Estudo da UFRN investiga novo índice de massa corporal

ILUSTRATIVA/GETTY IMAGES

Uma pesquisa de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFRN (PPGCF) estuda uma nova maneira de mensurar a massa corporal no cálculo de riscos à saúde. Intitulado Pontos de corte no ABSI para risco cardiometabólico, o trabalho tem o intuito de aplicar um indicador mais fidedigno do que o atualmente utilizado no Brasil, o Índice de Massa Corporal (IMC).

De acordo com a doutoranda Elys Costa, responsável pela pesquisa, o ABSI – sigla em inglês para A Body Shape Index – fornece mais dados para uma avaliação física completa. Ela explica que o IMC é uma razão apenas entre peso e altura, enquanto o ABSI também considera a circunferência da cintura para determinar o índice.

Para dar prosseguimento aos estudos, a pesquisa necessita de voluntários. Podem participar estudantes, servidores técnico-administrativos e professores da UFRN de ambos os sexos e com idade entre 18 e 59 anos.

Os testes são divididos em duas etapas. Na primeira, os participantes fazem uma avaliação sanguínea no Hospital Universitário Onofre Lopes (HUOL). Já a segunda é uma avaliação de composição corporal por meio do DEXA – uma espécie de Scanner – para identificar o percentual de gordura e densidade mineral óssea, realizada no Laboratório de Biodinâmica do Departamento de Educação Física, no campus central, em Natal.

Entre os cuidados na preparação para os testes estão o jejum de 12 horas, no caso do exame de sangue, e a utilização de roupas leves e sem partes metálicas durante a avaliação física. Todos os voluntários vão receber os resultados, incluindo taxas de glicose, colesterol e triglicerídeos e dados de funções renal e hepática.

Interessados em contribuir com o estudo devem entrar em contato com a pesquisadora pelo e-mail [email protected] ou pelo telefone (84) 99916-0545. As avaliações acontecem às segundas e quintas-feiras, mediante agendamento.

Com informações da UFRN