Comissão especial da Câmara aprova texto-base da reforma política

A comissão especial que analisa a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 77/03, que trata da reforma política, aprovou no final da noite ontem (9), por 25 votos a 8, o parecer apresentado nessa quarta-feira pelo deputado Vicente Candido (PT-SP). Ainda falta analisar 23 destaques de bancada. A discussão já dura mais de oito horas. A reforma política também está sendo discutida por outras duas comissões da Câmara.

O texto aprovado mantém o sistema eleitoral atual para 2018 e 2020 e estabelece que o sistema de voto distrital misto, que combina voto majoritário e em lista preordenada, deverá ser regulamentado pelo Congresso em 2019 e, se regulamentado, passaria a valer para as eleições de 2022. De acordo com o parecer do relator, o voto distrital misto será adotado para a eleição dos cargos de deputados federal, estadual e distrital e vereador nos municípios com mais de 200 mil eleitores. O sistema de lista preordenada seria adotado nas cidades com menos de 200 mil eleitores.

Pelo sistema misto, o eleitor vota duas vezes: uma na lista preordenada pelo partido de interesse e outra no candidato de seu distrito. Os votos recebidos pelo partido são contabilizados de forma proporcional e indicam o número de cadeiras a que tem direito. Os votos nos candidatos dos distritos é contabilizado de forma majoritária, considerando metade das cadeiras.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Justo Veríssimo disse:

    Os bandidos se mostram ao público e ninguém os prende ou pune… essas reformas só fazem favorecer e perpetuar os que já estão eleitos e que permanecerão no poder, livres como o vento, assegurados pela imunidade parlamentar…. e o povo, tome peia… ô povo burro que não sabe votar em pessoas dignas….

  2. Thales Rocha de Carvalho disse:

    Está mais para REFORMA DE SALVAÇÃO POLÍTICA que uma reforma política.
    Não tem uma linha com situação que diga respeito ao povo, tudo em prol e para a classe política.
    Deveriam ter tratado do FIM do VOTO OBRIGATÓRIO;
    Tinham que tratar do FIM da IMUNIDADE PARLAMENTAR;
    Não falam no FIM dessa distribuição imoral de passagens aéreas não utilizadas;
    Não tem nada contra a criação dos partidos indefinidamente, por questão de vontade;
    REDUZIR em 50% as VERBAS PARTIDÁRIAS;
    Proibir o aumento de salário dos Deputados e Senadores com índice acima da inflação oficial;
    Entre tantas coisas importantes, ficam apenas brigando numa questão menos importante sobre o voto distrital. Tem que ser eleito os mais votados sim, o que tem que acabar é a forma aberta de financiamento de campanha.

  3. MB disse:

    Esses bandidos somente fazem reformas boas pra eles; para o trabalhador só desvantagens.

COMENTE AQUI