Após PIB do 3º trimestre, governo diz que ‘escudo’ contra efeitos da pandemia deve ser ‘desarmado’

PIB trimestre a trimestre — Foto: Guilherme Luiz Pinheiro/G1

A Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia informou nesta quinta-feira (3) que o “escudo de políticas sociais” que foi criado para amenizar os impactos econômicos e sociais da pandemia deve ser “desarmado”.

Segundo a área econômica, o fim de auxílios governamentais abrirá espaço para a agenda de reformas estruturais e medidas de ajuste das contas públicas que, na visão da secretaria, são o “único meio para que a recuperação se mantenha “pujante”.

A avaliação foi divulgada após o anúncio nesta quarta-feira do resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do terceiro trimestre, que registrou um crescimento de 7,7% na comparação com os três meses anteriores. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Com isso, a economia brasileira saiu da chamada “recessão técnica”, caracterizada pelo tombo do PIB por dois trimestres seguidos.

“A forte recuperação da atividade, do emprego formal e do crédito neste semestre pavimentam o caminho para que a economia brasileira continue avançando no primeiro semestre de 2021 sem a necessidade de auxílios governamentais”, avaliou o Ministério da Economia.

Segundo o governo, a retomada da atividade e do emprego registrada nos últimos meses compensará a redução dos auxílios, previstos para terminar em dezembro deste ano.

“Outro fator positivo será a melhora das condições financeiras que continuarão impulsionando a atividade, principalmente com a retomada da agenda de reformas”, acrescentou.

De acordo com o Ministério da Economia, o fraco crescimento do PIB nos últimos anos é uma consequência da baixa produtividade, fruto da má alocação de recursos na economia brasileira.

“Desta forma, o único caminho que poderá gerar a elevação do bem-estar dos brasileiros serão medidas que consolidem o lado fiscal de nossa economia e corrijam a má alocação de recursos, aumentem a produtividade e incentivem a expansão do setor privado”, concluiu.

G1

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Severino disse:

    Quem foi que mandou fechar tudo mesmo?

  2. Josias Do Frete disse:

    Até Dilma tinha feito um trabalho melhor nessa pandemia.
    Bolsonaro não preside nem quartel abandonado.

    • carlos disse:

      Josias do frete tu és uma anta igual a Dilma

    • Ricardo Carvalho disse:

      Saudades da época do mensalão e petrolão, né meu filho! kkkkkkkkkkkkkkk

    • PEDRO VERDADEIRO. disse:

      Josias tu fazias carreto onde Lulinha trabalhava? Teu ele gostavam de muita bos….., aquela Anta que esticava vento e elevou a mandioca a Deus, que não sabia somar 7 + 9, e foi quem pipocou nove dedos, não tinha raciocínio lógico para ser um camarão, esse bichinho que tem na cabeça, o que vc carrega na barriga.

    • Severino disse:

      Faria mais ou menos o que está se fazendo na Argentina. Melhor não….

    • F. Lucena disse:

      Será que o rabugento do pixuleco já virou freteiro???
      No mínimo ele tem mil codinomes comentando aqui no blog.
      Um derrotado.

    • Andre Vieira disse:

      PAH…👈👈👈2022

COMENTE AQUI