TENDÊNCIA: Hospital Albert Einstein agora só faz exames de Covid-19 em casos graves

Foto: Reprodução

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, que vem realizando um grande número de exames para a Covid-19, depois de registrar o primeiro caso no Brasil, decidiu restringir os exames de coleta de material a ser analisado a apenas os casos graves.

Ficam de fora os assintomáticos e os sintomáticos leves. A notificação será apenas de pacientes internados.

Se esses forem os passos dos demais hospitais, privados e públicos, o Brasil terá uma grande subnotificação dos infectados pelo novo coronavírus.

O Antagonista

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Chicó disse:

    Tudo sob controle !!!

Bolsonaro deixa UTI do Hospital Albert Einstein, diz boletim

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) deixou a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Israelita Albert Einstein, na Zona Sul de São Paulo, informou boletim médico divulgado na tarde desta quarta-feira (30).

Segundo o boletim, o presidente segue com boa evolução clínica após a cirurgia para a retirada de uma bolsa de colostomia e a ligação entre o intestino delgado e parte do intestino grosso na segunda-feira.

“O presidente segue sem sangramentos ou disfunções orgânicas. Permanece sem febre ou outros sinais de infecção. Continua em jejum oral, recebendo por via endovenosa todos os nutrientes necessários para sua recuperação. Realizou os exercícios de fisioterapia respiratória e motora, e caminhou no corredor com boa tolerabilidade. Por ordem médica, o paciente segue com visitas restritas”, diz o texto.

Segundo o porta-voz Otávio do Rêgo Barros, aos poucos, Bolsonaro “vai ser colocado à frente de alimentos pastosos e depois, sólidos. Por enquanto, a alimentação é endovenosa”.

Barros também disse que Bolsonaro já faz despachos, mexe no telefone e assiste à televisão. As reuniões com os ministros não vão ser presenciais, mas sim por videoconferência.

“Ministros farão, se necessário, as suas consultas por meio de videoconferência ou audioconferência. Testamos os dois sistemas e funcionaram perfeitamente”. De acordo com Barros, Bolsonaro “está preservado de falar porque ao falar há a possibilidade que gases e ar entre em sua cavidade abdominal e isso vai provocar dores e vai dificultar a cicatrização, particularmente no que toca à cicatriz externa. Ele vai absorver a informação e vai escrever a orientação dele”.

O presidente caminhou nesta quarta-feira por cerca de 100 metros. “Os corredores hospitalares têm marcações de metro. Na ala em que o presidente se encontra, o corredor tem cerca de 15 a 20 metros. Na manhã, ele fez cinco caminhadas, totalizando algo em torno de cem metros”, disse.

“E na parte da tarde ele fez uma ida e vinda e foi para a bicicleta. A enfermeira brincou falando que ele tinha uma meta fácil de ser atingida de cinco quilômetros. Não sei se ele atingiu”, completou.

Boletim médico de Jair Bolsonaro divulgado na tarde desta quarta-feira — Foto: Reprodução

Na manhã desta quarta, Bolsonaro reassumiu a Presidência da República após ficar dois dias afastado das funções por conta da operação. Ele vai despachar de um escritório que foi montado no mesmo andar onde está internado. A previsão é que ele tenha alta no fim da próxima semana.

“Naturalmente nós tentaremos evitar que esse despacho se faça de maneira rotineira, que venha a cansá-lo. Afinal, é um homem que passou pela terceira cirurgia”, afirmou o porta-voz Barros.

Equipamento utilizado por Bolsonaro — Foto: Divulgação/Assessoria de presidência

G1