FOTOS E VÍDEO: Aposentado constrói há 35 anos castelo no agreste do RN, destaca imprensa nacional

Castelo na Serra da Tapuia, agreste do Rio Grande do Norte. Zanone Fraissat/Folhapress/. (Veja mais fotos e vídeo com reportagem na íntegra por João Valadares aqui)

MUNICÍPIO DE SÍTIO NOVO (DISTANTE 99 KM DE NATAL). No meio do nada, no alto de uma rocha escondida na Serra da Tapuia, agreste do Rio Grande do Norte, um castelo com traços da arquitetura islâmica está sendo erguido há 35 anos.

A obra ainda inacabada, com 150 torres de tamanhos variados, 13 labirintos e quatro andares, é a missão de vida do sargento aposentado do Exército José Antônio Barreto, 87, o Zé dos Montes.

O projeto nunca foi colocado numa folha de papel. Não há planta arquitetônica, cálculo de engenharia e nem qualquer planejamento de construção.

“Só existe dentro da cabeça dele. Saiu tudo da imaginação. Ele sempre disse que não precisava de desenho. Nunca estudou nada sobre isso. Anotava apenas quanto tinha gasto de cimento e tijolo”, diz, com orgulho, o filho Joseildo Gomes de Oliveira Barreto, responsável hoje por administrar o local.

Por trás da construção que desperta a curiosidade de quem avista as torres furarem o céu, no meio de uma paisagem indescritível e um silêncio interrompido apenas pelo barulho dos bichos, há uma história mítica e religiosa.

Tudo começou quando seu Zé dos Montes era criança. Conta que, aos oito anos, no momento em que estava pegando lenha no meio do mato, no município de Pedro Avelino, no Rio Grande do Norte, teve uma visão.

Uma mulher havia aparecido na sua frente e dito que ele tinha que construir uma capela. Assustado, correu para casa, mas não contou nada aos pais.

“Ele diz que essa visão se repetiu por várias vezes e, sempre, no dia 13 de cada mês”, comenta Joseildo.

Antes de erguer a obra definitiva em Sítio Novo, tentou levantar as torres em outros 13 locais. “Mas só aqui, nesta serra, percebeu que era realmente o lugar ideal. Ele comprou o terreno com algumas economias e colocou a mão na massa.”

Em 1984, após algumas tentativas frustradas, começou a construção sozinho. Tijolo a tijolo. Com o dinheiro que juntava da aposentadoria, comprava pedras e cimento na região.

Depois, pela quantidade de serviço, precisou contratar alguns ajudantes. Por 11 anos seguidos, a obra não foi interrompida um mês sequer.

As torres ocupam 90% de uma rocha de 30 metros de altura. A construção está 400 metros acima do nível do mar.

Já com grande parte do castelo que carrega seu nome erguido, o aposentado, aos 65 anos, viajou para a Europa. Visitou Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Alemanha. Queria saber se o seu empreendimento devia alguma coisa às construções do “estrangeiro”.

“Ele foi duas vezes. Sempre viajou sozinho, mas era acompanhado por um guia lá. Visitou alguns templos. Na primeira vez, iria passar um mês. Voltou 11 dias depois porque não gostou da comida”, conta o filho.

Dentro do castelo, que apresenta uma nave principal, há algumas imagens de Nossa Senhora.

Existem também réplicas de cal, feitas por ele, de construções famosas mundialmente, a exemplo da Sagrada Família, em Barcelona, na Espanha, projetada pelo arquiteto Antoni Gaudí.

No local, que serviu de moradia para ele e a família por uma década, não há energia elétrica e nem água encanada. Em um dos andares, há uma cama de cimento e três quartos sem nenhum móvel dentro.

O que mais tem é morcego. Estão por toda a parte. Pendurados na parede, assustam quando saem voando de repente.

Além de janelas de madeira, há algumas aberturas na rocha para entrada da luz do sol. O acesso pela parte da frente é feito por uma pequena trilha que corta o terreno de sete hectares.

(Veja mais fotos e vídeo com reportagem na íntegra por João Valadares aqui)

Depois de sofrer dois acidentes vasculares cerebrais, Zé dos Montes vive dentro de um quarto, na casa do filho, no município de Sítio Novo, distante poucos quilômetros do castelo. Alegra-se quando colocam vídeos na internet de trens antigos, sua grande paixão desde a infância.

A última vez que esteve no castelo faz quatro meses. Com dificuldades de locomoção, não desceu do carro. Apenas contemplou a construção por alguns minutos e foi embora.

Há duas semanas, ganhou um bolo com o formato do castelo para comemorar os 87 anos de vida.

Chorou quando o filho mostrou pelo celular o incêndio na catedral de Notre-Dame, em Paris. “Ele se emocionou bastante porque já esteve lá”, disse. Não fala quase nada, mas o filho diz que o sonho dele é terminar o seu projeto de vida.

Faltam apenas revestir a parte de cima dos labirintos para que as pessoas possam caminhar pelo teto e fazer uma ponte que vai ligar a construção a uma pedra grande situada na lateral.

“Eu só sei porque ele me contou. Não temos uma planta para seguir”, comenta o filho.

Zé dos Montes tem a ideia de interligar os 13 labirintos, hoje independentes. Pelo caminho escuro de pedra, com altura de mais de dois metros, passa apenas uma pessoa por vez.

Alguns visitantes se perdem e são resgatados por Joseildo após alguns minutos gritando. “Eu deixo eles gritaram um pouco. Só depois chego lá e mostro a saída”, diverte-se.

Há apenas sete anos, o lugar foi aberto para visitação. “Ele não fez isso aqui para ser um ponto turístico. Nunca gostou disso. Nunca teve incentivo para nada”, diz o filho.

A Prefeitura de Sítio Novo fixou quatro placas indicativas na pequena cidade de pouco mais de cinco mil habitantes para orientar os visitantes chegarem ao local. “Mesmo assim, o nome na placa está errado. Colocaram Castelo Zé do Monte. É Zé dos Montes”, reclama Joseildo.

Ele relata que, há 20 anos, o pai, irritado com a curiosidade das pessoas, resolveu cobrar uma taxa para que o povo desistisse de ir até lá olhar a sua invenção.

“Dizia que, se cobrasse, ninguém iria lá e, assim, poderia trabalhar tranquilo. As pessoas pagavam e, quando saíam do castelo, ele devolvia o dinheiro”, lembra.

Hoje, para entrar no lugar é preciso pagar R$ 10. Não há dias certos e nem horários estabelecidos de visitação. É preciso marcar com antecedência. O filho administra um restaurante ao lado, que só funciona no fim de semana.

Folha de São Paulo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Luiz Guttemberg disse:

    O interessante é que nenhum órgão vai até o local fazer uma vistoria , tipo AVCB, já que é cobrado , o curioso tem que ter o mínimo de segurança, pelo que li na sua reportagem da pra entender que não tem ! Eu mesmo acho muito bonito , mais coragem pra ir lá não teria .

    • !!!!! disse:

      Já fui! E irei outras vezes. Recomendo o passeio pela região. Vença seus medos, e você irá vivenciar experiências incríveis.

  2. Anti-Comunista disse:

    ROUBAR DINHEIRO PÚBLICO NO BRASIL É A COISA MAIS FÁCIL DO MUNDO.

  3. Anti-Comunista disse:

    E A FUNPEC ? JÁ FIZERAM A REPORTAGEM DOS R$ 50 MILHÕES DA FUNPEC GASTOS COM PUBLICIDADE ?

  4. yury disse:

    Esse é doido kkkkk

    • Anti-Robô disse:

      É um robô, cara. Só pode. Pega uma palavra-chave da postagem e publica as mesmas mensagens.

  5. Anti-Comunista disse:

    A FOLHA DE SÃO PAULO TEM NOTÍCIA DOS R$ 50 MILHÕES DA FUNPEC GASTOS COM PUBLICIDADE ?

FOTO: Homem é preso após médico ver frase matador de polícia, destaca imprensa nacional sobre caso em Natal

Untitled-3Um homem deu entrada no pronto-socorro Clovis Sarinho, em Natal, neste domingo (8), com a frase “matador de polícia” escrita no corte de cabelo e foi preso. O rapaz havia levado uma facada nas costas durante uma briga de bairro das Quintas, na zona oeste da cidade, e ao ser socorrido pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) a equipe observou a frase no cabelo dele e acionou a polícia. Policiais descobriram que havia um mandado de prisão em aberto pelo crime de roubo expedido em 2013 e ele foi detido. O nome do preso não foi divulgado Divulgação/ Sesed

UOL

http://noticias.uol.com.br/album/album-do-dia/2015/03/09/imagens-do-dia—9-de-marco-de-2015.htm?abrefoto=14

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. ventura disse:

    Esse é a prova viva de que a burrice humana não tem limites

FOTOS: Para frear trabalho infantil, Natal cria espaços de convivência para crianças, destaca imprensa nacional

A capital do Rio Grande do Norte se prepara para a chegada da Copa do Mundo. A competição vai aquecer ainda mais o turismo e aumentar o movimento em praias, lojas e feiras, locais em que mais se vê crianças trabalhando. É o caso de Natan, de 12 anos. Toda segunda-feira o menino falta à escola para trabalhar como carregador na feira do bairro Rocas e ganha R$ 5 a cada por entrega de compras. Na Feira do bairro Rocas, como carregador.

“Cinco horas eu chego para ganhar dinheiro e depois de ganhar dinheiro ir pra casa. Aqui termina às seis horas da tarde”.

O trabalho infantil é uma realidade em Natal. De acordo com o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mais de 43 mil pessoas entre 10 e 17 anos trabalham na cidade. Assim como Natan, muitas crianças trabalham em feiras, na orla, no turismo e pelas ruas.

Segundo a secretária municipal de Trabalho e Assistência Social, Ilzamar Pereira, há a preocupação de que, durante o Mundial, a quantidade de crianças trabalhando aumente. Durante a Copa das Confederações, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República detectou o trabalho infantil, principalmente no comércio informal, como uma das violações mais recorrentes nas cidades-sede.

Para evitar que isso volte a ocorrer, a prefeitura vai montar dois espaços de convivência para que os pais deixem os pequenos enquanto estiverem trabalhando. Também haverá equipes para fiscalizar zonas específicas da cidade. Segundo a secretária, a maior dificuldade para combater o problema é a cultura do trabalho infantil.

“A gente sabe que isso [trabalho infantil] é uma violação de direito, por isso a necessidade da ação integrada e do trabalho com a família. Não adianta você trabalhar a criança, tentar retirá-la do trabalho infantil isoladamente porque existe todo um contexto socioeconômico, político e cultural em torno dessas famílias. Existe esse ranço cultural de dizer: é melhor que ele esteja aqui trabalhando do que roubando”, diz Ilzamar.

Em vez de trabalho, a prática do esporte. Esse é um dos objetivos da Associação de Juventudes Construindo Sonhos, que desenvolve projetos de capoeira, futebol e dança com cerca de 200 crianças e adolescentes. A organização atua em parceria com as escolas das comunidades da periferia de Natal, no combate ao trabalho infantil,  destaca o diretor-presidente da Associação, Francinaldo Dantas.

“A gente tenta minimizar a evasão escolar, a situação dos meninos saírem para ficarem na rua trabalhando, agindo em harmonia com a escola. Então a gente vai para dentro da escola trabalhar lá”, diz Dantas.

Suelen da Costa, 9 anos, entrou no projeto há dois meses e sonha em ser mestre de capoeira. A menina, que ainda aprende os movimentos básicos, fala da alegria de estar no esporte.

“É um esporte muito legal e é muito melhor do que estar nas drogas, esse mundo, sabe. É muito legal, a capoeira”, diz a menina.

A prática esportiva é o que anima os meninos do loteamento Alvorada 2, no bairro Pajuçara. Depois da escola, a diversão é jogar futebol na quadra. Mas o espaço está longe do ideal. O piso de cimento tem rachaduras, o alambrado está danificado e a quadra não é coberta. Mesmo assim, para muitas crianças, é melhor estar na quadra jogando futebol do que ficar na rua.

913283-natal__40Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

“Melhor do que ficar na rua porque é na rua que as pessoas aprendem a fazer as coisas erradas, né?”, diz Wilson Moreira, 10 anos.

Em uma dessas quadras, Gilvan Oliveira desenvolve o Grupo de Ação Social Aprendendo a Crescer, no qual crianças e adolescentes jogam futebol. O projeto surgiu há mais de 10 anos para combater o tráfico de drogas no bairro Nossa Senhora da Apresentação. Apesar da infraestrutura precária da quadra, os meninos se destacam com a bola no pé. Em uma sala improvisada estão os troféus dos jogadores e o que mais chama a atenção é o de disciplina que os meninos ganharam em uma competição regional. Apesar das alegrias, o coordenador destaca muitas dificuldades.

913279-natal__21Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

“Eu tenho aqui dentro uns cinco rodos que é para limpar essa quadra, não era para acontecer isso, era para ter uma cobertura. De dia, essa quadra não funciona depois das 9h porque é muito quente. As bolas passam e batem nos portões das casas dos outros porque não tem o alambrado”, diz.

O secretário municipal do Esporte e do Lazer, Eduardo Machado, diz que a prefeitura está revitalizando as praças poliesportivas. Das 125 quadras, 44 estão em reforma. O secretário reconhece que a quantidade de espaços de lazer está longe do ideal, mas afirma que a prioridade é recuperar o que já está construído.

“Nós não temos planejamento de fazer, com recursos próprios, novos espaços de lazer porque a nossa prioridade é recuperar o que nós já temos.”

A prometida reforma ainda não chegou na quadra do projeto Aprendendo a Crescer, onde o menino Alexandre Martins, 12 anos, joga. O garoto, que sonha em ser jogador de futebol, diz que há muita coisa melhorar. “Botar o teto, cobrir, reformar a quadra melhor, pintar o piso, mudar as grades… Eu ia ficar muito feliz.”

O projeto que deu origem a esta reportagem foi vencedor da Categoria Rádio do 7º Concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, realizado pela Andi, Childhood Brasil e pelo Fundo das Nações Unidos para a Infância (Unicef).

Agência Brasil

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Carvalho disse:

    As crianças trabalham para ter algum tipo de renda, seja para seu próprio sustento ou para ajudar a sua família.
    Daí, sinceramente, não vejo como a criação de "espaços de convivência" possa ajudar.
    A não ser que essas crianças possam receber algum tipo de remuneração apenas por frequentar a escola.
    Vamos pegar os exemplos do projeto "O gol é seu – seja o artilheiro da sua vida", do Sebrae-RN: alguns dos palestrantes que deram seus depoimentos e que hoje são exemplos de sucesso, foram um ex-flanelinha, ex-carvoeiros e o dono de uma banca de revista que se tornou um dos palestrantes mais requisitados do Brasil. Esse último, quando criança, alugava a sua bicicleta para ganhar algum dinheiro.
    Portanto se essas pessoas nunca tivessem trabalhado quando crianças, talvez não tivessem tido a oportunidade, o sucesso e o reconhecimento que tem hoje.
    Aliás, para muitos é muito fácil dizer que a criança deva largar a sua atividade remunerada para frequentar "espaços de convivência", sem se preocupar em saber da real necessidade que ela tem em trabalhar ou, então, como já dito, que seja criado algum programa que oportunize ao menor a possibilidade de estudo que seja remunerado ou então que lhe proporcione cursos profissionalizante para que possam ganhar o seu sustento.

  2. Luciano disse:

    Na avenida das Alagoas com Ayrton Senna tem uma pai e uma mãe que usam crianças de bem pequenas (vi até com 5 anos de idade) para pedir dinheiro na rua e aos motoristas a noite!!!!! Cadê os orgaos de fiscalização? Cade o Juizado da criança e adolescente? Absurdo!