Dados de localização e navegação poderão ser apagados no Google. Se usuário pedir

Foto: Bloomberg

O Google, controlado pela Alphabet, vai permitir que os usuários criem seus perfis com a opção de excluir automaticamente dados de localização e navegação na web, oferecendo um meio-termo para os mecanismos de coleta de dados sempre ativados ou sempre desativados da gigante da internet. Mas só se o internauta quiser e pedir.

Os usuários agora podem optar por ter seus dados excluídos após um período de três meses ou 18 meses, segundo um post publicado na quarta-feira no blog da empresa. A mudança permitirá que os internautas tenham maior controle sobre seus dados, mas também pode impedir um bloqueio total da coleta de dados pelo Google. Embora possam interromper toda a coleta de dados agora, o Google utiliza essas informações para segmentar anúncios que alimentam sua máquina de receita multibilionária.

O Google tenta convencer clientes e reguladores de que respeita a privacidade dos internautas e que protege os dados coletados. A empresa bloqueou a rede social Google Plus no ano passado depois de encontrar uma falha que expôs informações pessoais de meio milhão de usuários.

O Google e o Facebook, outro gigante no mercado de anúncios on-line, tornaram-se algumas das empresas mais valiosas da história com a coleta de bilhões de pontos de dados sobre bilhões de pessoas e vendendo acesso segmentado aos anunciantes. Políticos, consumidores e defensores da privacidade em todo o mundo têm questionado esses modelos de negócios e se a permissão para o acesso a informações pessoais compensa os serviços prestados pelas empresas.

Enquanto o Google lança sua mais nova ferramenta de privacidade, a antiga promessa do Facebook de deletar alguns dados coletados de usuários ainda não se materializou. O Facebook disse que ainda está desenvolvendo a ferramenta e planeja apresentá-la ainda este ano.

O Globo