?

No segundo estudo, nove macacos foram expostos ao Sars-CoV-2 e tiveram suas cargas virais monitoradas. De acordo com os cientistas, todos os animais se recuperaram e desenvolveram anticorpos contra o novo coronavírus.

Os especialistas também avaliaram se as cobaias poderiam contrair a Covid-19 novamente — e o resultado foi animador. Após a segunda exposição ao Sars-CoV-2, os animais demonstraram proteção quase completa, sugerindo que os primatas desenvolvem uma imunidade protetora natural contra o microrganismo.

Outra candidata

Esta não é a primeira vez que cientistas testam, com sucesso, vacina contra a Covid-19 em macacos rhesus, primatas da espécie Macaca mulatta, que vive em florestas temperadas da Índia, da China e do Afeganistão. No fim de abril, estudo realizado com outro grupo de primatas dessa espécie por pesquisadores chineses também se mostrou bem-sucedido.

“Mais pesquisas serão necessárias para abordar questões importantes sobre a duração da proteção, bem como as plataformas de vacinas ideais para proteger os humanos contra o Sars-CoV-2 para humanos”, afirma Dan H. Barouch, autor sênior dos estudos publicados na Science nesta quarta-feira, em comunicado. “Nossas descobertas aumentam o otimismo de que o desenvolvimento das vacinas contra a Covid-19 será possível.”

Galileu

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Cidadão pagador de impostos disse:

    Todo dia descobrem uma solução p o coronavírus…
    As ações da empresa na bolsa explodem…
    E o povo continua morrendo…

Conheça as vacinas mais promissoras sendo pesquisadas contra a Covid-19

Osnei Restio/ Prefeitura de Nova Odessa / Foto de Arquivo

A indefinição em torno do isolamento social em diferentes países e o temor por novas ondas da Covid-19 em nações que já superaram o pico da doença lançam grandes expectativas em torno de uma vacina capaz de imunizar populações inteiras contra o coronavírus Sars-CoV-2.

Um levantamento do banco de investimentos Morgan Stanley mapeou 110 pesquisas em busca de uma fórmula imunizante e identificou seis vacinas promissoras em curso.

Um imunizante seria a única forma de garantir o retorno seguro às atividades rotineiras, uma vez que nem mesmo o tempo de duração da imunização de pacientes curados é consenso na comunidade científica.

Especialistas ponderam que o prazo para uma vacina eficaz chegar às prateleiras deve ser de um ano, enquanto, normalmente, levariam uma década. Governos como o dos Estados Unidos, por outro lado, têm prometido acelerar ainda mais esse processo, sem apresentar, no entanto, garantias de que isso ocorrerá.

O relatório do Morgan Stanley avaliou como promissoras vacinas candidatas com os prazos mais adiantados e cujas empresas têm mais capacidade de ampliar a escala de produção para além de 500 milhões de doses.

Na lista de seis fórmulas constam desde trabalhos com tecnologia mRNA quanto vetores de vírus , como o adenovírus :

CanSino Biologics 1

Batizada de Ad5-nCoV, a vacina usa o mesmo vetor de uma fórmula aprovada para combater o ebola: um adenovírus, considerado um parente inofensivo do vírus do resfriado comum, com o objetivo de fornecer antígenos que estimulam as respostas imunes do organismo.

A Ad5-nCoV se encontra na segunda fase de testes clínicos desde o mês passado, e foi testada em 500 pacientes até o fim de abril. Segundo o relatório, é esperado que a terceira fase comece no próximo inverno incluindo outros países além da China. A companhia tem capacidade de produzir milhões de doses e pretende expandir para 100 milhões em 2021.

Oxford/Vaccitech

A vacina candidata, ChAdOx1 nCoV-19, usa um adenovírus de chimpanzé conhecido como ChAdOx1. Ainda está na primeira fase de testes, na qual contemplou 1.102 voluntários entre 18 e 55 anos.

A segunda e a terceira fases, que contemplarão pessoas entre 55 e 70 anos e menores de 18, respectivamente, deverão começar em junho e testarão 5.000 pessoas.

A produção em larga escala começou e a expectativa é que 100 milhões doses sejam produzidas até o fim de 2020. Até o ano que vem, espera-se que haja centenas de milhões disponíveis.

BioNTech/Pfizer

A vacina testad apelas duas empresas, chamada BNT162, é formada a partir da combinação de três formatos de mRNA (ou seja, a inoculação do RNA mensageiro) e dois antígenos.

As duas empresas já tinham uma parceria para a produção de vacinas contra a influenza, firmada em 2018. Os testes clínicos estão em andamento e a expectativa é que centenas de milhões de doses estejam disponíveis no mercado em 2021.

Moderna/NIH

A vacina candidata mRNA-1273 ganhou os holofotes globais na última segunda-feira depois que a Moderna anunciou êxito na imunização de um grupo pequeno de pacientes.

Assim como a fórmula imunizante da BioNTech e da Pfizer, a aposta da companhia americana é a técnica do RNA mensageiro. Os trabalhos são formalmente apoiados pelo National Institutes of Health (NIH), órgão do governo dos Estados Unidos.

Após estudos que apontaram para a segurança da pesquisa, a primeira fase foi estendida para a inclusão de três grupos de adultos entre 55 e 71 anos e outros três de idosos acima dessa faixa de idade, que compõem o chamado grupo de risco.

A segunda etapa contemplará 600 voluntários e foi aprovada pela Food and Drug Administration, agência americana equivalente à Anvisa no Brasil. O planejamento da terceira fase está em fase final e o trabalho prático deve começar a partir de junho.

A Moderna afirma ser capaz de produzir milhões de doses e, recentemente, selou um acordo com a farmacêutica Lonza para ampliar a produção. Até o fim do ano, a pretensão é ampliar a escala em 10 milhões a cada mês até chegar a uma taxa de 1 bilhão de doses por ano na metade de 2021.

Johnson & Johnson

Outra vacina candidata baseada na técnica de adenovírus, a Ad26 Sars-CoV-2 começará os testes clínicos em setembro. A Johnson & Johnson pretende produzir entre 600 milhões e 900 milhões no primeiro trimestre de 2021 e 1 bilhão até o fim do próximo ano.

Sanofi/GSK

Ainda sem nome, a fórmula pesquisada pelas duas companhas pretende misturar as técnicas de recombinação (uso do vírus inativo) de baculovírus usada na produção da Flublok, uma vacina contra gripe da Sanofi, com a tecnologia de sistemas adjuvantes (substâncias adicionadas a vacinas para aumentar a resposta imune) presente na vacina Shingrix, contra herpes-zóster, da GSK.

Os primeiros testes em humanos devem ocorrer no último trimestre deste ano. A capacidade de produção, segundo as empresas, deverá ser de 1 bilhão de doses por ano até o fim da primeira metade de 2021.

Sanofi/Translate Bio

Outro imunizante candidato da Sanofi é desenvolvido em parceria com a Translate Bio. Também sem nome definido até o momento, a potencial vacina usa o modelo de mRNA e parte de esforços que já existiam entre as duas companhias desde um acordo firmado em 20198 para o combate de cinco doenças infecciosas.

Os primeiros testes clínicos em humanos começarão no último trimestre de 2020. A capacidade de produção, por sua vez, pode chegar a 360 milhões de doses até o fim do primeiro semestre de 2021.

Shionogi

A japonesa Shionogi também trabalha a partir da técnica de recombinação de baculovírus. Ainda sem nome, a fórmula deve ter seus primeiros testes até o fim do semestre.

O plano da companhia nipônica é concluir os ensaios até o fim do ano para obter a pré-aprovação do governo japonês para a aplicação limitada do imunizante entre janeiro e março de 2021, para, então, liberar a vacina em escala nacional até junho. A Shionogi afirma que sua prioridade é atender o Japão.

A farmacêutica espera disponibilizar 10 milhões de doses, que atenderiam cerca de 8% da população japonesa , e busca parcerias no exterior. A tecnologia de recombinação é da Protein Science, que pertence à Sanofi, mas recebeu adaptações da empresa japonesa para atender às regulações do Japão.

IG, com O Globo

FOTOS: Unidade Mista de Felipe Camarão em Natal é arrombada e vacinas contra Influenza são perdidas

Fotos: Divulgação

Ao chegar para trabalhar nesta quinta-feira (06), os funcionários da Unidade Mista de Felipe Camarão foram surpreendidos: o prédio foi arrombado e o alvo foi a sala de vacinação. Ao todo foram desperdiçadas 1.369 doses de 16 tipos de vacinas. Só de Influenza, foram 340 doses.

“Não acreditamos quando vimos o ocorrido. Recebemos todas as doses do mês da vacina contra influenza e elas foram desperdiçadas. Tanta gente procurando para ficar imune ao H1N1, que é um vírus que também mata, e simplesmente alguém joga tudo fora”, comenta Sérgio Albuquerque, diretor da unidade.

Além das vacinas contra influenza, a unidade de Felipe Camarão perdeu todas as vacinas oferecidas pela rede pública, inclusive a pentavalente, responsável por proteger contra doenças como tétano, difteria e hepatite. Essa vacina estava em falta havia meses e só agora a situação tinha sido regularizada. A vacina pentavalente é aplicada nas crianças aos 2, 4 e 6 meses.

O prejuízo na unidade não ficou somente nas vacinas. Os assaltantes ainda levaram bens materiais como a caixa térmica de recebimentos das vacinas, um monitor de computador, termômetro e tensiômetro. Ainda espalharam todos os insumos pelo chão.

O vigia da unidade acredita que o assaltante entrou pela lateral do prédio, no momento que ele fazia a ronda do prédio. O diretor da Unidade registrou o Boletim de Ocorrência na Delegacia do bairro e espera a elucidação do caso.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. aof disse:

    Bandido não fica em isolamento, distanciamento social, lockdown ou qualquer raio que o parta. Bandido sempre vai fazer o que ele sabe fazer: o mal ao proximo.

  2. Rafael Pinheiro disse:

    O RN está cada dia mais inseguro, a população cada vez mais acuada e o Governo do Estado nada faz! Todos somos vítimas da incompetencia e irresponsabilidade da nossa (des)governadora.

    Salvem o RN! Fora Fátima Bezerra

  3. paulo disse:

    BG
    Tem nada não, quando a Policia prender esses facínoras, terá uma audiência de custodia em que o Juiz vai perguntar aos bichinhos se eles levaram algum cocorote da Policia, logo a segui rua pra eles. Ou País maravilhoso aqui é tudo ao contrario e BANDIDOS é quem tem vês.

Mais de 100 vacinas para o novo coronavírus estão em desenvolvimento; saiba as mais avançadas

Foto: Reprodução

Enquanto especialistas e a sociedade em geral debatem formas de minimizar os danos (humanitários e econômicos) da pandemia do novo coronavírus, só uma solução pode nos salvar da crise: o desenvolvimento de uma vacina. O primeiro sequenciamento genético do SARS-CoV-2 foi publicado em 11 de janeiro, e desde então a comunidade internacional de pesquisa está tentando criar uma vacina.

De acordo com um levantamento da Nature, até o último dia 8 existiam 115 candidatas a vacina autorizadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), das quais 78 estão em estudos ativos e 37 não têm seu status de desenvolvimento confirmado a partir de fontes de informação disponíveis ao público. Dos 78 projetos ativos e confirmados, 73 estão atualmente em fase exploratória ou pré-clínica.

As vacinas que estão mais avançadas, e que passaram recentemente para o desenvolvimento clínico, são a mRNA-1273 da Moderna, Ad5-nCoV da CanSino Biologicals, INO-4800 da Inovio, a LV-SMENP-DC e aAPC do Shenzhen Geno-Immune Medical Institute.

Na última quarta-feira (8), a Novavax anunciou disse que iniciaria testes em humanos na Austrália em meados de maio. No mesmo dia, uma empresa especializada em células-tronco, a Mesoblast, disse que estava iniciando um ensaio clínico de 240 pacientes para saber se células derivadas da medula óssea poderiam ajudar pacientes que desenvolveram uma reação imune mortal ao coronavírus.

A Nature ainda destaca a diversidade de plataformas tecnológicas no desenvolvimento de vacinas para a Covid-19. Desde estudos do ácido nucleico (DNA e RNA) do vírus, até a criação de partículas semelhante a vírus, peptídeo, vetor viral (replicante e não replicante), proteína recombinante, abordagens com vírus vivo atenuado e vírus inativado.

“Atualmente, muitas dessas plataformas não são a base para vacinas licenciadas, mas a experiência em áreas como oncologia está incentivando os desenvolvedores a explorar abordagens de que oferecem uma maior velocidade de desenvolvimento e fabricação”, destaca o relatório. É possível, inclusive, que algumas plataformas de vacina possam ser mais adequadas a subtipos específicos de população, como idosos, crianças, mulheres grávidas ou pacientes imunocomprometidos.

Ainda dentro do universo dos candidatos ativos confirmados para vacina, 56 (72%) estão sendo desenvolvidos por laboratórios privados, enquanto os 22 restantes (28%) são projetos sendo liderados por acadêmicos, setor público e outras organizações sem fins lucrativos. A gigante Johnson & Johnson disse espera iniciar testes clínicos em setembro e recebeu uma parceria de quase US$ 500 milhões por meio de uma divisão do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA.

Mas embora outras grandes desenvolvedoras multinacionais, como Janssen, Sanofi, Pfizer e GlaxoSmithKine, tenham se engajado no desenvolvimento de vacinas da Covid-19, muitos dos principais laboratórios são pequenos ou inexperientes na fabricação de vacinas em larga escala.

A América do Norte lidera a corrida das vacinas, com 36 (46%) desenvolvedores entre os candidatos confirmados, contra 14 (18%) na China, 14 (18%) na Ásia (excluindo China) e Austrália e 14 (18%) na Europa. A Nature não encontrou informações públicas sobre a atividade de desenvolvimento de vacinas na África ou na América Latina, “embora exista capacidade de fabricação de vacinas e estruturas regulatórias nessas regiões”.

Olhar Digital, via Nature/The New York Times

 

Vacinas, remédios e controle: as possibilidades de tratamento e prevenção ao coronavírus até aqui

Foto: GettyImages

A propagação do novo coronavírus e a disparada no número de mortos pela doença covid-19 faz com que laboratórios, cientistas, médicos e governantes se apressem em busca de remédios e vacinas para conter a pandemia.

Dezenas de substâncias com potencial de tratamento, de antiretrovirais a corticóides, estão sendo testadas, e alguns países começam a mostrar bons resultados no controle da propagação do vírus.

Conheça, a seguir, as principais luzes no fim do túnel da crise causada pela pandemia, que, no Brasil, até aqui já infectou quase mil pessoas e causou ao menos sete mortes.

Na última quarta-feira (18), a China informou que não registrou nenhum caso de transmissão local do novo coronavírus nas 24h anteriores. Foi a primeira vez que isso ocorreu desde o início da epidemia de covid-19 no país, há três meses.

Isso não significa que não tenha havido novos casos; autoridades disseram que 34 pessoas ficaram doentes, mas vindo de outros países. Mesmo assim, é um feito que pode sinalizar o início de uma reviravolta.

Na China, já foram notificados 80.928 casos do novo coronavírus, com 3.245 mortes.

A Coreia do Sul também avançou no controle do coronavírus. O país chegou a ter quase mil novos casos da doença por dia, mas conseguiu controlar a difusão e hoje registra cerca de uma centena de novos casos por dia.

Remédios

Hidroxicloroquina: a substância foi criada em 1945 a partir da cloroquina, um derivado do quinino, a primeira substância com efeito comprovado contra a malária.

Como explicou em sua conta no Twitter o psiquiatra e professor da Unicamp Luís Fernando Tófoli, o quinino foi isolado no século 19, mas desde o século 17 já era usado por indígenas peruanos como um fitoterápico – eles consumiam a planta cinchona, rica em quinino, a mesma substância da água tônica.

A hidroxicloroquina, “neta” da cloroquina, é há décadas utilizada para tratar malária e também doenças oncológicas e reumatológicas. Seu efeito antiviral já havia sido confirmado no tratamento de outras SARS (síndromes respiratórias agudas) no início do século.

Agora, estudos na China e na França publicados nos últimos dias sugerem que possa ser empregada contra a covid-19.

Após 6 dias, a percentagem de pacientes que receberam HCQ e continuaram com covid-19 caiu para 25%.

Melhor ainda, esse total caiu a 0% na combinação entre a hidroxicloroquina e o antibiótico azitromicina.

Há ressalvas: a amostragem foi muito pequena, a quantidade de pessoas testadas foi baixa, de 20 pessoas, seis das quais receberam as duas drogas combinadas.

Por outro lado, ao contrário de novos remédios, que precisam passar por extensas baterias de testes antes de serem usados em larga escala em humanos, esse já está aprovado para outras finalidades. Na prática, bastariam “canetadas” de autoridades para que estivesse disponível em pouco tempo.

Remdesivir: o remédio desenvolvido pelo laboratório Gilead Sciences foi criado para o tratamento do ebola e não funcionou, mas está sendo testado para o novo coronavírus. Os resultados da primeira onda de provas, com 761 pacientes, devem ser publicados nas próximas semanas.

O remédio já foi utilizado em pacientes nos Estados Unidos e, segundo informações, teve efeito positivo sobre as condições clínicas, embora não tenha eliminado o vírus.

Em seu favor, justamente por ser estudado e desenvolvido desde as epidemias de ebola, na África, nos anos 1990, o Remdesivir já está em um estágio mais avançado de desenvolvimento. A Universidade de Nebraska, por exemplo, já está conduzindo testes clínicos para o coronavírus.

Actemra: esse remédio, da fabricante Roche, foi aprovado pela China para o tratamento de complicações decorrentes da infecção por coronavírus. A família de drogas à qual o Actemra pertence tem habilidade de prevenir reações exageradas do sistema imunológico sobre as infecções e inflamações o pulmão que, até aqui, são as principais causas de mortes por covid-19.

A droga está em fase de testes pré-clínicos com 188 pacientes infectados por coronavírus, na China. Os testes oficiais devem começar em maio.

Favilavir: foi a primeira droga antiviral aprovada na China contra o coronavírus. Passou bem por testes pré-clínicos envolvendo 70 pacientes na província chinesa de Shenzhen e agora aguarda novos testes.

Galidesivir: o antiviral da fabricante Biocryst Pharma mostrou ampla atividade contra diversos patógenos, incluindo o coronavírus. Sua atuação inibe o processo de reprodução do vírus, e, por isso, já foi usado, com sucesso, em pacientes com ebola, zika e febre amarela. Como o Remdesivir, essa droga está em estágio avançado de desenvolvimento.

Vacinas

Diversos laboratórios em todo o mundo estão correndo contra o tempo para tentar descobrir uma vacina que permita imunizar as populações contra o novo coronavírus.

Em 12 de março, a companhia biofarmacêutica Medicago, do Canadá, anunciou ter desenvolvido uma partícula similar ao SARS-Cov-2, o nome científico do novo coronavírus. A empresa já faz testes pré-clínicos e discute com autoridades de saúde para realizar testes em humanos em julho.

A companhia I-Mab Biopharma, dos EUA, também está desenvolvendo um anticorpo neutralizador chamado TJM2 que tem demonstrado ser útil para prevenir efeitos colaterais graves da infecção por coronavírus. A droga não elimina o vírus, mas evita um mecanismo do sistema imunológico humano responsável por gerar inflamação crônica – que, quando localizada no pulmão, é a principal causa de morte.

AT-100: a proteína recombinada criada pelo laboratório Airway Therapeutics tem se mostrado eficiente em estudos pré-clínicos para reduzir os processos de inflamação e infecção dos pulmões, e, ao mesmo tempo, tem melhorado a resposta do sistema imunológico dos doentes.

BPI-002: a molécula criada pela fabricante Americana BeyondSpring demonstrou, em laboratório, a habilidade de ativar células chamadas CD4+, que, por sua vez, auxiliam outras células, chamadas CD8+, a gerar uma resposta eficiente do sistema imunológico humano.

Se combinada com outras vacinas, essa droga pode ser capaz de gerar imunidade a infeções por coronavírus.

MERS CoV: a vacina desenvolvida para a MERS, uma espécie de avô do novo coronavírus que surgiu no Oriente Médio por volta de 2012, foi criada pelo laboratório Novavax e agora é uma das maiores apostas para vacina.

Globo, via Valor Investe

Vacina contra dengue do Butantan inicia última fase de testes

dilmadengue1
Foto: Roberto Stuckert Filho

Dilma reforçou a preocupação do governo com o vírus da zika, além da dengue. “O desafio é chegar à vacina contra o vírus da zika. Um dos caminhos é esse, de transformar a vacina da dengue de tetravalente em pentavalente, que cobriria também o da zika, ou desenvolver uma exclusiva para esse fim”, observou.
A ideia da vacina pentavalente é colocar o vírus da zika em um a espécie de “invólucro” do vírus da dengue e acrescentar à vacina já existente da dengue, mas a pesquisa ainda está em estágio bastante inicial.
Segundo o secretário de saúde do estado de São Paulo, David Uip, não faltarão verbas para estudos que levem ao desenvolvimento da vacina pentavalente, bem como de outros trabalhos correlatos, como os anticorpos monoclonais como tratamento da zika.
Ao todo, o governo federal anunciou que pretende investir R$ 300 milhões durante os próximos cinco anos na fase final de desenvolvimento da vacina de dengue. Um terço da verba sairá do orçamento Ministério da Saúde — acordo que foi assinado nesta segunda.
Os outros dois terços, que ainda estão sendo negociados, podem sair do MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação) e do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).
Investimento em soro contra zika
Outros R$ 8,5 milhões foram anunciados pela presidente para financiar o desenvolvimento do soro contra zika, destinado a grávidas já infectadas pelo vírus.
Segundo o médico imunologista Jorge Kalil, diretor do Instituto Butantan, o desenvolvimento do soro pode ser mais rápido que o da vacina. A diferença entre a vacina e o soro é que, enquanto a vacina estimula o organismo a desenvolver anticorpos contra o vírus, o soro tem a função de neutralizar o vírus já presente no organismo da pessoa infectada. Ou seja, ele já contém os anticorpos prontos para atacar o vírus.
Kalil observa que o modo de desenvolvimento do soro anti-zika deve ser parecido com o que se usa para produzir o soro contra raiva. “Primeiro é preciso cultivar o vírus em células e inativar esse vírus. Depois, ele é usado para imunizar um cavalo, como se estivesse fazendo uma vacina no animal, que passa a produzir anticorpos contra o vírus. Em seguida, pego o plasma do sangue do cavalo com os anticorpos, trago para a fábrica e purifico para selecionar só aqueles específicos contra o vírus.”
A pesquisa da vacina contra dengue é resultado de uma parceria entre o Instituto Butantan e os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH). A vacina é feita com os próprios vírus da dengue, que foram modificados para que a pessoa desenvolva anticorpos contra os quatro sorotipos da dengue sem desenvolver os sintomas relacionados a eles.
Os testes têm mostrado que bastará uma dose para que a vacina seja eficaz. Trata-se da vacina brasileira contra dengue em fase mais avançada de desenvolvimento.
Fases da pesquisa
Nesta etapa de testes, dois terços dos voluntários receberão a vacina e um terço receberá placebo. O objetivo é verificar, depois de um período, se o grupo que foi vacinado teve uma redução considerável de casos de dengue em comparação ao grupo de controle. Isso permitirá verificar a eficácia da vacina.
Segundo estimativa do Instituto Butantan, todos os 17 mil voluntários devem ser vacinados em até um ano. A instituição acredita ser possível que a vacina esteja disponível para registro até 2018.
Até agora, 900 pessoas já receberam a vacina nas fases anteriores de testes clínicos: 600 pessoas na fase 1 e 300 na fase 2. Esses testes permitiram concluir que a vacina é segura e é capaz de induzir no organismo a produção de anticorpos contra os quatro vírus da dengue.

Fonte: G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Moreira disse:

    Só falta agora desenvolver a vacina contra o lulismo e petismo, duas doenças ainda muito disseminadas e que afeta o poder de julgamento e discernimento das pessoas infectadas.

Sesap faz testes e vacina no Dia Mundial de Luta contra Hepatites Virais

O próximo domingo, 28 de julho, é o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, uma doença que ataca o fígado, um dos órgãos mais importantes do corpo humano. No Rio Grande do Norte, desde 2005, mais de 3.555 pessoas já foram acometidas pelas diferentes formas da doença. Para lembrar a data, o Ministério da Saúde promove 12 dias de Mobilização Nacional de testagem às Hepatites Virais, que acontecerá no período de 22 de julho a 02 de agosto, usando a estratégia do ‘Fique Sabendo’. O Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais do Rio Grande do Norte participará da mobilização realizando 10 mil testes rápidos de HIV, 10 mil testes rápidos de sífilis, 1 mil testes de hepatite B e 1 mil testes de hepatite C.

Além dos testes, o Estado está abastecido de 200 mil doses de vacina para hepatite B. A partir de agora, homens e mulheres com até 49 anos poderão receber a vacina gratuitamente em qualquer posto de saúde. A medida beneficia um público-alvo de 150 milhões de pessoas – 75,6% da população total do Brasil. No ano passado, a idade limite para vacinação gratuita era até 29 anos. A vacina é a medida de prevenção mais segura e eficaz contra a hepatite B e hepatite D. E deve ser tomada em três doses, obedecendo ao seguinte esquema: tomar a 1ª dose, com 30 dias depois tomar a 2ª dose e conclui com a 3ª dose, seis meses depois.

Através das Unidades Regionais de Saúde Pública – Ursaps, todos os municípios do estado receberam um questionário solicitando informações sobre as ações que serão realizadas no período de mobilização, mas apenas 18 municípios requisitaram testes rápidos para esta ação. Estão aptos a oferecer o serviço de testagem os Serviços de Assistência Especializada (SAE) nos municípios de Natal, Macaíba, Parnamirim, Caicó, Mossoró, Santa Cruz, São José de Mipibu e São Gonçalo, além deles os Centros de Testagem e Aconselhamento de Natal e Mossoró, e os hospitais de referência Giselda Trigueiro (Natal) e Rafael Fernandes (Mossoró).

De acordo com Sônia Cristina Lins da Silva, Coordenadora do Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais, o principal objetivo é incentivar os municípios a realizar atividades de prevenção e fazer a testagem para o diagnóstico das hepatites B e C, do HIV e da sífilis. Ela explica que a campanha deste ano vai continuar com o tema trabalhado em 2012: “Hepatites. Você tem certeza que não tem? “Essa é uma forma de chamar a atenção da população sobre a doença silenciosa que ataca o fígado”, esclarece. Além de ampliar a cobertura vacinal para Hepatite B em homens e mulheres com até 49 anos, a campanha fortalece o diálogo entre gestores e Organizações da Sociedade Civil, bem como aumenta a cobertura vacinal para Hepatite B em populações vulneráveis.

2,3 MILHÕES TÊM A DOENÇA NO PAÍS

Estimativas apontam que 2,3 milhões de brasileiros são portadores das hepatites, sendo (800 mil) do tipo B e (1,5 milhão) do tipo C. No Rio Grande do Norte, segundo dados do setor de epidemiologia do Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais (PE/DST/Aids e Hepatites), foram notificados 3555 casos confirmados de Hepatites Virais de 2005 a 2012, sendo 80% em Hepatite A, 12% em Hepatite B e 14% em Hepatite C.

Há vários tipos de hepatites, sendo os tipos A, B e C os mais comuns. Muitos fatores podem causar a doença que pode ser viral (quando for causada por um vírus), autoimune (quando o sistema imunológico reconhece seus próprios tecidos como estranhos, atacando-os para destruí-los) ou ainda ser causada por reação ao álcool, drogas ou medicamentos, já que é no fígado que essas substâncias são metabolizadas.

 PROGRAMAÇÃO

Antes mesmo da Mobilização do Dia “D”, a Sesap já está desenvolvendo atividades em vários municípios do estado. Juntamente com a União de Escoteiros do Brasil, o Programa Estadual DST/Aids e Hepatites Virais fará uma Oficina de Planejamento das ações nesta quinta-feira (25) e sexta (26), no Hotel Praiamar, em Natal. No dia 26, haverá atividades informativas com alunos do IFRN, em João Câmara. E no dia “D”, domingo 28, a Sesap, juntamente com Secretaria de Estado da Educação, RN Vida, GVC, APHERN e Grupo de Escoteiros, realizam ação de mobilização no Projeto Viva Costeira, das 16 às 18h, com apresentação da Banda Fanfarra da Escola estadual Josefa Sampaio e do Grupo de Teatro Circuito Arte Interativa.

No dia 30, das 8:30h às 17h, haverá Rodas de Conversas e Ações Educativas com representantes da população indígena da Comunidade do Amarelão dos Mendonças em João Câmara. E no dia 02/08, às 9 e às 15h, apresentação nas Escolas Estadual Francisco Ivo e Josefa Sampaio, do Grupo de Teatro Circuito Arte Interativa.