Judiciário

CPI não se conforma com silêncio de diretora da Precisa e Fux reafirma direito de não se pronunciar em perguntas e respostas para não se incriminar

Foto: Reprodução

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, reafirmou à CPI da Covid os termos da decisão que garantiu à diretora da Precisa Medicamentos, Emanuela Medrades, o direito de ficar em silêncio na comissão.

Fux declarou aos senadores – incluindo o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), e o relator, Renan Calheiros (MDB-AL) – que a decisão só abrange perguntas e respostas que poderiam incriminar a diretora, e não sobre temas que ela testemunhou.

O presidente do STF, que está de plantão durante o recesso judiciário, deve emitir uma decisão ainda nesta terça com esses esclarecimentos, em resposta a um embargo de declaração protocolado pela CPI.

Ao blog, Omar Aziz afirmou que o depoimento de Emanuela Medrades – suspenso após ela se negar a responder perguntas simples – deve ser retomado ainda nesta terça, quando a decisão de Fux chegar.

Maximiano nesta quarta

A cúpula da CPI também decidiu, após esse telefonema com Fux, remarcar para esta quarta-feira (14) o depoimento do sócio da Precisa Medicamentos, Francisco Maximiano. A marcação deve ser anunciada ainda nesta terça, quando a sessão for retomada.

O depoimento de Maximiano chegou a ser agendado para 23 de junho, mas o empresário informou à CPI que não poderia comparecer porque tinha retornado há pouco tempo da Índia e cumpria quarentena sanitária.

G1

Opinião dos leitores

  1. É mais digno ser preso do que ficar dando palco a senadores cafagestes e investigados por corrupção, como Renan e Azia. São uns cabra safados que não merecem nem um bom dia…são uns pulhas…

  2. Prendam…ontem ela estava tão falante na PF (negando tudo, claro).
    Nos vídeos em que estava negociando as vacinas ela era tão eloquente…

  3. A que ponto nós chegamos, uns bandidos desses se achando com poder de polícia e arautos da honestidade e moralidade…

    1. Igual a Bozo e os filhos…se acham os “honestos”…
      No entanto…

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: 22 estados têm taxa de ocupação de leitos abaixo de 50%

Foto: Ascom/HCPA

Com 139,2 milhões de brasileiros que receberam a primeira dose e dos 75,4 milhões que já concluíram o esquema vacinal, o Brasil deu mais um passo e avançou no registro cada vez menor da taxa de ocupação de leitos Covid-19 (clínicos e de UTI) na maioria dos estados. Nesta quarta-feira (15), as redes hospitalares de 22 entes federados informaram que estão menos sobrecarregadas e apresentaram taxa de ocupação abaixo de 50%, parâmetro considerado como dentro da normalidade.

Essas informações são consolidadas diariamente pelo Ministério da Saúde com base nos dados disponibilizados pelas Secretarias Estaduais de Saúde. Na prática, a baixa ocupação quer dizer que o sistema de saúde está menos sobrecarregado e registrando menos casos graves ou gravíssimos da Covid-19, ou seja, situações que demandam internações e/ou intervenções médico-hospitalares, o que reflete em um cenário epidemiológico cada vez mais confortável no país.

A queda nas taxas de ocupação dos leitos também reflete na maior capacidade de atendimento de casos de urgência e emergência, além de permitir a retomada gradativa e segura de cirurgias e procedimentos eletivos.

No momento, apenas os estados do Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul apresentam taxas de ocupação na zona de alerta, que varia entre 51% e 69%. O Distrito Federal, que também estava nessa situação, reduziu a taxa de ocupação e passou a estar dentro da normalidade.

Agência Saúde

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

MST atinge meta de captar R$ 17,5 milhões no mercado financeiro

Foto: reprodução/MoneyTimes

O MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra) atingiu o objetivo traçado em sua investida para captar recursos no mercado de capitais para o financiamento da produção.

Por meio da emissão de certificados de recebíveis do agronegócio (CRA), instrumento utilizado nos últimos anos por grandes produtores e companhias do setor, o movimento conseguiu levantar R$ 17,5 milhões, que serão direcionados para sete cooperativas. Os valores já estarão nas contas delas nesta quinta-feira (16).

As cooperativas estão localizadas nos estados de Paraná, Santa Catarina, São Paulo, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul e produzem leite, milho, arroz, soja, açúcar mascavo e suco de uva.

Os títulos foram emitidos pela Gaia Impacto e comercializados pela Terra Investimentos, com o valor de R$ 100 cada e uma remuneração pré-fixada de 5,5% ao ano.

Cada investidor podia reservar até R$ 1 milhão em certificados. Os investidores fizeram a reserva dos papéis do dia 26 de julho até 9 de setembro, quando encerrou o prazo.

Essa foi a segunda incursão do MST no mercado de capitais. O primeiro contato com os investidores ocorreu em maio de 2020, quando o movimento levantou R$ 1 milhão para a Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan) no Rio Grande do Sul.

Painel – FolhaPress

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mundo

Talibã diz ter encontrado 12,3 milhões de dólares em espécie e várias barras de ouro nas casas de ex-membros do governo afegão


Foto: KARIM SAHIB / AFP

O Banco Central do Afeganistão informou, nesta quarta-feira (15), que os combatentes talibãs entregaram 12,3 milhões de dólares (cerca de R$ 64 milhões) em espécie e várias barras de ouro, recuperados das casas de ex-autoridades do governo anterior, incluindo a do ex-vice-presidente Amrullah Saleh.

“O dinheiro recuperado proveio de funcionários de alto escalão no governo anterior (…) e de uma série de agências de segurança nacional que tinham dinheiro em espécie e ouro em suas casas”, afirmou o comunicado.

Nesta semana, os membros do grupo anunciaram que estavam investigando contas bancárias de ex-funcionários de alto escalão do governo afegão em busca de eventuais rendas ilícitas.

O governo do então presidente Ashraf Ghani foi acusado de corrupção e de ter desviado milhões de dólares recebidos pelo país em ajuda estrangeira.

O talibã afirma que o próprio Ghani levou milhões de dólares quando fugiu para de Cabul para Abu Dhabi quando o grupo extremista ocupou a capital afegã. O ex-presidente nega que tenha levado valores ao deixar o país.

Para evitar o colapso do sistema bancário, cada afegão pode sacar apenas o equivalente a 200 dólares (aproximadamente R$ 1.043) por semana.

Segundo ex-presidente interino do Banco Central afegão, o país estaria sem o acesso à 9 bilhões de dólares (R$ 46,9 bilhões) desde a retomada do controle do Afeganistão pelo Talibã.

R7

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Economia

Produtores de leite desesperados

Foto: reprodução/Sethas

O Blog do BG recebeu uma informação e confirmou que o Governo do Estado também está em atraso com os produtores de leite.

Segundo informações que apuramos, os produtores vão parar de imediato o fornecimento de leite para o estado.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Polícia Civil prende ex-integrante da “quadrilha de Valdetário Carneiro”, condenado por roubo, em Mossoró

Foto: Polícia Civil

Policiais civis da Delegacia Especializada em Narcóticos (DENARC) de Mossoró prenderam, nesta quarta-feira (15), Pedro Rocha Filho, 63 anos. Ele foi preso no bairro Redenção, em Mossoró.

Em desfavor de Pedro Rocha, havia um mandado de prisão, decorrente de sentença condenatória, pela prática dos crimes de roubo e associação criminosa; ele era conhecido por integrar a “quadrilha de Valdetário Carneiro”.

Pedro Rocha Filho foi encaminhado ao sistema prisional, onde permanecerá à disposição da Justiça.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

Cinco ministros do governo argentino entregam os cargos após derrota governista nas primárias para as eleições legislativas

Foto: EFE/EPA/YOAN VALAT

Cinco ministros do presidente da Argentina, Alberto Fernández, entregaram seus cargos nesta quarta-feira, 15, após uma forte derrota do partido do governo nas primárias do último domingo, 12, para as eleições legislativas, que ocorrem em novembro. Colocaram os cargos à disposição os ministros do Interior, Eduardo “Wado” de Pedro; da Ciência e Tecnologia, Roberto Salvarezza; do Meio Ambiente, Juan Cabandié; do Desenvolvimento Territorial e Habitat, Jorge Ferraresi; e da Cultura, Tristan Bauer.

Até o momento, não há informações se o presidente vai aceitar as renúncias. O primeiro a anunciar publicamente foi Eduardo “Wado” de Pedro, que enviou uma carta a Fernández manifestando as razões de sua decisão. “Ouvindo suas palavras no domingo à noite, quando você declarou a necessidade de interpretar o veredicto dado pelo povo argentino, considerei que a melhor maneira de colaborar com esta tarefa é colocar minha renúncia à sua disposição”, escreveu Wado na carta. Em seguida, o documento também foi encaminhado à imprensa. Após a publicação da decisão, outras renúncias começaram a ser anunciadas no gabinete presidencial.

De acordo com o ministro de Desenvolvimento Territorial e Habitat, Jorge Ferrari, as demais renúncias foram comunicadas ao presidente na última segunda-feira, 13. “Conversamos com o presidente e, de uma forma ou de outra, todos os ministros renunciamos”, disse Ferraresi, em entrevista à emissora de rádio Con Vos.

Na mesma ocasião, ele também tentou minimizar a importância dos anúncios de renúncias: “O que deve ser dito é que a renúncia de alguém é assinada a partir do dia em que toma posse, a renovação de nossa gestão é dia a dia. Alguns o fizeram por escrito, outros de boca, mas todos os ministros tiveram a atitude de comunicar ao presidente que ele dispunha de espaço [para demiti-los] se considerasse apropriado”, afirmou.

Opinião dos leitores

  1. Os argentinos estão compreendendo a grande m… que fizeram, “ressuscitando” a esquerda, que está destruindo o país. Então, estão voltando “à direita”, conforme as prévias desse fim de semana. Nos, brasileiros, estamos vendo tudo isso e não temos desculpa para justificar devolver o poder à esquerdalha. Já vimos que não existe 3a. via. Portanto, em 2022, E JAIR OU JA ERA. Cuidado!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Educação

Colégio Porto envolve estudantes e professores em maratona de soluções criativas para ajudar refugiados em Natal

Já está rolando a maratona de 72 horas de programação, inovação e criatividade em busca de soluções para um problema: é o primeiro Hackaton do Colégio Porto, que acontece em parceria com a Google For Education e vai até o próximo dia 18. O desafio já foi lançado e os estudantes terão que buscar uma saída para a falta de integração e auxílio para os refugiados que vivem em Natal. O tema foi escolhido pela escola.

Com o desafio em mãos, agora, as 15 equipes, formadas por alunos do 8º ano do ensino fundamental até a 2ª série do ensino médio, vão se aprofundar no conteúdo teórico e analítico. Eles vão buscar informações e fazer um protótipo de um jogo na tentativa de resolver o problema proposto. Depois, acontece a programação desse jogo e, ao final, os estudantes defendem o projeto para uma banca avaliadora, formada por professores de todo o Brasil convidados pela Google For Education. A avaliação acontece de forma virtual.

A maratona proposta pelo Hackathon favorece o desenvolvimento de diferentes habilidades, além da consolidação do conhecimento formal e multidisciplinar. O tema dos refugiados vai exigir que os alunos mobilizem recursos de diferentes áreas de conhecimento a fim de entender profundamente a problemática e estruturar soluções assertivas. A coordenadora do programa Hackaton na Google For Education, Sabrina Gonçalves, está com uma excelente expectativa em relação à maratona. Segundo ela, o Colégio Porto se preparou bastante para o momento e espera que os alunos entreguem jogos muito criativos.

“O tema dos refugiados é muito atual e relevante. Nós acreditamos que as soluções desenvolvidas pelos alunos tenham um alto impacto na comunidade de Natal, além de deixar um legado pedagógico importante, já que a escola tem um perfil muito inovador. Isso deve trazer o rompimento de paradigmas na forma de se aprender e o Colégio Porto deve se tornar uma referência na forma de fazer o Hackaton educacional”, elogiou.

O professor do Colégio Porto, Roberto Oliveira, que compõe a equipe da maratona, justificou a escolha da temática dos refugiados. “O objetivo é trabalhar o socioemocional dos alunos sobre as problemáticas atuais, tendo em vista o grande número de pessoas nesta situação em nossa cidade. Assim, ampliamos o conhecimento de mundo e possibilitamos a criação de habilidades e competências para resolução de problemas alinhados à BNCC. Outro objetivo é a sensibilização da comunidade educacional, por meio da gameficação e utilizando de tecnologias educacionais, como uma forma de acolher e minimizar os impactos sofridos por essas pessoas”.

No próximo sábado (18), das 09h às 12h, ao fim da maratona, as equipes terão 1 minuto para a comunicação e persuasão dos avaliadores externos sobre os jogos desenvolvidos. Os jurados vão avaliar desde o processo criativo até o projeto final de cada grupo. A equipe campeã é premiada pelo Colégio Porto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

Ataques hackers contra empresas triplicam na pandemia e acendem alerta de segurança

Imagem: Pixabay

Uma pesquisa realizada pela Agência EY mostra que o número de ataques cibernéticos contra empresas cresceu 300% em todo mundo durante a pandemia.

O levantamento aponta que a maioria dos ataques são feitos por meio de phising (método que engana os usuários para conseguir dados ou invadir sistemas), malware (roubo e danificação de dispositivos) ou por ataques de negação de serviço.

Outra pesquisa, da Kaspersky, mostra que o Brasil é o país da América Latina em que as empresas sofreram o maior número de ataques (mais de 5 milhões), seguido da Colômbia (1,8 milhão), México (1,7 milhão), Chile (1 milhão) e Peru (507 mil).

Os especialistas apontam que os principais motivos são falhas e desatualizações nos sistemas e falta de treinamento de funcionários. A pandemia também tem sua parcela de culpa, já que muitas empresas foram forçadas a adotar o home office sem terem a segurança necessária para o acesso remoto.

“As empresas criaram servidores remotos por causa da pandemia e esta virou uma das principais portas de entrada de ransoware (quando há pedido de resgate pelos dados). Querendo resolver a questão do trabalho remoto, criam um problema de exposição dos sistemas”, afirma Rodrigo Jorge, diretor executivo de segurança da informação da Neoway.

Investir em tecnologia é importante, mas não resolve completamente as fragilidades de segurança, já que muitos ataques começam por meio de um link ou arquivo malicioso que chega ao e-mail dos funcionários.

“A maioria das grandes empresas já tem um ambiente bem seguro e controlado, mas uma pequena brecha, que pode vir tanto no parque tecnológico como das pessoas, pode ser a porta de entrada para uma infecção”, afirma Denis Riviello, head de cibersegurança da Compugraf.

As grandes companhias já estão investindo em segurança há alguns anos, mas as pequenas e médias não têm a mesma capacidade financeira para isso. Os sistemas de tecnologia costumam ser caros e, com a pandemia, muitas estão lutando para se manter de portas abertas, sem sobras financeiras para investir.

“Uma empresa pequena pode prestar serviço para uma grande. Os hackers podem conseguir entrar no sistema maior por meio das terceirizadas”, afirma Francisco Gomes Júnior, advogado especialista em direito digital.

Apesar de considerar a LGPD positiva, Gomes diz que a lei tem o potencial para deixar as empresas na mão dos hackers e que isso deve aumentar ainda mais o número de ataques nos próximos meses.

“Uma empresa com mais compliance não vai aceitar suborno de hackers, mas vão ter companhias que vão colocar na ponta do lápis o que é mais barato: pagar a multa da ANPD, caso os dados sejam vazados, ou o resgate ao hacker”, afirma Gomes.

Quais os setores mais vulneráveis?

“Hoje todos estão igualmente suscetíveis. Vemos que alguns investem mais, como o financeiro, mas não quer dizer que estão menos expostos”, afirma Riviello.

Quais os dados mais roubados?

Segundo Gomes, no caso de empresas normalmente os hackers bloqueiam o sistema e estão mais interessados no valor que podem conseguir pelo resgate das informações. Quando o alvo são dados de pessoas físicas, os mais comuns são os cadastros bancários, que incluem informações como nome, CPF e score bancário.

Como prevenir os ataques

A melhor forma é investimento em segurança e em treinamento para todos os profissionais da empresa. Uma pesquisa da Deloitte diz que 33% das companhias não oferecem treinamento sobre segurança cibernética e proteção de dados aos seus funcionários. Outras 47% das empresas fornecem a todos os funcionários, 14% apenas aos times de tecnologia, 4% apenas aos profissionais de riscos/governança e 2% aos executivos da companhia.

“A cultura e a conscientização dos funcionários são fundamentais, tanto da área da TI como de todo o resto da empresa. As companhias precisam lembrar que o barato pode sair muito caro quando o assunto é tecnologia. A equipe de segurança é facilitadora, mas tem a missão de que todos enxerguem seu papel dentro da segurança da empresa”, afirma Jorge.

Na Neoway, por exemplo, toda semana a equipe de TI envia simulações de phishing para conscientizar os funcionários. Se alguém clicar no link será avisado que caiu em uma pegadinha. Para Jorge, desta forma a pessoa pensará duas vezes e evita que cliquem quando for de fato uma fraude.

Por causa da LGPD e do início das multas, em agosto deste ano, Riviello diz que as empresas estão investindo mais em tecnologia nos últimos dois anos.

“Vimos esse movimento das empresas mais preocupadas, investindo mais, falando mais sobre segurança e privacidade. Com os ataques e os anúncios acontecendo na mídia de informações vazadas, as primeiras multas, isso reforça o caminho que elas estão seguindo. Vai servir de exemplo, quanto mais modificações houver, mais as empresas vão estar preocupadas, porque vai estar valendo”, afirma Riviello.

Os especialistas orientam que as empresas já trabalhem com um plano para o caso de serem invadidas. Dessa forma, tendem a conseguir resolver a situação de forma mais rápida.

“Hoje a discussão não pode ser mais se você vai ser infectado, mas quando isso vai acontecer. Estamos vendo uma avalanche de tentativas, de ameaças, então as empresas devem se antecipar para estarem preparadas”, afirma Riviello.

6 minutos – UOL

Opinião dos leitores

  1. Urna eletrônica e sistema bancário são invioláveis, não existe registro de invasão nesses setores no mundo. Kriptomoedas, business de idiotas e oportunistas é vulneráveis, também, cartas marcadas.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Queiroga comemora logística de distribuição de imunizantes contra a covid-19 e diz que há “excesso de vacina” no Brasil

Foto: reprodução/Ministério da Saúde

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comemorou a logística de distribuição de imunizantes contra a covid-19 feita pelo governo federal e afirmou nesta 4ª feira (15.set.2021) que há “excesso de vacina” no país.

Estados e municípios vêm relatando a falta de doses da AstraZeneca para completar o esquema vacinal da população. Na 2ª feira (13.set), a cidade de São Paulo começou a aplicar a vacina da Pfizer em quem tem a 2ª dose da AstraZeneca atrasada.

Queiroga, no entanto, nega que exista falta de vacinas e problema de distribuição. “Há excesso de vacina na realidade, o Brasil já distribuiu 260 milhões de doses, 210 milhões já aplicadas”, afirmou nesta 4ª feira (15.set.2021) no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Ele esteve no local na manhã desta 4ª para evento que marca o envio de lotes de vacinas aos Estados suficientes para vacinar 100% da população adulta com a 1ª dose, segundo o governo.

Precisa acabar com essas narrativas de falta de vacina. Isso não é procedente, o Brasil vai muito bem. O Brasil já é dos países que mais vacinam no mundo”, acrescentou.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Aqui em parelhas tá faltando AstraZeneca para a segunda dose.Meu esposo ia tomar hoje é foi adiada.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

COVID: Brasil registra 800 óbitos e 14 mil novos casos nas últimas 24h

O Ministério da Saúde divulgou os dados mais recentes sobre o coronavírus no Brasil nesta quarta-feira (15):

– O país registrou 800 óbitos nas últimas 24h, totalizando 588.597 mortes;

– Foram 14.780 novos casos de coronavírus registrados, no total 21.034.610.

O Ministério da Saúde calcula que 20.138.267 pessoas já se recuperaram da covid-19.

A média móvel de mortes, que estava em queda nas últimas semanas, apresenta tendência de alta, ficando em 597 nesta quarta-feira (15). A alta segue tendência pós-feriado, como o que ocorreu na semana passada. Isso porque os números em dias não úteis são tradicionalmente subnotificados.

Em comparação com a taxa verificada há duas semanas, houve retração de 4%, o que indica tendência de estabilidade na quantidade de mortes.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *