Ex-presidente do Uruguai José “Pepe” Mujica renuncia ao Senado e se aposenta da vida política ativa

De máscara, Pepe Mujica se despede após apresentar sua renúncia como senador Foto: PABLO PORCIUNCULA / AFP

O ex-presidente do Uruguai José “Pepe” Mujica (2010-2015) renunciou ao cargo de senador, retirando-se da vida política ativa nesta terça-feira. O político da Frente Ampla de esquerda, eleito senador em 2014, já havia anunciado que renunciaria ao cargo no mês passado, por motivos de saúde.

Mujica, de 85 anos, se despediu do Congresso nesta terça, data que também marcou a renúncia de outro ex-presidente, Julio María Sanguinetti (1985-1990 e 1995-2000), de 84 anos, do Partido Colorado. Os adversários políticos decidiram abandonar o Senado em uma sessão conjunta, gesto classificado por outros parlamentares como um “reflexo da democracia”.

Aplaudido de pé, Mujica fez um emocionado agradecimento aos seus colegas e aos funcionários da Casa. Segundo ele, sua saída não “significa o abandono da política, mas sim o abandono da linha de frente”.

— No meu jardim, há décadas não cultivo o ódio. Aprendi uma dura lição que a vida me impôs. O ódio acaba deixando as pessoas estúpidas — disse o ex-presidente, que passou 13 anos preso durante a ditadura militar. — Passei por tudo nessa vida, fiquei seis meses atado por um arame, com as mãos nas costas, fiquei dois anos sem ser levado para tomar banho e tive que me banhar com um copo. Já passei por tudo, mas não tenho ódio de ninguém e quero dizer aos jovens que triunfar na vida não é ganhar, mas sim se levantar toda vez que cair.

Coronavírus

Em setembro, Mujica revelou que, devido a uma doença imunológica crônica, não poderá tomar uma vacina contra o coronavírus quando ela for disponibilizada. Agora, disse que atuará como um “conselheiro” para seus partidários.

— Vou porque a pandemia está me obrigando. Ser senador é falar com as pessoas e andar por todo lugar. Estou ameaçado por todos os lados: pela velhice e por minha doença crônica — afirmou ele.

Pouco antes da sessão, Mujica afirmou que a despedida conjunta com Sanguinetti ocorreu porque após conversarem e perceberem que estavam “na mesma esquina”. Segundo o ex-presidente de esquerda, a simbologia disso é importante para o Uruguai porque, “em outros países, eles [adversários políticos], sequer se cumprimentam”.

Sanguinetti, por sua vez, lembrou em uma carta de despedida que sua renúncia já estava prevista desde antes das eleições nacionais de 2019. A decisão, ele disse, foi tomada pela necessidade de atender a secretaria-geral do Partido Colorado e às suas atividades como jornalista e correspondente editorial.

Vida simples

Mujuca tem uma longa carreira política e de militante: durante a sua juventude, fez parte da guerrilha Tupamaros que lutava contra a ditadura militar no país, participação que lhe deixou preso de 1972 a 1985. Em 2018, quando renunciou ao Senado pela primeira vez, disse em uma carta estar “cansado da longa viagem” e que iria se “refugiar na aposentadoria”. Menos de um ano depois, no entanto, candidatou-se novamente e foi eleito.

No poder, acabou ficando conhecido mundialmente por sua postura e vida simples — até hoje, ele se locomove com um velho fusca azul — e por ter um governo mais progressista, com a descriminalização do aborto e da maconha, além da legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo. O político também doou grande parte de seu salário na Presidência por considerar que no Uruguai “vivem muitas pessoas pobres”.

A despedida foi marcada por cumprimentos e palavras bondosas de outros senadores. Óscar Pepe, da Frente Ampla, disse que o “ideal de Pepe emociona” porque “dedicar a vida à política tem a ver com injustiças que te aflingem”:

— Viver é ter causas, viver é luta, e por isso o agradecimento de poder viver ao lado de companheiros como Mujica — afirmou.

Sanguinetti foi presidente durante a transição democrática uruguaia, quando foi eleito por voto popular em 1985, após 13 anos de ditadura. Em 1995, ganhou novamente as eleições. Há décadas, é uma das principais lideranças do Partido Colorado que, que em seus mais de 180 anos foi predominante em diferentes governos do país. Sua popularidade, no entanto, caiu após o governo de Jorge Batlle (2000-2005), que em 2002 enfrentou uma das maiores crises econômicas do Uruguai.

O Globo

 

OPINIÃO DOS LEITORES:
  1. Moral dos Santos disse:

    Lixo de pessoa, amigo do Lula só pode ser ladrao.

  2. Pedro disse:

    Manoel Mané Lusitano, tu ainda podes viver num paraíso, tipo cuba, Venezuela, Bolívia Coreia do norye, aqui tu vai sofrer, faltam seus para o redentor indica e seu substituto.

    • milton silva disse:

      Não misturar a postura de Sr. Mijuca , homem integro e querido , com a do tal de Lula, o homem que se afundou na lama, arrastando consigo a maior parcela de seus seguidores.

  3. Pedro disse:

    Amigo, não sei em que sentido essa comparação, de uma coisa tenho impressão, música é menos ladrãoo e responsável.

  4. natal sofrida disse:

    È a cara do luladrão, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  5. Manoel disse:

    Grande Mujica!
    Sempre certeiro. Aqui no Brasil o ódio fez as pessoas votarem em uma pessoa totalmente desqualificada para presidente. O estrago será imenso.

    • paulo disse:

      BG
      As pessoas retiraram uma quadrilha da pior especie do poder. Ladrões contumazes e ainda aparece um mané pra falar xinica.

    • Marcos Benício disse:

      "paulo", não sei que espécie de coisa você é, pois escreveu seu próprio nome com letra minúscula. Talvez seja por isso que você é tão irracional!

  6. CHOCOLATE 🍫 COM PIMENTA 🌶 disse:

    Grande figura humana, igual ao Presidente Lula.

    • VTNCPT disse:

      Sujou de 💩 a integridade moral de Mujica ! Assaltantes não podem ser incensados !!!

COMENTE AQUI