Polícia

Polícia Federal investiga compra de moeda falsa em Ipanguaçu – RN

A Polícia Federal deflagrou nesta quarta-feira, 21/7, a Operação Apógrafo, com o objetivo de investigar a comercialização de moeda falsa através da internet com envio das notas pelos Correios. Seis policiais federais cumprem 2 mandados de busca e apreensão na cidade de Ipanguaçu/RN.

As investigações tiveram início em abril deste ano, após a prisão em flagrante de um homem que havia acabado de receber uma encomenda contendo cédulas falsas de R$ 50 que totalizaram R$ 1 mil.

Os levantamentos indicaram ainda que outro homem, amigo do preso, era o responsável pela “mercadoria” e que aquela não seria a primeira compra de moeda falsa por ele realizada.

Os envolvidos responderão pelo crime de moeda falsa, cuja pena pode alcançar até 12 anos de reclusão, além de multa.

O nome da operação – Apógrafo – significa cópia de um escrito original ou, ainda, instrumento para copiar desenhos, uma alusão ao tipo de crime ora investigado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

Idema determina paralisação de usina que virou problema ambiental em Monte Alegre, na Grande Natal; MPRN investiga possíveis crimes

Foto: Reprodução

É destaque no Blog do Dina – por Dinarte Assunção, nesta quarta-feira(07). Anunciada quase três anos atrás como uma promessa que se somaria à política de responsabilidade social e ambiental na região metropolitana de Natal, a Usina de Reciclagem e Compostagem Eco Serviços Ambientais virou caso de saúde pública em Monte Alegre, virando alvo de diversas frentes por órgãos que cuidam da tutela do meio ambiente e dos direitos da coletividade.

Uma série de denúncias levou o Instituto de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Idema) a determinar a imediata paralisação das atividades da usina por descumprimento de requisitos mínimos de cuidados com o meio ambiente.

Paralelamente, ações do Ministério Público do Trabalho levaram o MPT a acionar o Ministério Público do Rio Grande do Norte, já que nas ações trabalhistas surgiam evidências de descumprimentos de regras sanitárias da atividade.

Esse fato levou o promotor Mariano Paganini a abrir investigação contra a usina porque, segundo as evidências coletadas para abrir o inquérito, a empresa estava “realizando a captção de lixo urbano sem manejo correto do material, fazendo queimada da parte biológica, causando sérios riscos à saúde humana dos funcionários, além de gerar poluição demasiada, no Sítio Lagoa do Cajueiro”.

Vídeo obtido pelo Blog do Dina atesta a situação. Nele, um homem expõe os perigos a que a população e o meio ambiente estavam expostos à época, em outubro de 2019. A investigação aberta pelo MPRN foi em agosto do ano passado. Já a determinação do Idema é de maio deste ano.

Confira o vídeo AQUI em post na íntegra.

Opinião dos leitores

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

Cármen Lúcia envia ao TRF-1 inquérito que investiga o ex-ministro Ricardo Salles

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou nesta sexta-feira (2) que o Tribunal Regional Federal da Primeira Região (TRF-1) decida sobre a continuidade do inquérito contra o ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, por suposta atuação para atrapalhar as investigações da maior apreensão de madeira ilegal no país.

O caso foi enviado para o TRF-1 após o Salles ter deixado o cargo pressionado pelas investigações. Com a saída, ele perdeu o foro privilegiado no Supremo.

Cármen Lúcia acolheu parecer do vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros. Atualmente, o TRF discute um conflito de competência sobre se os casos conexos ao de Salles, como de empresários, devem ser julgados pela Justiça Federal do Pará ou pela Justiça Federal do Amazonas, que estão despachando.

“Determino seja o presente Inquérito remetido para aquela autoridade judicial (desembargador federal Néviton Guedes), para que, decidido o conflito de competência, este Inquérito seja encaminhado ao juízo competente”.

Caberá ao novo juiz decidir se mantém ou não a apreensão dos passaportes de Salles. A ministra determinou a retenção dos documentos também a pedido da PGR, que argumentou que a medida era necessária para garantir o andamento da investigação. Segundo Cármen Lúcia, a apreensão dos passaportes era necessária para evitar medida mais gravosa, como uma prisão preventiva.

“Com o reconhecimento da incompetência superveniente deste Supremo Tribunal Federal ficam prejudicados os exames, nessa instância, do pedido de restituição dos bens apreendidos e do agravo regimental interposto pela defesa de Ricardo de Aquino Salles, porque as medidas cautelares antes deferidas serão levadas à jurisdição no novo juízo competente, resguardando-se até lá a efetividade jurídico processual das medidas até aqui adotadas, que serão submetidas à revisão, ratificação ou não da autoridade judiciária competente”.

O inquérito foi aberto a partir de uma notícia-crime apresentada em abril contra o ministro por suposta tentativa de atrapalhar a apuração sobre a maior apreensão de madeira do Brasil, feita na Operação Handroanthus.

A notícia-crime foi protocolada pelo delegado da Polícia Federal Alexandre Saraiva, então superintendente da PF no Amazonas. Uma semana depois, o governo nomeou outro delegado para o posto.

Ao pedir a abertura de inquérito ao Supremo, o Ministério Público informou quer apurar se o ministro do Meio Ambiente cometeu delitos como:

advocacia administrativa;

obstar ou dificultar a fiscalização ambiental;

impedir ou embaraçar a investigação de infração penal que envolva organização criminosa.

G1

Opinião dos leitores

  1. Pegaram apenas o “boi de piranha”, justamente para a boiada passar tranquila.

  2. Ninguém encontra o Paulinho da força kkk
    É impressionante kkk
    Tá escancarado a perseguição kkk

    1. Já foi condenado sem responder a processo? Já é culpado sem direito a defesa? Essa é a perigosa justiça que a esquerda quer no Brasil, não existe lei, apenas os ditames do partido, apenas as ordens do ditador. Que fique claro ao povo o que a esquerda tem para o Brasil.

    2. Hono-Rato, deixe de conversar leseira. Quem é o ditador, que quer fechar o STF com as “suas” forças armadas, se não Dom Bozo, o tosco?

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF investiga fraudes em contratos celebrados entre empresa de tecnologia e órgãos públicos federais no RN, PB, CE, RJ, GO e DF

Foto: Reprodução/ PF

Um esquema criminoso, que desviou ao menos R$ 16 milhões de três órgãos públicos federais a partir de contratos fraudulentos, foi alvo da Operação Bouchonée, deflagrada pela Polícia Federal (PF) nesta terça-feira (29). Policiais federais cumpriram um total de 50 mandados de busca e apreensão em diferentes estados – inclusive no Ceará.

De acordo com a PF, os contratos fraudulentos foram celebrados entre uma empresa do ramo de Tecnologia da Informação (TI) e o Ministério da Integração Nacional (MI), o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Fundação Nacional de Saúde (Funasa), nos anos de 2017 e 2018. A organização criminosa ainda tentou firmar um contrato com a Agência Brasileira de Promoção Internacional do Turismo (Embratur), mas não foi concretizado.

A Justiça Federal determinou o cumprimento de 50 mandados de busca e apreensão, em endereços no Ceará, no Distrito Federal, em Goiás, no Rio de Janeiro, no Rio Grande do Norte e na Paraíba. Segundo a PF, em território cearense foi cumprido apenas um mandado de busca e apreensão, no Município de Icapuí.

As fraudes iniciaram em uma licitação do Ministério da Integração Nacional, que resultou na criação de uma ata de registro de preços, instrumento que viabilizou que outros órgãos contratassem diretamente a empresa de TI investigada, por meio de adesões a essa ata.

A PF cita que os investigados criaram uma espécie de “kit adesão”, com minutas e modelos de documentos necessários para que outros órgãos formalizassem a adesão à ata de registro de preços. O “kit” era repassado aos servidores públicos cooptados, que, mediante o pagamento de propina, iniciavam o processo de adesão à ata do MI.

LAVAGEM DE DINHEIRO EM LOJAS DE VINHOS

A Polícia Federal apurou que os investigados realizaram lavagem de dinheiro em lojas de vinhos. Somente uma loja recebeu transferências de mais de R$ 3 milhões da empresa de Tecnologia da Informação, em um período de apenas quatro meses.

Os envolvidos responderão pelos crimes de peculato, organização criminosa, lavagem de dinheiro, fraude à licitação, falsificação de documento particular, corrupção ativa e passiva, com penas que, se somadas, podem chegar a mais de 50 anos de prisão.

Diário do Nordeste – Verdes Mares

 

Opinião dos leitores

    1. Concordo. Tem que passar esse país a limpo. Mas não podemos esquecer das fraudes atuais, aquelas desse governo, que agora começam a aparecer.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP investiga denúncia de aglomeração em live de Safadão com a ex-BBB Juliette, na região de Campina Grande

Foto: Reprodução/Instagram/Israel e Rodolffo

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) instaurou uma notícia de fato para averiguar a informação de aglomeração durante a live “Arraiá do Safadão”, que aconteceu neste sábado (19), com participação de Juliete Freire, Alceu Valença, Israel e Rodolffo, entre outros artistas, na Vila Forró, na região de Campina Grande.

Conforme o MPPB, a promotora de Justiça que atua na área de saúde em Campina Grande, Adriana Amorim, confirmou a instauração do procedimento inicial de apuração de um fato. “O Ministério Público da Paraíba quer esclarecer os fatos que chegaram ao seu conhecimento para adotar as medidas cabíveis”, disse em nota.

A assessoria de imprensa do cantor Wesley Safadão informou ao G1 que as pessoas que estavam no local foram todas testadas. “Eram equipe dos artistas convidados e de transmissão da live, além dos próprios artistas. Inclusive tudo acompanhado de perto por todos os órgãos competentes como Policia Militar e Corpo de Bombeiro supervisionando”, disse a assessoria.

O comandante da PM na região, Arilson Valerio, explicou que a equipe não teve acesso ao interior da Vila Forró, auxiliando apenas no deslocamento dos carros até o local, que fica na em uma estrada de barro, na zona rural de Lagoa Seca. “Não recebemos nenhuma denuncia de aglomeração dentro vila. A gente só soube pelas redes sociais no outro dia”, disse.

O G1 tentou entrar em contato com as assessoria da Vila Forró, Juliette Freire, Israel & Rodolffo e Alceu Valença, mas até as 15h15 desta terça-feira (22), não obteve respostas.

Juliette Freire, campeã do “Big Brother Brasil 21”, participou da live de Wesley Safadão, o “Arraiá do Safadão”, que também contou com participações de Israel & Rodolffo, Alceu Valença, Taty Girl e Tirullipa.

No evento, nenhum dos artistas usou máscaras no palco ou manteve o distanciamento social recomendando como forma de prevenção contra a Covid-19.

G1

Opinião dos leitores

  1. Não se deve tolerar nenhum tipo de aglomeração. Nem de artistas, nem da direita e nem da esquerda. Só lembrando aos bovinos que o megalomaníaco que está na presidência além de aglomerar todos fim de semana, e durante a semana também, está fazendo isso com o $$ do povo brasileiro. Então vá mugir atrás de Jair, mas ao menos aprenda a cobrar dele que não gaste nosso dinheiro. E olhe que se elegeu dizendo que tinha acabado a mamata. A mamata não acabou, apenas mudou de bolso. E para não esquecer: a gasolina em Natal está R$6,oo.

    1. Então, o resto do mundo não aglomera, só o presidente.
      Uma coisa todos testemunharam, no final de semana passado, a aglomeração convocada pela esquerda em protesto contra o presidente, realmente nem pode ser chamada de aglomeração por falta de pessoas…
      Juliete foi cabo eleitoral de Haddad na campanha de 2018 e por coincidência, foi colocada no BBB com todo apoio da globo. Mas foi coincidência, nada pensado e executado.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Operação da Polícia Federal em Alagoas e mais dois estados investiga desvio de dinheiro na compra de respiradores

 Foto: Polícia Federal

A Polícia Federal realiza nesta quinta-feira (17) em Alagoas, Rio de Janeiro e Espírito Santo uma operação para investigar a contratação de empresa sem licitação para a compra de central de gases e respiradores para o hospital de campanha de Girau do Ponciano (AL), que atende pacientes com Covid-19. Segundo a PF, houve desvio de recursos enviados pelo governo federal no valor de R$ 250 mil.

Cerca de 80 policiais federais cumprem 19 mandados de busca e apreensão em:

Alagoas: Maceió (3), Girau do Ponciano (5), Arapiraca (3), Campo Grande (1)

Rio de Janeiro: Rio de Janeiro (4), Belford Roxo (1)

Espírito Santo: Alegre (2)

A reportagem do G1 tenta contato com a prefeitura de Girau do Ponciano. Os nomes dos alvos da operação não foram divulgados.

Segundo as investigações, a Operação Sufocamento quer desarticular um grupo criminoso que atuou nas simulações de dois procedimentos de dispensa de licitação do hospital de campanha, para o qual foram contratadas duas empresas sediadas no Rio de Janeiro.

Entretanto, as empresas contratadas não atuam no ramo de comercialização de central de gases, sendo na verdade um comércio de materiais de construção.

A investigação apontou que um único funcionário público recebeu, em apenas cinco meses (entre abril e agosto) R$ 264 mil dos cofres públicos de Girau do Ponciano, inclusive com recursos do Sistema Único de Saúde (SUS).

O município de Girau, segundo a PF, recebeu R$ 9.508.040,52 do governo federal em 2020 para ações de enfrentamento ao novo coronavírus.

Os contratos investigados somam R$ 600 mil e os desvios, até então, seriam de R$ 250 mil. Além dos desvios, há evidências de outras irregularidades, como a ausência de cotações de preços nos procedimentos, propostas de preços simuladas, superfaturamento nas aquisições, notas fiscais graciosas, utilização de “laranja” na constituição da pessoa jurídica, fornecimento de respiradores obsoletos, dentre outras.

Além dos mandados de busca e apreensão, a Justiça determinou o sequestro de bens móveis e imóveis das pessoas físicas e jurídicas investigadas, assim como a proibição de acesso a qualquer órgão da Administração Municipal de Girau do Ponciano.

O nome da operação, Sufocamento, faz alusão tanto ao efeito devastador provocado pela Covid-19 nos pacientes como ao objetivo pretendido pela investigação de reprimir a atuação dos membros do grupo criminoso.

G1 – Alagoas

 

Opinião dos leitores

  1. FALTA A DO CONSÓRCIO DO NORDESTE, 48 MILHÕES, ONDE ESTÃO?
    VERBA FEDERAL, PORTANTO COMPETÊNCIA DA POLÍCIA FEDERAL.

  2. A questão é identificar onde ouve malversação de recursos públicos, não interessa a origem e o indivíduo envolvido, todos, literalmente todos, devem responder por isso. Não é possível que vivamos continuamente precisando de segurança, educação e saúde fornecidas pelos entes da federação e Não tenhamos as respostas e soluções que precisamos, o Brasil precisa e deve alijar da vida pública os ladrões de paletó, gravata, discurso fácil e mentiroso, que só os viciados nas tetas públicas gostam.

  3. Gostaria de saber quando vão chegar junto de Fatao e o Consorcio Nordestes. 5 milhoes em respiradores, mais de 1 ano, e ninguém faz nada. Cadeia neste petralha.

    1. Tá chegando, vamos ter calma, até o final do ano, acho que a PF chega por aqui.

  4. Agora a porca vai torcer o rabo. O estado da família Renan, um dos maiores bandidos do país, vai ter muita coisa o que explicar. Tá na hora desse safado ir pra cadeia, mais de 50 processos nas costas e esse FDP consegue se livrar de todos com o apoio do STF, corja de bandidos.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Política

TRE-RN julgará na quinta-feira ação que investiga irregularidades em gastos de campanha de Fátima Bezerra em 2018

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RN) julgará na próxima quinta-feira, 27, o processo que investiga supostas irregularidades nos gastos da campanha eleitoral da governadora Fátima Bezerra nas eleições de 2018. O Ministério Público Eleitoral encaminhou alegações finais à juíza relatora do caso, Erika Paiva.

Entre as supostas irregularidades apresentadas na ação são apontados gastos de quase R$ 2 milhões com empresa recém-criada a três dias antes da contratação para gerir a comunicação da campanha que teriam sido usados de forma ilícita.

No parecer do procurador regional Eleitoral, Ronaldo Chaves, o MPE pediu a improcedência da inicial em virtude das “provas coligidas revelam-se insuficientes para a formação de um quadro conformador de certeza e robustez, sem aptidão, como se vê, à caracterização das ventiladas infrações às normas eleitorais”.

 

Opinião dos leitores

    1. Ela já caiu homi, a gente só vai escutar o baque em 2022, o som se propaga mais devagar.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Diversos

‘BBB21’: Delegacia de Crimes Raciais abre investigação para apurar se houve racismo na casa

Foto: Reprodução

Rodolffo pode ter que encarar problemas maiores fora da casa do “BBB21”. Depois de João Luiz ter se mostrado ofendido com comentários do cantor sertanejo sobre o seu cabelo, fazendo uma comparação ao da fantasia de homem das cavernas, a Polícia Civil vai analisar as imagens para apurar se houve crime de racismo contra o professor. As informações foram publicadas pela coluna da jornalista Patrícia Kogut.

A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (DECRADI) disse ter instaurado procedimento para investigar o caso que foi o principal tema do Jogo da Discórdia da última segunda-feira.

VEJA MAIS – FOTOS: Após polêmica no BBB 21, pai do cantor Roldoffo defende o filho e exibe cabelo black power na juventude

No último sábado, os anjos Fiuk e Gilberto escolheram Caio e Rodolffo para participarem da brincadeira do Monstro, que na última semana fazia os brothers vestirem uma fantasia de homem das cavernas e dançar no quintal. Segundo João Luiz, ele estava ajudando Rodolffo a vestir a roupa quando o cantor afirmou que o cabelo estava igual ao do geógrafo. Ele desabafou com Camilla de Lucas no mesmo dia e expôs a sua dor na dinâmica de segunda-feira, quando Rodolffo reafirmou o que disse, mas depois se desculpou.

Rodolffo está no paredão contra o amigo Caio e o ex-aliado Gilberto.

Extra – O Globo

Opinião dos leitores

  1. Puro mimimi da lacração, quem assistiu garante que mão houve essa intenção, simplesmente uma gozação como outra qualquer!

  2. É frescura demais neste país tropical. Ninguém pode dizer nada que vem o patrulhamento em cima. Certas pessoas insistem no mimimi do politicamente correto como se isto venha mudar, para melhor, alguma coisa.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP investiga mudança na ordem de prioridade na aplicação de vacinas contra a covid-19 em Natal, destaca reportagem do Estadão

O Ministério Público do Estado do Rio Grande do Norte (MPRN) e a Defensoria Pública do Rio Grande do Norte (DPE/RN) investigam mudança na ordem de prioridade de vacinação contra covid-19 em Natal. Grupos não contemplados no momento pelo Plano de Operacionalização da Vacinação elaborado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS Natal), conforme estipulado no Plano Nacional de Imunização (PNI), teriam sido imunizados antes.

Os órgãos ingressaram, em caráter sigiloso, com uma ação civil pública nessa terça-feira, 30, para que seja determinado ao prefeito Álvaro Dias e à governadora Fátima Bezerra a reorganização do processo vacinal obedecendo os critérios do PNI.

Na manhã de terça-feira, 30, sem anúncio oficial, a prefeitura do Natal deu início à vacinação de pessoas com síndrome de Down e Transtorno do Espectro Autista (TEA) num drive-thru montado no estacionamento da sede da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte (OAB/RN), na zona sul da capital. Esse novo posto de vacinação fica a menos de 100 metros da Unidade Básica de Saúde de Candelária, que é um dos pontos referenciados para a aplicação de doses das vacinas contra a covid-19 na capital.

Conforme detalhado pela SMS Natal, pelo menos 500 doses da vacina Coronavac foram disponibilizadas para a vacinação dos portadores de Síndrome de Down e autismo na capital. Entretanto, o município não detalhou quantas pessoas existem nessa condição morando em Natal e, tampouco, de onde saíram as doses utilizadas nesta terça-feira e previstas para uso nos próximos dias.

Centenas de pessoas foram ao drive-thru em busca do imunizante ao longo desta terça-feira. A imunização desse grupo era pleito de políticos e da própria OAB/RN, que cedeu espaço para montagem do drive-thru pela prefeitura.

Após o início da imunização, a Coordenadoria de Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap/RN), responsável pela distribuição das vacinas contra a covid-19 aos municípios potiguares, encaminhou um ofício ao gabinete do titular da pasta, Cipriano Maia, solicitando informações sobre o caso, sob a alegação de que “doses não foram remetidas ao Município de Natal para tal fim”.

Uma fonte da Sesap/RN ouvida pelo Estadão confirmou que o uso de vacinas em público-alvo diferente do determinado no PNI configura que as “doses foram desvirtuadas do proposto” e que “a Sesap não foi informada de qual grupo essas vacinas foram retiradas”. E, além disso, a inclusão do público em questão no esquema vacinal não ocorreu de forma pactuada entre Estado e Município.

Conforme disposto no Plano de Operacionalização da Vacinação Contra a Covid-19 do Município de Natal/RN publicado pela SMS Natal em janeiro deste ano, não havia prazo para a vacinação de pessoas com autismo e Síndrome de Down na cidade. Antes delas, conforme disposto no documento, deveriam ser imunizados “trabalhadores de saúde, pessoas de 75 anos e mais, pessoas de 60 anos ou mais institucionalizadas, população indígena, pessoas de 60 a 74 anos e pessoas com comorbidades”.

O município está na faixa de 69 anos e mais no calendário de vacinação e não acena quando irá ampliar a faixa etária para idosos com idades inferiores à atual. O Plano de Operacionalização para a Vacinação Contra a Covid-19 no Rio Grande do Norte, da Sesap, segue entendimento similar.

Sobre o assunto, o MPRN e a DPE/RN emitiram a seguinte nota: “O Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) e a Defensoria Pública do Rio Grande do Norte (DPE/RN) ingressaram na Justiça para que o Governo do Estado e a Prefeitura do Natal reorganizem o processo de vacinação contra COVID-19, observando integralmente as diretrizes do Plano Nacional de Imunização (PNI)”.

A Secretaria Municipal de Saúde e a Prefeitura do Natal foram procuradas, mas não comentaram o caso. Os questionamentos feitos sobre a origem das vacinas e os motivos da inclusão do novo grupo na campanha de vacinação na cidade não foram respondidas.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil no Rio Grande do Norte (OAB/RN) argumentou que “os grupos de pessoas que estão sendo vacinadas na sede da OAB/RN, em Candelária, Natal, são de exclusiva escolha e competência da Prefeitura de Natal” e que “cedeu temporariamente o seu espaço para o ente público a partir dessa terça-feira (30), após solicitação do secretário de Saúde de Natal, por meio do ofício nº 0995/2021/SMS”.

A Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) emitiu nota confirmando que “a vacinação de pessoas não contempladas no Plano Nacional de Imunização (PNI) está desalinhada à política, às faixas e aos critérios de imunização adotados dentro do próprio plano” e que o “redirecionamento das doses para outros públicos que embora sejam entendidos como prioritários e estejam contemplados nas primeiras fases do Plano Estadual de Vacinação, ainda que não nesse momento, poderá acarretar indisponibilidade e inacessibilidade dos grupos prioritários contemplados no PNI, pelo simples fato de não ter havido ainda recebimento de doses específicas para esse determinado público”.

Estadão

Opinião dos leitores

  1. Uma pessoa com síndrome de down e autismo tem 10 vezes mais chances de morrer se pegar covid, como vocês não Tem noção da luta árdua que é ter um filho especial.

    1. exatamente, sou PCD, e sou da saúde, sofro com preconceito diário. pessoas sem noção.

  2. Isso é uma vergonha. Todos são prioritários. Mas, os idosos — que são a prioridade em todo o mundo civilizado — ficam relegados a própria sorte pelos governos estadual e municipal. E aí fica a pergunta: Qual a razão de não incluir também os motoristas de ônibus, de táxi, de aplicativos, os funcionários de atendimento de supermercados, do comércio em geral? Não temos homens/mulheres públicos(as), apenas, "iluminados" loucos pelo poder de qualquer forma. A humanidade se perdeu no caminho.

  3. VERGONHOSO o que está acontecendo em Natal. Um desvirtuamento total das orientações da OMS e das principais autoridades mundiais em relação ao cronograma e a ordem de prioridade estabelecida. Inclusive, em desobediência às orientações do Ministério da Saúde. Cidades da região metropolitana e a grande maioria das capitais muito mais adiantadas em relação ao grupos prioritários. Que as autoridades responsáveis não imaginem que serão beneficiadas eleitoralmente. Lembrem-se que os idosos tem família, parentes e amigos que certamente condenam veemente o descaso ao qual estão sendo submetidos. E, nas próximas eleições — se for essa a motivação, prá não aventar outras –, isso será lembrado. Precisamos que o MP adote imediatas iniciativas para abolir de vez e urgentemente essa prática criminosa e genocida em Natal.

  4. O MAIS IMORAL FOI VER ESTUDANTES DE MEDICINA SENDO VACINADOS, QUE ESTÃO ATÉ SEM AULAS

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

Polícia investiga esquema de R$ 3,5 milhões em empréstimos falsos com grandes bancos

Foto: Milton Montenegro /Getty Images

Um dos maiores bancos com operações no Brasil descobriu um golpe, alertado com exclusividade ao CNN Brasil Business, no qual revendedoras de carros vão atrás de indivídos para realizar crimes de estelionato por meio de financiamento de automóveis.

Um porta-voz da instituição bancária, que preferiu não se identificar, explicou que os estelionatários pediam financiamentos usando dados pessoais de vítimas — que não necessariamente eram correntistas dos bancos afetados.

Esse tipo de fraude é caracterizada como “engenharia social”. Atualmente, em 70% das vezes que isso ocorre, é dessa forma que os criminosos agem, segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos).

Após a descoberta do golpe, R$ 3,5 milhões foram autorizados para bloqueio, bem como os bens atrelados às lojas e aos sócios envolvidos das concessionárias. Seis prisões foram realizadas até o momento.

Entenda como as pessoas caíram nesses golpes, como os criminosos foram descobertos e o que a justiça está fazendo para conter as fraudes:

Ato I — Você ganhou um prêmio

Por WhatsApp ou pessoalmente, os estelionatários afirmavam que as pessoas em São Paulo tinham ganhado um prêmio de uma determinada franquia, e que, para resgatá-lo, era preciso oferecer o número do CPF, o nome do pai e da mãe, uma foto pessoal, entre outros itens necessários para conseguir a aprovação de um financiamento.

Depois disso, com os dados em mãos, os criminosos viajavam até Curitiba para realizar a solicitação do financiamento em lojas de automóveis.

Segundo o porta-voz do banco, os criminosos estavam contando “com a anuência [aprovação] da participação da loja de carro”. Para explicar de forma mais simples, o que acontece é que em toda concessionária existe uma senha responsável por fazer o financiamento de um veículo para o cliente. Para isso, é necessário ter uma fotografia atual da pessoa (não uma foto de uma foto). A partir disso, é utilizada uma senha do lojista para concretizar a proposta.

“Sem isso seria impossível. Ele [o criminoso] entra no banco com a senha do lojista, entra na conta de uma pessoa que tem score alto, CPF limpo, e consegue aprovar o financiamento. O objetivo, com isso, é o banco conceder o financiamento para a aquisição do carro e o estelionatálio ficar com o dinheiro, enquanto a vítima fica com a dívida”, explicou o porta-voz.

Ato II — A queda das máscaras

O banco, de acordo com o porta-voz, conseguiu identificar o golpe em outubro, “imediatamente depois de a primeira vítima contestar o financiamento indevido em seu nome”.

Depois disso, a instituição financeira entrou em contato com a Polícia Civil dos estados de São Paulo e do Paraná — onde os golpes estavam acontecendo.

“A investigação foi até uma das lojas e prendeu o proprietário. Apesar de ele falar que tinha emprestado a senha para um conhecido, o flagrante foi concretizado, justificando que ele tinha conhecimento de ter emprestado e foi negligente em passar a senha para um terceiro”, explica a delegada da Polícia Civil Dra. Nayara Caetano Borlina Duque.

Segundo Duque, o acusado “já era conhecedor de que a sua senha de lojista poderia estar sendo utilizada de maneira indevida”.

O advogado do réu, por sua vez, afirma que ele pode ter passado sua senha para que seus funcionários pudessem fazer financiamentos e simulações quando ele não estivesse presente e que a senha, apesar de “individual e intransferível”, precisou ser repassada para terceiros que podem tê-la utilizado de forma ilegal. “Quem dirá se ele é inocente ou não, é a justiça. Até a sentença, no entanto, ele é inocente”, finalizou o advogado.

Para Duque, no entanto, o movimento pode fazer parte de algo muito maior que “já se espalha pelo Brasil inteiro”. “O flagrante ainda está em andamento porque queremos saber quem usou a senha do lojista, e suspeitamos que existe uma quadrilha por trás”, diz.

“Queremos saber para quem será repassado o dinheiro. É um modus operandi que não está sendo um fato isolado, ele está se repetindo. Quando uma quadrilha está se especializando em uma ação, ela segue um formato, então estamos tentando descobrir quem mais está sendo envolvido”, afirma.

Em Curitiba, segundo o delegado Dr. Emmanoel Aschidamini David, foram presas duas pessoas, donos de lojas, que foram encaminhadas diretamente para a Polícia Federal. “O que fizemos foi um flagrante com o auxílio do banco, de gerentes de lojas que estavam em conluio com essas pessoas em São Paulo, mas a investigação não ficará conosco”, afirma em entrevista ao CNN Brasil Business.

A investigação, em São Paulo, começou em fevereiro — e parece estar longe de acabar.

Ato III — Os efeitos

Segundo o banco, já foram abertas ações cíveis contra as lojas envolvidas no golpe, e, até o momento, 10 já foram ajuizadas e sete responderam aos crimes. O banco solicitou a desconsideração da Pessoa Jurídica para bloqueio dos bens e dos valores até que o processo seja finalizado.

“Também houve a diminuição de lojas envolvidas nas fraudes, onde contávamos com uma média de 10 lojas novas a cada mês envolvida e em fevereiro obtivemos apenas 3 lojas”, diz o banco.

Para evitar que novos golpes do tipo aconteçam, o banco lidera, ao lado de outras grandes instituições financeiras e da Polícia Federal, “um grupo de trabalho para criar uma lista restritiva em comum de lojas envolvidas nesta modalidade de golpe e evitar novas vítimas.”

As lojas envolvidas nos golpes foram bloqueadas e estão “impedidas de realizar qualquer nova contratação de crédito.”

Ato IV — Como evitar cair em golpes

Para a Franco Advogados, o primeiro passo para evitar cair em golpes é não entregar cartões de crédito para pretensos portadores ou representantes de instituições financeiras ou de crédito.

Em segundo lugar, o ideal é evitar, a todo custo, tornar públicas, nas redes sociais, informações pessoais suas (seus hábitos, o que gosta, onde esteve, etc), “porque aí está o ponto de partida com base no qual sua vida, devassada por você mesmo, abastece todos os mal intencionados de informações a partir dos quais armam para você emboscadas, presenciais ou virtuais”.

Uma terceira dica, ainda, é “não entregar informações pessoais suas para quem quer que seja”, pessoalmente, por telefone, ou pela internet, a menos que você tenha iniciado alguma negociação ou contratação e, portanto, tenha partido de você a iniciativa de contratar ou negociar que somente se concretizará mediante entrega de tais informações;

Em quarto lugar, “nunca, jamais, clicar em links inseridos em mensagens eletrônicas (e-mails), sem que esteja seguro de que você conhece os meios para checar a veracidade daquela fonte.”

Neste ponto, vale lembrar a importância de deletar todos os e-mails esquisitos, como promoções, contas a pagar (especialmente, mas não apenas, de empresas de fornecimento de serviços públicos), avisos de cobrança, entre outros.

Por fim, é importante sempre manter suas senhas em local seguro e alterá-las com codificações fortes que contenham letras maiúsculas, letras minúsculas, números e símbolos e que não remetam a itens fáceis de serem adivinhados por terceiros.

Fui vítima de um golpe. E agora?

Quando uma pessoa cai em um golpe, não há receita mágia a fazer a não ser procurar a polícia e realizar um Boletim de Ocorrência.

Em relação à instituição financeira, é necessário entrar em contato imediatamente com o banco realizando uma contestação de fraude, informando desconhecer o financiamento. Desta forma, o “cliente receberá toda a tratativa correta”.

CNN Brasil

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

PF investiga crime praticado contra agência dos Correios no interior do RN

Foto: Divulgação/PF

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, 23/03, a Operação Key Wall visando identificar a autoria do furto mediante arrombamento praticado no dia 24/01/2019 contra a agência dos Correios de Martins/RN. Estão sendo cumpridos dois mandados de busca e apreensão expedidos pela 12ª Vara Federal em Pau dos Ferros/RN, nas cidades de Mossoró/RN e Natal/RN.

De acordo com a comunicação de delito encaminhada pelos Correios, aquela ação criminosa ocorreu durante a madrugada, onde pelo menos quatro suspeitos arrombaram a parede da agência e subtraíram significativa quantia existente no interior do cofre.

Todos os investigados possuem antecedentes criminais, mas a PF não descarta a participação de outros indivíduos no crime em apuração. Dos envolvidos, um encontra-se preso no Sistema Penal do Rio Grande do Norte, outro foi assassinado, e os demais são destinatários dos mandados de busca hoje cumpridos.

A ação teve apoio da Força-Tarefa, composta por policiais federais, policiais civis, policiais militares e policiais penais federais, atuando em colaboração com a Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública (SEOPI/MJ).

A Força-Tarefa conta com a colaboração de todos por meio do telefone (84) 3323-8300 e o WhatsApp (84) 9218- 0326, canais indicados para recebimentos de informações, denúncias de crimes, preservando-se sigilo da fonte.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MPRN investiga prefeito Álvaro Dias por distribuição de Ivermectina no tratamento contra covid-19

Em resposta a consulta da deputada Natália Bonavides(PT-RN), o Ministério Público confirmou a parlamentar que investiga o prefeito de Natal, Álvaro Dias(MDB), por incentivar o uso de medicação “sem comprovação científica”, como a ivermectina, e por distribuição do medicamento no tratamento à Covid-19.

No despacho, o MP destacou que já existe uma investigação em curso contra o prefeito: “com relação ao uso profilático da ivermectina, já há, no âmbito desta CJUD, Notícia de Fato em andamento, a fim de apurar a possível prática dos crimes previstos nos artigos 268 e 280 do Código Penal, pelo Prefeito de Natal/RN, Álvaro Costa Dias, em decorrência da propagação do uso da Ivermectina como meio substitutivo ao uso da vacina para imunização coletiva”.

O MP ainda destacou no despacho que a representação apresentada pela parlamentar foi anexada a investigação existente por destacar que “tal prática pode configurar também possível ato de improbidade administrativa praticado pelo prefeito”.

Representação protocolada por Bonavides

A deputada federal Natália Bonavides entrou com representação no MP/RN contra o último decreto (nº 12.179/2021) publicado pela Prefeitura de Natal, na sexta-feira (06), e contra o prefeito de Natal, Álvaro Dias. O decreto recomenda a realização de tratamento preventivo contra a Covid-19 sem que haja fundamentação científica para tal, destaca a assessoria da parlamentar.

Opinião dos leitores

  1. Se for usar só remédio com comprovação científica, o paciente fica em casa esperando a morte chegar.
    Em vários países se usa.
    Por que essa perseguição no Brasil a quem quer ajudar?

  2. BG.
    Fariam mais proveito se fossem atrás dos R$ 5.000.000,00 roubados do erário público, arrancado dos impostos extorcivos que pagamos e são roubados e fica por isso mesmo. Um absurdo.

  3. Esse papo de ivermectina já deu.Vamos nos proteger do jeito que sabemos e aguardar a vez da vacina .Quem quiser tomar e se achar protegido tome o remédio de sarna e piolho.Quem não quer não toma . É simples assim.Mas acho que não serve senao natal não seria epicentro do vírus maldito.

    1. Epicentro?
      Tem certeza?
      Quem pegou tomou ivermectina ?
      Não estou dizendo que funciona .
      Só sei que ano passado, em junho, quando o prefeito começou a distribuir e ELE reabriu tudo (inclusive academia que a turma da esquerda lotou), os números despencaram.
      Quem falou em substituir a vacina ?
      Ainda não tem vacina para todo mundo…

    1. Depurada , se não puder ajudar não trabalhe.
      Deputada , PORTUGAL, JAPÃO E O CHILE , estão fazendo pesquisa sobre IVERMECTINA .

  4. As vezes constatamos o baixo nível de nossos políticos sem fazer força.
    Essa deputada não se preocupa, nem preocupou com os R$ 5 milhões que foram dados ao consórcio nordeste e virou pó.
    Essa deputada não tem a menor preocupação com os R$ 1,5 milhões que foram desperdiçados na compra de respiradores com defeito.
    Ela não deveria está preocupada e cobrando a abertura de leitos para tratar os doentes com covid? E para aparecer vai questionar o uso do remédio de piolho? A culpa é do povo que não sabe votar.

  5. Só sabe ser 'du contra" apresentar projetos que beneficiem a população que é bom nada. Deveria ter aproveitado e protocolado uma representação a respeito do paradeiro dos CINCO MILHÕES…

  6. Parece ser um ótima oportunidade para o Prefeito mostrar:
    Já existem mais de 45 estudos apresentados em revistas médicas comprovando a eficiência da ivermectina quanto a diminuição da ação do covid.
    A India, Peru e México que adotaram e distribuíram a ivermectina desde o início da pandemia, apresentam os números de mortes são os mais baixos do mundo. Enquanto na África que usam a medicação para combater outros vírus, teve a população pouco atingida pelo covid.
    Em recente e extenso estudo publicado no site ivermeta.com ficou provado que:
    A ivermectina tem eficácia se usada em tratamento precoce em 82% dos casos;
    A ivermectina tem eficácia se usada em tratamento tardio em 51% dos casos;
    A ivermectina tem eficácia se usada como profilaxia em 89% dos casos;
    Já tiveram trabalhos sobre a ivermectina publicados na França, Jamaica, Coreia do Sul, Tóquio, Israel, Eslováquia e muitos médicos dos EUA confirmando a atuação da ivermectina contra o covid.
    Mas nessas terras de Cabral a palavra de alguns políticos tem que valer mais que a ciência, que são contra a medicação sem qualquer conhecimento, mas proíbem baseado em ideologia e querem impor o não uso a força.
    Se tudo que já existe cientificamente publicado, não resolve, então que esses políticos que são contra, relatem QUAL O MAL QUE A IVERMECTINA FAZ?

    1. Os EUA, a união europeia e a grande maioria dos países no mundo recusam esse tratamento milagroso. Deve serem, seus governantes, todos criminosos genocidas que deixam acontecer mortes em seus países, mesmo com tratamento. 90% dos pacientes que foram para UTI s fizeram uso dessa medicação, Natal está no pior momento da pandemia e a prefeitura vem liberando esse tratamento já faz tempo. A literatura que vale e que importa para a ciência não comprovou a sua eficácia. Deixem de negar a ciência. Um dia todos esses irão ser responsabilizados por indicarem tratamento sem comprovação científica.

  7. Esse tal MP sempre na contra-mao pq não vão investigar a falta de leitos o povo morrendo e eles vão investigar uma coisa que dá dando certo o remédio…. isso é BRASIL minha gente salve quem tive mais dinheiro.

  8. Já há inúmeros estudos e incontáveis médicos que atestam a eficácia dessa droga na diminuição da multiplicação do vírus. No RN mesmo, há muitos bons médicos que recomendam e prescrevem. Há países que já adotaram oficialmente. E muita gente está usando preventivamente. Remédio antigo, seguro e barato (não tem mais patente). Por que o MP não vai atrás de algo produtivo prá fazer? Contribuam positivamente ao invés de tentar sempre atrapalhar. Isso já está ficando insuportável.

  9. Gostaria de uma pesquisa no MP de quantos estao tomando ivermectina, quantos familiares usaram a medicacao.. Será que fariam isso? A dep usou qual ciencia pra justificar sua posicao? Será que aquela do ano passado ou deste ano? a ciencia vem mudando e cada dia medicacoes off label tem demonstrado alguma eficiencia. Será que a deputada vai proibir o uso de off label nas UTIs tambem??

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Judiciário

MP do RJ encerra órgão que investiga rachadinhas; funções vão para grupo de combate ao crime organizado

Eduardo Gussem (E) cumprimenta seu sucessor no MPRJ, Luciano Mattos — Foto: Reprodução/MPRJ

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) determinou nesta quarta-feira (3) o fim do Grupo de Atuação Especializada e Combate à Corrupção (Gaecc). Esse núcleo especializado investigou, entre outros casos, a suspeita de rachadinhas de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj).

Uma resolução assinada pelo procurador-geral de Justiça do RJ, Luciano Mattos, revoga outra, de 2016, que havia criado o Gaecc.

A decisão, publicada no Diário Oficial do MPRJ desta quinta-feira (4), determina que os trabalhos do Gaecc vão para um departamento a ser criado no Grupo de Atuação Especializada e Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

O G1 apurou que a reorganização dos grupos de atuação do MPRJ tira, na prática, autonomia dos membros do Gaecc, pois todos agora terão que se submeter à direção do Gaeco.

Caberá ao coordenador do Gaeco, por exemplo, autorizar a abertura de procedimentos.

Já nesta quinta-feira, Mattos citou 41 inquéritos envolvendo o Gaecc que vão para o novo núcleo.

A resolução especifica que o novo núcleo no Gaeco “atuará no combate às milícias, ao tráfico de drogas e à lavagem ou ocultação de bens”. Também ficará responsável por investigar crimes contra a administração pública, como os relacionados a licitações.

No final de 2020, 21 dos 22 promotores do grupo foram exonerados.

G1

Opinião dos leitores

    1. Normalmente quem chama o Presidente de Bozo, usa calcinha apertada kkkkk
      Bolsonaro é duro Kkkk.
      Bolsonaro é imbroxável
      Bolsonaro tem o cunhão rôxo

  1. Lista de alguns Deputados Estaduais do RJ envolvidos no esquema das rachadinhas (em milhões)
    André Ceciliano (PT)
    R$ 49,3
    Paulo Ramos (PDT)
    R$ 30,3
    Márcio Pacheco (PSC)
    R$ 25,3
    Luiz Martins (PDT)
    (preso) R$ 18,5
    Dr. Deodalto (DEM)
    R$ 16,3
    Carlos Minc (PSB)
    R$ 16,0
    Coronel Jairo (SD)
    (preso) R$ 10,2
    Marcos Müller (PHS)
    R$ 7,8
    Luiz Paulo (PSDB)
    R$ 7,1
    Tio Carlos (SD)
    R$ 4,3
    Pedro Augusto (MDB)
    R$ 4,1
    Átila Nunes (MDB)
    R$ 2,2
    Iranildo Campos (SD)
    R$ 2,2
    Márcia Jeovani (DEM)
    R$ 2,1
    Jorge Picciani (MDB)
    (preso) R$ 1,8
    Eliomar Coelho (PSOL)
    R$ 1,7
    Flávio Bolsonaro (ainda no PSL)
    R$ 1,3
    Waldeck Carneiro (PT)
    R$ 0,7
    Benedito Alves (PRB)
    R$ 0,5
    Marcos Abrahão (Avante)
    (preso) R$ 0,3

    1. O cara do PT em primeiro lugar e ninguém fala porra nenhuma. O sistema é cruel!

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Finanças

TCU investiga consultoria que empregou Moro e fala em bloquear pagamentos

Foto: Sérgio Lima/Poder360

O ministro Bruno Dantas, do TCU (Tribunal de Contas da União), publicou um despacho (íntegra – 522 KB) em que questiona a legalidade de contrato firmado entre a consultoria Alvarez & Marsal e o ex-juiz federal e ex-ministro da Justiça, Sergio Moro.

O documento, assinado na última 4ª feira (24.fev.2021), requisita à empresa e ao juiz da 1ª Vara de Falências de São Paulo que esclareçam se “o contrato celebrado com o ex-juiz se trataria, na verdade, da ‘compra’ de informações privilegiadas obtidas pelo então magistrado” para que seja avaliado o bloqueio de pagamentos à consultoria.

Dantas solicita que a Alvarez & Marsal informe o valor da remuneração paga a Moro. Ele levanta a possibilidade de o ex-juiz ter tido acesso a informações sigilosas do funcionamento da Odebrecht e se beneficiar por “ter contribuído para a situação de insolvência da empresa”.

“Soa deveras conflitante que, após ser investida na condição de administradora judicial das empresas do grupo Odebrecht, em 17.jun.2019, a Alvarez & Marsal tenha incorporado ao seu quadro societário, em 30.nov.2020, o ex-juiz Sergio Moro”, escreveu o ministro.

“Além de possuir informações privilegiadas sobre o funcionamento das empresas do grupo Odebrecht, o então juiz teria tomado decisões judiciais e orientado as condições de celebração de acordos de leniência, o que naturalmente contribuiu para a situação econômico-financeira da empresa da qual resultou o processo de recuperação judicial”, afirmou Dantas.

O ministro do TCU também citou as supostas mensagens reveladas pela operação Spoofing em que Moro teria orientado a forma de atuação de procuradores do MPF (Ministério Público Federal) com a Odebrecht.

“Mensagens tornadas públicas recentemente apontam para o fato de que o ex-juiz teria orientado a forma de atuação de procuradores do MPF nas denúncias e ações contra a empresa”, disse.

Moro foi contratado pela consultoria norte-americana em dezembro, para atuar na área de “disputas e investigações”. A empresa tem quase R$ 26 milhões a receber de alvos da operação Lava Jato, como a Odebrecht.

O ofício assinado pelo ministro do TCU responde a um pedido do subprocurador-geral Lucas Rocha Furtado, do MPTCU (Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União), que solicitou ao Tribunal (íntegra – 87 KB) que determine a suspensão de qualquer pagamento à empresa Alvarez & Marsal referente à recuperação judicial da Odebrecht, até que o tribunal avalie o papel de Moro no agravamento da situação econômica da empreiteira.

Duas decisões judiciais estabelecem os montantes destinados ao escritório que Moro presta consultoria. Num dos despachos (íntegra – 68 KB), de 2019, o juiz João de Oliveira Rodrigues Filho determina que a Atvos, produtora de etanol pertencente ao grupo Odebrecht, pague o valor de R$ 10,8 milhões, em 30 parcelas de R$ 360.000.

A outra decisão (íntegra – 60 KB), de 2015, estipula à OAS o valor de R$ 15 milhões, divididos em 30 parcelas mensais, sendo as 10 primeiras no valor de R$ 400.000, as 10 seguintes no valor de R$ 500.000 e as 10 últimas no valor de R$ 600.000. Esse contrato, segundo o escritório informou ao Poder360, foi firmado em 2015.

Ao pedir a suspensão de pagamentos para a Alvarez & Marsal, Furtado diz ser necessário considerar o “risco de conflito de interesses que pode surgir” quando Moro, em um primeiro momento, “atua em processo judicial que interfere no desempenho econômico e financeiro da empresa e, em em um segundo momento, aufere renda, ainda que indiretamente, com o processo de recuperação judicial para o qual seus atos podem ser contribuído”.

O QUE DIZ A ALVAREZ & MARSAL

Em 1º de dezembro, ao Poder360, a assessoria da Alvarez & Marsal negou que o contrato assinado por Moro possa gerar conflitos de interesse.

“Sergio Moro foi contratado para atuar na área de ‘Disputes and Investigation’, liderado por Marcos Ganut no Brasil. Existe uma alta demanda do setor privado para o desenvolvimento e criação de sistemas de integridade, conformidade e compliance. A A&M atua na busca pelo aprimoramento, reestruturação e adoção de políticas efetivas de conformidade das empresas, e não na defesa delas”, diz a nota.

“Foi estabelecido uma cláusula contratual em que Moro não atuará em projetos que possam gerar conflitos de interesse. Mais do que isso, a A&M não advoga em defesa das companhias, mas como advisor para reestruturações e transformações corporativas, esta última prática onde se encontra a área de ‘Disputes and Investigations’”, acrescenta o escritório.

Poder 360

Opinião dos leitores

  1. Vixe ZeGado, sua fama de fazendeiro, rico, está caindo por terra, essa sua mania de defender o meliante está gerando fumaça e vc sabe, onde tem fumaça tem fogo.

  2. Tcu interferindo em iniciativa privada, enquanto o estado é saqueado livremente. É o fim do mundo!

    1. Quem deveria estar na Papuda era o ladrão de 9 dedos! Aquele cujos "eggs" você não tem vergonha de lamber diariamente!

    2. Canalha, te desejo sempre perto de indivíduos do caráter de luladrã, e distante de homens da estirpe de Moro, é só o que mereces.

  3. Os criminosos não se conformam. Querem, de todo jeito, cancelar o Digno e Corajoso Dr. Sérgio Moro. Quando será que irão entender o papel que este cidadão representou na tentativa de moralizar o Brasil?

    1. Acho que você está trocando as bolas. Quem quer desqualificar e tornar Moro envolvido é a esquerda em relação as condenações do ex presidente. O resto são versões e mais versões para enganar os zumbis e manter a torcida por seus corruptos de estimação.

    2. Isso é um traíra. Fez um favorzinho pra o Brasil, prendendo alguns ladrões, inclusive, usando meios ilícitos. Mas a intenção dele era outra. Vai parar na cadeia. #Moro 2022, na cadeia.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

VÍDEO: Polícia Civil investiga show do cantor Belo que reuniu multidão no Rio

Foto: Reprodução/CNN Brasil

O show do cantor Belo na zona norte do Rio de Janeiro é alvo de uma investigação da Polícia Civil. A Delegacia de Combate às Drogas (DCOD) instaurou inquérito para apurar as circunstâncias de como o evento aconteceu na noite do sábado de carnaval (13), na Maré.

A apresentação do pagodeiro reuniu uma multidão e contrasta com o momento atual de isolamento da cidade. A capital está há quatro semanas em alto risco de contaminação. As autoridades proibiram festas e blocos de carnaval que formem aglomeração na tentativa de conter a disseminação da pandemia do coronavírus.

O show foi filmado pelo próprio público e postado em diversas redes sociais. No vídeo é possível ver centenas de pessoas aglomeradas no local. (ASSISTA REPORTAGEM AQUI).

O artista será intimado para esclarecer quem pagou o cachê da apresentação e organizou o evento. De acordo com a nota enviada pela Polícia Civil, “todas as pessoas envolvidas no evento serão ouvidas para esclarecimento”.

A assessoria de imprensa do cantor Belo disse à CNN que o show foi feito seguindo todos os protocolos de segurança e lembrou que as praias estão lotadas, assim como os transportes públicos, e só quem sofre as consequências são os artistas.

Além disso, a assessoria disse que o segmento foi o primeiro a parar por causa da pandemia e que até agora não houve apoio de ninguém para a retomada.

“Fomos contratados por uma produtora!! Temos contrato firmado com essa empresa!! Quanto ao local não cabe ao artista!! Fomos contratados para fazer o show e cumprimos o que foi acordado!! Sem mais”, afirmou a assessoria do artista.

A CNN também questionou a assessoria de Belo sobre o comparecimento do cantor tão logo a intimação seja concretizada. A assessoria se limitou a dizer essa parte ficará a cargo do departamento jurídico.

Com CNN Brasil

Opinião dos leitores

  1. Eles vão pra festa justamente por acreditarem no Bolsoloide, pois, como não iriam a uma festinha se só temos uma gripizinha pra evitar? Atchin.

    1. Tem que ser muito imbecil para acreditar que esse povo foi influenciado por Bolsonaro.

    2. BoNeco, tem que ser muito imbecil pra ser influenciado por Bozo. Mas o mundo está cheio de imbecis.

    3. Neco, vc é o exemplo clássico de uma pessoa influenciada pelo bozo. Na falta de ter o q dizer, apenas xinga.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Polícia

Lewandowski autoriza diligências da Polícia Federal em inquérito que investiga ministro Pazuello

FOTO: ADRIANO MACHADO/ REUTERS

O ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), deferiu nesta segunda-feira (15) pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para que a Polícia Federal realize diligências no inquérito que investiga eventual responsabilidade do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, na crise de saúde pública de Manaus, em que pacientes de Covid-19 chegaram a morrer por falta de oxigênio nos hospitais.

Na decisão, o ministro autorizou depoimentos de funcionários do Ministério da Saúde e de secretarias de Saúde do Amazonas e de Manaus; acesso a e-mails; a informações sobre fornecimento e transporte de oxigênio; a informações sobre gastos com distribuição de medicamentos para tratamento precoce e que não têm eficácia comprovada contra a Covid.

Até agora, só o ministro Pazuello foi ouvido na investigação. Ele negou omissão do governo na crise sanitária no Amazonas. No último dia 11, durante audiência no Senado, Pazuello afirmou que não houve relato de falta de oxigênio no início de janeiro em Manaus.

A PGR requisitou ao Supremo:

e-mails institucionais trocados entre o Ministério da Saúde e as secretarias de Saúde do Amazonas e de Manaus

depoimentos de representantes da empresa White Martins, fornecedora de oxigênio hospitalar

obtenção de informações sobre as tratativas de transporte de oxigênio para Manaus e de remoção de pacientes de Manaus para os hospitais universitários federais administrados pela EBSERH {Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares];

identificação e oitiva dos desenvolvedores do aplicativo TrateCOV (que recomendava tratamento precoce contra a Covid-19)

identificação de gastos de aquisição e distribuição dos medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina e dos testes do tipo RT-PCR;

depoimentos de funcionários do Ministério da Saúde e das secretarias de Saúde do Amazonas e de Manaus que participaram de reuniões e visitas, “em especial daqueles eventualmente exonerados”

“As providências preconizadas encontram respaldo nas atribuições que a Constituição e a lei conferem ao Ministério Público. Ademais, contemplam medidas que, ‘mutatis mutandis’, são ordinariamente adotadas em procedimentos dessa natureza. Isso posto, defiro os pedidos formulados pelo PGR e determino o encaminhamento destes autos à Polícia Federal para a realização das diligências requeridas”, escreveu o ministro na decisão.

O inquérito

Em janeiro, o Supremo Tribunal Federal autorizou a abertura de inquérito para investigar a conduta de Pazuello no enfrentamento da crise da saúde do Amazonas.

A apuração requerida pela PGR analisa a suposta omissão do governo diante do colapso que vitimou pessoas no estado diante da falta de oxigênio.

Segundo a PGR, apesar de ter sido observado o aumento de casos de Covid-19 já na semana do Natal, o ministro da Saúde optou por enviar representantes da pasta a Manaus apenas em 3 de janeiro, uma semana depois de ter tomado conhecimento da situação calamitosa em que se encontrava a capital.

Outro ponto, de acordo com a procuradoria, é que a gravíssima situação dos estoques de oxigênio hospitalar em Manaus chegou ao conhecimento do ministério em 8 de janeiro por meio da White Martins, fabricante do produto, e que o Ministério da Saúde apenas iniciou a entrega de oxigênio em 12 de janeiro.

Em 14 de janeiro, portanto oito dias depois de Eduardo Pazuello saber do iminente colapso no sistema de saúde de Manaus, o ministério fez a entrega de 120 mil unidades de hidroxicloroquina, como medicamento para tratar a Covid-19, quase a mesma quantidade de testes do tipo PCR que havia sido entregue ao estado do Amazonas. A cloroquina não tem eficácia cientificamente comprovada no tratamento da Covid-19.

Além do inquérito sobre a crise em Manaus, a Procuradoria-Geral da República abriu uma apuração preliminar para analisar as ações de Pazuello diante da evolução da pandemia no Pará.

Se avaliar que há elementos que indiquem crime, a PGR pode pedir a abertura de uma nova investigação do ministro no STF.

G1

Opinião dos leitores

  1. Coitado do ministro. É só um borra botas, pobre coitado, pau mandado, que cumpre ordens sem pensar, como ele mesmo afirmou. A investigação tem que chegar ao chefe da quadrilha, o Bozo.

  2. Esse ministro foi escolhido e colocado no STF por quem? Está lá para fazer o jogo político e nunca teve compromisso com a justiça.
    Mais um que sempre trabalhou e se beneficiou por servir a um partido político. Nunca deveria ser do STF, tornou aquela corte pequena e tem contribuído no desgaste diário com as decisões partidárias que toma.

  3. Esse judiciário tá pedindo pra ser fechado. Eu concordo que ta na hora de dá um basta nesse absurdo que é o judiciario ter o poder suprwmo sobre o legislativo e executivo. Fecha e passa o rodo, depois vê o que fazer.

  4. As digitais desse milico e do Presidente, estão nas quase 240 mil mortes.
    O Min. Lewandowski foi generoso, eu teria decretado a prisão.

    1. Aí é que vc se engana.
      Vai terminar em uma das duas casas legislativas.
      Esses caras estão fazendo a campanha dele.
      kkkkkkkkk
      Escreva aí.

    1. Vdd
      Politicagem do próprio governo, que quer sempre achar um culpado, o fim da história ja sabemos, vão botar toda ineficiência na conta do pazuello

    2. Não sei que ineficiência é essa, quando tem países mais ricos, menores e menos populosos com mais mortes proporcionais do que o Brasil. Quando há mortes, culpa do governo federal, quando se evitam, mérito de Estados e municiípios. Padrão desonesto.

Comente aqui

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *