Criança enfiada no celular: a inércia é um perigo e precisa ser evitada – em tempos que a “interação familiar está sendo substituída pelas babás do mundo virtual”

Imagem: iStock

Educar um filho é difícil, você sabe. E a falta de tempo é inimiga da qualidade de vida dos pais e, consequentemente, das crianças. Nessa rotina desenfreada, os pequenos se tornam cada vez passivos: não brincam, mas veem vídeos de crianças brincando; não jogam videogames, mas ficam vidrados com youtubers que testam os jogos na internet. Tamanha inércia pode trazer consequências ruins na adolescência e vida adulta.

“A interação familiar está sendo substituída pelas babás do mundo virtual, o que traz distanciamento e isolamento na primeira infância (nos seis primeiros anos de vida), gerando consequências para o desenvolvimento infantil que podem chegar à vida adulta”, alerta a psicóloga familiar Danielle Trabuco.

Thaís Ribas, psicóloga especializada em infância, afirma que diversos motivos levam as crianças a serem passivas. Mas, segundo ela, a falta de disponibilidade dos pais para com os filhos é o que realmente culmina no uso exagerado da internet. Além disso, as atividades lúdicas diminuíram e, até por questões de segurança, o isolamento e a falta de espaços coletivos vêm impactando nas brincadeiras. “No entanto, pais, profissionais e educadores não podem enxergar a situação com normalidade”, afirma a profissional.

Quem faz diferente

É fato que a violência inibe os pais de liberar as brincadeiras na rua como era comum para as gerações anteriores. Mas driblar a inércia é possível. Sempre que pode, a administradora Ana Kishino, criadora do perfil @seliganamae, inventa maneiras criativas de se divertir com os filhos Felipe, 6 anos, e Rafaela, 2 anos 11 meses.

Já fez pescaria com tampinhas de garrafa, improvisou uma rampa de madeira para brincar com carrinhos, coloca colchões na escada que se transformam em escorregador e sempre que pode cria maneiras de incentivar a alimentação saudável de forma lúdica. “Esses passatempos fizeram parte da minha infância. Sempre quis mostrar ao Felipe e à Rafa que é fácil se divertir de forma simples. Nem sempre são necessários recursos tecnológicos ou brinquedos caros”, ressalta Ana, que ainda não limitou o uso da internet para os pequenos por não sentir necessidade. “Sei que terei que controlar um dia, pois as crianças realmente gostam do mundo virtual.”

É preciso que os pais participem

Fugir da passividade é um esforço coletivo da família. E para isso os pais precisam dar o exemplo. Proibir a internet e a TV não é a solução, mas se houver um equilíbrio mesclando jogos ou uma atividade física que proporcione prazer, todos saem ganhando.

Deborah Russo e sua família. Imagem: Acervo pessoal

Para a empresária Deborah Zanon Russo, 35 anos, de Curitiba, a preocupação com que os filhos fiquem muito parados é real. Mãe de Cauã, 8 anos, e Lara, 5 anos, ela procura estimular atividades como andar de bicicleta ou brincadeiras no parquinho do condomínio. Livros de pinturas, jogos, peças de montar também fazem parte da dinâmica. “Eles só podem usar a internet às terças, quintas e sábados, e mesmo assim, apenas se tiverem um bom comportamento. Caso contrário, perdem o acesso. O melhor é fazer um cartaz com uma rotina dos dias que são ou não permitidos. Também não deixo eles assistirem aos vídeos no YouTube, permito apenas aplicativos infantis próprios para a idade”, afirma.

Mais do que lazer, brincar é imprescindível para que as crianças construam suas identidades no futuro. Por meio da observação, expandem a criatividade, interação e constroem memórias positivas que serão pontes para lidar com as adversidades da vida. “Elas aprendem e internalizam regras, fortalecem noção de causa e consequências lógicas, que serão prósperas nas próximas etapas do desenvolvimento”, afirma Danielle Trabuco.

Os pais têm papel fundamental, pois precisam se conectar emocionalmente e fisicamente com os filhos. É preciso por algum momento abandonar os equipamentos eletrônicos e olhar para o que realmente importa. Caso contrário, as crianças de sentem deixadas de lado.

“É comum os pais chegarem ao consultório dizendo que não sabem o que se passa com as crianças, e ressaltarem que elas têm tudo. Eu pergunto: o que é tudo para você? As respostas são tablet, celular, boas escolas e cursos. Devolvo o questionamento: você já perguntou o que ele quer de você? Muitos ficam em silêncio. A maioria das famílias não oferece tempo de qualidade com as crianças”, ressalta Danielle. “É preciso aprender novas formas de educar, ser mais presente e praticar o diálogo. Ter um olhar cuidadoso para a saúde emocional e garantir o desenvolvimento nas próximas fases de forma mais tranquila”, completa.

Reflexos na vida adulta

A inércia na infância pode causar a chamada síndrome da passividade, ou seja, dificuldade em tomar atitudes, reforçando o comportamento submisso. “É um adulto que não luta pelos seus direitos porque tem medo de ser rejeitado ou repreendido; precisa de aprovação. Em vez de refletir a respeito da solução de um problema, fica nervoso e culpa os outros. Em casos mais severos, costuma reagir de forma agressiva diante às adversidades”, afirma Thaís Ribas.

Universa – UOL

Casal separado precisa manter guarda compartilhada de cadela, decide Justiça

Foto: Ilustrativa

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal (TJDFT) manteve decisão de primeira instância e determinou o compartilhamento da guarda de uma cachorra por um casal que se separou. As duas mulheres discordavam sobre o tratamentos veterinário do animal da raça greyhound, que tem saúde frágil.

Segundo a decisão judicia “as diferenças de opiniões não impedem a guarda compartilhada”. Cabe recurso aos tribunais superiores.

Entenda o caso aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. paulo disse:

    BG
    TANTA COISA IMPORTANTÍSSIMAPARA SER RESOLVIDA E FICAM PRA DEPOIS COM PROCEDIMENTOS DESTES. TÁ DEMAIS ESSAS COISAS NO BRASIL

Estudo aponta áreas com maior demanda por formação técnica no RN; confira

Se ligue que o tempo urge. Com o avanço das energias renováveis e do conceito de indústria 4.0, as profissões transversais e ligadas à tecnologia estarão entre as mais buscadas nos próximos cinco anos no Rio Grande do Norte. Neste período, o estado tem o desafio de qualificar 85.901 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento. É o que mostra o Mapa do Trabalho Industrial 2019 e 2023, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e publicado hoje (30).CONHEÇA AS DEMANDAS DE CADA ÁREA:

Em formação técnica no Rio Grande do Norte, as áreas transversais; energia e telecomunicações; metalmecânica; construção; e informática são as que mais irão precisar de profissionais capacitados nos próximos cinco anos.

Áreas com maior demanda por formação – Técnicos

Áreas Demanda 2019-2023
Transversais 3.203
Energia e telecomunicações 2.107
Metalmecânica 1.833
Construção 1.507
Informática 1.493

Veja mais: Rio Grande do Norte terá de qualificar 85.901 trabalhadores para a indústria até 2023

Algumas profissões transversais permitem ao profissional exercer funções em quase todas as áreas e setores econômicos. O estudo mostra as dez ocupações que mais exigirão formação entre 2019-2023. Técnicos em eletricidade e eletrotécnica e Técnicos em eletrônica lideram a lista no Rio Grande do Norte. “São profissionais com qualificação que pode ser aplicada em qualquer área, na indústria, na construção, nos parques eólicos, em diversos campos”, explica Emerson Batista.

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Técnicos

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Técnicos em eletricidade e eletrotécnica 1.111
Técnicos em eletrônica 1.007
Coloristas 951
Técnicos em operação e monitoração de computadores 806
Técnicos de planejamento e controle de produção 769
Técnicos de controle da produção 739
Técnicos mecânicos na fabricação e montagem de máquinas, sistemas e instrumentos 708
Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações 688
Supervisores da construção civil 579
Técnicos em telecomunicações 541

Já os cursos de qualificação são indicados a jovens ou profissionais, com escolaridade variável de acordo com o exercício da ocupação, e buscam desenvolver novas competências e capacidades profissionais. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. As áreas com maior demanda por trabalhadores com nível de qualificação, de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023 serão:

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (+200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Confecção e vestuário 6.249
Metalmecânica 3.859
Alimentos 3.766
Energia e telecomunicações 1.798
Têxtil 1.615

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (-200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Construção 12.325
Logística e transporte 7.024
Transversais 6.226
Metalmecânica 2.772
Alimentos 2.717

Segundo o Mapa, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão operadores de máquinas para costura de peças do vestuário, padeiros e confeiteiros:

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (+200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário 5.745
Padeiros, confeiteiros e afins 1.569
Operadores de instalações de captação, tratamento e distribuição de água 1.449
Mecânicos de manutenção de veículos automotores 1.217
Trabalhadores polivalentes das indústrias têxteis 1.217
Mecânicos de manutenção de máquinas industriais 1.208
Trabalhadores de instalações elétricas 946
Trabalhadores na fabricação e conservação de alimentos 901
Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados 851
Eletricistas de manutenção eletroeletrônica 768

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (-200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Ajudantes de obras civis 4.993
Motoristas de veículos de cargas em geral 4.843
Alimentadores de linhas de produção 4.258
Trabalhadores de estruturas de alvenaria 3.139
Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem 1.959
Trabalhadores operacionais de conservação de vias permanentes (exceto trilhos) 1.412
Trabalhadores da mecanização agrícola 1.349
Trabalhadores da preparação da confecção de roupas 1.209
Apontadores e conferentes 1.170
Trabalhadores da fabricação de cerâmica estrutural para construção 1.152

METODOLOGIA

O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários que estimam o comportamento da economia brasileira e dos seus setores; projeta o impacto sobre o mercado de trabalho e estima a demanda por formação profissional industrial (formação inicial e continuada). As projeções e estimativas são desagregadas no campo geográfico, setorial e ocupacional, e servem como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do SENAI.

Na opinião do diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, conhecer as necessidades do mercado é fundamental para o planejamento da oferta de formação profissional. “O SENAI é referência em educação profissional porque está alinhado com as necessidades da indústria e mantém seus cursos atualizados com o que existe de mais avançado em termos de tecnologia”, explica.

A instituição possui o Modelo SENAI de Prospecção, que permite prever quais serão as tecnologias utilizadas no ambiente de trabalho em um horizonte de cinco a dez anos. A metodologia já foi transferida a instituições de mais de 20 países na América do Sul e no Caribe. O método foi apontado ainda pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como exemplo de experiência bem sucedida na identificação da formação profissional alinhada às necessidades futuras das empresas.

Confira na íntegra Mapa do Trabalho Industrial do RN 2019-2023 

Seinai-RN, com informações de Sara Vasconcelos, jornalista Unicom/FIERN

Jornalista e radialista potiguar Rô Medeiros precisa de doações de sangue

FOTO: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM

O portal No Ar destaca nesta terça-feira(09) que amigos e familiares do jornalista e radialista potiguar Rosenildo Medeiros dos Anjos, carinhosamente chamado de Rô Medeiros, iniciaram uma campanha de doação de sangue para o comunicador, que está internado em hospital de Natal e precisa fazer transfusões de sangue para se recuperar.

Qualquer tipo sanguíneo pode ser doado no banco de sangue do Hemovida, que fica na Avenida Nilo Peçanha, nº 199 no bairro Petrópolis, zona Leste da capital potiguar, no horário das 7h30 às 17h. Para mais informações, é possível entrar em contato pelo telefone (84) 3202-4289.

Veja mais informações aqui