Comportamento

Alinhamento coital: a técnica sexual que disparou no Google após ‘Sex/Life’

Foto: Netflix

“Chama-se técnica de alinhamento coital. Há vários livros sobre o assunto. Quando feita corretamente, fornece a conexão máxima, tanto física quanto emocional. Eu me senti mais próxima dele do que já me senti com qualquer outra pessoa”: é assim que a personagem Billie (Sarah Shahi), da série ‘Sex/Life’, da Netflix, define a experiência que teve com o ex-namorado, Brad (Adam Demos). Na trama, ela vive uma mulher casada e com filhos que, insatisfeita com a vida sexual, não consegue esquecer o relacionamento do passado.

Por causa da cena, presente no 5º episódio, as buscas pelo termo “alinhamento coital” subiram rapidamente: dados do Google Trend apontam que, entre o dia 13 de junho e o dia 4 de julho, elas não pararam de subir. Em uma escala de 0 a 100, o índice de interesse pelo assunto chegou a 100.

Técnica do alinhamento coital: o que é e como fazer

A sexóloga Nany Maravilha explica que, apesar de o nome complicado, trata-se de um truque bastante simples de ser feito: “É a posição clássica ‘papai e mamãe’, com o homem por cima da mulher, porém com os corpos mais grudados, a fim de provocar a estimulação do clitóris”, define.

A posição ganhou este nome no final dos anos 80, através do pesquisador Edward Eichel. Percebendo que muitas mulheres tinham dificuldade em chegar ao orgasmo somente com a penetração, ele comprovou, através de estudos feitos com casais heterossexuais, que a posição aumenta as chances de a mulher chegar ao orgasmo.

Também chamada de “The CAT” (diminutivo de “coital alignment technique”), ela é um incremento: em vez de o homem ir somente para frente e para trás, como no “papai e mamãe” tradicional, ele joga seu corpo um pouco mais para frente, de modo que os ombros fiquem alinhados na altura do queixo da parceira. Em seguida, faz um balanço lento, prestando atenção na fricção do clitóris.

Nany dá ainda duas dicas para as mulheres, que podem facilitar o momento: a primeira delas é colocar um travesseiro na base do cóccix, para elevar a pelve. A segunda, ajudar o parceiro a posicionar o corpo corretamente, a fim de sentir mais prazer.

Por fim, a sexóloga explica que a conexão emocional sentida por Billie na série tem a ver tanto com a posição, quanto com o relacionamento entre os personagens. “Por ser uma posição em que há muito contato de pele e troca de olhares, isso pode elevar a sensação de que os parceiros estão fortemente conectados. No entanto, o sentimento fica mais forte de acordo com a relação que se tem com o parceiro. Se existe intimidade e paixão, isso aumenta as chances de prazer no sexo”, diz.

Universa – UOL

 

 

Opinião dos leitores

  1. Faz uma hora que estou em cima de minha mulher e relendo esse texto. Já tivemos quatro orgasmos. Devo ter perdido dois quilos e vou pular a janta.

    1. Calígula deve ter conseguido mais orgasmos é lógico. Nunca sai perdendo, esse fanático pelo maluco do Planalto.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Trump anuncia processos contra Facebook, Twitter e Google; ex-presidente alega que suas visões políticas estão sendo cerceadas pelas plataformas

Foto: OCTAVIO JONES / REUTERS

O ex-presidente americano Donald Trump anunciou que entrou com processos contra as gigantes de tecnologia Twitter, Facebook e Google, assim como contra seus presidentes, alegando que elas estão silenciando vozes que defendem pontos de vista conservadores. Trump foi banido da maior parte das plataformas sob a acusação de incitar a violência durante a invasão do Capitólio, a sede do Congresso americano, em 6 de janeiro, para impedir a certificação da vitória de Joe Biden.

— Hoje, com o Instituto de Políticas America First [plataforma política do ex-presidente], apresento, como seu representante principal, um processo coletivo contra os gigantes da tecnologia, incluindo Facebook, Google e Twitter, assim como contra seus diretores-executivos, Mark Zuckerberg, Sundar Pichai e Jack Dorsey — declarou Trump, em discurso no seu campo de golfe em Nova Jersey. — Queremos um fim ao banimento, ao silenciamento e às “listas negras”, ao banimento e ao cancelamento que conhecem tão bem.

De acordo com o site Axios, o processo vai pedir o retorno imediato de todas suas contas nas plataformas onde hoje está impedido de fazer publicações, além de exigir reparações financeiras — no anúncio, disse que seria algo em torno de “trilhões de dólares”. As empresas citadas não se pronunciaram. O processo corre em um tribunal federal da Flórida, e foi anunciado no momento em que o ex-presidente enfrenta problemas legais com a Justiça de Nova York, que investiga suas empresas.

— Não há melhor evidência de que as empresas de tecnologia estão fora de controle do que o fato de terem banido o presidente dos EUA no começo do ano. Se podem fazer isso comigo, podem fazer com qualquer um — declarou Trump. No processo, ele sugere que as plataformas agiram como “agentes estatais” e em conluio com “funcionários do governo federal, incluindo do CDC” e com a equipe de transição do então presidente eleito Biden.

Na época, Trump ainda era o chefe do Executivo dos Estados Unidos.

Mesmo antes de sua derrota na eleição presidencial de novembro do ano passado, o republicano ataca a política de moderação das plataformas, especialmente depois que publicações suas passaram a ser restritas ou mesmo apagadas, algumas com informações erradas sobre a pandemia do novo coronavírus ou apontadas como incitadoras da violência contra grupos minoritários e opositores.

Em várias ocasiões, ele ameaçou pôr fim a uma regra de 1996 que exime plataformas e serviços digitais de qualquer responsabilidade sobre o conteúdo ali publicado — a regra também permite que as plataformas removam conteúdos considerados impróprios, ponto atacado por Trump. Nos processos apresentados nesta quarta, ele pede ao juiz que invalide essa regra. Na semana passada, um tribunal da Flórida julgou inconstitucional uma lei que autorizava o estado a aplicar punições contra empresas de tecnologia que suspendessem contas de candidatos a cargos eleitivos.

Ao mesmo tempo, ele usava as mesmas redes sociais como principal ferramenta para chegar a seus quase 89 milhões de seguidores no Twitter e Facebook. Com a derrota, as postagens passaram a espalhar e replicar teorias falsas de que a vitória de Joe Biden havia sido fruto de uma fraude, um discurso visto como agressivo e potencialmente perigoso por analistas e mesmo aliados de Trump.

Mas a invasão do Capitólio no dia 6 de janeiro, quando partidários do ex-presidente tentaram impedir a confirmação dos resultados das urnas, marcou um ponto de virada, ou um ponto final em certos casos. Publicações e vídeos na conta do presidente no Twitter foram declarados incitação à violência, ainda mais quando centenas de apoiadores ameaçavam congressistas e funcionários do Legislativo. A conta foi suspensa inicialmente por 12 horas, e foi banida em definitivo no dia 8 de janeiro. A suspensão foi seguida dias depois pelo Facebook, que recentemente a prolongou por dois anos, e pelo YouTube, plataforma de vídeos controlada pelo Google.

Longe deste importante meio de se comunicar com seus eleitores, Trump recorreu a meios de comunicação tradicionalmente afáveis, como a Fox News, ou ligados à extrema direita, como a America One e o Newsmax, além de redes sociais usadas por seus apoiadores e extremistas, como o Gab e o Parler, que chegou a ser derrubado no começo do ano. No fim de semana, a equipe do presidente lançou sua própria rede social, o Gettr, que tem como linhas principais “lutar contra a cultura do cancelamento” e “garantir a liberdade de expressão”. Apesar de ter conseguido quase meio milhão de inscrições horas depois do lançamento, ela já foi alvo de hackers.

O Globo

Opinião dos leitores

  1. Ditadura do politicamente correto e das narrativas esquedistas, se vc n estiver desse lado, vc esta fora ! N tem direito a opinião, nem ideias, nem pensamentos, nem contraditório e nem de reclamar ! E ainda tem gente que defende isso ! Tudo errado ! Se for p defender ditadura, gostaria que os militares tomassem o poder de vez e mandasse fechar toda essa mídia lixo, e suspendesse que falasse mal deles, num instante a esquerda ia chorar de novo (assim como fizeram em 64). Acredito na liberdade de opinião e ideias total, se vc concorda bem se não, bem tbm. Pode se não concordar, mas deve se defender o direito de fala e expressão!

  2. Esse vagabundo devia estar preso…não pela morte dos idiotas que foram defende-lo no congresso americano, mas pela morte do policial que deu a vida cumprindo seu dever no mesmo episódio…
    Volta pra catatumba, oferenda…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

CPI aprova convocação de representantes de Facebook, Google e Twitter para “conter disseminação de notícias falsas”

Foto: Jefferson Rudy – 22.jun.2021/Agência Senado

A CPI da Pandemia aprovou nesta quarta-feira (23) requerimentos para a convocação de representantes de Facebook, Google (que controla o YouTube) e o Twitter.

Em votação simbólica, senadores aprovaram requerimentos para ouvir redes sociais sobre medidas para conter disseminação de notícias falsas em suas plataformas

A análise dos requerimentos foi feita em bloco, com aprovação simbólica por todos os membros da comissão.

CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Manda apurar os gastos com dinheiro público desse circo.
    Param de passar vergonha cambada de corruptos, vcs tem moral pra invesrigar alguma coisa???
    Vão procurar Lázaro bando de abestalhados.
    Antigamente era o povo os abestalhados, hoje é essa trinca de boi tabacos.
    Aquem vcs querem enganar??
    Se não acharem o Lázaro, procurem um jumento, pra aquietar vcs seus inocentes.

  2. Os nobres Senadores não sabem o que investigar, nem como investigar, nem para que investigar. Já passaram da cloroquina, pela ivermectina, agora estão nas motos, vão para as redes sociais… enquanto isso Bolsonaro deita e rola. Deve tá rindo de ficar com a barriga doendo.

  3. Essa cpi É a MAIOR palhaçada. É um circo sem cobertura no interior, Pobreza total de argumentos. Renan gaguejando, o presidente Omiz é um babaca, o outro Randolfe brigando com os colegas. É de dar pena o nível. LÁSTIMA

    1. A madame espera o que? Uma CPI ou uma aula de etiqueta?
      É muita frescura e mimimi pra um baitola só.

  4. Esses canalhas militantes de esquerdas estão perdidos neste circo chamada CPI, estão batendo cabeça, é publico e notório. Aprovaram requerimento para saber quanto o presidente gastou com a motociata, esta CPI é digna de pena, são um bando de ave de rapina o relator e o presidente.

  5. As redes sociais já estão fazendo a sua parte, há tempos vêm combatendo as fake news. O problema é que o presidente e sua corja cada dia disseminam mais e mais… Fora os robôs que disparam várias e várias msgs iguais. É uma luta difícil!

    1. Acho que você só tem olhos e ouvidos para as distorções. A globo e a CNN produzem fake news ao vivo, levam narrativa dos fatos, dão sentido oposto as situações e noticiam absurdos sem serem incomodados, tudo alinhado a turma da esquerda.
      A guerra com narrativas é tão forte e explícita que os menos avisados embarcam nas versões noticiadas e não vão em busca da verdade que só as redes sociais tem.

  6. Estão fazendo o mesmo caminho restritivo que sofreu TRUMP nos EUA.
    A esquerda mostrando que a democracia só pode existir se for para fazer suas vontades.
    A esquerda comprovando que a liberdade de expressão só pode existir se for para vender suas narrativas e distorções dos fatos.
    Os senadores da CPI, todos tem processo por corrupção, preocupados em criar meios para inibir a verdade, proibir que os fatos sejam publicados, querendo que o Brasil viva das notícias imorais e distorcidas fabricadas pela esquerda e noticiada na Globo.
    Mas claro, evidente e desenhado do que isso, impossível

    1. Perfeito o comentário! Todos os atos, por mais antidemocráticos ou autoritários, são sustentados pela narrativa falaciosa da esquerda, e de políticos obviamente comprometidos com a volta da corrupção. Estão querendo repetir a estratégia bem sucedida levada a efeito nos EUA: tirar um Presidente democraticamente eleito, para que o sistema volte a se lambuzar com a corrupção, e com o dinheiro estatal jorrando para a mídia conivente.

    2. Jair é um santo. Tudo é culpa dos comunistas malvadões’. O atual presidente compra vacina superfaturada, gasta $$ público para dá voltinha de moto e é deselegante/mal educado com pessoas e repórteres e você vem falar em esquerda? Saiam dessa onda de esquerda e direita, tá ai o presidente sem agenda econômica e torrando $$ do povo e mentindo para os bovinos. A gasolina em Natal a R$6,oo e invés de cobrarem ficam defendendo o indefensável. Acordem!!

    3. Papa fake news. Vai se informar antes de falar besteira. O presidente não comprou vacina superfaturada, foi um erro na tradução do inglês por algum jornalixo esquedista que jogou essa narrativa e vc pegou ela bem direitinho como um bebe chorão

    4. Aldolfo T, então esse Blog em que você lê e faz comentário é jornalixo? Porque tem a matéria aqui. Ou você é mais um cego que ninguém pode fazer uma crítica a Jair? Deve está feliz da vida pagando gasolina a R$6,oo e comendo ovo no lugar da carne. Acorda, gado!!

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Google faz homenagem à Dona Militana, a potiguar são-gonçalense considerada maior romanceira do Brasil

Fotos: Reprodução

O Doodle do Google desta sexta-feira (19) é uma homenagem a Militana Salustino do Nascimento, a maior romanceira do Brasil. Nascida em São Gonçalo do Amarante/RN, ela faleceu em 2010 e completaria 96 anos nesta data. Em 2005, ela recebeu a Comenda Máxima da Cultura Popular. Suas memórias estão expostas no Museu Municipal de São Gonçalo do Amarante.

Dona Militana era filha do Mestre do Fandango, Sr. Atanásio Salustino do Nascimento e de Maria Militana do Nascimento. Aos sete anos já trabalhava na roça, plantando mandioca e feijão. Apesar de analfabeta e de ser proibida de cantar pelo seu pai, foi na lida do campo que memorizou os romances, um considerável acervo que fez dela uma enciclopédia viva da cultura popular.

Seus romances eram originários de uma cultura medieval e ibérica, que narravam os feitos de bravos guerreiros e contam histórias de reis, princesas, duques e duquesas. Além de romances, Militana cantava modinhas, coco, xácaras, moirão, toadas de boi, aboios e fandangos, numa cadência que lembrava o cantochão, com ritmo baseado na acentuação e nas divisões do fraseado.

Na maioria das vezes, as narrativas cantadas eram histórias trágicas, como a do “Conde de Amarante”, em que a esposa chora a ausência do marido, enquanto dá ao filho “o leite da amargura” e se despede da vida. Outros romances, como “Nau Catarineta”, traziam poesias de terras distantes, desconhecidas, lugares por onde Militana navegava com a memória e a imaginação.

Na década de 1990, o folclorista Deífilo Gurgel conheceu os cantos de Dona Militana e permitiu que o país inteiro conhecesse o talento dela. A romanceira chegou a gravar um CD triplo intitulado “Cantares”, lançado em São Paulo e Rio de Janeiro. Críticos e jornalistas de grandes jornais brasileiros se renderam aos encantos e a peculiaridade da voz de Dona Militana.

Em setembro de 2005, em Brasilia, ela recebeu das mãos do então presidente Lula a Comenda Máxima da Cultura Popular, sendo considerada a principal e última guardiã do romanceiro medieval nordestino.

Opinião dos leitores

  1. Sem esquecer Deífilo Gurgel esse potiguar que resgatou nossa memória histórica através de de Dona Militana.

    1. Verdade!!
      A uma senhora linda maravilhosa.
      Olha o look
      Olha o cenário da foto.
      É simplesmente espetacular!!
      Bela homenagem.

  2. O Poeta e Educador, EDILBERTO C.

    Estará em abril lançando seu livro

    “Dona Militana bebe da fonte de uma memória mítica, por isso mesmo milenar. Assume, assim, o papel da sacerdotisa de uma memória que anseia por se perpetuar.”

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Gmail, YouTube e Google ficam fora do ar nesta segunda

YouTube e Google em celular da Samsung (Imagem: Irfan Ahmad/Pixabay)

Os principais serviços do Google estão fora do ar nesta segunda-feira (14): Gmail, YouTube, Drive, Docs, Play Store, Agenda (Calendar), Fotos, Classroom (Sala de Aula) e vários outros não funcionam ou dão erro 500. A falha afeta usuários em diferentes provedores de internet e em diferentes países, não só no Brasil; e impacta os aplicativos e as versões web.

Google caiu no mundo todo

Nos testes do Tecnoblog, o Gmail não carrega na versão web, exibindo a mensagem “Sua conta está temporariamente indisponível; lamentamos o transtorno e sugerimos que você tente novamente em alguns minutos”. O app para celular, por sua vez, não recebe novos e-mails.

O YouTube não carrega nenhum vídeo, seja pelo Wi-Fi ou pela internet do celular (4G). O site mostra o aviso “Something went wrong…”, enquanto o aplicativo permanece carregando a interface sem exibir nenhum vídeo.

Os sites do Google Drive, Fotos, Play Store e Agenda trazem basicamente o mesmo aviso: “500. There was an error. Please try again later”. (500, houve um erro, por favor tente novamente mais tarde.) Há relatos de que isso afeta também o Meet, Docs, Assistente e vários outros; só a busca está funcionando. A empresa ainda não se pronunciou.

No DownDetector, as queixas começaram a se acumular por volta das 9h, horário de Brasília. Estes são os principais serviços do Google que estão fora do ar:

YouTube
Gmail
Drive
YouTube TV
Classroom
Nest (produtos de casa conectada do Google)
Play Store (loja de aplicativos no Android)
YouTube Music
Google Home
Stadia (streaming de jogos)
Google Hangouts
Google Maps
Google Meet
Google Duo

Tecnloblog

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Google lança aplicativo que dá dinheiro por tarefas concluídas

Foto: Reprodução

Agora é possível o usuário do Google ganhar dinheiro com uma de suas ferramentas. O Task Mate permite que pessoas sejam remuneradas cumprindo tarefas, como tirar fotos de lojas, responder pesquisas de preferências, gravar e traduzir frases do inglês para o idioma local.

O Task Mate divide as tarefas em duas categorias: “sitting tasks” – que podem ser feitas em casas – como gravar e traduzir frases, e “field tasks” – que devem ser feitas na rua – como tirar fotos. Cada atividade tem um valor de recompensa fixado, por exemplo, U$$ 0,20 é pago para gravar 10 frases.

Para sacar as recompensas, o usuário precisa acumular no mínimo U$$ 10 em sua conta, para depois conseguir transferir para o seu banco ou carteira digital.

Segundo a descrição do aplicativo no Google Play, a pessoa também pode pular a tarefa que não tem intenção de fazer.

Inicialmente o aplicativo está disponível apenas para quem mora na Índia e em uma versão beta, com limitação de usuários. No Brasil, o Google disponibiliza o Opinion Rewards, aplicativo que recompensa os usuários que responde perguntas enviadas. É possível ganhar até R$ 3 como recompensa, porém o valor é creditado direto Google Wallet, e pode ser utilizado apenas na compra de aplicativos e outros produtos na Play Store.

MAIS DETALHES AQUI.

Isto É Dinheiro e Olhar Digital

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Busca no Google por motéis dispara durante a pandemia

Foto: iStock

Que nem todo mundo aderiu ao isolamento social durante a pandemia, não é novidade. Ainda assim, perceber que as buscas por motéis durante esse período tiveram uma alta alcançando volumes inéditos nos últimos cinco anos, surpreende.

O Google Trends é uma ferramenta gratuita que exibe o histórico de busca e aponta tendências. Quando pesquisamos por “motel aberto” os resultados mostram que o pico aconteceu em março deste ano.

Também é interessante notar que, comparando as buscas por motéis em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre e Belo Horizonte, os paranaenses parecem os mais interessados no assunto.

Foto: Divulgação/ Google

Pra entender esses resultados, já que durante boa parte desse período os motéis estiveram fechados (pelo menos oficialmente), rodei uma pesquisa com 3.618 pessoas, em diversos estados, que responderam assim:

Desde o início da pandemia, você foi ao motel?

60% Sim

40% Não

Comparada com antes da pandemia, a frequência com que você vai no motel:

66% – Diminuiu

26% – Está igual

8% – Aumentou

Quais motivos te levam a frequentar motéis?

48% – Mais privacidade (moro com outras pessoas)

45% – Para sair da rotina

32% – É mais divertido

19% – Mais segurança

8% – Outro

Além da pesquisa, o Bruno Domingues, que é gerente do Opium Motel em São Paulo, trouxe a sua percepção sobre o período:

“O movimento caiu muito, principalmente porque permanecemos vários meses fechados. Eu acompanhei o aumento pela busca por motéis, mas isso não se transformou em ocupação mesmo depois que fomos permitidos reabrir. Ainda estamos recuperando o movimento aos poucos.”

Ele explica que, nos primeiros meses de pandemia, teve parte da sua ocupação realizada por profissionais da saúde, já que nos seus arredores estão localizados grandes hospitais:

“O pessoal da saúde usou bastante pra descanso, mas muitos para as refeições mesmo, já que os restaurantes não abriram e todo mundo precisava se alimentar. A sorte é que a boa cozinha é um dos nossos diferenciais, temos um cardápio variado e cuidadoso. Hoje, mesmo depois da fase mais crítica, muita gente continua vindo como opção para comer bem.” Provavelmente em todos os sentidos (eu me segurei para não fazer a piada, mas foi difícil perder a oportunidade).

Por fim, ele explica que mesmo que os motéis não tivessem sido impedidos de abrir, o movimento sofreria uma queda:

“Uma boa parte da nossa clientela vem pra pular a cerca. Sem desculpa pra sair de casa, fosse pelo trabalho, academia, o futebol da semana, uma volta com as amigas, o pessoal não tem como justificar a ausência. Ainda está difícil fazer isso, por isso a recuperação do movimento ainda é lenta.”

Mas se a ocupação dos motéis caiu, por que será que as buscas no Google aumentaram? Uma hipótese é a junção do bom e velho tédio, saudosismo e planos para o futuro. Será que a saudade bateu forte de outras coisas também? Conta aí nos comentários, o que você tem buscado na internet só pra ver se ainda está lá?

Universa – via Mayumi Sato – Colunista do UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Eu não fiz busca, pois sou fiel ao meu COMPANHEIRO e estamos próximo ao dia do casamento.

    1. Valeu Pedroca ! Fidelidade grande ao seu amado , pense num casamento que vai dar certo . Vai ser no OCEAN mesmo ?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

ABUSO DE PODER: Google é processado pelo Departamento de Justiça dos EUA por monopólio em sistema de buscas

Foto: Reprodução/TV Globo

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos e 11 estados norte-americanos entraram com uma ação antitruste contra o Google, nesta terça-feira (20), por supostamente violar a lei ao usar seu poder de mercado para afastar rivais.

A empresa é acusada de pagar a outras companhias, como fabricantes de telefones celulares, operadoras e navegadores, entre elas a Apple, para manter seu sistema de buscas como o padrão.

Segundo reportagem do “The Wall Street Journal”, o processo aponta ainda que esse monopólio seria mantido por meio de uma rede ilegal de acordos comerciais exclusivos e interligados que excluem concorrentes.

A gigante da tecnologia se defendeu, dizendo que o processo é profundamente falho, e que a ação poderia “tornar mais difícil o acesso aos serviços de busca que querem usar”.

“Nossos acordos com a Apple e com outros fabricantes de dispositivos não são diferentes dos acordos que muitas outras empresas tradicionalmente usam para distribuir software”, afirmou Kent Walker, vice-presidente sênior de assuntos globais do Google.

“Outros mecanismos de pesquisa, incluindo o Bing da Microsoft, competem conosco por esses acordos. E nossos contratos passaram por repetidas revisões antitruste”, completou.

“As pessoas usam o Google porque querem – não porque são forçadas ou porque não conseguem encontrar alternativas”, disse a empresa.

Segundo a Reuters, esse é o maior processo antitruste em 20 anos nos EUA. Ele é comparável ao processo contra a Microsoft movido em 1998 e ao processo contra a AT&T, de 1974.

Investigada

A ação foi apresentada mais de um ano depois que o Departamento de Justiça e a Comissão Federal de Comércio (FTC, na sigla em inglês) começaram as investigações sobre monopólios em quatro grandes empresas de tecnologia: Amazon, Apple, Facebook, além do Google.

Sete anos atrás, a FTC realizou uma investigação envolvendo o Google. O órgão apontava, entre outras coisas, que a função de busca da empresa poderia favorecer os próprios produtos, incluindo resultados privilegiados para o YouTube, por exemplo.

Ao fim da investigação, o presidente da comissão, Jon Leibowitz, disse que o órgão regulador não tinha encontrado nenhuma evidência que sustentasse a acusação de que o Google favorece injustamente seus próprios serviços nos resultados de busca.

No entanto, foi fechado um acordo, que foi contestado por alguns advogados da equipe da FTC. Nele, o Google se comprometia a licenciar certas patentes, consideradas “essenciais” para rivais em telefonia móvel, e a remover restrições no uso de sua plataforma de buscas de publicidade on-line, o AdWords.

“As mudanças que o Google concordou em fazer vão garantir que os consumidores continuem a ter os benefícios da competição na internet”, disse Leibowitz na época.

‘Chefão’ foi interrogado no Congresso

Sundar Pichai, presidente-executivo do Google, em audiência nos EUA — Foto: Reprodução

Em agosto passado, o presidente-executivo da Alphabet (empresa dona do Google), Sundar Pichai, foi interrogado pelo Congresso dos EUA ao lado de Mark Zuckerberg (Facebook), Jeff Bezos (Amazon) e Tim Cook (Apple).

Pichai e os outros líderes das gigantes da tecnologia se defenderam na audiência, onde foram acusados de abusar de uma posição dominante no mercado.

O presidente do Google foi questionado sobre acusações de que a companhia estaria “roubando conteúdo” de pequenos sites, com o objetivo de manter as pessoas conectadas à plataforma. “Não concordo com a caracterização dessa afirmação”, disse Pichai. “Sempre focamos em fornecer aos usuários as informações mais relevantes”.

Críticas no Senado

Arkansas, Carolina do Sul, Flórida, Geórgia, Indiana, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Montana e Texas, os 11 estados que aderiram à ação, têm procuradores-gerais republicanos.

Um dos críticos constantes do Google e de outras plataformas digitais, o senador republicano Josh Hawley chamou o processo de “o caso antitruste mais importante em uma geração” e disse acreditar a empresa mantém o poder por “meios ilegais”.

Mas a gigante da tecnologia também enfrenta críticas de democratas, como a senadora Elizabeth Warren. Em 10 de setembro, ela tuitou usando a hashtag #BreakUpBigTech, pedindo uma “ação rápida e agressiva” contra as grandes empresas do ramo.

G1

Opinião dos leitores

  1. Buscador na internet é o pau q mais tem. Basta não ter cuidado ao entrar em sites que invadem nossa privacidade pra ver como se auto instalam seus mecanismos de buscas, inclusive no próprio Chrome, deixando de lado o google.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Segurança

Google cria alerta para avisar se sua conta está em perigo

Novo alerta protege conta do Google de vazamentos e ataques hacker — Foto: Divulgação/Google

Google lançou na última semana um novo alerta mais chamativo para avisar quando há atividades que afetem a segurança e privacidade em aplicativos e contas Google. A notificação surgirá dentro dos apps da empresa quando for identificado um problema grave de segurança que possa acarretar a perda do acesso à conta. Além da notificação, o Google irá sugerir soluções imediatas para a reverter a situação.

O objetivo da novidade é agilizar a resposta do usuário ao problema, já que a notificação surgirá automaticamente e não será preciso ir até o e-mail ou central de alertas do celular para conferir o aviso. Além disso, os novos alertas são protegidos contra spoofing, recurso muito utilizado no Brasil em golpes do WhatsApp, em que criminosos fingem ser conhecidos para ter acesso a informações privadas. Ou seja, será mais difícil enganar o usuário, já que as notificações serão sempre enviadas pelo Google.

O alerta surge em vermelho e pisca várias vezes no ícone de perfil, algo bastante chamativo para os usuários. Ao tocar sobre o ícone, a notificação é aberta com o aviso “Alerta crítico de segurança”, além do botão de “Checar atividade” para conferir o local e dispositivo em que aconteceu a tentativa de login suspeita. Assim, será possível contornar a situação e resolver o problema mais imediatamente.

A criação da nova tecnologia surgiu da percepção da empresa para o aumento do número de usuários que reagem às potenciais invasões. Desde 2015, quando o Google começou a usar os alertas nos celulares Android, o número de pessoas que resolvem os problemas ficou 20 vezes maior, comparado aos alertas enviados por e-mail. Com o lançamento da nova notificação mais chamatida, a expectativa é que os números aumentem ainda mais.

O Google conta com uma política de privacidade e tecnologias para proteger as contas. Por exemplo, a Navegação Segura já protege mais de 4 bilhões de aparelhos e, no Gmail, são bloqueadas mais de 100 milhões de tentativas de phishing todos os dias. Ainda este ano, a empresa divulgou também que as novas contas irão contar com serviço de apagamento automático de dados a cada 18 meses e o usuário pode, ainda, modificar como preferir e diminuir este tempo para 3 meses, por exemplo.

Techtudo, via Google, Slashgear e Engadget

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Busca por “divórcio online” no Google dispara

Foto: Maria Voronovich/Getty Images/iStockphoto

Se no meio de uma briga com seu parceiro ou parceira, em plena “crise no casamento pandêmico”, você digitou no Google “como pedir divórcio” e pensou na possibilidade de separação nem que seja por um segundo, entenda: você não está sozinho. Nos últimos seis meses, de acordo com levantamento da empresa, a procura pelos termos “como entrar com um pedido de divórcio” cresceu 3.750% nos últimos 6 meses; de “divórcio online”, 1.150%, no mesmo período.

Não é possível saber quantos desses casais realmente pegaram suas coisas e foram embora, mas, de alguma forma, a busca por novos ares na vida conjugal também já se traduziu no número de divórcios registrados nos cartórios de notas do país. Entre maio e junho deste ano, a quantidade de divórcios consensuais, ou seja, que não vão para a esfera judicial, aumentou 18,7%, segundo informações da Agência Brasil.

Ainda é cedo para dizer se o crescimento está relacionado a uma demanda reprimida, de quando os cartórios estavam fechados por conta do isolamento social, ou mesmo à liberação de uma plataforma virtual pela Corregedoria do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em maio, para que os cônjuges possam fazer o divórcio virtual.

Conversamos com a advogada Bárbara Torroni C. Giovannini sobre o tema. Afinal, quais são os caminhos para seguir com a separação durante a pandemia?

Como pedir divórcio na quarentena: virtual e presencialmente

Desde março, quando a orientação das autoridades médicas passou a ser que as pessoas fiquem em casa para diminuir a curva de contágio da Covid-19, os aspectos da convivência entre os casais começaram a pesar: mulheres sobrecarregadas pela falta de divisão de tarefas domésticas, falta de diálogo e a mudança drástica na rotina familiar fizeram com que o divórcio rondasse os lares (ou pelo menos, a busca no Google) dos brasileiros.

Em maio, o CNJ estabeleceu normas para que parte dos atos notariais pudesse ser feita virtualmente — entre eles, a assinatura da papelada do divórcio. Ou seja, dá, sim, para pedir separação sem sair de casa. Mas, para isso, é preciso consenso entre os cônjuges e eles não podem ter filhos menores. Assim como acontece nos pedidos de divórcio extrajudiciais feitos presencialmente. Se houver filhos envolvidos, ou não houver acordo, aí o processo é litigioso e não pode ser feito pela plataforma virtual.

O divórcio virtual pode ser solicitado pelo site do Colégio Notarial do Brasil (CNB). No entanto, o órgão pede para que o usuário tenha acesso a um certificado digital para dar entrada no pedido. E, nesta etapa é preciso se dirigir a um dos cartórios credenciados. Com essa liberação, o processo segue: as reuniões com advogados podem ser feitas por videoconferências, que são gravadas e arquivadas, integrando o ato notarial.

Mesmo que a separação seja amigável, a escritura do divórcio só pode ser feita com o acompanhamento de um advogado que pode ser o mesmo para o casal.

“Nessa modalidade de dissolução da sociedade conjugal, é preciso que as partes estejam de acordo com partilha de bens e em consenso. Aí, mesmo sendo um caso extrajudicial, é preciso a presença do advogado para elaborar uma minuta e registrar no cartório”, explica a advogada Bárbara Torroni C. Giovannini, que atua há mais de dez anos no tema.

“Costumo dizer que em menos de seis meses saí o divórcio consensual. Só fica dependendo da burocracia de cada cartório”. Os custos do cartório podem ser de, em média, R$ 600. Além disso, é necessário arcar com os honorários do advogado. Pela tabela da OAB-SP, o profissional pode cobrar R$ 3.110,55 pelos serviços prestados.

Já o divórcio litigioso, ou seja, quando os parceiros não chegaram a um consenso, em casos de violência doméstica, quando há pendências como guarda, visitas e pensão relativas a filhos menores ou incapazes, pode se arrastar por mais tempo. “Depende muito do casal. Há disputas que entram no campo sentimental, o filho vira objeto de barganha, de agressão. Geralmente, o que acontece depois que um acordo é protocolado, é uma audiência de conciliação entre as partes. Afinal, o juiz de família busca sempre o acordo para evitar a judicialização dessas questões”, explica a advogada.

Se nada for resolvido, o processo caminha até o juiz proferir uma sentença. “Todo dia me perguntam quanto tempo vai durar o processo, e eu digo que isso depende bastante do casal. Coloco a perspectiva de pelo menos um ano, mas eu tenho casos de separação que estão acontecendo há cinco anos”. Pela OAB-SP, os honorários cobrados por divórcio judicial litigioso têm valor mínimo de R$ 8.709,53.

A hora de decidir

Giovannini, que atende em Belo Horizonte (MG), têm mais clientes mulheres — uma tendência, inclusive, apontada por outras profissionais de Direito durante a pandemia. Segundo ela, a maior preocupação no momento de decidir pelo divórcio tem a ver com a dependência financeira que elas mantêm em relação ao parceiro.

“Estamos em uma situação de crise econômica e crise emocional. Isso chega a elas como medo de como cuidarão dos filhos, onde vão morar e como vão pagar uma advogada para o divórcio”, avalia. “Mas, para aquelas que estão pensando em se separar, como mulher, eu dou um primeiro conselho: buscar orientação de um advogado ou advogada para resolver o mais rápido possível, principalmente porque isso é o melhor para as crianças”.

Caso não seja possível pagar um advogado para o processo, a orientação é procurar a unidade da Defensoria Pública de sua cidade. A de São Paulo, por exemplo, orienta que os interessados já levem os documentos necessários para o pedido. “Só não dá para fazer o divórcio ‘de boca’. É preciso ter um documento”, diz a advogada.

Universa – UOL

 

Opinião dos leitores

  1. Quer se divorciar? tenha calma, converse com o companheiro/companheira sobre a relação, veja as formas de superar os problemas apresentados no convívio diário. Divórcio não é fácil, sobretudo se vc tem mais de 50 anos, pois rapidinho vc estará com 60 anos, cheio de manias, talvez solitário e desesperado para arrumar uma boa companhia que se enquadre no seu perfil. Se for novinha já viu, vai levar chifre na certa, meia idade já chega com um kit menino, e da tua idade só no Gilson Bufet ou na festa dos coroas no Sesc kkkk

    1. Que panorama macabro…
      Não é bem assim…
      E o Amor fica aonde em toda essa racionalização???

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Comportamento

Cuckold, o fetiche em que o homem tem prazer em ouvir, ver ou liberar a parceira para sexo com outros, é um dos termos mais pesquisados no Google atualmente no país

Foto: Pexels/Reprodução

Há alguns meses um termo novo relacionado a fetiche começou a aparecer com certa frequência nas redes sociais e nas buscas on-line: cuckold. Trata-se da prática em que o homem gosta que sua parceira tenha relações com outras pessoas.

No Brasil, a frequência de busca do termo no Google teve um aumento de cerca de 800% nos últimos 15 anos. A quantidade de pornografia relacionada ao tema também é grande. Só no XVideos, pesquisar por “Cuckold Brasil” aponta mais de 42 mil vídeos sobre a prática.

O que é Cuckold?

Para explicar o que é esse fetiche, o Delas conversou com o psicólogo especialista em sexualidade do Sexo sem Dúvida, Marcos Santos. O termo cuckold é derivado da língua inglesa. Ele explica que se trata de um fetiche de alguns homens em ter a parceira transando com outros homens.

Independente da pessoa ter uma uma relação aberta ou um casamento monogâmico, se o parceiro sente prazer em ouvir, ver ou mesmo ter conhecimento de que sua parceira tem relações deixais com outras pessoas, ele se enquadra nessa fetiche. Não há infidelidade, pois há total consentimento entre as partes.

“No Brasil a figura do ‘corno’ ainda hoje é algo pejorativo e motivo de vergonha para os homens. Ser trocado, sentir-se traído, ser comparado a outros homens, sempre foram temores masculinos. Com o avanço das informações sobre sexo, relacionamentos e o acesso facilitado pela Internet, este fetiche saiu dos bastidores para ganhar fama justamente por despertar antigos medos, mas também possíveis desejos”, acrescenta.

Como o fetiche funciona?

O especialista explica que esse fetiche se enquadra na vertente que envolve masoquismo e voyerismo (quando a pessoa sente prazer sexual em ver ou ser visto por outras pessoas). Existem várias formas e cada casal encontra a que achar melhor para o bem-estar dos dois. Por se tratar do universo das fantasias sexuais, o cuckold pode levar às mais diferentes práticas. Por exemplo:

– A parceira encontra um outro homem e depois conta os detalhes para o parceiro.

– Ela volta para casa com outro homem, enquanto o parceiro fica no ambiente ao lado escutando toda interação.

– A mulher encontra outro homem e grava o encontro. Depois exibe o vídeo para o parceiro.

– O casal também pode usar o voyeurismo, no qual o parceiro apenas observa a relação sexual entre sua mulher e o amante.

Também vale participação ativa do parceiro no sexo, com envolvimento no ato sexual e alternando com a observação.

E quando são as mulheres que gostam de ser traídas?

De fato, o cuckold não é só para homens. As mulheres também têm vez no fetiche. As cuckquean, como são chamadas a mulheres praticantes, gostam de ver os parceiros fazendo sexo com outras mulheres.

Assim como na versão masculina, as mulheres também podem ter prazer em ouvir, assistir e até mesmo participar da relação sexual com o marido e a amante. Há inclusive aquelas que gostam de escolher as mulheres com quem seus parceiros devem sair (seja no swing, entre amizades ou mesmo uma profissional contratada).

É sempre bom lembrar que não existe traição dentro do fetiche cuckold. Toda a prática é acordada por ambas as partes. Se alguém trai fora do combinado, não há fetiche envolvido, e sim falta de consideração.

“Se para o homem pensar em sua parceira com outro cara gera ameaça e sofrimento, então o cuckold não se aplica. Para este tipo de prática é muito importante ter uma relação de muito diálogo, maturidade e sinceridade. Se estão a fim de experimentar, regras também se aplicam a este tipo de fetiche. Qualquer coisa que envolva sexo necessita do consentimento das duas partes.”, encerra.

Existem brinquedos sexuais para quem quiser fazer isso?

Alguns casais utilizam cintas de castidade, modelos onde o pênis é colocado em sextoys que impedem a masturbação. Nessa situação, o homem pode ver sua parceira transando, mas não é permitido se masturbar enquanto assiste. Pode também ser algemado e vendado para apenas ouvir o sexo rolando.

Existem também casas de swing cuja temática da noite é justamente cuckold. Além disso, existem redes sociais como a Mundo Erótico, Fetlife e Sexlog que possuem grande audiência vinda justamente dos cucks (apelido dado aos apreciadores-adeptos da prática).

IG

Opinião dos leitores

  1. Pessoal é muito mais comum do que vocês imaginam. Nada disso me assusta se for consentido, me assusta pedofilia, zoofilia, isso sim. Agora querer ser corno é normal. Parem de ser conservadores e hipócritas rsrsr

  2. E o cara ser muito safado numa coisa dessa senti prazer na Muie danfo pra outro aff tmnc mesmo tem lógica não mno

  3. PRIMEIRO FOI A VIADAGEM, AGORA É A CORNAGEM. QUEREM TRANSFORMAR O PAÍS E O MUNDO NUM CABARÉ! PQP!!!!!!! O NOME DISSO É CHIFRE MEU FILHO!!!!!!

  4. GENTE SO MUDOU O NOME CORNAGEM OU CORNO E MUITO FEIO E MELHOR CUCKOLD SOA MAIS LEVE MAIS AGRADAVEL E AINDA MAIS E O CORNO QUE QUER SER CORNO OUTROS TEMPOS GENTE OUTROS TEMPOS TAQUI PARIU!!!!!!!!!!!!!

    1. Provavelmente você deve ser um dos que desejam o fetiche e apenas expressa um discurso conservador.

  5. O caba que tem esse prazer, se projeta na mulher. Gostaria de estar no lugar dela.
    Cuck significa cuco. A ave é tipo um corno-xuxa na cultura anglófona.
    Aquele que fica tomando conta dos baixinhos, enquanto a fêmea se diverte.

  6. Parece a direita isentona, nutella, cheia de prudência & sofisticação, leite de soja, farialimer, isentoleft, que-não-gosta-da-polarização, mas que gosta de apanhar (fetiche?) de esquerdista para parecer progressoca e isentona. É o MBL, RenovaBR, turminha do Huck que adoram elogiar figuras como Molon ou Freixo.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Google oferece bolsas de estudo para estudantes de pós-graduação

Foto: Ronald Wittek / EFE – EPA – Arquivo

O Google encerra as inscrições para o Lara (Latin American Research Awards), na próxima quinta-feira (30). O programa voltado para estudantes de mestrado e doutorado de universidades da América Latina e também para seus professores e orientadores.

Neste ano, foi criada uma seção especial para projetos que buscam estudar e encontrar melhores soluções tecnológicas para o combate e a diminuição dos efeitos da covid-19.

O Lara deve distribuir R$ 2,5 milhões para projetos da América Latina. Os pesquisadores selecionados receberão bolsas individuais para desenvolver seus projetos em Ciência da Computação, Saúde, Engenharia e áreas afins no decorrer de um ano. As instruções podem ser encontradas no site.

R7

Opinião dos leitores

  1. Bom dia, boa tarde ou boa noite para os cursos da área da saúde mestrado e doutorado tem algum link para cursos da área da saúde vocês poderia caminha pra mim por favor.

  2. Só para area biotecnologica? Como são e como vai ser o mundo e as relações com a pandemia? E as Ciências sociais como ficam?

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

UERN Natal oferece curso gratuito para professores das redes estadual e municipal sobre aplicativos Google para Educação e ensino remoto

Com a prorrogação da suspensão das aulas presenciais em todos os níveis, do fundamental ao superior, está sendo exigido dos professores conhecimentos para o ensino remoto. Pensando nisso, o diretor da UERN Natal, Prof. Dr. Chico Dantas, elaborou e vai ministrar o curso “Aplicativos Google para Educação”, gratuito, on line e aberto a docentes da Universidade do Estado e professores das redes de estadual do RN e municipal de Natal.

O objetivo é apresentar e/ou aperfeiçoar o uso de aplicativos Google no ensino remoto e no apoio às demais atividades inerentes ao dia-a-dia do professor.

Chico, que integra o Departamento de Computação da UERN Natal, inicialmente pensou em ofertar o conhecimento aos colegas docentes da instituição, mas como as vagas são ilimitadas, entendeu que poderia ampliar o público e prestar esse serviço à Educação do RN e de Natal.

“A metodologia foi pensada para desenvolver atividades em tempo real. As aulas serão transmitidas pelo Youtube, e estudantes de Ciência da Computação atuarão como monitores, tirando dúvidas no chat, enquanto exponho o conteúdo”, conta, explicando que o objetivo é deixar os participantes realmente aptos ao uso das ferramentas e acrescentando que deixará em aberto a possibilidade de outras turmas, caso prefeituras dos demais municípios do RN se interessem em solicitar o mesmo treinamento para os professores.

Gerenciamento de atividades, criação de documentos de forma colaborativa, compartilhamento de arquivos, desenvolvimento e gerência de salas de aulas virtuais estão no conteúdo do curso, que será ministrado em cinco módulos pelo canal YouTube/UERN Natal, semanalmente, sempre às segundas-feiras, das 14h às 17h, a partir de 04 de agosto.

Os conteúdos serão repassados de forma expositiva e prática, para a compreensão das funcionalidades dos aplicativos Google para educação: e-mail, chat, videoconferência, agenda, keep, tarefas, documentos, planilhas, apresentações, drive, classroom, vault e formulários.

O número de vagas é ilimitado, mas, para ter acesso às aulas, será necessário possuir uma conta de e-mail Google; comprovar ser professor da UERN ou das redes de ensino estadual do RN ou municipal de Natal, e se inscrever, através do link http://linktr.ee/chicodantas (o mesmo link pode ser encontrado na bio do perfil @uern.natal.oficial no Instagram).

Os certificados de participação serão emitidos em formato digital, pela Escola de Extensão da UERN (EdUCA).

Opinião dos leitores

  1. Bom.dia sou professora do município e gostaria de participar das aulas sobre os recursos tecnológicos disponíveis para uma aula mais lúdica e agradável, como posso me inscrever?

  2. Quando começa às inscrições? Ou se já começou como faço para me inscrever no curso? Quero muito ampliar meus conhecimentos.

  3. Quero participar desse curso, pois sinto dificuldade em ministrar aulas remotas

  4. Sou professora do Município de Ceará Mirim, vi que não posso fazer, pois está disponível só para o Município de Natal, que pena preciso tanto fazer um curso deste. Qdo vão abri para professores de outros municípios do RN?

  5. Quero fazer esse curso,pois tem dificuldade em trabalhar com esse recurso. É preciso aprofundar meu conhecimento.

  6. Preciso de informações sobre este assunto para meu aperfeiçoamento profissional.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Google libera grátis app de reunião online com até 100 pessoas

Tela inicial do Google Meet — Foto: Reprodução/Google Meet

O Google Meet, programa de videoconferências do Google, está disponível de graça para todos os usuários até o dia 30 de setembro deste ano. A ferramenta, que normalmente só funciona para assinantes do GSuite, permite fazer reuniões com até 100 pessoas, com limite de tempo de 24 horas, além de oferecer recursos como compartilhamento de tela e cancelamento de ruído. Devido à pandemia do novo coronavírus, as videoconferências se tornaram uma alternativa para reuniões corporativas durante o home office, e até mesmo uma solução para encontros entre amigos ou aulas à distância.

De acordo com comunicado da empresa, divulgado nesta quarta-feira (29), o Google Meet será liberado aos poucos, a partir do dia 4 de maio, para qualquer usuário com um endereço de e-mail válido. O programa está disponível para computadores com Windows e macOS, pelo site meet.google.com, e também funciona no celular, com aplicativos para Android e iPhone (iOS).

Além de ferramentas tradicionais em aplicativos de videochamadas, como o compartilhamento de tela e o layout em mosaico, o Google Meet também oferece um modo de pouca luz, que utiliza inteligência artificial para ajustar automaticamente a iluminação conferência. Outro recurso interessante é a possibilidade de adicionar legendas em tempo real, embora a função esteja disponível apenas em inglês.

O Google também promete os maiores níveis de segurança e privacidade para usuários do Meet. Para isso, os dados das reuniões são criptografados. Cada ID possui cerca de dez caracteres, o que faz com que pessoas não autorizadas encontrem dificuldade ao tentar adivinhar o código. Além disso, o sistema também usa recursos avançados de segurança como o Datagram Transport Layer Security (DTLS) e Secure Real-time Transport Protocol (SRTP), que impedem a espionagem de terceiros no aplicativo.

Outro recurso interessante é que o Google Meet não permite que acesso a reuniões sem fazer login. Como a plataforma tem foco empresarial, essas funções são úteis para proteger informações importantes ou sigilosas.

Durante a quarentena do coronavírus, aplicativos de videoconferência se tornaram muito usados, especialmente em ambientes corporativos. Inclusive, uma pesquisa do próprio Google, feita com mais de duas mil pessoas no Brasil, 80% dos entrevistados afirmaram que o principal uso das chamadas de vídeo é para estudar e/ou trabalhar. Somente nas últimas semanas, o Google Meet ganhou mais de 2 milhões de novos usuários e vem sendo utilizado para milhares de reuniões diárias.

Mais uma vez, vale lembrar que o Meet é uma solução premium, disponível apenas para empresas que assinam o pacote de serviços GSuite, e que o uso gratuito vai até 30 de setembro. Nesse período, todas as pessoas poderão aproveitar as ferramentas avançadas do Meet. Para os usuários do Gmail, o Google tradicionalmente oferece o Hangouts, que permite fazer chamadas de vídeo com até 25 pessoas.

G1 – via Techtudo

 

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nacional

Relatório do Google mostra movimentação maior dos brasileiros nos últimos dias


Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O Relatório de Mobilidade Comunitária criado pelo Google mostra que nos últimos dias os brasileiros têm se movimentado mais, apesar da quarentena para frear o avanço do novo coronavírus no País. O índice divulgado no novo relatório é de 59% a menos do que o normal de movimentação de pessoas para setores de comércio. No relatório anterior, o índice era de 71% a menos. Em relação a mercados e farmácias, a queda atual é pouca: 5%.

Em uma primeira versão do relatório, referente ao dia 29 de março, é possível verificar que a movimentação do brasileiro em lojas e locais de recreação caiu 71%, na comparação com a média dos mesmos locais nos domingos das semanas entre 3 de janeiro e 6 de fevereiro. Agora, na índice referente até o dia 11 de abril, a queda é de 59%.

O Relatório de Mobilidade Comunitária foi construído com dados de localização de usuários obtidos em 131 países diferentes. O recurso poderá ajudar autoridades a saber se políticas de distanciamento social estão sendo seguidas, mostrando movimentação das pessoas em diferentes tipos de locais, como parques, lojas, locais de trabalho e residências. Na América Latina, por exemplo, a queda de 59% é a menor entre os países. O segundo colocado no ranking é o México, com 66% a menos do que o normal.

De acordo com o Google, “os relatórios usam dados agregados e anônimos para detectar tendências de movimentação ao longo do tempo – por região e em diferentes categorias de lugares, como pontos de lazer, supermercados e farmácias, parques, terminais de transporte, locais de trabalho e áreas residenciais.

Vamos exibir tendências ao longo de várias semanas, sendo que as informações mais recentes representarão o período de 48 a 72 horas anteriores à publicação. Embora o Google mostre aumento ou redução nas visitas em termos percentuais, não compartilhamos o número absoluto de visitas aos locais.

Nenhuma informação que possa ser atrelada a indivíduos – como a localização de uma pessoa, seus contatos ou movimentos – será disponibilizada em nenhum momento, para proteger a privacidade dos usuários”.

Todos os dados cedidos publicados nos relatórios foram agregados e tornados anônimos pelo Google, explicou a empresa. Além disso, as informações passaram por um processo que a gigante de buscas chama de privacidade diferencial, com a inserção de um “ruído” aleatório, que não permite a individualização dos usuários. A tecnologia, criada pela companhia, está em código aberto – o que permite que qualquer pessoa possa verificar como funciona, aumentando a transparência por trás da ferramenta.

Além disso, todas as informações são coletadas a partir de usuários que deixam seu histórico de localização ligado – um recurso, que, por padrão, fica desligado para todos os usuários do Google. A tecnologia utilizada nesse monitoramento é a mesma que indica, por exemplo, se uma rua está congestionada ou um horário de pico num restaurante no Google Maps.

Estadão Conteúdo

Opinião dos leitores

  1. Na nação mais rica do mundo, 4.491 mortos pelo virus em 24 horas.

    A nação mais rica do mundo. A hora do vamo ver tá chegando.

    1. Eis as provas sobre isolamento, AFRICA DO SUL, BRASIL mas, TRUMP ñ queria e hoje aceitando isto significa suicídio COLETIVO. Quem está de parabéns, MANDETTA, caso contrário estaria igual ou pior do que o EQUADOR.

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

QUARENTENA NO MAR: Co-fundador do Google e outros milionários se isolam em iates de luxo para fugir do coronavírus, diz site

Enquanto alguns milionários se isolam em suas mansões em meio à pandemia de COVID-19, outros se escondem no mar. De acordo com o portal Page Six, milionários do mundo da moda, da tecnologia e de Hollywood têm se refugiado em seus iates de luxo para evitar a contaminação pelo coronavírus. O empresário Tommy Hilfiger, por exemplo, comprou o super iate Flag, que está estacionado em Canouan, St. Vincent.

Já Roman Abramovich, bilionário russo e dono do clube inglês de futebol Chelsea, tem passado a quarentena no Eclipse, um iate de cinco estrelas nas águas de St Barts. Os administradores do espólio de Paul Allen, co-fundador da Microsoft falecido em 2018, possuem uma embarcação de 126 m², ancorada no Golfo do México. Já o “pequeno” Dragon Fly do co-fundador do Google, Sergey Brin, está flutuando no Caribe.

Globo, via Monet

Opinião dos leitores

  1. Esses ricaços imaginam ser donos de alguma coisa nesse mundo? Se fossem não corriam para o mar! É uma mostra que não conhecem a si mesmo!

  2. Se a solidariedade deles não é estimulada e nem desperta de maneira espontânea, cabe aos governos dos países decretarem o confisco de uma boa porcentagem de suas riquezas para salvar milhões de vidas humanas da doença e da fome.
    Aprender com essa crise a sermos humanos que habitamos no mesmo planeta e que portanto somos todos irmãos é o nosso desafio, pois esquecemos disso há muito tempo.

    1. Eu vou com vc e trago o test negativo…claro
      Sei remar muito bem…

Comente aqui

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *