Extrema pobreza e desigualdade crescem há 4 anos; 13,5 milhões de pessoas no Brasil viviam em 2018 com até R$ 145 por mês, aponta IBGE

Fonte: IBGE

A leve recuperação econômica observada nos últimos dois anos no Brasil não se refletiu de forma igual entre os diversos segmentos sociais. Enquanto o Produto Interno Bruto (PIB – a soma de todas as riquezas produzidas no país) cresceu 1,1% em 2017 e 2018, após as quedas de 3,5% em 2015 e 3,3% em 2016, o rendimento dos 10% mais ricos da população subiu 4,1% em 2018 e o rendimento dos 40% mais pobres caiu 0,8%, na comparação com 2017.

Com isso, o índice que mede a razão entre os 10% que ganham mais e os 40% que ganham menos, que vinha caindo até 2015, quando atingiu 12, voltou a crescer e chegou a 13 em 2018. Ou seja, os 10% da população com os maiores rendimentos ganham, em média, 13 vezes mais do que os 40% da população com os menores rendimentos.

É o que mostra a pesquisa Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2019, divulgada nesta quarta-feira (6), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O estudo analisa as condições de vida da população brasileira.

O levantamento começou a ser feito em 1999, com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), e, desde 2012, passou a utilizar os dados da Pnad Contínua, ou seja, uma nova metodologia e, portanto, uma nova série histórica. Os dados divulgados hoje são referentes a 2018 e utilizam também outras informações, como a Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic) e o Sistema de Contas Nacionais.

Desigualdade

Segundo o IBGE, o aumento da desigualdade é reflexo da falta de ganho real no salário mínimo ocorrida em 2018, além da informalidade e da subutilização no mercado de trabalho, que atingem níveis recordes atualmente, com 41,4% das pessoas ocupadas nessa condição, de acordo com o gerente dos Indicadores Sociais do IBGE, André Simões.

“No mercado de trabalho, o que nós observamos é uma pequena redução na taxa de desocupação entre 2017 e 2018, juntamente com isso um pequeno aumento do rendimento do trabalho também. Apesar disso, vemos um aumento da subutilização da força de trabalho, encampado pelo aumento da proporção de pessoas com insuficiência de horas trabalhadas” disse. A subutilização passou de 15,8% em 2015 para 24,6% em 2018.

O Índice de Gini, um padrão clássico para medir desigualdade, vem subindo há quatro anos no Brasil. Em 2015, atingiu o mínimo da série histórica, com 0,524 e chegou a 0,545 em 2018. Quanto mais próximo de zero, mais igualitária é a sociedade.

Extrema pobreza

No indicador da pobreza monetária, ou seja, que leva em conta apenas a renda, o Brasil também tem apresentado piora nos últimos quatro anos. Ao todo, 13,5 milhões de pessoas no Brasil viviam em 2018 com até R$ 145 por mês, o que corresponde a 6,5% da população, após a mínima de 4,5% em 2014.

O IBGE destaca que no Brasil há mais pessoas em situação de pobreza extrema do que toda a população de países como Bolívia, Bélgica, Grécia e Portugal. Desse total, 72,7% são pretas ou pardas.

Na faixa da pobreza, considerando o rendimento per capita de até R$ 420 por mês, houve uma leve redução, passando de 26% em 2017 para 25,3% em 2018, com 52,5 milhões de pessoas. Ou seja, 1,1 milhão de pessoas deixaram essa condição na comparação anual.

O mínimo foi alcançado em 2014, com 22,8%. Por estado, o Maranhão tem a maior proporção de pobres, com 53% da população nesta condição, enquanto Santa Catarina tem a menor proporção, com 8%.

Redução da pobreza

André Simões explicou que o ingresso no mercado de trabalho é o principal meio de redução de pobreza. Porém, como os dados indicam que a faixa dos maiores rendimentos apresenta crescimento de renda enquanto os menores rendimentos estão estagnados ou com perdas, ele destacou a necessidade de outras medidas para reduzir as desigualdades sociais.

“Como é um grupo muito vulnerável e não está com uma propensão tão grande de entrar no mercado de trabalho quanto os outros grupos sociais, com rendimentos mais elevados, necessita de cuidados maiores, como políticas públicas, políticas de transferência de renda, políticas de dinamização do mercado de trabalho para que elas possam ter acesso a uma renda que as tire dessa situação de pobreza”, ponderou.

O IBGE também analisou as condições da moradia e constatou que, no total do país, 12,8% das pessoas moram em domicílios com pelo menos uma inadequação, que são a ausência de banheiro exclusivo, paredes feitas com material não durável, adensamento excessivo ou ônus muito alto com o aluguel. Na população que vive com até R$ 420 mensais, a proporção sobe para 29,3%.

Quanto à ausência de serviços de saneamento, que são a coleta de lixo, o abastecimento de água e o esgotamento sanitário, 58% dos pobres vivem com pelo menos uma dessas situações, enquanto a proporção geral é de 37,2%.

Agência Brasil

 

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Ivan disse:

    Leu direitinho na reportagem? Últimos quatro anos, portanto o governo de Lula está fora da pesquisa, portanto, antes disso o Brasil ia bem melhor, no governo do perseguido Lula.

  2. Lau disse:

    O problema do pobre é que além de tudo, ele tem um tesão danado e faz menino demais. O cara chega na padaria e tem uma mulher sentada na calçada, buchuda e com três meninos pedindo dinheiro.

    • Alaca disse:

      Meuamigo, é bom demais fazer gostoso, pena que o pessoa não investe em controle de natalidade e fica com moralismo anti-aborto!

  3. Gustavo disse:

    Mas o PT não tinha acabado com a miséria? Não tinha virado tudo classe média?

  4. Ivan disse:

    2012-2018…Pense num período tenebroso!!!!! #nuncamais….

PF aponta que navio grego acusado de vazamento saiu da Venezuela; embarcação ficou atracada no país vizinho por três dias

FOTO: CARLOS EZEQUIEL VANNONI/AGÊNCIA PIXEL PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O navio de bandeira grega suspeito de ser a origem do óleo que atingiu praias de todos os estados da região Nordeste saiu da Venezuela, onde ficou atracado por três dias, antes do vazamento ocorrer em alto mar. Nesta sexta-feira, a Polícia Federal deflagrou uma operação em endereços ligados à empresa grega para obtenção de dados sobre a embarcação e sua tripulação.

“A embarcação, de bandeira grega, atracou na Venezuela em 15 de julho, permaneceu por três dias, e seguiu rumo a Singapura, pelo oceano Atlântico, vindo a aportar apenas na África do Sul. O derramamento investigado teria ocorrido nesse deslocamento”, afirma a Polícia Federal.

A partir de imagens de satélite, as investigações identificaram uma mancha inicial de petróleo cru a aproximadamente 700 quilômetros da costa brasileira no dia 29 de julho, de extensão ainda não calculada. Isso permitiu identificar um único petroleiro que navegou pela área suspeita na data provável do vazamento.

A PF concluiu não haver indicação de outro navio “que poderia ter vazado ou despejado óleo, proveniente da Venezuela.” De acordo com a Marinha, a embarcação chegou a ficar detida nos EUA por quatro dias, devido a “incorreções de procedimentos operacionais no sistema de separação de água e óleo para descarga no mar”.

As investigações coincidem com levantamentos de especialistas da Petrobras e da Universidade Federal da Bahia, que, embora não imputem culpa ao país vizinho, concluíram que o óleo é proveniente de campos venezuelanos. A PF afirma que o navio grego está vinculado a uma companhia de mesma nacionalidade, que não teve o nome divulgado. As investigações seguem para identificar a propriedade do petróleo transportado pelo navio.

O blog Radar adiantou que a principal suspeita do vazamento já recaía sobre navios-tanque que trafegam em alto mar sem rastreamento. É cada vez mais recorrente a prática de se desligar os transmissores para que os navios não possam ser rastreados por satélite com o intuito de burlar as barreiras e tarifas. É o chamado off transponder, que configura uma verdadeira frota crescente de “petroleiros piratas”.

Nesta sexta-feira, são cumpridos dois mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, expedidos pela 14ª Vara Federal Criminal de Natal, em sedes de representantes e contatos da empresa grega no Brasil, que não teve o nome divulgado. Foram solicitadas diligências para a obtenção de dados adicionais sobre a embarcação e sua tripulação.

“Há fortes indícios de que a empresa, o comandante e tripulação do navio deixaram de comunicar às autoridades competentes acerca do vazamento/lançamento de petróleo cru no Oceano Atlântico”, afirmam os procuradores da República no RN Cibele Benevides e Victor Mariz. Por isso, pediram os mandados de busca e apreensão.

Segundo o MPF, os responsáveis pelo vazamento devem responder nas esferas cível (com o pagamento de multas e indenização por danos morais) e penal pelo crimes de poluição e por terem deixado de comunicar o incidente às autoridades.

Desastre ambiental

O derramamento de óleo que atingiu as praias de todos os nove estados nordeste é considerado o maior do gênero em extensão. Até 29 de outubro, foram registradas manchas em 94 municípios e 264 localidades. Foram encontrados 107 animais afetados pelo óleo, com 81 mortes. Cerca de 70% dos animais contabilizados eram tartarugas marinhas.

A reação demorada e confusa ao desastre ambiental faz o governo passar do papel de vítima à condição de vilão do problema. Foi apenas em 5 de outubro, ou mais de um mês depois do primeiro sinal de alerta, que o presidente Jair Bolsonaro acionou a Polícia Federal, a Marinha e os órgãos ambientais do governo para investigar as causas do vazamento e os responsáveis por ele.

Procuradores do Ministério Público Federal na região foram à Justiça acusar o governo foram à Justiça acusar o governo de omissão e pedir que ele fosse compelido a acionar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo, uma espécie de protocolo que lista procedimentos a ser adotados em emergências. Para o MPF, a União foi omissa ao demorar a tomar medidas de proteção ao meio ambiente e não atuar de forma articulada na região.

A crise também ganhou contornos políticos. Enquanto as manchas de óleo se multiplicavam, a conhecida animosidade do Palácio do Planalto com os governadores do Nordeste — quase todos de esquerda — ganhou novo combustível com a cobrança por um apoio efetivo de Brasília. O ministro Ricardo Salles (Meio Ambiente) trocou farpas com o governador baiano Rui Costa (PT) e ouviu de Paulo Câmara (PSB-PE) que a reação federal era improvisada. O chefe da pasta também atacou o Greenpeace ao sugerir que a entidade não participa dos mutirões de limpeza e insinuou.

Veja

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Bolsominion disse:

    Agora é guerra! O governo prometeu boicotar a mitologia e o iogurte gregos. E, daqui a pouco, o presida vai postar um vídeo de beijo grego, mostrando a prática que será proibida em todo território nacional.

  2. Cesar disse:

    Parabéns ao traficante de petróleo Nicolás Maduro que nos deu esse presente grego, conseguiu sujar os nossos mares com o petróleo Venezuelano, empurrando pra miséria ribeirinho, catador de caranguejo, pescador e garçom. E o irresponsável do Lula ainda teve coragem de pedir voto pra essa criatura.

Valor médio de presentes para o Dia das Crianças passa dos R$ 120 em Natal e Mossoró, aponta pesquisa da Fecomércio RN

Além do apelo emocional, o Dia das Crianças é uma das datas comemorativas que mais movimentam o setor do comércio neste segundo semestre. Diante disso, há seis anos o Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio (IPDC) da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Rio Grande do Norte (Fecomércio RN) realiza a pesquisa de intenções de compras para o Dia das Crianças em Natal e em Mossoró.

Em Natal, 65% dos consumidores pretendem presentear neste Dia das Crianças. O valor é 2,1 pontos percentuais a mais do que em 2018, quando a intenção de compras era de 62,9%. Em Mossoró, o que irão presentear este ano somam 63,1% (contra 62,2% em 2018). Entre os que não vão presentear este ano, as alegações variam entre: não ter quem presentear (Natal – 54,1%; Mossoró – 61,1%); a falta de dinheiro (Natal – 30,7%; Mossoró – 32,4%); e vão poupar (Natal – 5,2%; Mossoró – 3,2%).

Perguntados sobre quanto pretendem gastar com os presentes, tanto natalenses quanto mossoroenses devem desembolsar mais do que no ano passado. O gasto médio do consumidor natalense deve ser de R$ 132,21, 6,4% maior do que em 2018, quando o gasto médio foi de R$ 124,23. Já o gasto médio do mossoroense deve ser de R$ 121,53, valor 5,5% maior que o do ano passado, quando os consumidores gastaram uma média de R$ 115,22.

Em Natal, o perfil dos consumidores que vão comprar presentes é, em sua maioria, de homens (65,4%), com idade entre 35 e 44 anos (76,1%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (72%). Em Mossoró, a maior parte também é de homens (65,1%), com idade entre 25 e 34 anos (68,7%); e com renda familiar entre cinco e dez salários (69,2%).

A exemplo de pesquisas anteriores, os tipos de presentes mais procurados deverão ser os brinquedos (Natal – 52,1%; Mossoró – 61,1%); seguidos de roupas (Natal – 38,7%; Mossoró – 37%); calçados (Natal – 7,3%; Mossoró – 6,6%) e eletrônicos (Natal – 6,1%; Mossoró – 4,4%). Com relação à quantidade de presentes, a maioria dos entrevistados afirmaram que vão comprar apenas um presente (Natal – 45,3%; Mossoró – 43,4%); para presentear os filhos (Natal – 52,6%; Mossoró – 50%).

O preço dos presentes (42,5%) lidera o principal motivo de compra em Natal, seguido do desejo da criança (41%). Já em Mossoró, a situação inversa, com o desejo da criança sendo o principal motivo (49,1%) da compra, seguido do preço dos presentes (28,2%).

Na hora da escolha, a grande maioria (Natal – 65,6%; Mossoró – 74,4%) não irá levar as crianças para escolher os presentes. Quanto ao dia de compras, muitos vão deixar para comprar os presentes nesta semana que antecede o dia 12 (Natal – 65,6%; Mossoró – 70,7%). O local de compra mais procurado pelos natalenses devem ser os shoppings (43,1%), seguido do comércio de rua (42,2%). Já os mossoroenses preferem o comércio de rua (64,6%), seguido dos shoppings (25%).

A maioria dos entrevistados (Natal – 79,7%; Mossoró – 76,7%) afirmaram que irão fazer uma pesquisa prévia antes da compra dos presentes para economizar. Quanto à forma de pagamento, a maioria afirma que será à vista em dinheiro (Natal – 49,9%; Mossoró – 54,9%); seguido do cartão de crédito (Natal – 35,8%; Mossoró – 40,1%). Apenas 11,6% em Natal, e 3,5% em Mossoró vão usar o cartão de débito.

Além dos presentes, alguns entrevistados responderam que irão realizar atividades especiais na data (Natal – 38%; Mossoró – 31,1%). Entre os natalenses, 35,4% vão fazer passeios em clubes ou parques; 28% vão à shoppings; e 36,6% vão fazer outros passeios. Em Mossoró, 41,7% vão aos shoppings; 30,1% vão à clubes ou parques; e 28,2% farão outras atividades.

Estudo aponta áreas com maior demanda por formação técnica no RN; confira

Se ligue que o tempo urge. Com o avanço das energias renováveis e do conceito de indústria 4.0, as profissões transversais e ligadas à tecnologia estarão entre as mais buscadas nos próximos cinco anos no Rio Grande do Norte. Neste período, o estado tem o desafio de qualificar 85.901 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento. É o que mostra o Mapa do Trabalho Industrial 2019 e 2023, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e publicado hoje (30).CONHEÇA AS DEMANDAS DE CADA ÁREA:

Em formação técnica no Rio Grande do Norte, as áreas transversais; energia e telecomunicações; metalmecânica; construção; e informática são as que mais irão precisar de profissionais capacitados nos próximos cinco anos.

Áreas com maior demanda por formação – Técnicos

Áreas Demanda 2019-2023
Transversais 3.203
Energia e telecomunicações 2.107
Metalmecânica 1.833
Construção 1.507
Informática 1.493

Veja mais: Rio Grande do Norte terá de qualificar 85.901 trabalhadores para a indústria até 2023

Algumas profissões transversais permitem ao profissional exercer funções em quase todas as áreas e setores econômicos. O estudo mostra as dez ocupações que mais exigirão formação entre 2019-2023. Técnicos em eletricidade e eletrotécnica e Técnicos em eletrônica lideram a lista no Rio Grande do Norte. “São profissionais com qualificação que pode ser aplicada em qualquer área, na indústria, na construção, nos parques eólicos, em diversos campos”, explica Emerson Batista.

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Técnicos

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Técnicos em eletricidade e eletrotécnica 1.111
Técnicos em eletrônica 1.007
Coloristas 951
Técnicos em operação e monitoração de computadores 806
Técnicos de planejamento e controle de produção 769
Técnicos de controle da produção 739
Técnicos mecânicos na fabricação e montagem de máquinas, sistemas e instrumentos 708
Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações 688
Supervisores da construção civil 579
Técnicos em telecomunicações 541

Já os cursos de qualificação são indicados a jovens ou profissionais, com escolaridade variável de acordo com o exercício da ocupação, e buscam desenvolver novas competências e capacidades profissionais. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão. As áreas com maior demanda por trabalhadores com nível de qualificação, de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023 serão:

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (+200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Confecção e vestuário 6.249
Metalmecânica 3.859
Alimentos 3.766
Energia e telecomunicações 1.798
Têxtil 1.615

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (-200h)

Áreas Demanda 2019-2023
Construção 12.325
Logística e transporte 7.024
Transversais 6.226
Metalmecânica 2.772
Alimentos 2.717

Segundo o Mapa, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão operadores de máquinas para costura de peças do vestuário, padeiros e confeiteiros:

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (+200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário 5.745
Padeiros, confeiteiros e afins 1.569
Operadores de instalações de captação, tratamento e distribuição de água 1.449
Mecânicos de manutenção de veículos automotores 1.217
Trabalhadores polivalentes das indústrias têxteis 1.217
Mecânicos de manutenção de máquinas industriais 1.208
Trabalhadores de instalações elétricas 946
Trabalhadores na fabricação e conservação de alimentos 901
Instaladores e reparadores de linhas e cabos elétricos, telefônicos e de comunicação de dados 851
Eletricistas de manutenção eletroeletrônica 768

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Qualificação (-200h)

Ocupações Profissionais a serem qualificados
Ajudantes de obras civis 4.993
Motoristas de veículos de cargas em geral 4.843
Alimentadores de linhas de produção 4.258
Trabalhadores de estruturas de alvenaria 3.139
Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem 1.959
Trabalhadores operacionais de conservação de vias permanentes (exceto trilhos) 1.412
Trabalhadores da mecanização agrícola 1.349
Trabalhadores da preparação da confecção de roupas 1.209
Apontadores e conferentes 1.170
Trabalhadores da fabricação de cerâmica estrutural para construção 1.152

METODOLOGIA

O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários que estimam o comportamento da economia brasileira e dos seus setores; projeta o impacto sobre o mercado de trabalho e estima a demanda por formação profissional industrial (formação inicial e continuada). As projeções e estimativas são desagregadas no campo geográfico, setorial e ocupacional, e servem como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do SENAI.

Na opinião do diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi, conhecer as necessidades do mercado é fundamental para o planejamento da oferta de formação profissional. “O SENAI é referência em educação profissional porque está alinhado com as necessidades da indústria e mantém seus cursos atualizados com o que existe de mais avançado em termos de tecnologia”, explica.

A instituição possui o Modelo SENAI de Prospecção, que permite prever quais serão as tecnologias utilizadas no ambiente de trabalho em um horizonte de cinco a dez anos. A metodologia já foi transferida a instituições de mais de 20 países na América do Sul e no Caribe. O método foi apontado ainda pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como exemplo de experiência bem sucedida na identificação da formação profissional alinhada às necessidades futuras das empresas.

Confira na íntegra Mapa do Trabalho Industrial do RN 2019-2023 

Seinai-RN, com informações de Sara Vasconcelos, jornalista Unicom/FIERN

Boletim de Balneabilidade aponta dois pontos no RN impróprios para banho neste fim de semana

Foto: Reprodução

O Boletim da Balneabilidade das praias do RN (nº 37/2019), emitido nesta sexta-feira (13/09), informa que duas praias potiguares monitoradas se encontram impróprias para o banho: a Praia Foz do Rio Pirangi (municípios de Nísia Floresta / Parnamirim) e a praia da Redinha – Rio Potengi (município de Natal).

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (IDEMA), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), fazendo parte do Programa Água Azul.

Foram coletadas, analisadas e classificadas amostras de água em 33 pontos nas praias potiguares, distribuídas na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz, a fim de classificar e informar ao banhista quais as condições das praias monitoradas para o banho.

A classificação leva em conta, principalmente, a quantidade de coliformes fecais encontrados nas águas, como estabelecido na resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA).

Para conferir boletins semanais anteriores clique AQUI.

Procon Natal aponta aumento de 5,4% no preço da gasolina em setembro

Foto: Divulgação

O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Natal) apontou uma variação de 5,41% nos preços da gasolina praticados na capital potiguar. Um percentual superior ao reajuste concedido pela Petrobras no final do mês de agosto, que foi de 3,5%. A pesquisa aconteceu em 70 postos de combustíveis.

O valor médio da gasolina encontrado nas bombas foi de R$ 4,475. O Procon também pesquisou o preço do Gás Veicular e não houve variação de preços em relação ao mês de agosto. Já o etanol, teve variação positiva de 1,60%. O Diesel Comum teve a segunda maior variação encontrada nas bombas com um índice de 3,12%.

A gasolina comum mais barata encontra-se na região norte, com o preço médio de R$ 4,464 e o posto com o menor preço identificado na pesquisa com o valor de R$ 4,440 no bairro de Potengi. Por outro lado, a região sul possui a gasolina mais cara em Natal. O motorista que abastecer seu veículo vai pagar R$ 4,482 em média pela gasolina.

A equipe do Núcleo de Pesquisa do Procon Natal orienta os consumidores que antes de abastecer, façam uma pesquisa, pois há uma oscilação muito grande nos preços praticados nos postos da cidade. No endereço eletrônico www.natal.rn.gov.br/procon está disponível a lista dos dez postos com a gasolina mais barata das capital potiguar e a planilha, indicando as variações dos valores.

Coaf aponta ‘movimentações atípicas’ de R$ 2,5 milhões do deputado federal David Miranda(PSOL-RJ), marido do jornalista Glenn Greenwald

Foto: Reprodução / Facebook

Um relatório enviado pelo Coaf ao Ministério Público do Rio dois dias depois de o site The Intercept Brazil começar a divulgar mensagens atribuídas a autoridades da Lava-Jato aponta que o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ) fez “movimentações atípicas” de R$ 2,5 milhões em sua conta bancária entre 2 de abril de 2018 e 28 de março de 2019. Miranda é casado com o jornalista Glenn Greenwald , editor do Intercept.

A partir do documento, o Ministério Público do Rio abriu uma investigação sobre as movimentações de Miranda. Nesta terça-feira, conforme antecipou o colunista Lauro Jardim , a 16ª Vara de Fazenda Pública do Rio de Janeiro, barrou a tentativa do MP de quebrar o sigilo fiscal e bancário do deputado. Em despacho de sete páginas que decretou o segredo de justiça do caso, o juiz Marcelo da Silva pede que o deputado e outras quatro pessoas, entre assessores e ex-assessores dele, sejam ouvidos antes de qualquer ação cautelar. “Entendo prudente postergar a análise do pleito para o momento posterior à instauração do contraditório”, escreveu Silva.

Procurado pelo GLOBO, Miranda afirmou, através de sua equipe, que o cargo de deputado não é a sua única fonte de renda e, portanto, “as movimentações são compatíveis com sua renda familiar”. O deputado recebe R$ 33,7 mil de salário. Ele afirmou que depósitos fracionados detectados pelo Coaf vêm dessa outra fonte, uma empresa de turismo da qual é sócio com Glenn Greenwald. Ele, porém, não informou os serviços prestados pela companhia e, por meio de sua assessoria, disse que os demais esclarecimentos seriam prestados no Judiciário.

O relatório do Coaf sobre Miranda foi feito em meio a uma investigação que apurava supostas ilegalidades em gráficas no município de Mangaratiba, na região metropolitana do Rio, e não tem relação direta com ele. O deputado contratou os serviços de uma das empresas investigadas e, por isso, acabou tendo as movimentações financeiras em sua conta enviadas pelo Coaf ao MP.

No período analisado, o Coaf aponta que R$ 1,3 milhão entrou na conta corrente do parlamentar, registrada em uma agência do Banco do Brasil em Ipanema, na Zona Sul do Rio. As saídas da conta somaram R$ 1,2 milhão no mesmo período. A movimentação considerada atípica pelo órgão não significa que tenha sido identificada uma ilegalidade. O deputado alega receber na conta o salário de parlamentar e valores oriundos de uma empresa na qual é sócio com Greenwald.

O Coaf informa no relatório que considera “suspeita de ocultação de origem” uma série de depósitos de valores que giravam entre R$ 2,5 mil e R$ 5 mil, feitos em espécie. Os analistas do órgão destacam no relatório o fracionamento dos depósitos e também a existência de repasses de funcionários do gabinete ao deputado.

Suspeita de Rachadinha

Quatro assessores e ex-assessores de Miranda também tiveram a quebra do sigilo pedida pela 5ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva da Capital ao Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) na 16ª Vara de Fazenda Pública, porque foram identificados depósitos deles na conta de Miranda. Para investigadores, existe a suspeita de um esquema de “rachadinha”, de devolução de parte dos salários ao parlamentar. Os pedidos do Ministério Público de quebra de sigilo foram negados pela Justiça, ao menos até que os depoimentos sejam tomados.

Estão incluídos no pedido de quebra de sigilo Reginaldo Oliveira da Silva e Silvia Mundstock, que atualmente trabalham no gabinete de Miranda na Câmara dos Deputados, em Brasília. O trabalho de ambos foi iniciado em fevereiro deste ano, quando o parlamentar assumiu o mandato após a desistência do colega de partido, Jean Wyllys.

O MP ainda pediu a quebra de sigilo fiscal e bancário de Camila Souza Menezes e Nagela Rithyele Pereira Dantas, que desde o início do ano estão lotadas na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) nos gabinetes das deputadas estaduais Renata Souza e Mônica Francisco, ambas do PSOL, mesmo partido de Miranda. A investigação apura a “prática de improbidade administrativa”, delito da esfera cível.

Também foi aberta uma investigação sobre suposto crime de peculato e lavagem de dinheiro, mas, como Miranda é deputado federal, esse procedimento foi remetido da 24ª Promotoria de Investigação Penal para a Procuradoria-Geral da República, em Brasília.

Miranda nega irregularidades. À Justiça Eleitoral, ele declarou participar da sociedade da Enzuli Management (nos Estados Unidos) e da Enzuli Viagens e Turismo (no Brasil). O deputado é dono de 18,75% da companhia americana e de 1% da brasileira, e ambas também têm participação do jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil.

Ao pedir quebra de sigilo, o MP apontou a movimentação atípica de R$ 2,5 milhões e “possível evolução patrimonial incompatível com a do então vereador municipal”.

Na eleição passada, em 2018, Miranda declarou à Justiça Eleitoral que era dono de um patrimônio de R$ 353,4 mil, dos quais quase 20% eram referentes a um carro e o restante a investimentos em renda fixa e quinhões de capital. Já na eleição de 2016, o patrimônio declarado era de R$ 74.825,00.

Retaliação

O deputado também afirmou que “diante da ausência de provas e evidências sobre qualquer ilegalidade, não há dúvida de que (a investigação) é uma retaliação”. Para ele, “a suposição que motivou o pedido de quebra de sigilo não faz sentido” e “é óbvio que é uma resposta ao trabalho do The Intercept Brasil na cobertura da Vaza-Jato”. Miranda vê as investigações como “uma perseguição via aparato estatal” e afirmou que está “providenciando os extratos da conta da empresa que originou os saques e correspondentes depósitos” e que está à disposição da Justiça.

Na semana passada, em entrevista ao “Roda Viva”, da TV Cultura, Greenwald foi questionado sobre o caso que envolve o deputado. Aos entrevistadores, o jornalista disse que não vão existir evidências contra Miranda porque ele não cometeu crimes.

– Estamos totalmente tranquilos porque é uma mentira. É exatamente o tipo de jogo sujo que eles fazem e não vamos parar por causa disso — afirmou Greenwald.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. manezinho disse:

    Acho que os 40 mil reais do queiroz adquiridos em 10 anos, mais importante saber a origem, do que os 2,5 milhoes de reais em 6 meses desse dep do psol. Todo esquerdista é pobre, ganha pouco… lula so tinha uns 40 milhoes so fazendo palestras. Justifica. Mas queiroz, nao. 40 mil é muito.

  2. Manoel disse:

    Dobrou a meta de Queiroz!!!!

  3. Cigano Lulu disse:

    É no mínimo curioso como a esquerda gosta de cultuar o modelito "mulher barbada".

  4. Rosi Sampaio disse:

    Vamos ver se a justiça vai dar a esse caso o mesmo tratamento que deu ao caso do Flávio Bolsonaro, que aliás teve a investigação suspensa. Ou será que vai ser dois pesos e duas medidas?

  5. Silvino disse:

    Uiuiui, movimentou 2 vezes mais que o Queiroz. Aproveitou bem com o bofe. Isso é despeito, menina

    • Gregório disse:

      Silvino sua matemática está com problemas, o Queiroz teve movimentação suspeita de R$ 40, R$ 80 mil, sei lá, já esse rapaz, marido do hacker que investe contra e difama o governo, movimentou R$ 2,1 milhões. Numa conta simples significa uma movimentação 2.000 vezes maior.

  6. Lindomar disse:

    Como assim? Vão se preocupar com esse trocado? O que importa é achar a movimentação atípica do Queiroz de R$ 40 mil. Também não importa a movimentação de R$ 1,1 milhão do irmão do ex presidente, tem que parar o mundo e descobrir os R$ 40 mil do Queiroz, o resto é desculpa, coisinha sem importância.

Advogada aponta falsificação de assinatura e denúncias graves contra Bento Herculano no CNJ; ele rebate: “pessoa com reduzida saúde psicológica”

Foto: Divulgação

Disputas judiciais envolvendo o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RN) mais uma vez estão rendendo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Desta vez a acusação grave foi impetrada pela advogada Beatriz Helena Cavalcanti Siqueira contra o desembargador e presidente do TRT-RN, Bento Herculano, em processo referente a disputas no Sindicato dos Bancários. A advogada lista argumentos que segundo ela, impediriam o justo julgamento do desembargador. Bento Herculano terá 15 dias pra se manifestar.

Na peça jurídica, a qual o Justiça Potiguar teve acesso e está tramitando na Corregedoria sob relatoria do corregedor Humberto Martins, a advogada alegou argumentos que poderiam fazer com que o desembargador se julgasse suspeito. Segundo ela, Bento Herculano seria “amigo íntimo dos advogados da parte contrária”, tendo inclusive fotos juntos e o advogado Marcus Vinicio Santiago de Oliveira teria sido convidado do casamento do desembargador.

Veja reportagem completa aqui no Justiça Potiguar.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Rodrigo disse:

    Onde tem fumaça tem fogo!
    Tá sempre aparecendo denúncias contra esse Bento, a PF tem que encalcar nele.

  2. Junior gurgel disse:

    Esta senhora não é advogada mas autora em um processo trabalhista

  3. Cidadão Indignado disse:

    A Corregedoria tem que tomar providências URGENTES para conter atitudes tomadas por alguns desembargadores do judiciário brasileiro. Investigar e, se for o caso, punir rigorosamente. Tem que acabar essa vergonha chamada aposentadoria compulsória, um tapa na cara do povo brasileiro.

Boletim da Balneabilidade aponta praias próprias para banho no litoral potiguar

Foto: Canindé Soares

O Boletim da Balneabilidade das praias do Rio Grande do Norte Nº 34, emitido nesta sexta-feira (23), informa que todas as praias analisadas estão próprias para o banho. Foram coletadas e classificadas amostras de água em 33 pontos distribuídos na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz, a fim de classificar e informar aos banhistas quais as condições das praias monitoradas.

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), fazendo parte do Programa Água Azul.

A classificação leva em conta a quantidade de coliformes termotolerantes encontrados nas águas, como estabelecido na resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Para conferir boletins semanais anteriores clique AQUI.

Boletim da Balneabilidade aponta praias no RN próprias para banho

Foto: Ilustrativa

O Boletim da Balneabilidade das praias do Rio Grande do Norte Nº 33, emitido na sexta-feira (16), informa que todas as praias analisadas estão próprias para o banho. Foram coletadas e classificadas amostras de água em 33 pontos distribuídos na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz, a fim de classificar e informar aos banhistas quais as condições das praias monitoradas.

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), fazendo parte do Programa Água Azul.

A classificação leva em conta a quantidade de coliformes termotolerantes encontrados nas águas, como estabelecido na resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Para conferir boletins semanais anteriores clique AQUI.

Levantamento aponta as cores que mais desvalorizam seu carro no RN e demais estados brasileiros

Já comprou um carro preto ou prata imaginando que seria mais fácil revendê-lo no futuro? Deixou de comprar um carro amarelo porque achou que seria difícil passar ele para frente depois?

De olho nessas dúvidas comuns na hora de comprar um carro, a KBB, site de precificação de carros novos e usados, fez um levantamento para o Valor Investe com a desvalorização média de acordo com as cores da lataria.

Um automóvel compacto no maior estilo pretinho básico, por exemplo, tem desvalorização média de 1,24% atrelada à sua lataria, perda de valor cinco vezes maior que as versões prata (-0,24%) e – pasme – o dobro das amarelas.

Para realizar a pesquisa, foram identificados e considerados apenas nove grupos de cores: amarelo, azul, branco, cinza, marrom, prata, preto, verde e vermelho.

Nuances muito próximas dessas cores, ou seja, de pouca amostragem, como laranja, rosa, dourado, bege, roxo, vinho e bronze foram incluídas nos grupos citados.

As cores consideradas “exóticas” e mais incomuns entraram na categoria “outras cores”.

Confira o levantamento detalhado por cores, modelo e Estados:

Variação média de preço conforme a cor do veículo – por Estado

A porcentagem de impacto das cores sobre a desvalorização dos automóveis de passeio e utilitários varia de -1% a +1% na média nacional.

O ponto de partida da KBB para o cálculo do impacto das cores sobre a desvalorização/valorização dos carros foi o comportamento da cor branca, o segundo tom mais recorrente nas amostras de pesquisas e a que está presente em mais tipos de pintura (sólida, metálica e perolizada).

Isso significa que, ao comparar o modelo “x” na cor branca com o mesmo modelo “x” em outra cor, respeitando o referencial da região, o dado negativo ou positivo desta cor determinará o valor deste modelo em relação à cor branca. Isso explica porque algumas cores tem variação positiva.

Por exemplo: se o modelo “x” tiver preço de R$ 50 mil na cor branca e a cor vermelha deste mesmo modelo “x”, na região referida do dado, obtiver uma valorização de 1,5%, o preço dele será de R$ 50.750.

Cor sólida x metálica

Segundo o levantamento da KBB, a cor mais popular dos veículos é a prata.

Os tipos de pintura – sólido, metálico ou perolizado – parecem não influenciar no quanto um automóvel ou SUV/utilitário se desvaloriza.

Vale lembrar aqui que, geralmente, as pinturas metálicas e perolizadas são cobradas como opcionais pelas montadoras. Coloque isso na ponta do lápis para entender se vale a pena pagar um pouco mais por um acabamento diferente na lataria.

Carros grandes e marrons

Entre todos os segmentos – compactos, médios e grandes (automóveis e SUVs/utilitários) – apenas os automóveis grandes (excluindo os SUVs/utilitários) são observadas variações de impacto de cor sobre a desvalorização que fogem da média nacional.

São os casos das cores marrom (+1,7% em relação à cor branca), vermelho (+1,5%), verde (-3,5%) e amarelo (-4,4%).

Pretinho nem tão básico assim

Se o pretinho básico nunca sai de moda no guarda-roupa, isso não se aplica para o setor automobilístico. No levantamento separado pelas regiões do Brasil, a cor preta impacta negativamente o preço dos veículos em 1,4% no Nordeste, enquanto no restante do país o preto leva à desvalorização do carro em 1%.

Na região Norte (com exceção do Tocantins), a cor azul tem uma desvalorização bem acima da média, de 2,4%, enquanto no restante do país é de 0,9%.

Veja as cores que levam à maior perda de valor dos veículos por estado:

Rio de Janeiro: a cor amarela é a que mais desvaloriza (-2,4%). Vale lembrar que os táxis são amarelos por lá

Minas Gerais: a cor verde é a que mais desvaloriza os carros (-1,3%)

Paraná: os veículos verdes são os mais desvalorizados (-1,7%)

Santa Catarina: a cor azul tende a impactar mais o preço do carro (-2%)

Rio Grande do Sul: os carros amarelos são os que mais perdem valor (1,5%)

Bahia e Sergipe: a cor verde é a mais desvalorizada (-1,36%)

Ceará, Piauí e Maranhão: as cores verde, amarela e azul tendem a impactar mais o preço dos veículos (-4%, -2,1% e -1,4%, respectivamente).

Globo, via Valor Investe

 

Pesquisa do PROCON NATAL aponta redução no preço do gás de cozinha

O PROCON NATAL – Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Natal realizou, no dia 05 de agosto, uma pesquisa de preço do botijão de 13 quilos do gás de cozinha em 22 estabelecidos, das quatro regiões da cidade. O preço médio do produto na primeira semana de agosto foi R$ 65,77, contra R$ 66,32 do mês anterior, uma redução de R$0,55. O maior preço encontrado foi de R$ 70,00 e o menor preço de R$ 60,00 à vista.

De acordo com o PROCON NATAL, os estabelecimentos fazem diferenciação no valor pago a vista ou no cartão. Na média, o preço do botijão GLP de 13 kg no cartão foi de R$ 69,40 e na pesquisa anterior era de R$ 69,71. Isso equivale a uma redução de R$ 0,31(-0,45%). Já a diferença entre o maior e o menor preço nesta pesquisa de agosto foi de R$ 12,00, onde o menor preço no cartão foi R$ 63,00 e o maior R$ 75,00.

A pesquisa verificou ainda que 18,2% dos estabelecimentos aumentaram seus preços entre R$ 2,00 e R$ 5,00 e 27,3% reduziram seus preços entre R$ 2,00 e R$ 5,00. E 54,5% dos estabelecimentos mantiveram seus preços inalterados entre as pesquisas. Ou seja, a pesquisa encontrou estabelecimentos com preço de R$ 60,00 em maio e em agosto o mesmo estabelecimento estava com o preço a R$ 65,00. Também foi observado o inverso em maio alguns estabelecimentos o preço encontrado foi de R$ 70,00 e em agosto o mesmo estabelecimento estava com o preço de R$ 65,00. Esses dados são para preços praticados à vista, mas também foi observado a mesma prática na venda com cartão.

A pesquisa na íntegra está disponível em www.natal.rn.gov.br/procon.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Daniel soares disse:

    Acho que nao houve nenhuma reduçao amigo,o que se faz com 0,55$ ???
    Sera que há parcialidade nessa pesquisa?

  2. Arnaldo Franco disse:

    Vou já comprar o meu e dizer "Ele não".

Água Azul: Boletim aponta praia da Redinha como imprópria para banho

Foto: Canindé Soares

O Boletim da Balneabilidade das praias do Rio Grande do Norte Nº 31, emitido na última sexta-feira (02), informa que entre os trechos das praias analisados, um está impróprio para o banho.  A praia da Redinha, próximo ao Rio Potengi, está com índices coliformes termotolerantes elevados.

O estudo é uma parceria entre o Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente (Idema), o Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN) e a Fundação de Apoio à Educação e ao Desenvolvimento Tecnológico do RN (FUNCERN), fazendo parte do Programa Água Azul.

Foram coletadas, analisadas e classificadas amostras de água em 33 pontos nas praias potiguares, distribuídas na faixa costeira situada entre os municípios de Nísia Floresta e Extremoz, a fim de classificar e informar ao banhista quais as condições das praias monitoradas para o banho.

A classificação leva em conta a quantidade de coliformes termotolerantes encontrados nas águas, como estabelecido na resolução nº 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama).

Para conferir boletins semanais anteriores clique AQUI.

Sesed aponta continuidade na redução no número de homicídios em 2019; Natal registra a maior diminuição desde 2015

A Secretaria de Estado da Segurança Pública e da Defesa Social (Sesed) divulgou, nesta sexta-feira (02), a continuidade na redução dos números de Condutas Violentas Letais e Intencionais (CVLIs) ao longo dos meses em 2019. Dessa vez, os dados apontam um início de segundo semestre com diminuição nas estatísticas, quando comparado aos números de 2018.

Os dados, divulgados pela Coordenadoria de Informações Estatísticas e Análise Criminal (Coine), apontam uma redução significativa nas estatísticas de CVLIs até o mês de julho. Comparado ao ano anterior, as estatísticas da Sesed apontam um número de 383 vidas poupadas.

Entre os indicadores, a Secretaria destaca a redução em ocorrências diretas contra a juventude, faixa segmentada entre 16 e 29 anos. De janeiro a julho de 2019, em comparação ao mesmo período do ano anterior, houve uma diminuição total de 34,1%. O período etário que apresentou a maior subtração foi entre 16 e 17 anos, quando o estado saiu de 89 casos em 2019, para 49 registros em 2019, 44,9% de redução.

Outro importante quesito de redução ocorreu em municípios considerados polos no Rio Grande do Norte, são eles Natal, Mossoró e Parnamirim. Na capital potiguar, a maior diminuição desde 2015, com índice 45,7% casos a menos. Em 2018, foram 322 ocorrências, 147 a mais do que em 2019, quando foram registradas 175. De acordo com a Coine, Natal ficou, ainda, oito dias sem nenhuma ocorrência de CVLI durante o mês de julho. Além de Natal, Mossoró reduziu em 26,2% as suas ocorrências na comparação entre 2018 e 2019, dado semelhante ao registrado em Parnamirim, com uma redução de 27,9%.

Em relação aos tipos de ocorrências com melhores índices de redução, os dados de homicídio doloso obtiveram destaque, com 35,3%, assim como de lesão corporal seguida de morte, que apontou uma diminuição de 28,1% nos registros, e as estatísticas de latrocínio ficaram em 37,3% de redução.

De acordo com o Secretário da Sesed, Coronel Francisco Araújo, as significativas reduções em 2019 têm relação com alguns fatores. “Melhor planejamento e integração das forcas policiais, tanto as estaduais, municipais, quanto federais que atuam no RN (PF, PRF e ABIN), Guardas Municipais, além das Forças Armadas, maior apoio do Poder Judiciário e do Ministério Público Estadual, maior controle do sistema prisional e o apoio inconteste do Governo do Estado a todas as ações dos órgãos do sistema de segurança pública”, aponta Araújo.

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. WASHINGTON disse:

    PRECISA REDUZIR A QUANTIDADE DE ASSALTO , TA ENORME , NÃO COSTA NOS REGISTROS POR QUE AS PESSOAS NÃO FAZ MAIS O BO , POIS NÃO DA EM NADA. É ASSALTO A ONIBUS, E ASSALTOS NAS RUAS E PARADAS , PEQUENOS COMERCIOS E RESIDENCIA. PRECISA ACABAR COM ISSO.

  2. Ted disse:

    Se a bandidagem souber que o cara tem uma arma, cai ainda mais, vão com medo, pensa duas vezes antes de enfrentar.
    Quem tem C… tem medo. Né mesmo???

Tirar muita água de poços pode causar terremotos, aponta estudo

(vvvita/Getty Images)

Quando falta água na superfície, a solução mais prática é retirá-la do subsolo. Mas uma pesquisa publicada no Geophysical Research Letters demonstrou que pode não ser uma boa ideia — principalmente para cidades construídas em cima ou perto de falhas geológicas. Um estudo indica que bombear água do lençol freático em demasia pode causar terremotos.

Uma série de tremores foram registrados em setembro de 2013 e julho de 2018 nos arredores do Mar da Galileia, famoso por ter sido o local onde, segundo a narrativa bíblica, Jesus teria caminhado sobre as águas. É o maior lago de Israel, localizado no nordeste do país. Abaixo dele há um grande sistema de falhas que se estende por toda a região do Mar Morto e acomoda o movimento das placas tectônicas africana e arábica.

Há décadas o lago tem sido uma das principais fontes de água doce de Israel. Mas, de uns tempos para cá, a população aumentou e as chuvas diminuíram. Isso fez o nível das águas baixar consideravelmente. Então as autoridades locais passaram a sugerir, nos anos 90, que a população bombeasse água de poços subterrâneos em vez de usar a da superfície. Os geólogos se perguntaram se poderia haver alguma relação entre o fenômeno e os tremores.

A equipe reuniu uma série de informações sobre os terremotos (datas, locais, profundidade e magnitude) e comparou com medidas regulares do aquífero da região. Constatou que, nas duas ocasiões, os tremores foram precedidos por quedas acentuadas no nível da água no subsolo — entre 2007 e 2013, e de 2016 a 2018. Foram tremores fracos, entre 3 e 4 graus, mas serviram para deixar os especialistas em alerta.

Historicamente, as falhas do Mar Morto já provocaram sismos fortíssimos, tendo atingido magnitude de 7 a 8 e vitimado cerca de 230 mil pessoas no ano 1138. Em 1927, um tremor de magnitude 6,25 matou quase 300 pessoas. E o grande problema é que um terremoto costuma puxar o outro. Quando a rocha quebra, pode chacoalhar numa reação em cadeia.

Os pesquisadores descobriram que extrair muita água do lençol freático reduz a carga gravitacional que mantém os dois lados da falha no lugar — deixando-a mais “frouxa”. Antes deste estudo, os cientistas ainda não haviam prestado muita atenção no fenômeno. Já sabiam que fazer o contrário, injetar água nos aquíferos, pode criar terremotos. A água penetra nos poros das rochas, aumenta a pressão e lubrifica as falhas.

Assim elas escorregam e se chocam com maior facilidade. Esse processo é utilizado para quebrar as camadas de rocha e extrair petróleo ou gás natural. Outras regiões do planeta também devem ficar atentas com os resultados da pesquisa, e quem sabe até pegar mais leve na extração de água dos aquíferos. Nos últimos anos, tam crescido a dependência dos poços na Califórnia — e a tão temida falha de San Andreas fica ali do lado.

Super Interessante

 

Lucro das principais estatais federais sobe 57,5% no 1º trimestre para R$ 24,6 bilhões; houve redução de 2.408 pessoas no quadro de pessoal

(FOTO: TÂNIA RÊGO/AGÊNCIA BRASIL)

O lucro das principais empresas estatais federais cresceu 57,5% no primeiro trimestre de 2019, em relação ao mesmo período do ano passado, e atingiu R$ 24,6 bilhões. Os dados, divulgados nesta quinta-feira, 1º de agosto, pelo Ministério da Economia no 10º Boletim das Empresas Estatais Federais, levam em conta o desempenho dos cinco principais conglomerados estatais: Banco do Brasil, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Caixa, Eletrobras e Petrobras.

Essas empresas representam mais de 90% dos ativos e do patrimônio das estatais federais. Em função da venda da Transportadora Associada de Gás S.A (TAG), o número total de estatais federais caiu no primeiro trimestre de 134 para 133. Atualmente, porém, este número já está em 130 estatais.O boletim mostra ainda que as estatais estão reduzindo o número de trabalhadores e as despesas com pessoal.

No primeiro trimestre deste ano, em relação ao verificado no encerramento de 2018, houve redução de 2.408 pessoas no quadro de pessoal, considerando todas as estatais. Entre os destaques estão a diminuição de 1.721 funcionários dos Correios e a redução de 402 trabalhadores do Banco do Brasil. O Ministério da Economia pontuou que, na comparação com o verificado no fim de 2015, a queda no quadro de pessoal foi superior a 59 mil funcionários (redução de 10,82% do total).

“Grande parte da redução, de cerca de 47 mil vagas, resultou da implementação de programas de desligamento voluntário de empregados (PDVs), principal ferramenta de gestão utilizada para adequação do quadro das estatais, com estimativa de economia na folha de pagamentos de R$ 7,49 bilhões”, registrou o ministério no boletim.No primeiro trimestre de 2019, houve ainda redução de R$ 1,10 bilhão nas despesas com pessoal, na comparação com o primeiro trimestre de 2018.

Época Negócios

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Arthur disse:

    E o Bozo querendo vender a Eletrobras por 13bi, isso a empresa lucra em um ano.

  2. JOSE ARIMATEIA disse:

    Ainda te um monte de Petista safados querendo que o governo não ande, avante Brasil, o capitão esta no ruma certo.

  3. Nilvan Rodrigues da Silva disse:

    Pense num caminho certo esse desse Bozo querendo privatizar essa estrutura. Sei não viu…
    Vê ai se a China, a Índia, a Rússia pretendem vender suas estatais. Sem falar na Espanha, Holanda, e muitos países europeus.

    • Curioso disse:

      Pois é, nestes paises as leis funciona de forma diferente da aplicada a daqui.

  4. Luladrão Encantador de Asnos disse:

    O Brasil no rumo certo.

  5. João Barbosa disse:

    Inflação, desemprego e juros caindo, bolsa batendo recordes, até as estatais agora voltaram a dar lucro, mesmo demitindo a militância que só queria mamata.
    Bote quente, capitão!!!