DOSE ÚNICA PODEROSA: Vacina da Johnson & Johnson contra a covid é segura e produz resposta imune, aponta estudo

Foto: Mark Ralston/AFP

A vacina contra covid-19 desenvolvida pela Johnson & Johnson obteve indicadores satisfatórios de segurança e produção de resposta imunológica, de acordo com resultados das fases 1 e 2 publicados no periódico científico The New England Journal of Medicine. Os resultados positivos foram obtidos após aplicação única do imunizante em voluntários, com duas dosagens diferentes. Essa característica é tida como o diferencial da vacina, já que representaria uma imunização acelerada da população.

“Uma dose única da (vacina) Ad26.COV2.S induziu uma forte resposta humoral na maioria dos receptores da vacina, com a presença de anticorpos neutralizantes em mais de 90% dos participantes, independentemente da faixa etária ou da dose da vacina”, escreveram os pesquisadores da Janssen, braço farmacêutico da Johnson & Johnson, na conclusão do estudo. Os anticorpos aumentaram e se estabilizaram ao longo de uma análise de 71 dias, o que sugere a durabilidade da resposta imune da vacina, acrescentam os especialistas no estudo divulgado na semana passada.

O Brasil é um dos países no qual a empresa desenvolve testes da vacina. A liberação para a condução de estudos de fase 3 ocorreu em agosto e previa 7 mil voluntários. Pessoas de outros países da América Latina também foram recrutadas, ainda que aquém do inicialmente planejado, já que a farmacêutica decidiu reduzir a quantidade global de voluntários. Os dados da fase 3 é que indicarão se o imunizante ofereceu proteção contra o desenvolvimento da covid-19, apontando a sua taxa de eficácia.

No mais recente estudo, os pesquisadores analisaram os resultados da aplicação da vacina em 805 participantes, entre adultos e idosos. Eventos adversos como fadiga, dor de cabeça e dor no local da aplicação foram notados, mas as pessoas tiveram rápida recuperação. Outros casos foram notados, mas os especialistas destacaram que não houve relação com o imunizante.

Outro resultado relevante foi a resposta imunológica gerada pela vacina. A pesquisa mostra que 90% dos participantes desenvolveram anticorpos neutralizantes 30 dias após a aplicação. O número subiu para 100% quando os dados foram analisados 57 dias após o recebimento da dose, o que indica que uma menor parte do grupo demorou mais tempo para desenvolver a proteção. Os resultados foram obtidos tanto nos grupos mais novos como nos mais velhos, e também foi notado tanto nos que receberam dosagem menor quanto nos que receberam dosagem maior.

A vacina da Johnson & Johnson está nos planos do Brasil. Plano divulgado pelo Ministério da Saúde em dezembro mostra a inclusão de 38 milhões de doses do imunizante. De acordo com o governo federal, 3 milhões de doses dessa vacina seriam disponibilizadas no segundo trimestre de 2021, 8 milhões, no terceiro trimestre, e 27 milhões, no quarto trimestre do ano que vem.

Correio Braziliense

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. C. Bozo disse:

    Só falta comprar. Ficam falando, falando mas não vejo ação. Mas não pode enviar gente do governo federal pra negociar senão nao dá jogo. Ninguém quer fazer negócio com genocida, O filme tá sujo.

  2. Sergio disse:

    De onde apareceu tanto infectologista dando opinião?

  3. Direita Honesta disse:

    Essa vacina, a princípio, parece ser bem melhor do que essa chinesa que está sendo distribuída.

  4. J disse:

    Isso sim eh vacina. Parabéns . A vachina com 50% e 2 doses vai demorar uns 2 anos para imunizar toda a população do Brasil.

    • Manoel disse:

      Né isso! E a gente tendo que tomar a vachina que o MINTOmaníaco agora diz que eh do Brasil, pq o presidente inepto não conseguiu comprar uma outra mais eficiente né! Ele poderia deixar de falar tanta bosta e trabalhar um pouco !

    • ZéGado disse:

      A sua vende na casa do fazendeiro, não precisa esperar essa da Johnson & Johnson.
      Corre 🏃‍♀️ lá!

COMENTE AQUI